K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5

883 visualizações

Publicada em

CENTRALIZAÇÃO DO PODER - ABSOLUTISMO
MERCANTILISMO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
883
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5

  1. 1. CAPÍTULO 5 O JOGO DO PODER: A CENTRALIZAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO
  2. 2. Palácio de Versalhes (Château de Versailles) fica localizado na cidade de Versalhes, atualmente um subúrbio de Paris, França. É o maior palácio do mundo e é famoso, não só pela edificações, mas por ser símbolo e centro do poder da monarquia francesa.
  3. 3. Construído pelo rei Luís XIV, o “Rei Sol”, a partir de 1664, foi por mais de um século o modelo de residência real na Europa. O Palácio tem 2.153 janelas, 67 escadas, 352 chaminés, 700 quartos, 1.250 lareiras e 700 hectares de parque. Recebe em média oito milhões de turistas por ano.
  4. 4. COMO OCORREU O PROCESSO DE CENTRALIZAÇÃO MONÁRQUICA NA EUROPA OCIDENTAL?
  5. 5. RENASCIMENTO COMERCIAL: O COMÉRCIO CRESCIA E OS SENHORES FEUDAIS NÃO TINHAM CONTROLE DISSO; REVOLTAS DOS SERVOS: OS SENHORES FEUDAIS FORAM PERDENDO O CONTROLE SOBRE OS CAMPONESES; FUGAS DOS SERVOS: OS SERVOS FORAM FUGINDO DOS FEUDOS E AS CIDADES FORAM RENASCENDO; O SISTEMA POLÍTICO FEUDAL NÃO ATENDIA MAIS ÀS EXIGÊNCIAS DE UMA ÉPOCA EM QUE O FLUXO DE PESSOAS E MERCADORIAS CRESCIA A CADA ANO E MUITAS PESSOAS, ESPECIALMENTE AS DA CIDADE, JÁ NÃO DEPENDIAM MAIS DOS SENHORES FEUDAIS. V X XI XII XIII XIV XV XVI XVII XVIII Alta Idade Média Baixa Idade Média IDADE MÉDIA IDADE MODERNA
  6. 6. DURANTE O FEUDALISMO, OS REIS EXISTIAM, MAS NÃO EXERCIAM O SEU PODER DE FATO, POIS O PODER ERA DESCENTRALIZADO. CADA REI, SÓ EXERCIAM O PODER EM SUAS TERRAS, POIS CADA SENHOR FEUDAL ERA SOBERANO NO SEU FEUDO.
  7. 7. CRISE DO SÉCULO XIV DIFICULDADE DOS SENHORES FEUDAIS DE COMBATER: FOME NECESSIDADE DA AUTORIDADE DO REI PESTE NEGRA REVOLTA POPULA-RES GUERRA DOS CEM ANOS
  8. 8. O PROCESSO DE CENTRALIZAÇÃO POLÍTICA, COMANDADA PELOS REIS, CONTOU COM O APOIO DA: NOBREZA FEUDAL: PERCEBEU QUE A AUTORIDADE CENTRAL ERA O MELHOR CAMINHO PARA COMBATER A CRISE DO SÉCULO XIV ( FOME, PESTE NEGRA, REVOLTAS NO CAMPO E NA CIDADE). BURGUESIA: PERCEBEU QUE A AUTORIDADE CENTRAL PODERIA ADOTAR MEDIDAS QUE FACILITASSE O COMÉRCIO, COMO POR EXEMPLO, A MOEDA ÚNICA.
  9. 9. A REFORMA RELIGIOSA, OCORRIDA NA SÉCULO XVI, CONTRIBUIU PARA A CENTRALIZAÇÃO MONÁRQUICA EM ALGUNS PAÍSES DA EUROPA. COM O APOIO DO PAPA E DA IGREJA CATÓLICA, OS REIS PASSARAM A PROIBIR O PROTESTANTISMO, COMO FORMA DE MANTER O PAÍS UNIDO EM TORNO DE UM REI CATÓLICO. EX: PORTUGAL NOS PAÍSES PROTENTANTES, OS REIS TAMBÉM USARAM A RELIGIÃO COMO PRETEXTO PARA CENTRALIZAR O PODER EM SUAS MAÕS, PROIBINDO O CATOLICISMO E SE TORNANDO, MUITAS VEZES, CHEFE DA IGREJA LOCAL. EX: INGLATERRA
  10. 10. CARACTERÍSTICAS DE UM ESTADO ABSOLUTISTAS 1. ÚNICO CONJUNTO DE LEIS A SEREM OBEDECIDAS POR TODOS OS HABITANTES; 2. CÓDIGOS E SISTEMAS ADMINISTRATIVOS OPERADOS POR PESSOAL ESPECIALIZADO 1 2 3 4 5 (BUROCRACIA); 3. CONCENTRAÇÃO DE PODER MATERIAL E ESPIRITUAL ( IGREJA CONTROLADA PELO REI); 4. EXÉRCITO ÚNICO A SERVIÇO DO REI E DEPENDENTE DELE; 5. CONTROLE DA ECONOMIA DO ESTADO (ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS PARA MANTER OS GASTOS); 6. ELIMINAÇÃO DA AUTONOMIA DAS CIDADES E ENFRAQUECIMENTO DOS PODERES LOCAIS E REGIONAIS. 6
  11. 11. 1º ESTADO CLERO 2º ESTADO NOBREZA 3º ESTAD0 NÃO PAGAVAM IMPOSTOS E PODIAM PARTICIPAR DOS BURGUESIA E CAMADAS POPULARES CARGOS PÚBLICOS REI APESAR DE TODA A CENTRALIZAÇÃO E DO ABSOLUTISMO, A SOCIEDADE DOS PAÍSES ABSOLUTISTAS CONSERVOU UM ESTRUTURA SOCIAL SEMELHANTE À DA ÉPOCA FEUDAL: UMA SOCIEDADE DE PRIVILÉGIOS NÃO PAGAVAM IMPOSTOS, RECEBIAM PRESENTES E CONTROLAVAM AS TERRAS E PODIAM PARTICIPAR DOS CARGOS PÚBLICOS
  12. 12. TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO NICOLAU MAQUIAVEL (1469 – 1527) LIVRO PRINCIPAL: O Príncipe •“razão de Estado” acima de tudo. •“os fins justificam os meios”. •“ é preferível ser temido que amado”.
  13. 13. THOMAS HOBBES (1588-1679) LIVRO PRINCIPAL: Leviatã •Poder do Estado acima de tudo. •Estado serve para livrar a humanidade do caos e da anarquia. •“o homem é o lobo do homem”.
  14. 14. JACQUES BOUSSET (1627–1704) LIVRO PRINCIPAL: A POLÍTICA DAS SAGRADAS ESCRITURAS • O rei “ é a imagem de Deus sentada no seu trono no mais ato dos céus põe em movimento toda a natureza: o rei é a luz de todo o reino” • “ assim como Deus que é o Rei é o rei, castiga àqueles que violam as leis, os reis, como seus representantes na Terra, deve seguir o seu exemplo”. • Direito Divino dos Reis.
  15. 15. TEÓRICOS IBÉRICOS ABSOLUTISTAS DEUS DÁ O PODER PARA A POPULAÇÃO A POPULAÇÃO REPASSA PARA O REI
  16. 16. A FRANÇA COMO EXEMPLO OS SENHORES FEUDAIS SE UNEM PARA COMBATER A INGLATERRA NA GUERRA DOS CEM ANOS.
  17. 17. LUÍS XIV ACREDITAVA SER O REPRESENTANTE DE DEUS NA TERRA. SE AUTODETERMINAVA O “REI SOL”, ALGUNS MECANISMO DE GOVERNO DE LUÍS XIV  DESENVOLVEU ECONOMIA : AGRICULTUTRA E INDÚSTRIA;  DOMESTICOU A NOBREZA: DISTRIBUIA PRESENTES, CONVIDAVA PARA MORAR NO PALÁCIO, PAGAVA PENSÕES;  CRIOU UMA BUROCRACIA COMANDADA PELO REI: ACABOU COM OS CARGOS VITALÍCIOS E NOMEOU FUNCIONÁRIOS PARA CARGOS PROVISÓRIOS, PRINCIPALMENTE OS BURGUESES;  ORGANIZOU UMA CORTE EM VERSALHES: PINTORES, MÚSICOS E POETAS FORAM CONTRATADOS PARA TORNAR O PALÁCIO DE VERSALHES MUITO ATRAENTE. VERSALHES TRANSFORMOU-SE NO CENTRO DA VIDA MUNDANA EUROPEIA E ATRAIA MUITOS NOBRES A PROCURA DE CASOS AMOROSOS
  18. 18. DE D. MANUEL I A D. JOÃO V: ALTOS E BAIXOS DO ESTADO PORTUGUÊS
  19. 19. PROCESSO DE CENTRALIZAÇÃO DO ESTADO PORTUGÊS  SÉCULO XIV - 1383 – 1385 – REVOLUÇÃO DE AVIS: A BURGUESIA PORTUGUESA APOIOU D.JOÃO DE AVIS E LUTOU AO LADO DELE PARA QUE ELE ASSUMISSE O TRONO PORTUGUÊS;  ESSA ALIANÇA INCENTIVOU AS GRANDES NAVEGAÇÕES;  SÉCULO XV - APÓS AS GRANDES NAVEGAÇÕES, A CENTRALIZAÇÃO MONÁRQUICA ACELEROU;  D.MANOEL , AVENTUROSO ( 1494 – 1521) ASSUMIU O PODER E ADOTOU MEDIDAS CENTRALIZADORAS:  DETERMINOU QUE TODAS AS LEIS FOSSEM REGISTRADAS E ORDENADAS DE MANEIRA A FICAR MAIS FÁCIL CONSUTÁ-LAS – ORDENAÇÕES MANUELINAS;  AMPLIOU O COMÉRCIO ENTRE O LITORAL AFRICANO E A EUROPA;  1498 – PORTUGAL ( VASCO DA GAMA) CONCLUIU A ROTA PARA AS ÍNDIAS, PASSANDO A DOMINAR O COMÉRCIO DOS PRODUTOS ORIENTAIS NA EUROPA.  SÉCULO XVI – O PODER POLÍTICO PORTUGUÊS JÁ ESTAVA BASTANTE CENTRALIZADO NA PESSOA DO REI.  SÉCULO XVII – COM A UNIÃO IBÉRICA (1580 – 1640) A ESPANHA E PORTUGAL TIVERAM UM ÚNICO REI, FELIPE II, QUE GOVERNAVA OS DOIS REINOS; 1640 PORTUGAL FICOU INDEPENDENTE;  SÉCULO XVIII – D.JOÃO V GOVERNOU PORTUGAL DE FORMA CENTRALIZADORA, SEM A AJUDA DAS ASSEMBLEIAS DO TERCEIRO ESTADO E PARA IMITAR LUÍS XIV DIZIA: O ESTADO SOU EU.
  20. 20. No século XVI, toda a região em destaque no mapa, incluindo a maioria da Bélgica como é hoje, Luxemburgo e a Holanda, pertenciam à Espanha. 1581 – No dia 26 de julho, contrariando os interesses espanhóis, a Holanda fica independente. OS ESPANHÓIS NÃO RECONHECERAM A INDEPENDÊNCIA HOLANDESA E DETERMINOU QUE OS HOLANDESES FICARIAM PROIBIDOS DE:  FAZER INVESTIMENTOS NOS ENGENHOS BRASILEIROS COMERCIALIZAR O ACÚCAR BRASILEIRO NA EUROPA.
  21. 21. 1584 – AHOLANDA ESTAVA ORGANIZADA EM SETE PROVÍNCIAS: PROVÍNCIAS UNIDAS: CADA PROVÍNCIA TINHA O SEU GOVERNANTE, MAS ISSO NAÕ IMPEDIU QUE A HOLANDA PARTICIPASSE DA EXPANSÃO MARÍTIMA EUROPEIA. SEM UM ESTADO CENTRALIZADO E FORTE O SUFICIENTE PARA AS GRANDES INVESTIDAS ECONÔMICAS, A SOLUÇÃO ENCONTRADA PELOS HOLANDESES FOI A CRIAÇÃO DE COMPANHIAS DE COMÉRCIO. 1602 – FOI CRIADA A COMPANHIA DAS ÍNDIAS ORIENTAIS. 1616 – FOI CRIADA A COMPANHIA DAS ÍNDIAS OCIDENTAIS A COMPANHIA DA ÍNDIAS OCIDENTAIS, EM 1624, INVADIU A BAHIA E , EM 1630, INVADIU PERNAMBUCO.

×