Robert Gilmore

Alice no País do Quantum
A física quântica ao alcance de todos

http://groups-beta.google.com/group/digita...
SUMÁRIO

Prefácio
No País do Quantum
O Banco Heisenberg
O Instituto de Mecânica
A Escola de Copenhague
A Academia Fermi-Bo...
Prefácio
Na primeira metade do século XX, nossa compreensão do
Universo foi virada de pernas para o ar. As antigas teorias...
Grande parte da história é pura ficção e os personagens são
imaginários embora as notas que descrevem o "mundo real" sejam...
Há também algumas notas longas nos finais de capítulo. Elas
esclarecem

alguns

dos

pontos-chave

no

texto

e

são

assi...
Até o ponto em que foi investigada, a mecânica quântica parece
sei de aplicabilidade universal. Em uma escala macroscópica...
Alice estava entediada. Todos os seus amigos estavam de férias,
visitando os parentes e ela, por causa da chuva, ficou tra...
Frustrada, ela olhava para a tela, onde naquele momento uma
imagem do primeiro-ministro dizia que, feitas todas as conside...
baixinho, algo que soou como "Vive la différence". Pelo que Alice pôde
ver, o outro elétron era quase igual, a não ser pel...
Partículas no nível atómico diferem de objetos em escala macroscópica.
Elétrons são muito pequenos e não apresentam caract...
"Que seres estranhos", pensou Alice. "Acho que nunca conseguirei
ver como são de verdade já que não param quietos e nada i...
enchiam-se rapidamente — na verdade, parecia que não restava mais
nenhum vazio — mas Alice percebeu que nenhum dos vagões ...
Alice não entendia tudo que ele dizia, mas, temendo que o trem
partisse logo, começou a procurar um lugar vago que pudesse...
Elétrons são absolutamente idênticos e obedecem ao
princípio da exclusão de Pauli (ver Capítulo 5), que
impede que haja ma...
"Desculpe", perguntou Alice, hesitante, "você é o mesmo elétron
com quem eu estava falando antes?"
"Sou", respondeu, enqua...
"Oh, sim, podemos!", replicou o elétron. "Ele é o mesmo. Eu sou o
mesmo. Nós todos somos o mesmo, sabia? Exatamente o mesm...
Antes que fosse muito longe, cruzou com uma figura na frente de
uma passagem procurando melancolicamente algo em seus bols...
Alice olhou para a porta, que era grande e sólida. "Não acho que
terá muita chance de atravessá-la correndo e se atirando ...
que deve ser do mesmo tamanho do prédio que eles vão construir",
disse Alice, "mas como conseguirão construir alguma coisa...
"Ora, já não disse a você?", sorriu o mestre-de-obras. "Você nos
viu estabelecer a distribuição de probabilidades antes de...
Alice achou tudo isso muito esquisito, apesar de o mestre-deobras falar com tanta precisão que até parecia fazer algum sen...
agora", exclamou Alice desesperada. "Não entendi nada do que vi até
agora. Queria encontrar alguém que me desse uma boa ex...
"Oh, serão eles capazes de me explicar o que está acontecendo
aqui?", gritou Alice satisfeitíssima. "E serão capazes de me...
Passando pela porta, Alice se viu numa sala com colunas altas e paredes de
mármore. Era igualzinho a outras casas bancária...
"Sou a Gerente do Banco", respondeu a jovem. "Sou a encarregada da
distribuição dos empréstimos de energia para as partícu...
"Oh, não! É justamente o contrário! A energia e o tempo multiplicados juntos
é que dão um valor constante. Quanto maior a ...
"A relação entre tempo e energia é a mesma para todos, então?", perguntou
Alice, sentindo que talvez tivesse finalmente co...
pode ir, o estado que pode ocupar, o quanto ela afetará outros sistemas, tudo isso
depende da energia que a partícula poss...
Alice olhou para uma multidão de fótons que passava por ela, fluindo em
volta de seus pés e saindo pela porta. Enquanto sa...
caderneta de poupança, por exemplo, ou em ações de companhias, ou mesmo
investido em construções. E como a energia, que po...
Energia existe em muitas formas. Ela pode se manifestar como a,
energia da massa de repouso de uma partícula, como a energ...
nós chamamos de quanta. No Mundo Clássico, todos os pagamentos de energia
são feitos a prestação, com várias parcelas muit...
há uma diferença em relação a outra quantidade muito importante que nos diz
como uma partícula se move. É algo a que chama...
Há muitos tipos de energia. A energia cinética deve-se diretamente ao
movimento. Uma bala de canhão em movimento tem uma e...
enorme livro-caixa que parecia inchar, agitando-se como se seu conteúdo estivesse
em constante movimento.
"Acho que conseg...
idéia, pois nesta hora ele passou a tremer tão violentamente, que os dedos ficaram
presos uns nos outros e ele teve de par...
"De certa forma, é o que ela faz. Mas de onde você acha que vem a energia
para os empréstimos?"
"Do Banco, é claro."
"Oh, ...
de incerteza: a quantidade de energia que se tem é incerta e quanto menor o
tempo que você a possuir, mais incerta a quant...
Energia pode ser transferida de uma forma para outra, mas a
energia total de um sistema é constante (contanto que não haja...
"Ah, isso é diferente! Claro, se eu vejo você passando por uma porta, você
então passará por essa porta, mas se eu não a v...
"Isso é horrível!", pensou Alice consigo mesma. "Todas as pessoas com
quem falo me mandam apressadas para outro lugar, pro...
edifício, sem janelas nos andares mais baixos. Era ameaçador e ela teve a clara
impressão de que não deveria estar ali.
**...
***
Alice entrou pela porta do meio e se viu de frente para uma parede com
três passagens em arco que levavam a becos um p...
Alice examinou o prédio que estava à sua frente. Era uma modesta
estrutura de tijolos, já meio castigada pelo tempo. Na fr...
Ambos se viraram para a mesa de bilhar. O Mecânico Clássico mirou com
cuidado, considerando as ínfimas panes de todos os â...
"Se não se importa que eu faça uma observação", disse Alice, "parece que
você joga de forma muito diferente."
"É isso mesm...
"Contudo", ele continuou, mais seguro de si, "eu posso lhe dizer o que é
interferência. Isso acontece na mecânica clássica...
desapareceram, a não ser por um pequenininho que ficou, sem ser notado, num
dos cantos da área.
"Interferência", ele começ...
"Agora veja o que acontece quando temos duas fendas na barreira",
exclamou o Mecânico. Instantaneamente, havia uma fenda à...
"Veja o padrão de ondas em baixo da seta verde", disse o Mecânico, que,
aos olhos de Alice, estava mais excitado com o ass...
interferência, você pode ter mais ou menos dela em posições diferentes, mas,
ainda assim, você estará olhando para apenas ...
faz lembrar", ele disse, de repente. "Devemos usar isso, caso alguma bala nos
atinja ao ricochetear." Pegando um par de ca...
um pouco mais, veremos como a probabilidade varia para os diferentes pontos ao
longo da parede." Enquanto o tempo passava ...
"É o que você diz", respondeu o colega, mas como pode ter tanta certeza?
Veja só o que acontece quando repetimos nosso exp...
Assim como a metralhadora de antes, o canhão de elétrons continuou a
disparar a corrente de elétrons e um monte de estreli...
"Não. Não é isso que eu quero dizer. Não mesmo. Você verá agora o que
acontece quando disparamos somente um elétron." Ele ...
elétrons se moviam com tamanha rapidez que ela nunca conseguia distinguir por
que abertura eles passavam. "Isso é ridículo...
"É assim: quando há interferência, parece que cada elétron está
atravessando ambas as fendas. Se tentar averiguar, verá qu...
"Não, não disse", respondeu o Mecânico. "Desta vez quero dizer que há
perguntas que não se pode fazer a uma partícula, tai...
ter é zero, mas a amplitude pode ser positiva ou negativa, com os diferentes
percursos podendo se anular ou somar-se uns c...
umas as outras. De certa forma, são todas igualmente reais. Tudo que não é
proibido é compulsório." "Eu vi um cartaz que d...
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore

381 visualizações

Publicada em

Alice no país do quantum, livro do escritor Robert Gilmore.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alice no pais_do_quantum_-_a_fisica_quantica_ao_alcance_de_todos_-_robert_gilmore

  1. 1. Robert Gilmore Alice no País do Quantum A física quântica ao alcance de todos http://groups-beta.google.com/group/digitalsource
  2. 2. SUMÁRIO Prefácio No País do Quantum O Banco Heisenberg O Instituto de Mecânica A Escola de Copenhague A Academia Fermi-Bose Realidade Virtual Átomos no Vácuo O Castelo Rutherford O Baile de Massacarados das Partículas A Piteira Phantástica da Física Experimental
  3. 3. Prefácio Na primeira metade do século XX, nossa compreensão do Universo foi virada de pernas para o ar. As antigas teorias clássicas da física foram substituídas por uma nova maneira de olhar o mundo — a mecânica quântica. Esta estava em desacordo, sob vários aspectos, com as idéias da antiga mecânica newtoniana; na verdade, sob vários aspectos, estava em desacordo com nosso senso comum. Entretanto, a coisa mais estranha sobre essas teorias é seu extraordinário sucesso em prever o comportamento observado dos sistemas físicos. Por mais absurda que a mecânica quântica possa nos parecer, esse parece ser o caminho que a Natureza escolheu — logo, temos que nos conformar. Este livro é uma alegoria da física quântica, no sentido dicionarizado de "uma narrativa que descreve um assunto sob o disfarce de outro." O modo pelo qual as coisas se comportam na mecânica quântica parece muito estranho para nossa maneira habitual de pensar e torna-se mais aceitável quando fazemos analogias com situações com as quais estamos mais familiarizados, mesmo quando essas analogias possam ser inexatas. Tais analogias não podem nunca ser uma representação verdadeira da realidade, na medida em que os processos quânticos são de fato bastante diferentes de nossa experiência ordinária. Uma alegoria é uma analogia expandida, ou uma série de analogias. Como tal, este livro segue mais os passos de Pilgrim s Progress ou As viagens de Gulliver do que Alice no País das Maravilhas. Alice parece o modelo mais conveniente, no entanto, quando examinamos o mundo que habitamos. O País do Quantum por onde Alice viaja se parece mais com um parque temático no qual Alice é às vezes uma observadora, ao passo que algumas vezes se comporta como uma espécie de partícula cuja carga elétrica pode variar. Esse País do Quantum mostra os aspectos essenciais do mundo quântico: o mundo que todos nós habitamos.
  4. 4. Grande parte da história é pura ficção e os personagens são imaginários embora as notas que descrevem o "mundo real" sejam verdadeiras. Através da narrativa você encontrará muitas afirmações obviamente absurdas e bastante divergentes do senso comum. Em sua maior parte, elas são verdadeiras. Niels Bohr, o pai da mecânica quântica emseus primórdios, é conhecido por ter observado que qualquer um que não tenha ficado aturdido ao pensar na teoria quântica não a compreendeu. Com seriedade, embora... A descrição do mundo proposta pela mecânica quântica é sem dúvida interessante e notável, mas estaríamos seriamente preparados para acreditar que é verdadeira? ( Curiosamente achamos que estamos. Para frisar essa afirmação, ao longo deste livro você encontrará breves notas que enfatizam a importância da mecânica quântica no mundo real. As notas são mais ou menos assim: Essas notas resumem a importância, para o nosso mundo, dos tópicos quânticos encontrados por Alice em cada capítulo. Elas pretendem ser suficientemente não-intrusivas, de modo que você pode ignorá-las enquanto estiver lendo a história das aventuras de Alice, mas se quiser descobrir o real significado dessas aventuras, as notas estão convenientemente próximas.
  5. 5. Há também algumas notas longas nos finais de capítulo. Elas esclarecem alguns dos pontos-chave no texto e são assim caracterizadas: Ver nota 1 no final do Capítulo Vários aspectos pelos quais a teoria quântica descreve o mundo podem parecer absurdos à primeira vista — e possivelmente podem assim parecer da segunda, terceira e vigésima quinta vez. E, no entanto, o único jogo na cidade. A antiga mecânica clássica de Newton e seus seguidores é incapaz de dar qualquer ripo de explicação para os átomos e outros microssistemas. A mecânica quântica concorda muito bem com a observação. Os cálculos são frequentemente difíceis e entediantes, mas, onde foram efetuados, se adequaram perfeitamente ao que fora realmente observado. É impossível enfatizar suficientemente o notável sucesso prático da mecânica quântica. Embora o resultado de uma medida possa ser aleatório e imprevisível, as previsões da teoria quântica se ajustam consistentemente aos resultados médios obtidos a partir de muitas medidas. Qualquer observação macroscópica envolverá inúmeros átomos e, portanto, inúmeras observações em escala atômica.De novo veremos que a mecânica quântica é bem-sucedida, na medida em que automaticamente se adequa aos resultados da mecânica clássica para objetos macroscópicos O inverso não é verdadeiro. A teoria quântica foi desenvolvida para explicar observações feitas nos átomos. Desde sua concepção, foi aplicada com sucesso ao núcleo atômico, á interação forte de partículas que provém do núcleo e ao comportamento dos quarks dos quais são compostas. A aplicação da teoria foi estendida por um fator de algo como cem bilhões. Os sistemas considerados tanto diminuíram em tamanho como aumentaram em energia por esse fator. E um longo caminho de extrapolação de uma teoria a partir de sua concepção original, mas até aqui a mecânica quântica parece estar apta a lidar com esses sistemas extremos.
  6. 6. Até o ponto em que foi investigada, a mecânica quântica parece sei de aplicabilidade universal. Em uma escala macroscópica, as previsões da teoria quântica perdem seu aspecto aleatório e se adequam àquelas da mecânica clássica, que trabalha muito bem com objetos grandes. Em uma escala microscópica, no entanto, as previsões da teoria quântica são consistentemente confirmadas em experimentos. Até mesmo essas previsões, que parecem implicar um retrato absurdo do mundo, estão sustentadas pela evidência experimental. Intrigante mente, como discutido no Capítulo 4, a mecânica quântica parece estar numa estranha posição de se adequar a todas as observações feitas, embora se discuta quais observações podem efetivamente ser feitas. Parece que o mundo é mais estranho do que imaginamos e talvez mais estranho do que possamos imaginar. Enquanto isso, porém, vamos acompanhar Alice em seu início de jornada pelo País do Quantum. Robert Gilmore
  7. 7. Alice estava entediada. Todos os seus amigos estavam de férias, visitando os parentes e ela, por causa da chuva, ficou trancada em casa, vendo televisão. Naquela tarde já tinha assistido ao quinto episódio de um curso de introdução ao Esperanto, a um programa de jardinagem e a uma propaganda política. Alice estava entediada de verdade. Olhou para o livro que estava no chão, ao lado da cadeira. Era uma edição de Alice no País das Maravilhas que ela, mais cedo naquele dia, tinha deixado por ali ao acabar de ler. "Não sei por que não pode haver desenhos e programas mais interessantes na televisão", divagava. "Queria ser como a outra Alice. Ela estava entediada e descobriu o caminho para uma terra cheia de seres interessantes e acontecimentos estranhos. Se houvesse algum jeito de encolher para flutuar através da tela da televisão, talvez eu pudesse encontrar várias coisas fascinantes."
  8. 8. Frustrada, ela olhava para a tela, onde naquele momento uma imagem do primeiro-ministro dizia que, feitas todas as considerações, as coisas estavam bem melhores do que três anos antes, ainda que nem sempre parecessem assim. Ficou um pouco surpresa ao ver a imagem do rosto do primeiro-ministro se desmanchar devagarinho e se transformar numa névoa de pontinhos brilhantes que dançavam e que pareciam fluir para dentro da TV, como se estivessem chamando por ela. "Puxa", disse Alice, "acho que eles querem que eu os siga!" Levantou-se de um salto e foi em direção à televisão, mas tropeçou no livro que tinha displicentemente largado no chão, e caiu de cabeça. Enquanto caía, espantou-se ao ver a tela ficar enorme, e se surpreendeu cercada pelos pontinhos dançantes que fluíam para dentro da imagem. "Não consigo ver nada com esses pontos dando voltas ao meu redor", pensou. "E como estar perdida numa tempestade de neve. Não consigo nem mesmo ver meus pés. Queria ver so um pouquinho. Não dá nem para saber onde estou." Naquele momento, Alice sentiu seus pés encostarem em algo sólido e se viu sobre uma superfície plana e dura. A sua volta os pontinhos começavam a sumir e ela percebeu que estava cercada por formas indefinidas. Olhou mais de perto para a que estava mais próxima e observou uma figura pequena, da altura da sua cintura, no máximo. Era muito difícil defini-la, pois ficava pulando de um lado para outro e se mexendo tão rápido que mal dava para ver direito. A forma parecia estar carregando algum tipo de bengala, ou talvez um gUarda-chuva fechado, que ficava apontado para cima. "Olá", Alice se apresentou educadamente. "Eu sou a Alice. Posso saber quem você é?" "Sou um elétron", disse a forma. "Sou um elétron spin-para cima. É fácil me distinguir da minha amiga ali, a elétron spin-para baixo, que é obviamente muito diferente de mim." E disse para si mesmo, num tom
  9. 9. baixinho, algo que soou como "Vive la différence". Pelo que Alice pôde ver, o outro elétron era quase igual, a não ser pelo guarda-chuva, ou o que quer que fosse aquilo, que apontava para baixo, na direção do chão. Era difícil ter certeza, uma vez que a figura também escava pulando de um lado para outro, tão rapidamente quanto a primeira. "Por favor", disse Alice a seu mais novo conhecido. "Poderia fazer a gentileza de parar por um momento para que eu possa vê-lo com mais clareza?" "Sou bastante gentil", disse o elétron, "mas receio que não haja espaço bastante. Mas vou tentar, de qualquer forma." Assim dizendo, ele começou a diminuir a sua taxa de agitação. Mas quanto mais devagar se movia, mais se expandia para os lados e mais difuso ia ficando. Naquele momento, apesar de não Se mover rapidamente,, ele estava tão indefinido e tão fora de foco que Alice não conseguia vê-lo com mais clareza do que antes. "Isto é o melhor que posso fazer", resfolegou o elétron. "Receio que quanto mais lentamente eu me mover, mais espalhado eu fico. As coisas são assim aqui no País do Quantum: quanto menos espaço você ocupa, mais rápido você tem de se mover, h. uma das regras, e não há nada que eu possa fazer." "Realmente não há espaço para diminuir a velocidade aqui", continuou o companheiro de Alice enquanto recomeçava a pular rapidamente de um lado para outro. "A estação está ficando tão lotada, que preciso ser mais comp.u lo." De fato, no espaço em que Alice se encontrava estava lotado pelas figurinhas que se espremiam uma ao lado da outra, dançando e se movendo febrilmente.
  10. 10. Partículas no nível atómico diferem de objetos em escala macroscópica. Elétrons são muito pequenos e não apresentam características particulares, sendo completamente idênticos uns aos outros. De fato, eles têm algum tipo de rotação, apesar de não ser possível dizer exatamente o que é que está em rotação. Uma característica peculiar é que todos os elétrons giram à mesmíssima taxa, não importando em que direção a rotação é medida. A única diferença é que uns giram em uma direção e outros giram em outra direção. Dependendo da sua direção da rotação, os elétrons são conhecidos como spin-para cima ou spin-para baixo.
  11. 11. "Que seres estranhos", pensou Alice. "Acho que nunca conseguirei ver como são de verdade já que não param quietos e nada indica que um dia pararão." Porque não parecia ser possível fazê-los se moverem mais devagar ela resolveu tentar um outro assunto. "Você poderia me dizer por gentileza que tipo de estação é esta onde nós estamos?", ela perguntou. "Numa estação ferroviária, é claro", respondeu alegremente um dos elétrons (era muito difícil para Alice dizer qual deles tinha falado, pois todos eram muitíssimo parecidos). "Vamos pegar o trem de ondas para aquela tela que você vê. Você vai pegar depois o expresso fóton, acredito, se quiser ir mais longe." "Está falando da tela de televisão?", Alice perguntou. "Ora essa, é claro", disse alto um dos elétrons. Alice podia jurar que não tinha sido o mesmo que respondera à primeira pergunta, mas era muito difícil ter certeza. "Venha! O trem está aqui e temos de embarcar." De fato, Alice pôde ver uma fila de pequenos vagões alinhados na estação. Eram todos bem pequenos. Alguns estavam vazios, alguns estavam ocupados por um elétron, e outros por dois elétrons. Os vagões
  12. 12. enchiam-se rapidamente — na verdade, parecia que não restava mais nenhum vazio — mas Alice percebeu que nenhum dos vagões levava mais do que dois elétrons. Quando eles passavam perto desses vagões, os dois ocupantes gritavam "Lotado! Lotado!". "Vocês não poderiam espremer mais do que dois num vagão, estando o trem assim tão cheio?", Alice perguntou a seus companheiros. "Oh, não! Nunca além de dois elétrons juntos, esta é a regra." "Acho então que teremos de ocupar vagões diferentes", disse Alice um pouco contrariada, mas o elétron a tranquilizou. 0 princípio da incerteza de Heisenberg diz que nenhuma partícula pode ter valores bem definidos para posição e velocidade ao mesmo tempo. Isto significa que uma partícula não pode permanecer estacionária numa determinada posição, já que uma partícula estacionária tem uma velocidade bem definida: a velocidade de valor zero. "Você não é problema algum! Você pode entrar no vagão que quiser, é claro!" "Não vejo como isso será possível", respondeu Alice. "Se um vagão estiver cheio demais para vocês, com certeza não haverá espaço para mim também." "De jeito nenhum! Os vagões só podem acomodar dois elétrons, por isso os Iugares para elétrons devem estar quase todos tomados, mas você não é um elét IOH! Não há nenhuma outra Alice no trem, então há espaço mais do que suficiente paia uma Alice em qualquer um dos vagões."
  13. 13. Alice não entendia tudo que ele dizia, mas, temendo que o trem partisse logo, começou a procurar um lugar vago que pudesse acomodar mais um elétron. "E este aqui?", perguntou ao seu companheiro. "Aqui tem um vagão com um elétron só. Dá para você entrar aqui?" "Claro que não!" ele disparou, horrorizado. "Este também é um elétron spin-para cima. Não posso dividir um vagão com outro elétron spin-para cima, Que sugestão! É totalmente contra o meu princípio." "Contra os seus princípios, é o que quer dizer?", Alice perguntou. "Quero dizer aquilo que disse. Contra o meu princípio, ou melhor, contra o princípio de Pauli, que proíbe que dois de nós, elétrons, façamos a mesma coisa ao mesmo tempo, o que inclui ocupar o mesmo espaço f ter o mesmo spin", ele respondeu, ofendido. Alice não conseguia entender o que o tinha deixado tão magoado, mas deu uma olhada rápida ao seu redor para ver se encontrava um outro vagão que fosse mais apropriado para ele. Acabou conseguindo achar um que abrigava um tinico elétron do tipo spin-para baixo, e o companheiro de Alice prontamente pulou para dentro. Alice ficou surpresa ao ver que, apesar de o pequeno vagão agora parecei cheio, de alguma forma havia espaço o bastante para ela. Assim que ocuparam seus lugares, o trem começou a andar. A viagem foi monótona, e a paisagem desinteressante. Tanto que Alice ficou contente ao ver que o trem diminuía de velocidade. "Esta deve ser a tela, suponho", pensou Alice. "Estou ansiosa para saber o que acontecerá agora."
  14. 14. Elétrons são absolutamente idênticos e obedecem ao princípio da exclusão de Pauli (ver Capítulo 5), que impede que haja mais do que um elétron no mesmo estado (ou dois, quando você inclui as diferentes direções possíveis para o spin). Enquanto os elétrons saltavam do irem paia a tela, uma J;Iaiulc agitação loniDii conta do lugar. "O que está acontecendo?", Alice perguntava alto. "Por que todos estão tão excitados?" Suas perguntas eram respondidas por um aviso que parecia surgir do ar que a cercava. "O fósforo da tela está agora sendo excitado pelos elétrons que chegam, e assim teremos em breve a emissão de fótons. Aguardem a partida do expresso fóton." Alice olhou à sua volta para tentar ver a chegada do expresso, quando formas brilhantes e luminosas passaram correndo através da plataforma. Alice foi pega de surpresa no meio da multidão e levada junto com ela enquanto todos se reuniam dentro do mesmo vagão. "Eles não parecem estar preocupados com nenhum princípio, de Pauli ou de qualquer outro", pensou Alice enquanto as figuras iam se espremendo em rorno dela. "Estes aqui certamente não se incomodam de estar no mesmo lugar. Acho que o expresso vai partir logo. Imagino onde será... que vai parar", concluiu ao descer na outra plataforma. "Puxa! Foi uma viagem rápida, com certeza." (Alice estava corretíssima neste ponto. A viagem não durou tempo algum, pois o tempo fica efetivamente congelado para qualquer coisa que viaje com a velocidade da luz.) Novamente ela se viu cercada por uma multidão de elétrons, todos correndo para longe da plataforma. "Venha!", um deles gritou para ela ao desembarcar. "Devemos sair da estação agora se quisermos ir a algum lugar."
  15. 15. "Desculpe", perguntou Alice, hesitante, "você é o mesmo elétron com quem eu estava falando antes?" "Sou", respondeu, enquanto disparava por uma passagem lateral. Alice foi arrastada pela multidão de elétrons e conduzida através da entrada principal da plataforma. "Puxa vida, que coisa mais irritante!", disse Alice. "Perdi de vista a única pessoa que conheço neste lugar estranho e não tenho ninguém que me explique o que está acontecendo." "Não se preocupe, Alice", disse uma voz à altura de seu joelho. "Vou lhe mostrar aonde ir." Era um dos elétrons. "Como sabe meu nome?" perguntou Alice com espanto. "Simples. Sou o mesmo elétron que estava falando com você antes." "Não pode ser!", exclamou ela. "Vi aquele elétron indo em outra direção. Talvez não fosse o mesmo com quem eu estava falando antes." "Certamente era." "Então você não pode ser o mesmo", disse Alice, logicamente. "Vocês não podem ser o mesmo elétron, sabia?"
  16. 16. "Oh, sim, podemos!", replicou o elétron. "Ele é o mesmo. Eu sou o mesmo. Nós todos somos o mesmo, sabia? Exatamente o mesmo!" "Isto é ridículo!", argumentou Alice. "Você está aqui ao meu lado enquanto o outro foi para algum lugar naquela direção, por isso vocês dois não podem ser a mesma pessoa. Um de vocês tem de ser diferente." "Não mesmo", gritou o elétron, pulando de um lado para outro, ainda mais rápido por causa de sua excitação. "Somos todos idênticos. Não há como nos diferenciar. Por isso, veja, ele deve ser o mesmo e eu devo ser o mesmo também." Nesse momento, a multidão de elétrons que rodeava Alice começou a gritar: "Eu sou o mesmo", "Eu sou o mesmo também", "Eu sou o mesmo que você é", "Eu também sou o mesmo que você." O tumulto era terrível. Alice fechou os olhos e pôs as mãos nos ouvidos até o barulho acabar. Quando tudo estava quieto novamente, Alice abriu os olhos e abaixou as mãos. Viu que não havia mais sinal da multidão de elétrons e que ela estava sozinha, saindo pela entrada da estação. Olhando em volta, viu-se numa rua que, à primeira vista, parecia bem normal. Virou à esquerda e começou a caminhar pela calçada.
  17. 17. Antes que fosse muito longe, cruzou com uma figura na frente de uma passagem procurando melancolicamente algo em seus bolsos. Era baixo e muito pálido. Era difícil ver seu rosto com nitidez, assim como era o caso com todo mundo que Alice tinha conhecido recentemente. Mas ele parecia bastante com um coelho, pensou Alice. "Meu Deus! Meu Deus! Estou atrasado e não consigo em ontrar as minhas chaves. Eu tenho de entrar diretamente!" Assim dizendo, ele se afastou um pouco e voltou correndo em direçio à porta. Correu tão rápido que Alice não foi capaz de vê-lo em nenhuma posição. Em vez disso, viu uma série de imagens dele nas diferentes posições que ocupara ao longo do seu trajeto. As imagens iam do ponto de partida até a porta onde, ao invés de parar como Alice esperava, continuavam porta adentro, diminuindo cada vez mais até ficarem pequenas demais para serem vistas. Alice mal teve tempo de registrar essa estranha série de imagens quando a figura ricocheteou de volta na mesma velocidade, deixando novamente uma série de imagens. Dessa vez elas terminaram abruptamente com o infeliz personagem caído de costas, em cima de um bueiro. Igualmente decidido, ele se levantou e disparou de novo em direção à porta. Novamente apareceu a série de imagens que se encolhiam para dentro da porta, e novamente ele ricocheteou e acabou caindo de costas. Enquanto Alice corria em sua direção, ele repetiu o movimento várias vezes, jogando-se contra a porta e novamente caindo de costas. "Pare, pare!", gritou Alice. "Não faça isso. Você vai acabar se machucando." A pessoa parou de correr e olhou para Alice. "Olá, minha querida. Receio que eu deva fazer isto. Estou trancado do lado de fora e preciso entrar logo, por isso não tenho opção senão tunelanitvavés da barreira."
  18. 18. Alice olhou para a porta, que era grande e sólida. "Não acho que terá muita chance de atravessá-la correndo e se atirando contra ela", disse. "Está tentando derrubá-la?" "Oh, não, certamente que não! Não quero destruir minha linda porta. Apenas desejo atravessá-la. Por outro lado, temo que o que disse seja verdade. A probabilidade de conseguir atravessá-la não é grande, realmente, mas devo tentar." I Hzendo isso, atirou-se novamente contra a porta. Alice o abandonou, achando que seria perda de tempo, e se afastou no momento em que ele voltava cambaleante mais uma vez. Após alguns passos, Alice não pôde resistir e deu uma olhada para trás, para ver se, por acaso, ele tinha desistido. Viu mais uma vez a série de imagens que iam cm direção à porta e se encolhiam ao chegar lá. Ela esperou pelo ricochete. Das < >ut 1 .is vezes tinha sido imediato, mas desta vez nada houve. A porta estava lá, sólida 6 sozinha, e não havia sinal do seu conhecido. Após alguns segundos em que nada íii onteceu, Alice ouviu o ruído de trancas e correntes vindo de detrás da porta, que se abriu. Seu conhecido reapareceu e acenou para ela. "Que sorte a minha!", disse ele "A probabilidade de penetrar uma barreira grossa como esta é realmente muito pequena. E uma sorte espantosa eu ter conseguido atravessá-la em tão pouco tempo." Fechou a porta cm seguida com uma batida sólida que indicava o término daquele encontro. Alice continuou sua caminhada. Um pouco à frente ela chegou a um terreno vazio ao lado da rua, onde um grupo de operários estava reunido em volta de uma pilha de tijolos. Alice deduziu que fossem operários, pois estavam descarregando mais tijolos de dentro de um carrinho. "Bem, pelo menos estas pessoas estio se comportando de maneira sensata", pensou consigo mesma. Naquele instante, um outro grupo dobrou a esquina correndo, carregando algo que se assemelhava a um enorme tapete enrolado, e começou a desenrolá-lo no terreno. Alice percebeu então que aquilo era algum tipo de planta baixa de um prédio. A planta parecia ser bem grande, já que cobria a maior parte do espaço disponível. "Puxa! Acho
  19. 19. que deve ser do mesmo tamanho do prédio que eles vão construir", disse Alice, "mas como conseguirão construir alguma coisa se a planta já ocupa todo o espaço?" Os operários acabaram de pôr a planta na posição e voltaram à pilha de tijolos. Começaram a pegar os tijolos e jogá-los aparentemente a esmo em cima da planta. Tudo estava confuso — os tijolos catam ora num lugar, ora em outro — e Alice não via nenhum objetivo nisso. "O que estão fazendo?" perguntou a um homem que estava afastado para o lado. Como ele parecia não estar fazendo nada, ela deduziu que fosse o mestre-de-obras. "Vocês só estão empilhando os tijolos desorganizadamente. Não deviam estar construindo um prédio?" "Com certeza, querida. E estamos", respondeu o mestre-de-obras. "Ê bem verdade que as flutuações aleatórias ainda são grandes o bastante para esconder o padrão, mas assim que tivermos estabelecido a distribuição de probabilidades para o resultado que precisamos, estaremos conseguindo, não há o que temer." Alice achou aquela demonstração de otimismo não muito convincente, mas ficou quieta e observou a chuva de tijolos que continuava a cair no terreno. Pouco a pouco, para sua surpresa, notou que alguns tijolos caíam mais em certas regiões do que em outras e que era possível distinguir paredes e vãos de portas. Ela olhava fascinada enquanto reconhecia as formas dos cómodos que iam surgindo daquele caos inicial. "Puxa, que impressionante!", disse. "Como conseguem fazer isso?"
  20. 20. "Ora, já não disse a você?", sorriu o mestre-de-obras. "Você nos viu estabelecer a distribuição de probabilidades antes de começarmos. É ela que especifica os lugares onde deve haver tijolos e onde não deve. Precisamos lazer isso antes de começar a deitar os tijolos porque não sabemos onde eles vão parar quando os jogarmos, entende?", continuou. "Não vejo por quê!", interrompeu Alice. "Estou acostumada a ver os tijolos serem postos um depois do outro, em linhas certas." "Bem, não é assim que fazemos aqui em Quantum. Aqui não podemos controlar onde cada tijolo vai, apenas a probabilidade de que irá para um lugar ou outro. Isto quer dizer que quando há poucos tijolos, eles podem cair em quase todos os lugares e então não parecem ter nenhum tipo de padrão. Quando seu número aumenta, porém, você descobre que só há tijolos onde há alguma possibilidade de que eles estejam lá; e onde a probabilidade é maior, é onde haverá mais tijolos. Quando se lida com grandes quantidades de tijolos, tudo acaba FUNCIONANDO muito bem, é verdade."
  21. 21. Alice achou tudo isso muito esquisito, apesar de o mestre-deobras falar com tanta precisão que até parecia fazer algum sentido. Não perguntou mais nada, pois as respostas dele apenas a confundiam mais. Agradeceu então pelas informações e continuou andando pela A teoria quântica descreve o comportamento de partículas em termos de distribuições de probabilidade, e a observação real de partículas individuais ocorre aleatoriamente dentro destas distribuições. As probabilidades podem incluir processos classicamente proibidos, tais como a penetração de partículas através de uma estreita barreira de energia. rua. Não muito tempo depois, ela avistou uma janela onde um grande cartaz dizia: Insatisfeito com seu Estado? Gostaria de passar para um nível mais alto? Ajudaremos você a fazer a Transição por apenas 10 eV. (Oferta sujeita à limitação usual da exclusão de Pauli) "Tenho certeza de que deve ser alguma coisa muito excitante, mas não tenho ideia do que se trata, e se fosse perguntar a alguém, estou certa de que a resposta me deixaria ainda mais perdida do que estou
  22. 22. agora", exclamou Alice desesperada. "Não entendi nada do que vi até agora. Queria encontrar alguém que me desse uma boa explicação sobre o que está acontecendo em volta de mim." Não tinha percebido que havia falado alto até ouvir a resposta dada por um passante. "Se quiser entender o País do Quantum, vai precisar de alguém que lhe explique a mecânica quântica. Para isso, você deveria ir ao Instituto de Mecânica", aconselharam-na.
  23. 23. "Oh, serão eles capazes de me explicar o que está acontecendo aqui?", gritou Alice satisfeitíssima. "E serão capazes de me explicar todas as coisas que vi, assim ( orno 0 cartaz naquela janela e o que quer dizer aquele 'eV'?" "Acho que a Mecânica poderá lhe explicar a maior parte", respondeu seu informante, "mas como 'eV são unidades de energia, provavelmente você deveria começar perguntando sobre elas no Banco Heisenberg, principalmente porque fica ali do outro lado da rua." Alice olhou para onde ele apontava e viu uma grande construção com uma fachada muito pomposa, obviamente construída para impressionar. Tinha uma entrada com pilastras de pedra e, no topo, em letras garrafais, estava gravado o nome BANCO HEISENBERG. Alice atravessou a rua, subiu a longa escadaria que levava à porta grandiosa, e entrou.
  24. 24. Passando pela porta, Alice se viu numa sala com colunas altas e paredes de mármore. Era igualzinho a outras casas bancárias que ela havia conhecido, só que este parecia mais com um Banco. Havia uma fileira de caixas ao longo da parede, e o amplo salão estava dividido por barreiras de fita para que os clienres já fossem formando filas enquanto esperavam para ser atendidos. No momento, porém, não havia cliente algum. Além dos caixas atrás do balcão e o guarda de pé ao lado da porta, Alice não via mais ninguém. Como tinham lhe aconselhado a pedir informações no Banco, ela começou a andar com decisão em direção à fileira de caixas. "Um momento!", disse o guarda. "Aonde pensa que está indo, mocinha? Não vê que há uma fila?" "Desculpe", respondeu Alice, "mas não estou mesmo vendo a fila. Não há ninguém aqui." "Claro que há, e muitos!", enfatizou o guarda. "Estamos recebendo muitos 'ninguéns' hoje. Normalmente nós nos referimos a eles como virtuais. Poucas vezes vi tantas partículas virtuais esperando por seus empréstimos de energia." Alice percebeu — e isto estava se tornando comum — que nada ia ser rapidamente esclarecido. Olhou para as janelinhas dos caixas e viu que, apesar de o Banco parecer estar vazio, os caixas estavam muito ocupados. Figuras brilhantes iam aparecendo, uma de cada vez, na frente de uma janelinha ou outra, e depois saíam correndo do Banco. Num momento, ela viu um par de figuras se materializarem juntas em frente ao caixa. Percebeu que uma delas era um elétron; a outra era muito parecida, mas era meio como o negativo de uma fotografia da primeira, o oposto em cada detalhe dos elétrons que ela tinha visto antes. "Aquele é um pósitron, um antielétron", murmurou uma voz no ouvido da Alice. Ela se virou e viu uma jovem mulher de olhar severo e muito bem vestida. "Quem é você?", perguntou Alice.
  25. 25. "Sou a Gerente do Banco", respondeu a jovem. "Sou a encarregada da distribuição dos empréstimos de energia para as partículas virtuais. A maioria é de lótons, como pode ver, mas às vezes atendemos pares de partículas e antiparticulas, que chegam juntas para pedir um empréstimo, como aquele par de elétron e pósitron que você viu há pouco.” "Por que é que precisam de empréstimos de energia?", perguntou Alice. "E por que não consigo vê-los até antes de conseguirem o empréstimo?" "Bem, vejamos", respondeu a Gerente, "para que uma partícula exista adequadamente, para que seja livre, possa se movimentar e ser observada normalmente e tudo o mais, ela deve ter ao menos uma energia mínima específica a que chamamos de energia da massa de repouso. Essas pobres partículas virtuais não têm nem mesmo essa energia. A maioria não tem nenhuma energia e por isso nem existe de verdade. Para sorte delas, podem fazer um empréstimo de energia aqui no Banco e isto permite que existam por algum tempo." Ela apontou para um cartaz na parede que dizia: CONDIÇÕES DE EMPRÉSTIMO ∆∑ ∆t = ħ /2 Dá-se preferência a pagamento imediato. "Isto é o que chamamos de relação de Heisenberg. Ela governa todas as nossas transações. O ħ é chamado constante de Planck, o valor corretamente reduzido, é claro. A relação ∆∑dá a taxa de câmbio para nossos empréstimos de energia. A quantidade ∆∑ é a quantidade de energia emprestada e ∆t é o intervalo de tempo para o qual o empréstimo vale." "Quer dizer", disse Alice, tentando acompanhar o que a Gerente dizia, "que é como a taxa de câmbio entre duas moedas diferentes, de modo que quanto mais tempo houver, mais energia pode ser emprestada?"
  26. 26. "Oh, não! É justamente o contrário! A energia e o tempo multiplicados juntos é que dão um valor constante. Quanto maior a energia, mais curto é o período de tempo em que vale o empréstimo. Para entender direitinho, dê uma olhada naquela partícula e antipartícula exóticas que acabaram de fazer um empréstimo no caixa 7." Alice olhou para onde a Gerente indicou e ficou impressionada. Na frente do caixa estava um par de figuras; uma era o oposto da outra, da mesma forma que o elétron e o pósitron que ela tinha visto antes. Este par, porém, era de figuras brilhantes e chamativas cuja presença ocupava tanto espaço que quase escondiam o caixa atrás delas. Alice ficou impressionada com a extravagância das duas, como não podia deixar de ser, mas quando ia abrir a boca para fazer um comentário, elas se dissiparam e desapareceram por completo. "Aí está um exemplo do que eu estava dizendo", continuou a Gerente calmamente. “Aquele par pegou uma quantidade enorme de energia para sustentar a imensa massa de repouso necessário ao estilo de vida deles. Mas porque o empréstimo era muito alto, o prazo para pagamento era tão curto, mas tão curto, que eles nem conseguiram sair do balcão antes de pagar o empréstimo de volta. Como essas partículas pesadas não conseguem ir muito longe antes de pagarem teus empréstimos de energia, elas são conhecidas no nosso ramo como partículas de curto alcance, completou a Gerente.
  27. 27. "A relação entre tempo e energia é a mesma para todos, então?", perguntou Alice, sentindo que talvez tivesse finalmente conseguido descobrir alguma coisa definitiva. A maioria das partículas tem uma massa de repouso, e isso é o equivalente B unia quantidade grande de energia. Partículas virtuais sem energia inicial podem existir por um breve período "pegando emprestada" a energia de que precl$am para sua massa de repouso como unia flutuação quântica. "Exatamente! A constante de Planck é sempre a mesma, independente do momento e do lugar em que é aplicada. E a chamada constante universal, que significa simplesmente que ela será a mesma em qualquer lugar. "Nós trabalhamos com energia aqui no Banco", continuou a Gerente, "porque aqui no País do Quantum, energia funciona como se fosse dinheiro. Assim como você dá nomes como reais ou dólares ao seu dinheiro, nós chamamos a unidade de energia mais usada aqui de eV. A quantidade de energia de uma partícula é o que determina aquilo que ela é capaz de fazer. A velocidade em que
  28. 28. pode ir, o estado que pode ocupar, o quanto ela afetará outros sistemas, tudo isso depende da energia que a partícula possui. "Nem todas as partículas são completamente destituídas de energia, como estas que estão na fila. Muitas delas têm suficiente energia própria e, nesse caso, conseguem mantê-la pelo tempo que quiserem. São elas que você deve ter visto andando lá fora. Toda partícula que necessita de uma massa, precisa ter energia suficiente para sustentar sua existência." Ela apontou para outro aviso emoldurado na parede, que dizia: Massa é Energia. Energia é Massa "Se uma partícula quiser possuir massa, ela deve achar energia para sustentar essa massa. Se sobrar alguma energia, ela poderá ser usada para outras coisas. Nem todas as partículas se importam com massa. Há algumas "free-andeasy", partículas boêmias que não têm qualquer massa de repouso. Elas não são limitadas como a maioria, que precisa se virar para conseguir sua massa e por isso podem fazer uso até mesmo de pequenas quantidades de energia. Fótons são um bom exemplo. Um fóton não tem massa de repouso. Por isso, um fóton em repouso não pesa absolutamente nada. Mas veja bem, fótons não são encontrados em repouso, normalmente; eles estão sempre correndo por aí, à velocidade da luz, pois é deles que a luz é feita, entendeu? A luz não é um fluxo constante e suave. Ela é feita de um monte de quanta, pequenos pacotes de energia, o que faz com que o fluxo seja granulado. Esses quanta, ou partículas de luz, são chamados fótons. Quase tudo é feito de quanta de algum tamanho. É daí que vem o nome da física quântica. Veja todos esses fótons saindo do Banco agora. Os fótons são todos basicamente o mesmo, exatamente um como o outro, assim como os elétrons também são o mesmo, mas você pode notar que muitos deles são bem diferentes. Isso é porque eles possuem diferentes quantidades de energia. Alguns têm muito pouca energia, como aqueles fótons de radiofreqüência que estão saindo agora."
  29. 29. Alice olhou para uma multidão de fótons que passava por ela, fluindo em volta de seus pés e saindo pela porta. Enquanto saíam, ela ouviu fragmentos de música, vozes empostadas e alguma coisa sobre "almoçar numa quinta-feira". "Eu não sabia que ondas de rádio eram feitas de fótons", confessou Alice. "Oh, sim. Elas são. Elas são fótons com um comprimento de onda bem grande, de baixa freqüência e bem pouca energia. Elas andam em grupos, pois para terem efeitos perceptíveis é preciso um monte de uma vez. São figurinhas muito simpáticas, não são?", sorriu a companheira de Alice. "Já os fótons visíveis, aqueles que fazem a luz que as pessoas usam para enxergar, têm uma freqüência maior e mais energia. O efeito de um deles pode ser bem perceptível. Os mais abastados, os grandes gastadores, são as ondas de raios X e os fótons gama. Cada um deles transporta muita energia e consegue fazer com que sua presença seja notada no ambiente, se decidirem interagir." "Isso tudo é muito interessante", disse Alice, quase sincera, "mas eu ainda estou confusa quanto à própria idéia de energia. Poderia me dizer o que realmente é a energia?" "Muito sensata a sua pergunta", respondeu a Gerente, satisfeita. "Infelizmente, não é fácil respondê-la. Venha para o meu escritório e eu tentarei lhe dar uma explicação." A Gerente atravessou o salão, puxando Alice com rapidez até uma discreta mas intimidante porta no canto oposto, que levava a um escritório grande e moderno. Fazendo um sinal para que Alice se sentasse em uma confortável poltrona na frente de uma mesa larga, a Gerente deu a volta e se sentou em uma cadeira, do outro lado da mesa. "Bem", começou ela, "energia é um pouco como o dinheiro no seu mundo, e isso também não é muito fácil de explicar com exatidão." "Eu achei que fosse fácil", respondeu Alice. "Dinheiro é feito de moedas, como os meus trocados, ou pode ser de notas, também." "Isso é papel-moeda, que certamente é uma forma de dinheiro. Mas o dinheiro não precisa estar em moedas e notas. Pode estar também numa
  30. 30. caderneta de poupança, por exemplo, ou em ações de companhias, ou mesmo investido em construções. E como a energia, que pode assumir várias formas, muito diferentes umas das outras. "A forma mais óbvia é a energia cinética", disse a Gerente, enquanto se ajeitava na cadeira. Sua voz tinha o tom complacente de quem se prepara para fazer uma longa palestra para uma platéia cativa. "Uma partícula, ou qualquer objeto, terá energia cinética se estiver se movendo. Cinética significa movimento. Há outras formas de energia, também. Há a energia potencial, tal como a energia gravitacional de uma pedra que esteja em cima de um morro e que por isso pode rolar para baixo. Há também a energia elétrica, ou a energia química, que é a energia potencial que os elétrons têm quando estão dentro de átomos. Há, como eu disse, a energia da massa de repouso, que muitas partículas precisam ter apenas para existir, para assim terem alguma massa. Uma forma de energia pode ser convertida em outra, assim como você deposita papel-moeda na sua caderneta de poupança. Posso dar um exemplo, se você olhar pela janela." Ela se inclinou e apertou um botão em sua mesa, e uma janela redonda se abriu na parede em frente a Alice. Através dela, Alice pôde ver uma montanha-russa. Enquanto olhava, um carrinho chegou ao topo de uma das subidas, fazendo uma pequena pausa antes de descer pelo outro lado. "Aquele carrinho, como você está vendo, não está em movimento agora e por isso tem energia cinética nula. Mas ele está no alto, e sua posição lhe confere energia potencial. Quando começa a descer, ele perde altura e por isso perde também um pouco de sua energia potencial, que é convertida em energia cinética. E isso que o faz ir mais e mais rápido enquanto desce." Alice mal podia ouvir os excitados gritos de alegria dos passageiros do carrinho disparando sobre os trilhos.
  31. 31. Energia existe em muitas formas. Ela pode se manifestar como a, energia da massa de repouso de uma partícula, como a energia cinética que está envolvida no movimento de qualquer objeto e como os vários tipos de energia potencial. Uma forma de energia potencial é a energia gravitacional potencial de um objeto, que diminui à medida que o objeto cai. "Se os trilhos fossem bem lisos e as rodas corressem sem fricção", continuou a desinteressada palestrante, "o carrinho voltaria ao repouso somente quando estivesse exatamente na mesma altura de onde partiu." Ela se inclinou de novo para mexer em alguma coisa na mesa. As distantes figuras na montanharussa gritaram de surpresa quando viram que a subida seguinte diante deles adquirira subitamente uma altura bem maior. O carrinho diminuiu de velocidade até parar completamente antes de chegar ao topo. "Como foi que você fez isso?", Alice exclamou, espantada. "Nunca subestime a influência de um Banco", murmurou sua companheira. "Vamos ver o que acontece agora." O carrinho começou a andar para trás nos trilhos em meio a gritos ainda excitados, mas não tão felizes quanto da última vez. A velocidade foi aumentando até o carrinho passar em disparada pelo ponto mais baixo e começar a subir o outro lado, diminuindo de velocidade. Ele foi parar justamente onde Alice o tinha visto pela primeira vez e aí começou a descer de novo. "Assim ele continuaria indefinidamente, com a energia do carrinho mudando de energia potencial para energia cinética, e vice-versa, mas acho que você entendeu." A Gerente apertou outro botão na mesa e a janela se fechou. "Este é o tipo de olhar óbvio com que se vê a energia no Mundo Clássico. Ela muda de forma de maneira contínua e suave. Você viu como o carrinho aumentou de velocidade progressivamente enquanto descia, sem grandes saltos. E não há nenhuma restrição óbvia sobre a quantidade de energia que qualquer objeto pode ter. Aqui no País do Quantum, não é assim que acontece freqüentemente. Em muitas situações, uma partícula só pode ter um conjunto restrito de valores de energia e só pode aceitar ou rejeitar energia em pacotes, que
  32. 32. nós chamamos de quanta. No Mundo Clássico, todos os pagamentos de energia são feitos a prestação, com várias parcelas muito freqüentes e bem pequenininhas infinitesimais mesmo, mas aqui é normal que sejam feitos em parcelas com determinado valor. Na teoria quântica, considerar energia e momentum é tão importante quanto considerar posição e tempo. Mais importante, na verdade, pois é mais fácil medir a energia de um átomo do que determinar onde ele está. Energia é, em um certo sentido, o equivalente do dinheiro no mundo físico. Energia é definida classicamente como "a capacidade de realizar trabalho". É necessário às partículas ter energia, se quiserem fazer alguma coisa, isto é, fazer transições de um estado a outro. Momentum é uma quantidade mais parecida com velocidade. É estar indo em uma determinada direção, enquanto energia é só uma grandeza sem direção associada. Quando se diz o quanto de energia existe, não resta mais nada a se dizer. Elétrons, se movendo da direita para a esquerda e da esquerda para a direita à mesma velocidade, têm a' mesma energia cinética, mas momenta1 opostos. "Como você viu, a energia cinética é um tipo de energia teatral e espetacular — algo que os corpos só têm quando estão em movimento. Quanto mais massa tiver o corpo, mais energia cinética ele terá, e quanto mais rápido se mover, mais energia cinética terá, sem que a quantidade dependa de forma alguma da direção em que o corpo se move, apenas da velocidade. Neste sentido, 1 Assim como o plural de quantum é quanta, o de momentum é momenta (N.R.)
  33. 33. há uma diferença em relação a outra quantidade muito importante que nos diz como uma partícula se move. É algo a que chamamos momentum ou quantidade de movimento. O momentum é como a medida da obstinação de uma partícula. Toda partícula está determinada a continuar a se mover exatamente da mesma maneira como se movia antes, sem nenhuma alteração. Se alguma coisa se move com rapidez, é preciso uma determinada força para torná-la mais lenta. Uma força é também necessária para alterar a direção do movimento, mesmo se a rapidez da partícula continuar a mesma. Uma mudança só na direção do movimento não faz com que a partícula perca sua preciosa energia cinética, já que isso depende apenas da rapidez do movimento e não de sua direção. Ainda assim, a partícula resiste a essa mudança pois isso implica na alteração de seu momentum. Partículas são muito conservadoras nesse sentido. "É tudo uma questão do que chamamos de parâmetro?, continuou a Gerente entusiasmada. "Ao se descrever uma partícula, temos de usar os parâmetros corretos. Se quiser dizer onde ela está, você deverá falar de sua posição e tempo, por exemplo." "Achei que só fosse preciso dizer em que posição ela está", objetou Alice. "Isso dirá onde ela está, não dirá?" "Certamente que não. Você precisa do tempo, tanto quanto da posição. Se quiser saber onde um objeto está agora, ou onde estará amanhã, não adianta nada eu lhe dizer sua posição se é onde ele estava há uma semana. Você precisa saber o tempo e a posição, porque as coisas tendem a se movimentar, sabia?" Assim como se quiser saber o que uma partícula está fazendo, você deve descrever isso em termos de seu momentum e energia. Geralmente, é preciso ter a posição e o tempo se quiser saber onde uma partícula está." "Aqui no País do Quantum, os parâmetros tendem a estar relacionados. Quando você tenta ver onde algo está, isso afeta o momentum deste objeto, quão rápido ele está se movendo. É outra forma da relação de Heisenberg que eu mostrei para você no Banco."
  34. 34. Há muitos tipos de energia. A energia cinética deve-se diretamente ao movimento. Uma bala de canhão em movimento tem uma energia que uma bala parada não tem. Energia da massa de repouso é outro tipo. A energia da massa de repouso de qualquer objeto é grande. Na mecânica newtoniana não havia necessidade de se considerar a energia da massa de repouso que, por não se alterar, não afetava as transferências de energia. Nos processos quânticos, as massas das partículas mudam freqüentemente e a variação na energia da, massa de repouso pode ser liberada para outras formas. Uma conversão de menos de um por cento da massa de repouso para uma pequena parte do material ocorre nas armas nucleares, por exemplo. Não é uma variação de energia muito grande em comparação com outros processos investigados na física de partículas, mas é devastadora quando liberada por um número significante de partículas dentro do nosso mundo cotidiano. "É por isso, então", disse Alice, lembrando-se de um encontro anterior, "que o elétron com quem estive mais cedo não podia parar para que eu pudesse vê-lo sem ficar todo difuso?" "Sem dúvida. As relações de incerteza afetam a todas as partículas desse modo. Elas sempre parecem algo indefinidas e é impossível localizá-las com precisão. "Já sei o que vou fazer! Chamarei o Contador de Incertezas para lhe explicar isso", exclamou a Gerente. "O trabalho dele é fazer o balanço das contas. Por isso, ele tem de se preocupar o tempo todo com as flutuações quânticas." Ela estendeu um dedo elegante para apertar mais um botão entre os muitos que guarneciam sua mesa. Houve uma breve pausa e, então, uma das portas espalhadas ao longo da parede da sala se abriu e uma figura entrou. Parecia muito um desenho do milionário pão-duro de uma edição ilustrada de "Um Conto de Natal", a não ser por sua expressão entretida e um incontrolável tique nervoso. Carregava um
  35. 35. enorme livro-caixa que parecia inchar, agitando-se como se seu conteúdo estivesse em constante movimento. "Acho que consegui", ele gritou, triunfante, tremendo tanto que quase deixou o livro cair. "Fechei o balanço das contas! Exceto as flutuações quânticas residuais, é claro", acrescentou, menos entusiasmado. "Muito bom", respondeu a Gerente, distraída. "Agora eu gostaria que você levasse esta menina aqui, a Alice, e lhe explicasse as incertezas e as flutuações quânticas na energia de um sistema, essas coisas." Com um aceno de adeus para Alice, a Gerente voltou à sua mesa e começou a fazer algo especialmente complicado com todos os botões que havia ali. O Contador levou Alice logo para fora, antes que mais alguma coisa acontecesse. Torna-se conveniente falar das relações de incerteza de Heisenberg ao se descrever a estranha mescla de energia e tempo, de posição e momentum, que ocorre nos sistemas quânticos. 0 problema de tal descrição é que ela promove a crença de que a Natureza é, no fundo, incerta, que nada pode ser confiavelmente previsto e que, de fato, vale qualquer coisa. Isto não é verdade! Eles chegaram a um escritório muito menor e muito mais entulhado, com uma escrivaninha alta e antiga, coberta de livros-caixa e pedaços de papel empilhados sobre o chão. Alice olhou um dos livros-caixa que estava aberto. A página estava cheia de colunas de números, assim como outros livros-caixa que ela já tinha visto, a não ser pelo fato de que nestes livros os números ficavam mudando, em pequenas quantidades mas sem parar, quando ela olhava para eles. "Certo!", disse a figura meio vitoriana na frente de Alice. "Quer saber sobre a Incerteza, não é isso, mocinha?" "Por favor, se não der muito trabalho", Alice respondeu educadamente. "Bem", ele começou, sentando-se à mesa e cruzando os dedos como os juízes fazem para aumentar a dignidade de sua aparência. O que não foi uma boa
  36. 36. idéia, pois nesta hora ele passou a tremer tão violentamente, que os dedos ficaram presos uns nos outros e ele teve de parar para desembaraçá-los. "Bem", repetiu, metendo as mão nos bolsos com força, por segurança. Você não deve esquecer nunca que a energia se conserva, o que quer dizer que sempre há a mesma quantidade de energia. Ela pode ser convertida de uma forma a outra, mas a quantidade total é sempre a mesma. Pelo menos quando se pensa a longo prazo", ele acrescentou melancolicamente e suspirou, olhando para longe com pesar. "Não é verdade, a curto prazo, então?", perguntou Alice, sentindo que devia dizer algo para continuar com a conversa. "Não. Não totalmente. Na verdade, não mesmo, se o prazo for bem curto. Você viu a relação de Heisenberg no cartaz do lado de fora do Banco, não viu?" "Ah, sim, Me disseram que ela ditava os termos dos empréstimos de energia."
  37. 37. "De certa forma, é o que ela faz. Mas de onde você acha que vem a energia para os empréstimos?" "Do Banco, é claro." "Oh, meu Deus, não!", disse o contador, levemente horrorizado. "Com toda certeza, não! Seria muito bom se o Banco começasse a emprestar energia de seu estoque próprio! "Não", continuou, num tom de conspiração, olhando em volta com atenção, "Não é todo mundo que sabe, mas a energia não vem do Banco. Na verdade, ela não vem de nenhum lugar. Ela é uma flutuação quântica. A quantidade de energia que um determinado sistema possui não é absolutamente definida, mas oscila para mais e para menos, e quanto menor o período de tempo em que nós a examinamos, maior será sua variação. "Neste sentido, energia não é como o dinheiro. O dinheiro conserva-se bem a curto prazo. Se quiser dinheiro para alguma coisa, tem de consegui-lo em algum lugar, não é mesmo? Pode sacar de uma conta bancária ou pedir emprestado a alguém, ou até roubar!" "Eu não faria isso!", gritou Alice indignada, mas o Contador continuou, imperturbável. "Não importa onde o conseguiu, ele tem de vir de algum lugar. Se você consegue mais, é porque outra pessoa tem menos. É isso que acontece a curto prazo imediato, a qualquer taxa. "A longo prazo é diferente; é possível que haja inflação e você descubra que há muito dinheiro circulando. Todos têm mais, mas o dinheiro não parece poder comprar tanto quanto antes. Energia é o oposto. A longo prazo ela se conserva, a quantidade total continua a mesma, e não há nada parecido com a inflação econômica. Todo ano você vai precisar, em média, da mesma quantidade de energia para se transferir de um estado para o outro em um átomo. A curto prazo, por outro lado, a energia não se conserva bem. Uma partícula pode colher a energia de que precisa sem que ela tenha de vir de algum lugar; ela simplesmente aparece como flutuação quântica. Essas flutuações são conseqüência da relação
  38. 38. de incerteza: a quantidade de energia que se tem é incerta e quanto menor o tempo que você a possuir, mais incerta a quantidade será." "Isso me parece terrivelmente confuso", disse Alice. “Nem precisa dizer!“, respondeu enfaticamente seu acompanhante. "É mesmo! Você gostaria de ser contador quando os números nos seus livros estão flutuando sem parar?" "Deve ser horrível", disse ela em solidariedade. "Como é que você consegue?" "Normalmente, eu tento demorar o máximo possível quando estou fazendo o balanço das contas. Isso ajuda um pouco. Quanto maior for o período de tempo que eu gasto, menores as flutuações residuais, entende? Infelizmente, as pessoas ficam impacientes e vêm me perguntar se estou planejando ficar calculando o balanço para sempre. Esta seria a única maneira de se fazer isso", continuou ele, com honestidade. "Quanto mais tempo eu levar, menores serão as flutuações de energia. Se eu ficasse fazendo isso para sempre, não haveria nenhuma flutuação e minhas contas teriam um balanço perfeito", disse, triunfante. "Infelizmente, não me deixam em paz. Todos estão impacientes e ansiosos para fazer transições de um estado para outro, o tempo todo." "Há mais uma pergunta que eu gostaria de fazer", Alice lembrou-se. "O que são esses estados de que tanto ouço falar? Poderia explicá-los para mim, por favor?" "Não sou a melhor pessoa para isso. Como é tudo parte da Mecânica Quântica, você deveria ir ao Instituto de Mecânica e perguntar por lá." "Foi o que me disseram antes", disse Alice. "Já que esse é o lugar onde devo perguntar, poderia me dizer como chego lá?"
  39. 39. Energia pode ser transferida de uma forma para outra, mas a energia total de um sistema é constante (contanto que não haja troca de energia com a vizinhança). Isto é uma verdade absoluta na mecânica clássica. É verdade a longo prazo em sistemas quânticos, mas, a curto prazo, o valor da energia está sujeito a flutuações. A palavra flutuação é melhor do que a palavra incerteza, uma vez que há conseqüências físicas reais. A penetração em barreiras durante o decaimento alfa de núcleos é um dos casos; falaremos de decaimento alfa no Capítulo 8 e já vimos a penetração de barreiras no Capítulo 1. "Receio não poder dizer-lhe realmente como chegar lá. Não é assim que fazemos as coisas aqui. Mas posso conseguir que seja muito provável que você chegue lá." Ele se virou e foi até o outro lado do seu escritório, até uma parede coberta com uma cortina empoeirada. Ao puxá-la bruscamente ele revelou a Alice uma fila de portas ao longo da parede. "Aonde leva cada uma delas?", ela perguntou. "Alguma delas leva ao Instituto de que você estava falando?" " Cada uma delas poderia levá-la a quase qualquer lugar, incluindo, é claro, o Instituto. Mas a questão é que todas elas muito provavelmente a levam à porta do Instituto." "Não compreendo", reclamou Alice, com um sentimento de confusão crescente que já estava se tornando familiar. "Qual é a diferença? Dizer que cada uma delas leva a quase qualquer lugar é a mesma coisa que dizer que todas elas podem levar a quase qualquer lugar." "De jeito nenhum! É completamente diferente. Se você passar por qualquer uma delas, você vai acabar chegando em quase qualquer lugar, mas se passar por todas ao mesmo tempo, provavelmente vai chegar onde quer chegar, no pico do padrão de interferência." "Que bobagem!", ela exclamou. "Não há como passar por todas as portas de uma só vez. Só é possível passar por uma porta de cada vez."
  40. 40. "Ah, isso é diferente! Claro, se eu vejo você passando por uma porta, você então passará por essa porta, mas se eu não a vir, é bem possível que você tenha passado por qualquer uma das portas. Neste caso, a regra geral se aplica." Com um gesto, ele indicou um cartaz grande e chamativo, pregado na parede em frente à mesa, onde era impossível não ser visto. O cartaz dizia: AQUILO QUE NÃO É PROIBIDO É COMPULSÓRIO! "Esta é uma das regras mais básicas que temos aqui. Se é possível fazer várias coisas juntas, você não faz só uma, deve fazê-las todas. Assim, você evita ter de tomar decisões o tempo todo. Então vá, passe por todas as portas e ao fazer isso saia em todas as direções de uma só vez. Você vai ver que é muito fácil e logo chegará ao lugar certo." "Isso é ridículo!", Alice protestou. "Não há maneira de passar por várias portas ao mesmo tempo!" "Como pode dizer isso antes de tentar? Nunca fez duas coisas ao mesmo tempo?" "Claro que sim", ela respondeu. "Já assisti televisão enquanto fazia meu dever de casa, mas isso não é a mesma coisa. Eu nunca fui em duas direções ao mesmo tempo." "Sugiro que você experimente", respondeu o Contador, irritado. "Você nunca vai saber se pode fazer alguma coisa se não tentar. Este é o tipo de pessimismo que sempre atravanca o progresso. Se quiser ir a algum lugar aqui, você tem de fazer tudo que é possível, e tudo ao mesmo tempo. Não precisa se preocupar com onde você vai parar. A interferência cuida disso!" "O que quer dizer? O que é interferência?", ela perguntou. "Não há tempo para explicar. No Instituto de Mecânica vão lhe dizer isso. Agora vá, e eles lhe explicarão quando você chegar."
  41. 41. "Isso é horrível!", pensou Alice consigo mesma. "Todas as pessoas com quem falo me mandam apressadas para outro lugar, prometendo explicações quando eu chegar lá. Gostaria que alguém me explicasse tudo direito, de uma vez por todas! Tenho certeza de que não sei como posso ir em várias direções ao mesmo tempo. Parece impossível, mas ele está tão certo de que conseguirei, que acho que é melhor eu tentar." Alice abriu uma porta e entrou. OS MUITOS CAMINHOS DE ALICE: Alice entrou pela porta da esquerda e se viu numa pequena praça de paralelepípedos com três becos estreitos que saíam dela. Escolheu o beco da esquerda. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a uma ampla área pavimentada. No centro dela erguia-se um alto e escuro edifício, sem janelas nos andares mais baixos. Era ameaçador. *** Alice entrou pela porta da esquerda e se viu numa pequena praça de paralelepípedos com três becos estreitos que saíam dela. Escolheu o beco da direita. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a um parque com caminhos de pedra cobertos por ervas, que seguiam por entre árvores que pendiam melancólicas. Altas grades de ferro cercavam o parque e uma névoa úmida escurecia o panorama do lado de dentro. *** Alice entrou pela porta da esquerda e se viu numa pequena praça de paralelepípedos com três becos estreitos que saíam dela. Escolheu o beco do meio. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a outra pracinha, em frente a um prédio de aparência muito pobre. *** Alice entrou pela porta da direita e se viu num beco estreito de onde saíam outros dois. Escolheu o beco da esquerda. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a uma ampla área pavimentada. No centro dela erguia-se um alto e escuro
  42. 42. edifício, sem janelas nos andares mais baixos. Era ameaçador e ela teve a clara impressão de que não deveria estar ali. *** Alice entrou pela porta da direita e se viu num beco estreito de onde saíam outros dois. Escolheu o beco da direita. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a um parque com caminhos de pedra cobertos por ervas, que seguiam por entre árvores que pendiam melancólicas. Altas grades de ferro cercavam o parque e uma névoa úmida escurecia o panorama do lado de dentro. Ela teve a clara impressão de que não deveria estar ali. *** Alice entrou pela porta da direita e se viu num beco estreito de onde saíam outros dois. Escolheu o do meio. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a outra pracinha, em frente a um prédio de aparência muito pobre. De certa forma, pareceu-lhe que este era o lugar certo para ela estar. *** ****** *** Alice entrou pela porta do meio e se viu de frente para uma parede com três passagens em arco que levavam a becos um pouco mais além. Escolheu o beco da esquerda. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a uma ampla área pavimentada. No centro dela erguia-se um alto e escuro edifício, sem janelas nos andares mais baixos. Era ameaçador e desta vez a impressão de que não deveria estar ali era muito forte. *** Alice entrou pela porta do meio e se viu de frente para uma parede com três passagens em arco que levavam a becos um pouco mais além. Ela não seguiu pelo beco da direita, pois este caminho de algum jeito parecia ser completamente errado.
  43. 43. *** Alice entrou pela porta do meio e se viu de frente para uma parede com três passagens em arco que levavam a becos um pouco mais além. Escolheu o beco do meio. Antes que pudesse ir muito longe, chegou a outra pracinha, em frente a um prédio de aparência muito pobre. Ela agora tinha certeza de que este era o lugar onde deveria estar. *** Alice observou o prédio mais de perto. Num cartaz desbotado junto à porta ela conseguiu ler as palavras "Instituto de Mecânica". Era ali mesmo que ela queria chegar! Partículas que podem tomar diferentes caminhos existem como uma superposição (soma) de amplitudes. Cada caminho possível contribui com uma amplitude, ou opção, para o comportamento da partícula e todas as amplitudes estão presentes, juntas. As diferentes amplitudes podem interferir, combinando-se e se concentrando em certas regiões para aumentar a probabilidade de se encontrarem partículas ali. Em outros lugares, podem se cancelar mutuamente para diminuirá probabilidade de se encontrar partículas. Amplitude e interferência serão discutidas no próximo capítulo.
  44. 44. Alice examinou o prédio que estava à sua frente. Era uma modesta estrutura de tijolos, já meio castigada pelo tempo. Na frente, havia um cartaz que dizia se tratar do "Instituto de Mecânica". Ao lado do cartaz havia uma porta, em que alguém tinha pregado um aviso: "Não bata. Apenas entre." Alice experimentou e viu que a porta não estava trancada. Abriu-a e entrou. Do outro lado da porta havia uma sala ampla e escura. No meio da sala havia uma área iluminada e clara. Dentro desta limitada região era possível distinguir alguma coisa com razoável nitidez. Mais para além, jazia uma extensão aparentemente ilimitada de escuridão na qual nada significativo podia ser discernido. Na mancha de luz ela viu uma mesa de bilhar com duas figuras se movendo em volta. Alice andou em sua direção e quando se aproximou, eles se voltaram para olhar para ela. Era uma dupla bem estranha. Um era alto e angular e usava uma camisa branca engomada com colarinho duro e também alto, uma gravata estreita e, para surpresa de Alice, um macacão. Seu rosto era aquilino, e ele tinha costeletas fartas. Ele olhou para ela com tanta intensidade que Alice sentiu que ele podia perceber até mesmo o menor detalhe naquilo que observava. Seu companheiro era menor e mais jovem. Seu rosto redondo era decorado com uns óculos grandes, de armação de metal; era difícil perceber para onde ele estava, olhando, ou mesmo onde exatamente estavam seus olhos. Ele vestia um avental branco de laboratório sob o qual aparecia uma camiseta com o desenho de algo vagamente atômico na frente. Não era fácil dizer com certeza o que era, pois as cores estavam desbotadas. "Com licença, este é o Instituto de Mecânica?" Alice perguntou, mais para puxar conversa. Pelo cartaz, ela já sabia que era. “Sim, minha cara", disse o mais alto e impressionante dos dois. "Eu sou um Mecânico Clássico do Mundo Clássico, e estou visitando meu colega, aqui, que é um Mecânico Quântico. Qualquer que seja seu problema, tenho certeza de que um de nós poderá ajudá-la. É só esperar até que terminemos nossas jogadas."
  45. 45. Ambos se viraram para a mesa de bilhar. O Mecânico Clássico mirou com cuidado, considerando as ínfimas panes de todos os ângulos envolvidos. Finalmente, deu a tacada bem à vontade. A bola bateu e voltou numa impressionante série de ricochetes e acabou por entrar em colisão com a bola vermelha, que foi parar com precisão dentro de uma das caçapas. "Aí está", exclamou com satisfação ao tirar a bola de dentro do buraco. "É assim que se faz, está vendo? Observação cuidadosa e exata, seguida de ação precisa. Procedendo assim, você obtém o resultado que escolher." Seu companheiro não respondeu, tomou seu lugar na mesa e fez um movimento vago com seu taco. Após suas experiências anteriores, Alice não ficou surpresa ao ver a bola disparar em todas as direções ao mesmo tempo, e não havia lugar na mesa onde ela pudesse dizer com certeza que a bola não havia estado, embora não pudesse dizer igualmente onde a bola havia estado. Após um intervalo, o jogador olhou dentro de uma das caçapas, enfiou a mão e tirou a bola vermelha.
  46. 46. "Se não se importa que eu faça uma observação", disse Alice, "parece que você joga de forma muito diferente." "É isso mesmo", respondeu o Mecânico Clássico. "Odeio quando ele dá tacadas desse jeito. Gosto que tudo seja feito com muito cuidado e precisão e que todos os detalhes sejam planejados antecipadamente. Contudo", acrescentou, "imagino que você não tenha vindo aqui para nos ver jogar bilhar, por isso, pode nos dizer o que é que quer saber." Alice contou novamente todas as suas experiências desde que tinha chegado ao País do Quantum e explicou como tinha achado tudo muito confuso e como tudo parecia estranho e indefinido. "Eu nem sei como encontrei este prédio", concluiu. "Me disseram que a interferência provavelmente me levaria para o lugar certo, mas não consegui entender o que aconteceu." "Bem", disse o Mecânico Clássico, que parecia ter escolhido a si mesmo para ser o porta-voz da dupla. Eu não posso dizer que entendi tudo também. Como eu já disse, gosto das coisas claras, com a causa sendo seguida pelo efeito, com tudo muito claro e previsível. Para dizer a verdade, muitas coisas que acontecem aqui não fazem o menor sentido para mim", ele murmurou, num tom de confidencia. "Eu saí do Mundo Clássico só para dar uma voltinha. Lá é um lugar esplêndido, onde tudo acontece com precisão mecânica. A causa é seguida do efeito de uma maneira maravilhosamente previsível, o que faz com que tudo faça sentido e que você saiba o que vai acontecer. E tem mais: os trens estão sempre na hora", acrescentou. Ver nota 1 no final do Capítulo. "Parece impressionante", disse Alice com educação. "Para ser assim tão organizado, tudo deve ser controlado por computadores." "Não", respondeu o Mecânico Clássico. "Não usamos computador algum. Na verdade, coisas eletrônicas não funcionam no mundo clássico. Somos melhores com máquinas a vapor. Eu não me sinto muito à vontade, aqui no País do Quantum. O meu amigo aqui está muito mais familiarizado com as condições quânticas.
  47. 47. "Contudo", ele continuou, mais seguro de si, "eu posso lhe dizer o que é interferência. Isso acontece na mecânica clássica também. Siga-me e demonstrarei como funciona." Ele levou Alice através de uma porta, depois por um longo corredor e para dentro de uma outra sala. Esta sala estava bem iluminada, com uma luz clara que iluminava todos os cantos da sala e que não parecia vir de nenhuma fonte específica. Eles estavam de pé numa estreita passarela de madeira, que dava a volta na sala, encostada nas paredes. O chão no meio da sala estava coberto com uma espécie de substância cinza brilhante que não parecia sólida. Flashes de luz aleatórios atravessavam este material, assim como um televisor com o canal fora do ar. O guia explicou para Alice, "Esta é a sala de gedanken, que quer dizer 'sala de pensar'. Você deve saber que em alguns clubes existem salas de escrever e salas de ler. Bem, nós temos uma sala de pensar. Aqui, os pensamentos das pessoas tomam forma, para que todos possam vê-los. Aqui podemos fazer experimentos de pensamento, que nos permitem descobrir o que aconteceria em várias situações físicas, sendo muito mais baratos do que os experimentos de verdade, é claro. "Como é que funciona?", perguntou Alice. "E só pensar em alguma coisa e ela aparece?" "Correto; em essência, é só o que precisa fazer." "Oh, por favor, posso experimentar?", Alice perguntou. "Certamente, se quiser." Alice pensou com intensidade na substância móvel e brilhante. Para sua surpresa e alegria, onde antes não havia nada, ela viu um grupo de coelhinhos peludos saltando para lá e para cá. "Sim, muito bonito", disse o Mecânico, muito impaciente. "Mas isso não ajuda a explicar a interferência." Ele fez um gesto e todos os coelhos
  48. 48. desapareceram, a não ser por um pequenininho que ficou, sem ser notado, num dos cantos da área. "Interferência", ele começou, com autoridade, "é algo que acontece com as ondas. Existem vários tipos de ondas nos sistemas físicos, mas é mais simples pensar nas ondas da água." Ele olhou com força para o chão, que, bem na frente dos olhos de Alice, se transformou num lençol d'água, com pequenas ondas percorrendo a superfície. Num dos cantos, o coelho afundou com um "plop", quando o chão debaixo dele virou água. Ele tentou sair e olhou para eles. Então ele se sacudiu, olhou com pesar para seu pêlo encharcado, e sumiu. "Agora, um pouco de ondas", continuou o Mecânico Clássico, sem prestar atenção ao infeliz coelho. Alice olhou sem vontade para o chão e uma onda veio estourando através da superfície até quebrar dramaticamente sobre uma praia, num dos lados do chão. "Não, não é este tipo de onda que queremos. Essas ondas grandes que estouram são complicadas demais. Nós queremos aquele tipo de onda mais suave, que se espalha quando você joga uma pedra na água." Enquanto ele falava, uma série de ondas circulares começou a se espalhar, partindo do centro da água. "Mas precisamos pensar no que chamamos de ondas planas, que se movem todas na mesma direção." As ondulações circulares se transformaram numa série de longos sulcos paralelos, como um campo arado e molhado, todas se movendo através do chão, de um lado a outro. "Agora, poremos uma barreira no meio." Um obstáculo baixo surgiu no centro, dividindo o chão em dois. As ondas iam até a barreira e colidiam contra ela, mas não havia jeito de passarem para o outro lado, que agora estava calmo e parado. "Fazemos um buraco na barreira agora, para que as ondas possam atravessar por ele." Uma fenda pequena, muito bem-feita, apareceu um pouco à esquerda do ponto central da barreira. Ao passar por essa brecha, as ondas se espalhavam circularmente pela calma região do outro lado da barreira.
  49. 49. "Agora veja o que acontece quando temos duas fendas na barreira", exclamou o Mecânico. Instantaneamente, havia uma fenda à esquerda e outra à direita do ponto central. Ondulações circulares espalhavam-se a partir de ambos. Onde elas se encontravam, Alice pôde ver que a água subia e descia muito mais do que quando havia somente uma fenda na barreira, enquanto em outros lugares ela mal se movia. "Você vai entender quando congelarmos o movimento. É claro que é possível fazer isso num experimento pensado." O movimento na água foi interrompido e as ondulações ficaram congeladas no lugar em que estavam, como se toda a área tivesse sido abruptamente transformada em gelo. "Vamos marcar agora as regiões de amplitude máxima e mínima", continuou, determinado, o Mecânico Clássico. "A amplitude mede o quanto a água se deslocou a partir do nível que tinha quando estava parada." Duas setas fluorescentes apareceram, flutuando no espaço por sobre a superfície. Uma tinha a cor das maçãs verdes e estava apontando para um local onde a perturbação na superfície tinha sido maior. A outra seta era de um vermelho meio pálido e apontava o local onde a superfície quase não tinha sido perturbada. "Você poderá ver o que está acontecendo se virmos o efeito de só uma fenda de cada vez", ele disse, com um entusiasmo crescente. Uma das fendas na barreira desapareceu e só sobraram as ondulações circulares que partiam da outra fenda, ainda congeladas em suas posições como se fossem feitas de vidro. "Agora, vamos mudar para a outra fenda." Alice percebeu que a diferença era muito pequena entre um local e outro. A posição da fenda tinha se alterado e o padrão de ondulações circulares que passava por ela se moveu um pouco, mas no aspecto geral parecia o mesmo. "Temo que não consiga entender o que você está tentando me mostrar", ela disse. "Os dois casos parecem o mesmo para mim." "Vai ser mais fácil ver a diferença se eu passar rapidamente de um caso para outro." A fenda na barreira começou a pular de um lado para outro, primeiro para a direita e depois para a esquerda. Enquanto isso acontecia, o padrão de ondulações avançava e retrocedia, primeiro para a direita, depois para a esquerda.
  50. 50. "Veja o padrão de ondas em baixo da seta verde", disse o Mecânico, que, aos olhos de Alice, estava mais excitado com o assunto do que deveria. Ela, porém, fez o que ele pediu e percebeu que no local indicado pela seta havia uma elevação na água, em ambos os casos. "Cada fenda na barreira produziu uma onda que se eleva neste ponto particular. Quando as duas fendas estão abertas, a onda é duas vezes mais alta aqui e a elevação e a depressão totais são muito maiores do que quando só há uma fenda. A isso chamamos de interferência construtiva. "Agora veja o padrão das ondas em baixo da seta vermelha." Ali Alice viu que, enquanto uma fenda causava uma elevação naquele ponto, a outra produzia uma depressão. "Veja que nesta posição a onda de uma fenda sobe enquanto a onda da outra desce. Quando as duas se encontram, elas se cancelam mutuamente e, no total, a perturbação desaparece. A isso chamamos de interferência destrutiva. "Isso é, na verdade, tudo que há para saber sobre interferência de ondas. Quando duas ondas se atravessam e se combinam, suas amplitudes, as quantidades que medem o quanto sobem ou descem, também se combinam. Em alguns lugares, as ondas participantes estão todas indo no mesmo sentido, então as perturbações se somam e o resultado final é considerável. Em outros lugares, elas vão em sentidos opostos e se cancelam mutuamente." "Sim, acho que entendi", ela disse. "Quer dizer que as portas do Banco funcionavam como as fendas na barreira, causando um grande efeito nos lugares onde eu precisava ir e cancelando-se mutuamente em outras posições. Mas ainda não vejo como isso se aplica ao meu caso. Com suas ondas de água, você diz que há mais da onda em um lugar e menos no outro por causa desta interferência, mas a onda está espalhada por toda a região, enquanto eu estou em um só lugar de cada vez." "Exatamente!" gritou o Mecânico Clássico triunfante. "É esse o problema. Como você mesma disse, você está em um só lugar. Você é mais como uma partícula do que como uma onda, e as partículas se comportam de maneira bem diferente no sensato mundo clássico. Uma onda se espalha por uma ampla área e nós só vemos uma pequena porção dela em qualquer posição. Por causa da
  51. 51. interferência, você pode ter mais ou menos dela em posições diferentes, mas, ainda assim, você estará olhando para apenas uma pequena parte da onda. Uma partícula, por outro lado, está localizada em algum ponto. Olhando em posições diferentes, você vê a partícula inteira ou ela simplesmente não está lá. Na Mecânica Clássica as partículas não exibem efeitos de interferência, como provaremos." Ele virou para o chão da sala de gedanken e olhou-o com firmeza. De um espelho d'água, a superfície se transformou em uma área blindada com barreiras reforçadas ao longo do perímetro, altas o bastante para eles se protegerem atrás delas. De um lado a outro, no meio do chão, onde antes havia a barreira de ondas, erguia-se uma parede blindada com uma estreita abertura um pouco à esquerda do centro. "Podemos ver agora o mesmo arranjo, só que fiz umas alterações para que possamos observar partículas rápidas. Elas são mais ou menos como as balas de uma arma, e é por isso mesmo que vamos usar uma." A interferência é, classicamente, uma propriedade das ondas. Ela ocorre quando amplitudes, ou perturbações, de diferentes fontes se encontram e se combinam somando em alguns lugares e subtraindo ou cancelando em outros. Isso resulta em regiões de atividade intensa ou baixa, respectivamente. Pode-se ver esse efeito no padrão produzido quando as ondulações deixadas por dois barcos se cruzam umas com as outras. Os efeitos da interferência podem causar também a má recepção de um televisor quando as ondas refletidas por um prédio próximo interferem com o sinal direto. A interferência requer distribuições extensas e sobrepostas. Na Física Clássica, partículas ocupam uma posição determinada e não produzem interferência. Ele fez um gesto em direção a uma das extremidades da sala onde apareceu uma metralhadora de aparência desagradável, com muitas caixas de munição empilhadas ao lado. "Esta arma não está muito bem apoiada e por isso não atira sempre na mesma direção. Algumas balas atingirão a fenda na parede e passarão para o outro lado, como parte da onda fez no nosso último experimento pensado. A maioria delas, é claro, atingirá a parede, ricocheteando. Oh, isso me
  52. 52. faz lembrar", ele disse, de repente. "Devemos usar isso, caso alguma bala nos atinja ao ricochetear." Pegando um par de capacetes de aço, ele estendeu um para Alice. "É mesmo necessário?", ela perguntou. "Se o experimento é só pensado, essas balas são também pensadas e não podem nos causar dano algum." "Talvez, mas você pode pensar que foi atingida por uma bala e isso não seria muito legal." Alice colocou o capacete. Ela não sentia o peso dele sobre sua cabeça, nem achava que ele adiantaria para alguma coisa, mas continuar discutindo também não seria muito útil. O Mecânico retesou seu corpo, acenou como se fosse um imperador e a metralhadora começou a disparar, fazendo muito barulho. As balas saíam num fluxo irregular. A maioria acertava a parede e zumbia para longe em todas as direções, mas algumas passavam pelas aberturas na barreira e chegavam à parede do outro lado. Alice ficou intrigada ao perceber que, quando uma bala atingia a parede do outro lado da barreira, ela parava imediatamente e se elevava devagar para ficar flutuando no ar bem acima do ponto onde atingira a parede. "Como você pode ver, enquanto a onda de água se espalhava por toda a parede além da fenda, uma bala a atingirá em apenas uma posição. Neste experimento, porém, há uma maior probabilidade da bala passar direto pela fenda do que resvalar na borda da abertura e ir parar muito para o lado. Se esperarmos
  53. 53. um pouco mais, veremos como a probabilidade varia para os diferentes pontos ao longo da parede." Enquanto o tempo passava e o ar ia ficando cheio de balas voadoras, o número daquelas que flutuavam perto da parede crescia com regularidade. Enquanto observava, Alice começou a distinguir um padrão que ia se formando. "Veja, já dá para perceber como as balas que passaram pela fenda se distribuem pela parede", disse o Mecânico quando a arma parou. "A maioria foi parar diretamente na direção da abertura, e o número vai decrescendo tanto para um lado quanto para outro. Agora veja o que acontece quando a fenda é deslocada um pouco para a direita." Com outro gesto seu, as balas flutuantes caíram no chão e a metralhadora recomeçou. Apesar de a demonstração ser barulhenta e bem perturbadora, Alice percebeu que o resultado final foi o mesmo que da vez anterior. Sinceramente, foi decepcionante. "Como pode ver", disse o Mecânico com uma confiança indevida, "a distribuição é parecida com a anterior, mas levemente deslocada para a direita, uma vez que o centro agora está do outro lado da abertura." Alice não percebeu diferença nenhuma, mas estava pronta para aceitar o que ele dissesse. "Agora", disse o Mecânico em tom teatral, "vejamos o que acontece quando ambas as fendas estão presentes." Até onde Alice pôde perceber, não fazia a menor diferença. Exceto que, com as duas fendas, mais balas passariam e atingiriam a parede. Desta vez, ela decidiu fazer um comentário. "Receio que, para mim, todas as vezes tenham sido iguais", ela disse, desculpando-se. "Exatamente!", respondeu satisfeito o Mecânico. "Só que, como você deve ter observado, o centro da distribuição agora fica no meio, entre as fendas. Tínhamos uma distribuição para a probabilidade de as balas passarem pela fenda da esquerda e outra distribuição para as que passariam pela fenda da direita. Com as duas fendas, as balas podem passar por qualquer uma delas. A distribuição total, então, será a soma das probabilidades obtidas para cada uma das fendas, já que as balas devem passar por uma ou por outra. Elas não podem passar por ambas ao mesmo tempo", ele acrescentou, dirigindo-se ao Mecânico Quântico que acabava de entrar na sala.
  54. 54. "É o que você diz", respondeu o colega, mas como pode ter tanta certeza? Veja só o que acontece quando repetimos nosso experimento de gedanken com elétrons." Desta vez, quem fez um gesto em direção ao chão da sala foi o Mecânico Quântico. Seus gestos não eram tão decididos quanto os de seu colega, mas pareceu funcionar do mesmo jeito. A metralhadora e as paredes blindadas desapareceram. O chão voltou a ser do material brilhante que Alice tinha visto a princípio, mas a parede a que ela já tinha se acostumado ainda estava lá, atravessando o chão de lado a lado, com as duas fendas no meio. Do outro lado da sala estava uma grande tela com um brilho esverdeado. "Esta é uma tela fluorescente", murmurou o Mecânico para Alice. "Ela emite um flash de luz toda vez que um elétron a atinge, assim, podemos usá-la para detectar onde eles estão." Do outro lado, onde antes estava a metralhadora, havia outra arma. Esta era pequenininha, parecida com uma versão reduzida daqueles canhões de onde são disparados os homens-bala nos espetáculos de circo. "O que é isso?", Alice perguntou. "E um canhão de elétrons, é claro." Olhando com mais cuidado, Alice viu uma escadinha que levava à boca do canhão, com uma fila de elétrons esperando a sua vez de serem disparados. Eles estavam bem menores desde a última vez em que os vira. "Mas é claro", ela disse para si mesma, "estes são apenas elétrons pensados." Ao olhar para eles, ela se surpreendeu ao vê-los acenando para ela. "Como será que eles me conhecem?", ela se perguntou. "Devem ser todos o mesmo elétron que eu conheci antes!" “Iniciar disparos!", comandou o Mecânico Quântico, e os elétrons subiram os degraus depressa, entraram no canhão e eram disparados, num fluxo regular. Alice não conseguia vê-los atravessar a sala, mas via um clarão de luz no lugar onde cada um deles atingia a tela. Os clarões, ao se apagarem, deixavam uma estrelinha brilhante que ficava marcando o lugar onde os elétrons tinham aterrissado.
  55. 55. Assim como a metralhadora de antes, o canhão de elétrons continuou a disparar a corrente de elétrons e um monte de estrelinhas começou a se agrupar, começando a indicar uma distribuição reconhecível. A princípio, Alice não tinha certeza do que estava vendo, mas quando o número de estrelinhas começou a aumentar, ficou claro que sua distribuição era bem diferente daquela obtida com as pilhas de balas da experiência anterior. Em vez de uma queda lenta e progressiva a partir de um número máximo no centro, em direção às laterais, as estrelas estavam distribuídas em bandas, com espaços negros entre elas, onde havia poucas ou nenhuma estrela. Alice percebeu que, de certa forma, esse caso era parecido com o das ondas de água, onde há regiões de alta atividade com áreas calmas intercaladas. Agora, havia regiões onde muitos elétrons tinham sido detectados, com muito poucos deles nas áreas intermediárias. Por causa disso, Alice não ficou surpresa quando o Mecânico Quântico disse, "O que você está vendo aí é o claro efeito da interferência. Com as ondas de água, tínhamos regiões de maior e menor movimento na superfície. Aqui, cada elétron será detectado em apenas uma posição, mas a. probabilidade de detectar um elétron varia de uma posição para outra. A distribuição de diferentes intensidades de onda que você viu antes foi substituída por uma distribuição de probabilidades. Com um ou dois elétrons tal distribuição não é óbvia, mas usando um monte de elétrons, você vai encontrar mais deles nas regiões de alta probabilidade. Com apenas uma abertura, veríamos que a distribuição decresceria aos poucos em direção aos lados, assim como as balas e as ondas de água se comportaram quando havia só uma fenda. Neste caso vemos que, quando há duas fendas, as amplitudes das duas interferem uma na outra, produzindo picos e depressões óbvias na distribuição de probabilidade. O comportamento dos elétrons é muito diferente do das balas do meu amigo." "Não estou entendendo," disse Alice, e essa pareceu a única coisa que dizia na vida. "Quer dizer que há tantos elétrons que, de algum jeito, os elétrons que passam por um buraco estão interferindo com aqueles que atravessam o outro buraco?"
  56. 56. "Não. Não é isso que eu quero dizer. Não mesmo. Você verá agora o que acontece quando disparamos somente um elétron." Ele bateu palmas e disse "Ok, vamos fazer de novo, mas devagar, desta vez." Os elétrons entraram em ação ou, para ser mais preciso, um deles entrou no canhão e foi disparado. Os outros continuaram sentados onde estavam. Pouco depois, outro elétron subiu até a boca do canhão e foi disparado também. Continuaram assim por algum tempo, até que Alice começou a perceber o mesmo padrão de agrupamentos e intervalos vazios aparecendo. Esses agrupamentos e intervalos não eram tão claros como antes porque a baixa intensidade com que os elétrons iam chegando fazia com que não houvesse muitos deles nos agrupamentos, mas ainda assim o padrão era bem claro. "Aí está. Está vendo que o efeito da interferência funciona mesmo quando há apenas um elétron presente de cada vez? Um elétron sozinho pode exibir interferência. Ele pode atravessar ambas as aberturas e interferir consigo mesmo, por assim dizer." A evidência experimental mais forte do comportamento quântico é fornecida pelo fenômeno da interferência. Quando um resultado pode ser obtido por uma série de maneiras, há uma amplitude para cada maneira possível. Depois, se estas amplitudes são juntadas umas com as outras, podem se somar ou subtrair e a distribuição total de probabilidades mostrará máximos e mínimos distintos: bandas intensas e bandas vazias que se alternam. Na prática, esse efeito tem sido sempre observado onde se espera encontrá-lo. É uma forma de interferência que produz os diferentes conjuntos de estados de energia que ocorrem nos átomos. Apenas aqueles estados que "se adequam perfeitamente" ao potencial vão interferir positivamente para atingir um máximo elevado na probabilidade. Quaisquer outros estados se cancelariam mutuamente, e, portanto, não existem. "Mas isso é besteira!", exclamou Alice. "Um elétron não pode atravessar as duas aberturas. Como disse o Mecânico Clássico, não faz o menor sentido." Ela foi até a barreira e a examinou mais de perto para tentar ver por onde os elétrons passavam ao atravessar a barreira. Infelizmente, a luz era muito fraca e os
  57. 57. elétrons se moviam com tamanha rapidez que ela nunca conseguia distinguir por que abertura eles passavam. "Isso é ridículo", ela pensou. "Preciso de mais luz." Alice tinha esquecido que estava num "quarto pensante" e se surpreendeu quando um holofote fortíssimo apoiado num tripé apareceu ao lado do seu cotovelo. Ela rapidamente dirigiu o facho de luz para as duas aberturas e ficou satisfeita ao perceber que havia um flash visível perto de uma ou outra abertura quando o elétron passava. "Consegui!", ela gritou. "Consigo ver os elétrons passarem pelas frestas e é exatamente como eu disse. Cada um deles passa por somente uma abertura." "Aha!", respondeu empolgado o Mecânico Quântico. "Mas você viu o que aconteceu com o padrão de interferência?" Alice virou-se para olhar para a parede atrás da barreira e se espantou ao ver que agora a distribuição de estrelinhas concentrava-se ao máximo no centro e ia suavemente decaindo para os lados, exatamente como a distribuição clássica das balas. Não era justo. "É sempre assim e não há nada que possamos fazer", disse o Mecânico Quântico, consolando-a. "Quando não há observação para saber por qual fenda os elétrons passam, ocorre a interferência entre os efeitos das duas fendas. Se você observar os elétrons, verá que, de fato, eles estão em um lugar ou outro e não em ambos mas, neste caso, eles se comportam como o esperado, isto é, como se tivessem passado por apenas uma fenda, não causando interferência. O problema é que não há uma maneira de se observar os elétrons sem perturbá-los, como quando você pôs a luz sobre eles. O simples ato de observar força os elétrons a escolher um percurso. Não importa se você anota por qual buraco cada elétron passou. Não importa se você presta atenção ou não nos buracos. Qualquer observação que pudesse lhe dizer isso, perturba os elétrons e interrompe a interferência. Os efeitos da interferência só acontecem quando não há maneira de saber por qual fenda o elétron passou. Se você sabe ou não, isso não importa.
  58. 58. "É assim: quando há interferência, parece que cada elétron está atravessando ambas as fendas. Se tentar averiguar, verá que cada um dos elétrons só passa por uma fenda, mas então o efeito de interferência desaparece. Não há como escapar disso!" Alice dedicou um pouco de reflexão ao assunto. "Isso é totalmente ridículo!', concluiu. "Certamente", respondeu o Mecânico Quântico com um sorriso satisfeito. "Totalmente ridículo, eu concordo, mas é assim que a Natureza funciona e nós temos de acompanhá-la e quer dizer complementaridade:", Alice perguntou. "Claro. Complementaridade quer dizer que há certas coisas que não se pode saber. Não ao mesmo tempo, pelo menos." "Não é isso que complementaridade quer dizer", ela protestou. "Quando eu digo, é isso que quer dizer", respondeu o Mecânico. "As palavras significam aquilo, que eu quiser. É tudo uma questão de quem é o mestre. Complementaridade, é o que eu digo." "Você já disse isso", disse Alice, sem se deixar convencer totalmente pela última afirmação do Mecânico.
  59. 59. "Não, não disse", respondeu o Mecânico. "Desta vez quero dizer que há perguntas que não se pode fazer a uma partícula, tais como onde ela está e a que velocidade se move. Na verdade, não significa muita coisa falar de um elétron ocupando uma determinada posição." "Isso é muita coisa para dizer com uma só palavra!", Alice disse com ironia. "Com certeza", respondeu o Mecânico, "mas quando faço uma palavra trabalhar horas extras como agora, eu sempre pago mais. Acho que não posso explicar o que está acontecendo de verdade com os elétrons. É normalmente exigido de uma explicação que ela faça sentido com termos e palavras que você já conhece e a física quântica não faz isso. Parece que não faz sentido, mas funciona. Dá até para dizer com segurança que ninguém entende a física quântica. Não consigo explicar para você mas posso descrevera que está acontecendo. Venha para o quarto dos fundos e eu verei o que posso fazer." Ver nota 2 no final do Capítulo. Na mecânica quântica, partículas são como ondas e ondas são como partículas. Elas são a mesma coisa. Tanto os elétrons quanto a luz exibem os efeitos da interferência, mas, quando detectados, são percebidos como quanta individuais e cada um é observado em um lugar determinado. A interferência entre os possíveis percursos que uma partícula pode percorrer resultará em uma distribuição de probabilidades com mínimos e máximos bem pronunciados, onde é mais provável que uma partícula seja detectada em uma posição do que em outra. Eles deixaram a sala de gedanken, cujo chão tinha voltado ao seu costumeiro aspecto brilhante, e prosseguiram por um corredor até outra sala mobiliada com umas poucas poltronas. Quando os dois já tinham se sentado, o Mecânico continuou: "Quando falamos de uma situação como os elétrons passando pelas aberturas, nós a descrevemos usando uma amplitude. Ê mais ou menos como as ondas que você viu, e é de fato chamada, com freqüência, de função de onda. A amplitude pode passar por duas aberturas ao mesmo tempo e não é sempre positiva, como a probabilidade. A menor probabilidade que se pode
  60. 60. ter é zero, mas a amplitude pode ser positiva ou negativa, com os diferentes percursos podendo se anular ou somar-se uns com os outros e resultar em interferência, como ocorre com as ondas de água." "Onde estão as partículas então?", perguntou Alice. "Por qual abertura elas passam, na verdade?" "Na verdade, a amplitude não diz isso. Contudo, se elevamos a amplitude ao quadrado, isto é, se a multiplicarmos por ela mesmo para que sempre dê um número positivo, pode-se obter uma distribuição de probabilidades. Se você escolher qualquer posição determinada, é esta distribuição que vai dizer a probabilidade de, ao se observar uma partícula, achá-la naquela posição." "E isso é tudo que ela diz?", exclamou Alice. "Devo dizer que me parece insuficiente. Nunca se sabe onde alguma coisa estará." "Sim, isso é verdade. Não se pode dizer onde uma partícula estará, com exceção de que não estará onde a probabilidade é zero, é claro. Se você tiver um grande número de partículas, porém, pode ter certeza de que encontrará mais partículas onde a probabilidade é mais alta e muito menos delas onde a probabilidade é baixa. Se você tiver uma número muito grande de partículas, é possível dizer com bastante precisão o lugar onde tantas partículas estarão. Este é o caso daqueles operários de quem você estava falando. Eles sabiam o que iam construir porque estavam usando um número muito grande de tijolos. Para números muito altos, a confiabilidade geral do sistema é muito boa." Ver nota 3 no final do Capítulo "E não há maneira de dizer o que uma partícula está fazendo sem observála?", repetiu Alice, só para ter certeza. "Não, de jeito nenhum. Quando aquilo que você observa pode acontecer de várias maneiras diferentes, você tem uma amplitude para cada maneira possível, e a amplitude geral é obtida adicionando-se todas elas. Você terá então uma superposição de estados. De certa forma, a partícula está fazendo tudo que é possível a ela. Não é só que você não sabe o que a partícula está fazendo. A interferência mostra que as probabilidades estão todas presentes e influenciam
  61. 61. umas as outras. De certa forma, são todas igualmente reais. Tudo que não é proibido é compulsório." "Eu vi um cartaz que dizia isso no Banco. Parecia muito sÀ

×