MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO	             	                     FACULDADE CAMBURY – 2010/2º      Criação e Produção    ...
MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO	            	                FACULDADE CAMBURY – 2010/2º1.   Apresentar as definições e us...
MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO	              	             FACULDADE CAMBURY – 2010/2º • aulas expositivas e dialógicas b...
MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO	       	              FACULDADE CAMBURY – 2010/2ºMOURA, Edgar Peixoto de. 50 anos: luz, câ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Criação e produção de trilhas e documentários

1.926 visualizações

Publicada em

Plano de Ensino da disciplina Criação e Produção de Trilhas e Documentários, do curso de graduação tecnológica em Produção Publicitária na Faculdade Cambury (Goiânia, GO).

Publicada em: Diversão e humor, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.926
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Criação e produção de trilhas e documentários

  1. 1. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO FACULDADE CAMBURY – 2010/2º Criação e Produção Produção Publicitária de Trilhas e Documentários 80 horas-aula http://incinerrante.com/cptd/ Marcelo Rodrigues Souza Ribeiro Quarto marcelo@incinerrante.com período Bases Tecnológicas Competências • Criação e feitura de trilhas sonoras. • Analisar trilhas sonoras. • Audição e análise de trilhas. • Compreender as funções das trilhas sonoras. • Funções da trilha sonora. • Compreender as relações do documentário com o cinema de ficção. • Vinhetas; produção de trilhas e vinhetas. • Conhecer os diferentes tipos de montagem / edição. • A construção do real na tradição do • Relacionar a função do documentário cinema documentário. com a informação na televisão. • Relações do documentário com o cinema de ficção. • O documentário contemporâneo no Habilidades cinema e na televisão. • Diferentes tipos de montagem/edição e • Criar trilhas sonoras. suas origens cinematográficas. • O documentário e a informação na • Produzir vinhetas. televisão. • Produção de documentários em vídeos. • Produzir documentários em vídeo. • Análise de vídeos e documentários • Utilizar os diferentes tipos de montagem e edição.ObjetivosA disciplina de Criação e Produção de Trilhas e Documentários busca apresentar asprincipais questões envolvidas na teoria e na prática audiovisual em relação a dois eixosarticulados: a trilha sonora (entendida com a articulação de música, falas e ruídos entre sie com imagens visuais) e o documentário (entendido como a organização do discursoaudiovisual em referência ao que se considera realidade). Nesse sentido, são propostastrês linhas de discussão e prática: PÁGINA 1 DE 4 PLANO DE ENSINO DE CPTD
  2. 2. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO FACULDADE CAMBURY – 2010/2º1. Apresentar as definições e usos da trilha sonora que se manifestam na genealogia e na história do cinema e nas formas audiovisuais contemporâneas (televisão, internet etc.), realizando experiências práticas (informadas pela discussão conceitual e teórica) de criação de trilhas.2. Apresentar as definições e tipos de discurso que caracterizam o documentário na genealogia e na história do cinema e nas formas audiovisuais contemporâneas (televisão, internet etc.), realizando experiências práticas (informadas pela discussão conceitual e teórica) de produção audiovisual.3. Discutir os usos da trilha sonora no documentário, relacionando-os à questão da diferença entre documentário e ficção e realizando experiências práticas (informadas pela discussão conceitual e teórica) de produção de documentário em que a trilha sonora desempenhe um papel criativo.Conteúdo programáticoUnidade 1: A trilha sonora como dimensão do discurso audiovisual1.1.) A imagem e o som: conceituações e definições em uma abordagem interdisciplinar1.2) Genealogias da trilha sonora cinematográfica1.2.1) Teatro: o melodrama e a ópera1.2.2) Espetáculos e formas populares: números musicais e música ambiente1.3) Elementos da trilha sonora cinematográfica1.3.1) A música: linguagem e expressividade1.3.2) Os ruídos: realismo e representação1.3.3) A fala: vozes e corpos em relação1.3.4) A montagem e a articulação da música, dos ruídos e da fala com as imagensvisuaisUnidade 2: O documentário como forma de discurso audiovisual2.1) O conceito de documentário2.1.1) As diferenças entre documentário e ficção2.1.2) Definição de documentário: representação, conhecimento e realidade2.1.3) Panorama histórico do cinema documentário: escolas, movimentos e períodos2.1.4) O documentário contemporâneo: formas e dispositivos audiovisuais2.2) Os usos da trilha sonora no documentário2.2.1) A trilha sonora como suplemento de realismo2.2.2) A trilha sonora como contraponto criativo2.2.3) A trilha sonora e as potências do falsoMetodologia e atividades de avaliaçãoAs 80 horas-aula da disciplina serão dedicadas a: PÁGINA 2 DE 4 PLANO DE ENSINO DE CPTD
  3. 3. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO FACULDADE CAMBURY – 2010/2º • aulas expositivas e dialógicas baseadas em textos selecionados da bibliografia, com exibição de imagens, audição de trilhas sonoras e discussão em sala; • seminários de apresentação de textos por parte de estudantes; • resumos, resenhas e análises de imagens e trilhas sonoras; • exercícios em sala, podendo resultar em parte das notas de AD1 e AD2 (avaliações diversificadas), que valem de 0,0 a 10,0; • provas individuais e sem consulta, resultando nas notas de AN1 e AN2 (avaliações normais ou regulares), que valem de 0,0 a 10,0.Como atividades complementares, serão ou poderão ser realizados: • discussões via internet por meio de fóruns, chats e outros procedimentos, no Espaço Virtual de Estudos que se encontra em http://incinerrante.com/eve/.Cada estudante deverá realizar o cadastramento de usuário ao acessar o Espaço Virtualde Estudos pela primeira vez, definindo um nome de usuário e uma senha pessoal(composta de letras e números, com um mínimo de oito caracteres) de sua preferência.Além disso, apenas no primeiro acesso à área específica para a disciplina de CPTD,deverá ser informado o código de inscrição divulgado em sala de aula. Qualquerproblema ou dúvida, basta entrar em contato com o professor.As atividades no Espaço Virtual de Estudos poderão resultar em parte das notas de AD1e AD2.O calendário de aulas e atividades, incluindo informações sobre as avaliações, serádivulgado oportunamente por meio do Espaço Virtual de Estudos e na pasta dadisciplina na fotocopiadora.Critérios para aprovação1. A frequência mínima é de 75% da carga horária, o que corresponde a 60 horas-aula. Qualquer estudante que faltar a mais de 25% das aulas, ou 20 horas-aula, está automaticamente reprovado/a.2. A média geral mínima para aprovação é de 6,0 pontos. Isso significa que a soma das notas de AN1, AD1, AN2 e AD2 deve ser maior ou igual a 24.3. Como critério adicional, a soma das notas de AN1 e AN2 deve ser maior ou igual a 10,0.Bibliografia básicaAUMONT, Jacques et al. A estética do filme. Campinas: Papirus, 1996.DANCYGER, Ken.  Técnicas de edição para cinema e vídeo: história, teoria eprática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho. Rio de Janeiro: Jorge ZaharEditor, 2004.MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988. PÁGINA 3 DE 4 PLANO DE ENSINO DE CPTD
  4. 4. MARCELO RODRIGUES SOUZA RIBEIRO FACULDADE CAMBURY – 2010/2ºMOURA, Edgar Peixoto de. 50 anos: luz, câmera, ação. São Paulo: SENAC, 2005.NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas, SP: Papirus, 2005.RAMOS, Fernão Pessoa (org.). Teoria contemporânea do cinema, volume I: pós-estruturalismo e filosofia analítica. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.______. Teoria contemporâneo do cinema, volume II: documentário e narratividadeficcional. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema: antologia. Rio de Janeiro: EdiçõesGraal; Embrafilme, 1983.Bibliografia complementarARMES, Roy. On video: o significado do vídeo nos meios de comunicação. São Paulo:Summus, 1999.CARRASCO, Ney. Sygkhronos: a formação da poética musical no cinema. S. Paulo: ViaLettera, 2003.DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.DELEUZE, Gilles. A imagem-movimento: cinema 1. São Paulo: Brasiliense, 1995.______. A imagem-tempo: cinema 2. São Paulo: Brasiliense, 1990.DUBOIS, Philippe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.MASCARELLO, Fernando (org.). História do cinema mundial. Campinas, SP:Papirus, 2006.MACHADO, Arlindo. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e nociberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.RODRÍGUEZ, Angel. A dimensão sonora da linguagem audiovisual. São Paulo:Senac, 2006.SCHAFER, R. Murray . O ouvido pensante. Campinas: Unesp, 2003.SHOHAT, Ella; STAM, Robert. Crítica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo erepresentação. São Paulo: Cosac Naify, 2006.STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Campinas, SP: Papirus, 2003.WATTS, Harris.  Direção de câmera: um manual de técnicas de vídeo e cinema. SãoPaulo: Summus, 1999.______. On câmera: curso de produção de filme e vídeo da BBC. São Paulo: Summus,1990.XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. 3ª ediçãorev. e amp. São Paulo: Paz e Terra, 2005. PÁGINA 4 DE 4 PLANO DE ENSINO DE CPTD

×