Variação e Ensino de Língua Portuguesa

417 visualizações

Publicada em

Sociolinguística Educacional

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
417
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Variação e Ensino de Língua Portuguesa

  1. 1. Variação linguística e Ensino de Língua Portuguesa Candidato: Marcelo Pires Dias
  2. 2. Brevíssima situação (socio)linguística do Brasil • 1 língua oficial (Português); • 180 línguas indígenas, sendo que algumas são co-oficiais em alguns Estados; • Na regiãoAmazônica prevaleceu a utilização da Língua GeralAmazônica (Nhengatu) até 1877;
  3. 3. Polarização sociolinguística (Lucchesi, 2002)
  4. 4. O “mito” da unidade do Português Brasileiro.
  5. 5. Divisão Dialetal (Nascentes, 1958)
  6. 6. As Normas da língua Norma Culta Norma Popular VARIEDADES ESTIGMATIZADAS NORMA PADRÃO
  7. 7. Variante &Variável • Variante: é a forma linguística (fonema, morfema, palavra) utilizada como opção a outra, com o mesmo valor e função. Ex: A sala na qual nos reunimos. A sala onde nos reunimos.
  8. 8. • Variável: é uma unidade com ao menos duas formas variantes, cuja escolha depende de outros fatores. É um conjunto de manifestações do mesmo elemento, e cada uma das manifestações ou expressões de uma variável recebe o nome de variante linguística.
  9. 9. Exemplos • As meninas X as menina. • Nós vamos X nós vai. • A casa que eu moro X a casa em que eu moro. • Assisti o filme X assisti ao filme. • Vendem-se casas X vende-se casas.
  10. 10. Só em Portugal se fala bem o português… #mito
  11. 11. Fatores a serem considerados: • Grupos etários; • Gênero; • Status socioeconômico; • Grau de escolarização; • Rede social;
  12. 12. A variação linguística na escola
  13. 13. O que o professor deve ensinar? “A educação em língua materna deve deixar de ensinar única e exclusivamente a norma padrão e inserir o aluno na cultura letrada que domina a sociedade em que vive.” PRÁTICAS LEITURA DETEXTOS – PRODUÇÃO DETEXTOS – ANÁLISE LINGUÍSTICA
  14. 14. ENSINO PRESCRITIVO ENSINO DESCRITIVO Diga isso, não diga aquilo “Existe isso e existe aquilo.”
  15. 15. Preconceito linguístico • “Nóis compramo os artigo necessário.” • “Nós compramos os artigos necessários.” • “*Artigos compramos nós necessários” Erro versus sentença malformada
  16. 16. Erro “Não existe erro em língua. Existem, sim, formas de uso da língua diferentes daquelas que são prescritas pela tradição gramatical. No entanto, essas formas diferentes, quando analisadas com critério, revelam-se perfeitamente lógicas e coerentes.” (BAGNO, 2002)
  17. 17. Para refletir… • Ao assumir, de fato e de direito, o princípio da heterogeneidade inerente à linguagem, a Linguística moderna, especialmente a Sociolinguística, eliminou preconceitos ao afirmar, axiomaticamente, que todas as línguas e variedades de uma língua são igualmente complexas e eficientes (…); e que nenhuma língua ou varidade dialetal impõe limitações cognitivas na percepção e na produção de enunciados. (CAMACHO, 2005, p.68)
  18. 18. “Contrariando a Linguística em seus princípios, a pedagogia da língua elege o correto e o incorreto, sua dicotomia predileta para discriminar e, ao mesmo tempo, selecionar”. (Idem).
  19. 19. Referências CARVALHO-BELINI, R; SOUSA, M. M. A variação linguística no livro didático: um olhar sob a perspectiva sociolinguística. In: (Con)textos linguísticos. v. 8 n.10, 2014. Acessado em: http://periodicos.ufes.br/contextoslinguisticos/article/view/5839 Disponível em: 3 de novembro de 2015. BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004. BAGNO, Marcos. Português ou brasileiro? Um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola, 2002. CAMACHO, Roberto Gomes. Sociolinguística – parte II. Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2005.
  20. 20. Referências LUCCHESI, Dante. Polarização sociolinguística no Brasil. Disponível em: http://www.vertentes.ufba.br/projeto/tema Acessado em 3 de novembro de 2015. MATTOS & SILVA, RosaVirgínia.O português são dois: novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola, 2006. MAIA, Marcus. Manual de Linguística: subsídios para a formação de professores indígenas na área da linguagem. Brasília: MEC/LACED/Museu Nacional, 2006. ROZARIO, Bárbara A. O tratamento da variação linguística no ENEM. Curitiba: UFPR, 2014.
  21. 21. Obrigado!

×