Apostila lógica e criatividade

1.703 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.703
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila lógica e criatividade

  1. 1. Programa CIEE de Educação a Distância 1 CURSO: LÓGICA E CRIATIVIDADE SUMÁRIO Introdução................................................................................................................... 02 Aula 1 – Lógica e Criatividade – definições ................................................................ 03 O que é lógica?.............................................................................................. 06 O que a lógica não é...................................................................................... 06 Lógica X Criatividade ..................................................................................... 07 Aula 2 - O raciocínio ................................................................................................... 11 Aula 3 - Os quatro personagens do processo criativo ................................................ 13 Explorador – O personagem que coleta informações .................................... 14 Artista – O personagem que transforma informações em novas ideias......... 17 Juiz – O personagem que avalia e decide sobre os destinos de uma ideia... 22 Guerreiro – O personagem que põe ideias em prática .................................. 25 Aula 4 - O pensamento criativo................................................................................... 27 Aula 5 - As leis da criatividade.................................................................................... 32 Referências Bibliográficas ......................................................................................... 40
  2. 2. Programa CIEE de Educação a Distância 2 INTRODUÇÃO O ambiente corporativo prioriza algumas habilidades universais, ou seja, atitudes que quando praticadas, atendem simultaneamente as necessidades da empresa, expectativas do cliente e satisfação do próprio colaborador. Atualmente, as habilidades de resolver problemas e tomar decisões são altamente valorizadas e imprescindíveis no mundo corporativo. Profissionais que tomam decisões e resolvem problemas de uma forma acertada acabam tendo como consequência um aumento significativo de credibilidade profissional. Para que possamos desenvolvê-las, a lógica e a criatividade são partes integrantes desse processo, pois é a nossa forma de pensar que irá fazer com que tomemos uma decisão ou outra. Esperamos que esse trabalho resgate a criatividade existente em todos nós e nos auxilie na progressão da vida pessoal e profissional!
  3. 3. Programa CIEE de Educação a Distância 3 AULA 1 – Lógica e criatividade Definições Com a internacionalização da economia, algumas empresas estrangeiras, fixaram-se em nosso país, exigindo que as empresas brasileiras adotassem um comportamento diferenciado e mais adequado à realidade de seus clientes. Frente a esse cenário, surge a necessidade da colaboração de profissionais criativos. O comportamento criativo possibilita agregar ideias, multiplicar alternativas e gerar soluções em quantidade e, principalmente, em qualidade suficiente para garantir a satisfação do cliente. Vamos entender como isso acontece e como podemos desenvolver: Pensamentos: Seja qual for o processo, de tomada de decisão, resolução de problemas ou criação de um novo produto/serviço, iremos iniciá-lo com nossos pensamentos. O primeiro é o momento criativo, em que temos as ideias. E é por meio de nossa criatividade, imaginação, que pensaremos e intuiremos as várias possibilidades de lidar com o processo. O segundo é o momento analítico, em que passaremos para o concreto, as ideias geradas no momento criativo. Nesse momento o raciocínio lógico, análise e crítica são predominantes. Se pensarmos na própria origem das palavras esse processo ficará ainda mais claro.
  4. 4. Programa CIEE de Educação a Distância 4 Criatividade vem do latim Creare que significa “dar existência, sair do nada, estabelecer relações até então não estabelecidas pelo universo do indivíduo, visando determinados fins”, quer dizer, no momento criativo está muito presente o “sair do nada”, imaginação. Já a lógica irá colocar em ordem essas ideias, tornar possível a sua concretização. Vem do grego Logos “a ordem que deve ter os pensamentos”, quer dizer, não basta ter uma ideia, temos que organizá-la para aliá-la a um objetivo principal. Cada um de nós acaba tendo mais facilidade em um do que no outro. Por quê? Qual é a sua maior facilidade? Teste: qual é a sua maior facilidade? DOMINÂNCIA CEREBRAL 1. Pensador 11. Controlado 2. Sonhador 12. Musical 3. Detalhista 13. Persistente 4. Visionário 14. Artístico 5. Falante 15. Matemático 6. Idealista 16. Emotivo 7. Organizado 17. Calculista 8. Excêntrico 18. Criativo 9. Preciso 19. Previsível 10. Imaginativo 20. Romântico Instruções: dê para cada característica uma nota de 0 a 5, tendo em vista que cinco deve ser atribuído àquela característica que julga ter mais. Logo após, some os valores atribuídos separando-os entre características ímpares e pares.
  5. 5. Programa CIEE de Educação a Distância 5 As características ímpares pertencem a um perfil mais racional e as características pares ao perfil mais emocional. Por meio do resultado é possível identificar seu perfil de dominância cerebral. As ideias criativas, na verdade, vêm da união dos dois hemisférios. Nós tanto precisamos das características de nosso hemisfério esquerdo, como do direito. HEMISFÉRIO DIREITO HEMISFÉRIO ESQUERDO Criativo Mecânico Essência Substância Cores Preto e branco Meditação Linguagem Aberto Fechado Aventura Cauteloso Intuição Verbal Receptivo Cético Amplo Detalhista Criatividade e lógica estão altamente relacionados e um complementa o outro, a partir do momento que precisamos dos dois para resolver problemas, tomar decisões ou desenvolvermos algo novo. A máxima utilização dos dois hemisférios é fundamental, porque tudo muda o tempo todo e é por meio de nosso cérebro que somos capazes de criar coisas que no presente podem ser por vezes vistas como impossíveis. “O Poder da Lógica” Como? Quando? Quem? Onde? O quê? Por quê? Quanto custa para tornarmos tudo isso possível?
  6. 6. Programa CIEE de Educação a Distância 6 É a organização do pensamento e de todas as iniciativas para então chegar às concretizações. “O Poder do e se...” ... Pudéssemos morar na Lua? ... Pudéssemos ler os pensamentos dos homens/mulheres? ... Pudéssemos ter carros voadores? Temos muito presente o momento criativo. Esse exercício de pensarmos “e se...” é fundamental, pois hoje uma ideia nossa pode parecer impossível, mas tudo evolui tão rapidamente que nos vemos diante de uma situação totalmente nova, evoluída, enquanto já estamos pensando além do que pensávamos anteriormente. Por isso nunca julguem suas ideias como “bobas”, um dia elas podem ser imprescindíveis para toda a humanidade. Podemos fazer essa comparação com os Flinstones e os Jetsons. Por isso, um momento depende do outro. Não basta pensarmos “e se...”, precisamos pensar: Como? Quando? Quem?... para daí então concretizarmos as nossas ideias. O que é lógica? A lógica facilita a análise de um argumento, e deduz onde é provável ele ser correto ou não. No fundo a lógica indica qual a melhor forma de conduzir o raciocínio. A lógica formaliza os procedimentos e as representações de quem recebe a informação. É ela que determina as hipóteses possíveis, face às crenças de um agente que raciocina e face aos métodos que ele usa para chegar a um determinado fim. No fundo a lógica indica qual a melhor forma de conduzir o raciocínio. Você não precisa saber lógica para argumentar, mas se você sabe pelo menos um pouco, você vai achar mais fácil apontar argumentos inválidos. O que a lógica não é Embora a lógica seja fundamental, é importante ressaltar que ela não é tudo. Por isso não é lógico dizer que a lógica é um grupo de regras que governam comportamento humano e nem uma lei absoluta. Outras formas de pensar são tão importantes quanto.
  7. 7. Programa CIEE de Educação a Distância 7 Lógica X Criatividade A lógica e a criatividade seguem caminhos diferentes e ao mesmo tempo são tão complementares que se tornam essenciais em nossa vida. As vantagens de se usar as duas habilidades juntas favorecem os processos de: • resolução de problemas; • tomada de decisão; • identificação de necessidades das pessoas; • lançamento de novos serviços/produtos no mercado; • planejamento de ações e definição de estratégia; • geração de alternativas em diferentes situações; • busca da aplicabilidade de ideias, para gerar benefícios, focando as necessidades da empresa. Criatividade hoje é a habilidade de gerar ideias admiráveis, que não seguem o caminho da conformidade ou do que é convencional, com o propósito de atingir um objetivo, atender uma necessidade ou resolver um problema, utilizando-se da melhor forma possível de recursos disponíveis no momento. É sempre importante sairmos da zona de conforto, do caminho da conformidade, do convencional para conseguirmos criar. Trabalhar com a criatividade nos faz pensar e agir de forma diferente, nos traz melhores resultados em nossas ações. O que é muito rotineiro acaba criando bloqueios para nossa energia criativa. Raciocínio Lógico Atividade I 1) Meu pai tem 42 anos de idade. Meu cachorro tem 8. Se fosse um ser humano, a idade de meu cachorro seria 56 anos. Quantos anos teria meu pai se ele fosse um cachorro?
  8. 8. Programa CIEE de Educação a Distância 8 a) 5 b) 6 c) 7 d) 8 e) 9 Resp.: 1) b Feedback: 56 dividido por 8 = 7 (cada ano do cachorro corresponde a 7 anos no ser humano). 42 dividido por 7 = 6 (sendo assim, meu pai teria 6 anos) 2) Um senhor, olhando para um retrato, diz: - O pai deste homem é o pai de meu filho. Ele está olhando para: a) Seu próprio retrato. b) Retrato de seu pai. c) Retrato de seu filho. d) Retrato de seu avô. e) Retrato de seu neto. Resp.: 2) c Feedback : explicação de cada alternativa: a) Não se encaixa, pois nesse caso, o pai deste homem seria o pai dele, que seria avô do seu filho. b) Não se encaixa, pois o pai deste homem seria o avô dele, o qual seria bisavô de seu filho. c) Encaixa, pois nesse caso o pai deste homem, é ele mesmo, que é pai de seu filho. d) Não se encaixa, pois nesse caso o pai deste homem seria o bisavô dele, que seria o tataravô de seu filho. e) Não se encaixa, pois nesse caso o pai deste homem seria o filho dele e ele o avô. Dica: Nesta questão precisamos ir por eliminatórias, ressaltando que em cada alternativa vamos imaginar na foto uma pessoa.
  9. 9. Programa CIEE de Educação a Distância 9 Atividade II 1) Você precisa cozinhar um ovo por dois minutos exatos, mas tem somente uma ampulheta que marca 5 minutos e outra que marca 3 minutos. Como fazer? 2) Você precisa fazer uma viagem de carro de 18.000km. Os pneus de seu veículo só duram 12.000km. Qual o número mínimo de pneus reservas você precisa levar? 3) Uma pergunta de lógica jurídica: um homem pode casar com a irmã de sua viúva? 4) Fred mente às segundas-feiras e nos outros dias da semana diz a verdade. Beto, seu irmão, mente às quintas-feiras e diz a verdade nos demais dias da semana. Certo dia, um deles afirmou: - Amanhã é terça-feira – Amanhã estarei mentindo. Em que dia da semana isto se passou? a) segunda-feira b)terça-feira c)quarta-feira d) quinta-feira e) sexta-feira 5) John, 12 anos de idade, é três vezes mais velho que seu irmão. Quantos anos terá John quando a sua idade for o dobro da idade do seu irmão? a) 15 b) 16 c) 18 d) 21 Respostas: 1) Você deve colocar para funcionar as duas ampulhetas ao mesmo tempo. Quando a de 3 minutos acabar significa que faltam dois minutos exatos na de 5 minutos. 2) Você precisa levar dois pneus somente: indo os primeiros seis mil quilômetros, você coloca os dois pneus reservas para rodar. Após doze mil quilômetros, você retira os pneus que não foram substituídos e recoloca os outros dois que já rodaram seis mil quilômetros. 3) Obviamente que não. Se sua mulher é viúva, então o “pretendente” (ele - o homem) já morreu!
  10. 10. Programa CIEE de Educação a Distância 10 4) d Já podemos descartar algumas alternativas, como por exemplo: terça, quarta e sexta não podem ser, tendo em vista que ambos estarão falando a verdade. Para tirar a dúvida entre segunda e quinta basta pensar que Fred mente às segundas, portanto se ele mente às segundas, ele não poderia estar dizendo amanhã é terça, pois estaria falando a verdade. Sendo assim, só resta a quinta sendo dito pelo Beto. 5) 16 Se John é três vezes mais velho que seu irmão, faremos a conta: 12 dividido por 3 que me dará o número 4 (a idade do irmão). Logo, daqui 4 anos John terá 16 e seu irmão 8, ou seja o dobro da idade.
  11. 11. Programa CIEE de Educação a Distância 11 AULA 2 – O raciocínio O raciocínio é a forma de pensar que, juntamente com a informação nos faz caminhar desde a representação do problema até a sua resolução. Raciocinar é pensar discursivamente, exercitando a mente, conectando juízos, e fazendo inferências. É transformar as informações disponíveis, tornando-as mais claras, e encontrar as respostas adequadas às perguntas colocadas. É por meio dele que formulamos nossos argumentos diante de uma situação. Nosso raciocínio passa por dois processos: O método indutivo, processo de descoberta de algo geral, tendo por base casos particulares. Após o exame e verificação de cada um dos elementos chega-se a uma conclusão, que pode tanto ser de forma bem prática ou metódica. A vantagem é que se evitam problemas, já que nesse processo o forte é o planejamento. No método dedutivo a mente passa do geral para chegar ao particular. Nesse processo trabalha-se primeiro com o resultado que se espera alcançar, para depois identificar as partes que o compõem. O forte desse método é a análise, portanto é um excelente método para resolver problemas, caso o resultado alcançado tenha sido indesejável. Para exercitarmos nossa forma de pensar vamos fazer uma atividade: “Casa de Campo”. Instruções: Cada um dos quadros a seguir, representa um camping. Em cada camping, o número de barracas é igual ao número de árvores, localizadas de modo que, junto a cada árvore há pelo menos uma barraca em horizontal ou vertical (em cima, embaixo ou ao lado da árvore).
  12. 12. Programa CIEE de Educação a Distância 12 Descubra onde estão as barracas levando em conta que não pode haver barracas vizinhas e que os números indicados representam quantas barracas há em cada fileira ou coluna. PROBLEMA A PROBLEMA B SOLUÇÃO DO PROBLEMA A SOLUÇÃO DO PROBLEMA B
  13. 13. Programa CIEE de Educação a Distância 13 AULA 3 - Os quatro personagens do processo criativo Como pensador criativo você precisa, para começar, da matéria-prima de que são feitas as novas ideias: fatos, conceitos, conhecimentos, sentimentos e tudo mais que possa encontrar. Pode procurar tudo isso nos lugares de sempre. Contudo, é mais provável que encontre algo original se for se aventurar por trilhas menos batidas. Assim você se torna um explorador quando está em busca dos materiais necessários para construir sua ideia. No percurso, vai visitar campos desconhecidos, descobrir novos padrões e levantar diversos tipos de informação. As ideias que você juntar serão como aqueles pedacinhos de vidro colorido no caleidoscópio. Eles podem até formar um desenho, mas se quiser algo novo e diferente, vai ter que sacudi-los uma ou duas vezes. É aí que você muda de papel e liberta o seu lado de artista. Começa a experimentar outras abordagens. Segue a sua intuição. Reorganiza, vira e revira as coisas. Pergunta “ e se..?”. Estabelece novas relações. Pode até quebrar as regras e criar as suas. Depois disso tudo, aparece com uma nova ideia. Agora, você pergunta: “Essa ideia é boa mesmo? Vale a pena insistir nela? Trará o retorno esperado? Será que disponho dos meios para fazer acontecer o que pretendo?” Para decidir, você adota a postura do juiz. Enquanto avalia, pesa criticamente os prós e os contras. Procura falhas na ideia e imagina se o momento é propício. Você faz a análise dos riscos, questiona pressupostos e forma um juízo. Enfim, toma sua decisão. Depois, chega a hora de pôr sua ideia em prática. Mas você sabe que o mundo não está disposto a aceitar todas as ideias novas que surgem. Ao contrário, a competição é violenta. Pretende-se que sua ideia dê certo, vai ter que partir para o ataque. Aí entra o guerreiro e leva sua ideia para o campo de batalha.
  14. 14. Programa CIEE de Educação a Distância 14 Como guerreiro, você precisará ser metade general e metade soldado. Desenhar seu plano estratégico e tratar pessoalmente de atingir o objetivo. Ter disciplina para o duro corpo a corpo das trincheiras e força para enfrentar obstáculos, demolidores de ideias, recuos temporários e outros contratempos. Fundamental é ter coragem de fazer o que for necessário para transformar sua ideia em realidade. Explorador – O personagem que coleta informações Um bom explorador sabe que procurar ideias é como garimpar ouro. Se olhar sempre nos mesmos lugares, encontrará apenas algo que já está esgotado. Mas se for curioso e pesquisar em diferentes locais, suas chances de descobrir novidades aumentam substancialmente. Explorar implica: aventurar-se, abrir-se ao mundo, adotar uma visão perceptiva (capacidade de intuir que as ideias encontradas têm potencial para se juntar e formar algo novo). Atividade: O que representa esta imagem? O cientista Linus Pauling (ganhador do prêmio Nobel por duas vezes) disse que “A melhor maneira de ter uma boa ideia é ter um monte de ideias”. As chances de solucionar os problemas com uma única ideia são mínimas e serão tanto maiores quanto as ideias que você tiver. O explorador parte do princípio de que tudo tem interesse; nada é desprovido de valor.
  15. 15. Programa CIEE de Educação a Distância 15 O que representa a figura 1? Parece um quadrado. Só isso? Que tal quatro círculos famintos? Quatro “come-comes” brincando de pega-pega? Mickey Mouse olhando no espelho? O que mais? Atividade: Grupo 1: A E F H I Grupo 2: B C D G J Qual o padrão que diferencia os dois grupos? Quando descobrir, diga qual deles colocaria o K o R e o T. Dica: fique atento a dois tipos de informação. De repente pode surgir um padrão, modelo ou critério que pode passar despercebido. Se você tende a ser lógico demais, concentre-se nos sentimentos que as coisas são capazes de despertar. Se privilegiar o visual, sintonize o “cheiro” da situação. Aliás, traçar um “mapa olfativo” de vários odores pode ser um exercício divertido. Feedback: você precisa descobrir que tipo de critério foi utilizado para determinar a que grupo elas pertencem. Há pessoas que olham para o problema e tentam imaginar alguma sequência lógica. Entretanto, se você procurar um tipo diferente de padrão e sintonizar não a sequência, mas a forma notará que as letras do primeiro grupo só têm linhas retas, enquanto as do segundo grupo têm retas e curvas. Portanto, o K e o T iriam para o grupo 1, ao passo que o R pertenceria ao grupo 2. Não subestime o óbvio Algumas vezes, as ideias mais úteis estão bem diante de nós. Como notou o explorador Scotto Love certa vez: “Só o mais tolo dos ratos se esconderia na orelha de um gato. Mas só o mais esperto dos gatos se lembraria de procurá-lo lá”.
  16. 16. Programa CIEE de Educação a Distância 16 Pergunte a si mesmo: que recursos existem bem diante de mim? Atente para os detalhes Ninharias influem – principalmente quando associadas a outras e por elas potencializadas. Exemplo: uma pequena variação climática em uma parte do mundo pode ter repercussões sérias em diferentes locais. No fim de 1982, por causa de mudanças no clima na região do Pacífico, secas terríveis assolaram Índia, Indonésia e Austrália, enquanto na costa oeste americana se registravam tempestades violentas, chuvas extraordinárias e marés altíssimas. Os meteorologistas passaram meses tentando descobrir a causa do fenômeno. Finalmente, perceberam que El Niño – um leve aquecimento do oceano ao longo do Equador – se havia espalhado a oeste, o que não é normal, provocando mudanças nas áreas banhadas pelo Pacífico. Quando o fenômeno El Niño desapareceu, o sistema voltou a seu padrão normal. Pergunte a si mesmo: quais detalhes poderiam ter grande impacto no desenvolvimento da minha ideia? Observe um quadro geral Um problema é como uma árvore cheia de galhos. A coisa mais fácil do mundo é a gente se emaranhar de tal forma nele que só vê a árvore e perde a perspectiva da floresta. Um explorador sabe que, às vezes, é preciso recuar para observar as implicações gerais daquilo que está fazendo. Pergunte a si mesmo: que consequências de grande alcance estão implícitas na minha ideia? Mate um leão por dia Em que lugares você tem medo de procurar ideias? Todos nós temos na cabeça um mapa mental do mundo. É a informação que usamos para enfrentar o dia a dia. Assim como na antiguidade, nossos mapas também têm os seus dragões. Eles representam tudo o que, por algum motivo, não queremos ousar ou levar adiante. Talvez seja o medo de tentar falar em público, o receio de ir a uma festa
  17. 17. Programa CIEE de Educação a Distância 17 onde não conhecemos ninguém, a dificuldade que temos diante de um esporte em particular. Às vezes, esses dragões têm razão de ser. Às vezes, servem apenas para inibir o explorador e afastá-lo do caminho da descoberta. Pergunte a si mesmo: onde é que vejo dragões? Indicam perigo? Oportunidades? Nesse caso, não seria bom dar uma olhada? Mate um dragão hoje mesmo. Use obstáculos para sair da rotina A rotina talvez seja o caminho para você chegar até seu trabalho, o modo como almoça etc. Um dia, aparece um obstáculo que impede seu avanço pelo caminho habitual. Como lida com isso? Você tanto pode derrubá-lo quanto removê-lo. Também pode voltar ao ponto de partida e questionar seus motivos. Outra opção seria sair do caminho e encontrar caminhos alternativos que levem ao seu objetivo. Nessa procura talvez só descubra um percurso mais longo, mas também existe a chance de aparecer algo ainda melhor do que o que estava procurando inicialmente. Dica: programe “quebras” na sua rotina. Mude o horário de trabalho. Faça outro percurso para chegar ao escritório. Ouça outra estação de rádio. Cultive novas amizades. Experimente uma receita diferente. Descubra ideias que você já tem Nossa mente é como um baú abarrotado de experiências e ideias. Raramente pensamos nelas, porque temos um foco dirigido para outras coisas, mas se conseguirmos olhar para tudo o que há nele veríamos que ali existe muito mais do que pensamos. Artista – O personagem que transforma informações em novas ideias O artista é o personagem que usamos para acrescentar alguma coisa. Você reúne os materiais coletados pelo explorador e pergunta: “E se eu pusesse isso, tirasse aquilo,
  18. 18. Programa CIEE de Educação a Distância 18 ignorasse as regras, virasse do avesso, trocasse as bolas ou comparasse com outras coisas?” Logo alguma coisa aparece. É assim que se transforma a matéria-prima em ideias novas, um problema em oportunidade. Assim como um bom pintor deve contar com várias cores em sua paleta, um bom artista recorrerá a diferentes estratégias para transformar seus materiais. Adapte: mude o contexto O importante é que ideias e objetos tenham significados diferentes, conforme o contexto em que estejam colocados. Se mudar o contexto, muda o significado. Mudar o contexto é uma técnica interessante para descobrir o potencial dos recursos de que dispomos. Sempre que eu enfatizar aspectos diferentes e mudar de contexto, terei ideias novas. Atividade: Faça o número nove (em algarismos romanos) virar um seis acrescentando uma única linha: IX Respostas: acrescentar um S antes do número e ficará “SIX” Todo mundo tem muito conhecimento acumulado; ao mudar o contexto em que você se habituou a pensar nas coisas, elas se transformam em novas ideias. Dica: construa sua própria lista de perguntas “e se...?” E veja até onde elas levam sua imaginação. Quanto mais você perguntar, mais vai conseguir e mais perto estará de encontrar algo que valha a pena. Inverta: olhe o avesso das coisas Inverter sua perspectiva de um problema constitui uma técnica excelente para abrir a cabeça. Imagine como se você fosse um professor pensando: “Como me tornar menos eficiente e ativo?” Isso implicaria estudantes mais responsáveis por seu aprendizado, o
  19. 19. Programa CIEE de Educação a Distância 19 que poderia levar ao desenvolvimento de um programa de estudo autodirigido e de um método adequado ao ritmo de cada aluno. Dica: olhe para o lado oposto, procure o avesso. Descobrirá algo jamais visto. Essa é também uma excelente maneira de se livrar de preconceitos profundamente arraigados. Conecte: faça associação de ideias O pensamento criativo envolve o estabelecimento de associação entre ideias desconexas e sua transformação em algo novo. Gregor Mendel associou matemática e biologia para criar o campo da genética. Fred Smith conectou a ideia de distribuição centralizada das companhias aéreas com a de um serviço de entrega em 24 horas e criou a Federal Express. Pergunte a si mesmo: que ideias posso adicionar ao meu conceito? Compare: faça uma metáfora 1. Um excelente jantar é como... - arremessar um dardo a enorme distância - observar a areia escoar numa ampulheta - ler um bom livro na praia - pintar as unhas do pé 2. Educar uma criança é como... 3. Promover um recital de piano é como... 4. Encontrar a verdade é como... É disso que se trata quando se fazem metáforas: descobrir semelhanças. Você pega uma ideia e a usa para descrever outra, devido à similaridade que apresentam. Usamos esse recurso o tempo todo. Falamos em “pé de alface”, “cabeça de alho”, “asas da imaginação”.
  20. 20. Programa CIEE de Educação a Distância 20 Elimine: quebre as normas Dica: quebre as normas. Se costuma começar a se barbear pelo lado esquerdo do rosto, comece amanhã pelo lado direito. Se nunca assiste a novelas, experimente. Se só ouve jazz, mude para música clássica. Se sempre volta do trabalho pela via expressa, passe a usar ruas onde o tráfego é mais lento e a paisagem mais bonita. Parodie: brinque com as coisas Em geral, quando pensamos em artistas, nos ocorre a imagem do escultor que modela suas figuras em argila. De vez em quando, ele precisa de mais um pouco de massa e é então que entra em cena sua outra matéria-prima: a irreverência, a disposição para brincar. O artista formula os “e se...?” mais ousados para soltar a imaginação, habilitando-se a olhar as coisas sem preconceito. O artista acredita que existe uma relação íntima entre o há-há-há do humor e o aha da descoberta criativa. Quem é capaz de rir diante das coisas tem mais possibilidade de desafiar a norma subjacente às ideias, pois exercita um modo diferente de olhar para elas. Dica: brinque com tudo. Veja programas e espetáculos de humor. Leia livros de piadas para despertar o espírito criativo. O humor é particularmente eficaz quando o artista em você está sob pressão. Segundo o físico Niels Bohr, “certas coisas são tão sérias que só se pode rir delas”. Incube: não faça nada Pare um momento e pense em sete colegas de escola. Quando a atenção está voltada para frente, é difícil ver as boas ideias que ficaram para trás. Às vezes, largar tudo e deixar agir a força do inconsciente é a melhor saída.
  21. 21. Programa CIEE de Educação a Distância 21 Incubar ideias traz, no mínimo, três vantagens. Antes de mais nada, você coloca o problema em perspectiva, dando-lhe as devidas proporções. Enquanto incubamos, estamos plantando ideias. Quando nos afastamos, as sementes continuam a germinar. Deitam raízes na massa cinzenta e soltam ramificações. Exemplo: o que resultou do seu exercício com os colegas de escola? Não foi difícil, claro. Mas, agora que o problema foi plantado em sua mente, verá que outros sete serão lembrados quando acordar amanhã e outros continuarão a aparecer – mesmo que inconscientemente. Finalmente, quando voltarmos à ideia ou ao problema, depois do período de incubação, é mais do que provável que nossa abordagem será diferente. A paleta do Artista Pegue uma ideia e faça algo com ela. Acrescente. Quais os padrões que podem ser alterados? Como você pode mudar a maneira de encará-la? Adapte – em que outros contextos você pode colocar sua ideia? Num histórico? Num cenário futuro? Em que contexto geográfico ou político ele se encaixaria? Imagine – existem perguntas inusitadas do tipo “e se...?” com as quais questionamos sua ideia? A que extremos você pode levá-la? Inverta – olhe a sua ideia pelo avesso. Como ela fica de cabeça para baixo? E de trás para frente? Conecte – o que pode ser associado a sua ideia? Como ela se encaixa com seus outros conhecimentos? Compare – crie uma metáfora para sua ideia. Que semelhanças ela tem com a música, a medicina, a guerra? E com a jardinagem, as viagens, o namoro? Elimine – quais as normas que podem ser quebradas? Quais as obsoletas? Quais os tabus? Quais delas são desnecessárias?
  22. 22. Programa CIEE de Educação a Distância 22 Parodie – brinque com sua ideia. Desligue a tecla do autocontrole e seja irreverente. Quantas piadas consegue inventar com a sua ideia? Incube – das ideias que anda ruminando, quais as que gostaria de deixar em banho- maria? Juiz – O personagem que avalia e decide sobre os destinos de uma ideia Sua ideia provocará um ah! Ou um ôooo? Você teve uma ideia e gostaria de vê-la concretizada. Pode ser o esboço de um quadro, o projeto para uma nova empresa, uma receita nova de frango, uma festa. Então, vêm as perguntas: “Essa ideia é boa? Vai funcionar? Vale a pena investir meu tempo nela? Quais os riscos? Produzirá os resultados desejados? Qual é o reverso da medalha? Um modo de saber é fazer para ver no que dá. Esse método funciona razoavelmente bem quando a ideia é simples e um possível fracasso não chega a assustar. Mas nem sempre você pode se dar esse luxo. Portanto, precisa aprender a pensar como juiz. No processo criativo o papel do juiz é muito delicado. Você precisa ser crítico o bastante para dar ao guerreiro a segurança de que vale a pena lutar por uma boa ideia. Mas precisa ser suficientemente aberto para não abafar a imaginação do artista. Se falhar na crítica, põe o guerreiro em perigo; se não for flexível, tolhe o artista. Além do mais, precisa ter senso de oportunidade. No fundo, a arte de ser juiz consiste em saber qual decisão tomar em seis segundos e qual pode esperar seis meses. O que há de errado com esta ideia? Quando avalia uma nova ideia no papel de juiz você pergunta: “Será que vai dar certo? Quanto custa? Quanto tempo até a implementação? Dentre outras. No curso dessa investigação, o juiz examinará a ideia cuidadosamente para descobrir o que há de
  23. 23. Programa CIEE de Educação a Distância 23 errado com ela. Mas atenção para um detalhe: alguns juízes levam a rigor os extremos, sintonizando apenas falhas e pontos fracos. O juiz precisa considerar que, além de ter algo errado com a ideia, sua função é também dizer se vale a pena fazer alguma coisa a partir dela e apresentar as alternativas para tanto. Um bom juiz sabe que um ponto fraco – quando a ideia é interessante – pode ser um caminho das pedras para opções mais práticas e criativas. O juiz precisa levar em conta que seu principal objetivo é ajudar na produção de boas ideias e não se deslumbrar com a beleza de seu próprio julgamento. Para contrabalançar a natural tendência ao negativismo, localize os aspectos positivos e interessantes da ideia. Os aspectos negativos surgem sem nenhum esforço. Dica: “O não criativo”, foi assim que o dramaturgo Jerome Lawrence apelidou a técnica que desenvolveu para quando trabalha em colaboração com outra pessoa. Funciona da seguinte maneira: cada membro de parceria tem poder de veto sobre a ideia do outro. Entretanto, cada vez que exerce o poder de veto, é obrigado a apresentar uma ideia substitutiva capaz de agradar a ambos. Assim, o veto ganha um caráter construtivo. E se não der certo? Todo empreendimento envolve risco. Esteja você escolhendo uma cor para pintar sua sala ou lutando para obter exclusividade na transmissão dos Jogos Olímpicos pela TV, há sempre a possibilidade de não dar certo. O pintor pode errar na cor. Você pode exagerar ou se intimidar na negociação. O risco é tão inerente ao processo criativo quanto aos atos de atravessar a rua ou de se apaixonar. Afinal, a eventualidade de ser atropelado, de ser rejeitado ou de fracassar existe. Para o juiz, uma parte fundamental da avaliação é considerar o risco e estimar as chances de sucesso e fracasso. É evidente que nenhum juiz gostaria de passar ao guerreiro uma ideia destinada a não dar certo. Entretanto, ele também sabe que nada é
  24. 24. Programa CIEE de Educação a Distância 24 infalível. Como o “inafundável” Titanic, tudo o que é 100% seguro acaba encontrando um iceberg pela frente. Pergunte a si mesmo: este é o momento oportuno? E se eu esperasse seis meses antes de pôr minha ideia em prática? O que terei a ganhar ou a perder? E se eu a tivesse implementado seis meses atrás? A hora da decisão A tarefa mais importante do juiz é decidir. Se ele não tomar uma decisão, bloqueará o processo criativo. Às vezes, você tem apenas alguns segundos para avaliar a situação. Às vezes, seis meses. Em certas ocasiões, as informações estão incompletas. Em outras palavras, elas são excessivas. O mundo é assim. Você tem que decidir o que fazer com sua ideia: avançar ou recuar. Dica: a razão é muito importante na hora da decisão, mas não despreze o instinto. A balança do juiz Objetivo – para que serve esta ideia? Prós – o que ela tem de interessante e válido? Contras – quais são suas desvantagens? Probabilidades – quais são as chances de êxito? Revertério – se falhar, o que se pode aproveitar? Maturidade – o momento é adequado para lançá-la? Prazo – de que tempo dispõe para decidir? Vieses – de que pressupostos está partindo? Atualidade – os pressupostos ainda são válidos? Ponto cego – que pressupostos utilizo sem perceber, inconscientemente? Arrogância – já obtive sucesso com ideias semelhantes? Em caso positivo, o êxito anterior poderia me impedir de ver os limites da ideia atual. Humor – o que o bobo da corte teria a dizer?
  25. 25. Programa CIEE de Educação a Distância 25 Veredicto – qual a minha sentença? Guerreiro – O personagem que põe ideias em prática Guerreiro é o personagem que transfere uma ideia do mundo do “e se...?” para o mundo da ação. Ao interpretar esse papel você não apenas assume a responsabilidade de pôr sua ideia em prática, mas também a de garantir o sucesso criativo como um todo. Isso se dá porque o processo criativo não é uma sequência linear de passos, mas um círculo em contínuo movimento. É o guerreiro que liga as duas pontas e informa aos outros personagens o que funciona, o que não funciona e quais são as possibilidades. Quais são os maiores inimigos da ação? O medo e a insegurança. A arma mais poderosa que existe para combatê-los está em sua cabeça: é a convicção de que você pode fazer acontecer. Há dois princípios básicos na vida: 1) A mudança é inevitável 2) Todo mundo resiste à mudança A verdade é que a maioria das pessoas conserva a guarda bem fechada para manter as novas ideias a distância. Pende um pouco para ver o quanto há de muros, cercas e linhas divisórias em tudo o que existe. Por isso mesmo, é provável que você tenha que lutar bastante se quiser realizar sua ideia. O personagem para executar essa missão é o guerreiro. Na função de guerreiro, seu papel é em parte o de general e em parte o de soldado raso. Por um lado, concede a estratégia e planeja e por outro, tem a disciplina necessária para o duro trabalho das trincheiras e a paixão que estimula o avanço, mesmo em situações difíceis. Resumindo, ao incorporar esse personagem, você se responsabiliza pela realização de uma ideia.
  26. 26. Programa CIEE de Educação a Distância 26 O grito do Guerreiro Seja ousado – que qualidades você tem para ajudá-lo a realizar sua ideia? Trace um plano – qual a sua estratégia para atingir o objetivo? Atice sua chama interior – o que o leva a agir? Arme-se com um coração de leão – o que está disposto a arriscar? Se falhar, quais serão as consequências? Vá em frente – que pretextos podem desmotivá-lo? Capitalize seus recursos – cite cinco pessoas que possam ajudá-lo. Afie sua espada – que habilidades é capaz de desenvolver para implementar sua ideia? Saiba o que está vendendo. Reforce seu escudo – a seu ver, vai receber críticas de que tipo? Como pensa em neutralizá-las? Force a passagem – que obstáculos podem surgir no trajeto? Como pretende contorná- los? Use bem sua energia – que batalhas inúteis você pode evitar? Levante-se quando for derrubado – até que ponto você é persistente? Saboreie as vitórias e aprenda com as derrotas – o que já realizou? O que aprendeu com isso?
  27. 27. Programa CIEE de Educação a Distância 27 AULA 4 – O pensamento criativo O pensamento criativo é caracterizado pela elaboração de novas conexões entre informações disponíveis no “banco de dados” do seu cérebro, a partir de objetivos claramente definidos. Para a produção dessas ideias você contará com a colaboração de aspectos psicológicos e sociais. Dentre os aspectos psicológicos pode-se mencionar: ♦ Motivação: para se beneficiar com as fontes interiores de criação; ♦ Disposição: para aprender e absorver, com a finalidade de utilizar o conhecimento em prol da inovação; ♦ Perseverança: para acreditar e confiar no que foi gerado pelas “próprias mãos”; ♦ Entusiasmo: para dedicar-se de corpo e alma ao processo de criação; ♦ Coragem: para correr riscos, explorar o desconhecido e lidar com o novo. Esses traços de personalidade contribuem bastante para o processo criativo, porém devem ser bem dosados para que não criem uma “máscara”, omitindo a situação real. Deve-se cultivar esses traços e estar em constante observação para evitar bloqueios a esse potencial. Para criar esse hábito, faça o exercício a seguir: Selecione alguns traços de personalidade que você julga importante para o processo criativo, por exemplo, curiosidade, iniciativa, intuição... e os represente através de um desenho, de uma fórmula, de um poema ou de uma receita. Veja esse exemplo retirado do livro “O processo da Criatividade” de Eunice Soriano de Alencar: Dra. Criatividade
  28. 28. Programa CIEE de Educação a Distância 28 End: Rua da Felicidade – 20 V Bairro: Universo Restrito Paciente: Bloqueado Diagnóstico: Baixa criatividade SINTOMAS FÓRMULA Dependência 40 g. de autoestima Falta de autonomia 10 g. de liberdade Insegurança 15 g. de autoconfiança Falta de originalidade 5 g. de curiosidade Medo do novo 5 g. de coragem Desânimo 5 g. de motivação Pessimismo 5 g. de otimismo Timidez 5 g. de iniciativa Alienação 5 g. de participação Partiremos agora dos fatores psicológicos para os sociais. Para favorecer a criatividade pode-se promover um ambiente propício, onde cada pessoa expresse suas ideias e faça uso de suas potencialidades. Como por exemplo: o sistema educacional. Infelizmente esse sistema condiciona e treina as pessoas para encontrar apenas uma resposta certa para cada problema/desafio. Não estimula e tampouco valoriza a produção de alternativas e geração de ideias. Leia a história abaixo e veja como as pessoas podem ser condicionadas. Numa bela manhã, um garotinho ia para sua escola. Quando já estava em sala de aula,
  29. 29. Programa CIEE de Educação a Distância 29 a professora disse que fariam desenhos. O garotinho adorou a ideia e já começou a pensar nos leões, tigres, bonecos e trens que iria desenhar. Mas a professora disse: - Nós iremos desenhar flores. E o garotinho pegou seus lápis (azul, laranja, rosa...) e começou a desenhar. - Esperem! Disse a professora. - Vou mostrar como fazer. E a professora desenhou uma rosa vermelha de caule verde. Todos os alunos também a fizeram. No dia seguinte, a professora disse que fariam trabalhos com argila. - Oba! Disse o garotinho. - Mas esperem. Vou mostrar o quê e como deverão fazer. E a professora fez um prato. Todos também o fizeram. E muito cedo o garotinho aprendeu a esperar, olhar e fazer somente o que lhe era mostrado. Num certo dia, o garotinho mudou de cidade e por consequência, de escola. No primeiro dia escolar a professora disse: - Vamos desenhar! E o garotinho ficou esperando para seguir as ordens da professora. Mas a professora não disse nada. Após um certo tempo, a professora se aproximou e perguntou: - Você não quer desenhar? - Sim, disse o garotinho – o que é que nós vamos fazer? - Eu não sei , até que você o faça – disse a professora. - Como eu posso fazer? - Da maneira que você gostar, disse a professora. - E de que cor? - perguntou o menino. - Se todos fizerem o mesmo desenho e usarem as mesmas cores, como poderei
  30. 30. Programa CIEE de Educação a Distância 30 saber quem fez o quê? E ele desenhou uma rosa vermelha de caule verde. O poder de criação pertence a todos A criatividade é um potencial nato e inerente a todo e qualquer ser humano. Se a pessoa fica restrita e limitada no ambiente em que vive, esse potencial vai sendo abafado e cada vez mais esquecido. É como se a criatividade fosse um de nossos músculos, se não o exercitarmos, ele se atrofia. Portanto, sempre que possível, reserve um pequeno espaço de seu ambiente, (acadêmico, profissional ou pessoal) e deixe-o envolvente e convidativo à criatividade. Procure evitar a austeridade. Segundo o autor do “Guia para libertar sua alma”, Richard Barrett, a criança de três anos de idade apresenta 98% desse potencial criativo, mas infelizmente, “despenca” para 2%, aos 25 anos de idade. Isso se deve pelo fato da sociedade impor normas, regras e limites. É o tradicional sobressaindo o original. Mediante esse fato, deve-se procurar as pistas para a volta da criatividade, tão presente na infância, em que nuvens no céu ganhavam vida e formas diversas. Comece exatamente com este exercício: olhe as nuvens no céu. Liberte sua imaginação e descubra as surpresas desse “olhar”. Umberto Aprile, presidente da Gessy Lever, diz que a principal característica do jovem profissional é a curiosidade. “Valorizo o jovem que não se contenta com respostas óbvias ou conhecidas. Jovens assim, sabem desafiar o que é velho e propor o novo. Os recém-formados, são muito bem vindos aqui na empresa, pois apesar de chegarem com um déficit de experiência, apresentam muita energia, criatividade, capacidade de
  31. 31. Programa CIEE de Educação a Distância 31 fantasiar e implementar a fantasia quase infinita”. Para atender essa expectativa do mercado, precisa-se investir no potencial criativo existente em cada um de nós. O primeiro passo é identificar os fatores impeditivos da criatividade e fazer o que for possível para eliminá-los. Para isso, responda o questionário e identifique se os principais fatores impeditivos da sua criatividade são de ordem social ou psicológica: Eu seria mais criativo(a) se... C = Concordo E = Em dúvida D = Discordo 1. Não fosse tão acomodado(a); 2. Tivesse sido mais estimulado(a) pelos meus professores; 3. Não tivesse tanto medo de errar; 4. Houvesse maior reconhecimento do trabalho criativo; 5. Fosse menos perfeccionista; 6. Tivesse mais liberdade para expor o que penso; 7. Fosse menos tímido(a) para expor minhas ideias; 8. Fosse menos criticado(a); 9. Tivesse mais iniciativa; 10.As minhas ideias fossem mais valorizadas; 11.Aproveitasse melhor as oportunidades que surgem de exercitar a minha criatividade; 12.Tivesse mais recursos (dinheiro, livros...) para colocar as minhas ideias em prática; 13.Não fosse tão crítico(a) comigo mesmo(a); 14.Houvesse maior aceitação da fantasia, no meio em que vivo; 15.Fosse menos dependente dos outros; 16.Houvesse menos competição no ambiente em que trabalho; 17.Tivesse mais motivação para criar;
  32. 32. Programa CIEE de Educação a Distância 32 18.Não tivesse sido “podado(a)” pela família; 19.Fosse mais organizado(a); 20.Houvesse mais respeito às diferenças entre as pessoas; Os itens ímpares relacionam-se aos aspectos de ordem pessoal, os internos, e os pares dizem respeito aos obstáculos externos, os de origem social. Avalie quais aspectos interferem mais no seu processo de criação.
  33. 33. Programa CIEE de Educação a Distância 33 AULA 5 – As leis da criatividade Segundo o bioquímico Szent-Györgyi, precisamos treinar a nossa mente para observar. Ele diz: “Descobrir consiste em ver o que todo mundo já viu e pensar o que ninguém ainda pensou”. Essa flexibilidade de pensamento nos proporciona condições para ingressarmos nas “sete leis da criatividade”, ou seja, providências que devemos tomar para aprimorar o potencial criativo. Victor Mirshawka Jr., professor de oficina de criatividade da faculdade de engenharia da FAAP e diretor da LUMNI CONSULTORIA, afirma que “não existe receita mágica para ser criativo, mas podemos sempre fazer algo para estimular a criatividade. Eis o objetivo dessas sete leis”. 1ª lei: domine a autocrítica O primeiro passo que se pode dar rumo à criatividade, é contatar o nosso senso de autoavaliação. O ser humano, principalmente o adulto, conta com uma autocrítica muito exagerada. No geral, julgam as ideias que vêm à mente como ruins, tolas, fúteis ou sem valor e se perdem no tempo por que: não temos o hábito de registrar as ideias; temos medo de expressar em grupo as nossas ideias, com receio de nos expor; temos preguiça mental de buscarmos outras alternativas. Acomodamo-nos diante da primeira ideia;
  34. 34. Programa CIEE de Educação a Distância 34 temos a impressão de que as ideias alheias são sempre melhores; 2ª lei: seja um entusiasta da mudança O que fazer para perder esses hábitos? Documentar sempre as suas ideias (escrevendo, gravando, desenhando...) e adquirir o hábito de encontrar alguns pontos positivos de suas ideias antes de apontar os pontos negativos. Comece a treinar sua habilidade de julgamento construtivo. A ligação entre mudança e criatividade é óbvia, porém tende-se a resistir às mudanças. O mundo muda cada vez mais e rapidamente. Basta pensar: o mais adequado é ir contra ou a favor dessa tendência? Obtêm-se ou não benefícios resistindo às mudanças? Uma estratégia para lidar com essa dificuldade depende da habilidade racional de controlar o lado emocional. Sempre que possível deve-se buscar os benefícios das alternativas. O treino para substituição dos hábitos antigos por novos hábitos de comportamento aumenta o grau de nossa flexibilidade. Parece difícil, mas com um pouco de paciência, otimismo e prática, fica fácil. Veja os benefícios gerados pela aceitação às mudanças: • ousadia • questionamento • identificação de oportunidades
  35. 35. Programa CIEE de Educação a Distância 35 • flexibilidade Sugestão: A resistência diante das mudanças constrói ao nosso redor muralhas, que chamamos de cotidiano. Nesse ambiente rotineiro, o novo não existe. Nada muda, nada se cria, tudo se repete. Mude um pouco os seus hábitos, saia de sua zona de conforto. Viaje para lugares novos; almoce em restaurantes típicos, onde os pratos representem a cultura de determinado local/região; visite locais que nunca foi; ouça ritmos de músicas variados. Abra todas as “portas” que as mudanças podem proporcionar e beneficie-se com elas! 3ª lei: busque o diferente Segundo o professor Mirshawka, essa é a mais importante das leis da criatividade, pois as ideias brilhantes surgem quando se enxerga o mundo de uma forma diferente da usual. É então que surge a nossa flexibilidade de pensamento. Através de analogias e conexões com o que não é convencional, estamos gerando boas e, provavelmente, grandes ideias. É necessário desvincular a imagem padrão, saber improvisar e aprender a inventar e redefinir conceitos. Fazer as coisas de forma diferente é muito mais produtivo!
  36. 36. Programa CIEE de Educação a Distância 36 Não se esqueça de que a necessidade é “mãe” da criatividade, portanto, sempre que surgirem imprevistos recorra à sua habilidade de improvisação, ou seja, à sua criação, para encontrar as soluções de forma mais rápida e eficaz. Observação: Mesmo que você não seja muito atraído pela cozinha, ela é um excelente laboratório de criação. A mistura de cores, cheiros e formas abre o “apetite” da nossa imaginação. 4ª lei: persista! Experimente uma vez, o resultado será bastante positivo. 5ª lei: aumente seu conhecimento “A melhor forma de ter uma boa ideia é ter muitas ideias” – Linus Pauling, criador da tabela periódica de elementos químicos. Seguindo esse pensamento, podemos utilizar a técnica de Brainstorming (tempestade de ideias/cerebral), que consiste na geração ilimitada de ideias. Essa técnica é muito utilizada, pois não há espaço para críticas e limites. Listam-se todas as ideias geradas e quando essas ideias se esgotam chega o momento da cristalização: seleção das principais ideias. Entre as muitas ideias que teremos, poucas terão potencial para se transformarem em sucesso, portanto não desista e sim, persista. Faz parte da natureza o princípio da seleção, quer seja de espécies, quer seja de ideias. Da mesma maneira que a seleção natural elimina as ideias inadequadas, os
  37. 37. Programa CIEE de Educação a Distância 37 indivíduos sofrerão, também, o mesmo tipo de processo no mercado de trabalho global. O conhecimento é imprescindível s criatividade, pois é impossível dar saltos criativos sem ter recursos mentais. A memorização é um fator que auxilia na absorção dos conhecimentos; ela cria o respaldo necessário para a formação dos novos conceitos. Veja abaixo uma técnica de memorização: 1º AQUISIÇÃO: é o momento no qual se adquirem as informações. Os cinco sentidos (olfato, tato, paladar, audição e visão) nos auxiliam nesse momento. 2º SELEÇÃO DAS INFORMAÇÕES: as informações são absorvidas e, somente aquelas que são significativas e importantes, serão armazenadas. 3º BUSCA: é a memória propriamente dita. Quando você precisar se lembrar de algum fato ou informação, ela estará lá, armazenada. É só você resgatá-la. AQUISIÇÃO SELEÇÃO DAS INFORMAÇÕES BUSCA
  38. 38. Programa CIEE de Educação a Distância 38 6ª lei: “distribua” sua criatividade Compartilhar essa habilidade maravilhosa de criar, com outras pessoas, trará um feedback positivo e servirá como força propulsora para criar cada vez mais e melhor, portanto crie um círculo de autoestima e faça com que uma parte de seus esforços criativos possa beneficiar outras pessoas além de você. Não tenha medo de tentar e errar, seja perseverante. Saiba quais são os seus limites e vá um pouco além. É tentando e persistindo na busca que se consegue concretizar os sonhos gerados pela imaginação. Encare o erro como um ponto de apoio! Procure ousar mais, vença as barreiras. Caso erre, aprenda com ele; e caso acerte, comemore, vibre. Nos riscos, quando comparamos benefícios e custos, percebemos que o benefício é o que prevalece. Portanto, mãos a obra! E, por último, a sétima lei da Criatividade. 7ª lei: sonhe com o impossível Os sonhos são a visão do que se pretende alcançar. Devemos manter sempre os pés no chão. Mas sonhar...é sonhar! Os sonhos são visões criativas do futuro. Sonhar é preciso! Ele cria o embasamento para que a coragem de concretizar se manifeste. O sonho é automotor do ser humano, portanto, incentive-o. Os grandes feitos da humanidade pertencem às pessoas que tiveram sonhos, igualmente grandiosos. O “fantástico” é a marca registrada dos grandes inventores e dos grandes gênios. Lembre-se: as pessoas que sonham com o impossível são as únicas que têm chance
  39. 39. Programa CIEE de Educação a Distância 39 de alcançá-lo. “Não custa nada pensar grande e pensar grande significa pensar além do próprio tempo, no tempo dos outros. Não com arrogância, mas com humildade. Vale a pena pensar grande!” Amyr Klink
  40. 40. Programa CIEE de Educação a Distância 40 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALENCAR, E. S. O Processo da Criatividade. São Paulo: Makron Books, 2000. AYAN, J. Aha! 10 maneiras de libertar seu espírito criativo e encontrar grandes ideias. São Paulo: Negócio Editora, 1998. BOOG, G. G. Energize-se. São Paulo: Editora Gente, 1997. CASTRO, A. P. Zapp! Em ação. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1994. KAO, J. Jamming: a arte e a disciplina da criatividade na empresa. Rio de Janeiro: Editora Campus,1997. OECH, R. V. Um chute na Rotina. São Paulo: Editora de Cultura, 1987. OECH, R. V. Toc na Cuca. São Paulo: Editora de Cultura, 1987. TEIXEIRA, E. A. Aprendizagem e Criatividade Emocional. São Paulo: Makron Books, 1998. Sites: www.pensediferente.com.br Filmes Os Flinstones, Os Jetsons, Vídeo da dupla Out Kast.

×