Universidade Federal de São Carlos
Departamento de Genética e Evolução
Bioquímica I
Relatório 1
Estudo Qualitativo da Amil...
1 – Introdução
O processo de digestão se dá inicialmente com a ação da saliva,composta
principalmente pela enzima α-amilas...
Amilose3
A hidrólise do amido depende pela enzima depende de vários fatores,tais como tempo
de reação,concentração da enzi...
5
2 – Resultados e Discussões
1. Determinação do ponto acromático
Neste experimento observou-se a ação da amilase salivar ...
No tubo 1 não foi adicionada a amilase salivar servindo um branco para comparação dos
resultados, no tubo 2 foi observada ...
4.1.2 Temperatura ótima de atividade
Esses testes foram realizados com o objetivo de encontrar a melhor temperatura para a...
Em todos os experimentos deve-se levar em consideração a atividade do cloro,que é
indispensável para a ação da enzima,atua...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatorio1 bioq.i

1.824 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.824
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.513
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatorio1 bioq.i

  1. 1. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Bioquímica I Relatório 1 Estudo Qualitativo da Amilase Salivar
  2. 2. 1 – Introdução O processo de digestão se dá inicialmente com a ação da saliva,composta principalmente pela enzima α-amilase ou ptialina,que hidrolisa as ligações glicosídicas do amido,resultando em maltose e outros oligossacarídeos. O amido é um polissacarídeo (carboidrato) de armazenamento das células vegetais,ocorrendo intracelularmente como grâlunos.O amido contém dois tipos de polímeros de D-glicose : a amilose - composta de cadeias longas,não ramificadas unidas por ligações do tipo (α1-4) – e a amilopctina que é muito ramificada,com pontos de ramificação (α1-6) a cada 24 a 30 unidades. G r â n u l o s de Amido1 Amilopctina2
  3. 3. Amilose3 A hidrólise do amido depende pela enzima depende de vários fatores,tais como tempo de reação,concentração da enzima,concentração do substrato,temperatura,pH do meio,presença de substâncias inibidoras e cofatores,isso porque a atividade da enzima depende integralmente da sua conformação nativa,quando essa é alterada a atividade enzimática se altera também. Fatores como temperatura e pH podem desnaturar a enzima,ou seja,ocorre a perda das estruturas secundária,terciária e quartenária.O aumento da temperatura ocasiona a quebra das interações não-covalentes,assim como mudanças de pH alteram as cadeias laterais mudando o estado de ionização da enzima,logo,sua função,no entanto,a enzima possui um pH ótimo no qual sua atividade é máxima. Além disso,moduladores alostéricos (metabólicos pequenos ou cofatores) também podem mudar a conformação da enzima,ativando-a ou desativando-a. Exemplo de modulador alostérico desativador4 Um dos métodos de identificação do amido é a reação com Lugol (solução aquosa de I2/KI),formando um complexo de azul intenso a vermelho violáceo devido ao “aprisionamento” do iodo na molécula de amido.Sob a ação da enzima há quebra das ligações glicosídicas,logo,uma diminuição do substrato e descoloração da solução.
  4. 4. 5 2 – Resultados e Discussões 1. Determinação do ponto acromático Neste experimento observou-se a ação da amilase salivar ao longo do tempo, retirando-se dez alíquotas em intervalos de 1min, uma após 15 min e outra após meia hora. Nas dez primeiras alíquotas retiradas não foi possível observar uma descoloração significativa, porém nas duas últimas percebeu-se uma leve mudança de cor devido a ação da enzima. Não foi possível chegar ao ponto acromático devido ao tempo limitado do experimento. 2. Efeito do íon cobre sobre a atividade da amilse salivar O procedimento utilizado neste experimento foi similar ao anterior, porém a diferença está na adição de sulfato de cobre 5% á solução de amido. Novamente, nos primeiros dez tubos de ensaio e no tubo retirado após 15 min não observou-se nenhuma descoloração, sendo que na alíquota retirada após 30 min a descoloração foi bem menor se comparada com o experimento 1, isso porque o cobre atua como um desativador da enzima. 3. Efeito de íons cloreto sobre a atividade da amilase salivar Neste experimento foi realizado um teste para analisar o efeito dos íons cloreto na atividade enzimática à temperatura ambiente. Foram montados três tubos de ensaio nas seguintes condições: Reagentes Tubo 01 Tubo 02 Tubo 03 Saliva 1:10 - 1mL 1mL Amido 1% 4mL 4mL 4mL NaCl 4% 1mL - 1mL Água destilada 1mL 1mL -
  5. 5. No tubo 1 não foi adicionada a amilase salivar servindo um branco para comparação dos resultados, no tubo 2 foi observada nenhuma descoloração devido a limitação do tempo para a ação da enzima, já no tubo 3 foi observada uma leve descoloração após 15 min indicando a ação do íon cloreto como um co-fator da amilase salivar (ativador) acelerando a hidrólise do amido. 4.1 Efeito da temperatura 4.1.1 Desnaturação Enzimática Os testes foram realizados com o objetivo de expor a amilase salivar a diferentes condições de temperatura, em presença de íons cloreto em diferentes proporções de água, foram realizados 3 ensaios,esquematicamente: Reagentes/Procedimentos Tubo 1 Tubo 2 Tubo 3 Saliva (1:10) 1 ml 1 ml NaCl 4% 0,5 ml 0,5 ml 0,5 ml Água destilada 2 ml 1 ml 1 ml Aquecimento a 100°C (5 min) Não Sim Não Após os procedimentos em cada tubo (Adicionar 2 ml de amido 1%)esperou-se 15 min e adicionou-se 1 gota de lugol,então: No tubo 1 foi observado coloração azul intensa já que não havia amilase salivar que degradasse o amido, dessa forma o mesmo interagiu completamente com a gota do indicador lugol. No tubo 2 foi observado coloração azul intensa semelhante ao ocorrido no tubo 1, isso se deve ao aquecimento à temperatura de 100 °C durante 5 minutos.Desnaturamos a estrutura protéica da enzima, fazendo com que ela perdesse totalmente sua atividade catalítica sobre o amido. No tubo 3 foi observado coloração azul mais claro isso deve ao fato de que a amilase salivar agiu sobre o amido catalisando a reação de degradação, também não podemos descartar o fato de que os íons cloreto são ótimos precursores dessa catalise
  6. 6. 4.1.2 Temperatura ótima de atividade Esses testes foram realizados com o objetivo de encontrar a melhor temperatura para a catalise enzimática do amido e foram propostos os seguintes ensaios: Reagentes Tubo 1 Tubo 2 Tubo 3 Tubo 4 Tubo 5 Saliva (1:10) 1 ml 1 ml 1 ml 1 ml NaCl 4% 0,5 ml 0,5 ml 0,5 ml 0,5 ml 0,5 ml Amido 1% 2 ml 2 ml 2 ml 2 ml 2 ml Temperatura de incubação Ambiente 0°C Ambiente 37°C 60°C Água destilada 1 ml Após realizados os procedimentos (esperados 10 min e adicionado a gota de lugol a cada ensaio podemos observar: No tubo 1 foi observado coloração azul intensa pois não havia amilase salivar então todo o amido interagiu com o lugol. No tubo 2 foi observado coloração azul intensa, pois mesmo que houvesse interação entre a amilase salivar e o amido, a cinética da catalise de degradação do amido foi prejudicada pela baixa temperatura, diminuindo o número de colisões efetivas na reação. No tubo 3 foi observado uma coloração azul mais claro e isso se deve a degradação do amido pela amilase salivar, pois já em temperatura ambiente temos um melhor número de colisões efetivas entre as moléculas fazendo com que a degradação do amido ocorra num intervalo de tempo menor. No tubo 4 foi observado coloração azul bem claro indicando que a degradação do amido catalisada pela amilase salivar ocorre num intervalo de tempo bem menor, comparando- se com os outros experimentos, e mostrando também que a temperatura de 37°C é a temperatura que a enzima consegue uma atividade mais efetiva, também podemos relacionar essa temperatura à temperatura próxima da do corpo humano, logo,sua atividade é ótima onde a enzima se encontra. No tubo 5 foi observado coloração azul intensa, pois sob a temperatura de 60°C a enzima se desnatura e perde sua estrutura secundaria e terciária e quartenária e assim a degradação do amido é prejudicada.
  7. 7. Em todos os experimentos deve-se levar em consideração a atividade do cloro,que é indispensável para a ação da enzima,atuando como um modulador ativador. 3 – Conclusão Concluímos que as condições propostas pelo experimento puderam mostrar a atividade enzimática em diferentes parâmetros.Observamos a catálise do amido sob diferentes situações assim como a dependência da eficiência da catalise sobre esses parâmetros,tais quais: temperatura e efeito dos co-fatores,assim como pudemos observar que a temperatura ótima para a catálise da amilase salivar é realmente a temperatura a qual ela se encontra no organismo. 4 - Referências Bibliográficas Nelson,D.L,Cox,M.M.Lehninger Princípios de Bioquímica.Trad.Arnaldo Antonio Simões e Wilson Roberto Navega Lodi.4˚ed.São Paulo: Sarvier,2006.pág.211,224,245 - 247 1 - http://bioplasticnews.blogspot.com/2009/03/o-amido-e-o-bioplastico.html 2,3,5 - http://www.fcfar.unesp.br/alimentos/bioquimica/praticas_ch/teste_amido.htm 4 - http://jorlab.blogspot.com/2009/08/farmacos-alostericos.html http://www2.ufp.pt/~pedros/qfisio/Q_Fisio_Lab.pdf

×