AUTOR DO MÊS

EUGÉNIO DE ANDRADE1 (1923- 2005)

"Sou filho de camponeses, passei a infância numa
daquelas aldeias da Beira...
AUTOR DO MÊS

invariavelmente, no meu espírito, o canto duro das cigarras; uma preferência pela
linguagem falada, quase re...
AUTOR DO MÊS
AUTOR DO MÊS
AUTOR DO MÊS

“PEQUENO CADERNO DO ORIENTE”3
JARDIM DE LOU LIM IEOC
Deste jardim o que levo comigo
é um ramo de bambu para ...
AUTOR DO MÊS

PEDRA PROFUNDA
No ar imóvel a pedra começa.
Sou-lhe fiel pelo seu aroma.
Vim de longe para tocar o fogo
da s...
AUTOR DO MÊS

TEMPLO DA BARRA
O verde dos bambus mais altos é azul
ou então é o céu que pousa nos seus ramos.

Desenho de ...
AUTOR DO MÊS

BALANÇA
No prato da balança um verso basta
para pesar no outro a minha vida.

Desenho de Carlos Marreiros
AUTOR DO MÊS

Onde me levas, rio que cantei,

esperança destes olhos que molhei
de pura solidão e desencanto?

Onde me lev...
Montserrat Gudiol

AUTOR DO MÊS
AUTOR DO MÊS

Foi para ti que criei as rosas.
Foi para ti que criei as rosas.
Foi para ti que lhes dei perfume.
Para ti ra...
AUTOR DO MÊS

Adeus
Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro ...
AUTOR DO MÊS

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, ante...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Eugénio de andrade

1.137 visualizações

Publicada em

Autor do mês da Biblioteca da Escola Secundária Francisco de Holanda.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.137
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
382
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eugénio de andrade

  1. 1. AUTOR DO MÊS EUGÉNIO DE ANDRADE1 (1923- 2005) "Sou filho de camponeses, passei a infância numa daquelas aldeias da Beira Baixa que prolongam o Alentejo e, desde pequeno, de abundante só conheci o sol e a água. Nesse tempo, que só não foi de pobreza por estar cheio de amor vigilante e sem fadiga da minha mãe, aprendi que poucas coisas há absolutamente necessárias. São essas coisas que os meus versos amam e exaltam. A terra e a água, a luz e o vento consubstanciaram-se para dar corpo a todo o amor de que a minha poesia é capaz. As minhas raízes mergulham desde a infância no mundo mais elementar. Guardo desse tempo o gosto por uma arquitectura extremamente clara e despida, que os meus poemas tanto se têm empenhado em reflectir; o amor pela brancura da cal, a que se mistura 1 Poeta português, Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, nasceu a 19 de janeiro de 1923 no Fundão, e faleceu a 13 de junho de 2005, no Porto
  2. 2. AUTOR DO MÊS invariavelmente, no meu espírito, o canto duro das cigarras; uma preferência pela linguagem falada, quase reduzida às palavras nuas e limpas de um cerimonial arcaico - o da comunicação das necessidades primeiras do corpo e da alma. Dessa infância trouxe também o desprezo pelo luxo, que nas suas múltiplas formas é sempre uma degradação; a plenitude dos instantes em que o ser mergulha inteiro nas suas águas, talvez porque então o mundo não estava dividido, a luz, cindida, o bem e o mal compartimentados; e ainda uma repugnância por todos os dualismos, tão do gosto da cultura ocidental, sobretudo por aqueles que conduzem à mineralização do desejo num coração de homem. A pureza, de que tanto se tem falado a propósito da minha poesia, é simplesmente paixão, paixão pelas coisas da terra, na sua forma mais ardente e ainda não consumada"2 Eugénio de Andrade 2 http://bibliomanias.no.sapo.pt/in_memoriamEA.htm
  3. 3. AUTOR DO MÊS
  4. 4. AUTOR DO MÊS
  5. 5. AUTOR DO MÊS “PEQUENO CADERNO DO ORIENTE”3 JARDIM DE LOU LIM IEOC Deste jardim o que levo comigo é um ramo de bambu para servir de espelho ao resto dos meus dias. Desenho de Carlos Marreiros 3 “Pequeno Caderno do Oriente” foi escrito em Macau pelo poeta Eugénio de Andrade, durante uma visita de alguns dias a Macau e à China, em Outubro de 1990. Carlos Marreiros fez as ilustrações para a edição deste “Caderno” especial da RC, em Novembro de 1993.”
  6. 6. AUTOR DO MÊS PEDRA PROFUNDA No ar imóvel a pedra começa. Sou-lhe fiel pelo seu aroma. Vim de longe para tocar o fogo da sua geometria sem fronteiras. Pedra ferida, pedra acariciada. Pedra profunda. Subindo alto. Desenho de Carlos Marreiros
  7. 7. AUTOR DO MÊS TEMPLO DA BARRA O verde dos bambus mais altos é azul ou então é o céu que pousa nos seus ramos. Desenho de Carlos Marreiros
  8. 8. AUTOR DO MÊS BALANÇA No prato da balança um verso basta para pesar no outro a minha vida. Desenho de Carlos Marreiros
  9. 9. AUTOR DO MÊS Onde me levas, rio que cantei, esperança destes olhos que molhei de pura solidão e desencanto? Onde me leva?, que me custa tanto. Não quero que conduzas ao silêncio duma noite maior e mais completa. com anjos tristes a medir os gestos da hora mais contrária e mais secreta. Deixa-me na terra de sabor amargo como o coração dos frutos bravos. pátria minha de fundos desenganos, mas com sonhos, com prantos, com espasmos. Canção, vai para além de quanto escrevo e rasga esta sombra que me cerca. Há outra fase na vida transbordante: que seja nessa face que me perca. Eugénio de Andrade 944747_714054545271509_126617157_n Onde me levas, rio que cantei
  10. 10. Montserrat Gudiol AUTOR DO MÊS
  11. 11. AUTOR DO MÊS Foi para ti que criei as rosas. Foi para ti que criei as rosas. Foi para ti que lhes dei perfume. Para ti rasguei ribeiros e dei às romãs a cor do lume. Hoje roubei todas as rosas dos jardins Hoje roubei todas as rosas dos jardins e cheguei ao pé de ti de mãos vazias. Eugénio de Andrade
  12. 12. AUTOR DO MÊS Adeus Já gastámos as palavras pela rua, meu amor, e o que nos ficou não chega para afastar o frio de quatro paredes. Gastámos tudo menos o silêncio. Gastámos os olhos com o sal das lágrimas, gastámos as mãos à força de as apertarmos, gastámos o relógio e as pedras das esquinas em esperas inúteis. Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada. Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro; era como se todas as coisas fossem minhas: quanto mais te dava mais tinha para te dar. Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes. E eu acreditava. Acreditava, porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis. Mas isso era no tempo dos segredos, era no tempo em que o teu corpo era um aquário, eram realmente peixes verdes. Hoje são apenas os meus olhos. É pouco mas é verdade, uns olhos como todos os outros. Shinichi Maruyama era no tempo em que os meus olhos
  13. 13. AUTOR DO MÊS Já gastámos as palavras. Quando agora digo: meu amor, já não se passa absolutamente nada. E no entanto, antes das palavras gastas, tenho a certeza de que todas as coisas estremeciam só de murmurar o teu nome no silêncio do meu coração. Não temos já nada para dar. Dentro de ti não há nada que me peça água. O passado é inútil como um trapo. E já te disse: as palavras estão gastas. Adeus. Shinichi Maruyama Eugénio de Andrade

×