Árvores, as histórias que elas nos contam...

6.272 visualizações

Publicada em

Quem não sabe é como quem não vê...
Provérbios, quadras, adivinhas, poemas e, claro, o(s) seu(s) nome(s): tudo nos pode ajudar a conhecer melhor e a apreciar mais as árvores.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.827
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Árvores, as histórias que elas nos contam...

  1. 1. Á R V O R E S -as histórias que elas nos contam Disney Manuela D.L. Ramos - Outubro 2010
  2. 2. Pinheiros mansos (Pinus pinea) no Parque da Cidade – Porto Todas as árvores têm histórias para nos contar! manueladlramos Desde as árvores mais pequenas,
  3. 3. Desde as árvores mais pequenas, acabadinhas de nascer… manueladlramos Todas as árvores têm histórias para nos contar! Quem sou eu?
  4. 4. Desde as árvores mais pequenas, acabadinhas de nascer… manueladlramos Todas as árvores têm histórias para nos contar! Adivinhaste! Sou uma bolota germinada. (ver filme in ARKive)
  5. 5. Oliveira bimilenar em Pedras d’el Rei, entre Olhão e Tavira, no Algarve- dizem que é o ser vivo mais antigo de Portugal (ver reportagem em ecosfera-Público ) manueladlramos Todas as árvores têm histórias para nos contar! Desde as árvores mais pequenas, acabadinhas de nascer, até às mais velhinhas.
  6. 6. mas é preciso saber “ouvi-las”. As árvores contam-nos histórias… manueladlramos
  7. 7. A maior parte das vezes não prestamos muita atenção às árvores. Gostamos delas mas sem as conhecermos. Quem sabe o nome das árvores pelas quais passa todos os dias? Sabes como se chamam as árvores da tua rua? As da tua escola? manueladlramos
  8. 8. Gostamos das árvores Pinheiros mansos (Pinus pinea) na Quinta de Santo Inácio em Avintes pela beleza dos seus ramos e dos seus troncos. manueladlramos
  9. 9. Faias (Fagus sp) nos jardins do Palácio de Cristal, Porto. manueladlramos
  10. 10. pela forma harmoniosa das suas copas… Tílias (Braga) Gostamos das árvores manueladlramos
  11. 11. e o colorido das suas folhas. Árvores no Outono, em Pedras Salgadas manueladlramos
  12. 12. manueladlramos Liquidâmbar e gingko no Jardim Botânico do porto
  13. 13. Avenida das Tílias no Jardim Botânico de Coimbra. manueladlramos
  14. 14. pelo perfume e beleza das suas flores. Flores de limoeiro manueladlramos Gostamos das árvores
  15. 15. Flores de cerejeira manueladlramos
  16. 16. E estas? Qual é a árvore que dá estas flores? manueladlramos
  17. 17. E estas? Qual é a árvore que dá estas flores? O castanheiro dá castanhas, Que eu já lhe vi as candeias;* O dia em que te não vejo Foge-me o sangue das veias! * Nome dado às flores dos castanheiros em algumas regiões manueladlramos
  18. 18. pelos seus frutos suculentos e saborosos. manueladlramos Gostamos das árvores
  19. 19. Que frutos são estes? manueladlramos
  20. 20. Que frutos são estes? São bagas de loureiro manueladlramos
  21. 21. Uma quadra popular para completar Passarinho vai-te embora, Ao loureiro deixa a baga. Deixa dormir ao menino O sono da …
  22. 22. Uma quadra popular para completar Passarinho vai-te embora, Ao loureiro deixa a baga. Deixa dormir ao menino O sono da madrugada. manueladlramos
  23. 23. porque nos dão sombra e nos abrigam, sobreiro no Alentejo Gostamos das árvores manueladlramos
  24. 24. a nós e aos animais. manueladlramos
  25. 25. Às vezes, a nossa árvore preferida pode até nem ser especialmente bela, ou grande, ou frondosa… Mas gostamos muito dela, simplesmente, por que é “nossa” .
  26. 26. Às vezes, a nossa árvore preferida pode até nem ser especialmente bela, ou grande, ou frondosa… Mas gostamos muito dela, simplesmente, por que é “nossa” .
  27. 27. Gostamos pois das árvores por muitas razões. A maior parte das vezes, sem saber como se chamam, e muito menos de onde vêm, qual a sua história, quais as suas características.
  28. 28. Por isso, quanto mais aprendermos sobre as árvores, quanto mais soubermos sobre elas, mais capazes ficaremos de as ver, de as apreciar e de lhes dar o devido valor. Mas, como se costuma dizer, “quem não sabe é como quem não vê”.
  29. 29. OBSERVAÇÃO INFORMAÇÃO E como podemos nós ficar a conhecer melhor as árvores?
  30. 30. Onde procurar a INFORMAÇÃO? INFORMAÇÃO PESSOAS LIVROS SÍTIOS DA NET DOCUMENTÁRIOS FILMES Professores, pais, outras pessoas que conheçam as árvores. Aconselhados pelos professores e por outras pessoas conhecedoras.
  31. 31. CONTOS LENDAS HISTÓRIAS PROVÉRBIOS ADIVINHAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS POEMAS QUADRAS POPULARES Também podemos aprender sobre as árvores nos:
  32. 32. Eis alguns livros de histórias que falam de árvores e … dos seus amigos Já leste alguns destes livros ? Sabes dizer quem são os seus autores?
  33. 33. Um livro de histórias e três livros de poesia E estes, conheces? Como se chama a autora?
  34. 34. Mais livros. Qual é o tema que abordam? Sabes dizer quem são os seus autores?
  35. 35.  Já falámos de histórias.  Já lemos umas quadras…  E provérbios? Conheces algum?  Sabes que se costuma dizer que nos provérbios se encontra a sabedoria do povo.  A propósito de sabedoria: qual é a ave que simboliza a sabedoria?
  36. 36.  Já falámos de histórias.  Já lemos umas quadras…  E provérbios? Conheces algum?  Sabes que se costuma dizer que nos provérbios se encontra a sabedoria do povo.  A propósito de sabedoria: qual é a ave que simboliza a sabedoria?
  37. 37. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar...
  38. 38. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.
  39. 39. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma …
  40. 40. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma bolota.
  41. 41. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma bolota.  A árvore esconde a...
  42. 42. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma bolota.  A árvore esconde a floresta.
  43. 43. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma bolota.  A árvore esconde a floresta.  Quem planta árvores e cria...
  44. 44. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma bolota.  A árvore esconde a floresta.  Quem planta árvores e cria, tem alegria.
  45. 45. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma bolota.  A árvore esconde a floresta.  Quem planta árvores e cria, tem alegria.  Da noz, o figo é bom...
  46. 46. Provérbios para completar  À árvore caída todos vão buscar lenha.  O maior carvalho saiu de uma bolota.  A árvore esconde a floresta.  Quem planta árvores e cria, tem alegria.  Da noz, o figo é bom amigo.
  47. 47. Por falar em figo, o que significa“chamar um figo” a qualquer coisa que se comeu? manueladlramos
  48. 48. Por falar em figo, o que significa“chamar um figo” a qualquer coisa que se comeu? manueladlramos Significa, ou quer dizer, que se gostou muito. Trata-se de uma expressão idiomática.
  49. 49. Por falar em figo, o que significa“chamar um figo” a qualquer coisa que se comeu? manueladlramos Significa, ou quer dizer, que se gostou muito. Trata-se de uma expressão idiomática. A propósito lê o poema que se segue.
  50. 50. O Almoço dos Pardais de Maria Alberta Menéres Uma pereira vaidosa gritou: Não há pêras como as minhas! A cerejeira vaidosa gritou: Não há cerejas como as minhas! A macieira vaidosa gritou: Não há maçãs como as minhas! Os pardais ouviram isto e disseram: Vamos ver se é verdade. Comeram as pêras, as cerejas e as maçãs. E chamaram a tudo...
  51. 51. O Almoço dos Pardais de Maria Alberta Menéres Uma pereira vaidosa gritou: Não há pêras como as minhas! A cerejeira vaidosa gritou: Não há cerejas como as minhas! A macieira vaidosa gritou: Não há maçãs como as minhas! Os pardais ouviram isto e disseram: Vamos ver se é verdade. Comeram as pêras, as cerejas e as maçãs. E chamaram a tudo um figo.
  52. 52. Quadras populares Ó figueira dá-me um figo Que eu te darei um pedaço, Ó menina dá-me um beijo, Que eu te darei… manueladlramos
  53. 53. Quadras populares Ó figueira dá-me um figo Que eu te darei um pedaço, Ó menina dá-me um beijo, Que eu te darei um abraço. manueladlramos
  54. 54. Amendoeira em flor pintada por Vincent van Gogh (1890) fonte da imagem A flor da amendoeira É a primeira do ano. Também tu minha menina És a primeira que eu…
  55. 55. A flor da amendoeira É a primeira do ano. Também tu minha menina És a primeira que eu amo. Amendoeira em flor pintada por Vincent van Gogh (1890) fonte da imagem
  56. 56. Debaixo da oliveira É um regalo namorar, Tem a folha miudinha Não entra lá o ... manueladlramos
  57. 57. Debaixo da oliveira É um regalo namorar, Tem a folha miudinha Não entra lá o luar. manueladlramos
  58. 58. Uma adivinha: O que é, que é, um pai com muitos filhos, e a todos dá uma carapucinha?
  59. 59. Uma adivinha: O que é, que é, um pai com muitos filhos, e a todos dá uma carapucinha? manueladlramos
  60. 60. pai- carvalho filhos- bolotas (frutos) carapucinhas- cúpulas http://www.arborium.net/final/html/ficha_214.html# Espanhol: roble común, francês: chêne inglês: oak manueladlramos
  61. 61. folhas carvalho (Quercus robur) sobreiro (Quercus suber) azinheira (Quercus ilex) Mas não são só os carvalhos que dão bolotas, os sobreiros e as azinheiras também. Os frutos destas árvores -que pertencem ao género Quercus*- chamam-se landes ou bolotas * Consulta a lista de espécies no Atlas das Árvores de Leiria
  62. 62. Azinheira monumental (Quercus ilex) em S. Brás de Alportel
  63. 63. “Colossal” significa muito grande, enorme.
  64. 64. Sobreiro monumental (Quercus suber) No lugar de Canhestros, freguesia e concelho de Silves. manueladlramos
  65. 65. Carvalho de Calvos em Póvoa de Lanhoso O carvalho de Calvos é o maior da sua espécie (Quercus robur) na Península Ibérica, e talvez o mais antigo. Mede cerca de 8 metros de PAP. Foi classificado em 1997 como árvore de interesse publico. Paulo Ventura Araújo Carvalho monumental
  66. 66. Plátano (Platanus orientalis) em Monchique- classificado de interesse público Quando as árvores são muito antigas, muito grandes ou têm um valor especial podem ser “classificadas de interesse público ” ficando protegidas por uma lei. Tornam-se Árvores de Interesse Público - Monumentos Vivos manueladlramos Plátano monumental
  67. 67.  O tronco  As pernadas  Os ramos  A copa E a propósito de plátanos, conhecem a Beatriz?
  68. 68. «No outro lado da rua vivia uma menina – a Beatriz – que gostava muito do plátano. Via-o do seu quarto de dormir e, todas as manhãs, ia à janela para deter os olhos naquela copa larga (…) Para Beatriz, aquela árvore fazia parte da sua vida, tal como um bom amigo.» in Beatriz e o Plátano de Ilse Losa
  69. 69. Adivinha Que é, que é, pai pingão, mãe raivosa e filha formosa?
  70. 70. Adivinha Que é, que é, pai pingão, mãe raivosa e filha formosa?  Pai pingão: castanheiro  Mãe raivosa: ouriço  Filha formosa: castanha
  71. 71. Foto: wikipedia
  72. 72. Adivinha Que é, que é? Uma casinha amarela, sem porta nem janela?
  73. 73. Adivinha Que é, que é? Uma casinha amarela, sem porta nem janela? limão limões
  74. 74. Adivinha Altos castelos, verdes e amarelos?
  75. 75. Adivinha Altos castelos, verdes e amarelos? Limoeiros
  76. 76. Adivinha É uma caixinha de bem querer, não há carpinteiro que a saiba fazer.
  77. 77. Adivinha É uma caixinha de bem querer, não há carpinteiro que a saiba fazer. noz nozes manueladlramos
  78. 78. Adivinha “Nestas duas palavras”. Que palavras? Ave sou e não vôo, tenho lã e não sou carneiro; Nestas duas palavras, disse o meu nome inteiro.
  79. 79. Adivinha Ave + lã avelã Ave sou e não vôo, tenho lã e não sou carneiro; Nestas duas palavras, disse o meu nome inteiro.
  80. 80. As árvores contam-nos histórias... e algumas das mais interessantes são as que podemos descobrir nos seus nomes * *Tanto os nomes vulgares, como os nomes científicos ,
  81. 81. Os nomes das árvores podem estar relacionados, por exemplo:  com a sua origem, ou seja a terra donde vieram;  com as suas características;  com os cientistas que as estudaram, etc.. Vamos ver dois exemplos
  82. 82. Como se chama esta árvore florida? Que nome damos às suas flores?
  83. 83. Nome científico Camellia japonica Há quem lhe chame japoneira e também camélia. O primeiro nome indica de onde a planta é originária: o Japão. Quanto a camélia é uma palavra que deriva do nome de Josef Camel, um frade jesuíta botânico que viveu na Ásia e que nos seus escritos falava desta planta.
  84. 84. Outro exemplo: avelã - nome vulgar ou comum Corylus avellana – nome científico Avellana vem de abellana pois este fruto seco era conhecido como “a noz de Abela”, uma cidade de Itália. Corylus deriva da palavra que em grego significa elmo, pois a avelã está encerrada dentro de uma bráctea verde assemelhando-se a uma cabeça dentro de um capacete.
  85. 85. E para terminar um poema intitulado Plantar uma Floresta Conhecem? Quem é a autora? L…. D…. S….. Vamos ler?
  86. 86. Plantar uma Floresta de Luísa Ducla Soares Quem planta uma floresta Planta uma festa. Planta a música e os ninhos, Faz saltar os coelhinhos. Planta o perfume das seivas e flores, Solta borboletas de todas as cores. Planta abelhas, planta pinhões E os piqueniques das excursões. Planta a cama mais a mesa. Planta o calor da lareira acesa.
  87. 87. Planta a folha de papel, A girafa do carrocel Planta barcos para navegar, E a floresta flutua no mar. Planta carroças para rodar, Muito a floresta vai transportar. Planta bancos da avenida, descansa a floresta de tanta corrida. Planta um pião na mão de uma criança: A floresta ri, rodopia e avança. “Plantar uma Floresta” de Luísa Ducla Soares in A gata Tareca e Outros Poemas Levados da Breca Lisboa: Teorema, 1990
  88. 88. FIM … do princípio de uma grande aventura: a viagem pelo mundo fantástico das árvores e das histórias que elas nos contam. Actividade de sensibilização para “o mundo das árvores” - Público alvo: 1º e 2º ciclos Manuela D.L. Ramos – Outubro 2010 – BiblioBeiriz Créditos: todas as fotografias são da MDL Ramos, excepto as do Carvalho de Calvos e a da Castanha no seu ouriço

×