Evangélico samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad

4.055 visualizações

Publicada em

evangélico
http://ebookevangelico.blogspot.com.br/

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.055
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
273
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evangélico samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad

  1. 1. Lançamento: http://gospel-book.blogspot.com
  2. 2. Samuel Nyström
  3. 3. Samuel Nyström Esboços para Pregações do Apóstolo Pentecostal Sueco Samuel Nelson 1ª Edição 2006 Rio de Janeiro
  4. 4. Todos os direitos reservados. Copyright © 2006 para a língua portuguesa da Casa Publicadora das Assembléias de Deus. Aprovado pelo Conselho de Doutrina. Preparação dos originais: Gleyce Duque Capa e editoração eletrônica: Flamir Ambrósio CDD: 250 - Sermões ISBN: 85-263-0799-1 As citações bíblicas foram extraídas da versão Almeida Revista e Corrigida, edição de 1995 da Sociedade Bíblica do Brasil, salvo Indicação em contrário. SAC - Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-21-7373 Para maiores informações sobre livros, revistas, periódicos e os últimos lançamentos da CPAD, visite nosso site: http://www.cpad.com.br Casa Publicadora das Assembléias de Deus Caixa Postal 331 20001-970 Rio de Janeiro, RJ, Brasil 1ª edição/2006
  5. 5. Dedico este livro aos amados missionários Karl-Erik Samuel Nyström e sua esposa Karolina Josefina Nyström (Lina), de saudosa memória, que me deram todo o apoio, alegria e amor durante os anos que residi na Suécia. Aos meus amados filhos Elizabeth, Regina, Tony, Helena e Tommy, e ao meu neto Erik, que me concedem alegria e amor.
  6. 6. Agradecimentos Deus, sempre em primeiro lugar, pela sua grande misericórdia em dar-me graça, sabedoria, saúde e disposição para 1 continuar pesquisando, entrevistando, rascunhando, catalogando e escrevendo — mais uma obra que versa sobre os esboços para pregações durante os 30 anos da vida ministerial do missionário Samuel Nyström, que dedicou não apenas a sua mocidade, mas toda a sua vida pela salvação das almas em nosso Brasil. Agradeço especialmente minhas queridas irmãs Esther e Ruth, assim como meu cunhado Gidalte Galvão de Figueiredo que souberam guardar todos esses apontamentos enquanto estive residindo na Suécia; a irmã Maria Lúcia Fonseca, pela ajuda espontânea e gratuita que me ofereceu na preparação dos originais dos textos deste livro. Agradeço também ao irmão Ronaldo Rodrigues, Diretor Executivo da CPAD que abriu as portas da mesma para que eu pudesse por diversas vezes que estive no Rio de Janeiro, fazer minhas pesquisas nas bibliotecas, dando-me livre acesso pela mesma e que, com toda a sabedoria concedida por Deus, tem feito um trabalho de expansão não só no Brasil, mas também em outros países. Os meus agradecimentos aos demais gerentes da CPAD que fazem excelente trabalho junto à Diretoria e demais funcionários do setor de livros que, de uma forma ou de outra, colaboraram com este trabalho.
  7. 7. "A igreja de Cristo não é uma organização, mas sim um organismo, que pouco a pouco tem o seu crescimento natural, como uma árvore que principia como a pequena semente que se abre e estende suas pequenas raízes para baixo, enquanto a pequena planta sobe, tornando-se uma haste e dali saem varas com as suas folhas e depois seguem as flores e frutos no seu tempo." "A vida de um missionário é como a de um militar nas manobras: cheia de trabalhos, perigos e lutas, que dão um sabor especial ao alimento e um certo agrado às circunstâncias."* Samuel Nyström *Despertamento Apostólico, 1987, p- 25.
  8. 8. Apresentação Quando estive pela primeira vez na Suécia, de 1958 a 1959, tive a honra de ser hospedado na residência do casal Lina e Samuel Nyström, durante um ano e dois meses. Quando retornei à Suécia em 1961, o irmão Samuel já tinha partido para o lar celestial, e assim, quando residi em Estocolmo ou mesmo em Gávle, à distância de 180 quilômetros de Estocolmo, mantive um permanente contato com a irmã Lina. No final de 1973, pouco antes de voltar ao Brasil, tive a honra de ser acolhido novamente em sua residência. Desta vez, ocupei o escritório que fora de Samuel Nyström, inclusive a cama que ele usava para descansar. Assim, tive um contato mais íntimo com os objetos e a biblioteca que a ele pertenceram. A irmã Lina concedeu-me a posse de todos os pertences que restavam de seu amado esposo, oferecendo-me também os direitos autorais dos livros escritos por Samuel Nyström: Concernente aos Dons do Espírito Santo e Jesus Cristo, nossa Glória, ambos publicados pela CPAD. A vida missionária de Lars-Erik Samuel Nyström, se estendeu por trinta anos, de norte a sul deste País. Ele foi um dos pioneiros da imprensa escrita na Assembléia de Deus no Brasil, que hoje chama-se CPAD. Como secretário geral das Missões da Igreja Filadélfia (Svenska Fria Missionen), em Estocolmo, desempenhou essas funções com o mesmo afinco de sempre. Com larga visão da obra, planejava o envio de novos missionários, enfermeiros e médicos, além de medicamentos e alimentos, em razão de sua preocupação com o lado social da missão. Além de poliglota (falava inglês, francês, alemão, espanhol e português, além de ter significativo conhecimento de hebraico e grego) e profundo conhecedor da Bíblia, e por isso era constantemente chamado para ministrar estudos bíblicos em muitas igrejas. Em uma dessas ocasiões, dirigia o seu automóvel Volvo Amazon rumo a uma cidade afastada de Estocolmo. Ainda não se afastara muito de casa, quando parou em um semáforo. Porém, uma vez acionada a luz verde, o carro do missionário não pôde prosseguir. Seu condutor passara para a eternidade. Tombara em pleno campo de batalha. Era o dia 14 de novembro de 1960. Samuel Nyström sempre dizia que no período que pastoreou a Assembléia de Deus no Pará, contava com a colaboração do pastor Josino Galvão de Lima que era conhecedor profundo das Escrituras, doutrinador que deixava profunda impressão nos ouvintes. Samuel Nelson
  9. 9. Prefácio Sermões de nossa história A este ano de 2006, em que comemoramos o Centenário do Movimento Pentecostal, lembramo-nos daqueles obreiros que, em solo brasileiro, trouxeram a Palavra de Deus, e por ela viram milhares de pessoas se rendendo aos pés de nosso Senhor Jesus Cristo. Lembramo-nos daqueles que trouxeram edificação e fortalecimento às iniciantes igrejas pentecostais. E não nos esquecemos daqueles obreiros estrangeiros, comissionados por Deus, que ousaram deixar suas terras, suas línguas nativas, e vieram pregar-nos a mensagem pentecostal: que Jesus salva, cura, batiza com o Espírito Santo e que Ele voltará. Entre esses obreiros, estava o pastor Samuel Nyström. Suas mensagens, expositivas ou temáticas, eram simples, mas diretas aos pecadores, a fim de que estes pudessem entender rapidamente a diferença crucial entre adentrar na eternidade com Cristo, ou passá-la sem Ele, e por este entendimento, tomassem uma decisão segura ao lado do Senhor. Pessoas eram salvas, libertas, curadas, batizadas com o Espírito Santo e testemunhavam daquilo que o Senhor lhes fizera. "E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja àqueles que se haviam de salvar" (At 2.47). A CPAD, resgatando nossos memoráveis momentos na história, traz ao leitor 99 esboços de sermões de Lars-Erick Samuel Nyström, um resumo deste apóstolo pentecostal sueco, que por trinta anos foi usado por Deus de Norte a Sul deste País. Missionário poliglota, com larga experiência no envio de outros obreiros para o campo missionário, Samuel Nyström também foi o pioneiro na seara da mensagem escrita, e deixou-nos, como legado, obras como Jesus Cristo, Nossa Glória e Concernente aos Dons do Espírito Santo, ambos editados pela CPAD. Que Deus possa abençoar a sua vida — como abençoou milhares de outras pessoas — à medida que você lê estes textos. Em Cristo, Ronaldo Rodrigues de Souza Diretor Executivo da CPAD
  10. 10. Sumário Agradecimentos. Apresentação. Prefacio. 1. A pedra de Israel - Gn 49.24. 2. Uma pergunta direta - Êx 10.3. 3. Que havemos de beber? - Êx 15-24. 4. Onde está o Senhor, Deus de Elias? -2 Rs 2.14. 5. O pecado da ambição - 1 Rs 21; 1 Tm 6.6; Lc 12.16-21. 6. Este dia é dia de Boas Novas - 2 Rs 7. 7. Nós somos teus - 1 Cr 12.16-18. 8. A importância da palavra - Nm 8.1. 9. Deus e a segurança e felicidade eterna - Jó 22.21-29. 10. Os bens - aventurados - Sl 1. 11. Salmo 23. 12. Salmo 32. 13. Homens felizes fazem outros felizes - Si 84.4,5. 14. O avivamento - SI 85-6,7. 15. Um vaso escolhido - Jr 18.2-6; At 9-15,16. 16. O rolo - Ez 3-1-15. 17. Os ossos secos que recebem vida - Ez 37.1-10. 18. A fidelidade dos jovens hebreus - Dn 3-17,18. 19. Prevaleceram - Dn 7.24. 20. A oração de Jonas - Jn 2. 21. Mas o justo viverá da fé - He 2.1-20. 22. A espada de Jeová despertada contra o pastor - Zc 13.7. 23. Será inútil servir a Deus? - Ml 3-14-18; 4.1,2.
  11. 11. 24. Os puros de coração - Mt 5-8. 25. O leproso curado - Mt 8.2,3. 26. A revelação quádrupla de Deus para esta dispensação - Mt 16.13-27. 27. O reino de Deus é poder- Mt 22.19; 1 Co 4.20. 28. Que farei, então, de Jesus?-Mt 27.22. 29- Trazei-mo - Mc 9-19. 30. Tende fé em Deus - Mc 11.22. 31. A incredulidade dos discípulos - Mc 16.9-20; 8.7,8. 32. Jesus - Jeová - Salvador - Lc 4.16-30; Jo 8.23. 33. A fé do centurião - Lc 7.1-10. 34. A mão do arado - Lc 9-61,62. 35. Lamentação do Salvador - Lc 13.34. 36. O pecador- Lc 15.10. 37. A verdadeira fé em ação - Lc 15.17-19. 38. A chamada da salvação - Lc 19.5. 39. Por que o Senhor precisa dele - Lc 19.31. 40. O cristianismo na joeira - Lc 22.24-32. 41. O arrependimento de Pedro - Lc 22.31-34,61,62. 42. Pai perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem - Lc 23.34. 43. A súplica do malfeitor é atendida - Lc 23.42. 44. Jesus aparece aos discípulos em Emaús - Lc 24.13-16. 45 O testemunho de João Batista - Jo 1.19,33,34. 46. Como Jesus é revelado em João 11. 47. O amor de Deus revelado - Jo 3.l6. 48. Ver, crer e ter - Jo 6.40. 49. O obreiro sem milagres, fiel ao Senhor - Jo 10.40,41. 50. Ela fez o que podia - Jo 12.1-8; Mc 14.3-9.
  12. 12. 51. Bom ânimo para vencer aflições - Jo 16.33; Jo 15-20; 2 Tm 3-12. 52. Eis que está orando - At 9-11. 53- Deus toma um povo para seu Nome -At 15.14. 54. Levanta-te e batiza-te - At 22.16. 55- O juízo e a bondade de Deus - Rm 2; 3.19; 1 Ts 1.10; Hb 9-27. 56. Servindo a Cristo - Rm 14.18. 57. Outro fundamento não pode haver além de Cristo - 1 Co 3.11. 58. Fostes comprados por bom preço - 1 Co 6,20. 59. A pedra era Cristo - 1 Co 10.4. 60. Cristo ressuscitou - 1 Co 15.20. 61. Salvação - Ef 2.8. 62. A Igreja apresentada ao seu Senhor- Ef 5.27. 63. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará - 1 Ts 5.24. 64. A retribuição divina - 2 Ts 1.4-11. 65. Paulo, um exemplo para os crentes - 1 Tm 1.16. 66. Cinco advertências aos hebreus. 67. Príncipe da Salvação - Hb 2. 68. A grande salvação - Hb 2. 69. Melquisedeque, rei e sacerdote - Hb 7.1-3. 70. Tu és sacerdote para sempre - Hb 7.17. 71. A perseverança na fé - Hb 10.19-26. 72. Pela fé Noé preparou salvação para si e sua família - Hb 11.7. 73. A salvação de Raabe - Hb 11.31. 74. Oportunidades perdidas - Hb 12.16. 75. As coisas móveis e imóveis - Hb 12.27. 76. Oração - Tg 5.16. 77. A salvação e a glória - 1 Pe 1.10,11.
  13. 13. 78. Bênçãos provindas da expiação- 1 Pe 1.19. 79. O sangue precioso - 1 Pe 1.19. 80. Todos os cristãos são sacerdotes - 1 Pe 2.5,9; 1 Co 12.12-14; Ef 1.22,23. 81. Enoque, o primeiro profeta e a mensagem - Jd 14. 82. O cordeiro e o leão de Judá - Ap 4; 5. 83. A árvore da vida - Ap 22.14. 84. Somos embaixadores de Cristo. 85. Pela fé Noé temeu para salvação - Rm 10.18. 86. O sangue da aspersão. 87. Os galardões dos cristãos. 88. Que pensais vós de Cristo? 89. "Já ressuscitou" 90. A segurança da Igreja. 91. "Novo" em tudo e por tudo. 92. Por que te demoras? 93. Salvação preparada. 94. Uma chamada para decisão. 95. Ricos trajes em lugar de hábitos sujos. 96. Sofrer com Cristo. 97. As condições para uma oração vitoriosa. 98. Os dons do Espírito.
  14. 14. A PEDRA DE ISRAEL Gênesis 49.24 A pedra ou a rocha era Cristo (1 Co 10.4). • Provada na sua vida (Is 28.16). • Fundamental pela sua morte (1 Co 3-11). • Viva na sua ressurreição (1 Pe 2.4). • A principal do ângulo (SI 118.22; 2c 4.7; na sua glória). • A que quebra e reduz a pó no seu juízo (Mt 21.44). UMA PERGUNTA DIRETA Êxodo 10.3 I. O orgulho do homem. a) Tolo - mostra falta de conhecimento de Deus. b) Presunçoso — deliberadamente resiste à vontade de Deus. c) Vão - o orgulho será posto abaixo (Pv 18.12). II. A pergunta de Deus revela: a) A sua graça. b) A sua dor. c) A sua impaciência. III. As desculpas comuns: a) Até outra ocasião. b) Até que eu sinta-me melhor. c) Até que a minha vida fique regulada. d) Até que termine o trabalho ou negócio que me impede. e) Até a hora da morte. Enfim, quando o meu tempo chegar. Mas o tempo de Deus é agora, hoje. Humilhai-vos (1 Pe 5.6).
  15. 15. QUE HAVEMOS DE BEBER? Êxodo 15.24 A inconstância dos homens a) Cantar (v. 1). b) Murmurar (v. 24). A incredulidade humana duvida das providências de Deus e em sua suficiência, confia em si próprio, e nos seus apetites, torna-se inimigo de Deus. Moisés intercedendo a favor do povo Não murmure, mas ore. Compare Tiago 5.16,17. O Senhor revela o remédio Na hora da necessidade a oração é respondida. Um lenho que tira as amarguras e dá doçura A árvore da vida no Éden não era acessível só depois que o lenho da maldição foi posto sobre quem era a própria vida é que fica aberto o caminho (1 Pe 2.24). O Senhor mostrou e ainda mostra a árvore (Jo 1.18; Rm 3.23; Mt 17.5). O lenho está próximo Deus está perto (Rm 10.8); os discípulos de Emaús, Maria, o cego de nascença. Um lenho aceito e aplicado. O lenho precisa tocar na água para produzir doçura e a signa precisa ser bebida. Veja o lenho e o machado (2 Rs 6.6). ONDE ESTÁ O SENHOR, DEUS DE ELIAS? 2 Reis 2.14 O Deus dos milagres existe? Sim, onde há homens de fé como Elias. • Qual foi à atitude de Elias e sua posição: "Perante cuja face estou" (1 Rs 17.1). Elias estava diante de Deus quando Israel procurava o que era seu. Compare Eli e Samuel. Ageu e Judá, (Ap 1.4-6); Gideão e Israel; Débora e os filhos de Rubem.
  16. 16. • Recebendo as ordens do Senhor (1 Rs 17.1,2). • Um homem obediente (v. 5). • Um homem de coração (Tg 5.17; 1 Rs 18.36,37, 42-46). • Deus de Elias protege o seu povo (1 Rs 17.3; SI 27.5; Is 26.20). • I teus de Elias cuida do seu povo (1 Rs 17.6, 13-16; 19.6-8). • Deus de Elias odeia idolatria. • Deus de Elias responde com fogo. • Deus de Elias tem sua mão sobre os seus servos. O PECADO DA AMBIÇÃO 1 Reis 21; 1 Timóteo 6.6; Lucas 12.16-21 O amor ao mundo é tão cruel como a morte, e leva a criatura, ao cárcere, ao asilo, ao suicídio e a despedaçar corações queridos. O passado de Acabe Apostatou-se pela influência da esposa. Ele volta-se para o Senhor no Carmelo depois de três anos e meio de castigo. Vencidos pela cobiça Anjos induzidos, Eva, Davi; A herdade de Nabote, não poderia ser obtida. As coisas proibidas sempre parecem vantajosas. Desgostoso, não come e deita-se aborrecido. Um fator esquecido Deus conhece os segredos, que serão revelados em seu tempo (Ananias e Safira). Uma reprovação severa Elias podia desejar outra mensagem, mas teve de falar da parte do Senhor que é tanto justiça e amor. A surpresa repentina "Já me achastes", disse Acabe a Elias. Melhor é ter um encontro com o servo de Deus a tempo do que com Deus sendo tarde.
  17. 17. ESTE DIA É DIA DE BOAS NOVAS 2 Reis 7 A fome em Samaria, 2 Rs 6.25-29 era horrível, quando veio uma mensagem de fartura (2 Reis 7.1). Quem acreditaria? Uma condição miserável: Imundos, expulsos, sem auxílio, sem esperança, prestes a perecer de fome, um retrato fiel do homem do mundo. Angústia extrema: "Para que estarmos aqui até morrermos?" Despertados começam a agir, aceitando o único caminho de salvação. Descoberta alegre: Quando os leprosos se levantaram, o Senhor operou. O arraial foi entregue, os inimigos não podiam assegurá-lo. Isto assemelha-se a cruz e o sepulcro vazio. Ele deixou salvação completa para nós. Conduta egoísta: Quantos demoram a participar da abundância. Comer, beber e esconder. Quantos cristãos? Lembrança da responsabilidade: Seguir e anunciar. Testemunho com sucesso: Muitos fartados de graça. O zombador morreu (v. 19). NÓS SOMOS TEUS 1 Crônicas 12.16-18 Um passo decisivo (v. 16). É necessário calcular o custo. Uma oferta condicional. Davi precisava de homens de qualidade. Só poderia haver dois motivos: ajuda ou traição. Sujeição pessoal. Amasai foi movido pelo Espírito (v. 18). Confissão da fé. Teus somos, pois Deus te firmou (Rt 1). A IMPORTÂNCIA DA PALAVRA Neemias 8.1 O povo clama pela palavra (Ne 8.1). As ferramentas do pedreiro, a espada e a palavra em boa harmonia. • Esdras, o pregador (Ed 7.6), sacerdote e escriba "segundo a mão do Senhor".
  18. 18. . Local da adoração (Ne 8.3,4). Os ouvintes: • Numerosos (v. 2), • Atentos ao livro e não ao pregador (v. 3). • Reverentes. Levantaram-se para ouvir e obedecer (v. 4). • Um povo responsivo e veemente (v. 6). Reação a palavras • Choro e arrependimento (v. 9). • Alegria no Senhor. Consolo e paz. • Serviço. Comendo e dando de comer. DEUS E A SEGURANÇA E FELICIDADE ETERNA Jó 22.21-29 Aqui não existem coisas permanentes (Hb 13.14). I. Deus é o lugar de segurança e conforto (v. 21). a) Possui paz. b) Recebe o bem. IL Como o homem pode achegar-se ao Todo-Poderoso; a) Recebendo a palavra. b) Colocando-a em seu coração. c) Lançando fora a iniqüidade. d) Deitando o seu tesouro no pó. e) Voltando-se para o Todo-Poderoso. III. Os resultados de ter o Senhor como tesouros a) Este tesouro não desvanece nem envelhece. b) Seremos restabelecidos (v. 23).
  19. 19. c) Riquezas abundantes (v. 25). d) Livre acesso ao Todo-Poderoso (v. 26). e) Orações respondidas (v. 27). f) Resoluções tomadas bem-sucedidas (v. 28). g) Salvo de todos os inimigos e circunstâncias (w. 29,30). OS BEM-AVENTURADOS Salmo 1 A palavra-chave deste Salmo é a bem-aventurança. A mesma encontra-se no sermão de Jesus e no Apocalipse. A entrada pura o reino do céu onde os justos são os bem- aventurados. As condições para a entrada: O que não é. O não faça ou farás de Deus. Três qualidades: ímpio, pecador e escarnecedor. Três estádios: seguir conselho, di"ler, assentar-se. O que é prazer na lei, é mais do que estar sujeito debaixo para guardar ou admirar a lei é para estar possuído da lei e isto só pode acontecer deixando o Espírito entrar e reinar. O bem-aventurado tem: • A sua raiz em Deus - caráter; • Tronco - conduta; • Atos — a ramagem; • Comunhão íntima - invisível; • Conduta - sua aparência geral; • Atos são frutos que podem ser melhores e piores, tudo conforme a qualidade da árvore e do fruto dela. O ímpio: • Não tem peso. • Levado onde não quer. • Guardado para o fogo.
  20. 20. SALMO 23 • Debaixo de mim - Verdes pastos. • Ao meu lado — Águas tranqüilas. • Comigo - Meu Pastor. • Perante mim - Uma mesa. • Em redor de mim - Meus inimigos. • Sobre mim - Unção. • Seguindo-me - Bondade e misericórdia. • Esperando-me — A casa do Senhor. • Decisão - Senhor, meu Pastor. • Segurança - Nada faltará. • Descanso — Deitar-me faz. • Restauração — Refrigerar. • Direção - Veredas da justiça. • Coragem — Andar pelo vale. • Comunhão — Tu estás comigo. • Consolo - Vara e cajado. • Previsão - Mesa. • Revestido - Óleo. • Satisfação - Cálice transborda. SALMO 32 • Transgressão. • Pecado. • iniqüidade. Pecado descoberto (v. 4). A falta de força natural (Pv 28.13). Pecado confessado (v. 5). Vê o filho pródigo.
  21. 21. Pecado perdoado (w. 5,6). Livre de pecado e renovado. Preservado no lugar oculto (v. 7). Instrução (v. 8). Aconselhamento (v. 8). Guardado (v. 10). Alegrado (v. 11). HOMENS FELIZES FAZEM OUTROS FELIZES Salmo 84.4,5 Feliz é: • Aquele que teme (SI 112). • Que confia (40.4). • Que tem o pecado coberto (Si 32.1). • Conhece o som alegre e caminha na luz (Si 89-15; LI), • Não duvida (Jo 20.29; Tg 1.12). • Crê e observa (Lc 11.28; Ap 22.7). • Tem fé e força no Senhor (2 Co 12.9; Fp 4.13). • Que conhece as entradas reais de Sião (SI 40.8; Lc 9.51-53; At 21.10-14). O AVIVAMENTO Salmo 85.6,7 Referências: SI 51.12, 13; 80.7; Is 32.15; Hb 3.2. O estado do mundo, da Igreja e dos crentes. O salmista argumenta com Deus e o lembra das suas benignidades, assim fez também Moisés e Habacuque (He 3.2). O avivamento só vem com humildade e é resposta de ora-i,.io. Ver Ezequias (2 Rs 19.1- 30). I. Deus é a fonte
  22. 22. Disposições para chegar a fé que vence obstáculos e os perigos da vida. Nenhuma organização, mas vindo do alto. II. Avivamento não é para os ímpios O avivamento sem conversão é perigoso. O avivamento começa individualmente com oração, leitura da palavra e testificação (Is 57.15). III. Para que o povo se regozije no Senhor Um avivamento sem alegria é como uma primavera sem flores. Uma vida de baixo nível espiritual dificilmente experimentará o regozijo. Muitos carregam pesos em lugar de serem carregados. O serviço a Deus, para muitos, parece mais um funeral do que uma festa. Cinco interrogações: 1. Você deseja realmente o avivamento comprometendo-se em orar constantemente? 2. Você deseja tanto o avivamento, que está pronto para pedir a Deus que jogue fora todos os empecilhos do teu coração? 3- Você deseja tanto o avivamento, que está pronto para assistir orações e cultos e lançar fora o orgulho, conforto e conveniência? 4. Você deseja tanto o avivamento, para buscar pecadores e orar a fim de que eles se convertam? 5. Você deseja tanto o avivamento, embora a resposta demore? Estás pronto para orar e trabalhar neste sentido? UM VASO ESCOLHIDO Jeremias 18.2-6; Atos 9.15,16 Existem vasos estragados e vasos escolhidos. Muitos vasos tornam-se estragados no seu primeiro contato com o mundo. Iguais ao filho pródigo que desperdiçou a sua fazenda, vivendo dissolutamente (Lc 15.13). Foram-se a esperança dos pais. "As, mas conversações corrompem os bons costumes" (1 Co 15-33) gerando mentiras, vícios, murmuração e orgulho religioso. Deus deseja que todos se salvem (1 Tm 2.4), e Ele pode salvar (Jr 18.6; Hb 7.25). Que levemos o seu nome, na vida e no testemunho (At 3 e i.I2, 13). Padecendo (2 Tm 2.12).
  23. 23. O ROLO Ezequiel 3-1-15 Me disse (Ez 1.26); mostra quem falou e que quer ser atendido (v. 8; Is 50.5). Gozo e alegria (Jr 15-16). Vai e diz as minhas palavras (v. 4) compare (Ez 2.4,7). O que a palavra produz (Ez 3.8) fineza e ousadia. Palavra no coração e o ouvido (v. 10). Manifestação sobrenatural (v. 12). Levantado e conduzido (v. 14). Amargo, mas também doce (Ap 10.9,10). OS OSSOS SECOS QUE RECEBEM VIDA Ezequiel 37.1-10 O profeta movido pelo Espírito: Visão pelo Espírito revela o estado verdadeiro das coisas (w. 1,2). • Ossos. • Sequíssimos. • Muitos. As possibilidades deste campo • A pergunta do Senhor • A resposta prudente. A intervenção divina • Comissionando o profeta • A pregação feita por ordem do Espírito é eficiente (w. 5,7). Resultado da intervenção divina por instrumento humano • Vida. . Um exército extremo.
  24. 24. A FIDELIDADE DOS JOVENS HEBREUS Daniel 3-17,18 I. O testemunho: Nosso Deus pode livrar. a) Fé no poder de Deus. O serviço fiel diário prepara um coração firme. b) Submissão à vontade de Deus. Compare Atos 4.19,20. II. Vitória: O fogo que não tem poder. a) Liberdade em novo sentido. b) Glória nas aflições. c) Comunhão mais íntima. d) Maior esfera de serviço. Se recusarmos diante de nós a imagem do homem ou rei, a imagem de Deus será manifesta em nós. PREVALECERAM Daniel 7.24 • O juízo prevaleceu sobre a incredulidade; • Prevaleceu sobre a indiferença; • Prevaleceu sobre os seus prazeres; • Prevaleceu sobre os esforços de salvação; • Onde o juízo não prevaleceu; • Sobre a fé que aceita a palavra de Deus; • A Ir que faz o que Deus quer; • A salvação de Deus acima do juízo; • A fé que faz outros participantes da salvação.
  25. 25. A ORAÇÃO DE JONAS Jonas 2 • Jonas arrependido sob disciplina (v. 2). • Estranhas experiências que passou (w. 3-6). . A expectação no meio das tribulações (v. 4). • A fé nasce no meio das aflições (w. 6, 7). • lição apreendida (v. 8). • Resultando em votos (v. 9). • A resposta de Deus (v. 10). • Resultado para o povo de Nínive (Jn 3). MAS O JUSTO VIVERÁ DA FÉ Habacuque 2.1-20 • Profeta de atalaia (v. 1). • Mensagem clara (v. 2). • Tempo determinado (v. 3). • Ai, sobre os desonestos (v. 6), • Ai, sobre os cobiçosos (v. 9). • Ai, sobre os opressores (v.12). • Ai, sobre os que embebedam com entorpecentes (v.15). • Ai, sobre os idólatras (v. 19). • Jeová está presente no seu santo templo (v. 20). Os que permanecem diante dEle são os justos e estes vivem da fé (v. 4).
  26. 26. A ESPADA DE JEOVÁ DESPERTADA CONTRA O PASTOR Zacarias 13.7 Os dois diferentes pastores dos capítulos 11 e 13. A espada despertada para executar justiça O meu Pastor, não um usurpador, mas o companheiro de Jeová, SERÁ INÚTIL SERVIRA DEUS? Malaquias 3.14-18; 4.1,2 A atitude dos incrédulos e perversos (Ex 5.2), compare (SI 73.14,15; Jó 34.9; 20.5); exemplo: Judas e Demas. Os que temem ao Senhor (Ml 3.16), compare (Ne 5.15). Falem cada um com seu companheiro (Dt 6.6,7; Lc 24.14; Km 10.IS). OS PUROS DE CORAÇÃO Mateus 5.8 O que é o coração? A sede da vontade, das aflições e desejos. O estado do coração do homem (Jr 17.9; Ec 8.11 ; 9.3; Jr i I i. Mi 12.35; 15.19). Pode algum homem se purificar? (Pv 20.9). O que é um coração puro? Onde há harmonia perfeita com o Criador (Si 40.8). Como pode o coração ficar puro? • Pela fé no sangue de Jesus (At 15.9; Hb 9.14). • Permanecer na verdade de Deus (Jo 17.17; Ef 5-26).
  27. 27. O LEPROSO CURADO Mateus 8.2,3 Que foi ele: • Doente de lepra. . Impureza contagiosa. . Separado da comunhão e os privilégios. • Incurável sem esperança dos homens. O que ele fez: • Chegou a Jesus, fonte da vida e saúde. Nilo se amedrontou da multidão. • Confessou a sua necessidade. • Veio com fé no poder de Jesus. O que ele recebeu: • Um toque de Jesus — compaixão ou identificação. • A palavra de Jesus - Iluminação. • Poder de Jesus - salvação. A REVELAÇÃO QUÁDRUPLA DE DEUS PARA ESTA DISPENSAÇÃO Mateus 16.13-27 I. A revelação da natureza de Jesus (vv. 13-17). a) Ter conhecimento da pessoa de Jesus para compreender sua obra (Ef 1.17-19). b) Cristo ungido (Is 35.42,61). c) Homem, ungido, Deus. Compare (Mt 9-6). d) Elias, Jeremias, etc., mas Pedro conhecia (Si 25-14). e) Fundamento: Verdadeiro Deus, Homem perfeito, o Ungido. II. A revelação da Igreja (vv. 18-20). a) Ouviram a voz: Jo 10.16,17; Jo 1.12,13; Ef 1.13,14; 1 Co 6.11,19,20. III. A revelação da cruz (vv. 21-26).
  28. 28. IV. A revelação da sua vinda na glória (v. 27). O REINO DE DEUS É PODER Mateus 22.19; 1 Coríntios 4.20 • O erro dos saduceus e fariseus se repetem continuamente. • Os saduceus puseram à palavra a parte pela sua tradição. • Os fariseus trocaram o poder de Deus pela sua compreensão das letras. Há um perigo grave em não conhecer as Escrituras • Os discípulos (Jo 20.9). • Os judeus (At 13.27,28). Podem conhecer a interpretação dos homens, mas faltam conhecer as verdades de Deus, nisto se encontra o perigo de torcer as escrituras (Mt 4.6); Compare 2 Coríntios 2.17. O poder de Deus: • livra (Dn 3.17). • Transforma (Zc 3.8). • Cumpre promessas (Rm 4.21). • Traz graça abundante (2 Co 9-8). . Faz muito mais abundantemente (Ef 3.20). • Sujeita tudo (Fp 3.21). • Salva completamente (Hb 7.25). • Guarda queda (Jd 24). QUE FAREI, ENTÃO, DE JESUS? Mateus 27.22 . A aceitação ou condenação muito depende da nossa decisão diante de Deus (Jo 3-18). . A paz da nossa consciência (Rm 5.1). . Tornaram se filhos de Deus (Jo 1.12).
  29. 29. • Gozo verdadeiro (1 Pe 1.8). • Vida eterna (Jo 5.24; 36). O que devemos fazer: . Aceitar ou rejeitar (Jo 12.44-48). . Deixá-lo entrar ou deixá-lo fora (Jo 3.26) . Confessá-lo ou negá-lo (Mt 10.32,33). • A favor ou contra Jesus (Mt 12.3). Quem Ele é: • O Filho de Deus que se fez homem. • Nosso Salvador. • Nosso Rei e Senhor, divinamente ungido (At 2.36; 5.31). TRAZEI-MO Marcos 9.19 • Jesus e os discípulos no monte em oração. • A conversa no monte sobre a retirada de Jesus, • Em baixo, ao pé do monte outros discípulos. • Um pai atribulado sem socorro. • A origem do fracasso dos discípulos. • Discutiam, argumentavam, defendiam-se. • Outro exemplo: Junto das lareiras de Ruben. • "Trazei-mo", de Jesus. • O perigo dos servos de Deus pensarem nas suas necessidades. • O perigo dos faltosos na fé desculparem-se.
  30. 30. TENDE FÉ EM DEUS Marcos 11.22 É necessário Confiança e fé em todas as circunstâncias da vida, pois: • A fé é essencial para obter vida (Jo 3-36), • A fé é essencial para escapar da distinção (Jd 5). • A Fé é necessária para agradar a Deus (Hb 11.6). • Que tem valor diante de Deus (Gl 5.6; 1 Co 13). De onde e como vem à fé (Rm 10.17; Rm 12.3). O que é a fé? • A fé é a prova das coisas que se não vêem (Hb 11.1); compare com a eletricidade, ondulações de rádio. • A fé está ligada a Cristo e a sua obra. • Devemos batalhar (Jd 3). • Conservar (1 Tm 1.19); sã, Tt 1.13. • O galardão (Hb 11.6). • Abraão (Rm 4.19,20). • Jacó (Gn 32). • Elias (1 Rs 18.1). • A viúva (Lc 18.1-7). A INCREDULIDADE DOS DISCÍPULOS Marcos 16.9-20; 8.7,8 • Coração natural (Jr 17.9,10). • Homem despertado do seu estudo (Rm 7.18). • Jesus manifestou em poder a Maria. • Revelação de graça (v. 9). • Grande tristeza (Jo 16.20-22).
  31. 31. • Apareceu em outra forma (Mc 16.12). Consagração (Js 24.14-16, 23-25). Pedir o Espanto Santo (Lc 11.13). Alguns acham que não precisam pedir: • Coração limpo (At 15.8, 9). • Oração imensa (At 1.12-14; 2.1-4). A oração é a nossa respiração. Precisamos de respiração própria: • Receber o Espírito Santo pela fé (Gl 3-14). • Dar gradas pela promessa (1 Jo 5.14). JESUS - J EOVÁ - SALVADOR Lucas 4.16 30; João 8.23 • A atitude de Jesus lendo as Escrituras — o livro de Isaías - e falando a respeito de si mesmo. • A consideração do povo a respeito de Jesus. • A resposta de Jesus pelos fatos que se deram com Elias e Elizeu e a significação dos nomes. • Manifesto na saída de Nazaré. • Jesus manifesta-nos claramente sua origem (Jo 8.23). Zoroaster, Buddha, Laotze, Confúcio, Mahomet professaram ter a verdade e a luz. Jesus disse: "Eu sou..." (Jo 14.6; 8.12; 10.9). • Eles falaram da necessidade da alma - Jesus lhes disse: "Eu sou o pão da vida (Jo 6.35,48). • Nenhum destes líderes exigiu adoração como Deus (Jo 5.23). • A ressurreição é obra de Deus (Jo 5.21). • Manifestou seu poder (Jo 11.43). • Jesus declarou igualdade com Deus (Jo 10.30; 14.9). • Enviado do Pai (Jo 16.28). • A sua persistência (Jo 8.58; 17.5).
  32. 32. • A sua glória moral. Todos os outros líderes eram falíveis. Jesus nunca falhou, era sem pecado, não precisou pedir perdão, nem recuou um passo. Ele disse: "Quem dentre vós me convence de pecado? (Jo 8.46) A FÉ DO CENTURIÃO Lucas 7.1-10 A necessidade do servo: • Sem recursos válidos. • Grandemente enfermo (Mt 8.6). • Gravemente enfermo (Lc 7.2). A petição tio centurião: • Iluminado: veio conhecer o médico competente. • Humildade: não se julgando digno (w. 6,7). • Asiedade: insistência em rogar. • Crendo: A palavra de Cristo e a fé se unem (v.7). A resposta do Salvador: • Imediata: Jesus foi com eles (v. 6). • Jesus elogia tamanha fé (v. 9). • Jesus curou o enfermo (v. 10; Mt 8.13; SI 107.20). A MÃO DO ARADO Lucas 9.61,62 Quem arar tem de estar ocupado com as duas mãos e os olhos fitos no fim da jornada. A mínima desatenção para o lado ou para traz desvia o rego. Isto adverte-nos acerca do perigo de atrasarmos a entrega de nossas vidas a Deus. Olhar para trás Serviço defeituoso e não apto (Hb 10.38).
  33. 33. Digno do Reino 2 Ts 1.5; Fiel no pouco (Lc 18.17). LAMENTAÇÃO DO SALVADOR. Lucas 13.34 • Um propósito de graça — Não juízo, mas salvação. • Misericórdia infinita — Ajuntar debaixo das asas. • Onipotência — Quis eu. • Compaixão longânime — Quantas vezes. • Angústia de coração — Jerusalém... • Resistência por querer — Não quisestes. • Resultado do amor ferido: vossa casa deserta, não me verá. O PECADOR Lucas 15.10 • interesse de Deus pelo homem. A ovelha e a dracma perdida. • Os homens não dão valor ao indivíduo quando este não possui algo especial (v 15). • Deus tem cuidado até dos meninos (Mt 18.6). • Jesus deu o seu tempo para as pessoas: Nicodemos, a pecadora (Lc 7.48); mulher Cananéia (Mt 15.22); mulher samaritana; o perseguidor Saulo, etc. A VERDADEIRA FÉ EM AÇÃO Lucas 15.17-19 As palavras supracitadas ilustram de um modo convincente a fé salvadora. A fé é uma palavra muitas vezes mal-entendida. Muitos acham que fé é imaginação. Fazem da fé um substituto da realidade, sim, até da experiência espiritual. Mas aquele que vive uma vida verdadeira de fé compreende como tais definições são falsas.
  34. 34. A fé salvadora se concentra nas realidades divinas e eternas, e em lugar de substituir a experiência, a fé conduz para as provas mais reais e maravilhosas que a vida humana conhece. A fé verdadeira é sempre conhecida pela sua ação. Tiago diz na sua epístola que a fé sem obras é morta (Tg 2.17). A CHAMADA DA SALVAÇÃO Lucas 19-5 Os contrastes entre Bartimeu e Zaqueiu: • Os extremos da cidade e das posições; um querendo misericórdia e outro ver Jesus. • A posição social. • Um desejo sincero. • Uma dificuldade dupla; pequena estatura e grande multidão. • Uma determinação resoluta: correndo, subiu na figueira. • Uma chamada inesperada. • Uma chamada benévola e graciosa. • Jesus podia ter passado. • Uma chamada pessoal. • Uma chamada para descer. • Uma chamada urgente, depressa, hoje. • Uma chamada terna. • Uma chamada certa — convém, tenho de demorar. • Uma chamada efetiva — apressando-se, não se desculpou. • Salvação instantânea. POR QUE O SENHOR PRECISA DELE Lucas 19.31 • Jesus necessita de um jumentinho. O nosso Senhor, Criador do céu e terra e dominador da natureza e dos anjos escolhem um jumentinho para ser servido e carregado (Zc 9-9).
  35. 35. • A qualidade do jumentinho deveria ser originalmente domesticado e não bravo — o homem natural (Jó 11.12). Segundo a Lei — imundo (Lv 11.26; SI 51.5). • Imprestável para Deus e apto para destruição (Ex 13.13). Classificado com os filhos do jumento. • Issacar (Gn 49.14,15). O CRISTIANISMO NA JOEIRA Lucas 22.24-32 • As grandes esperanças se desvanecem numa noite • A questão de quem é maior (v. 24,30). • Inimigo que espreita: Satanás (v. 31). • A fé e a sua perseverança são de suma importância (v, 32). • Intercessor - Jesus (v. 32). • Só os verdadeiros convertidos podem confirmar os seus irmãos (v. 32). O ARREPENDIMENTO DE PEDRO Lucas 22.31-34, 61,62 • Discípulo devoto a Jesus (Lc 5.3). • Discípulo obediente (Lc 5.5). • Discípulo de fé (Mt 14.28). • Discípulo de visão (Mt 16.16). • Discípulo de perseverança (Jo 6.68). • Quem não negar-se a si mesmo negará a Jesus (Ml 16.24; Lc 22.34). • Pedro durante o sábado em Treuas. • Pedro confessando três vezes (Jo 21). • Pedro revestido de poder (At 2).
  36. 36. PAI PERDOA-LHES, PORQUE NÃO SABEM O QUE FAZEM Lucas 23.34 I. A paciência e a compaixão de Cristo na cruz (Is 53.7; 1 Pe 2.23; Is 53-12; Lm 1.12). a) A natureza humana teria pedido vingança (Ap 6.9,10). b) O ano aceitável do Senhor (Lc 4.19). c) O malfeitor arrependido (Mt 27.44; Lc 23.40-43). II. O pecado por ignorância não inocenta, nuas pode diminuir a culpa; a) Os quatro soldados tiveram menos culpa do que Judas (Jo 19.23). b) Apesar da ignorância dos sacerdotes, Cristo usa de compaixão para com eles "Como lês? [...] Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, [...] e ao teu próximo como a ti mesmo (Lc 10.26). c) O pecado de deixar de cumprir o: Ide pregai (Mc 16.15). d) O Evangelho do Poder (Rm 1.16). Quais são os atingidos por esta oração? • Os soldados, os sacerdotes (At 3-17) e o povo (At 13-27). • Há purificação de todo o pecado, o malfeitor é um exemplo (1 Jo 1.7). • A oração na ocasião da ceia é em favor dos discípulos (Jo 17), mas a da cruz abre a nova dispensação. • A oração de Jesus mostra que todo o pecado é ofensa ao Pai. Cristo dispensa perdão incondicionalmente? Não, a fé é necessária. A SÚPLICA DO MALFEITOR É ATENDIDA Lucas 23.42 A oração de Jesus mencionada no verso 34 recebeu resposta imediata, quando um pecador nas mais difíceis condições chega ao arrependimento. A mais notável conversão. Na última hora!!!
  37. 37. Jesus sofreu o insulto dos homens de ter sido colocado entre dois malfeitores e transformou isso em bênção tanto para o malfeitor como para nós. Parece que o único que entendeu a verdade das palavras da cruz foi o malfeitor arrependido: "Hoje [tão depressa] estarás comigo [que companhia!] no Paraíso [que descanso!]" O malfeitor é um dos mais maravilhosos exemplos de fé. Ele enxerga o Reino espiritual, enquanto Cristo é coberto de zombaria. Ele tem uma visão maior do que os apóstolos tiveram no momento. Reconheceu Cristo como Senhor e Salvador enquanto os discípulos de Cristo o abandonaram. Os seus pecados foram perdoados naquele momento. O penitente ainda prega ao seu companheiro que também sofria sobre a cruz. A fé do malfeitor é a riqueza da graça de Cristo: "Hoje estarás comigo no Paraíso" Não hã lugar para purgatório! Não se encontra lenha na Escritura para acender este fogo. O penitente creu em Cristo só pelo fato de ter visto a sua morte! Dois estavam ao lado de Jesus, um se salvou e o outro se perdeu. A graça é para todos! JESUS APARECE AOS DISCÍPULOS EM EMAÚS Lucas 24.13-16 Dois discípulos conversavam a respeito da morte de Jesus e a incerteza do lugar onde pusera o seu corpo e o que se falava sobre a ressurreição. O estado dos discípulos: • Tristes • Olhos fechados para reconhecer (v. 16). • Sem discernimento a respeito da pessoa de Jesus (v. 19-21). • Duvidosos sobre o corpo e se Ele estava vivo. A repreensão e a exposição de Jesus (v. 25-27). A satisfação dos discípulos (v. 28,29). O reconhecimento de Jesus (v. 30,31). O benefício e o resultado da revelação (v. 32-34).
  38. 38. O TESTEMUNHO DE JOÃO BATISTA João 1.1933,34 • A humilde aparência exterior. • A chamada de Deus. Jesus é o Cordeiro de Deus (v. 29). • A expressão surpreendente em relação a um homem • Tira o pecado, não de uma família ou uma nação — mas do mundo inteiro (1 Jo 2.1,2; 1 Pe 1.18,19). • Tirar a responsabilidade do pecado, passar por cima (Êx 12.23). • Moisés levou o povo a Canaã, Cristo foi levado ao Pai. Jesus batiza com o Espírito Santo (v. 33). João batizou com água, mas Jesus é o que batiza com o Espírito Santo a todos os que crêem em seu nome (At 5.32; 15.8,9). Ele é o Filho de Deus (v. 34). Ele é o Esposo que tem a esposa (Jo 3-28-36). COMO JESUS É REVELADO EM JOÃO 11 Este evangelho revela a sua divindade. • Divino nas suas revelações e nos seus propósitos (v. 4). • Também inteiramente humano (v. 5). • Fiel cumpridor dos seus deveres (v. 7-9). • Gozo que se manifesta nas dificuldades a fim de despertar a fé (v. 15). • Sua comoção ou indignação (w. 33,38). • Sua compaixão (v. 35). Compare (Hb 4.15) • Seu poder (w. 43,44). Compare (Cl 3.4). Se creres verás a glória de Deus (v. 40). • Prova da fé: Tirai a pedra!
  39. 39. • Palavra de dúvida: Já cheira mal. • Repreensão de amor: Não disse eu. • Obediência da fé (v. 41). • A glória de Deus (v. 42-44). Besligai-o e deixai-o ir (v. 44). João 11.44. Um caso perdido para os homens: • Morto. • Enterrado. • Corpo em decomposição Jesus veio: • A esperança nasce (v. 11,21,22,40). • Os obstáculos são tirados (v. 39,47). • A saída do sepulcro e a vida devolvida (v. 44). Jesus veio dar liberdade aos cativos (Lc 4.18; 8.38). Jesus veio libertar do medo da morte (Hb 2.14,15). Trazer à luz pelo evangelho (2 Tm 1.10). O AMOR DE DEUS REVELADO João 3.16 • Revelação de uma grande necessidade (At 4.12). • Revelação de um grande amor (Ef 2.4; Rm 8.32). • Revelação de um grande sofrimento (Jo 8.28; At 20.28). • Revelação de um grande propósito (Zc 13-1). Revelação de um grande privilégio: • Livramento de condenação (v. 18). • Livramento de destruição eterna (v. 16). • Segurança de vida presente e eterna (v. 15,16).
  40. 40. Revelação de uma grande responsabilidade: crer (v. 36). VER, CRER E TER João 6.40 • À vontade do Pai e a vinda de Jesus • Para revelar a Deus o seu amor • Para termos a vida (1 Jo 4.9). • Por meio da propiciação (v. 10). Ver Jesus: Quantos? Todos. Como? Ver com os olhos materiais e intelectuais: • Não só uma personagem histórica; • Não só um idealista; • Não só um reformador; • Não só um operador de milagres; • Não só como salvador do mundo. Mas com os olhos e coração abertos, como Salvador e Redentor. Obter a vida: Dádiva de Deus, por Cristo (Rm 6.23). Vida de natureza celeste e eterna. A morte não assusta mais. Ressurreição: A morte física para o crente é descanso. Ressurreição indica nova atividade; reinar com Cristo, felicidade perpétua. O OBREIRO SEM MILAGRES, FIEL AO SENHOR João 10.40,41 1. João não operou milagres Não foram os milagres que se tornaram às bênçãos do seu ministério, mas a fidelidade. Muito menos suas vestes e comida que atraíram os homens. Nem mesmo a sua voz potente por mais que ele tenha a usado para tal, A voz monótona, untuosa, declamadora não teve assim tanta importância. A diferença é que João era cheio do Espírito Santo no espírito e virtude de Elias em coração aquecido e transbordante.
  41. 41. Muitos julgam que pelas vestes solenes infundem respeito e atraem pessoas para Cristo. Profissão religiosa (Mt 23.5)- Nem a comida tem importância (Rm 14.7; 1 Tm 4.3; Cl 2.16,18). II. Deu um testemunho verdadeiro de Jesus Muitos, através de sua vida e testemunho, colocam tropeços no caminho dos que querem seguir a Jesus. Ministros destroem congregações dando pedras em lugar de pão. Eles não entram e não deixam os outros entrarem para comer o, pão de Deus. Não crêem o que está escrito e por isto não fazem. Todos têm o dever de falar a verdade sobre Jesus, senão desviam a sua missão. Três coisas são necessárias diz Ruskin para ser artista: "Olho para ver, coração para sentir e mão para efetuar". 1. Olho que vê: Distingue o Salvador e as necessidades dos| homens para lhes apresentar. Ezequiel viu o vale dos ossos secos — desolação. É necessário profetas que desejem clamar! Pelo sopro do Espírito como Ezequiel fez. 2. Coração que sente: Pregação sem coração faz gelar e produzir incredulidade. Paulo, Moisés e Jeremias suplicaram e tiveram os corações ardentes pelo povo. Jesus chorou sobre Jerusalém. De tais corações correram rios de água para salvar e conduzir almas perdidas. Duas coisas eram vitais na vida de João: Cheio do Espírito Santo e a vida separada para Deus. ELA FEZ O QUE PODIA João 12.1-8; Marcos 14.3-9 Uma boa obra de amor: • Obra de sacrifício (Mc 14. 3,5). • Obra de fé (v. 8). • Obra em tempo (v. 7). Diferentes resultados: • Indignação de alguns (v. 4). • Aprovação de Cristo (v. 8). • Aceitação e justificação (v. 6, 7). • Louvada (v. 9).
  42. 42. BOM ÂNIMO PARA VENCER AFLIÇÕES João 16.33; João 15.20; 2 Tm 3.12 • A despedida de Jesus (Jo 14.17). • Aviso das aflições - Dificuldades (Mt 26.31; Lc 22.31). • Perigo (Lc 22.33,46,54). • A cruz que esperava Pedro (Jo 21,18). Os meios da vitória: • Amar X jejum e trabalho (Jo 21.15; 1 Co 13). • Amor manifesto (1 Jo 5.3; Jo 14.21). • O Senhor conhece as nossas poucas forças. Experiência de Paulo (2 Tm 4.16). • Segue-me! (Jo 21.19) para alcançar o galardão (Ap 20.4). EIS QUE ESTÁ ORANDO Atos 9.11 • Deus se alegra e fala com admiração da oração de Saulo (v. 11). • Homem de oração agrada e fica confidente de Deus. A oração de Saulo foi o resultado de um coração sincero que encontrava-se errado, abatido e vencido nos seus planos. O efeito da oração. • Uma mudança completa em ações • Uma nova visão • Outros crentes glorificaram a Deus (Gl 1.22-24). • Um apóstolo dos gentios. Deus distingue entre os que oram e não oram. Deus responde a oração. Ananias duvida e enxerga somente as circunstâncias, mas Deus vê o coração. Os Ananias duvidosos precisam só aceitar a revelação de Deus, depois verão. Orar é um sinal da graça de Deus. A oração muda as coisas.
  43. 43. DEUS TOMA UM POVO PARA SEU NOME Atos 15-14 • Um esboço do que vai acontecer (Jr 12.14-16; Am 9.7-15). • A nossa posição entre os homens (At 1.8; Mt 10.32,33). • A ordem de Jesus (Mc 16.15,16). Indica uma necessidade do mundo: • Interior estado corrupto por pecado. • Exterior cobiça do olho, da carne, e da vaidade da vida. • Resultado no além — trevas. A provisão. O evangelho: Boas Novas de graça e gozo. Encarnação do Filho de Deus — Emanuel, Deus conosco — Salvador. Prejudiciação pelo sangue. A igreja resgatada pelo seu próprio sangue. Ressuscitados pelo poder de Deus. O mortal se tornará imortal. Glorificados pela presença de Deus. Veremos como Ele é e seremos semelhantes a Ele. LEVANTA-TE E BATIZA-TE Atos 22.16 • Um homem religioso e instruído (v. 3). • Zeloso da sua religião (v. 4,5). • Veio conhecer o seu erro de repente (v. 6). • Veio conhecer o seu estado (w. 7,8; Mt 12.30). • Veio conhecer como a luz (At 26.16-18). O conhecimento do Caminho traz responsabilidades. • Deixar os pecados (1 Pe 3.20,21). • Levantar-se: Decisão e confissão (Rm 10.10). Batizar-se: Uma ordem irrevogável do Senhor. • Um ato de obediência (Lc 7.30).
  44. 44. • Jesus abriu o caminho (Mt 3). • Uma confissão da sua relação ao mundo e ao Cristo (Rm 6.4-6). Uma lavagem — não das impurezas dos pecados do cora-j ção, mas para obter uma boa consciência (1 Pe 3-21,22). O JUÍZO E A BONDADE DE DEUS Romanos 2; 3-19; 1Tessalonicenses 1.10; Hebreus 9.27 Uma das razões do juízo de Deus: - O estado natural do homem (Jo 14.4; Si 51.5; Rm 5.17,18)- Uma gota de veneno no copo estraga todo o conteúdo (Gn 6.5-7). Juízo das obras (Ap 20.12): • Obras conhecidas (Ap 21.8). • Não havia desculpas justificadoras (Lc 16.19-25). • Confissão igual ao do malfeitor (Lc 23.40,41). O juízo de Deus sobre a negligência: • Não vieram em socorro do Senhor (Jz 5.23). • Não edificou a casa sobre a rocha (Mt 7.26). • Não o fizestes a mim (Jesus). (Mt 25.45,46). • Não conhecer e não obedecer (2 Ts 1.8). • Não crer em Jesus (Jo 3-36; 16.9). • Não usar a mina (Lc 19-20-26). A concepção de Deus sobre o pecado e o errar o alvo. A bondade de Deus em Cristo. Nosso substituto (Rm 8.3; Ef 1.7; 1 Jo 3-5; Hb 10.12; Gl 1.4; 1 Jo 2.2; 1 Pe 3.18; Hb 9- 28; 1 Pe 2.24; Mt 26.28; 1 Co] 15.3; Rm8.1).
  45. 45. SERVINDO A CRISTO Romanos 14.18 Um mandamento para servir a Deus (Êx 23.25; Si 2.11; 100.1; Hb 12.28). • Para poder servir a Cristo é necessário segui-lo (Jo 12.26). • Dificuldades no caminho (Mt 8.18-22). • A chamada do Senhor aos que libertou (1 Co 7.22,23). • Serviço é de coração; não para agradar aos homens (Cl 3-22-24). Compare com At 4.14. Como devemos servir: • Em justiça: (Dn 4.27; Os 10.12; Mt 5.20; Fp 1.11). • Em paz: (SI 4.8; Lc 1.78,79); guiado em paz (Rm 8.6; Gl 5.22). • Gozo: (SI 126.2); Libertação (Is 21.10; vestido Jr 15.16). • Deleitando-nos na palavra: (At 8.5-8). • Avivando-nos espiritualmente. Amando a Cristo (1 Pe 1.8). OUTRO FUNDAMENTO NÃO PODE HAVER ALÉM DE CRISTO 1 Coríntios 3.11 Resgate de cada israelita (Êx 30). Este dinheiro era a base do Tabernáculo (Êx 38.27). Compare (1Pe 1.18,19). Não há nenhum outro fundamento de salvação. Ajuntados no fundamento, um em Cristo (Êx 36.24). Ligados por barras. Barras são como braços. Concessão tripla, fé, esperança e amor (1 Ts 1.3). Suficiência tripla, Deus trino (2 Co 13.13). FOSTES COMPRADOS POR BOM PREÇO 1 Coríntios 6.20 Referências: (1 Co 7.23; Ap 5.9,10).
  46. 46. • Resgatados da maldição (Gl 3.13). • Resgatados dos pecados (Cl 1.14). • Resgatados das vãs maneiras (1 Pe 1.18). • Resgatados pelo sangue (Hb 9.12; 1 Pe 1.19). • Resgatados gratuitamente (Rm 3-24). • Resgatados para glorificar (1 Co 6.20). • Resgatados para estarmos livres dos homens (1 Co 7.23). • Resgatados do domínio das coisas (1 Co 7.29-31). • Resgatados para ser rei e sacerdotes (Ap 5.9,10). A PEDRA ERA CRISTO 1 Coríntios 10.4 • A pedra estava em um lugar seco e infrutífero (Is 53.2; Jo 1.46). • A pedra escolhida por Deus. • A pedra de propriedade de Deus. • A pedra cheia de bênçãos invisíveis. • A pedra foi rejeitada. • A pedra rendeu os seus tesouros depois de rejeitada. CRISTO RESSUSCITOU 1 Coríntios 15.20 A esperança da ressurreição. Assim como Israel comeu do fruto da nova terra e ofereceram o molho movido, assim Cristo é as primícias. Não é em vão a vossa fé (w. 16,17). A ressurreição dos mortos. Através do primeiro homem, Adão, veio a morte e com ela a tristeza, a dor e sofrimento. Pelo segundo homem, Jesus, a ressurreição dos mortos. Em Cristo seremos vivificados e ressuscitados na sua vinda (Ap 10.5). O corpo da ressurreição (v. 35-49).
  47. 47. Não será o mesmo corpo que surgirá (v. 37). Um corpo dado por Deus (v. 38). Mansidão, amor, os caracteres especiais. Um corpo incorruptível (v. 42). Incorruptível de doença. Um corpo de glória (Mt 17.2; 1 Jo 3.2). Um corpo de poder (v. 43). Não sujeito às leis terrestres, todas as cadeias quebradas. Um corpo espiritual (v, 44). Imagem do celestial (v, 49). SALVAÇÃO Efésios 2.8 • A ruína do pecado (Rm 9.23; 1 Jo 3-4). • Debaixo da lei. Salvação necessária. O estado do homem exige: • Para se ter um relacionamento com Deus — obediência. • Para conhecermos a nós mesmos — santidade. • Para termos um relacionamento com o próximo — amor. • O pecado é como a lepra que perverte todo o nosso ser. Nossos sentimentos, nossos pensamentos e vontade são corruptos, pois nascem do coração corrompido. • O resultado (Ez 18.4). • Sem fé - perdição (Jo 3-16).
  48. 48. A IGREJA APRESENTADA AO SEU SENHOR Efésios 5.27 Como noiva tem certeza do encontro com o noivo (Jo 14.8; At 1.11; 3.20, 21; 2 Pe 3.4,9,11-13; 1 Ts 1.10; 4.15-18; Tt 2.13). Como Isaque teve um criado para buscar Rebeca, assim o Espírito Santo foi buscar e preparar a noiva. A noiva não deve estar ociosa (Ap 1.3; 16.15; Mt 24.43-45; 2 Co 5.3). Não abandonar seu lugar por comodidade (Ap 3.17), nem ser prostituta (Ap 2.20,21). Apresentada gloriosa para Ele (2 Co 5.10; SI. 45.9,13; Pv 31.22; Ap 19.8; Hb 10.14). Sem mácula. (2 Co 6.17,18; Ap 2,3). Sem ruga. Santa = Separada (Hb 12.14; 1 Pe 1.15,16). Irrepreensível estando em Cristo (Rm 8.1). Esperando dEle a promessa do Pai (At 1.4). Fazendo tudo por Cristo (Cl 3-17). FIEL É O QUE VOS CHAMA, O QUAL TAMBÉM O FARÁ 1 Tessalonicenses 5.24 A falta de fidelidade no mundo. A prescrição de dívidas e juízes, etc. • A fidelidade de Deus: 1 Co 1.9; Dt 7.9- • Por duas coisas (I Ib 6.18;2 Ts 3.3; Hb 2.17). • A vocação divina • Quem Deus chama • A realização do propósito de Deus A RETRIBUIÇÃO DIVINA 2 Tessalonicenses 1.4-11 • Lei do Sinai (Êx 19-18; Dn 7.9,19; Hb 10.27; 12.29) • Não conhecem a Deus assim como Faraó (Êx 5.2) • Todos que confessam, mas negam com as obras (Tt 1.16; Rm 10.3,10
  49. 49. • Banidos para longe (Mt 25.41). A viagem: (Dn 7.13, 14; Ap 1.6). Os servos com talentos: os dons e ministérios (At 2.3,4; 1 Co 12; Ef4.12). Cidadãos. À volta (2 Co 5.10). O galardão dos fiéis. Três classes (Mt 25-21). O juízo dos incrédulos (1 Co 15-25). PAULO, UM EXEMPLO PARA OS CRENTES 1 Timóteo 1.16 Manifestação da misericórdia de Deus. I. O que Saulo era: a) Um aristocrata orgulhoso (Fp 3.5). b) Um cidadão romano (At 22.25-29). c) Um homem instruído em letras (At 17.28; 21,37,39; 22,2). d) Instruído na lei por Gamaliel (At 22.3). e) Membro do partido dos fariseus (At 23.6). f) Defensor da lei, mas fora da lei, pois foi responsável pela morte de Estevão (At 7.58). • Deu o seu voto no conselho para morte (v. 26). • Delegado especial para prender e arrancar confissões com açoites (w. 11,12). II. A misericórdia de Deus manifestada. a) Cegando os olhos materiais e revelando o engano (At 9-3-6). b) Transformando o sentimento (v. 6) e comissionando-o para serviço (At 26.16-18). c) A sua confissão: blasfemo, perseguidor e opressor (1 Tm 1.13).
  50. 50. III. Não servia de escândalo aos judeus; gregos ou a igreja de Deus (1 Co 10.32; 11;1). a) em ação (2 Ts 3.7). b) em falar (Tg 5.12). c) em comer e vestir (1 Co 8.12,13; 10.31; 1 Pe 3-3,4). IV. Para sermos um exemplo no sentir e andar (Fp 3.16,17). a) Humildade (Fp 2.5). b) Serviço (Gl 6.2; Jo 13.14,34). c) Firmeza na tribulação (1 Tg 1.6-8; Fp 1.27-30). CINCO ADVERTÊNCIAS AOS HEBREUS • Não negligenciar a salvação (Hb 2.1-4). Cristo é mais que os anjos e a lei. • Não ficar para trás no deserto, mas entrar na terra prometida (Hb 3.7; 4.13). • Cristo é maior do que Moisés e Arão (Hb 5.11; 6.20). • Não pecar voluntariamente e se retirar para perdição (Hb 10.26-31). • Melhor sacrifício, concerto e promessas pelas quais podemos chegar a Deus. • Não se privar da graça de Deus e não recusar aquele que fala dos céus (Hb 12.15-29). • Pois temos o sangue de aspersão que fala melhor (Hb. 12.24). PRÍNCIPE DA SALVAÇÃO Hebreus 2 Um príncipe diferente (Jo 18.36). • Não veio ganhar terra e bens • Não veio subjugar com violência • Não empurrou os outros para a morte • Combateu com a verdade e por amor • Consagrado por aflições
  51. 51. • Não era suicida, mas venceu a morte (Ef 4; Jo 10.17). • Coroado de glória abriu o caminho da salvação. A GRANDE SALVAÇÃO Hebreus 2 O Pai amou o mundo e deu o seu próprio Filho que se humilhou e veio em carne. Grande foi o preço que Jesus pagou. O Espírito Santo confirmou através de milagres o plano de salvação. Adoramos a Jesus? Sim, Ele é grande em pessoa, obra e posição. Reconhecemos a Verdade? A única Verdade. O único meio para conhecer o que Deus é e o que quer. Estamos livres de todos os pecados Cristo na destra de Deus. Nossa provisão espiritual e material, nossa esperança. MELQUISEDEQUE, REI E SACERDOTE Hebreus 7.1-3 Há 2.000 anos antes de Cristo surge um rei, Melquisedeque. Sua genealogia não foi conhecida (Gn 14). Ele foi uma prefiguração de Jesus Cristo e permanece como Sacerdote para sempre (Si 110.4). Quando os hebreus estavam prontos a cair na fé, então o Espírito Santo recorda e compara esta figura com o Supremo Sacerdote Jesus Cristo. Jesus, Rei e Sacerdote (Zc 6.13). Abraão voltando da batalha onde vencera e libertara prisioneiros, teve um encontro com o rei Melquisedeque de Salém, sacerdote do Deus altíssimo. O encontro do vencedor fiel e cansado com o rei só podia se dar em um vale. O vale do Rei (Hb 10.22). Um contraste: Saul e Samuel. Rei de justiça (Si 45.6,7; Is 9-6,7; 11.4,5; Jr 23.5,6; Mt 23; Jo 8.32, etc).
  52. 52. Rei de paz • Príncipe da paz (Is 9.6,7; 11.6-9; Ef 2.19). • Ele anuncia a paz (Jz 6.22-24; Ef 2.17). • Faz a paz (Ef. 2.15). • Dá a paz (Jo 14.27). • Enche-nos de paz (Rm 15.13). • Paz que aperfeiçoa (Hb 13.20). • O Reino de Deus é justiça e paz (Rm 14.17). • Os que não entram no Reino (1 Co 6.10). • A condição natural do homem (Rm 3-10). • A possibilidade de alcançar justiça (Rm 3-21,22, 24-26; 6.18,19), e o resultado será paz (Is 32.17; Jo 16.33; Rm 5.1; Cl 1.20). Gozo do Espírito. A bênção de Abraão (Gl 3.14; Jo 14.16,17,23; Ef 5-18). Dízimo de tudo. • Sacerdote de ordem mais elevada (Hb 7.4-14). • Sacerdote eterno e eficaz segundo a virtude da vida. • Sacerdote seguro sobre base de juramento (w. 15-21). • Sacerdote e concerto melhor, salvação perfeita (v. 23). • Sacerdote mais sublime que os céus (w. 22-28). TU ÉS SACERDOTE PARA SEMPRE Hebreus 7.17 • Sacerdócio pertence a Deus (Ex 19.6; Ap 1.6). • É constituído a favor dos homens (Hb 5.1). • Para estabelecer a base de comunhão entre Deus e o homem • A impossibilidade da comunhão com o homem carnal — o véu. Deus estabeleceu comunhão temporária por sacrifícios imperfeitos e homens imperfeitos (Hb 10.11; 5.2; 7.23,28).
  53. 53. O Filho, sacerdote para sempre: participou da carne (Hb 2.14; Jo 1.14). • Semelhante aos irmãos (Hb 2.17,18; 4.15; 5.2,7,8). • Chamado de Deus (Hb 5.4,5; Rm 1.4; 1 Co 15.36; Hb 5.9,10). • Empossado por Deus (At 2.33-36; Hb 2.4). • Melhor ministério: mediador perfeito • Melhor aliança: lei perfeita • Sentado no trono de Deus • Um sacrifício perfeito introduz uma lei perfeita no coração (Hb 10.14-18). • Faz-nos conhecer a Deus (Hb 8.11). • Faz-nos querer e efetuar (Fp 2.12). • Nos liga com a fonte do poder. A PERSEVERANÇA NA FÉ Hebreus 10.19-26 I. Os privilégios que temos: a) Entrar no santuário. b) Ousadia pelo sangue de Jesus. c) Um novo e vivo caminho. d) Um grande sacerdote. II. O estado em que devemos nos encontrar: a) Verdadeiro coração. b) Inteira certeza de fé. c) Coração purificado de má consciência. d) Corpo lavado com água limpa. III. Quais devem ser as atividades: a) Achegarmo-nos. b) Retermos firme a esperança.
  54. 54. c) Considerarmos uns aos outros. d) Não deixando a nossa comunhão. PEIA FÉ NOÉ PREPAROU SALVAÇÃO PARA SI E SUA FAMÍLIA Hebreus 11.7 • Morte e destruição ameaçam (Gn 6.5-7; Rm 5.12; Ec 7.20; Rm 3.23). • Refúgio provido de Deus (Gn 6.13,14; Jo 3.l6; 1 Jo 4.10). • Único refúgio (Gn 6.17,18; At 4.12; Jo 14.6). • Refúgio absolutamente seguro (Gn 7.10-18; Jo 3.15-18; 10.28-30; 6.47). • Todos que entraram se salvaram (Gn 8.15-20; Jo 5-24; 1 Co 15.22; Jo 6.40). • Todos fora da arca pereceram (Gn 7.21-23; Jo 3-36; 5.40; 1Jo5.12). • Tarde demais para entrar (Gn 7.16; Mt 25.10; Lc 13-25-28; Pv 1.27,28). A SALVAÇÃO DE RAABE Hebreus 11.31 • Caráter — meretriz (Js 2.1). • Perigo — vivia no meio de um povo perdido (v. 9-11). • Deseja misericórdia, pois tem fé no Deus de Israel (v. 12,13). • A fé agiu em favor dos servos de Deus (v. 3-8,15,16). • A fé nas promessas (v. 17-21). • A fé que não teme o povo. • A fé salva outros da família. • A fé que recebe o seu galardão na lista dos heróis e na lista da descendência de Jesus.
  55. 55. OPORTUNIDADES PERDIDAS Hebreus 12.16 • Esaú, como primogênito era forte, cabeludo e ruivo, tinha saúde natural e beleza. Comparado a Davi. • Cansado das lutas do campo (Is 40.31) prefere um guisa do vermelho, vendendo o privilégio da primogenitura. • Privilégio de ser sacerdote (Êx 4.22) e dupla herança (Dt 21.17). • Esaú desprezou o seu direito e foi considerado profano. Desta forma, pagou um preço de conforto muito caro. • Descendente do profano: • Doegue, o mais poderoso dos pastores de Saul (1 Sm 21.7). • Detido perante o Senhor, não aproveitou (1 Sm 22.9-29). AS COISAS MÓVEIS E IMÓVEIS Hebreus 12.27 I. Coisas que foram movidas. a) Opiniões dos homens ver Faraó e Nabucodonosor (Êx 5.1,2; Dn 4.30-32). b) Reinos deste mundo. Babilônia (Dn 5.18, 19, 26, 28, 30, 31). c) Pérsia (Dn 8.7,8,20,21). d) Sistemas de governos. e) Cidades e parte de terras: Sodoma, Gomarsali, Pompeia. II. Coisas que serão movidas. a) Fundamentos falsos (Mt 7.27). b) Corpos físicos (Is 13.4-13; Ap 6;. 16.18-20). III. Coisas que não podem ser movidas. a) A palavra de Deus (Mt 24.35). b) O fundamento de Cristo (1 Co 3.11; 2 Tm 2.19; Hb 11.10). c) O Reino de Deus (Hb 12.28; Lc 17.21; Jo 3-3-5).
  56. 56. d) A esperança do cristão (1 Ts 1.1; 1 Co 1.7; 1 Jo 3-2,3; Hb 10.23). ORAÇÃO Tiago 5.16 Deus e oração são concepções inseparáveis da religião. A oração é o meio pelo qual aproximamo-nos de Deus para conhecê-lo de verdade e não só por teoria. Esta foi a relação entre o Pai e o Filho. É o caminho pelo qual penetramos nos caminhos e pensamentos de Deus (Is 55.8,9). Deus aprecia os que oram (At 9-11). Saulo seguindo a justiça da lei, por certo costumava orar, mas agora era uma nova oração, Esta oração obtém certeza e confirmação. Coisas que impedem: Incredulidade e desobediência (Dt 1.45; Js 7.10,11; SI 66.18; Is 59.2; Zc 7.13; Tg 1.5-7, 4.3). O caminho que agrada a Deus • Humildade (2 Cr 7.14). • Buscar de todo o coração (Jr 29.13). • Buscar com fé (Mc 11.24). • Ser justo (Tg 5.6). • Ser obediente (1 Jo 3.22), A SALVAÇÃO E A GLÓRIA 1 Pedro 1.10,11 • A questão do sacrifício e a glória no Antigo Testamento (Gn 22.7). • No Novo Testamento encontramos logo o Cordeiro (Jo 1.29). ° O altar foi o caminho para Deus (Jo 1,2; Jo 13); Mesa da proposição (Jo 14) e o candeeiro ou castiçal - Espírito Santo. Compare (Jo 15,16). • Incenso — compare (Jo 17). • O altar quadrado. • O sacrifício do altar igual da altura dos outros vasos. • O fogo que desceu — o véu se rompeu.
  57. 57. Lugar de cinzas. • O pecado afastado (SI 103.12). • Altar coberto de púrpura (Nm 4.13). BÊNÇÃOS PROVINDAS DA EXPIAÇÃO 1 Pedro 1.19 • Salva o pecador do juízo de Deus quando ele crê na providência divina (Êx 12.13). • Transforma o estado daquele que crê na obra assim como Ele mudou a posição do leproso purificado (Lv 14.14; Ap 1.5). • Muda a posição do crente em relação ao mundo, pois fica separado do mundo (Êx 8.23). • Sangue de Cristo coloca o crente numa posição de contínua aproximação a Deus. Vê Moisés e os setenta (Êx 24.5-10, 12-18). • Redenção (Ef 1.7); Pureza (1 Jo 1.7); Espírito Santo (At 15.8); Poder (Ap 12.13); Os céus alcançados pelo sangue (Ap 7.14). • A influência poderosa do sangue na sua aplicação pela fé “mata o pecado" (Rm 6.1- 13); Abate o "ego", (2 Co 5.15); Vence o orgulho (Fp 2.5-8). • Sangue de Cristo destrói o podei do inferno e do Diabo, porque foi vencido pela morte. (I Sm 7.9,10; Hb 2.14; Cl 1.13). O SANGUE PRECIOSO 1 Pedro 1.19 O sangue de Cristo a verdade e fatos principais da salvação. O sangue é precioso: • Do animal (Gn 9.6; Lv 17.11). • Do homem (Gn 9-6; Lv 25-33) Davi e os heróis de Belém. Judas e o dinheiro da traição! Preciosa é a morte dos seus santos. • O sangue de Cristo — o sangue de Deus (At 20.28). • O sangue que redime da lei (Gl 3-13); do castigo (Êx 12.13); da Uberdade (Gl 4.5,6) que aperfeiçoa (Hb 10.14).
  58. 58. • O sangue expiador (Lv 17.11; Hb 9.22; Rm 3.25; SI 103). • O sangue purificador (1 Jo 1.7). • O sangue que dá paz (Ef 2.13,14), • O sangue santificador (Hb 9-14). • O sangue vencedor (Ap 12.11). TODOS OS CRISTÃOS SÃO SACERDOTES 1 Pe 2.5,9; 1 Co 12.12-14; Ef 1.22,23; Ap 1.6; 5.10; 20.6 Há diversos ministérios como há diferentes membros (1 Co 12.28; Ef 4.11); todos os ministérios são pelos dons do Espírito (1 Co 12.4-6). Os ministérios de ensino e regência. Em princípio estava tudo debaixo da regência dos apóstolos tanto o espiritual como o social, (At 4.34-37; 5.2; 6.2). O estabelecimento do diaconato. Boa reputação, cheio de Espírito e de sabedoria (At 6.3-6; 1 Co 12.28; Rm 12.7; Fp 1.1; 1 Tm 3.8). Compare 1 Timóteo 3.8,9. Presbíteros: (At 11.30; 15.2,4, 6, 22, 23; 16.4; 21.18; 14.23). • Presbítero também chamado bispo (At 20.17; Fp 1.1; 1 Tm 3.1,2; 1 Pe5-1; Tt 1.5-7). • Compare os seguintes versos: (At 20.17 e 1 Tm 5-17). • Qualidades indispensáveis; bom testemunho, apto para ensinar, não neófito. ENOQUE, O PRIMEIRO PROFETA E A MENSAGEM Judas v. 14 Existe semelhança entre a primeira mensagem e a última (Jd 14; Ap 22.12). Eis o Espírito da profecia. Como e de onde veio o conhecimento do Senhor a Enoque? Era neto do tetraneto de Adão e foi contemporâneo deste durante 308 anos.
  59. 59. As primeiras impressões, por certo vieram das narrações de Adão desde a era primitiva até a tragédia que seguiu. • A sabedoria de Adão e as suas experiências amargas. • O sacrifício de Abel e as invocações do Senhor do tempo de Enos. • O nascimento de Metusalém foi por certo um período de avivamento, pois deu ao filho um nome profético. • Metusalém morreu antes do dilúvio. • Quem anda com Deus está avisado (Gn 18.17). A mensagem de Enoque: O Senhor vem. Enoque esperava a Segunda Vinda do Senhor. Compare (Jo 14.3; At 1.11; Lc 12.27,36). Virá com os seus santos: Um povo santo (Ef 5.25-27; 1 Ts 3.12,13; Ap 19). Virá o juízo: Os sentenciados são de natureza ímpia, praticam impiedade, usam de palavras duras contra Cristo, arrogantes, interesseiros. O CORDEIRO E O LEÃO DE JUDÁ Apocalipse 4 e 5 João na solidão contempla a glória de Deus A visão do Todo-poderoso: A cor do brilhante e do fogo; cercado da cor da esmeralda e com o livro na mão. Cordeiro e leão: Vítima e Rei - Juiz. Alguns esperam encontrar um cordeiro, mas encontram um leão. Compare 1 Rs 13.11- 30; Ap 6.16. Para João o Leão de Judá era o Cordeiro de Deus (Jo 1.29). João chorou: Na eternidade ele descobre a indignidade do homem A importância de reconhecer Jesus como Cordeiro. A ÁRVORE DA VÍDA Apocalipse 22.14
  60. 60. • Substituiu-nos na morte (1 Pe 3-18). • Morte maldita (GI 3.13). • Morte vergonhosa. • Morte dolorosa. • Morte penosa. • Morte por castigo (Is 53-10; Is 45.22). SOMOS EMBAIXADORES DE CRISTO • Quem nos chamou. • As condições dos chamados (1 Co 1.27). • A qualidade da embaixada — reconciliação. • Os recursos dos embaixadores. • A representação dos embaixadores. • A tarefa dos embaixadores — de reconciliar. • Os resultados e vitória dos embaixadores (Dn 12). PELA FÉ NOÉ TEMEU PARA SALVAÇÃO Romanos 10.18 Deus nunca deixou os homens sem aviso Deus fala por diversos modos (Hb 1.1; Rm 1.20; 2.15; At 17). A nossa salvação depende da nossa atitude para o aviso de Deus, Deus está com os braços estendidos (Rm 10.21; I Pe 3-20). Noé aceitou a palavra de Deus e agiu segundo esta. Noé pela sua ação pregou contra a dissolução. O trabalho e a entrada de Noé na arca condenaram o povo, que rejeitou a porta aberta. Noé tomou as disposições necessárias. Não aguardou até a última hora. Muitos desejam salvar-se na última hora como o malfeitor na cruz, mas será que terão a mesma sorte das virgens loucas?
  61. 61. Deus encerrou a hora da adoração. Ninguém sabia e assim é ainda hoje. As águas vieram fazer o seu serviço. Noé estava aparentemente apertado pela arca, mas a salvo da destruição. O mundo vivia as soltas, mas foi destruído. Noé passou pela arca para uma nova vida. Teve a visão do que escaparia e alcançou um horizonte mais vasto pela fé. O SANGUE DA ASPERSÃO Fala-se como separado de Cristo • Completamente derramado pelo suor, feridas dos espinhos, dos pregos, pelo lado aberto. • Incorruptível (1 Pe 1.18,19). • Seu próprio sangue (Hb 9-12); compare (v. 7; 12.25; 13.11). • Não sangue de valor temporal, mas eterno (Hb 9-14). • Sangue de Cristo (Hb 10.29; 13.12,20; ver 1 Co 11.24-26) Concerto eterno pelo espírito eterno. OS GALARDÕES DOS CRISTÃOS O servo vigilante Cristo o servirá (Lc 12.37). O cristão perseverante Coroa da vida (Tg 1.12). O cristão diligente Uma entrada abundante (2 Pe 1.11). O cristão mercador de talento Aprovação graciosa (Mt 25.21). O cristão mercador da mina Domínio sobre cidades (Lc 19.17). O cristão vencedor Lugar no trono (Ap 3-21).
  62. 62. Como obter inteiro galardão Cuidar para não perder o que temos trabalhado (2 Jo 8), QUE PENSAIS VÓS DE CRISTO? • Fariseus e escribas (Lc 15.2). • conselho dos principais sacerdotes (Jo 11-47,48). • Caifás, o sumo sacerdote 0o 11.49,50; Mt 26.63-65). • Judas, o traidor (Mt 27.4). • Mulher de Pilatos (Mt 27.19). • Pilatos (Mt 27.24). • Herodes (Lc 23.8-15). • Príncipes e magistrados (Lc 23.35). • Centurião e a guarda (Mt 27.54; Lc 23.47). • João Batista (Jo 1.29). • Felipe (Jo 1.45). • Nicodemos (Jo 3.2). • cego (Jo 9-33). • Pedro (Mt 16.16; 2 Pe 1.16). • Tomé (Jo 20.28). • João (1 Jo 5.20). • Estevão (At 7.56). • Paulo (Fp 3.8). • Deus (Mt 17.5). "JÁ RESSUSCITOU" • A tragédia vista por discípulos e mulheres. • A providência divina: José de Arimatéia e um sepulcro novo.
  63. 63. • Objetivo: Preservar o corpo de Jesus (Jo 2.19-22). A SEGURANÇA DA IGREJA • A presença de Cristo não evitou a tempestade, muitos julgam que estão abandonados quando há tempestades (Jo 17.15). • Jesus estava cansado, mas estava tranqüilo no meio das ondas. O barco — a igreja nunca pode perecer. • Cristo está presente nos dias bons e maus (Mt 16.18,20; Mt 28.10-20). "NOVO" EM TUDO E POR TUDO • Novo nascimento necessário (Jo 3-3,7). • Uma nova criatura em Cristo (2 Co 5-17). • Um novo caminho de vida (Hb 10.20). • Os nascidos de novo recebem comida racional (1 Pe 2.2). • Um novo cântico para cantar (Ap 5.9). • Terão novos céus e nova terra (2 Pe 3.13). • Todas as coisas serão feitas novas (Ap 21.5). POR QUE TE DEMORAS? Você deixa para depois: • Até que fique convencido do melhor? (Jo 7.17). • Até que você aproveite melhor o mundo? (Mc 8.36). • Até que alguém se torne um crente melhor ou até mesmo a igreja? (Rm 14.12) • Até que você mesmo se torne melhor? (Mt 9-13) • Até que se cumpra o tempo de Deus? (2 Co 6.2) • Até que sinta algo especial? (At 16.31) • Ou quando chegar à morte? (Pv 29.1)
  64. 64. SALVAÇÃO PREPARADA • A natureza de Deus: Ele é amor (1 Jo 4.8). • Amor manifesto ao mundo (Jo 3.16); Para os pecadores (Rm 5.8; 1 Tm 1.16; Rm 5.18,19). • Paulo diz: me amou (Gl 2.20). • João diz: nos ama e nos lavou (Ap 1.5). • Justo padeceu para levar-nos a Deus (1 Pe 3.18). UMA CHAMADA PARA DECISÃO I. Só há dois lados. II. Para poder estar ao lado do Senhor: a) Conhecê-lo. b) Ter fé n'Ele. c) Decidir-se a favor d'Ele. d) Permanecer n'Ele. e) Descanso n'Ele. III. Deveres dos que estão ao lado do Senhor. a) Separação de todo o mal. b) Consagração para tudo que é da vontade do Senhor. c) Atividade permanente na obra do Senhor. RICOS TRAJES EM LUGAR DE HÁBITOS SUJOS • Josué está diante do Senhor, o Anjo do Senhor. • Como sumo sacerdote representa Israel e Jerusalém. • Josué é acusado de sedutor. • Satanás pode acusar, mas não condenar (Is 50.8,9; Rm 8.33,34). • advogado (1 Jo 2.1, 2; Rm 8.35,36).
  65. 65. SOFRER COM CRISTO • Sofrer pela justiça (1 Pe 2.20). • Moisés preferiu sofrer (Hb 11.25). • Os profetas são exemplos (Tg 5.10). • Os apóstolos sofreram com alegria (At 5.41). O cristão terá sofrimentos diversos: • Perseguido (Mt 5.11). • Odiado (Mt 10.22). • Perda de reputação (1 Co 4.10). • Reminência de tesouros terrestres (Mt 19.29). • Perda da vida (Mt 10.39). AS CONDIÇÕES PARA UMA ORAÇÃO VITORIOSA • Humildade penitente diante de Deus e abandono do pecado (2 Co 7.14). • Buscar a Deus de todo o coração (Jr 29.12,13). • Crer em Deus (Mc 11.23,24). • Obediência (1 Jo 3-22). • Confiar no Espírito Santo (Rm 8.26). • Perseverança (Mc 7.24-30; Lc 11.5-10). • A necessidade de orar segundo a vontade de Deus (1 Jo 5.14). • Em nome de Jesus (Jo 14.13,14). • A necessidade de reconciliação com o próximo (Mt 5.23,24). Razões por que as orações não têm respostas: • Pecado no coração e vida (SI 66.18; Is 59-1,2). • A desobediência a Deus (Pv 1,24-28). • Formalismo e hipocrisia • Falta de vontade para perdoar outros (Mc 11.25,26).
  66. 66. • Falsas bases de intenções (Tg 4.2,3). • Desprezo da lei de Deus (Am 2.4). • Falta de amor e misericórdia (Pv 21.13).1
  67. 67. OS DONS DO ESPÍRITO Samuel Nyström I Durante os últimos anos, muitos se têm dito do modo como o Espírito deve-se revelar. De certa forma, há muita crítica sobre a operação audível e perceptível do Espírito Santo. Mas, que diremos, então, dos acontecimentos do dia de Pentecostes? Se afirmarmos que não é correto obter a plenitude do Espírito acompanhada de manifestações que se podem ouvir e ver, condenamos o próprio milagre pentecostal, o milagre que está ligado com a manifestação da Igreja Crista no mundo. Seria, então, a formação da Igreja desde o princípio errada e impura e, como conseqüência disso, todo o cristianismo leria também uma qualidade desprezível. Qual é o cristão verdadeiro, que ousa dizer Isto? Mas, se não ousamos declarar que o ruído como de um vento impetuoso, as línguas de fogo e as outras línguas faladas pelos cento e vinte no dia de Pentecostes foram falsos valores espirituais, como nos atrevemos então a afirmar que essas manifestações são falsas, só porque aparecem em nossos dias? Se não tivermos outras experiências, senão as que a Bíblia nos fala, então, vamos nos tranqüilizar e louvar a Deus pois o seu Espírito opera em nosso meio. Mas, existem amigos que receberam o batismo do Espírito e se excedem ao extremo. Eles julgam que não há nenhuma bênção, numa reunião onde não se parece ouvir o "estrondo do céu" (versão Figueiredo). E, se eles não ouvem, julgam que o Espírito não teve liberdade para agir. Esse extremismo é tão contrário à Bíblia, como o primeiro, e, com o tempo, pode tornar-se prejudicial para a obra do Espírito Santo. O verdadeiro e vivo caminho da fé está entre esses extremismos. Os que dizem que o Espírito Santo sempre virá com uma voz mansa e suave, 1 Rs 19.12, tem a palavra de Deus contra si, porque no dia de Pentecostes, "... veio do céu um ruído como dum vento impetuoso" (At 2.2); e aqueles que dizem que Ele sempre vem com tempestuosidade, também tem a Palavra contra si, porque, quanto Ele se revelou a Elias, diz-se expressamente: "Porém o Senhor não estava no vento" (1 Rs 19.11). O que isso nos diz? Isso quer dizer que Deus, neste sentido, não se deixa prender por métodos determinados, mas que vem do modo pelo qual mais o agrade, na ocasião. Seremos mais prudentes se não estipularmos leis para Deus e deixá-lo operar em nós e entre nós segundo a sua própria vontade. É muito importante termos conosco tudo o que a Palavra de Deus diz sobre um assunto, para que não nos desviemos do caminho por causa de um estudo bíblico que só contém um lado da verdade. Pouco importa para Satanás, em que ala ficamos, se para a direita ou para esquerda; ele só se preocupa em saber se saímos do caminho verdadeiro. Portanto, perseveremos em tudo no que "está escrito".
  68. 68. Quando nos encontrarmos com uma nova manifestação na esfera espiritual, façamos como fizeram os discípulos no dia de Pentecostes: quando ouviram essas expressões maravilhosas, em outra língua e, especialmente, como esse milagre se manifestava neles próprios, inquiriram nos livros dos profetas. O apóstolo Pedro encontrou a manifestação relatada, que em nossas Bíblias, se encontra no segundo capítulo do profeta Joel. Enquanto alguns que viam e ouviam as operações do Espírito, se maravilhavam, outros zombavam; foi quando Pedro se levantou, para mostrar que essas manifestações que despertavam tanto alarme, estavam de acordo com a profecia sagrada, cuja origem todos os judeus fiéis a Deus reconheciam. Para conduzir pelo caminho correto os que procuravam a verdade e tapar a boca dos zombadores, disse ele: "Isto é o que foi dito pelo profeta Joel". Que segurança para nós, quando a nossa experiência espiritual se identifica com a palavra de Deus! Nesse caso, podem zombar quantos queiram, pois temos a certeza de que resistimos a todos os ataques do Inimigo, porque as nossas experiências se baseiam sobre a Palavra imutável. As pessoas que não entendem a obra do Espírito Santo, tal como se revela no batismo do Espírito e nos dons espirituais, não querem fazer uma comparação entre vossas experiências espirituais e as da Igreja Primitiva? Examinem, também, se o batismo do Espírito e os seus dons, são manifestações bíblicas! Fique certo de que um exame sem partidarismo sobre estes assuntos, trará muitas bênçãos. Na realidade, podemos com toda a nossa sinceridade, ter uma opinião eirada em uma ou mais questões espirituais. Há alguns anos, quando estava em viagem para Botnia Setentrional, aconteceu algo que me deu uma lição importante. Viajei de trem para o Norte de Estocolmo em um vagão dormitório. Dormi bem toda a noite, até chegar além da estação Braecke. Quando acordei e olhei paru fora da janela, tive a impressão de que o trem ia em direção para o Sul. Notei isso pela disposição do carro em que eu eslava. Se não estivesse certo desse absurdo (que os funcionários da estrada de ferro se houvessem enganado e mandado o trem voltar outra vez para Estocolmo), certamente, teria feito a reclamação. Quando mencionei essa circunstância a um dos companheiros no trem, este me explicou que o carro em que estávamos tinha feito manobra em Braecke, de forma que a parte do carro que antes estava para a frente ficara para trás, dando-me então a impressão de que voltávamos para o lado Sul em direção a Estocolmo; a questão ficou assim esclarecida. Entretanto, foi impossível fazer com que essa comunicação correspondesse com a minha impressão. Durante todo o dia que se seguiu, a minha impressão era de que o trem avançava para o Sul. Tudo, o sol, a natureza, o mapa das estradas, o guia dos horários, os condutores e passageiros, tudo me dizia que estávamos viajando para o
  69. 69. Norte; entretanto a minha própria impressão era contrária nesta parte. Naturalmente, tive a prudência de não deixar essa impressão, de forma alguma, influir na minha viagem e nas minhas ações. O exemplo de Jesus que é tão imutável como o percurso do sol — o mapa de viagem da palavra da Bíblia e o testemunho daqueles que experimentaram uma plena salvação — devem pesar mais que a opinião do nosso próprio coração. "O que confia no seu próprio coração é insensato", disse o sábio Salomão (Pv 28.26). E o apóstolo Paulo diz, sobre o mesmo assunto: "O Senhor conhece os pensamentos dos sábios, que são vãos" (1 Co 3.20). Depois que nos certificarmos de que as experiências que temos não encontram apoio na Palavra de Deus, então, desprezaremos nossa própria opinião, ainda que esta tenha raízes profundas em nosso coração, e aceitaremos e defenderemos tudo o que tiver apoio nas Escrituras. Que segurança há em se poder, diante de todas as experiências, recorrer às Escrituras e dizer: "Isto é como está escrito". II O apóstolo Paulo começa a sua exposição sobre os dons espirituais na primeira epístola aos Coríntios dizendo que desejava remover a ignorância que existia sobre esse assunto. Havia diversas razões para que esses recém-convertidos, em grande número, e para os quais Paulo se dirigia, fossem ignorantes nesse assunto. Primeiramente porque tinham pouco conhecimento em todos os assuntos espirituais. Não havia muito que tinham se achegado ao Senhor e a vida com Deus, através de manifestações novas e para eles estranhas. Eles tinham as mentes pouco exercitadas nessa esfera e lhes faltavam conhecimento sobre os dons espirituais. Os dons espirituais, a propósito, pertencem ao que é mais misterioso e profundo no cristianismo vivo e verdadeiro. Temo que a situação seja a mesma em nossos dias. Mas a ignorância existe e precisa ser removida neste assunto. Muitos cristãos conhecem muito pouco sobre os dons espirituais, porque lhes faltam conhecimento, em geral, das coisas espirituais. Embora estejamos mais favorecidos em nosso país (Suécia) — por causa da instrução que recebemos no lar, nas escolas primárias e dominicais — encontramos muita ignorância sobre as coisas puramente espirituais. A instrução torna-se mais e mais diluída e, raras vezes, ouve-se dos púlpitos e das cátedras essa tese discutida. Quando os homens se salvam e têm amor à Palavra, em geral, ouviram tão pouco sobre os dons espirituais, que quase não observam estes. Conseqüentemente, em um nível onde pouco se movimentam. Se alguém desejar conhecimento sobre estes assuntos deve entrar em contato com os que têm conhecimento pela experiência.
  70. 70. Pode-se encontrar muitos que crêem serem os livros, que durante os últimos anos foram publicados por alguns psicólogos eminentes em religião, falando sobre o movimento pentecostal — a causa de maior conhecimento desse assunto. Tenho lido os livros em questão, mas, até aonde chega a minha experiência, achei que, comparativamente, poucos conhecimentos reais sobre os dons espirituais neles se encontram. Nota-se que esses cientistas tratam da psicologia; mas, o cristianismo não tem a sua raiz ou base na psique do homem, mas no espírito. A parte espiritual jaz mais profunda do que as faculdades da alma. Quando alguém quer estudar os dons espirituais, precisa penetrar além da vida psíquica do homem. O apóstolo Paulo fala que devemos ser santificados em todo o nosso ser: Espírito, alma e corpo. A medicina estuda o corpo; os psicólogos estudam a alma; mas o espírito do homem, muitas vezes, é para o sábio cientista, um mundo cerrado. E é dentro desse mundo cerrado e misterioso, no interior do homem, que os dons espirituais têm a sua sede. Por essa razão, é dificílimo até para o cientista mais sincero que não tem experiência neste terreno, compreender o mistério dos dons espirituais e os interpretar com justiça. A ciência verdadeira neste assunto, só é aceita pelo experimentar das coisas, pessoalmente. Muitos que deviam ser guias dos homens, nessa matéria, dão uma direção errônea e desvirtuada devido ao fato de lhes faltarem o que é o principal de tudo — o conhecimento que vem da experiência. Por causa da ignorância que domina existe a necessidade dos dons espirituais em grande extensão nas igrejas cristãs contemporâneas. Não são os mesmos entendidos e, portanto, também não são apreciados e nunca foram ardentemente desejados e aspirados como o apóstolo que, com tanta sinceridade, exorta os cristãos a fazerem. Essas pedras preciosas do Reino de Deus, muitas vezes, jazem aos pés dos homens, e até homens espirituais não lhes dão o valor devido. Como conseqüência desse descuido, hoje, em muitos lugares, a Igreja de Deus está destituída, pobre e privada, especialmente dos recursos que os dons do Espírito concedem. Esta falta de conhecimento, também, tem contribuído para o abuso dos dons espirituais, na igreja. Um meio de expulsar os dons espirituais da igreja de Deus é abusar deles. Se um homem usa erradamente os dons espirituais que recebeu, em breve, haverá pessoas de maior critério que perceberão que isso não está direito e, assim, começarão a ter receio desses dons. Primeiramente, eles se alegram com os dons, crendo que foi algo maravilhoso; mas, depois, estes aparecerão de uma forma que espertam receio e, portanto, ficam deixados de fora. Por isso, os cristãos experientes não deveriam se assustar pelo erro de um outro irmão, pois, tal fato se verifica, dentro de todos os ramos da vida cristã. Mas, almas
  71. 71. inexperientes, as quais falta o conhecimento dessas questões, encontram-se em perigo de sofrer sério prejuízo, pelo abuso dos mesmos dons do Espírito. Oh! Se todo o povo de Deus compreendesse e inclinasse o seu rosto em terra diante do Senhor para buscar remédio contra a ignorância geral que domina, em relação aos dons espirituais! Este é o caminho de volta, para os tesouros da plenitude e dons do Espírito, possuídos, pela Igreja Cristã Primitiva. Para atingirmos esse objetivo, temos de buscar direção na Palavra de Deus e na experiência pessoal. III Há algumas coisas de que sempre precisamos nos lembrar, quando os dons se manifestam. Paulo, explicitamente numa expressão bem concisa, a isso se refere, quando escreveu aos Coríntios, sobre os dons do Espírito. Ele diz: "Portanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema! E ninguém pode dizer que Jesus é Senhor, senão pelo Espírito Santo" (1 Co 12.3). Ninguém pode, quando possui os dons do Espírito, usá-los para espalhar heresia. Se uma pessoa tiver, como julga, uma mensagem espiritual para apresentar e esta se achar em contraste com a Palavra de Deus e o ensino de Cristo, então, sabemos, que não é o Espírito Santo que fala, pois o Espírito não pode apresentar alguma heresia. Quando o Espírito fala a mensagem fica de acordo com a Palavra de Deus. Pode haver falta na sua expressão exterior tomando a imagem do vaso pelo qual é apresentado; contudo, será sempre uma mensagem de acordo com a palavra de Deus. Portanto, ninguém que fala pelo Espírito de Deus, pode dizer: "Jesus é anátema". Os dons do Espírito nunca propagam heresias. Embora o que apresenta a mensagem do Espírito tenha por ignorância alguma concepção errada, nunca expressará tais opiniões nesses momentos. O Espírito Santo nunca transmite mensagens errôneas e falsas. E, além disso, os que falam pelo Espírito Santo, sempre dão glórias a Jesus. Quando o Espírito enche uma pessoa e esta recebe os dons do Espírito, em primeiro lugar, dá louvor e glória a Jesus. Muitas pessoas e movimentos espirituais têm fracassado neste ponto, pois tendo sido o Espírito derramado, começaram a usar os dons espirituais para alcançar certos fins egoístas, que não tinham como finalidade a honra e a glorificação de Jesus; houve muito prejuízo irreparável para a obra de Deus, e, dessa forma, fortes movimentos espirituais terminaram em nada. Aquele que recebeu um dom do Espírito deve sempre se lembrar de que a mensagem que tiver de entregar precisa ter como alvo, a honra de Jesus. Se entendermos isto, Deus nos guardará e, então, os dons serão bênçãos gloriosas. São palavras notáveis que o apóstolo diz quando pronuncia que ninguém pode afirmar ser Jesus o Senhor, senão pelo Espírito Santo. Não existe ninguém que possa exaltar
  72. 72. Jesus em sua posição elevada — como o Senhor da Igreja e do cristão individualmente — senão pelo Espírito Santo. Neste conjunto, não podemos pensar só no falar em línguas e sua interpretação, ou no dom da profecia. Aqui devemos incluir todo o "falar pelo Espírito de Deus", como o apóstolo diz quando relata os dons, pelos quais o Espírito Santo fala na igreja, começando com os dons de falar a palavra de sabedoria e de ciência. Estes dois dons devem, quando se trata de falar pelo Espírito, ser colocados ao lado dos dons de profecia e dos dons de línguas e sua interpretação. IV Foi por estes dons, que ensinadores, evangelistas, profetas e também outros membros na primeira Igreja Cristã foram preparados, fazendo com que Cristo e a sua obra fossem conhecidos entre os homens. Já naquele tempo, procuravam introduzir a sabedoria deste mundo, na Igreja Cristã, e os representantes dessa, com as suas bem conhecidas impertinências vaidosas, julgavam que a ciência humana podia substituir os que falavam pelo Espírito Santo. Sobre tal ponto de vista, podemos compreender os fortes ataques de Paulo, contra a sabedoria humana. Nos primeiros capítulos da primeira epístola aos Coríntios, ele faz uma crítica mordaz sobre a sabedoria deste mundo, justamente porque esta não dá a Cristo o seu lugar verdadeiro. Quando Paulo chegou em Corinto, veio diretamente de Atenas à procura da sabedoria secular, onde buscava encontrar os filósofos no seu próprio terreno. Com certeza alguma alma fora salva para o Senhor; entretanto, nunca lemos nas Escrituras, sobre a existência de alguma igreja em Atenas. Quando ele chegou em Corinto, estava muito convencido de que não ganharia os orgulhosos coríntios com sabedoria humana, a qual ele também possuía. Por isso, lhes disse em sua carta: "E Eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado. li cu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor. A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus [...] mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para a nossa glória; a qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória" (1 Co 2.1-5,7,8). Quando o apóstolo diz que ninguém pode dizer: Jesus é Senhor, senão pelo Espírito Santo, ele quer afirmar que nenhuma sabedoria mundana, nenhuma ciência humana podem dar a Jesus o seu verdadeiro lugar, como Senhor entre os homens. Só a
  73. 73. mensagem que contém uma revelação do Espírito, pode exaltar Jesus e dar-lhe o lugar que lhe pertence. Onde estes dons espirituais faltam em geral, é que são substituídos por sabedoria humana. Sabem a sua língua, sua exegética, isagoge, homilia e tudo aquilo que um ministro pregador deve saber, mas, para concluir, a maior parte deles, não possui os extraordinários dons espirituais. Se eu estudasse tudo que se pode encontrar nas bibliotecas de todo o mundo e pudesse reter essa sabedoria em meu cérebro, mas não possuísse a revelação de sabedoria e da ciência que se obtém pelo Espírito Santo, não estaria apto para pregar a Palavra de Deus. Por causa da excelência do conhecimento de Cristo Jesus, estava Paulo pronto a considerar todas as coisas como refugo. Esse conhecimento, o sacerdote Zacarias menciona no seu cântico: "Conhecimento da salvação, na remissão dos seus pecados". Esses dons — os dons da sabedoria e ciência espiritual e o dom da profecia — oh! Quão necessários nos são! Além disso, existe outro ponto para meditação nessas palavras maravilhosas, e é este: quando o Espírito Santo fala, sempre se concentra em redor de Cristo e sua obra maravilhosa para a salvação dos homens. O conteúdo da mensagem das línguas e da profecia, que se manifestaram no dia de Pentecostes, foram "a grandeza de Deus", Eles, os que falaram, exaltaram e adoraram ao Senhor, por causa dos benefícios operados, em seu favor e do mundo. Quando, na primeira era cristã, se falava em palavras de sabedoria e se usava o dom da profecia, isso se relacionava com o revelar o mistério de Jesus Cristo e a sua salvação. Por isso, a Igreja Primitiva possuía poder extraordinário nos seus esforços de propagar o Reino de Deus, no mundo.*** ** Rascunhos encontrados entre os pertences de Samuel Nyström. *** No terreno da Bíblia, 1972, cap. 7, pp. 60-68.

×