Independãªncia principia ferido

1.222 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.018
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Independãªncia principia ferido

  1. 1. Independência, princípio ferido. “independência de pensamento e de ação” 1 (Amílcar Cabral-PAIGC) Independência política uma questão pouca debatida naÁfrica, mas para entendermos melhor essa questão vamosintender a luta do PAIGC a esse respeito. “Nós estamos a lutarpela independência da nossa terra, pela independência do nossopovo. A primeira condição para isso é que o nosso partido, a suadireção, deve ser independente, tanto na maneira de pensar osproblemas e de resolvê-los, como na sua ação dentro ou fora danossa terra. Essa é que tem sido a linha do nosso Partido. Todasas decisões que nós tomamos no quadro do nosso partido, emrelação ao nosso trabalho, no plano africano ou no planointernacional, são tomadas na absoluta independência da nossamaneira de pensar e de agir. Esse é um principio sagrado nosso,que devemos defender custe o que custar. Mas devemos saberbem que a independência é sempre relativa...”² Depois daescravatura África não teve autonomia política, se teve foi porpouco tempo. As decisões são tomadas de fora para dentro, dointernacional para nacional, não de dentro para fora ou dedentro para dentro, como princípio Independência depensamento e de ação defende. Presidentes, dirigentes, queousarem contrapor a “agenda misteriosa“ serão deposto comapoio das organizações mundiais alegando os de crimeshumanitários, (e como se chama o que fizeram com os PanterasNegras?) isso vem acontecendo em vários países do continente(África) e fora dela. Como podemos ter lideres, profissionais, de pensamentosnacionais se Universidades estrangeiras dizimam
  2. 2. silenciosamente o espirito nacionalista que há dentro de cadaum de nós estudantes africanos na diáspora? Financiandocaloiradas (bebedeiras) e apoios a atividades de âmbito culturalalegam não ter verbas. Como podemos ter homens e mulherescapazes de andarem com as suas próprias pernas sem a históriae a cultura? Como podemos ter homens e mulheres (graduandoou pós-graduando) capazes de fazer o País andar com as suaspróprias pernas se em vez de estarem, capacitando, reforçando oconhecimento, estudando, estão se embebedando em botecosnas esquinas. “(...) temos que ser cada dia mais capazes, depensar muito os nossos problemas para podermos agir bem, eagir muito, para podermos pensar cada vez melhor.”³ Comopodemos ter homens e mulheres capazes de andarem com assuas próprias pernas se a ideologia ocidental dita os padrões decomportamento e ética, ditam o que se ensina nas nossasescolas, musicas que devemos ouvir e apreciar, roupas quedevemos vestir, ditam a comida que devemoscomer?(globalização). Como podemos ser independentes nessascondições? O internacional tem o controle dos nossos pensamentos edas nossas ações eles nos mantem presos neutralizando o pilarda resistência que é a cultura porque conhecem a sua força,“quando Goebbels, o cérebro da propaganda nazi, ouvia falar decultura, empunhava a pistola. Isso demonstra que os nazis – queforam e são a expressão mais trágica do imperialismo e da sedede domínio – mesmo sendo tarados como Hitler, tinham umaclara noção do valor da cultura como fator de resistência dedomínio estrangeiro.”4 Por que eu falei de tudo isso se hoje não é dia daindependência mais sim do seu nascimento aí eu respondo:
  3. 3. Porque se mata Cabral em todos os princípios feridos, porque semata Cabral a cada fuzilamento de mineiros na África do sul, semata Cabral a cada golpe em Guiné Bissau, se mata Cabral a cadahomem e mulher mal formado, se mata Cabral em cadabandidos e malandros sangue suga do povo no poder. - Énascimento não morte - exatamente Amílcar Cabral nasceu umavez (obvio) em 12/09/24, mas vem morrendo desde 1973 pra cá. 1, 2, 3 livro, A arma da teoria, unida de e luta. Volume 1,Seara Nova 1976, pag 160. 4 livro, A arma da teoria, unida de e luta. Volume 1, SearaNova 1976, pag 222.

×