Vidas Secas
Tipos de narrador
No romance "Vidas Secas", de Graciliano Ramos,
encontramos a narração em terceira pessoa, com narrador
o...
Tempo de narrativa
O tempo de narrativa medeia duas secas. A primeira que
traz a família para a fazenda e a segunda que a ...
Espaço da narrativa
O espaço é físico, refere-se ao sertão nordestino,
descrito com precisão pelo autor.
"... na lagoa sec...
Personagem Protagonista
Fabiano – Nordestino pobre, marido de Sinhá Vitória, pai
de dois filhos. Procura trabalho desesper...
Personagem antagonista
Soldado Amarelo – Corrupto, oportunista e medroso, o
Soldado Amarelo é símbolo de repressão e do
au...
Persongens secundários
Sinhá Vitória – Mulher de Fabiano, sofrida, mãe de dois filhos, lutadora,
sonhadora e inconformada ...
Personagens secundários
O dono da fazenda – Contrata Fabiano para trabalhar em sua
fazenda, desonesto, explorava seus empr...
Enredo
A história em Vidas Secas começa com a fuga de uma
família nordestina fugindo da seca do sertão. Fabiano,
o pai da ...
Importância do livro
O romance Vidas Secas, publicado em 1938, consegue a
proeza de apresentar de maneira sintética uma vi...
Sobre o autor
Graciliano Ramos (1892-1953) nasceu em Quebrângulo, Alagoas.
Estudou em Maceió, mas não cursou nenhuma facul...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arquivo para aula sobre livro Vidas Secas

556 visualizações

Publicada em

Este é um arquivo base para montar uma aula sobre o livro Vidas Secas de Graciliano Ramos. Você pode ver mais sobre livros importantes para o vestibular em http://maiseducativo.com.br/lista-de-livros-para-vestibular-fuvest/

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
556
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arquivo para aula sobre livro Vidas Secas

  1. 1. Vidas Secas
  2. 2. Tipos de narrador No romance "Vidas Secas", de Graciliano Ramos, encontramos a narração em terceira pessoa, com narrador onisciente. Podemos encontrar muitas vezes os discursos indiretos livres. É o próprio narrador que revela o interior dos personagens através de monólogos interiores. O foco narrativo ganha destaque ao converter em palavras os anseios e pensamentos das personagens. "... Aí, a coleira diminuiu e Fabiano teve pena". (Cap. 01 – Mudança)
  3. 3. Tempo de narrativa O tempo de narrativa medeia duas secas. A primeira que traz a família para a fazenda e a segunda que a leva para o Sul. Mesmo possuindo algumas referências cronológicas na obra, o tempo é psicológico e circular. "... Sinhá Vitória é saudosista. Lembra-se de acontecimentos antigos, até ser despertada pelo grito da ave e ter a idéia de transformá-la em alimento". (Cap. 01 – Mudança)
  4. 4. Espaço da narrativa O espaço é físico, refere-se ao sertão nordestino, descrito com precisão pelo autor. "... na lagoa seca, torrada, coberta de caatingas e capões de mato". (Cap. 11 – O soldado Amarelo)
  5. 5. Personagem Protagonista Fabiano – Nordestino pobre, marido de Sinhá Vitória, pai de dois filhos. Procura trabalho desesperadamente, bebe muito e perde dinheiro no jogo. Possui grandes dificuldades lingüísticas, mas é consciente delas. Homem bruto com dificuldade de se expressar, possui atitudes selvagens. Por não saber se expressar entra num processo de isolamento, aproximando-se dos animais, com os quais se identifica melhor.
  6. 6. Personagem antagonista Soldado Amarelo – Corrupto, oportunista e medroso, o Soldado Amarelo é símbolo de repressão e do autoritarismo pelo qual é comandado (ditadura Vargas), porém não é forte sozinho; sem as ordens da ditadura, é fraco e acovarda-se diante de Fabiano.
  7. 7. Persongens secundários Sinhá Vitória – Mulher de Fabiano, sofrida, mãe de dois filhos, lutadora, sonhadora e inconformada com a miséria em que vive, trabalha muito. É a mais inteligente de todos controlando assim as contas e os sonhos de todos. Filho mais novo e Filho mais velho – São crianças pobres e sofridas que não tem noção da miséria em que vivem. O mais novo vê no pai um ídolo, sonha sobressair-se realizando algo, enquanto o mais velho é curioso, querendo saber o significado da palavra inferno, desvendar a vida e ter amigos. O dono da fazenda – Contrata Fabiano para trabalhar em sua fazenda, desonesto, explorava seus empregados.
  8. 8. Personagens secundários O dono da fazenda – Contrata Fabiano para trabalhar em sua fazenda, desonesto, explorava seus empregados. O fiscal da prefeitura – Intolerante e explorador. Baleia – Cadela da família, tratada como gente, humanizada em vários momentos e muito querida das crianças. Tomás de Bolandeira - Aparece somente por meio de evocações, é tido como referência por Fabiano e Sinhá Vitória. Seu Inácio – Dono do bar.
  9. 9. Enredo A história em Vidas Secas começa com a fuga de uma família nordestina fugindo da seca do sertão. Fabiano, o pai da família, é um vaqueiro com dificuldade de se expressar. Não tem aspirações esperanças de vida. Sinhá Vitória é a mãe, é mais "madura" do que seu marido Fabiano, também não se conforma com sua situação miserável, e sonha com uma cama de ouro como a de Tomás de Bolandeira. Os dois filhos e a cadela Baleia acabam por concluir essa família.
  10. 10. Importância do livro O romance Vidas Secas, publicado em 1938, consegue a proeza de apresentar de maneira sintética uma visão da sociedade brasileira em seus níveis mais profundos. Há a dimensão social da exploração e da opressão política. Há a dimensão psicológica da repressão, fazendo surgir indivíduos marcados pela introspecção. E há, por fim, a dimensão natural da seca, flagelo nordestino.
  11. 11. Sobre o autor Graciliano Ramos (1892-1953) nasceu em Quebrângulo, Alagoas. Estudou em Maceió, mas não cursou nenhuma faculdade. Após breve estada no Rio de Janeiro como revisor dos jornais "Correio da Manhã e A Tarde", passou a fazer jornalismo e política elegendo-se prefeito em 1927. Foi preso em 1936 sob acusação de comunista e nesta fase escreveu "Memórias do Cárcere", um sério depoimento sobre a realidade brasileira. Depois do cárcere morou no Rio de Janeiro. Em 1945, integrou-se no Partido Comunista Brasileiro. Graciliano estreou em 1933 com "Caetés", mas é São Berdado, verdadeira obra prima da literatura brasileira. Depois vieram "Angustia" (1936) e Vidas Secas (1938) inspirando-se em Machado de Assis.

×