Booth, wayne c. et al a arte da pesquisa

1.612 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.612
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
199
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Booth, wayne c. et al a arte da pesquisa

  1. 1. AARTE DAPESQUISA Wayne C. Booth Gregory G. Colomb Joseph M. Williams TradUl;;iio HENRIQUE A. REGO MONTEIRO Martins Fontes sao Paulo 2008
  2. 2. £f./. ~ foi p"NK.U "'WftlllOW1tl • .". i"gil< """ 0 111 .. 10 TH( CRAfT OF R£S~RCH I"" U";w,,.ilyo/Chiargo Ptns. Ut........t",. TJor Un;wrs!ly OfCJoimg<> Pms, C"",,,I"_ l/IitHl<is, £UI_ O>py.iglr' C 1m ",. TIlt u .. ;....,.'Y of Orag<'. All righls ~rotd. Cl1f1Jrigh' e 2000. u-n. MlTti.., r ",.I.s Edi' ..... LULt .• Sfo ""wID. ,. ••• I"ft'<"'~ di<,"lt>_ I' ed i~io l(IOO l ' c<I ;(io 2005 2' ' ;Ulc", 2(.()8 Coo.de na~lo ,10 t •• d ,,(~o WILSON ROB£RTOCAMBETA T •• du ~lo II£NRIQUE A.. R£eo MONTDRO Rcv;do di t.~du(lo .,«.. . iu v". Mo.;" Mo"l1Uf rrepar.(lo do o rig in.1 CIi"" , KoJrigw ... d. Abreu Rrvisl>.o. p ili"'" An. MIl". dt o/i"n", ~ So,,,,,,,,, '''''''y PO..., s..".,. r ... d U(io , .Ui •• w..ld.> AI"", P.&in.~ioIFotolit ... S,"";" J Dtsr"toOIoi.....",., U,/.m./ D>do<Il nlnnarion.o~ "" Colaloga(io nil f'ub~ (aM (O rnar. B'Milftt-. do U ...... Sr. 8r .... 1) 60011. WloY"" C A an~ da po5<[uisa I Wayne C, Booth. C<E"gory G. Colomb. IoHph M. Williams; .Ddu ...... . knriqt>r A. il.q;:o MOII~"" _ 2' .... - Sio I'auk> : Manins Fonlft. 2005. _ ( Feru.""",Ia$) Titulo orig'''''': Thr e r. n of n'SNrch. ISBN 85·336-2157-4 I. Pt-squisa - M"'OOok>£Y 2. il.t<U<;l o Iknica I. Colon'b. G.q;:o .y C .. U. William •. Jooc-ph M .. Ill. TItulo. IV. ~r~. CDO-OO1.42 Indie" p~.a < . ... 1080 .;ste rn . l;en, I . M",OOolog" 001.42 2. M~todo logla da P""!ui.. 001.42 3 PP.!'qul .. " M ... <><IolO8i. 001.42 "fod05 os di~il()5 d~l~ fflil;ifo rrservados d LiV' IJ , ia M Arlin$ Fonl<':$ Cdit orQ LtdQ. RII~ eouulhdro RJ>mlllho, 330 OJ325-OOO saQ Pllilio SP "fd. (1 1) 3241 .3677 FlU: Ill! 3105.6993 Bra$il t " I101i/: il1/o@lIIIlrlin~fol!lt$tdifo ..... rom.br htlp:/lWWIL'.llIJIrf ;ns[ontestdifOnl.rom .br indice PreJacio ............. ............. ..... .................... .. ... .. .......... ....... . I. Pesquisa, pesquisadorcs e IcHores ......................... . Pro/ago: Iniciando urn projelo de p esquisa .. ... ... .. ... . I. Pensar par escrito: os usos p ltblico e privado da pesquisa ................................................. ......... ...... ... . 1.1 Por que pcsquisar? ................................. ............. . 1.2 Por que redigir urn relatorio? ................. .. .......... . . 1.3 Por que claborar urn documento formal? .. ......... . 2. Relacionando-se com sell leitor: (re)criando a si mes-rno e a sell pll.blico .. .. .................................. .............. . 2.1 Dialogos entre pesquisadores .......................... .. . 2.2 Autores, leitores e seus papeis sociais ................ . 2.3 Leitores e seus problemas comuns ................. .. .. . 2.4 Auto res c seus problemas comuns ...................... . S UGESTOES UTEIS: Lista de ve rifi ca~ao para ajud3.-1o a com-preender seus leitores .............................................. .. ...... . II. Fazcndo perguntas, encontrando respostas ... ..... .. . Prolago: Planejando seu projeto ... .. ....................... .. . SUGESTOES UTEIS: Trabalhando em grupo ........... ... ......... . XI 7 7 9 II 15 15 17 24 29 32 35 35 38
  3. 3. 3. De topicos a perguntas .................. ............................ 45 3.1 Interesses, t6picos, perguntas c problemas.......... 45 3.2 De urn interesse a urn topico ............................... 46 3.3 De urn tbpico amplo a urn espccifico.................. 48 3.4 Dc urn lopico especifico a perguntas .................. 50 3.5 De uma pergunta it avalia9ao de sua importancia . 54 SUGESTOES OTEls: Dcscobrindo topicos ............... : ........... :,. 59 4. De perguntas a problemas .... .. ... .................... ... ......... 63 4.1 Problemas, problemas, problemas .......... ............. 64 4.2 A estrutura comum dos problemas ...................... 68 4.3 Descobrindo um problema dc pcsquisa ............... 77 4.4 0 problema do problema ..................................... 81 5. De pergllntas a fo ntes de illformaroes ................. ..... 85 5.1 EnconLrando informa~oes em bibliotccas............ 86 5.2 Colhendo informavoes com pcssoas ...... ...... ...... 9 1 5.3 Trilhas bibliogrMicas. ............... .......................... 94 5.4 0 que voce encontra ............... ............................. 95 6. Usa ndo fo nles de informat;oes ... ................................ 97 6.1 Usando fontcs secundarias .................................. 97 6.2 Leia criticamcntc ................... ... ........................... 99 6.3 Fa~a anota<;:ocs completas .................................... 100 6.4 Pe<;:a ajuda ............... ............................................. 107 SUGESTOI!S LrrEIS: Lcitura f<t pida....................................... 108 HI. Fazendo uma afirma~ao e sustentando-a .............. 113 Pr%go: Argumentos, rascunhos e discussoes.......... 113 7. eriando bons argumentos: uma visGO gem/ ............. 117 7.1 Discussoes c argumentos ............ .. .... .... ............... 117 7.2 Afirmayocs c evidencias. ... ... ........ ...................... . I 19 7.3 Fundamentos............. ............ ................... .. .... ...... 120 7.4 Ressalvas............ .. .......... ..... .................. ... .......... .. 122 8. Ajirmafoes e evidencias ......... ..... ... ... ........................ 125 8. 1 Fazcndo afirmavocs de peso.......................... .. .... 125 8.2 Usanda afirma~Oes plausiveis para orientar sua pesqutsa ......... ..... ................... .......................... .... 128 8.3 Apresentando evidencias confiaveis ................... 129 8.4 Usando evidencias para desenvolvcr C organizar seu relat6rio ......................................................... 138 SUGESTOES UTEIS: Uma s istematica de con tradi ~Oes ........ 142 9. Fundamentos........................................................ ...... 147 9 .1 Fundamcnto: a base de nossa convic'Yao e de nossa argumenta<;:ao.... .......................... ..... .... .... .. 147 9.2 Com que se parece urn fundamento? ...... .. ...... .... 150 9.3 A qualidadc dos fundamentos ...................... ... .... 152 S UGESTOES UTEIS: Contestando fundamentos.. .................. 167 10. Qualificaroes ................. .... .. .......... .. .... ................ ...... 173 10. J Vma revisao ................................. ... .. .. ..... ........ .. 173 10.2 Qualificando seu argumcnto...................... .... .. .. 176 10.3 Elaborando urn argumento completo ........ ........ 186 10.4 0 argumento como guia para a pesquisa e a 1ei-tur3 .............................................. ......... .... .... ...... 188 10.5 Algumas pal avras sobre sentimentos fortes ...... 189 I S UGESTOES On:.ts: Argumcntos - duas armadilhas comuns.. 191 Iv. P.-eparando-se para redigir. redigindo e revisando 195 Pro/ago: Plall ejalldo novamente .......................... ..... 195 S UGESTOES lrrEIs: Preparando 0 esbovo ................... ......... 199 11 . Pre-mSCUllho e rasclmho ................................. ......... . 203 11 .1 Preliminares para 0 rascunho ......... ......... .. ........ 203 1 1.2 Planejando sua organizavao: quatro armadilhas 206 11.3 Urn plano para 0 rascunho............................ .. ... 209 11.4 Criando urn rascunho passivel de revisao ......... 2 16 11.5 Uma armadilha a cvitar a lodo cusLo .... ... .. ... ..... 2 18 11 .6 As u1timas elapas ..................................... .... ...... 222 S UGESTDES UTEI S: Usando c il a~oe s c parMrases .......... ..... 225
  4. 4. 12. Apreselltac:iio visual das evidencias .......................... 229 12.1 Visual ou verbal? ......................... ...................... 229 12.2 Alguns principios gerais de elaborac;:ao ............. 232 12.3 Tabelas ............................................................... 234 12.4Diagramas .......................................................... 237 12.5 Graficos ............................................................. 244 12.6 Contro lando 0 impacto retorico de urn recurso visual .................................... ....... .. ... ... ............. : . 246 12.7 Comunicac;:ao visual e etica ............................ : .. 249 12.8 Ligando palavras a imagens .............................. 251 12.9 Visualizac;:ao cientifica....................... ................ 252 12. 10Ilustrac;:oes ........................................................ 252 12.11 Tomando vis ivel a J6gica de sua organizac;:ao. 253 12.12 Usando recursos visuais como urn auxilio a reflexao .......................... ............. ..... ................ 255 SUGESrOES lIrEIS: Pequeno guia para reeorrer a urn orien-lador .................................................................................. 257 13. Revisando sua organizac:iio e argumenla{:iio ............ 259 13 .1 Pensando como leitor .............. ...... ..................... 259 13.2 Analisando e revisando sua organizac;:ao ........... 260 13.3 Revisando seu argurnento ............. .. ...... ............. 268 13.40ultimopasso ................................. .................. 271 S UGESr OES (rTElS: Titulos e sumarios .............. ................. 272 14. Revisando 0 estilo: contando sua historia com cla-reza ................... ..... ..................................................... 277 14.1 Avaliando 0 esti lo .............................................. 277 14.2 Primeiro principio: hist6rias e gramatica .......... 279 14.3 Segundo principio: 0 antigo antes do novo ..... .. 289 14.4 Escolhendo entre as vozes ativa e passiva ......... 291 14.5 Urn ultimo principio: 0 mais complexo por uitilno ................................................................. 293 14.6 Polimento final ........... ...................... ................. 296 SUGESrOES tJrEIS: Uma rapida revisao .:. ........................... 297 15 Introdu90es .... ............................................................ 299 15.1 Os tres elementos de uma introduc;:ao .... ............ 299 15.2 Dec1are 0 problema............................................ 302 15.3 Criando uma base comum de compreensao com-partilhada ....................... .................................... 308 15 .4 Desestabilize a base comum, enunciando seu problema ............................................................ 309 15.5 Apresente sua soluc;:ao ................. ...................... 3 13 15.6 Rapido ou devagar? ................................. .......... 3 16 15.7 A introduc;:ao como urn todo .............................. 3 17 S UQESTOES lITEIS: As primeiras e as ultimas palavras ...... 319 V. Co n sidera~oes finais ................... ............................. 325 Pesquisa e etiea ........................ ....................... 325 Pos-eserito aos professores .... ......................... 329 Ensaio bibliografico ........................................... ..... .. 337 indke rem;ss;vo ............................. ................................... 345
  5. 5. '. Pre/acio ESCREVEMOS ESTE UVRO pensando nos pesqui sadores es­tudantcs. desde os novatos mais inexpcrientes ate os profi ssio­nai s. cursando p6s-graduayao. Com elc e5peramos: • atrair a atenr;ao dos pesquisadores iniciantes para a natureza, os usos C os objetivos da pesquisa e de seus relat6rios; • orientar as pcsquisadores iniciantes e intermediarios quanta as complexidades do planejamento, da organiza<;ao e da elabo­ra<; ao do esb090 de urn relat6rio que proponha urn problema significativo e oferer;a uma 501u<;30 convincente; • mostrar a (odos os pesq uisadores. do iniciante ao avan<;ado, como ler sellS relat6rios da maneira como os leitores 0 fariam, idcntificando passagens em que cles provavelmente encon­trariam dificuldade e alterando-as rapida e e fi caz.m~nte. Embora outros manuais sobre pesquisa abordem algumas dessas questocs, este se diferencia de diversas maneiras. Muitos manuais em circul a<;30 reconhecem que os pesqui­sadores nao seguem a sequencia que vai de encontrar urn t6pico ao estabelccimento de uma (ese, de precncher fichas de anota­yoes it elaborar;ao de urn rascunho e it revis30. Como sabe qual­quer urn que ja tcnha passado por essa expcricncia, a pesquisa na realidade anda para a frente e para tras, avanr;ando urn passo ou da is e recuando, ao mcsmo (cmpo antecipando etapas ainda nao iniciadas e, entao, prosseguindo uma vez mais. Mas, ate onde sabemos, nenhum manual tentou mostrar como eada par­te do processo influencia todas as outras - como 0 ato de fazer perguntas sebre um {6pico pode preparar 0 pcsquisador para
  6. 6. XII A ARTE DA P£SQUISA redigir 0 rascunho, como 0 processo de rcdigir 0 rascunho pode revelar problemas com urn argumento, como os elementos de uma boa inrrodu<;ao podem mandar 0 pesquisador de volta a biblioteca para pesquisar mais. Este livro explica por que os pesqui sadores deven; traba­Ihar simultaneamente nos diversos estagios de seu projeto, como essa sobreposic,;ao pode ajuda-Ios a compreender melhor o problema e a administrar a compJcxidade que esse processo acarreta. Isso significa, e claro, que voce ten! de ler este livro duas vezes, porque mostraremos nao apenas como os esuigios an­teriores antecipam os posteriores, mas tambcm como os poste­nores motivam os anteriorcs. Em virtude da complexidade que uma pcsquisa cnvolvc, fomos explicitos a respeito do maior numeco possivel de eta­pas, incluindo algumas geralmente tTatadas como partes de urn misterioso processo criativo."Entre os assuntos que "destrincha­mos" estao os seguintes: • como converter 0 interesse por urn assunto em urn topico, esse topico em algumas boas perguntas e as respostas a essas perguntas na so lu~ao de urn problema; • como criar urn argumcnto que sati sfac,:a 0 desejo dos leitores de saber por que deveriam aceitar sua afirmaC;ao; • como prever as objec;5es de leitores sensalos, mas ceticos, e co­mo qualificar adequadamente as argumentos; • como criar urna introduc;ao que "venda" a importancia do problema de sua pesquisa aos leitores; • como redigir conc1usoes que fac,:am a leitor comprcender nao apenas a afimlac,:aO principal, mas tambcm sua mais arnpla . _. I lmportancla; • como ler seu proprio texto da maneira como os outros a fa­riam, e assim saber melhor que pontos alterar c como. Sabemos que alguns pesquisadores iniciantes seguiriio nos­sas sugestoes de urn modo que poderia ser considerado mcdi­nico. Nao estamos muito preocupados com isso, porque acre­ditamos que e melhor alcanc,:ar urn objetivo mecanicamente do que nao alcanc,:ar objetivo nenhum. Acrcditamos tambem que os professores podem confiar nos alunos, sabendo que eles supe- PREFAClO XIII rarao as inevitAveis dificuldades iniciais. Todos nos tendemos a agir mecanicamente quando experimentamos uma tecnica pel a primeira vez, mas finalmente conseguimos ocultar seus auto­matismos por tras de seu sentido verdadeiro. QutTO aspecto di stinto deste livro e que encorajamos in­sistentemente os pesquisadores a pensarem em seus leitores e mostramos c1aramente como faze-Io, explicando como os lei­tares Icern. 0 objetivo de um relatorio de pesquisa e estabele­cer urn dialogo com pessoas que possam nao estar di spostas a mudar de opiniao mas que, por boas razoes, acabam mudando. E e em seu relat6rio que voce mantem esse dialogo. A medida que 0 leem, os leitores esperam encontrar detenninados indi­cios de organizacao; preferem certos padroes de esti lo; tacita­mente fazcm pcrguntas, levantam objecoes, querem ver os as­suntos apresentados de modo mais explicito do que voce pode achar necessario. Acreditamos que, se voce entender como os leitorcs leeru e souber como satisfazer suas expectativas da me­lhor maneira possivel, tera uma otima oportunidade de ajuda-los a ver as coisas do seu jeito. Concentramo-nos no processo de fazer tudo isso, mos­trando como as caracteristicas forma is do "produto" - 0 rela­torio - podern ajuda-Io no proccsso de planejamento e criac;ao. Conformc voce vera, os elementos de urn relat6rio, sua estru­tura, seu estilo e suas convenc;oes fonnais nao sao f6nnulas va­zias que os redatores imitam so porque milhares de outros antes deles as usararn. Tais formatos e mode los sao 0 meio pelo qual os pesquisadores, ioiciantes ou cxperientes, testam seu traba­lho, avaliam sua compreensao do assunto c ate mesmo eocon­tram novas direc;oes a seguir. Em outras palavras, acreditamos que as cxigencias formais do produto nao s6 orientam 0 pes­quisador ao longo do processo de criac,:ao, como tambem con­tribuem para desenvolvcr sua criatividade. Tentamos ainda indicar 0 que os pesquisadores em d i feren ~ tes esmgios de sua vida profissional devetiam saber e ser capazes de fazer. Se voce esta diante de sell primeiro projcto de pes­quisa, deve ter uma ideia do que os pesquisadores experientes fariam, mas nao se preocupe se nao conseguir fazer tudo. Deve
  7. 7. XIV It ANTE DA PESQUISA saber, no entanla, 0 que provavelmente sellS professores espe­ram de voce, a inda mais se estiver se preparando para ser urn pesquisador serio. Portanto, vez por outra avisamos que vamos apresentar urn assunto particulannente importante para pes­quisadorcs experientes. Os que estiverem apenas se iniciando podem sentir-se tcoladas a pular essas partes. Espera'mos que nao 0 fa~am . Este livro originou-se da convi c~ao que tcmos de que as lecnicas de fazer e relatar pesquisas na~ 56 podem ser aprendi­das como tambem cnsinadas. Sempre que pudemos explicar cJaramenre as etapas do processo, explicamos. Quando nao, ten­tamos dclinear sellS contornos gerdis. Alguns aspectos da pes­quisa podem ser aprendidos apenas no contexto de uma CMnu­nidade de pesquisadores comprometidos com tapicos e manei­ras de pensar particulares, interessados em compartilhar com autTOS 0 fru to de seu trabalho. Mas, quando urn contexte des­ses nao esta di sponivel, os cstudantes ainda podem aprender importa ntes tecnicas de pesquisa atraves de instrw;ao direta e leva-las as comunidades de que pretendam participar. Analisa­mos algumas maneiras especi ficas de fazer isso em nosso "P6s­escrito aos professorcs". Este Iivro Ia nthem teve origem em nossa experiencia, que nos ensinou que pesquisa nao e 0 tipe de coisa que se aprcnda de urna vez pOT todas. Nos tres ja deparamos com projetos de pesquisa que nos forc;aram a rcfTcscar a memoria quanto a maneira de pcsquisar, mcsmo depois de deeadas de experien­cia. Nos momentos em que tivemos de nos adaptar a uma nova comunidade de pesquisa, ou a mudanc;as na nossa propria, usa­mes os principios apresentados aqui para conseguinnos nos con­centrar naquilo que era mais importante para os leitores. Assim, escrevemos urn livro que voce podera cansultar sempre que as circunstancias exigi rem, 0 qual, esperamos, sera util muitas ve­zeSt acompanhando seu crescimento como pesqui sador. Queremos agradeeer as pessoas que nos ajudaram a rca­lizar este proj eto. Entre elas incluem-se seus primeiros leitores: Steve Biegel, Jane Andrew e Donald Freeman. 0 capitulo sobre PREFACJO xv a apresentac;;ao visual de dados foi melhorado significativa­mente ap6s as comentarios de Joe Hannon e Mark Monmonier. Estamos em debito tambem com os integrantes do departa­mento editorial da Universidade de Chicago que, desde que concordamos em assumir este projeto, quase urna decada atms, nao nos largaram enquanto nao 0 tenninarnos. Da parte de WCB: Alem das centenas de pessoas que me ensinaram aquilo que foi minha eontribuic;ao para este livro, gostaria de agradeeer a minha esposa, Phyllis, minhas duas fi­lhas, Katherine e Alison, meus tres netas, Emily, Robin e Aaron, pois, juntos, esses seis me mantiveram otimista quanta ao futu­ro da investigac;ao responsavel. Da parte de GGC: Ao longo de momentos tumultuados e calmos, ao longo de pcriodos eriativos e improdutivos, sempre live minha easa e minha familia - Sandra, Robin, Karen e Lau­ren - como ponto de re ferencia e de apoio. Da parte de JMW: Joan, Megan, 01, Chris, Davc c Joe me apoiaram, tanto quando estavamos juntos, como separados. Jun­tos e melhor. I
  8. 8. PARTE I Pesquisa, pesquisadores e leitores Prologo: Iniciando urn projeto de pesquisa SE VOCI:: ESTA COMECANDO seu primeiro projeto de pesqui­sa, talvez sinta-se urn tanto intimidado pela aparente dificul­dade da tarefa. Como procurar urn assunto? Onde encontrar informa'Yoes relevantes, como organiza-Jas depois? Mesmo que ja tenha escrito urn relat6rio de pesquisa num curso de reda­' Y30, a ideia de escrever outro pode Ihe parecer ainda mais per­turbadora, caso agora, pela prime ira vez, voce precise apresen­tar um trabalho de verdade. Ate mesmo pesquisadores expe­rientes sentem-se urn pouco ansiosos ao iniciarem urn projeto, espeeialmente sc for diferente dos outros que ja executaram. Assim, seja qual for sua preocupa'Yao no momenta, todos as pesquisadores ja a tiveram - e muitos ainda a tern. A diferem;:a e que pesquisadores experientes sabem 0 que eneontrarao pela frente: trabalho arduo, mas tambem 0 prazer da investiga'Yao, alguma frustrac;ao, mas eompensada por uma satisfac;ao ainda maior, momentos de indeeisao, mas a confianc;a de que, no fi­nal, tudo ira se eneaixar. Fazendo pianos Pcsquisadores experientes tam bern sabem que, como qual­quer outro projeto eomplexo, a pesquisa sera mais faeilmente organizada caso se disponha de urn plano, por mais toseo que seja. Antes de come'Yar 0 trabalha, pade ser que eles nao fa'Yam ideia exatamente do que esta.o procurando, mas sabem, de rna-
  9. 9. 2 A AR77! DA PESQUlSA neira geral, de que lipo de material VaG precisar, como cncoo­tra- Io e como utiliza-Jo. E. urna vez rcunido esse material, pes­quisadorcs competentes nao come~am simplesmente a escrevcr, assim como construtores competentes nao vaa logo serrando a madeira. Eles planejam 0 tipo e aforrna do produlo fJ,uepre­tendem obler. urn produ/o que exprima sua intenfiio de a/can{1ar urn determinado resultado e cujas partes todas sejam planeja­das contribuindo para a obtenfOO desse resultado. Isso, parem, nao quer dizer que bons pesquisadores prendam-se totalmente ao plano que trar:;aram. Estao sempre prontos a modi ficar os pianos, se encontram urn problema au set de repente, compreen­dem melhor 0 projeto, a u descobrem, de alguma maneira, urn objet ivo rna is interessante que os conduza por urn novo cami­nho. Mas todos sempre come~am com urn prop6sito e algum tipo de planejamento. Na verdade, quase todo projeto de redat;aO comet;a com urn plano que visa produzir urn documento de formato especifico, geralmente moldado pcla expericncia de gerat;Oes de escritores, que adotam certos formatos nao so para agradar os editores ou supervisores, mas para se pouparem do trabalho de inventar urn novo formato para cada projeto e, tao importante quanta isso, para ajudar os leitores a identificarern seus objetivos. Urn reporter sabe que tern de adotar 0 formato de piramide inver­tida numa reportagem, cornet;ando 0 texto com a informat;ao de maior interesse, nao em seu benefi cio, mas para que ,,6s, ie itores, possamos dcsde logo identificar a essencia da nolicia e decidir se continuaremos a ler ou nao. 0 formato de urn rela­t6rio de auditoria orienta 0 contador qua,n to as informa.y5es que devera incluir, mas tambem ajuda os acioniSfas a encon­trar os dados necessarios para a avaliat;ao da empresa como investimento. Uma enfenneira sabe 0 que escrever no prontua­rio do paciente, de modo que as outros enfermeims possam uti­Ji za-Io, e urn policial rcdige 0 boletim de ocorrencia num for­mato padronizado, pensando naqueles que mais tarde irao inves­ligar 0 crime. Do mesmo modo, os leitores tiram maior preveito da leitura de urn relat6rio quando 0 pesquisador relata as resul­tados de sua pesquisa num formato que Ihes seja familiar. PESQUISA, PESQUISADOHES E LEITORES 3 E claro que, mesmo limitado por csses formatos, quem re­dige tern a liberdade de adotar diferentes pontos de vista, en fa­tizar urna variedade de ideias e irnprirnir uma feit;ao persona­lizada ao seu trabalho. No entanto, seguindo urn planejamento padronizado, estara beneficiando tanto a ele mesmo quanto aos leitores, tomando mais fa cil 0 trabalho de redigir e de ler. o objetivo deste livro e ajudar voce a cri ar c seguir esse planejamento. A import'ancia da pCSQUiS3 Antes de mais nada, responda a uma pcrgunta: al6m de uma nOla de avaliayao, 0 que a pesqui sa representa para voce? Uma rcsposta, que muitos poderao considerar idealista, e que a pesquisa oferece 0 prazer de resolver urn enigma, a sat is fa­~ ao de descobrir algo novo, algo que ninguem mais conhece, contribuindo, no fina l, para 0 enriquccirnento do conhecimen­to hurnano. Para 0 pesquisador inicianle, no entanto, existcm outros beneficios, mais pniticos e imediatos. Em primeiro lugar, a pesqui sa 0 ajudara a comprcender 0 assunto estu<;iado d~ . ..u.m modo muito melhor do que qualquer Dutro tipo de trabalho. A lo~go prazo, as tecnicas de pesquisa e reda~ao, urna vcz-as~i­mlladas, capacitarao 0 pesqui sador a tmbalhar por conta pro­pria mais tarde, pais, afinal, coletar informat;oes, organiza-Ias de modo coercnte e apresenta-Ias de maneira confiavel e con­vincente sao habilidades indispensaveis, numa epoca apropria­damente chamada de "Era da lnformat;ao". Em qualquer cam­po do conhecimento, voce vai precisar das tecnicas que so a pesquisa e capaz de ajuda-Io a dominar, seja seu objetivo 0 projelo, ou a linha de produt;ao. As tecnicas de pesqui sa e rcdat;ao sao igualmente impor. tantes para quem usa pesquisas de outras pcssoas, e hoje em dia isso inclui todos n6s. Somos inundados por informat;oes, cuja maior parte destina·se a servir aos interesses comerciais au politicos de alguem. Mais do que nUllca, a sociedade preci sa de pessoas com espirilo criti co, capazes de cxaminar uma pes-
  10. 10. 4 A A R71i DA PESQUISA quisa, fazer suas pr6prias indaga~Ocs e encontrar as respostas. S6 depois de passar pela proccsso incerto e geralmente confuso de conduzir sua pr6pria pesquisa, voce sabcra avaliar de modo inteligente as pesquisas dos Qutros. Redigindo seu pr6prio fe­lat6rio, entendera 0 tipo de trabalho que h3 por tras 'das afir­ma90es dos especialistas e do que e encontrado em livros dida­ticos. Descobrini, em primeira mao, como 0 conhecimento se desenvolve a partir de respostas a indagayOes de uma pesqui­sa, como esse novo conhecimento dcpende das perguntas que voce faz ou deixa de fa zeT, como essas perguntas dependem nao apenas de sellS interesses e mctas, mas tambem dos inte­rcsses e metas dos leitorcs, e como as fannatos padronizados de apresentayao da pesquisa modelam 0 tipo de perguntas que voce faz, podendo ate detcrminar as que pode fazer. Mas sejamos francos: a rcdal;ao de urn relatorio de pesqui­sa exige muito. Sao muitas as tarefas envolvidas, tocias pedindo sua atenvao, geralmente ao mesmo tempo. Por mais cuidadoso que voce seja no planejamento, a pesquisa seguira urn cami­nbo tortuoso, dando guinadas imprcvisiveis. podendo dar voltas sobre si mesma. As etapas se sobrcp5em: todos nos fazemos urn esboyo antes de terminar a pesquisa, continuamos a pesquisar depois·de corneyar 0 rascunho. Alguns trabalham mais no final rur projeto, so reconhecendo 0 problema que tentaram resolver depois de encontrar a soluyao. Outros partern atrasados para a etapa do rascunho, fazendo a maior parte do trabalho de tenta­liva e erro, nao no papel, mas de cabe~a. Cada redator tern urn estilo diferente, e, considerando que os projetos di.ferem uns dos outros, urn iinico planejamento nao pode resolver lodos os problemas. Por mais complexo que seja 0 proccsso, no entanto, irernos trata-Io passo a passo, de modo que voce possa avanyar com seguranya, mesmo quando deparar com as incvitaveis dificul­dades e confusOes que todo pcsquisador enfTenta, mas que acaba aprendendo a supera r. Quando conseguir administrar as partes, voce conseguira administrar 0 todo, e estara pronto para.ioieiar novas pesquisas com maior confianya. PESQUISA, PESQUlS.4DORF.5 E L£J10RES 5 Como usar este livro A melhor maneira de voce I idar com essa complexidade (e com a ansiedade que podera causar) e ler este livro uma vcz, rapidamcnte, para saber 0 que ira encontrar. Entao, dependen­do de seu grau de experiencia, defina quais partes de seu tra­balho parecem faeeis ou dificeis para voce. Quando comeyar a trabalhar, leia com mais atenyaO os capitulos pertinentes it larcfa que tcrn em maos. Se voce e urn pesquisador inexperien­te, comece pelo come~o. Se esta nwn curso avanyado, mas ainda nao se sen Ie muito a vontade em seu campo de estudo, salle a Parte I, leia a II, mas concentre-se na 1lI c oa IV. Se e urn pes­quisador expcriente, talvez ache mais iiteis 0 Capilulo 4 da Parte II, os Capilulos 9 e 10 da Parle 1I1 e a Parte IV inteira. Na Parle I, apresenlamos algumas questoes sempre levan­tadas por aqueles que fazem sua primeira pesqui sa: por que os leitores esperam que se redija de detenninada maneira (Capi­tulo I) e por que se deve conccbcr 0 projelo nao como urn !ra­balho isolado, mas como urn diaJogo com os pesquisadores cujos ~rabalhos voce ira consultar c lambern com aqueles que idio ler seu trabalho (Capitulo 2). Na Parte lI, analisarnos 0 proccsso de e l abo ra~ao de seu projcto: como encontrar urn assunto, s intetiza-lo, questiona-lo e justific<i-Io (Capitulo 3), como transformar essas questoes em urn problema de pesquisa (Capitulo 4), como encontrar c utilizar fontes bibli ograficas que orientem a busca de respos­tas (Capitulo 5) e como refletir sobre 0 que foi encontrado (Capitulo 6). Na Parte III , discutirnos a natureza de um born argumcn­to de pesquisa. Comeyamos com lima visao geral do que vern a ser urn argumento de pesquisa (Capitulo 7), entao explieamos quc afirmayocs sao consideradas significativas e que cviden­cias em sell favor sao confiavcis (Capitu lo 8). Analisamos urn elemento abstrato mas decisivo do argumento de pesquisa, cha­mado de "fundamento" (Capitulo 9), e concluimos com uma de sc ri ~ao do modo como todo redator deve apresentar objc­yoes, estipular con d i~oes limitadoras e exprimir condi c;;oes de ineertcza (Capitulo 10).
  11. 11. 6 A ARTE DA PESQUISA Na Parte rv, comentamos as etapas do processo de reda­<; 30 do relatorio final, comc9ando pelo esbo<;o (Capitulo II). Em seguida, abordamos urn assunto que geralmente nao apa­rece em livros deste tipo: como transmitir visualmente infor­ma<; oes complexas, mesmo aquelas que nao sejam qlantitati­vas (Capitulo 12). Os dois capitulos subseqiientes sa9' dediea­dos a verifica<;ao e correc;ao da organizaC;ao do relatorio (Ca­pitulo 13) e seu esti lo (Capitulo 14). A seguir, explicamos como redigir uma introdw;ao que convent;a as leitores de que 0 con­teudo do relat6rio compensani. 0 tempo que eles gaslarao na leitura (Capitulo 15). Por fim, nos estendemos por mais algumas paginas, numa reflcxao sobre algo alcm das tecnicas de exe­cU(; ao de uma pesquisa: a questao da etica da pesquisa, em uma sociedade que cada vez mais depende de seus resultados. Nos intervalos entre os capitulos, voce cncontrara "Suges­toes uteis", breves insert;oes que complementam os capitulos. Algumas dessas sugest5es sao para a aplicat;ao do que voce aprendeu nos capitulos, outras sao considerac;5es suplementares para alunos adiantados, e muitas tratam de questoes nao apre­sentadas nos capitulos, mas todas acrescentam algo novo. A pesquisa c urn lrabalho arduo, mas, assim como todo tra­balho desafiador bern feito, tanto 0 processo quanto os resul­tados trazem enonnc satisfac;ao pessoal. Alem disso, as pesqui­sas e seus resultados sao tambem atos sociais, que cxigem uma reflexao constante sobre a relac;ao de seu trabalho com os lei to­res e sobre sua rcsponsabilidade, nao apenas pcrantc 0 tcma e voce mesmo, mas tambem perante eles, espccialmente se acrc­dita que 0 que tern a dizer e algo bastantc importante para levar os leitores a mudar de vida, modificando 0 modo de pensar. Caprtulo I Pensar por escrito: OS usos publico e privado da pesquisa Ao ENTRAR NA SALA de leitura de uma biblioteca, voce ve a sua volta seculos dc pesquisa, 0 trabalbo de dezenas de milha­res de pesquisadores que pensaram longamente sobre inconta­veis questoes e problemas, colheram informac;oes, deram res­pastas e soluc;oes e, entao, compartilharam tudo isso com os outros. Professores de lodos os niveis educacionais dedicam a vida a ~esq uisa, governos gastam bilhoes nessa area, as empre­sas ate mais. A pesquisa avam,a em laboratorios, em bibliote­cas, nas selvas, no espac;o, nos oceanos e em cavemas abaixo deles. A pesquisa e sua divulgaC;ao constituem urna industria enonne no mundo atua!' Maior ainda e a divulgaC;ao de sellS relatorios. Quem nao for capaz de fazer uma pesquisa confia­vel, nem relatorios confiaveis sobre a pesquisa de outros, aca­bani por se achar a margem de urn mundo que cada vez mais vive de informa93.0. 1.1 POI- que pesquisar? Voce ja sabe 0 que e pesqui sa, porque e 0 que faz todos os dias. Pesquisar c simplesmente reunir inJorma(:oes necessa-. rias para encontrar resposta para lima pergun/a e assim che­gar a solu(:iio de urn problema. PROBLEMA; Depois de urn dia de cornpras, voce percebe que sua carteira surniu.
  12. 12. 8 A ARTl:: DA PESQlRSA PESQUlSA: Voce sc lembra dos lugares onde esteve e come~a a te­lefonar aos departamentos de achados e perdidos. PROBLEMA: Voce prccisa dc urna nova junta de cabe~ote para urn Mustang modelo 1965. PESQUISA: Voce liga para as lojas de au topc~as para descQ.brir qual delas tcrn a pe~a em estoque. PROBLEMA: Voce precisa saber onde Betty Friedan nasceu. PESQUISA: Voce vai it biblioteca para procurar a informa~ao no Quem E Quem. PROBLEMA: Voce ouve faJar de uma nova especie de peixe e quer saber mais a respeilo. PESQUISA: Voce pesquisa nos arquivos dos jornais, a procura de uma rcportagcm sobre 0 assunto. Entretanto, embora quase lodos nos fa~amos esse tipo de pesquisa diariamente, pOlleos precisam redigir urn relatorio a res peito, porque nossa pesquisa normalmente e feita apenas para nossa proprio uso. Mesmo assim, temos de confiar nas pesquisas de outros que registraram por escrito seus resulta­dos, prevendo que urn dia poderiamos precisar dcssas infonna­~ oes para resolver urn problema: a companhia tclcffinica pes­quisou para campor a !ista teJeffinica; os fomecedores de auto­pe~ as pesquisaram para manta! seus cat<ilogos; 0 autor do artigo do Quem t Quem pesquisou sabre Betty Friedan; os jornalis­tas pesquisaram sabre 0 peixe. De fato, as pesquisas feitas por outros detenninam a maior parte daquilo em que lodos n6s acreditamos. Dos tres autores deste livro, apenas Williams ja esteve oa Australia, mas Booth e Colomb acreditam na existencia da Australi a: sabem que ela esta la, porque durante toda a vida leram sobre 0 assunto em relat6rios em que confiaram, viram 0 pais em mapas fidedignos e ouviram Williams falar pessoalmente a respeito. Ninguemja­mais esteve em Venus, mas boas fontes nos indicam que e urn planeta quente, seco e p1ontanhoso. Sempre que procuramos algo em urn dicionario ,?U uma enciclopedia, estamos pesqui­sando atraves de pesquisas dc outros, mas s6 podemos confiar no que encontramos se aqueles que fizcram a pcsquisa a con­duziram com cuidado e apresentaram urn relat6rio preciso. PESQUlSA, PESQUlSADORES E LEJTORES 9 De fato, sem pesquisas confiaveis pub/icadas, seriamos prisioneiros apenas do que vemos e ouvimos, confinados as opi­niOeS do momento. Sem duvida, a maioria de nossas apini5es cotidianas e bern fundamentada (afinal de contas, tiramos mui­tas deJas de nossas proprias pesquisas e experiencias). Mas ideias erroneas, ate mesmo estranhas e perigosas, florescem, porque muitas pcssoas accitam 0 que ouvem, au aqui lo em que dese­jam acred itar, sem provas validas e, quando agem de acordo com essas opinioes, podem levar a si mesmas, e tambem a nos, ao desastre. S6 quando sabemos que podcmos confiar na pes­quisa de outros somos capazes de nos Iibertar daqueles que, controlando nossas cren~as, controlariam nossa vida. Se, como e pravavcl, voce estA lendo eSle livro porque urn professor pediu-lhe que desenvolva seu pr6prio projeto, pode ser que pense em desenvolve-lo s6 para se exercitar. Nao e urn mau motivo. Mas seu projeto tambem lhe dara a oportunidade de participar das mais antigas e respeitadas di scussoes da hu­manidade, conduzidas por Arist6teles, Marie Curie, Booker T. Washipgton, Albert Einstein, Margaret Mead, 0 grande estudio­so islamico Averruis, a fil6sofo indiana Radhakrishnan, Santo Agostinho, os estudiosos do Talmude, rodos aqueles, enfim, que, contribuindo para 0 conhecimento humano, livraram-nos da ignon'incia e do erro. Eles e inumeros outros estiveram urn dia no ponto em que voce esta agora. Nossa mundo, hoje, e dife­rente por causa das pesquisas deles. Nao e exagero afirmar que, se bern feita, a sua mudara 0 mundo de amanhli. 1.2 Par que redigir um rclat6rio? Alguns de voces, entretallto, poderao achar fadl recusar nosso convite para participar dcsse dialogo. Ao fazer 0 relate­rio de sua pesquisa, voce tent de satisfazer uma multidao de requi sitos estranhos e complicados, e a maioria dos cstudantes sabe que seu re laterio sera lido nao pelo mundo, mas apcnas pelo professor. E, aLem disso, meu professor sabe ludo sobre 0 assunlo. Se ele simplesmente me desse as resposlas ou indi·
  13. 13. 10 A ANTE VA PESQUISA casse os /ivros cerlos, eu poderia me concentrar em aprender o que hd neles. 0 que eu gonho redigindo urn relatorio, a noD ser provar que possa faze-Io? J. 2.1 Escrever para lembrar A primeira rauo para registrar pa r escrito a que voce des­cobriu e apenas lembrar. Algumas pessoas, excepcionalmente, conseguem rellnir informalYOes scm as registrar. Mas a maio­ria de nos se perde, quando enche a cabelYa de novos fatos e argumentos: pensamos no que Smith descobriu a luz da tese de Wong c comparamos as dcscobcrtas de ambos com os resulta­dos estranhos de Brunelli, especialmente por serem corrobo­rados por Boskowitz. Mas, espere urn minuto. 0 que foi mesmo que Smith disse? A maior parte das pessoas so conscgue res­ponder a qucstoes mais complicadas com a ajuda da escrita - rclacionando fontes, compilando resumos de pesqui sa, man­tendo anotalYoes de laboratorio e assim por diante. 0 que voce nao registrar por escrito provavelmente sera esquecido au, pior, sera lembrado de modo incorreto. Essa e urna das razoes pelas quais os pesquisadores nao esperam chegar ao fim do proces­so para comCIY3r a escrever: eles escrevem desdc 0 inicio do projeto ate 0 fim, para entenderem melhor e guardarem por mais tempo 0 que descobriram. 1.2. 2 Escrever para en render Uma segunda razao para escrevermos e vcr com maior c1areza as relacoes entre nossas ideias. Ao organizar e reorga­ni zar os resultados de sua pesquisa, voce ve novas re lacoes e contrastes, comp li ca~oes e implicac;:oes que do contrario pode­riam ter passado desperccbidos. Mesmo que pudesse guardar na mente tudo 0 que descobriu, voce ainda precisaria de ajuda para organizar argumentos que insistem em tomar diferentes dire¢es, inspiram relar;5es compJicadas, causam desacordo entre PESQU1SA, PFSQUISADORES £ I£TTORES 11 espccialistas. Quero usar as ajirmafoes de Wong para sus/en· tar meu argumenlO, mas 0 argumento dela e rebatida por estes dados de Smith. Quando os campara, vejo que SmUh nao COlI­sidera a ultima parte do argumento de Wong. Espere 11m miltu­to: se ell a illlroduzir, j untamente com esle trecho de Brunelli, posso salientar a parte do argumenlo de Wong que me permi­Ie refutar 0 de Smith mais f oci/mente. Escrever induz a pensar, ajudando-o nao apenas a entendcr 0 que esta aprendendo, mas a encontrar urn sentido e urn significado mais amplos. 1.2.3 Escrever para rer perspecliva Uma terceira razao pela qual escrevcmos e que, quando projetamos nossos pensamentos no papel, nos os vemos sob uma nova luz, que e sempre mais clara e normalmente menos lisonj eira. Quasc todos n6s - estudantes c profissionais - acha­mos que nossas idcias sao mais coerentes no calor de nossa mente ~o que quando transpostas para as frias letras impressas. Voce melhora sua capacidade de pensar quando estimula a mente com anotar;Oes, esbor;os, resumos, comentarios e outras formas de por pensamentos no papel. Mas voce 56 pode refletir clara­mente sobre esscs pensamentos quando os separa do rapido fluxo do pensamento e os fixa numa forma escrita coerente. Em resumo, escrevemos para podermos pensar melhor, lembrar mais e vcr com maior clareza. E, como vercmos, quan­to melhor escrevemos, mais criticamente podemos leI". 1.3 Por que elaborar urn documcnto rormal? Mesmo sabendo que escrever c uma parte importante da aprendizagem, da reflexao e da compreensao, alguns de voces podem ainda querer saber por que preci sam transformar seu trabalho nurn ensaio ou relat6rio de pesqui sa fonnais. Essa for­malizaCao pode colocar urn problema para estudantcs que nao veem nenhuma razao para seguir urn procedimento de cuja
  14. 14. 12 A AR1E DA PESQlRSIt criac;ao eles oao participaram. Por que eu deveria adotar urna linguagem que nao e minha? 0 que ha de errado com minha linguagem, minhas preocupafoes? Por que nao paSSD relator minha pesquisa do meujeilo? Alguns estudantes chegam a achar ameac;adoras essas exigencias: temem que, se tivere(ll de pen­sar e escrever como sellS professores. acabarao, de ccrto modo, se tomando iguais a eles. E sua preocupac;ao e legilima, porque tern a ver com todos os aspectos de sua vida. Uma educac;ao que nao afetasse quem e 0 que voce c seria ine ficaz. Quanto mais profunda sua cdu­cac; ao, mais ela 0 mudarn. Por isso e tao importante escolher cuidadosamente 0 que voce estuda e com quem. Mas seria urn c rro pensar que escrevcr urn relatorio de pesquisa ameac;aria sua identidade. Aprcnder a pesquisar mudara seu modo de pensar, ensinando-Ihe mais maneiras de pensar. Voce sera difcrente depo is de ter pesquisado, {'orque sera mais livre para escolher quem quer ser. A rauo rnais importante para relatar a pesquisa de urn mo­do que atenda -a expectat iva dos leitores talvez seja a de que escrevcr para os outros e rnais dificil do que escrever para si mcsmo. No momento em que voce registra suas ideias por es­cnto, elas the sao tao familiares, que voce precisa de ajuda para ve-Ias como realmente sao, nao como gostaria que fossem. 0 ,!,elhor que voce tern a fazer nesse sentido e imaginar as ncces­s idades e expectativas de sellS leitores. E por isso que os mode­los e planas padronizados sao os recipi entes rna is apropnados para suas descobertas e conclusOes. Eles irao ajuda-Io a ver suns ideias a luz rnais clara do conhecimento e das expectativas de seus leitores, nlio apenas para que voce teste tais ideias mas tambem para aj uda-Ias a crescer. lnvariaveimente, voce en~ende melhor suas impressoes quando as escreve para torna-Ias aces­siveis aos outros, o rgani zando suas descobertas para ajudar os leitores aver explicitamente como voce avaliou os fatos como re lac ionou uma idc ia a outra, como se antecipou as pe;gumas e preocupa90es deles. Todo pesquisador recorda-se de algum momento em que, ao escrever para os leitores, descobriu urna falha, urn efTO, urna oportunidade perdida, coisas que Ihe haviam escapado nurn primeiro rascunho, escrito rnais para si mesmo. PESQUlSA, PESQUISADORES £ LElTORES 13 Aqueles que pretendem participar de uma comunidade que dependa de pesquisas tcrao de demonstrar que nao so sao ca­pazes de dar boas respostas a perguntas dificeis, mas tambem que conseguem infonnar seus resultados salis/aloriamenle, Oll seja. de modo claro, acessivel e, mais importante,familiar. De­pois de conhecer os modelos padronizados. voce sera mais exi­gente ao ler os relat6rios de pesquisa dos outros, comprecndera melhor 0 que sua comunidade espera de todos e sera mais ca­paz de criticar as exigencias criteriosarnente. Redigir urn relatorio de pesquisa, enfim. e simplesrncnte uma questao de pensar por escrito. Assim, suas ideias terno a aten9ao que merecem. Apresentadas por escrito, estarao "ali". desvencilhadas de suas rccorda90cs, opinioes c desejos, prontas pard serem rnais amplam.ente analisadas, desenvolvidas, combi­nadas e compreendidas, porque voce estara cooperando com seus leitores em urna empreitada comum para produzir urn co­nhecimento novo. Em resumo, pensar por escrito pade ser rnais meticuloso, sistematico, abrangente, completo e mais adequado aqueJes que tern pontos de vista diferentcs - mais ponderado - do qup quase todas as outras formas de pensar. Voce pode, e claro, simular tudo isso, fazendo apenas 0 su­ficiente para satisfazer seu professor. Este livro talvez 0 ajude nesse semido, mas, agindo 'assim, voce eSlara enganando a si mesmo. Se voce encontrar um assunto que 0 interesse, se fizer wna pergunta que deseje responder, sc descobrir urn problema que queira resolver. entao seu projeto podera ter 0 fascinio de urna hist6ria de rnisterio, uma historia cuja solm,ao dara 0 tipo de satisfa9ao que surpreende ate mesmo os pesquisadores mais experi entes.
  15. 15. '. Capitulo 2 Relacionando-se com seu leitor: (re)criando a si mesmo e a seu publico A MAIOR PARTE DAS CQISAS IMPORTANTES QUE FAZEMOS, fa ­zemos com outras pessoas. A primeira vista, podemos pensar que com a pesquisa e di ferente. Imaginamos urn estudioso so­litario, lendo em urna biblioteca silenciosa ou tmbalhando em urn laborat6rio, cercado apenas por artefatos de vidro e com­putadores. Mas nenhum lugar e tao repleto de vozes quanta uma biblioteca ou urn laboratorio, e, mesmo quando parecemos tra­balhar completamente sozinhos, trabalhamos para aican9ar urn fim que scmpre nos envolve em urn di alogo com os outros. Nos nos relacionarnos com outras pessoas loda vez que lemos urn livro, usamos urna ap~ re lhagem de pesquisa ou confiamos em uma formula estatistica. Toda vez que consultamos urna fo nte, que nos reunirnos com algucrn e, reunindo-nos, partici­parnos de urn di alogo que pode ter decadas, ate mesmo sccu­los de idade. 2.1 Di:ilogos entre pesquisadores Exatamente como acontece em sua vida social, voce, como pesquisador, faz julgamentos sabre aquelcs com quem troca idCias (como agora deve cstar julgando nos tres): Garcia pare­ce cOllfiavel, oif/da que um POIICO previsivel; Alhambra e agra­davel, mas descuidada no que d iz respeito as evidencias que apresellta; Wallace coleta bons dodos. mas noo cOl/fio em SilaS conclusiies.
  16. 16. 16 A ARTF. DA PESQlRSA Esses j ulgamentos, pacem, nao sao urna via de mao Unica ­voce j ulgando suas fontes - porque elas ja a julgaram, criando, em certo senti do, lima persona para voce. As duas passagens a seguir "eriam" leitores diferentes, atribuindo-Ihes niveis di­ferentes de conhecimento e experiencia: I - A reguJagem da interacao das protcinas contriteis acti­na e miosina no filamento fino do sarcomere, por melo de hloqueadores de calcio, e agora urn meio comum de controlar espasmos cardiacos. 2 - Seu musculo mais importante e 0 coracao, mas ele nao funciona quando esta acometido de espasmos musculares. Esses espasmos agora podem ser contro­ladas por drogas conhecidas como hoqueadores de calcio. Os hloqueadores de calcio atuam sabre peque­nas unidades de fibras muscuiares chamadas sarco­meros. Cada sarcomero tern dais f ilamcntos, urn gros­so e urn fino. 0 fi lamento fino cantem duas proteinas, actina e miosina . Quando a actina e a miosina intera­gem, seu'coracao se contrai. Essa intera/Vao e contro­lada pelos bloqueadores de calcio. o primciro trecho lembra urn especia li sta escrevendo a ou­tro; 0 segundo, urn medico explicando cuidadosamente ideias complexas a urn paciente. Seu texto refletira nao s6 os julgamentos que voce fez sobre ~ conhecimento e a capacidade de compreensao de seus leitores, mas, mais importante ainda, 0 que voce quer que eles identifiquem como significativo em sua pesquisa. E seus lei­tores 0 julgarao com a precisao com que voce os julgar. Se cal­cular mal a quantidade de informacoes de que eles precisam, se apresentar suas dcscobertas dc urn modo que nao alenda aos interesses deles, voce perdera a credibi lidade de que lodo autor precisa para sustentar seu lade do dia!ogo. Portanto, antes mesmo de dar 0 primeiro passo cm direl;ao a urn relat6rio de pesquisa, voce cleve pensar no tipo de dialogo que pretende ter com seus leitores, no tipo de rclaC;;ao que dese- PESQlDSA, PESQUlSADORES E LEITOR.£S 17 ja estabelecer com eles, no tipo de re l a~ao que espera que quei­ram e possarn ter com voce. lsso significa saber nao s6 quem sao eles e quem e voce, mas quem voce e eles pensam que todos voces devem ser. Voce pode pensar que a resposta e 6bvia: Eu sei quem sou, e meu lei/or e 0 meu professor, mas os pesquisadores cstudan­tes sempre trabalham em circunstanc ias complicadas. No pa­pel, voce pareeeni. diferente do que c em pessoa. E seus profes­sores, como leitores, reagirao de modo diferente de como rea­gem em classe. Coordenar tudo isso significa reconhcccr: I) os diferentes papeis sociais que a autor C 0 lei tor criam para si mesrnos e urn para 0 outro e 2) as intcrcsscs comuns que todo lei tor e todo autor compartilham. 2.2 Autores, Icitores e s e llS papeis sociais Suas decisoes sobre si mesmo e SCllS leitores sao bastan­te complicadas, porque trabalhos de pesquisa exigidos em sala de aula criam s itua~Oes obviamente art ificiais. Se esse e urn de seus primeiros projetos, voce talvez nao 0 eSleja fazendo por­que, na vcrdade, senle a premcnte necessidade de fonnular uma pergunta cuja resposta modifique 0 mundo. Por outro lado, e improvavel que seu professor tenha Ihe pedido para fazer a pes­quisa porque sinta a necessidade prcrnente de saber sua respos­tao Voce provavclrnente esta escrcvendo para atingir uma meta menos direta: aprender sabre pesquisa, represenlando 0 papel de pesquisador e imaginando 0 papel de sell le itor. Representar urn papel nao e uma parte insignificante do aprendizado. As pessoas podcm aprender uma tccnica de tres maneiras: lendo sobre ela ou ouvindo sua exp li ca~ao. observan­do enquanto oulros a praticam, ou praticando a tecnica par si mesmas. 0 aprendizado mais eficaz combina as tres alternativas, mas a terceira c decis iva: Illio basta apenas ler, ouvir e obser­var - e preciso Jazer. E, uma vez que a pesquisa e uma ativi­dade social, pratica-Ia significa desempenhar urn papel social. Com essa finalidadc em vista, seu relat6rio deve criar papcis tamo para voce quanto para seu professor. Mas csses
  17. 17. 18 A ARTE VA PESQUlSA papeis nao podem sec os da sala de aula, onde 0 professor fa: pcrguntas para que voce mostre que sabe as respostas, ou vo~e faz as perguntas porque nao sabe as respostas. Em sell relato­rio voce deve se converter em autor/pesquisador e dar a seu pr~fessor 0 papel de urn leiter que deseja, ,?u de~e~ia ,desejar, saber 0 que voce descobriu. Na verdade, deve se Imagmar tro­cando papeis com seu professor, voce se tarnando professor dele, c ele, seu aluno. 2.2.1 Criando seu papel Ao longo de teda sua pesquisa, imaginc-se como alguem que possui urna informa~ao ou afirma~ao bastante importante para sec passada a outros que passam quercr conh:ce-Ia. Ima­ginando isso, voce deve represcntar 0 papel .espe~lfico de urn profissional cia area. Se estiver num curso de blOlogla, por exem· plo, espera·se que tenha apontamentos cO';lplet~s sobre 0 ~uc ocorre no laborat6rio (incluindo crros e sltua~oes scm s3lda) e da mcsma maneira como faria urn pesquisador experientc, r~late seus resultados de forma profissional. Se seu projeto, num curso de hist6ria, for preparar seu hist6rico familiar, voce deve consultar a literatura sobre as raizes etnicas e socioeco· nomicas de sua familia, da mesma maneira que urn historiador pro fi ssional faria. Ou pode ser que Ihe pefY3m para represen· tar 0 papel de uma pessoa informada, que nao seja urn profis· sional "de dentro", mas exatamente 0 que voce e: urn estudan· te escrevendo seu primeiro relat6rio de pesquisa em urn curso introdut6rio. , Seu professor pode ate mesruo dar informatroes dctalhadas: ESCT'eva um historico de sua familia para 0 "Projeto Diver· sidade ", como parte da comemoraplo de celllentirio e de uma camponlta para arrecada~'ao de fundos: seu historico, jllllta­mente com mdros, sera publicado numa broe/lllm diSlribuida peta associa~iio de ex..a/unos para moSlrar a diversidade dos estudantes desre campus. PESQUlSA, P£SQfJISADORES E I£rroRES 19 De acordo com essas infonnafYOes, seus leitores nao seriam his· toriadores profissionais, mas alunos em potencial e seus pais. Mas suponha que Ihe seja pedido para interpretar 0 papel de urn pesquisador que faz urn relat6rio sobre a presentra de toxinas nurn lago, para a diretora da Agencia Estadual de Pro­tefYao ao Meio Ambiente. Nessc caso, talvcz fosse convenien· te fazcr uma pesquisa sobre essa diretora, para descobrir quem cia e e como pretendc usar seu relatOrio. No passado, ela esteve mais ligada a politiea ou a ciencia? Se a resposta for a segun· da altemativa. que tipo de cicncia? 0 relatorio sera para ela apenas, ou tambem para 0 governador? Ela precisa das infor· mafYOcs para decidir a que fani no futuro, au para justificar uma decisao que ja foi tomada? Em resumo, 0 primciro passo no preparo de uma pesqui· sa e compreender seu papel num determjnado "palco". Por que Ihe pediram para escrever 0 relatorio? 0 que seu professor, curso ou prograrna querem que voce aprenda com isso? Querem que voce experimente 0 sabor da pesquisa, visando prepara-lo para se especializar em urna area, tornar·se urn profissional? Ou ser'a que desejam dar aos alunos em busea de educw:;iio Ii· beral uma oportunidade de pensar muito sabre urn assunto de sua propria escolha? Se voce nao souber, pergunte. Outra questao a considerar e como a aparencia de seu relat6rio influi no papel que voce representa nesse contexto social previsto. No trabalho dc biologia, 0 texto deveria ter a forma de urn relat6rio de laborat6rio, de urn memorando of i­cial recomendando providencias, ou de urn sumario de direto­ria? No caso do trabalho de hist6ria, voce tern menos formas para escolher, mas deve procurar saber, por exemplo, se pode elaborar a hi st6ria como uma narrativa na primcira pessoa, em que voce fa lara de seu passado e do que descobriu sabre ele. Ou sera que 0 trabalho deve ser um rclato formal, na tcrccira pessoa? Nao comcce sua pesquisa antes de saber quais sao suas op~oes quanto a forma do rc latorio.
  18. 18. 20 A ARTE DA PESQUlSA 2.2.2 Criando urn papel para seu iejlor SellS leitores tambem devcm desempenhar urn papel, que voce criara para eles. Considerando que seu professor talvez seja seu principalleitor, voce deve atribuir-Ihe 0 papel,dc alguem que, se liver bons motivos, in! se preocupar com seu'problema de pesquisa e querer conhecer a 50U9aO. Ele tambCm poden't estipular urn papel para si mesmo - alguem uda" especialidade, que espera que voce escrcva como os demais autares da area. Ou, 0 que sena mais dificil, cle poderia representar 0 papel de urn lei tar comum que nao tern conhecimento especializado cia area e sellS metodos. Dependendo do papel que ele se atribua. sell professor ira concentrar-se em difercntes aspectos do rel at6rio. Como lei tor especializado, procurani cita.-;oes dos estudos chissicos sobre o assunto, fonnatadas corretamente, e como lei tor comum ira querer explica.-;6es claras, "em linguagem simples", dos ter­mos tecnicos. Se voce estiver redigindo urna (ese para ser lida por urna banca exarninadora, tera de pensar nos diversos pa­pcis de maneira mais complicada ainda. Se voce e urn pesquisador experiente, compreende como os leitores difercm uns dos ou1ros, mas, se esta cscrevendo seu primeiro relat6rio de pesquisa, prccisa saber que os leitores ado­tam papeis baseando-se no modo como usadio sua pesquisa. As diferen.-;as mais importantes encontram-se entre os que H!:em por diversao, as que querem urna solu.-;ao para urn problema pnitico e aqueles que se dedicam a pura busca do conhecimen­to e da compreensao. Para entender essas difcrem;:as e corno afetam sua pesqui­sa, imaginc tres formas dc dhilogos sobre baloes, dirigiveis e zepelins. Por diversao. Esse tipo de troca de ideias ocorre entre pes­soas que se reimem para fa lar sabre zepelins por passatempo. Para enttar no dialogo, voce s6 precisa mostrar interesse pelo assunto e ter algo novo ou interessante para oferecer, como, por exemplo, urna carta do lio Otto, na qual elc dcscreve sua viagem no primciro zcpclim a cruzar 0 Atlantico equal foi a PESQUISA, PESQUlStt.DORES E LEITOR£S 21 cardapio do jantar. 0 que esta. em jogo aqui c urn momenta de diversao entre pessoas que gostam de falar sabre zepelins e tal­vez procurem obter algum enriquecimento pessoal. Sua conver­sa seria 0 tipo de trabalho que voce escreveria em uma aula de reda.-;ao, em que se espera que 0 aulor seja anirnado, com algo interessante, talvcz engra.-;ado para contar, que se concentre mais em expor suas pr6prias rea.-;oes do que em fazer uma ami­lise imparcial do assunto. Como sua tarefa e cornpartilhar com outras pessoas seu entusiasmo por urn assun to que tambcm as entus iasme e oferecer algo que etas nao conhe.-;am e achariam interessante, voce deve consultar suas fontes, procurando hist6- rias divertidas, fatos estranhos e assim por di ante. Por urn motivo pnitieo. Agora imagi ne um segundo dia­logo, dessa vez com 0 pessoal do departamento de rela.-;oes publicas da Giganto Inc. Eles gostariam de usar urn dirigivei em uma campanha publicitaria, mas nao sabem quanta isso custaria, nem ate que ponto seria eficaz. Entao, contrataram voce para descobrir. Para sair-se bern nesse dhllogo, voce pre­cisa ethender que btl mais coisas em jogo do que meramente a satisfacao da curiosidade. Sera necessario responder a per­gunta da pesquisa de urna maneira que aj ude 0 pessoal de RP resolver seu problema pratico,fazendo algo: se alugarem 0 di­rigivel, aumentadio as vendas da Giganto? Esse e 0 tipo de pu­blico para 0 qual voce podera escrever, quando seu professor criar urn roteiro "da vida real" para seu trabalho, ou seja, oode haja alguem interessado em usar sua pesquisa para resolver urn problema real, tangivel, pragmatico. Se souber 0 que seus lei­ta res farao com suas respostas, voce sabera que informa.-;oes procurar, compreendendo que h5. outras com as quais nao pre­cisa se incomodar - e improvavel que 0 pessoal da Giganto quei­ra saber quando foi inventado aquele artefato mais leve que 0 ar, ou sc interesse pelas equacoes usadas para analisar sua eSla ­bi lidadc acrodinarnica. Para en.ender. Finalmente, imagine que sua escola tcnha urn departamento de artefatos mais Jeves que 0 ar, tao impor­tante quanto 0 departamento de ingles au de qui mica. A facu!-
  19. 19. 22 A ARTE DA PESQUISA dade oferece cursos sabre dirigiveis, haloes e zepeJins, pesqui· sa-os e participa de uma troca de ideias mundial, puhlicando pesquisas a respeito dessas aeronaves. Dcssc dialogo partiei­pam centenas, talvez milhares de pesquisadores. Alguns deles se conhecem, Quiros Dunea se encontraram, mas tod~ leeru os mesmos !ivros e peri6dicos. 0 objetivo deles nao e se divertir (embora se divirtam) ou ajudar alguem afazer alga - ~omo me­Ihorar a imagem de uma empresa (embora pudcsscm gostar de atuar como consuhores, pages peJa Giganto Inc.). 0 objetivo deles e propor perguntas, e responder a elas. sabre artcfatos mais leves que 0 ar, sua hist6ria, SU3S conseqilencias sociais. a tcoria e a litcratura a respeito do assunto. Eles determinam o valor de seu lrabalho nao pclo que possam oferccer como fonte de entretenimento au pela ajuda que possam dar a algucm, mas pelo que aprendem, pelo conhecimento que adquirem a respei­to de dirigiveis, pel a avalia!;ao de quanta conseguem se apro­ximar da verdade. Como conscqiiencia, esses estudiosos de artefatos mais leves que a ar estao intensamenle preocupados com a qualida­de intelectual de seu dialogo: esperam que todos as participan­tes sejam objctivos, rigorosamente 16gicos, fieis aos fatos, ca­pazes de analisar as perguntas de todos os angulos, nao impor­ta para onde a investiga!;ao os conduza au quanta tempo Ihes tome. Esperam que 0 dialogo focalize as complcxidades, ambi­giiidades, inccrtczas, os misterios e, entao, que apresente solu­c;: Oes. Confiam nas pesquisas uns dos outros ao mesmo tempo em que competem entre si para produzir as proprias pesquisas: desse modo, testam tudo antes de fazer seu relatorio, porque 0 que mais valorizam e fazer as coisas co~retamente, e porque sabem que a vcrdade e sempre parcial - incomplcta e facciosa. Entendem que toda verdade apresentada e contestavel e sed testada pelos outros participantes do dialogo, nao exatamente por screm controversos (embora possam ser) ou mesmo cini­cos (embora alguns sejam), mas porque desejam aproximar-se da verdade sobrc dirigiveis. Tais leitorcs sc interessarao por qualquer coisa nova que voce tenha a dizer, mas va~ quercr saber 0 que fazer com a nova PESQUISA, PESQUlSADORES F. LEnORES 23 informac;:ao e de que modo ela afeta 0 que ja sabem sabre diri­giveis. Ficarao cspecialrnenlc interessados sc voce convence­los de que nao compreendem algo tao bern quanto imaginavam: A maior parte das pessoas peIJsa que as arte/atos mais /eves que 0 ar originaram-se na Europa, no seculo XV/lI, mas eu descobri urn desenho do que parece ser urn baMo de ar quen­te de qualm seculos antes, numa parede, na America Central. E de urn dialogo desse tipo que voce participa quando re­lata pesquisas para uma comunidade de estudiosos. Nao impor­la que sell eslilo seja eJeganle (em bora isso me fara admirar mais seu trabalho), nao importa que voce me conte hiSlorias diver/idas (ainda que eu possa aprecia-Ias, se elas me ajudarem a entender me/hor silas Midas), nao importa qlle a que voce saiba me enriquera (em bora isso possa me deixar contente). Apeflas diga-me algo que nao sej, delorma que eu possa com­preender me/hor 0 que sei. Esses tres tipos de leitores podem cstar interessados em artefatos rna is leves que 0 ar, mas a interesse de cada urn no assunt? e di~erente. portanto vao querer que sua pesquisa re­solva tlPOS dlfercntes de problemas: entrete-Ios, ajuda-Ios a so­lucionar algum problema, ou simplcsmente ajuda-Ios a com­preender melhor urn assunto. Se cssa for sua primcira incursa.o na pcsquisa, voce tera dc descobrir 0 que esta em jogo no rneio a que pertence. Se nao sauber, pergunte, porque esse requisito 0 levani a caminhos di­ferentes de pesquisa. Claro que no decorrer da pesquisa voce podera descobrir alga que mude sua intem;:ao: enquanto coleta hist6rias cngra­rvadas sabre 0 descnvolvimcnto do zcpelim, talvez descubra que a hist6ria oficial desse dirigivel esta errada. Mas, se voce nao tiver. desde 0 inicio, uma n o~ao do que realmcnte pretendc, esta arriscado a fiear perambulando sem rumo de uma fonte de informarvoes para outra, a que 0 conduzira, e a seus leilO­res, a lugar ... nenhum.
  20. 20. 24 A ARTE OA PESQUISA 2.3 Leitores e seus problemas comuns Oependendo do que esteja em jogo. leitores e autorcs re­presentam papeis sociais diferentcs, por tras dos quais ex istem preocupa<;:Oes comuns a todo leiter, assim comp problemas comuns a todo auter. " 2.3.1 Leitores e 0 que voce sabe sobre eles Todos os leitores compartilham urn interesse: querem ler relat6rios que aprescntem 0 minima poss ivel de dificuldades desnecessaria s. Podcm apreciar a elegancia e a vivacidade de espirito, mas em primeiro lugar quercm entender 0 ponto prin­cipal de seu trabalho e saber como voce chegou a ele. Assim, como c uti I pensar no processo de reda<;:ao de seu relat6rio co­mo urn caminho para urn ponto de destino, tambem e ut il ima­ginar uma trajetoria semelhante para seus leitorcs, que tcrao voce como guia. Eles querem que sua introdlll;ao lhes indique para onde ir, e que voce explique por que deseja conduzi-los por esse caminho, que de uma ideia da pergunta a que a jornada respondcra, que problema, inte1ectual ou pratico, sera resolvido. Seus leitores tambem vao querer saber de que maneira sua pesqui sa e as conciusOes mudarao suas opinioes e co nvic~oes: e assim que irao aferir a impQrltincia de seu trabalho. 0 que voce pretende? Oferecer a leitores agmdecidos a solu<;:ao de urn problema que durante muito tempo cles sentiram que prc­cisavam resolver, ou tentara vender uma soluc;ao a leitorcs que, nao s6 podem rejeita-Ia, como tam¥m, talvez, nem sequer queiram saber do problema? l o dos os leitores projeram em urn relatorio de pesquisa os pr6prios interesses e co n ce p~oes. Portanto, antes de redigi-lo, voce precisa definir a p os i ~ao dcles e a sua em rcla~ao it pcr­gunta a que voce esta rcspondendo e ao problema que esta resol­vendo. Se sua pcrgunta ja e urn assunto palpitante na comuni­dade, a maioria dos leitores a apreciani, antes mesme de voce aprescnta-la. Nesse casc, concentre-se cm definir II posic;ao deles em re l a~ao a sua resposta: I PESQUISA, PliSQUISADORES E l.En oRES 25 • Se ja conhecem a resposta. voce as estara fazendo perder tcmpo. • Sc acreditam em uma res posta errada, ou em urna res posta certa pelas razoes erradas, antes de mais nada voce tera de demove-Ios do eITa e, entao, convence-Ios de que sua resposta e a correta, pel as razoes coeretas - wna tareEa dificil. • Se cles nao tern urna resposta. voce esta com sorle: 56 pre­cisara convence-Ios de que possui a resposta certa, e eles a recebcrao, agradccidos. Se, por outro lado, sua pergunta nao for urn assunto pal­pitante. sua laTera sen. mais complicada, porque a maioria dos leitores nao tCHi conhecimento de sua pergunta ou de sell pro­blema, antes de voce apresenta-Ios. Nesse caso, voce precisara, primeiro, convence-Ios de que sua pergunta e boa. o Alguns leitores, par quaJquer rozao, nao terao nenhum inte­resse em sua pergunta, de modo que nao se interessarao pela resposta. Convence-Ios a interessar-se pela pergunta podera ser urn desafio maior do que convence-Ios de que voce cn­controu a resposta correta. o Allguns leitorcs poderao mostmr-se receptivos a seu problema por pcrceberem que a so lu~ao os ajudara a entender melhor seus pr6prios problemas. Se for assim, voce estara com sortc. o Outros leitores poderao rejeitar tanto sua pergunta como a resposta, porque aceita-Ias desestabilizaria convic~oes man­tidas ha longo tempo. Podcriam mudar de ideia, mas apenas por boas razoes, enfat icamente expostas. o Finalmente, alguns le itores estarao tao cntrincheirados em suas co nvic~oes, que nada os fani levar em considera~ao uma nova pergunta ou urn velho problema tratado de uma nova maneira. Voce s6 podeni ignoni-Ios. 2.3.2 Leitores e 0 que voce espera deles Para entendcr seus leitores, portanto, voce prccisa saber qual e a posi~ao delcs. Mas tambem precisa decidir aonde de­seja leva-los e 0 que cles farao quando chegarem la. Podcria ser uma· das ahernativas descritas a seguir, au todas elas.
  21. 21. 26 A ANn::: DA PESQUISA Aceitar um conhecimento novo. Se voce oferecer aos leitores apenas conclusOeS e conhecimentos novos, devera pre­sumir que eles ja tern interesse pelo assunto, ou, entao. dispor­se a convence- Ios de que, tomando-se receptivos, s6 terao a lucrar. Se eles ja tiverem interesse, apenas apresent~r as in for­macOes sera menos trabalhoso, mas tarnbem muito menos in­teressante e geralmente menos marcante. Vez por outra, urn pesquisador dint: Aqui estlio as inj'ormap5es que descobri. e espero que possam interessar a alguem. Os leitores ja interes­sados fi carao gratos, mas iraQ se interessar mais se 0 pesquisa­dor mostrar como os novos dados podem for~a-Ios a ocupar-se de uma nova quesHio, especialmente sc tais dados perturbarem sua ant iga maneira de pensar. Vamos dizer que voce possua infonnac;:Ocs sabre tecelagcrn tibetana do seculo XIX. Isso pode ser novo para seus leitores, mas voce nao tern nenhum argumento diferente alem de: Voces provavelmente nlio conhecem este assunto. Tudo bern, mas me­Ihor seria imaginar como sua nova informac;:ao poderia reque­rer que cles mudassem de opiniao sobre 0 Tibete, a teeelagem ou ate mesmo sobre 0 scculo XIX. Isso significa achar pcrgtm­tas que possam interessar aos leitores. e quc seu novo conhe­cimento possa responder. No mundo dos ncg6cios e do comercio, e comum um su­' pervisor orientar os pesquisadores para reunirem e relatarem informa~oes , mas essa pessoa normalmente quer as informa­~ Oes para resolver urn problema que elaja sabe que tern. Nesse caso, ha urna divisao de trabalho: Voce consegue as informafoes de que eu preciso para resolver meu problema. , Mudar convic~oes. Voce pedira mais de seus leitores (e de si mesmo) se pedir-Ihcs nao so que aceitem novos conhe­cimentos, mas tambem mudem conv i c~oes arraigadas. Quanto mais arrai~adas estiverem essas convicc;:oes, mais dificil sen) muda-Ias. :£ assim que os leitores avaliam a importancia da pcs­quisa. Por exemplo, seria faci! convenccr a maioria de nos de que ha exatamente 202 asteroidcs conhccidos, a urna distancia de urn quilomctro c meio ou mais. porque poucas pessoas estao preocupadas com isso. Mas, se pudesscmos ser convencidos de 1, PESQUISA, PESQUlSADORES E LErroRES 27 que esses 202 aster6ides sao restos de urn planeta que urn dia existiu entre a Terra e Marie e explodiu em uma guerra nuclear, tcriamos de mudar muitas convic<;;oes sohee varios assuntos importantes, 0 menor dos quais seria 0 numcro exato de aste· rOides. Ao pensar oa qucstao de que esta tratando, pense tam· bern no impacto que pretende produzir oa estrutura geral de convic.;oes e conhecimentos de seus leitores. Quante maior 0 impacto, mais importante sera sua questiio, e mais voce tern de trabalhar para sec convincente. o fate delorosa, no cntanto, e que mesmo pesquisadores experiemes acham dificil prever ate que ponto suas dcscobertas faraa os Ieitores mudarem suas convic~oes. E, mesmo quando conscgucm, geraimenlc lutam para explicar por que os leitores deveriam mudar. Agora, uma coisa importante: Se voce for um pesqllisador iniciante. nlio pense que tera de satiJ.jazer uma expectativa tlio elevada quanto essa. No in icio, nao se preocupc em saber se as resultados de sua Pfsquisa serao novas para os outros, se serao capazes de mu­dar a opiniiio de alguem, alem da sua. Preocupe-se antes de rnais nada em saber se 0 trabalho e importante para voce. Se conseguir encontrar uma pergunta a que so voce queira respon­der, ja sera uma conquista importante. Se conseguir encontrar urna resposta que mude apenas 0 que voce pensa sobre urna pon;.ao de coisas, conquistou algo ainda rnais importante - des­cobriu como novas ideias desestabilizam e reorganizam con­vicc;: ocs estaveis. Sc voce for urn pesquisador experiente, porem, tera de dar o proximo passo. Seus leitores esperam que voce apresente urn problema que nao 56 reconhec;:am como seu, mas tambem como deles, urn problema cuja solll c;:ao mudara a opiniao deles, de urn modo que eles achem significativo. (Discutirernos esse requi­sito mais detalhadamente no Capitulo 4.) Praticar urna ae;ao. De vez em quando, os pesquisado­res pedem que os leitores pratiquem urna a~ao porque acredi­tam que a so lu~ao de seu problema de pesquisa podera ajudar os leitores a resolver urn problema real. As vezes isso e Hiei l -
  22. 22. 28 A AR71;." DA PESQUISA urn quimico descobre como produzir gasolina nao poluente e, entao, leota persuadir as companhias de petr6leo a usarcm sua formula. Mais frequ entemente, os resultados de sua pesquisa nao Icvarao a urna 8930 especifica mas, sim, a urna conflusao que apenas mudara a compreensao de seus leitores. NQ mundo da pesquisa erudita, entretanto, cssa nao e urna conquista despre­zivel. No computo final, a importancia da pesquisa academica dcpende do quanta ela abala e reorganiza convic~oe s. nao que­rendo dizcr que essas novas conv i c~oes levarao a uma 3930. Tenha em mente que praticamentc todo pesquisador aca­demico comec;a satisfazendo interesses. nao de sellS leitores, mas os sellS pr6prios. Tambem estcja cienle de que mesmo pesquisadores experientes geralmente nao podcm, logo no co­me<; o, responder a perguntas sabre a importancia de sua pcs­quisa. Par rnais paradoxal que possa parecer, quase lodos s6 cornprccndcm exatarnente a importancia que suas dcscobcrlas terao para os outros quando terminam 0 primeiro rascunho de seu relat6 rio. Portanlo, aqui vai rnais uma palavra de conforto para quem esteja in iciando seu primeiro projeto: quando voce parte de urn interesse seu - como deve ser - provavclrnenle nao sabe 0 que esperar de seus leitores, ou ate de si mcsrno. S6 descobrini. isso depois de encontrar urna rcsposta que 0 ajude a entender melhor a pergunta que deseja submetcr fa aprecia<;ao de seus leitores. Mesrno entao, sell melbor lei tor talvcz seja voce mcsmo. N oda e mais importonte pora 0 sucesso do pesquiso do que seu compromisso com ela. Algumas dos pesquisos mois impartontes do mundo forom conduzidos par pessoos que triunforom sobre a indi­feren<;: o , porque nunco duvidorom de suo proprio visco. Barbaro AflcClintock, umo geneticista, lutou durante onos, sem reconheci' menta. porque suo comunidode de pesquiso noo considerovo seu trobolho importonte. Mos cia ocreditou nele e final mente, quando a comunidode foi persuodido a fozer perguntos a que 56 elo pode­rio responder, B6rbaro conquistou a honro mois alto do ci€mcio : 0 Premia Nobel. 1 I I PESQUISA, PESQUTSADORES J:: LEITORES 29 2.4 Autores e seus problemas comuns Da mcsma maneira que lodos as leitores tern certas preo­cupa<; oes em comum, lodos as autores enfrentam alguns pro­blemas iguais. 0 mais importante para os iniciantes e a dife­renc; a que a experiencia faz. Quando urn autor conhece real­mente urna area, interioriza seus metodos tao bern, que e capaz de fazer por habito 0 que antes fazia apenas atraves de normas e reflexao. Autores com pratica come<;am urn trabalho com a intuic;ao de qual sera sua forma final e do que os leitores espe­ram. Os menos experic ntes tern de pensar nao s6 em seus assuntos e problemas especifi eos, mas tambcm de fazer 0 que os autores experi entes fazem intuitivamente. Mas e claro que e para isso principaime nte que voce se esforc;a tanto, para apren· der a pesquisar rnais, com menos desperdicio de csfor<;o. E essa e a meta deste livro: ofereeer-ihe diretrizes, listas de con­ferencia e ve rifica~ao e sugestOes rapidas para ajuda-Io a avaliar seu progresso e seus planas e, a que e rnais importantc, mos­trar- Ihe como pensar e escrever como um leilOr: em resurno, tamar claro 0 que os autores cxperientes fazcm intuitivamente. Todo 0 mundo eome4ta eorno novato, e quase todos n6s nos sentimos assim outra vez, ao cornec;ar urn novo projeto no qual nao estamos inteira rnente confiantes. Nos tres, os auto­res, lembrarno-nos de ja haver tentado redigir conciusoes pre­liminares, eonscientes de que nosso texto e ra impreciso e con­fuso, porque era assim que nos sentiamos. Lembramo·nos de ri­car simpiesmente repctindo 0 que Ilamos, quando deviamos eslar analisando, sintetizando e criticando 0 texto. Tivemos essa ex­periencia quando erarnos estudantes, primeiro como alunos de faculdade, depois de p6s-gradua<;ao, e passamos por ela quase toda vez que comeC;arnos urn projeto que exige que estudemos urn assunto verdadeiramente novo. A medida que voce adquire rnais habilidade e experien­cia, algumas dessas ansiedadcs sao superadas. A pratica eompen­sa. Par que, enrno, urna vcz que voce tcnha "aprendido a pesqui­sar", nao eonsegue livrar-se cornpletamente da ansiedade? 0 fato e que aprender a pesquisar nao e como aprender a andar de
  23. 23. 30 biciclcta, uma habilidade que voce pode repetir cada vez que experimenta uma bicicleta nova. Pesquisar envolve algumas habil ida­des repetitivas, mas, como os objelos de pesquisa sao infi nitamente variados, e os modos de informar os resultados vari am dc area para area, cada novo pro­j eto lraz cons igo proble­mas novos. A dife renc;a entre 0 especialista e 0 novato reside em parte no fato de que 0 especialista cOnlrola melhor as tccni ­cas repetitivas, mas, alem disso, ele lambem consc­gue prever melhor as ine­vitaveis incertezas e supe­rn- Ias. Entao, como voce po­de evitar a sensac;ao de que esta sobrecarregado? Em primeiro lugar, to­me consciencia das incer­tezas que inevitave lrncnte enfrentara. Esse deve ser o objetivo da primeira e rapida leifUra deste livro. Em segundo lugar, do­mine 0 assunto que cseo­Iheu, eserevendo sobre elc A A~ DA PESQUISA Sobrecofgo cognifivo: Algumos polovros tronquilizodoros As dificuldades que os pesquiso· dares inicionles enfrenl~m tem me­nos 0 ver com idade 6u realiza · <;6es do que com a experiencio no areo estudado. Umo vez, um de nOs explicovo 0 olguns professores de redacoa juridica que os prO" blemas de ser novato despertom umo sensa COo de inseguronca nos novas esludonles de dirello, rnesmo entre as que erom bons redalores antes de entror no facul­dode. No rim do converso, umo mulher comentou que, 0 0 inieior a curse de direil:>, expe~imentoro 01- gumo sensocoa de Incerteza e caniusoo. Antes do curso. elo lora prolessoro de ontropoogio, publi­coro urn trobolho e faa elogiodo pelo.s revisores pelo clorezo e pelo vigor de seu lexlo. EnlOo, decidira mudor de carreiro e curror 0 fa­culdade de direiJo. Segundo elo, escrevio de moneiro lOa incoerente, nos prirneiros seis meses, que leve meda de eslor sofrendo de alguma doenco degenerotive do cerebra. Noo eslova, e claro: simplesmente, experirnenlovo urn tipo de olosio lempororio que oflige 0 moiorio de n6s, quando lenlomas escrever so­bre urn oSS~Jnto que 000 domino' mos. Noa lai de surpreender que, 00 camEX;or 0 enleooer melhor os leis, possasse a pensor e escrever melhar. ao longo da pesquisa. Nao se limite a tirar fotocopias de suas fontes e sublinhar palavras: escreva resum~s, criticas, pergun­tas sobre as quais refletir mais tarde. Quanta mais escrever, a medida que avanfa, nao importa quao esquematicamente 0 PESQUISA , PESQUlSADORES £ lElTORES 31 faca, mais confiante estara ao enfrentar 0 intimidante primei­ro rascunho. Em terceiro lugar, mantenha sob controle a complexidade de sua larefa. Todas as partes do processo de pesquisa afetam as demais, portanto use 0 que aprendcu sobre cada parte, de modo a dividir 0 complexo conjunto de tarefas em etapas rn a­nejaveis. Supere os primeiros estagios. encontrando urn topi­co e fonnulando algumas boas perguntas, e, entao, seu trabalho sera mais eficaz mais tarde, quando voce redigir 0 rascunho e revisa-Io. Inversamentc, se puder prever como fani 0 rascunllO e a revisao, ten} maior eficaeia na etapa de procurar urn topi­co e formular urn probl ema. Podeni dar as tarefas a atem;ao que cada uma requer, se souber como coordemi-Ias. quando se concentrar em uma em particular, quando fazer uma avaliaC;ao, como revisar sellS pianos e ale mesmo quando altera-los. Em quarto lugar, conte com seu professor para ajuda-Io a veneer suas di f iculdades. Bons professores querem que seus alunos teoharn sucesso e prcstam-lhes aj uda. ryIa is importante de tudo, reeo nh e~a 0 problema pelo que ele e: suas dificuldades nao indicam necessariamente que voce Icnha fa lhas g raves. Para superar os problemas que todos os iniciantes enfrentam. faca exatamente 0 que esrn fazendo, 0 que todo pesquisador bem-sucedido sempre fez: va em frente.
  24. 24. Sugestoes uteis: UsIa de verijica,ao para ajuda-Io a compreender seus leilores ". Embora voce deva pensar em seus leitores desde 0 come­~ o . nao espere poder responder a lodas as perguntas scguintes ' ate estar proximo do fim de sua pesquisa. Porlnolo, plancje re­tomar a esta lista de verifica930 algumas vezes, cada vez apri­morando mais 0 pape! que ira criar pam seus leitores. Como e sua comunidade de leitorcs? 1 - Seus leitores sao: • Profissionais da area de sua pesqui sa? • Leitores comuns que tern: - niveis d iferentes de conhecimento e interesse? - niveis semelhantes de conhecimento e interesse? 2 - Para cada grupo uniforme de leitores, repita a anali­se que se segue. o que seus Icitorcs espcram que voce fa~a por elcs? 1 - Que os divirta? 2 - Que os ajude a resolver algum problema real? 3 - Que os ajude a compreendcr melhor algum assunto? Quanto sabem seus leilorcs? 1 - Nivel de conhecimento geral (comparado ao scu): muito menor menor 0 mesmo maior muito maior 2 - Conhecimento do assunto em quest300 (comparado ao seu): muito mellor menor 0 mesmo maior muito maior 3 - Que interesse especial cles tern pelo assunto? 4 - Que aspectos do assunto esperam que voce discuta? r PESQUISA. PESQUlSAOORES E LErTORES 33 Eles ja compreendcram seu problema/sua questao? 1 - Seus leitores reconheccm 0 problema que seu traba­lho propoe? 2 - E 0 tipo de problema que eles tern, mas que ainda nao reconheccram? 3 - 0 problema nao e deies, mas seu? 4 - Levarao 0 problema a serio imediatamente, au voce pre­cis3ra persuadi-los de que e importante? 5 - 0 problema da pesquisa e motivado por uma dificul­dade tangivel c real, au por uma dificuldade intelec­tual, conccitual? Como clcs rcagicio a sua solu~ao/rcsposta'! - 0 que voce espera que seus lcito res Ja(:am como re­sultado da leitura de seu relat6rio? Que aceitem as no­vas informa90es, mudem certas opinioes, pratiquem a lguma 3930? 2 r A solu930 ira contradizer as opinioes deles? Como? 3 - Os Icitores ja tern alguns argumentos padronizados contra sua solu93oo? 4 - A solU930 sera apresentada isoladamente, ou os leito­res vao qucrer conheccr as etapas que leva ram a cia? Como seu relat6rio sera recebido? I - Sells lei tares pediram seu relat6rio? Voce 0 enviara sem que seja solicitado? Eles 0 encontrarao numa pu­blica9ao? 2 - Antes de atingir seus leitorcs principa is, seu relat6rio precisara scr aprovado por um intermediario - seu su­pervisor, 0 editor de uma publica9uo, um assistenle de diretor au ad ministrador, lim tccnico especiali sta? 3 - Os leilorcs esperam que scu relal6rio obede9a a urn formalo padr3oo? Se for 0 case, qual?
  25. 25. T PARTE II Fazendo perguntas, encontrando respostas Prologo: Planejando seu projeto SE vocl: JA LEU E5TE LIVRO UMA VEZ, cnHio esta pronto para iniciar seu projeto. Mas, antes de ir it biblioteca, faJ;a urn pla­nejamento cuidadoso. Se 0 trabalho que seu professor lhc indi­cou define uma pergunta e especifica cada etapa do projeto, leia por alto os pr6ximos dois capitulos nova mente, siga as ins­trm; 5es de seu trabalho, entao retorne it Parte III antes de come­' Var a redigir 0 rascunho. Se, por outro lado, voce precisa pla­nejar sua propria pesquisa, ate mesmo encontrar urn assunto, podera sentir-se intimidado. Mas eonseguira desincumbir-se da tarefa, se executa-Ia passo a passo. Nao existe uma formula pronta para orientar todas as pes­quisas: voce tera de gastar algum tempo pesquisando c lcndo, ate descobrir onde esta e para oode vai. Perdera tempo em si­tua~ 5cs sem saida, mas acabani aprcndendo mais do que sell trabalho cxigc. No final, pon!m, 0 esfon;o extra ira compensar, nao apenas porque voce fara urn born relatorio, mas tam bern porque vent aumentada sua capacidade de lidar mais cficazmen­te com problemas novos. Quando come'Var, leve em conta que lera de considerar as seguintes ctapas iniciai s: Estabelec;:a urn t6pico bastante especi fico para permitir-lhe dominar uma quantidade razoavel de informac;:oes, nao "a historia da redac;:ao cientifica", mas "os ensaios das A las da Real Sociedade ( 1800- 1900), precursores dos modernos arti­gos cientificos".
  26. 26. A ARTE DA P£SQUIS.A A part ir do assunlo escolhido, desenvolva perguntllS que iraQ Dortear sua pesqui sa e orientar voce para urn problema que pretenda resolver. • Reuna dlldos relevantes para responder as pcrguntas. Depois de coletar os dados que respondam ~ maioria de suas perguntas, voce tera, e claro, de organiza-Ios em forma de urn argumento (0 Icma da Parte III) c rcdigi -Ios num ras­cunho (0 lema da Parte IV). A medida que for colctando, ordenando e reunindo suas in form a~oes , escreva a maximo que puder. Grande parte desse trabalho de reda((ao sera fazer simples anota((oes, apenas para registrar 0 que voce encontrou, sem esquecer as "anota((oes pa­ra compreensno". Faya descriyoes em liohas gerai s, di agramas mostrando como ha relayao entre fatos aparentemente discre­pantes, resumos de fontes de informac;:oes, "posic;:5cs" e "esco­la s", li slas de easos re lac ionados, anole as contradi coes em re­lac;: no ao que voce Jeu, e assim por diante. Ainda que apenas uma pequena parte dessas anota~oes preliminares venha a aparecer em seu rascunho fi nal, e importante faze-Jas, porque escrever sobre suas fontes, a medi-da que lIvon9Q, ajudani vo­ce a cntcnde-Jas melhor e estimulara 0 desenvolvi­mento de seu senso criti­co. Tomar ootas lambem o aj udara, quando chcgar 0 momento de sentar-se pa­ra c ome~a r seu primeiro rascunho. Voce logo descobrici que nao pode cumprir cs­sas ctapas na ordcm exata em que as aprese ntamos. Percebeni que csta esbo­cando urn sumario antes de ter coletado todos os da­dos, formulaodo urn argu­mento antes de ler todas Quais sao seU5 dodos? Noo imporlO 0 que 6reQ peflen­~ om, todos os pesquisodores usom in fOf~6es como evidencias pa­ra suslentor suas ofirma<;:6es . Mos, dependendo de suo 6reo de 0100' ~60. eles alribuem nomes difereo· res as evidencias. Umo vez que 0 nome mbis comum e dodos, ado­Icremos esse termo quando nos referirmos a quolquer ripo de infor· mot;6o usodo nos d iversas 6reos. O bserve que por dodos eslaremos nos relerindo a mais do que 0 in­for rno<;6es quontiloti.oUs, comuns nas cit§ncias nolurois e sociois, emoo­ra 0 termo passe soar eSlranho aos ouvidos de pesquisadores do 6reo de ciencias humonos. r I I FAZENOO PERGUNrAS, ENCONTR.ANDO RESPOSTAS 37 as provas, e, quando pcnsar que tern urn argumento que vale a pena, podera descobrir que precisa voltar it biblioteca em busca de mais provas. Talvez chegue mcsmo a descobrir que precisa repensar as perguntas que formuJou. Pcsquisar nao e urn pro­cesso no quaJ pode-se ir de urn ponto a outro de modo sim­ples, lincar. No cntanto, por mais indireto que seja seu progresso, voce se sentira mais conf iante de que esta progredindo de fato, se entcoder e administrar os componentes do processo.
  27. 27. Sugestoes uteis: Trobalhondo em grupo Sugerimos que voce p~a a seus amigos que Iciam ver­soes de sell relatorio, de modo a poder ve-Io como os outros o vecm. Mas tambcm pode acontecer de Ihe pcdircm para redi­gir urn relat6rio como parte de urn trabalho em grupe. Nesse case, voce Icra pel a frente tanto oportunidades quanto desa­fio s: um grupe dispoe de mais recursos do que alguem traba­Ihando sozinho. mas, para tirar proveito dessa vantagem, pre­eisa conduzir-se com muito cuidade. Tres aspectos fund amentais do trabalho em grupo Conversar bastante o primciro aspecto fundamental dos trabalhos em g rupa e que os participantes devem conversar bastante e chegar a urn consenso sebre urn plano de trabalho. Mais aioda do que no casa de urn autor isolado, 0 grupo precisa de urn plano, e con­versar a respeito e 0 unico modo de cri a-Io. acompanhar seu progresso e. 0 que e rnais importante. muda-Io quando 0 proje­to est iver rnais definido. Marquem reunioes regulares, mante­nham contatos telewnicos semanai s, tToquem ende~os, e-mail, fac;am tudo 0 que pudcrem para garantir que uns conversem com os oulros sempre que houver oportunidade. Antes de comec;a r, certifiquem-se de que 0 grupo esteja de acordo quanta as melas - a pergunta au problema de que ira tralar, a tipo de afirmac;ao que espera apresentar, a tipo de evi­dencias nccessarias para sustenta-la. 0 grupo modificara cssas mclas a medida que as participantes camprcenderem melhor o projeto, mas de5de 0 inicio deve haver urn entendimento sobre FAZENOO PERGUNTAS, ENCOtvrRANDO RES{~AS 39 isso. 0 grupo deve falar sobre os leitores - 0 que eles sabem. o que acham importante, 0 que voces esperam que eles fac;am com seu relatario. Finalmente, 0 grupo deve delinear as etapas para atingir as metas, estabclecendo 0 que cada urn deve fazer e quando. Para focalizar as discussoes nas etapas do projeto, usem estes capitulos como guia. Utilizem as listas de verificac;iio para trocar idcias sobre os leitores (pp. 32-3), para fazer per­gunlas sistematicamente (pp. 50-4), reforrnula-Ias em forma de urn problema (pp. 68-77). Designem alguern para manter urn esboc;o que eSleja sempre atualizado, primeiro como esbo­c; o do tapico (p. 199), depois como esboc;o da argurnentac;ao (p. 140) e finalmente de seus pontos essenciais (pp. 200-201). Se 0 projelo envolver muitos dados, estabelcc;am uma lista para reuni-Ios, mantenham urna rc lavao de fontes consultadas e ainda a serern consultadas, com anotac;:oes breves sobre a imporHineia de cada fonte. Quanto mais os integrantes do grupo conversarem, mais facil idadc terao para escrcver juntos. Se, como e 0 caso dos tres autores deste livro, os integrantes tiverem a mesrna formaC;ao acadcmica, ja trabalharam juntos e sao capazes de prever as opinioes uns dos outros, poderao conversar menos. Mcsmo assirn, na redac;ao deste livro. nos tres batemos recordes de te­lefonemas, trocamos centenas de mcnsagens de e-mail enos reunimos urna duzia de vezes (em certas ocasioes, dirigindo mais de cern quil6metros para fazer i5S0). Concordar para discordar e depois para cOflcordar Estar de acordo c esscncial, mas nao espcrem que 0 grupo coneordc unanimemente sobre todos os assuntos. Podem espc­rar divcrgencias sabre detalhes, as vezes bern Ilumerosas. Resol­vidas essas di vergencias, podcrao surgir as mclhores opin ioes do g rupo, porque voces terao de ser explieitos quanto aquila em que acrcditam e por que. Par outro lado, nao ha nada que impe~a mais 0 progresso do que alguem ficar insistindo em sua
  28. 28. 40 A AR7E VA PliSQUISA versao, ern incluir sua parcela de dados. Se a primeira regra do trabalho em grupo e conversar bastante, a segunda e manter as divergencias em equilibria. Se 0 desacordo for sabre que~toes que nao representem urn impacto significati.vo sob.re~ cO~Junto do trabalho. e melhor esquecer. Guardern sua mtranS!gencl3 para questoes de principio etico all de acorde fundamental. Organizar~se como equipe. com urn lider o grupo deve pedir a algucm para atuar como moderador, agilizador, coordenador, organizador. Essa fun ~ao recebe nomes difcrentes, mas a maioria dos grupos precisa de algucm para manter 0 cumprimento do cronograma, indagar sabre as pro­gressos, mediar as discussoes e, quando 0 grupa parecer trava­do, decidir qual caminho seguir. Os integrantes do grupo~pod em altcrnar-se nessa fun(fao, ou urna pcssoa s6 pode cxerce-Ia du­rante todo 0 proj eto. 0 resto do grupo sirnplesrnente concor­da qu~ , depois de urn extenso debate, e 0 rnoderadorlagiliza­dor quem torna urna decisao, com a qual todos concordam, antes de seguir em frcnte. Tres estrategias para trabalhar em grupo A seguir, veremos tres maneiras de os gropos organizarem seu trabalho e alguns dos riseos que cada urna delas oferece. A maioria dos grupos eostuma combi~ar as estrategias que se ajustem melhor a sua s itu a~ao em particular. Dividir, delegar e ir a luta Esta estrategia explora 0 fato de que urn grupo tern mais habilidades do que urn individuo. Tudo vai mclhor quando os integrantcs tern experiencias e talentos difercntcs, e 0 grupo divide as tarefas para fazer 0 melhor uso de cada urn. Por cxern- FAZENDO PERGUNrAS, £NCON/RANDO RESPOSTI1S 41 plo, um grupo que trabalhe numa pesquisa sociol6gica pode decidir que duas pessoas sao boas para rcunir dados, oulras duas para analisar esses dados c produzir grMicos, duas mais para redigir 0 rascunho, e que todas participarao da ~d~(fao e revisao do texlo. Esta estrategia dcpendc de cada partlclpante reservar tempo suficiente para seu trabalho, na seqiiencia em que esse liver de ser feito . Se os outros tiverem menos que fazer num determinado momento, podcrao executar OUlros tipos de trabalho, de acordo com as necessidades. o uso menos proveitoso desta cstrategia e dividir 0 docu­mcnto em partes para cada participantc pcsquisar, organizar, fazer 0 rascunho do texto e revisa-lo. Isso so funciona quando as partes de urn relatorio sao rclativamcntc independentes. Mas. mesmo assim, alguem ten't de cuidar de reunir tadas as partes, e isso podeni ser urn trabalho desagradavel, especialmente se os participantcs do grupo nao eonsultaram uns aos outros ao longo do caminho. Nao importa como 0 grupo divida 0 trabalho: urna gran­de eapacidade de administrarvao torna-se n eces~a.ria , porque 0 ma ior perigo e a falta de coordenac;ao. Caso dlvldam as tare­fas ou partes, os participantes devem scmpre conversar sobre a que estao fazendo e dc ixar perfeitamcnte claro quem tern a obrigacao de fazer 0 que. Entao, coloquem essas detcnnina­rvoes no papel e entreguem uma copia a cada urn. Escrever [ado a lado Em alguns grupos, os integrantes participam de todo a trabalho, atuando lado a lado durante todo 0 proccsso. Esta estrategia func iona melhor quando 0 grupo c pequeno, bastan­te unido, trabalha bern em conj unto e dcdica bastante tempo a. larefa - par exemplo, urn grupo de estudantes de enge nharia que dediearn dois semestres ao dcsenvo lvimento de urn proje­to. A desvantagem e que algumas pessoas fieam pouco a von­tade para fa lar sobre idcias incomplctas antes de defini-las par cscrito. Outras podem achar ainda mais incomodo eomparti-
  29. 29. 42 II AR1'E DII PE$QUISA Ihar rascunhos e textos nao revisados. Os participantes de urn grupo que usa esta estrategia devem seT tolerantes uos com os Qutros. 0 que costuma acontecer e que a pessoa mais confian­Ie do grupo ignora os scntimcntos dos autros, domina 0 pro-cesso e inibe 0 progresso. ~ " Trabalhar em turnos Em alguns grupos, os participantes trabalham em conjun­to durante todo 0 dcsenvolvimento do projeto, mas redigcm 0 texto e 0 revisam em turnas, de modo a faze-Io evoluir para a versao final como urn todo. Essa estrategia e cfieaz quando os participantes divergem sobre 0 que e importante, mas suas di­vergencias complementam-se em vez de se eontradizerem. Por exemplo, num ,.grupo envolvido num trabalha sobre 0 .Alamo, uma pessoa pode se interessar pelo choque de cultu­ras, outra pelas conseqiiencias politicas e urna terceira pelo papel da narrativa na cultura popular. Os participantcs podem trabalhar a partir das mesmas fontes, mas identifiear aspectos diferentes do assunto como os mais importantcs. Entretanto, depois de compartilharem 0 que descobriram, revezam-se na reda~1io das vcrsoes de urn texto Unico. D primeiro redator cria urn rascunho incompleto, mas com estrutura suficiente para que os oulros vejam 0 es bo~o da argurncllto e 0 ampliem e reor­ganizem. Cada participante, entao, em sistema de revezamen­to, encarrega-sc do rascunho, acrcscentando e desenvolvendo as ideias que Ihe pa re~a rn mais importantes. 0 grupo cOllcor­da que a pessoa que esteja trabalhand9 no texto no momento seja seu "dono", podendo, portanto, fazer as mudan(,;as que achar Ilccessarias, desde que essas mudan ~as refli tam a inter­preta(,; ao do grupo como urn todo. D risco c que 0 produto final pareceni atender a proposi­tos contradit6rios, seguindo urn caminho em ziguczague, indo de urn interesse incompativel pard outro. Urn grupo que lraba­lha pelo sistema de turnos precisa estar de acorda sobre a meta final e a forma do todo, e cada integrante devc respeitar e acci­tar as perspectivas dos outros. FAZENDO PERGUNTAS, ENCONTRANDO R£SPOS TAS 43 Pode seT que seu grupe ache que pode usar urna estratc­gia difercnte em cada fase do trabalho. Por cxemplo. no inicio do plancjamento, ta lvez voces quc iram trabalhar lado a lado, pelo menos ate definirem 0 scntido geral do problema. Para a coleta de dados, voces podedio achar mais eficaz iTem a luta separadamente. E, nas fases finais da revisao, podcriio qucrcr trabalhar em turnas. Ao escrever este Iivro, misturamos as es­trategias. No inicio, trabalhamos lade a lado ate termos urn esbo­~ o. Desenvolvemos entao capilu los separados e voltamos a tra­balhar lado a lado, quando nosso progresso ex igiu, e sentimos que precisavamos revisar nosso plano (0 que aconteccu tres vezes, pelo menos). Na maior parte, entretanto, dividimos 0 trabalho, para que cada urn redigissc capltulos independentes. Quando 0 texto fi cou completo, trabalhamos em turnos, e 0 resultado foi que muitos capitulos assemelham-se bern pouco aos originais rcdigidos por urn ou outro de nos . o traba lho em grupo e dificil, e as vezes duro para 0 ego, mas tambem pode ser altamente compcnsador.
  30. 30. Capitulo 3 De topicos a perguntas Neste capitulo, voce veri como usar seus interesses para encontrar um t6pico, restringir esse t6pico a uma dirnensao controlAvel e, entio, elaborar pergunw que serio 0 ponto cen­tral de sua pesquisa. Se voce t urn estudanle avam;ado e ja tern dezcnas de t6picos aos quais goslaria de se dedicar, pode pular para 0 Capitulo 4. No entanto, se esta come'Vando seu prirnciro projclO, acharn cste capitulo bastante uliL 3_1 Interesses, topicos, pcrguntas e problemas SE voc~ TEM LIBERDADE para se dedicar a qualquer t6pi­co de pesquisa que a interesse, isso podera ser frustrante - tan­tas cseoLhas, tao poueo tempo. Eseolher urn topico, entretanto, e 56 0 primeiro passe; portanto nao pense que, tcndo eneontra­do urn, voce s6 precisani proeurar informa'Yoes e relatar 0 que enco~trou . Alem de urn t6pico, voce precisa encontrar urna ra­tio (independente daqucla de cumprir sua tarefa) para dedicar semanas ou meses pesquisando sabre ele e, cntao, pedir aos leitores que gastem tcmpo JeDdo a respeito deie. Pesqui sadores fazem mais do que cavar informa~oes e re­lata- ias. Usam essas informafoes para responder a pergunta que seu topico inspirou-os alazer. No principio, a pergunta pode ser interessante apenas para 0 pesquisador: Abraao Lincoln era born em matematica? Por que os gatos csfregam 0 focinho nas pcssoas? Existe mesmo algo como urn tom de voz perfeito ina­to? E assim que as pesquisas mais significativas come~am - com uma comichao intelectual que apenas uma pessoa sente, levando-a a querer co~ar-se. A uma certa altura, porem, 0 pes­quisador tcm de decidir se a pergunta c sua resposta serao sig­nificativas, de inicio para 0 pesquisador apenas, mas finalrnen­te para outros: urn professor, colegas, urna cornunidade intei­ra de pesquisadores. Chegando a esse ponto, cle precisa encarar sua tarefa de ma­neira difercnte: deve ter como objetivo nao s6 encontrar res-

×