Aula 7

875 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
875
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
70
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 7

  1. 1. GEOPROCESSAMENTO e fotointerpretação Prof. Maigon Pontuschka 2013 Aula 7: O uso de imagens no estudo de ambientes naturais
  2. 2. Agenda O uso de imagens no estudo de ambientes naturais •Introdução •Florestas tropicais •Mangues •Ambientes gelados •Ambientes áridos •Recursos minerais •Feições de relevo e de ambientes aquáticos 2
  3. 3. Introdução As imagens de satélite fornecem uma visão Sinóptica (de conjunto) e Multitemporal (de dinâmica) de extensas áreas da superfície, pois mostram o ambiente e suas transformações decorrentes de processos naturais e antrópicos. 3
  4. 4. Os elementos de paisagem mais percebidos em imagens de satélites e fotografias aéreas são: •Relevo •Vegetação •Água •Uso da Terra Introdução 4
  5. 5. O que são ambientes naturais ? •Áreas da superfície terrestre que ainda não foram modificadas pelo trabalho do homem. •Combinações entre os diversos elementos da superfície terrestre (rochas, solos, relevos, vegetação e clima) •Hoje são poucos: altas montanhas, regiões cobertas permanentemente por gelo, desertos e florestas tropicais úmidas. 5
  6. 6. • Planisfério elaborado com imagens de satélites meteorológicos. As imagens foram coloridas por meio de programas de processamento de imagens digitais 6
  7. 7. Biomas continentais brasileiros Área aproximada (km2) Área /total Brasil Bioma Amazônia 4.196.943 49,29% Bioma Cerrado 2.036.448 23,92% Bioma Mata Atlântica 1.110.182 13,04% Bioma Caatinga 844.453 9,92% Bioma Pampa 176.496 2,07% Bioma Pantanal 150.355 1,76% Área total do Brasil 8.514.877 Biomas Brasileiros Fonte: Mapa de Biomas do Brasil. Fonte: IBGE - Ministério do Meio Ambiente, 2004
  8. 8. Agenda O uso de imagens no estudo de ambientes naturais •Introdução •Florestas tropicais •Mangues •Ambientes gelados •Ambientes áridos •Recursos minerais •Feições de relevo e de ambientes aquáticos 8
  9. 9. Florestas Tropicais Úmidas • Clima quente e úmido • Temperatura média anual em torno de 26ºC • Precipitações acima de 2.000mm ao ano • Extensa rede hidrográfica. • Rica biodiversidade 9 Um exemplo é a Amazônia: 1/5 da água doce da Terra corre nos rios da bacia Amazônica.
  10. 10. Florestas Tropicais Úmidas • Os elementos naturais são interdependentes formando um ecossistema integrado • Destruindo a floresta o equilíbrio do ecossistema é alterado trazendo graves consequências: ▫ Extinção de espécies vegetais e animais ▫ Diminuição da umidade ▫ Empobrecimento dos solos 10
  11. 11. 11 Mosaico de imagens TM-Landsat-5 da planície amazônica, com os elementos naturais, como o relevo plano da planície amazônica (textura lisa), rios de água limpa (azul escuro/preto), rios com material em suspensão na água (em azul) e a vegetação da floresta equatorial (em verde). As cidades, os cerrados e os campos nativos (Ilha de Marajó) variam em tonalidades de rosa. Note também as nuvens em branco. Floresta Amazônica
  12. 12. 12
  13. 13. 13
  14. 14. A Mata Atlântica, assim como a Floresta Amazônica, reúne grande biodiversidade. Possui de três tipos de florestas: •Florestas Ombrófilas densas– ao longo da costa; •Florestas Semidecíduas e Decíduas – pelo interior do Nordeste, Sudeste, Sul e parte do Centro-Oeste); •Florestas Ombrófilas mistas – floresta de araucária, no sul do Brasil. 14
  15. 15. • A mata atlântica compreende ainda restinga e mangues do litoral, bem como enclaves do cerrado, campos e campos de altitude. O ecossistema da mata atlântica estende-se do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. A Foto (a) mostra o aspecto da vegetação de Mata Atlântica 15
  16. 16. Agenda O uso de imagens no estudo de ambientes naturais •Introdução •Florestas tropicais •Mangues •Ambientes gelados •Ambientes áridos •Recursos minerais •Feições de relevo e de ambientes aquáticos 16
  17. 17. Imagem TM-Landsat-5, 18/7/1994, de um setor da serra do Mar no Estado do Paraná. 17
  18. 18. ▫ A vegetação de Áreas de mangue é característica de áreas litorâneas, periodicamente alagadas pelas águas de rios e marés, adaptada às condições de salinidade. Mangue Vermelho (Rhizophora mangle). 18 Mangues
  19. 19. Mangues • Considerados verdadeiros “berçários” para diversas espécies. • Apesar da extrema importância ecológica para a vida dos oceanos, constitui um dos ecossistemas mais devastados do país e do mundo.
  20. 20. • Forma irregular, • Cor mais escura que a dos demais tipos de vegetação, (por causa da influência da água existente nesses ambientes) • Localização junto ao litoral, próximo à foz de rios. • A partir da interpretação de tais imagens é possível identificar, mapear e monitorar os manguezais. 20 Como identificar mangues em imagens de satélite
  21. 21. Imagem TM-Landsat-5, 14/6/1990, do litoral maranhense. Vegetação de mangue em verde-escuro, vegetação de cerrado em verde-claro, a água em azul escuro/preto e as praias e dunas em branco. A cor mais escura do mangue na imagem deve-se à presença de água nesse ambiente. 21
  22. 22. Agenda O uso de imagens no estudo de ambientes naturais •Introdução •Florestas tropicais •Mangues •Ambientes gelados •Ambientes áridos •Recursos minerais •Feições de relevo e de ambientes aquáticos 22
  23. 23. Ambientes gelados Os desertos de gelo localizam-se nas regiões polares dos continentes ártico e antártico. Ambos apresentam condições ambientais inóspitas à ocupação humana. •Ártico – em sua maior parte é formado por um oceano congelado. •Antártico – continente que possui duas vezes o tamanho do Brasil em área. Concentra 90% do gelo e 80% da água doce da Terra. 23
  24. 24. • A espessa camada de gelo antártico influencia o sistema climático global, em particular, a circulação atmosférica e oceânica do hemisfério sul. 24 Ambientes gelados
  25. 25. Mosaico de imagens Radarsat-1 do continente Antártico. 25
  26. 26. Imagem Envisat constata o derretimento de 85% de uma geleira da Antártica. 26 Imagens de satélite permitem: •revelar feições e fenômenos antes desconhecidos na Antártida, •monitorar a perda de gelo e avaliar o impacto das mudanças climáticas sobre o nosso planeta.
  27. 27. Estação Brasileira Comandante Ferraz, na Ilha de Rei George, próxima à Península Antártica. 27 http://www.ufrgs.br/antartica
  28. 28. Agenda O uso de imagens no estudo de ambientes naturais •Introdução •Florestas tropicais •Mangues •Ambientes gelados •Ambientes áridos •Recursos minerais •Feições de relevo e de ambientes aquáticos 28
  29. 29. Ambientes Áridos • Localizam-se no interior dos continentes, tanto em baixas como em médias latitudes. • Formados por desertos arenosos • Precipitações inferiores a 200mm ao ano • Cobertura vegetal escassa. 29
  30. 30. Os maiores desertos 30
  31. 31. Imagem TM-Landsat-5, mostrando uma região desértica na Mongólia. A área desértica está nas corres marfim e cinza, e a vegetação está em vermelho. Fonte: Shimabukuro, 1993 31
  32. 32. A diferença entre deserto e desertificação Deserto: é um tipo de bioma natural e refere-se a áreas áridas com pouca cobertura vegetal. Desertificação: é um processo que leva regiões naturalmente cobertas a tornarem-se desérticas quando sujeitas a longos períodos de seca devido ao clima ou à ação transformadora do ser humano. 32 Ambientes Áridos
  33. 33. O processo de desertificação • Sem vegetação, as chuvas tornam-se irregulares e raras. • A temperatura média tende a aumentar e • A evaporação fica mais acelerada. • Com isso, o solo não consegue reter água e os lençóis freáticos desaparecem ou têm seus níveis reduzidos. Fontes de água e rios secam
  34. 34. Agenda O uso de imagens no estudo de ambientes naturais •Introdução •Florestas tropicais •Mangues •Ambientes gelados •Ambientes áridos •Recursos minerais •Feições de relevo e de ambientes aquáticos 34
  35. 35. Recursos minerais ▫ Por meio de feições e determinados padrões representados nas imagens de satélites, intérpretes especializados em geologia identificam áreas com potencial de recursos minerais. ▫ A delimitação por meio de imagens de áreas com provável ocorrência de minérios, diminui a pesquisa em campo, otimizando tempo e custos de prospecção mineral. 35
  36. 36. Imagem TM-Landsat-5, 16/08/1998, representando parte da região do quadrilátero ferrífero em Minas Gerais. Na serra do Espinhaço ao sul de Belo Horizonte, de forma linear em cor magenta-escura, concentram-se os depósitos de ferro. 36
  37. 37. Imagem TM-Landsat-5 da Serra dos Carajás 22/6/2002, no Pará, onde temos o vermelho indicando a densa vegetação, a cor verde indicando as áreas desmatadas e a concentração dos minérios de ferro em azul. 37
  38. 38. Agenda O uso de imagens no estudo de ambientes naturais •Introdução •Florestas tropicais •Mangues •Ambientes gelados •Ambientes áridos •Recursos minerais •Feições de relevo e de ambientes aquáticos 38
  39. 39. Feições de relevo e de ambientes aquáticos • Feições de relevo e de ambientes aquáticos, interiores e litorâneos como ilhas, lagos, golfos, baías, restingas, meandros e foz de rios podem ser facilmente identificadas em imagens de sensores remotos. 39
  40. 40. 1- Foz 2- Península (estreita) 3- Península 4- Ilha 5- Golfo 6- Dorsal Oceânica 7- Fossa Marinha 8- Planície Abissal 9- Plataforma Continental 10- Talude 11- Montanha 12- Vale 13- Vale 14- Planalto 15- Planície Feições / Formas de relevo
  41. 41. Feições / Formas de relevo
  42. 42. Feições / Formas de relevo
  43. 43. Feições de relevo e de ambientes aquáticos Restinga 43
  44. 44. 44
  45. 45. • Imagem da ilha de Santa Catarina, TM- Landsat-5, 30/06/1999. Mata atlântica em verde e relevo de textura rugosa e sombreada. Praias e dunas em branco. Água mais profunda e limpa em preto. Água com pouco material em suspensão em azul escuro e área urbana em rosa. 45 Ilhac
  46. 46. 46
  47. 47. 47 Tipos de curso de rios
  48. 48. 48
  49. 49. 49 Delta
  50. 50. Foz em estuário
  51. 51. Referências FLORENZANO, T.G. Iniciação em Sensoriamento Remoto. 3. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2011. 128p. 51

×