“ Amo-Te tanto e nunca sei quem és…”
Amo-Te tanto e nunca sei quem és… Vejo uma rosa e as pétalas são beijos
E o seu perfume são os meus desejos…  Amo-Te tanto e nunca sei quem és…
Na minha solidão ouço uma voz Chamar por mim: “Inês”! Devagarinho,
Com medo que Te vás e de mansinho, Procuro distinguir-Te de entre nós…
Distingo-Te no Belo e no Amor, No quase ter o mundo em minhas mãos
Quando todos p`ra mim são como irmãos, Se para mim sorri alguma flor…
Distingo-Te também quando perdida Em horas negras, vou p`ra me afundar
E vem o Teu Amor p`ra me ajudar E eu passo a ser, então, a própria vida!
Quem és Tu que me dá aquele Amor Que eu procuro encontrar entre os demais,
Que me permite rir p`ra além dos ais, E me consente, a mim, ser uma flor?
Flor de cacto, eu, cheia de espinhos, Flor que pouco exige, mas que tem
A gota de água a tempo que lhe vem De Ti, de Teu Amor, de Teus carinhos!
Amo-Te tanto e nunca sei quem és… Perpassas, linha recta, nos meus eus
De linhas tão quebradas… Serás Deus? Estás tão preso a mim… Nem sei se O és…
Mantovani “ Answer me”
Poema e Formatação de Maria de Aguiar Marçalo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

\"Amo-Te tanto e nunca sei quem és...\"

885 visualizações

Publicada em

Poesia

3 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
885
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
3
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

\"Amo-Te tanto e nunca sei quem és...\"

  1. 1. “ Amo-Te tanto e nunca sei quem és…”
  2. 2. Amo-Te tanto e nunca sei quem és… Vejo uma rosa e as pétalas são beijos
  3. 3. E o seu perfume são os meus desejos… Amo-Te tanto e nunca sei quem és…
  4. 4. Na minha solidão ouço uma voz Chamar por mim: “Inês”! Devagarinho,
  5. 5. Com medo que Te vás e de mansinho, Procuro distinguir-Te de entre nós…
  6. 6. Distingo-Te no Belo e no Amor, No quase ter o mundo em minhas mãos
  7. 7. Quando todos p`ra mim são como irmãos, Se para mim sorri alguma flor…
  8. 8. Distingo-Te também quando perdida Em horas negras, vou p`ra me afundar
  9. 9. E vem o Teu Amor p`ra me ajudar E eu passo a ser, então, a própria vida!
  10. 10. Quem és Tu que me dá aquele Amor Que eu procuro encontrar entre os demais,
  11. 11. Que me permite rir p`ra além dos ais, E me consente, a mim, ser uma flor?
  12. 12. Flor de cacto, eu, cheia de espinhos, Flor que pouco exige, mas que tem
  13. 13. A gota de água a tempo que lhe vem De Ti, de Teu Amor, de Teus carinhos!
  14. 14. Amo-Te tanto e nunca sei quem és… Perpassas, linha recta, nos meus eus
  15. 15. De linhas tão quebradas… Serás Deus? Estás tão preso a mim… Nem sei se O és…
  16. 16. Mantovani “ Answer me”
  17. 17. Poema e Formatação de Maria de Aguiar Marçalo

×