Tema 2 tratamento preliminar

143 visualizações

Publicada em

Tratamento de águas residuariás

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
143
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tema 2 tratamento preliminar

  1. 1. Tema:TRATAMENTO PRELIMINAR
  2. 2. Objetivo: Remover sólidos grosseiros e areia. As principais unidades que compõem o sistema de tratamento preliminar são: Figura 1 tratamento preliminar
  3. 3. Finalidades:  Proteção dos dispositivos dos esgotos;  Proteção dos equipamentos de tratamento;  Remoção parcial da carga poluidora.
  4. 4.  É escolhido em função do tipo de material que se quer deter e dos equipamentos a proteger:  Grades grosseiras: geralmente grades comuns.  Grades médias: empregadas normalmente em estações de águas residuárias, na entrada das ETE’s.  Grades finas: quando são determinadas as características do efluente a tratar.
  5. 5.  As grades são geralmente de seção retangular, cujos espaçamentos estão apresentados na tabela a seguir: Quadro 1 espaçamento entre grades
  6. 6.  Grades mecanizadas: de limpeza mecânica, automática ou não (instalações maiores). Figura 2 grades mecanizadas
  7. 7.  Grades simples: limpeza manual, destinam-se a retirada de objetos de grandes dimensões. Figura 3 grades simples
  8. 8. As grades apresentam uma inclinação já definida:  Limpeza manual: 30° a 45° com a horizontal;  Limpeza mecânica: 45° a 90° com a horizontal, (comum 60°).
  9. 9.  Obs.: existem também certas instalações que adotam grades instaladas verticalmente. No entanto, as grades inclinadas têm apresentado melhor rendimento, evitando que o material arrastado pelo ancinho de limpeza se desprenda com facilidade e retorne ao canal de chegada.
  10. 10.  O material retido deve ser removido rapidamente e armazenado em depósitos próprios;  No caso de tratamento de esgotos sanitários, normalmente o destino é a incineração ou aterro sanitário. O material poderá ser enterrado com um recobrimento de 30 a 40 cm da terra;  No caso de efluentes líquidos industriais o destino dependera da sua natureza, podendo ser para compostagem ou biodigestão.
  11. 11. É o processo de separação de um material granular não coeso em duas ou mais diferentes classes ou tamanho de partículas.
  12. 12. O material retino na peneira é denominado OVERSIZE (Material retido, produto superior. É a classe de particulas cujos tamanhos são maiores que a cobertura ou a malha) e o passante UNDERSIZE (Material passante, produto inferior. É a fração de material, constituída por particulas de dimensões inferiores a malha, ou seja, abertura da peneira). Peneiras
  13. 13. Peneiras Constituídas por:  Flange de Entrada  Tanque de Recepção  Tela de Filtração  Corpo  Falange de Saída  Pés de Apoio
  14. 14. Remoção de sólidos grosseiros com granulometria superior a 0,25 mm. Principalmente usadas em tratamento de águas residuárias industriais. Objetivos
  15. 15. O efluente flui na parte superior, desce pela tela e cai pelas malhas para dentro, onde é recolhido e direcionado, enquanto os sólidos grosseiros deslizam na tela inclinada, sendo empurrados pelo próprio liquido sendo recolhidos na parte superior. Peneiras Estáticas, Hidrodinâmicas ou Estácionárias
  16. 16. Figura 4 peneiras estáticas
  17. 17. O efluente passa por defletor, alcança a peneira na parte superior, compostas por um tambor de tela rotativo, atravessa as fendas, sendo recolhido. Os sólidos são removidos por uma lâmina raspadora, caindo num recipiente coletor e posteriormente são desaguadas e destinados corretamente. Peneiras Rotativas
  18. 18.  O líquido contendo os sólidos a serem separados ingressa em forma contínua num tambor rotativo de tela, retidos e expulsos por um extremo do tambor. Figura 6 peneiras rotativas
  19. 19. Uma esteira perfurada sobre a qual o efluente é lançado, e com movimentos vibratórias separa as partículas sólidas do liquido, as quais ficam retidas na “esteira”. O material sólido é conduzido para o final da esteira onde é coletado e disposto adequadamente. Peneiras Agitada ou Vibratórias
  20. 20. Figura 7 e 8 peneiras vibratórias
  21. 21. Objetivo: reter substâncias inertes, como areias e sólidos minerais sedimentáveis, originárias de águas residuárias. Com diâmetro igual ou superior a 0,20 mm e peso específico de 2,65 g cm³.
  22. 22. Finalidades:  Evitar abrasão nos equipamentos e tubulações;  Eliminar ou reduzir a possibilidade de obstrução em tubulações e facilitar o transporte do líquido.
  23. 23.  Caixa de areia em canal (de fluxo horizontal);  Caixa de areia com raspador mecânico (decantador de areia);  Caixa de areia aerada;  O esgoto ao deslocar-se horizontalmente na caixa de areia, apresenta baixa velocidade, assim as partículas depositam-se no fundo.
  24. 24. Figura 9 caixas de areia
  25. 25. Processos principais de remoção: I. Separação por gravidade (remoção primária); II. Flotação (considerado tratamento primário).  A separação por gravidade é realizada em caixas de gordura. As caixas de gordura são destinadas a remover materiais que flotam naturalmente.
  26. 26. Para manutenção devem-se evitar:  Temperatura na entrada da caixa superior a 35°C;  pH acima de 8,5;  Excesso de detergente, que prejudicam a eficiência da separação pela formação de gotículas de menos tamanho, com menor velocidade ascensional.
  27. 27. Figura 10 caixas de gordura

×