IIMUNIDADE E CONTROLO DEMUNIDADE E CONTROLO DEDOENÇASDOENÇAS
Sistema ImunitárioSistema ImunitárioDiversos agentes estranhos podem causar doenças sendo, por isso,designados por agentes...
Sistema ImunitárioSistema ImunitárioOs vírus e as bactérias são os agentes que provocamum maior número de doenças infeccio...
VírusVírusOs vírus não são constituídos por células, embora dependam delas paraa sua multiplicação.Alguns vírus possuem en...
BactériasBactériasA estrutura da célula bacteriana é a de uma célula procariótica,sem organelos membranáres, tais como mit...
Reprodução dos vírusReprodução dos vírusUm vírus utiliza o mecanismo celulardo seu hospedeiro para criar maispartículas vi...
Reprodução dos vírusReprodução dos vírusSão parasitas obrigatórios, e não possuem forma de reproduçãoindependente dos seus...
ReproduçãoReproduçãodos vírusdos vírus
Reprodução das BactériasReprodução das BactériasA reprodução das bactérias é autónoma e realiza-se,normalmente, por bipart...
Sistema imunitárioSistema imunitárioCada indivíduo é bioquimicamente único.Na superfície das células existem glicoproteína...
ImunidadeImunidadeImunidade: consiste nosdiversos processos fisiológicosque permitem ao organismo reconhecer corpos estran...
Defesa não específicaDefesa não específicaOs mecanismos de defesa que não específicos queprotegem o organismo de qualquer ...
Defesa não específicaDefesa não específicaBarreiras naturais
Resposta imunitáriaResposta imunitáriaPara além das barreiras naturais (barreiras físicas equímicas que impedem a entrada ...
Resposta imunitáriaResposta imunitáriaDepende de dois grupos principais de leucócitos:- Fagócitos- LinfócitosTipos de Leuc...
LeucócitosLeucócitos
FagócitosFagócitosCélulas com capacidade fagocitária dos quais de destacam osgranulócitos (nomeadamente os neutrófilos) e ...
NeutrófilosNeutrófilos
Monócitos (Macrófagos)Monócitos (Macrófagos)
Monócitos (Macrófagos)Monócitos (Macrófagos)
LinfócitosLinfócitosPodem ser:- Linfócitos B ou células B- Linfócitos T ou células TEstas células atuam de diferente forma...
Resposta imunitáriaResposta imunitáriaQuando os microorganismos conseguemultrapassar as barreiras naturais, existem outras...
Resposta imunitáriaResposta imunitáriaQuando os microorganismos conseguemultrapassar as barreiras naturais, existem outras...
Resposta inflamatóriaResposta inflamatóriaÉ desencadeada por substância químicas:- libertadas pelos próprios micróbios;- l...
Resposta inflamatóriaResposta inflamatóriahttps://www.youtube.com/watch?v=MqoLTGIgRrIhttps://www.youtube.com/watch?v=CmbWE...
Resposta sistémicaResposta sistémicaResposta sistémica – FebreQuando as infeções são mais graves produz-se umaresposta sis...
InterferõesInterferões● Em resposta à entrade vírus, as célulaslibertam interferão,que atua sobre ascélulas vizinhasfazend...
InterferõesInterferões
Defesa específicaDefesa específicaConstitui a Terceira linha de defesa;Interatua com a primeira e segunda linhas dedefesa;...
Defesa específicaDefesa específicaConstitui a Terceira linha de defesa;Interatua com a primeira e segunda linhas dedefesa;...
Defesa específica – Sistema linfóideDefesa específica – Sistema linfóide● Órgãos linfóides primários: ›Local de formação d...
Defesa específica – Sistema linfóideDefesa específica – Sistema linfóideÓÓrgão linfóides primáriosrgão linfóides primários
Defesa específica – Sistema linfóideDefesa específica – Sistema linfóideÓÓrgão linfóides secundáriosrgão linfóides secundá...
Células efetoras -linfócitosCélulas efetoras -linfócitos● Linfócitos B (Bone=osso):- formam-se a partir de células estamin...
Células efetoras -linfócitosCélulas efetoras -linfócitos● Linfócitos T (Timo):- também se formam a partir decélulas estami...
Células efetoras -linfócitosCélulas efetoras -linfócitos● Os linfócitos B e T,depois decompletarem oprocesso dematuração m...
Defesa específicaDefesa específica● Uma resposta imunitária específica contra invasoresestranhos engloba três funções impo...
Defesa específica - ReconhecimentoDefesa específica - Reconhecimento● As substâncias que desencadeiam uma reação específic...
Defesa específica - ReconhecimentoDefesa específica - Reconhecimento
ReconhecimentoReconhecimento● O reconhecimento depende da capacidade dememória do sistema imunitário em relação asubstânci...
Defesa específicaDefesa específica● Características● Diversidade: resposta “feita por medida” parauma enorme variedade de ...
Defesa específicaDefesa específica-- Imunidade humoralImunidade humoral ouou imunidade mediada porimunidade mediada porant...
Imunidade HumoralImunidade Humoral● A resposta imunológica é realizada pormoléculas existentes no sangue,denominadas de an...
Imunidade HumoralImunidade HumoralReconhecimento específico entre linfócito B eantigénios bacterianoshttps://www.youtube.c...
Os anticorpos não reconhecem os antigenios como um todo,reconhecem apenas os determinantes antigénicos
Imunidade HumoralImunidade Humoral● Após a ligação do antigénio com o recetor presenteno linfócito, verifica-se ativação d...
Imunidade HumoralImunidade HumoralSeleção clonalSeleção clonal● Clones – todos oslinfócitos quepossuem o mesmotipo de rece...
Imunidade HumoralImunidade Humoral● Seleção clonal – quando um antigénio entra no organismo eencontra linfócitos B, estimu...
Imunidade HumoralImunidade HumoralCada anticorpo podecombinar-se quimicamentecom o antigénio que oestimulou, devido às est...
Imunidade HumoralImunidade Humoral● Os anticorpos não destroem diretamente os invasoresportadores de antigénios. Eles “mar...
Imunidade HumoralImunidade HumoralA presença docomplexoantigénio-anticorpoAmplifica a respostainflamatóriajá iniciada.Ação...
Imunidade HumoralImunidade Humoral● A parte constante da cadeia polipeptídicadetermina o tipo ou classe do anticorpo (há 5...
Incompatibilidade sanguíneaIncompatibilidade sanguínea
Incompatibilidade sanguíneaIncompatibilidade sanguínea
Incompatibilidade sanguíneaIncompatibilidade sanguíneaSoroAnti-ASoroAnti-B
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Intervêm os linfócitos T● Os linfócitos T são ativos contra pa...
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Intervêm oslinfócitos T● Os linfócitos T sãoativos contraparas...
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por CélulasLinfócitos T– originam-se na medula ósseavermelha a partir de li...
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Para ser reconhecido por um linfócito T, oantigenio precisa se...
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● 1. Um antigénio circulante no corpo possui uma estrutura que o...
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por CélulasExistem diferentes tipos de linfócitos T comdiferentes funções:●...
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Linfócitos T supressores (Ts) – através demensageiros químicos...
Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por CélulasOs linfócitos (Tm) vivem inativos nosórgãos linfóides secundário...
ImunidadeImunidadeMediadaMediadapor Célulaspor CélulasCooperaçãoentre célulasimunitáriashttps://www.youtube.com/watch?v=Xk...
Imunidade.controlo.doenças
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Imunidade.controlo.doenças

690 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Imunidade.controlo.doenças

  1. 1. IIMUNIDADE E CONTROLO DEMUNIDADE E CONTROLO DEDOENÇASDOENÇAS
  2. 2. Sistema ImunitárioSistema ImunitárioDiversos agentes estranhos podem causar doenças sendo, por isso,designados por agentes patogénicos.Conhecem-se, atualmente, cerca de 1500 agentes patogénicos queafetam o ser humano.Podem ser vírus, bactérias, fungos, protozoários ounematelmintes.
  3. 3. Sistema ImunitárioSistema ImunitárioOs vírus e as bactérias são os agentes que provocamum maior número de doenças infecciosas.
  4. 4. VírusVírusOs vírus não são constituídos por células, embora dependam delas paraa sua multiplicação.Alguns vírus possuem enzimas.Os vírus tipicamente possuem uma cápsula de estrutura proteica (ocapsíde) que armazena e protege o material genético viral (DNA ouRNA).O envelope, normalmentederivado da membrana celular dohospedeiro anterior, envolve ocapsíde em alguns vírus,enquanto noutros não existesendo o capsíde a estrutura maisexterna.CélulahospedeiraCapsíde
  5. 5. BactériasBactériasA estrutura da célula bacteriana é a de uma célula procariótica,sem organelos membranáres, tais como mitocôndrias ou plastos,sem um núcleo rodeado por uma membrana e sem DNAorganizado em verdadeiros cromossomas, como os das célulaseucariotas.
  6. 6. Reprodução dos vírusReprodução dos vírusUm vírus utiliza o mecanismo celulardo seu hospedeiro para criar maispartículas virais e completar o seuciclo de vida.Estes parasitas, a nível molecular,forçam as enzimas das célulasparasitadas a trabalharem para formarnovos vírus em vez dos próprioscomponentes que a célula necessita.https://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=41aqxcxsX2w
  7. 7. Reprodução dos vírusReprodução dos vírusSão parasitas obrigatórios, e não possuem forma de reproduçãoindependente dos seus hospedeiros.Da mesma forma que a maioria dos parasitas, eles têm um certonúmero de hospedeiros específicos, algumas vezes específicosapenas a uma espécie (ou até mesmo limitados apenas a um tipode célula da espécie) e noutros casos, mais abrangente.Quando estão fora do organismo do seu hospedeiro, cristalizame comportam-se como qualquer pedaço de matéria inanimada.
  8. 8. ReproduçãoReproduçãodos vírusdos vírus
  9. 9. Reprodução das BactériasReprodução das BactériasA reprodução das bactérias é autónoma e realiza-se,normalmente, por bipartição.As células-filhas separam-se, crescem e voltam a dividir-se. Emcondições ótimas pode ocorrer uma divisão em cada 20-25minutos.
  10. 10. Sistema imunitárioSistema imunitárioCada indivíduo é bioquimicamente único.Na superfície das células existem glicoproteínasque funcionam como moléculas identificadorasdo indivíduo e que o distinguem dos indivíduosde outras espécies e até mesmo de outrosindivíduos da mesma espécie.Quando um organismo éinvadido por um agentepatogénico, desencadeiam- semecanismos de defesa.
  11. 11. ImunidadeImunidadeImunidade: consiste nosdiversos processos fisiológicosque permitem ao organismo reconhecer corpos estranhos ouanormais (células envelhecidas, células cancerosas oucélulas lesionada), neutralizá-los e eliminá-los.Imunidade inata (não específica) : presente em todos osseres multicelulares.Imunidadeadaptativa/adquirida(específica):Adquirida durante a evolução das espécies. Aparece nosvertebrados e depende da existência de diferentespopulações de células linfóides (linfócitos).
  12. 12. Defesa não específicaDefesa não específicaOs mecanismos de defesa que não específicos queprotegem o organismo de qualquer material oumicrorganismo estranho, sem que a resposta sejaespecífica para esse agente.Barreiras naturais ou Barreiras anatómicas(constituem a 1ª linha de defesa):Pele (queratina, lípidos e ácidos gordos);Pelos (das narinas entre outros)Saliva e secreções gástricas (enzimas e pH);Mucosas ( presente no trato respiratório, entre outras).
  13. 13. Defesa não específicaDefesa não específicaBarreiras naturais
  14. 14. Resposta imunitáriaResposta imunitáriaPara além das barreiras naturais (barreiras físicas equímicas que impedem a entrada de serespatogénicos), existem respostas imunitárias nãoespecíficas e específicas para combater invasoresque penetram as barreiras naturais e infecta oorganismo.Esta tarefa de combate aos invasores está a cargodos leucócitos.
  15. 15. Resposta imunitáriaResposta imunitáriaDepende de dois grupos principais de leucócitos:- Fagócitos- LinfócitosTipos de Leucócitos:Neutrófilo (A)Eosinófilo (B)Basófilo (C)Linfócito (D)Monócito (E)Macrófagos (F).
  16. 16. LeucócitosLeucócitos
  17. 17. FagócitosFagócitosCélulas com capacidade fagocitária dos quais de destacam osgranulócitos (nomeadamente os neutrófilos) e os monócitos(que são agranulócitos). Os monócitos diferenciam-se emmacrófagos.Neutrófilo https://www.youtube.com/watch?v=fpOxgAU5fFQ
  18. 18. NeutrófilosNeutrófilos
  19. 19. Monócitos (Macrófagos)Monócitos (Macrófagos)
  20. 20. Monócitos (Macrófagos)Monócitos (Macrófagos)
  21. 21. LinfócitosLinfócitosPodem ser:- Linfócitos B ou células B- Linfócitos T ou células TEstas células atuam de diferente forma na defesa doorganismo e distinguem-se pelos recetoresmembranares que possuem, permitindo-lhesreconhecer, especificamente, vários corpos estranhos.
  22. 22. Resposta imunitáriaResposta imunitáriaQuando os microorganismos conseguemultrapassar as barreiras naturais, existem outrasrespostas imunitárias não específicas, queconstituem a Segunda linha de defesa:- Resposta inflamatória e fagocitose- Resposta sistémica- Interferões.
  23. 23. Resposta imunitáriaResposta imunitáriaQuando os microorganismos conseguemultrapassar as barreiras naturais, existem outrasrespostas imunitárias não específicas, queconstituem a Segunda linha de defesa:- Resposta inflamatória e fagocitose- Resposta sistémica- Interferões.
  24. 24. Resposta inflamatóriaResposta inflamatóriaÉ desencadeada por substância químicas:- libertadas pelos próprios micróbios;- libertadas por basófilos ou mastócitos (histamina)
  25. 25. Resposta inflamatóriaResposta inflamatóriahttps://www.youtube.com/watch?v=MqoLTGIgRrIhttps://www.youtube.com/watch?v=CmbWE3jLUgM
  26. 26. Resposta sistémicaResposta sistémicaResposta sistémica – FebreQuando as infeções são mais graves produz-se umaresposta sistémica. Um dos sinais desta respostassistémica é a febre, esta é provocada por substânciaspirogénicas que atuam sobre o hipotálamo.Febre:- facilita a fagocitose- inibe a multiplicação de alguns micróbios- facilita a cicatrização.Embora se for muito elevada possa ser letal.
  27. 27. InterferõesInterferões● Em resposta à entrade vírus, as célulaslibertam interferão,que atua sobre ascélulas vizinhasfazendo com queestas produzamproteínas antivirais,bloqueando assim areplicação do vírus elimitando o seualastramento.
  28. 28. InterferõesInterferões
  29. 29. Defesa específicaDefesa específicaConstitui a Terceira linha de defesa;Interatua com a primeira e segunda linhas dedefesa;Desencadeia-se alguns dias após o início dainvasão de agentes patogénicos;Dirige-se aos antigénios (o organismo reconheceos agentes invasores e destrói os de uma formadirigida e eficaz);Intervêm os órgãos linfóides e as células efetoras(linfócitos B e T).
  30. 30. Defesa específicaDefesa específicaConstitui a Terceira linha de defesa;Interatua com a primeira e segunda linhas dedefesa;Desencadeia-se alguns dias após o início dainvasão de agentes patogénicos;Dirige-se aos antigénios (o organismo reconheceos agentes invasores e destrói os de uma formadirigida e eficaz);Intervêm os órgãos linfóides e as células efetoras(linfócitos B e T).
  31. 31. Defesa específica – Sistema linfóideDefesa específica – Sistema linfóide● Órgãos linfóides primários: ›Local de formação dascélulas imunitárias-timo-medula óssea● Órgãos linfóides secundários: ›Local de circulaçãoe armazenamento das células imunitárias.-baço-gânglios linfáticos-amígdalas-tecido linfático (intestino delgado e apêndice)
  32. 32. Defesa específica – Sistema linfóideDefesa específica – Sistema linfóideÓÓrgão linfóides primáriosrgão linfóides primários
  33. 33. Defesa específica – Sistema linfóideDefesa específica – Sistema linfóideÓÓrgão linfóides secundáriosrgão linfóides secundáriosj
  34. 34. Células efetoras -linfócitosCélulas efetoras -linfócitos● Linfócitos B (Bone=osso):- formam-se a partir de células estaminais damedula vermelha dos ossos.- as células precursoras dos linfócitos B concluema sua maturação na medula vermelha dos osso(adquirem os recetores específicos dosantigénios).Fotografia de um linfócito B aomicroscópio electrónico.
  35. 35. Células efetoras -linfócitosCélulas efetoras -linfócitos● Linfócitos T (Timo):- também se formam a partir decélulas estaminais da medulavermelha dos ossos.- as células precursoras doslinfócitos T migram para o timo,onde acabam por completar asua maturação (adquirem osrecetores específicos dosantigénios)Fotografia de um linfócito T aomicroscópio electrónico.
  36. 36. Células efetoras -linfócitosCélulas efetoras -linfócitos● Os linfócitos B e T,depois decompletarem oprocesso dematuração migrampara um tecidolinfóide secundário(baço gânglioslinfáticos ouamígdalas),considerando-seimunocompetentes.Células da medula ósseaDiferenciaçãoNo timoDiferenciaçãoNa medulaósseaCélulas T Células BMigram para os gânglios linfáticosVários tipos de linfócitos T PlasmócitosImunidade mediadaPor anticorposImunidade mediadaPor células
  37. 37. Defesa específicaDefesa específica● Uma resposta imunitária específica contra invasoresestranhos engloba três funções importantes:● Reconhecimento - o invasor é reconhecido como um corpoestranho.● Reação - o sistema imunitário reage, preparando os agentesespecíficos que vão intervir no processo.● Ação - os agentes do sistema imunitário neutralizam oudestroem as células ou corpos estranhos
  38. 38. Defesa específica - ReconhecimentoDefesa específica - Reconhecimento● As substâncias que desencadeiam uma reação específica sãoos antigénios.● Os antigénios estranhos ao organismo podem ser:- moléculas superficiais de bactérias, vírus ou outrosmicroorganismos;- toxinas produzidas por bactérias;- moléculas presentes no pólen;- células de outras pessoas (hemáceas não compatíveis,tecidos, órgãos transplantados);- parasitas.● Um antigénio é reconhecido pelas células do sistema imunitárioporque possui várias regiões capazes de serem reconhecidas.Cada uma dessas regiões é um determinante antigénico.
  39. 39. Defesa específica - ReconhecimentoDefesa específica - Reconhecimento
  40. 40. ReconhecimentoReconhecimento● O reconhecimento depende da capacidade dememória do sistema imunitário em relação asubstâncias e estranhas que já tenhaminvadido o organismo anteriormente.● Diz-se que existe imunidade (ou o organismoestá imune) para aquela doença, destruindo oagente estranho antes deste provocar adoença.
  41. 41. Defesa específicaDefesa específica● Características● Diversidade: resposta “feita por medida” parauma enorme variedade de agentes invasores.● Memória: o sistema “memoriza” os invasores– um 1º contacto dá uma resposta primária;posteriormente um novo contacto com oagente origina uma resposta secundária.● Tolerância: o sistema reconhece as suaspróprias moléculas, ou seja, distingue entre oque lhe é “próprio” e o que não é.
  42. 42. Defesa específicaDefesa específica-- Imunidade humoralImunidade humoral ouou imunidade mediada porimunidade mediada poranticorposanticorpos..-- Imunidade celularImunidade celular ouou imunidade mediada por célulasimunidade mediada por células..Linfócitos T em contacto com corpos estranhos
  43. 43. Imunidade HumoralImunidade Humoral● A resposta imunológica é realizada pormoléculas existentes no sangue,denominadas de anticorpos, produzidospelos linfócitos B.● Ativa contra agentes que circulam noshumores (sangue)● Efetivo contra bactérias, toxinas produzidaspor bactérias, vírus e moléculas solúveis.● O combate é feito pelo reconhecimento dosantigénios específicos através dos anticorpossituados nas membranas dos linfócitos.●
  44. 44. Imunidade HumoralImunidade HumoralReconhecimento específico entre linfócito B eantigénios bacterianoshttps://www.youtube.com/watch?v=kZrAm3Ho6Lc
  45. 45. Os anticorpos não reconhecem os antigenios como um todo,reconhecem apenas os determinantes antigénicos
  46. 46. Imunidade HumoralImunidade Humoral● Após a ligação do antigénio com o recetor presenteno linfócito, verifica-se ativação dos linfócitos B.● Estes multiplicam-se, originando dois grupos declones.● Um dos grupos diferencia-se em células efetoras,chamadas plasmócitos.● Os plasmócitos são competentes para produziranticorpos, que interagem com os antigénios nosentido de os neutralizar.● Um outro grupo originacélulas-memória.
  47. 47. Imunidade HumoralImunidade HumoralSeleção clonalSeleção clonal● Clones – todos oslinfócitos quepossuem o mesmotipo de recetores eprovêm dareplicação damesma célula esão capazes dereconhecer omesmo antigénio.
  48. 48. Imunidade HumoralImunidade Humoral● Seleção clonal – quando um antigénio entra no organismo eencontra linfócitos B, estimula uma pequena fração desteslinfócitos, aqueles que possuem na membrana recetores,determinados geneticamente, para esses antigéniosespecíficos;● Proliferação clonal dos linfócitos ativados – os linfócitosexperimentam uma divisão rápida formando célulasgeneticamente idênticas que possuem os mesmos recetorese pertencem ao mesmo clone.● Diferenciação dos linfócitos B - uma parte das células doclone diferencia-se em plasmócitos, que são célulassecretoras de anticorpos.
  49. 49. Imunidade HumoralImunidade HumoralCada anticorpo podecombinar-se quimicamentecom o antigénio que oestimulou, devido às estruturasquímicas de ambos.A regiãovariável éresponsávelpelaespecificidadedos anticorpos;O sítio deligação é o localonde se liga aosdeterminantesantigénicos I
  50. 50. Imunidade HumoralImunidade Humoral● Os anticorpos não destroem diretamente os invasoresportadores de antigénios. Eles “marcam-nos”, de modoa serem destruídas por uma série de processos.● Quando os anticorpos são ativados, a inativação dosantigénios pode ocorrer de diversas formas:● Neutralização direta de bactérias e vírus● Aglutinação● Precipitação de antigénios solúveis●Estimulação da fagocitose
  51. 51. Imunidade HumoralImunidade HumoralA presença docomplexoantigénio-anticorpoAmplifica a respostainflamatóriajá iniciada.Ação dos AnticorposFacilitação daFagocitoseNeutralização PrecipitaçãoAglutinação
  52. 52. Imunidade HumoralImunidade Humoral● A parte constante da cadeia polipeptídicadetermina o tipo ou classe do anticorpo (há 5classes fundamentais de imunoglobulinas –IgM, IgG,IgA, IgD e IgE)
  53. 53. Incompatibilidade sanguíneaIncompatibilidade sanguínea
  54. 54. Incompatibilidade sanguíneaIncompatibilidade sanguínea
  55. 55. Incompatibilidade sanguíneaIncompatibilidade sanguíneaSoroAnti-ASoroAnti-B
  56. 56. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Intervêm os linfócitos T● Os linfócitos T são ativos contra parasitasmulticelulares,fungos,célulascancerosas,tecidos enxertados e órgãostransplantados.Linfócito T
  57. 57. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Intervêm oslinfócitos T● Os linfócitos T sãoativos contraparasitasmulticelulares,fungos, célulascancerosas,tecidos enxertadose órgãostransplantados.
  58. 58. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por CélulasLinfócitos T– originam-se na medula ósseavermelha a partir de linfoblastos emigram para o timo.- reconhecem antigenes e dividem-serapidamente formando um “clone” de linfócitosativo contra o antigene, atacando-o ematando-o.- desempenham outras funções como libertarmediadores químicos ou moderar ou suprimira resposta imunitária.
  59. 59. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Para ser reconhecido por um linfócito T, oantigenio precisa ser processado e“apresentado” ao linfócito, numa forma que esteconsiga identificá-lo:
  60. 60. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● 1. Um antigénio circulante no corpo possui uma estrutura que o linfócito Tnão consegue reconhecer.● 2. Uma célula processadora de antigénios (p.ex.,um macrófago) fagocitao antigénio.● 3. As enzimas da célula processadora de antigénios destroem oantigénio, fragmentando-o.● 4. Alguns fragmentos do antigénio ligam-se a moléculas do complexo dehistocompatibilidade principal e, a seguir, são enviados à superfície damembrana celular.● 5. Um recetor de célula T, localizado sobre a superfície de um linfócito T,reconhece o fragmento de antigénio ligado à molécula do complexo dehistocompatibilidade principal e liga-se ao fragmento.
  61. 61. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por CélulasExistem diferentes tipos de linfócitos T comdiferentes funções:● Linfócitos T citolíticos (citotóxicos Tc) –reconhecem e destroem células que exibemantigénios estranhos (céls. infetadas oucancerosas); segregam substâncias tóxicas quematam as células anormais por vários processos.● Linfócitos T auxiliares(Th – “helper”) –reconhecem antigénios; segregam mensageirosquímicos que estimulam a capacidade defensivade outras células como fagócitos, linfócitos B e T
  62. 62. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células
  63. 63. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por Células● Linfócitos T supressores (Ts) – através demensageiros químicos, ajudam a moderar ousuprimir a resposta imunitária, tornando maislenta a divisão celular e limitando a produçãode anticorpos.● Linfócitos T memória (Tm) – vivem numestado inativo respondendo prontamente,entrando em multiplicação se houver novainvasão pelo mesmo antigénio.
  64. 64. Imunidade Mediada por CélulasImunidade Mediada por CélulasOs linfócitos (Tm) vivem inativos nosórgãos linfóides secundários (baço,gânglios linfáticos) até detetaremnovamente o mesmo tipo deantigénio, dividindo-se prontamente.Deste modo, desencadeiam umaresposta mais rápida e vigorosa numsegundo contacto com o mesmoantigénio.
  65. 65. ImunidadeImunidadeMediadaMediadapor Célulaspor CélulasCooperaçãoentre célulasimunitáriashttps://www.youtube.com/watch?v=Xkj4DnjCClU

×