Nair e dionilde

212 visualizações

Publicada em

Modalidades olimpicas

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
149
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nair e dionilde

  1. 1. AS VÁRIAS MODALIDADES OLÍMPICAS!!!! PROFESSORA:MAFALDA GREGO DISCIPLINA:HISTÓRIA TRABALHO REALIZADO POR : NAIR VILMA Nº15 DIONILDE Nº7
  2. 2. NATAÇÃO Natação é a capacidade do homem e de outros animais se deslocarem através de movimentos efetuados no meio líquido, geralmente sem ajuda artificial. A natação é uma actividade que pode ser simultaneamente útil e recreativa. As suas principais utilizações são recreativas, balneares, pesca, exercício e desporto. Existem 6 modalidades/disciplinas distintas na especialidade de natação.  Natação pura  Pólo aquático  Saltos para a água  Águas abertas  Natação sincronizada  Mergulho Aquático Das quais, natação pura, pólo aquático e águas abertas, possuem a categoria Masters. Por movimentar praticamente todos os músculos e articulações do corpo, a prática da natação é considerada um dos melhores exercícios físicos
  3. 3. existentes trazendo ótimos benefícios para o organismo, ajudando a melhorar a coordenação motora, além de ser recomendada para pessoas com problemas respiratórios, como por exemplo a asma, também é a única actividade física indicada para menores de 3 anos. Como atividade recreativa, a natação é muito difundida. Muitos nadadores entram na água apenas para se divertir, tanto em piscinas artificiais como nos mares, lagos e rios. Embora os estilos de natação também sejam utilizados no lazer, é muito comum que os nadadores recreativos utilizem estilos menos técnicos, geralmente mantendo a cabeça fora de água.
  4. 4. VELA A vela é um desporto náutico em que as embarcações se deslocam na água através da força do vento. É possível velejar à frente do vento, em que o barco segue a direção das rajadas, com as velas colocadas a um ângulo de 90º em relação ao eixo do barco, mas também com ventos laterais. Para isso é necessário colocar as velas com uma inclinação de 45º. Cada barco tem também uma quilha para impedir que se desvie do curso. Na vela há três tipos de competições, as junto à linha, da costa, que também podem decorrer em lagos, as mais ao largo e as ocêanicas. Há ainda dois tipos de corridas, em frota ou com os concorrentes a correr sozinhos, ganhando sempre quem somar o menor número de pontos. Em 1815 nasceu, na ilha de Wight, o Royal Yacht Club de Inglaterra, atualmente a mais antiga organização de vela do mundo. Por ser um desporto antigo, a vela faz parte do calendário dos Jogos Olímpicos desde o início da era moderna destes, ou seja, desde 1896, em Atenas, embora nessa edição não tenha chegado a haver provas por causa do mau tempo que assolou a Grécia na altura. Assim, a estreia ficou adiada para
  5. 5. 1900, em Paris. Na altura imperavam as embarcações gigantescas, pesadas à tonelada, quando hoje em dia predominam as pequenas, onde quem faz a diferença nas corridas são os atletas. Portugal, apesar de não ser uma potência da vela internacional, já ganhou algumas medalhas olímpicas na modalidade, a primeira das quais em 1948, em Londres. Os irmãos Fernando e Duarte Bello conquistaram a medalha de prata na classe Swallow, depois de terem sido considerados vencedores. Uma série de protestos acabou por relegar a dupla portuguesa para a segunda posição. Em 1952, em Helsínquia, Joaquim Fiúza e Francisco Andrade alcançaram o bronze na classe Star. Já em 1960, em Roma, e novamente graças a uma dupla de irmãos, José e Mário Quina, Portugal regressou ao pódio olímpico. Mais uma medalha de prata, desta feita na classe Star. Depois, foi preciso esperar até aos Jogos de Atlanta, em 1996, para a vela portuguesa voltar a brilhar. Nuno Barreto e Hugo Rocha conquistaram o bronze na classe 470. Nuno Barreto Hugo Rocha
  6. 6. TÉNIS DE MESA!!! O ténis de mesa, foi inventado no Reino Unido, mais precisamente na Inglaterra no século XIX onde era conhecido como pingue-pongue, até se tornar uma marca registada e por isso mudou-se o nome na Europa para ténis de mesa, sendo o nome pingue-pongue atualmente usado apenas para fins recreativos. É um dos desportos mais populares do mundo porque tem muitos jogadores. A popularidade do ténis de mesa cresceu em 1901 quando foram organizados torneios. Em 1921, foi criada uma Associação de Ténis de Mesa e, logo de seguida, a Federação Internacional de Ténis de Mesa (ITTF) em 1926. Mas só em 1988, em Seul este desporto se tornou Olímpico.
  7. 7. No fim de 2000, as antigas bolas de 38 mm foram oficialmente trocadas pelas de 40 mm, para aumentar a resistência do ar sobre a bola e efectivamente tornar o jogo mais lento. Após a mudança espera-se que o ténis de mesa seja mais fácil de ser assistido e que assim o desporto ganhe popularidade. Uma partida de ténis de mesa é disputada em melhor de qualquer número de set ímpares. Usualmente, os torneios nacionais são disputados em melhor de 5 sets e torneios internacionais em melhor de 7 sets, o que significa que o jogador ou dupla que vencer, respectivamente, 3 ou 4 sets vence a partida. Para vencer um set, o jogador ou dupla precisa somar 11 pontos ou, em caso de empate em 10 pontos, somar dois pontos de vantagem em relação ao seu adversário. A partida começa com o saque de um dos oponentes conforme a ordem de saque escolhida pelo vencedor do sorteio para tal fim. Cada jogador tem o direito de sacar duas vezes consecutivas independente da pontuação que obtiver. Em duplas, a ordem de saque é alternada entre as duplas e entre os jogadores de modo que cada um dos quatro jogadores saque.
  8. 8. No mundo, estima-se que haja 300 milhões de praticantes ocasionais e cerca de 40 milhões de praticantes federados distribuídos entre 186 federações filiadas à ITTF, a Federação Internacional de Ténis de Mesa. Fim!!!!!! Espero que gostem!!
  9. 9. Avaliação: Suficiente O Trabalho tem demasiada informação e nem sempre está escrita de forma clara. Apresentação foi suficiente menos porque apenas a Nair leu o trabalho enão e não explicou o que fez.

×