[1]
Prezado (a) Irmão (ã):
Que a graça de Cristo Jesus esteja contigo.
Sabemos que o movimento adventista do sétimo dia, q...
[2]
textos que o Espírito Santo é a terceira pessoa da Divindade. Como o Espírito Santo pode
ser a terceira pessoa e não s...
[3]
“Não se enganem; muitos se afastarão da fé, dando ouvidos a espíritos sedutores e
doutrinas de demônios. Agora temos d...
[4]
A pergunta que fazemos então é: que verdade era esta? No que criam os adventistas? Criam eles em
Deus, o Pai, e em Seu...
[5]
O grande equívoco dos trinitarianos, ao argumentarem esse assunto, parece ser esse: Eles não fazem
diferença entre neg...
[6]
O Único que possui a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem
pode ver, ao qual sej...
[7]
Infelizmente, o autor deste é o mesmo que introduziu a doutrina da Trindade na Igreja
adventista - Leroy Edwin Froom, ...
[8]
sucessor na terra. O Espírito Santo é Ele mesmo, despido da personalidade da humanidade e
independente dela. Ele Se re...
[9]
(Apocalipse 3:22) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.
(Apocalipse 22:16) - Eu, Jesus, enviei o m...
[10]
“A Divindade, ou Trindade, consiste do Eterno Pai, uma pessoa, um ser espiritual, onipotente,
onipresente, onisciente...
[11]
católica; Que nós adoramos um Deus em uma Trindade, e a Trindade em uma
unidade, não devemos confundir as pessoas; ne...
[12]
A Trindade e o Ecumenismo
O pregador da Casa Pontifícia comenta a questão central da fé cristã e Faz da Trindade o
No...
[13]
doutrina faz parte do vinho. Na verdade, segundo a própria Igreja Católica, é a doutrina básica, o
vinho mais envelhe...
[14]
“Haverá, mesmo entre nós, mercenários e lobos disfarçados em ovelhas que persuadirão [alguns do]
rebanho de Deus a sa...
[15]
Enoque – “Em visão profética foi instruído com relação à morte de Cristo, e foi-lhe mostrada a Sua vinda em
glória, a...
[16]
(Atos 2:38) - E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para
perdão...
[17]
A Enciclopédia Britânica Volume 3, página 365 e 368--1910 edição sobre A Fórmula Batismal, página
365 "A fórmula trin...
[18]
“Deus existe na forma de uma unidade de três pessoas co-iguais e
coeternas: Pai, Filho e Espírito Santo. Essa ‘famíli...
[19]
O CÓDIGO DE NOSSO SENHOR E MAIS SAGRADO IMPERADOR – JUSTINIANO – 538 a.D.
CONCERNENTE A MAIS EXALTADA TRINDADE E
A FÉ...
[20]
 Nega que Jesus veio ser o nosso exemplo, considerando-o apenas como nosso substituto
 Nega que Jesus foi tentado c...
[21]
No grande conflito entre Cristo e Satanás onde está a terceira pessoa da trindade?
“O pecado originou-se com aquele q...
[22]
E.G.W. – A DIVINDADE
"A Ele Deus exaltou com a sua destra para ser Príncipe e Salvador, para dar arrependimento a Isr...
[23]
"O Pai consultou Seu Filho com respeito à imediata execução de Seu propósito de fazer o homem para
habitar a Terra. C...
[24]
revelações de Deus e de Cristo. Assim como o conhecimento é progressivo, também o amor, a
reverência e a felicidade a...
EM DEFESA DO ADVENTISMO
EM DEFESA DO ADVENTISMO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

EM DEFESA DO ADVENTISMO

206 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
206
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EM DEFESA DO ADVENTISMO

  1. 1. [1] Prezado (a) Irmão (ã): Que a graça de Cristo Jesus esteja contigo. Sabemos que o movimento adventista do sétimo dia, que originou-se da pregação inicialmente efetuada por Guilherme Miller relativamente a profecia das 2300 tardes e manhãs do capítulo 8 de Daniel, foi conduzido por Deus, onde levou a um desapontamento em 1844, cumprindo a profecia de Apocalipse 10. Após este evento, o movimento prosperou pela direção de Cristo, e ganhou corpo, até organizar-se oficialmente em 1863, dando origem à denominação de nome “Igreja Adventista do Sétimo Dia”. Assim, é possível pelas profecias verificar que a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) foi levantada por Deus para cumprir a função de restaurar as verdades bíblicas, e exaltar o estandarte Divino dos mandamentos de Deus e da fé de Jesus, a fim de preparar um povo que permaneça em pé no dia do Senhor. A IASD teve o privilégio de receber mensagens na forma de testemunhos dados por Jesus diretamente do Céu através da irmã Ellen G. White. Tais testemunhos conduziram a IASD, durante o período de toda a vida desta irmã, que se estendeu até 1915. Por volta do ano de 1904 a IASD passou por uma crise doutrinária envolvendo diversos médicos e pastores liderados pelo Dr. J. H. Kellogg que apresentou teorias panteístas. O livro “Living Temple” (Templo Vivo) de autoria do Dr. Kellogg, defendia que como Deus habita em cada um de nós através de seu Espírito, então cada um possuía um deus interior. Entenda melhor o que realmente ocorreu através de correspondências trocadas entre os pioneiros: Em 1902 o comitê da Conferência Geral designado para revisar o livro do Dr.Kellogg decidiu não publica-lo por ele conter declarações como esta: “Agora suponha que temos uma bota diante de nós, não uma bota comum, mas uma bota viva. E que ao olharmos para ela, vemos mini-botas se movendo pelas costuras, escorregando-se pelo calcanhar, e espremendo-se até a biqueira, e escapando pelo topo. Muitas, centenas, milhares de botas, um enxame de botas continuamente fluindo a partir de nossa bota viva. Não seríamos levados a dizer: ‘Existe um sapateiro dentro da bota?’ Então também existe na árvore um poder que a cria e a mantém, um fazedor-de-árvores na árvore.” John Harvey Kellogg – The Living Temple, pág. 29. O panteísmo clássico (do grego: pan=tudo, universo e theos=Deus) identifica o universo com Deus e é definido pela crença e/ou percepção da natureza e do universo como divindade. Sua principal convicção é que Deus, ou força divina, está presente no mundo e permeia tudo o que nele existe. O divino também pode ser experimentado como algo impessoal, como a alma do mundo, ou um sistema do mundo. O panteísmo também pode ser resumido com a crença de que tudo é Deus. Em 16 de março de 1903 Ellen White escreveu para o Dr.Kellogg repreendendo-o por suas idéias: “Você não está totalmente esclarecido sobre a personalidade de Deus, que é tudo para nós como um povo. Você praticamente destruiu o próprio Senhor Deus.” E.G.White – Carta 300. Em outubro de 1903, durante o Concílio Outonal do Comitê da Conferência Geral, A.G.Daniels (presidente da C.G.) recebeu duas cartas de Ellen White denunciando especificamente os ensinos contidos no livro “The Living Temple”, que levaram, naquele momento, o Dr.Kellogg admitir que faria revisões em seu livro removendo tudo que fosse de natureza teológica. Poucos dias depois ele muda de opinião e começa a defender seu livro, como pode ser constatado nesta carta que ele escreveu para G.I.Butler (ex-presidente da C.G.): “Até onde eu entendo sobre a dificuldade encontrada no ‘Templo Vivo’, é que a coisa toda pode ser resumida nesta questão: É o Espírito Santo uma pessoa? Você diz que não. Eu tinha achado que a Bíblia dizia isto pelo fato de que o pronome pessoal ‘ele’ é usado em referência ao Espírito Santo. A irmã White usa o pronome ‘ele’ e mencionou em diversos
  2. 2. [2] textos que o Espírito Santo é a terceira pessoa da Divindade. Como o Espírito Santo pode ser a terceira pessoa e não ser pessoa nenhuma, é difícil para eu enxergar.” J.H.Kellogg para G.I.Butler em 28 de outubro de 1903. ELLEN WHITE ESCREVEU: “Não é essencial que sejamos capazes de definir exatamente o que seja o Espírito Santo. Cristo nos diz que o Espírito é o Consolador, o "Espírito de verdade, que procede do Pai". João 15:26. Declara-se positivamente, a respeito do Espírito Santo, que, em Sua obra de guiar os homens em toda a verdade "não falará de Si mesmo". João 16:13 A natureza do Espírito Santo é um mistério. Os homens não a podem explicar, porque o Senhor não lho revelou. Com fantasiosos pontos de vista, podem-se reunir passagens da Escritura e dar-lhes um significado humano; mas a aceitação desses pontos de vista não fortalecerá a igreja. Com relação a tais mistérios - demasiado profundos para o entendimento humano - o silêncio é ouro." Atos dos Apóstolos, pág. 52 Como os pioneiros reagiram a este entendimento por parte do Dr.Kellogg? A.G.Daniels reagiu escrevendo uma carta para William C.White (filho de E.G.White) dizendo: “Ele (J.H.Kellogg) disse que por todo o tempo tinha se preocupado em saber como explicar o caráter de Deus e Sua relação com as obras criadas. Ele tem certeza de que crê apenas no que os Testemunhos ensinam e no que o Dr.Waggoner e o pastor Jones pregaram por anos; mas ele desconfiava que eles não expressaram o assunto de forma correta. Então ele afirmou que suas antigas visões sobre a trindade o atrapalhavam de fazer uma declaração clara e absolutamente correta, e que por um certo momento que ele creu na trindade, conseguiu ver bem claramente onde estava toda a dificuldade, e achou que agora podia resolver a questão satisfatoriamente. Ele me disse que agora crê em: Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo. E agora entende que é o Espírito Santo e não o Pai, que preenche todo o espaço e todas as coisas vivas.” A.G.Daniels para William C.White em 29 de outubro de 1903. G.I.Butler respondeu a carta do Dr.Kellogg nos seguintes termos: “Até onde a Irmã White e você estão em perfeito acordo é preocupante, eu devo deixar isso totalmente entre você e ela. A Irmã White diz que não há perfeito acordo. Você declara que há. Eu conheço algumas das observações dela que lhe dão forte base para você declarar que ela está de acordo. Sou honesto e franco suficiente para dizer isso, mas eu devo dar a ela o crédito, até que ela abandone isso de dizer que há uma diferença também, e eu não creio que você possa dizer plenamente o que ela quer dizer.” “Deus habita em nós pelo Seu Santo Espírito, como um Confortador, como um Reprovador, mais como um formador. Quando nós vamos a Ele, nós participamos dEle nesse sentido, porque o Espírito Santo vem a partir dEle;vem do Pai e do Filho. Não é uma pessoa andando por aqui a pé, ou voando, como um ser literal no mesmo sentido que Cristo e o Pai fazem... pelo menos se é assim, está totalmente além da minha compreensão do entendimento da linguagem ou das palavras.” G.I.Butler para J.H.Kellogg em 5 de abril de 1904. Ellen White finalmente recebe uma clara orientação de Deus sobre o livro do Dr.Kellogg, o qual foi publicado na forma de um artigo intitulado “O Fundamento de Nossa Fé” Vejamos: “Eu tenho sido instruída pelo mensageiro celeste que alguns dos raciocínios no livro ‘Templo Vivo’ são falaciosos, e que tal raciocínio desencaminhará as mentes daqueles que não estão profundamente firmados nos princípios fundamentais da verdade presente. Ele introduz aquilo que não passa de uma especulação acerca da personalidade de Deus e onde Sua presença está. Ninguém nesta Terra possui o direito de especular nesta questão.” Ellen White – Mensagens Escolhidas vol.1 pág. 201. “Teorias espiritualistas sobre a personalidade de Deus, seguindo as lógicas conclusões deles, derrubam toda a eficiência cristã.” Ellen White – Mensagens Escolhidas vol.1 pág. 201.
  3. 3. [3] “Não se enganem; muitos se afastarão da fé, dando ouvidos a espíritos sedutores e doutrinas de demônios. Agora temos diante de nós, o alfa deste perigo. O ômega será de uma natureza mais impressionante.” Ellen White – Mensagens Escolhidas vol.1 pág. 197. “Mais ou menos pelo tempo em que foi publicado Living Temple, passaram ante mim, na calada da noite, representações que indicavam estar-se aproximando algum perigo, e que eu devia para isso me preparar, escrevendo as coisas que Deus me revelara, acerca dos princípios fundamentais de nossa fé. Foi-me enviado um exemplar de Living Temple, mas ficou intocado em minha biblioteca. Segundo a luz que me foi dada pelo Senhor, eu sabia que alguns dos sentimentos defendidos no livro não traziam o endosso de Deus, e que eram uma cilada preparada pelo inimigo, para os últimos dias. Pensei que tal por certo seria percebido, e que não seria preciso que eu sobre isso dissesse o que quer que fosse. Na controvérsia que surgiu entre nossos irmãos acerca dos ensinamentos desse livro, os que estavam a favor de lhe dar ampla divulgação diziam: "Encerra exatamente os pensamentos que a irmã White tem ensinado." Essa afirmativa feriu-me diretamente o coração. Senti-me acabrunhada, pois sabia que essa apresentação do caso não era verdadeira”. Ellen White – Mensagens Escolhidas vol.1 pág. 203. “No livro Living Temple acha-se apresentado o alfa de heresias letais. Seguir-se-á o ômega, e será recebido por aqueles que não estiverem dispostos a atender a advertência dada por Deus... Living Temple encerra o alfa dessas teorias. Eu sabia que o ômega seguiria dentro de pouco tempo; e tremi pelo nosso povo. Sabia eu que devia advertir nossos irmãos e irmãs a que não entrasse em controvérsia em relação a presença e personalidade de Deus.” As afirmações feitas em Living Temple acerca deste ponto são incorretas. São mal aplicadas as passagens usadas em apoio da doutrina ali exposta. Sou compelida a falar negando a pretensão de que os ensinamentos de Living Temple possam ser apoiados por declarações de meus escritos. Ellen G. White, Mens. Escolhidas, Vol. 1, págs. 200 e 203 (grifo nosso). Note-se que a apostasia da igreja adventista denominada ALFA era relativa a questão da divindade, e que esta apostasia veio da liderança (mais de 200 pastores deixaram a igreja), e a serva do Senhor afirmou: “Temos agora perante nós o alfa desse perigo. O ômega será de natureza mais assustadora.” Ibidem, pág. 197. Mas qual seria a natureza da apostasia ômega? A serva do Senhor esclarece: “Sabia eu que devia advertir nossos irmãos e irmãs a que não entrasse em controvérsia em relação a presença e personalidade de Deus.” Ibidem, pág. 203. Ellen G. White deixou bem claro que a apostasia ômega era referente a personalidade de Deus. Vamos identificar essa apostasia mas adiante. Observe o testemunho abaixo, que foi dado por Jesus a sua serva em 1855. Nele podemos observar que Jesus afirmou que a verdade estava clara, ou seja, que o fundamento da verdade estava já estabelecido firmemente. “A verdade agora é tornada tão clara que todos a podem ver, e abraçar, se quiserem; mas foi necessário muito trabalho para trazê-la à luz como está, e tão árduo labor jamais terá de ser realizado outra vez para tornar a verdade clara.” Ellen G. White, MS 2, 26 de agosto de 1855 No ano de 1904, quase cinqüenta anos mais tarde, Jesus confirmou em outro testemunho dado a sua mensageira que as verdades que estavam estabelecidas desde 1855 e até então haviam sido cridas e pregadas durante 50 anos, não deveriam ser mudadas: “’Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele.’ Jer. 6:16. Não procure ninguém remover os alicerces de nossa fé – os alicerces lançados no princípio de nossa obra, pelo piedoso estudo da Palavra e pela revelação. Sobre estes alicerces temos estado a construir nestes cinqüenta anos passados. Poderão os homens supor que tenham achado um novo caminho, e sejam capazes de lançar um alicerce mais firme do que o já lançado. Mas isto é grande engano. “Homem nenhum poderá pôr outro fundamento além do que já foi posto.” Ellen G. White, Adventist Review and Sabbath Herald, 03/03/1904; Testemunhos Seletos, Vol. 3, págs. 273 e 274.
  4. 4. [4] A pergunta que fazemos então é: que verdade era esta? No que criam os adventistas? Criam eles em Deus, o Pai, e em Seu Filho Jesus Cristo? Ou criam eles em uma Trindade? Qual era a luz revelada por Deus a eles sobre este ponto? Onde podemos encontrar esta verdade? O testemunho de Jesus dado a Ellen G. White no ano de 1905 nos informa onde podemos encontrar esta verdade que foi dada por Ele aos pioneiros do movimento adventista: “Aqueles que procuram remover os velhos marcos, não estão retendo firmemente; eles não estão se lembrando de como receberam e ouviram. Os que tentam introduzir teorias que removeriam os pilares de nossa fé quanto ao santuário ou quanto à personalidade de Deus ou de Cristo, estão agindo como cegos. Estão procurando introduzir incertezas e deixar o povo de Deus à mercê das ondas, sem uma âncora.” (Manuscript Release 760, págs. 9 e 10 - Meditações Matinais 1999, pág. 235). “Quando o homem vier mover um alfinete do nosso fundamento o qual Deus estabeleceu pelo seu Santo Espírito, deixe os homens de idade que foram os pioneiros no nosso trabalho falar abertamente, e os que estiverem mortos falem também, reimprimindo os seus artigos das nossas revistas. Juntemos os raios da divina luz que Deus tem dado, e como Ele guiou seu povo, passo a passo no caminho da verdade. Esta verdade permanecerá pelo teste do tempo e da experiência.” Ellen G. White, 24 de maio de 1905 – Manuscript Release, Vol. 1, pág. 55. “Deus me tem dado luz acerca dos nossos periódicos. O que é isto? Ele falou que os mortos hão de falar; como? As suas obras os seguirão. Nós estamos repetindo as palavras dos pioneiros em nosso trabalho; de quem sabe quanto custa procurar pela verdade como um tesouro escondido. Eles avançaram passo por passo sob a influência do Espírito de Deus. Um por um desses pioneiros já morreu. A palavra que me foi dada é: Faça com que, o que esses homens escreveram no passado, torne a ser escrito.” Considerando o que diz o testemunho de Jesus, através de sua serva acima, que os artigos dos pioneiros deveriam ser reimpressos para que os homens não se desviassem do fundamento que Deus deu, em obediência a este testemunho, transcrevemos alguns destes artigos dos pioneiros, publicados na Review and Herald (Revista Adventista americana). “A grande falta da Reforma foi que os reformadores pararam de reformar. Se tivesse levado avante, não teriam deixado nenhum vestígio do papado atrás, tal como a natural imortalidade, batismo por aspersão, a trindade, a guarda do domingo, e a igreja agora estaria livre de erros escriturísticos.” JAMES WHITE, The Review and Herald, 07 de fevereiro de 1856. Nota: James (Tiago) White, esposo de Ellen G. White, foi presidente da Conferência Geral da IASD, por três mandatos. “...está tão longe da verdade como a velha e absurda doutrina trinitariana na qual diz que Jesus é verdadeiramente o Deus eterno.” J. N. ANDREWS, The Advent Review, 5 de agosto de 1852. “Sustentar a doutrina da Trindade, não é mais que uma evidência da intoxicação pelo vinho que todas as nações beberam. O fato dessa ser uma das principais doutrinas, senão a principal, pela qual o bispo de Roma foi exaltado ao papado, não recomenda muito em seu favor. Isto deveria fazer alguém investigar por si mesmo, como quando os demônios fazem milagres para provar a imortalidade da alma. Se eu nunca duvidei antes, agora eu tenho que ir até o fundo para provar...” R. F. COTTRELL, Advent Review, 6 de julho de 1869. Nota: O pastor Cottrell era redator da Revista Adventista, e foi quem preparou as primeiras lições da Escola Sabatina da IASD. J.N. ANDREWS – 06 de março de 1855 A doutrina da Trindade foi estabelecida na igreja pelo concílio de Nicéia 325 AD. Essa doutrina destrói a personalidade de Deus e seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor. A forma infame como foi imposta à igreja, aparece nas páginas da história eclesiástica, que causa aos que acreditam na doutrina corar de vergonha. J.N. Lougborough – 05 de novembro de 1861 “Esta doutrina da Trindade foi trazida para a igreja no mesmo tempo em que a adoração de imagens, e a guarda do domingo e não é mais do que a doutrina dos persas remodelada.” JAMES WHITE – 10 de novembro de 1863 - A Doutrina da Trindade Degrada a Expiação:
  5. 5. [5] O grande equívoco dos trinitarianos, ao argumentarem esse assunto, parece ser esse: Eles não fazem diferença entre negar a Trindade e negar a divindade de Cristo. Eles só vêem os dois extremos em que está a verdade; tomam cada expressão referente à preexistência de Cristo como uma prova da Trindade. As Escrituras ensinam abundantemente a preexistência de Cristo e a sua divindade, mas são inteiramente silenciosas quando à Trindade. A declaração que o Divino Filho de Deus não morre, está tão longe dos ensinamentos da Bíblia como as trevas da luz. Eu perguntaria aos trinitarianos: A qual das duas naturezas devemos a redenção? A resposta seria obviamente a natureza que morre e que derramou seu sangue por nós; “pela qual tivemos redenção pelo seu sangue”. Então fica evidente que unicamente a natureza humana morre, e o nosso redentor é unicamente humano. O Divino Filho de Deus não teve parte na nossa salvação, pela qual não morreu e nem sofreu. Eu estava certo, quando disse que a doutrina da Trindade degrada a expiação, trazendo o sacrifício, o sangue pelo qual fomos comprados, para baixo num padrão de comprometimento. JAMES WHITE – 06 de julho de 1869 “Que uma pessoa seja três pessoas, e que três pessoas sejam uma só pessoa, é uma doutrina que nós podemos proclamar ser uma doutrina contrária à razão e ao senso comum.” Urias Smith afirmava: “Mas com respeito ao Espírito, a Bíblia usa expressões que não podem se harmonizar com a idéia que é uma pessoa igual ao Pai e ao Filho. Ao contrário mostra que é uma divina influência de ambos; o meio pelo qual se fazem representar e pelo qual se manifesta o poder através de todo o universo, quando não estão pessoalmente presentes.”Urias Smith, “In the Question Chair”, Review and Herald, LXVII (28/10/1890), 664. J.B. FRISBIE – 04 de abril de 1854 “Razões Católicas Para Guardar o Domingo” 1. Porque também é chamado na antiga denominação Romana o “Dies Solis”, o dia do sol o qual era sagrado. 2. Porque é em louvor à santíssima Virgem Maria. 3. Porque é o dia dedicado pelos apóstolos em louvor à Santa Trindade. 4. Porque Jesus nasceu num domingo. 5. Porque Jesus ressuscitou dos mortos num domingo. TIAGO WHITE – 12 DE SETEMBRO DE 1854 “Como erros fundamentais nós poderíamos classificar como este falso sábado [o domingo], outros erros que os protestantes trouxeram da Igreja Católica, como o batismo por aspersão, A TRINDADE, a consciência dos mortos, o tormento eterno. O grupo que abraçou estes erros fundamentais fez isso ignorantemente, mas poderia a Igreja de Cristo levar junto de si estes erros até as cenas do julgamento que há de vir sobre o mundo? Nós acreditamos que não.” Review and Herald, 12 de setembro de 1854. Guilherme C. White 30 de abril de 1935 “As declarações e os argumentos de alguns dos nossos ministros em seu esforço para provar que o Espírito Santo era um indivíduo como é Deus, o Pai e Cristo, o eterno Filho, têm me deixado perplexo e algumas vezes eles me tem entristecidos.” Guilherme C. White (filho de Ellen G. White), trecho da carta escrita pelo pastor Guilherme em 30 de abril de 1935, ao pastor H. W. Carr. Seguindo a mesma lógica, vamos transcrever a posição da Bíblia Sagrada sobre o assunto em questão: O QUE DIZ A PALAVRA DE DEUS : Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR (Deuteronômio 6:4) Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém. (Romanos 16:27) Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus sábio, seja honra e glória para todo o sempre. (I Timóteo 1:17)
  6. 6. [6] O Único que possui a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém. (I Timóteo 6:16) Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém. (Judas 1:25) “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17:03. “Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as cousas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as cousas, e nós também, por ele.” I Coríntios 8:06. “Porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem.” I Timóteo 2:05. “Recomendou-lhe Jesus: Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai, mas vai Ter com os meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus.” João 20:17. Vimos a pouco que Ellen G. White havia advertido os adventistas para que não entrassem em controvérsia sobre o tema “Divindade”, porque isto significaria questionar o que já estava revelado. Infelizmente, a história nos mostra que já em 1919, apenas quatro anos após a morte de Ellen G. White, houve uma grande discussão sobre o tema “Divindade” durante um Congresso Bíblico em São Francisco, Califórnia; onde muitos defendiam a manutenção da posição que permanecia desde 1903: “Os pontos fundamentais de nossa fé da forma como cremos hoje foram firmemente estabelecidos.” (Ellen G. White, MS 135, 1903). Entre estes pontos estava a crença no único Deus, o Pai, e no Senhor Jesus Cristo, o Filho do Eterno Pai; e um outro grupo de delegados que defendiam o reestudo deste tema, buscando introduzir uma nova doutrina (Trindade). Em 1925, uma série de reuniões através dos US feitos pelo professor e historiador da Universidade Andrews, o pastor LeRoy E. Froom, defende o estabelecimento da doutrina da trindade na IASD. O pai da trindade na IASD, revela em seu livro que foi buscar a doutrina da trindade em autores não denominacionais. A Confissão de LeRoy E. Froom Aqui posso fazer uma confissão pessoal e franca. Quando em 1926 e 1928 me foi pedido pelos líderes para dar uma série de estudos sobre o Espírito Santo ... nos institutos ministeriais da União Norte Americana de 1928, fora uns vestígios inestimáveis no Espírito de Profecia, eu não encontrei praticamente nada desse fantástico ramo de estudo da Bíblia. Não existiam prévias pegadas em nossos livros e literatura. Permita-me declarar que meu livro "A vinda do Consolador" foi o resultado de uma série de estudos que eu dei em 1927 e 1928 nos institutos ministeriais através da América do Norte. Eu fui obrigado a pesquisar em livros fora da nossa fé. ...alguns desses homens tinham pontos de vista mais profundos das coisas espirituais de Deus, que muitos dos nossos próprios homens tinham então sobre o Espírito Santo e a vida triunfante.Alguns homens negaram isto, continuam negando, mas o livro foi gradualmente sendo aceito como padrão.” Você não imagina como eu fui atacado por alguns mais antigos, porque eu insisti na personalidade do Espírito Santo como uma terceira pessoa da divindade. .” LeRoy E. Froom, Movement of Destiny, pág. 322 Você creria em um homem que foi capaz de escrever o texto que se segue a respeito de Elias, o servo de Deus que foi trasladado sem ver a morte? (referindo-se à irmã White): "A sua infeliz militância me faz pensar na situação de Elias. ... Ele discordava agudamente dos historiadores e experts em Israel a respeito da situação. Ele estava certo, pensava, e todos estavam errados. Ele somente foi perseguido e amaldiçoado por causa de suas alegações e conclusões. ... Elias assim na verdade difamou e vilipendiou a Israel, e ofereceu um relatório desorientador e negro. Ele apresentou uma testemunha inverídica, lançando calúnias e difamação sobre Israel e sua liderança."
  7. 7. [7] Infelizmente, o autor deste é o mesmo que introduziu a doutrina da Trindade na Igreja adventista - Leroy Edwin Froom, um renomado pastor adventista, autor de livros consagrados dentro da denominação, professor de história da igreja da Andrews e por algum tempo o homem que mais possuía acesso aos escritos de Ellen G. White. Como este homem, que teve tamanho acesso aos testemunhos e tanta influência junto à organização chegou a escrever tais palavras? Com certeza não foi o Espírito Santo que o inspirou a escrever tamanho absurdo. Em 1931, numa reunião de portas fechadas e sem autorização, quatro administradores da IASD, decidem publicar no Year Book a doutrina da trindade. Em 1940, começa uma “limpeza” nos livros da igreja, especialmente nos livros de Ellen G. White e Urias Smith. Essa limpeza foi para incluir a doutrina da trindade nos seus escritos. O professor de história da Andrews University, George R. Night, conta em seu livro “Em Busca de Identidade”, pág. 16 (CASA Publicadora Brasileira), as mudanças que ocorreram no adventismo. “Muitos dentre os fundadores do adventismo não se uniriam à igreja hoje, se eles tivessem que subscrever as crenças fundamentais da denominação. Mais especialmente, muitos deles não concordariam com a crença nº 2, a qual trata da doutrina da Trindade. Semelhantemente, os pioneiros adventistas ficariam perturbados com a crença nº 4, que fala da eternidade e divindade de Cristo. Tampouco poderiam, alguns dos primeiros dirigentes adventistas concordar com a crença nº 5, relacionada com a personalidade do Espírito Santo.” Conferir no mesmo livro, nas páginas, 157 à 160, a “limpeza” nos livros da IASD para incluir a doutrina da Trindade. Confirmado nos Livros relacionados, diversas alterações nos escritos de Ellen G. White, para que se sustentasse a idéia de que ela teria crido na Trindade.  1923 - Testemunhos para Ministros  1940 - O Desejado de Todas as Nações  1946 - Evangelismo  1957 - Conselhos Sobre Saúde  1942 - Revelações do Apocalipse – Urias Smith Em 1980, foi aprovada a doutrina da trindade na IASD. Na Conferência Geral realizada em Dallas (Texas), o pastor e vice-presidente Neil Wilson da Associação Geral dos adventistas do sétimo dia, temendo as discussões que a mudança para trindade poderia ocasionar, maquinou um plano para a doutrina da trindade ser aprovada na forma de um livro com mais de 450 páginas (Nisto Cremos/ CPB). A partir de 1980 por ordem da Divisão Sul Americana, começaram a cortar todos os membros que se declaram contra a doutrina da trindade. Milhares de adventistas já foram expulsos da IASD em todo o Brasil. Veja o que encontramos no livro “A Trindade” (CPB), na pág. 221: “Os pontos de vista da igreja finalmente mudaram porque os adventistas chegaram a uma compreensão diferente da evidência bíblica.” Ora irmão (ã), o pastor LeRoy E. Froom confessa que foi buscar informações sobre a Trindade em outras fontes por não ter encontrado nada nos livros da igreja. Os autores do livro “A Trindade” confessam que os pontos de vista da igreja finalmente mudaram porque os adventistas chegaram a uma compreensão diferente da evidência bíblica. Como poderemos aceitar uma doutrina que não possui nenhum amparo, tanto na Bíblia como nos escritos da irmã Ellen G. White? Inclusive a irmã White nunca usou a palavra trindade (tradução da palavra em inglês “trinity”) nos seus escritos, mas sim Divindade (tradução para o inglês é “Godhead”). A própria IASD, através de uma publicação oficial “The Trinity in Scripture”, no ano de 1999, informou que: “A palavra Trindade nunca existiu nos escritos de Ellen G. White.” É mais uma prova de que os escritos da serva de Deus foram adulterados, para insinuar que ela em algum momento acreditou nesta doutrina. Vejamos a posição de Ellen G. White sobre o Espírito Santo: “Impedido pela humanidade, Cristo não poderia estar em todos os lugares pessoalmente, então foi para vantagem deles que Ele deveria deixá-los, ir para o Pai, e enviar o Espírito Santo para ser o Seu
  8. 8. [8] sucessor na terra. O Espírito Santo é Ele mesmo, despido da personalidade da humanidade e independente dela. Ele Se representaria como estando presente em todos os lugares pelo Seu Espírito, como o Onipresente. ‘Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome [embora não seja visto por vós], esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito’ [João 14:26]. ‘Mas eu vos digo a verdade; convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei’ [João 16:07.” Ellen G. White, Manuscript Releases, Vol. 14, pág. 23 e 24. "Cristo declarou que, depois de sua ascensão, Ele enviaria para sua igreja como presente de seu coroamento, o Consolador, que ia tomar seu lugar. Este Consolador é o Espírito Santo, a alma da sua vida, a eficácia de sua igreja, a luz e vida do mundo. Com o seu Espírito, Cristo envia uma influência reconciliadora e poder para retirar o pecado" This Day with God – Page 257 “Cristo prometeu o Dom do Espírito Santo a Sua igreja, e essa promessa nos pertence, da mesma maneira que aos primeiros discípulos.” Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, pág. 672. “Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal, e gravar Seu próprio caráter em Sua igreja.” Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, pág. 671. “Ao dar-nos o Seu Espírito, Deus nos dá a Si mesmo, fazendo-Se uma fonte de divinas influências para proporcionar saúde e vida ao mundo." Conselhos Sobre Educação, pág. 225. (João 4:24) - Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. (II Corintios 3:17) - Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade (Romanos 8:9) - Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. (Romanos 8:10) - E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça. (Romanos 8:11) - E, se o Espírito daquele que dentre os mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dentre os mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita. (Romanos 8:14) - Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. (Filipenses 1:19) - Porque sei que disto me resultará salvação, pela vossa oração e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo, (Gálatas 4:6) - E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai VEJA QUE NO LIVRO DO APOCALIPSE, JESUS É O ESPÍRITO QUE FALA ÀS SETE IGREJAS : (Apocalipse 2:1) - ESCREVE ao anjo da igreja que está em Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro: (Apocalipse 2:7) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus. (Apocalipse 2:8) - E ao anjo da igreja que está em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu: (Apocalipse 2:11) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte. (Apocalipse 2:12) - E ao anjo da igreja que está em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios: (Apocalipse 2:17) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe. (Apocalipse 2:18) - E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente: (Apocalipse 2:29) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. (Apocalipse 3:1) - E AO anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto. (Apocalipse 3:6) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. (Apocalipse 3:7) - E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: (Apocalipse 3:13) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. (Apocalipse 3:14) - E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus:
  9. 9. [9] (Apocalipse 3:22) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. (Apocalipse 22:16) - Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã. (Apocalipse 22:17) - O Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida. Existem inúmeros textos da Bíblia e dos escritos de Ellen G. White que comprovam que o Espírito Santo é o Espírito de Deus, o Pai, e o Espírito de Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. Perguntamos então: - Se a igreja adventista publicou em sua principal revista, Review and Herald, durante 50 anos, artigos que afirmavam que a doutrina da “trindade” faz parte do vinho de Babilônia; - Se de acordo com os testemunhos os pontos principais da fé, mantidos durante estes 50 anos, estavam firmemente estabelecidos e não deveriam ser mudados; - Se os crentes estavam em harmonia quanto a sua crença, após estes 50 anos passados; Quem estava interessado em fazer a mudança doutrinária na Igreja Adventista do Sétimo Dia, fazendo com que ela abandonasse sua doutrina original sobre a Divindade e passasse a crer na Trindade? PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DOS ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA – ANTES DA MUDANÇA (Crença Fundamental oficial da IASD publicada pela primeira vez em 1872 por Uriah Smith, repetida em todos os Year Books entre os anos de 1889 e 1914). Os adventistas do Sétimo Dia não possuem credo além da Bíblia; porém, sustentam um certo número de pontos bem definidos de fé, pelos quais estão preparados para dar “a todo homem que pedir” uma razão de sua fé. As seguintes proposições podem ser entendidas como um resumo dos principais traços de sua fé religiosa, sobre os quais existe, na medida do que é conhecido, completa unanimidade por todo o corpo. Eles crêem: 1. Que existe um só Deus, pessoal, um Ser Espiritual, o Criador de todas as coisas, Onipotente, Onisciente, e Eterno; Infinito em conhecimento, santidade, justiça, bondade, verdade e misericórdia; imutável, e presente em todos os lugares por seu representante, o Espírito Santo. Salmo 139:7. perceba que o texto diz que Deus Se faz representar como onipresente por Seu Espírito, conforme o Salmo 139:7. Não há aqui qualquer menção implícita à crença numa Trindade, composta de três deuses co-iguais e co-eternos. Leia-o para confirmar que nossos pioneiros não criam no Espírito Santo como uma terceira pessoa divina, mas simplesmente como Espírito de Deus, substantivo comum indicado pelo pronome "it", usado em inglês para objetos indefinidos, enquanto para Deus e seres humanos do sexo masculino, o pronome utilizado é "He".] 2. Que existe um Senhor, Jesus Cristo, o Filho do Eterno Pai, o único por quem foram criadas todas as coisas, e por meio de quem elas existem; que ele tomou a natureza da semente de Abraão para a redenção de nossa raça caída; que ele residiu entre os homens, cheio de graça e verdade, viveu nosso exemplo, morreu nosso sacrifício, foi ressuscitado para nossa justificação, ascendeu ao alto para ser nosso único mediador no santuário celestial, onde através dos méritos de seu sangue derramado, assegurou o perdão e absolvição dos pecados de todos aqueles que persistentemente se achegam a Ele; e como o encerramento de parte do seu trabalho de sacerdote, antes de assentar-se em seu trono como Rei, ele realizará a expiação por todos eles, e todos os pecados deles cometidos fora do santuário serão apagados (atos 3:19), como mostrado no serviço do sacerdócio levítico, o qual apontava e prefigurava o ministério de nosso Senhor no Céu. Veja Levítico 16; Hebreus 8:4, 5; 9:6, 7. (Crença Fundamental oficial da IASD publicada pela primeira vez em 1872 por Uriah Smith, repetida em todos os Year Books entre os anos de 1889 e 1914). MUDANÇA EM 1931 PARA:
  10. 10. [10] “A Divindade, ou Trindade, consiste do Eterno Pai, uma pessoa, um ser espiritual, onipotente, onipresente, onisciente, infinito em bondade e amor; o Senhor Jesus Cristo, o Filho do Eterno Pai, através de quem todas as coisas foram criadas e a salvação das hostes dos redimidos será realizada; o Espírito Santo, a terceira pessoa da Divindade, o grande poder regenerador na obra de redenção.” – Crença Fundamental publicada no Year Book de 1931. (entre os anos de 1915 e 1930 as doutrinas oficiais da IASD deixaram misteriosamente de serem publicadas – só lembrando que E.G.White morreu em 1915). Desde o desenvolvimento da primeira Associação organizada em 1861, a Igreja Adventista do Sétimo Dia teve apenas três declarações de crenças que conseguiram certo grau de aceitação oficial, e apenas uma foi votada por uma assembléia da Associação Geral. A primeira foi a declaração de Uriah Smith, em 1872. A segunda data de 1931, e a terceira é a declaração de crenças fundamentais adotada pela Associação Geral, na Assembléia de 1980”. (KNIGHT, George. Revista Ministério. As Mudanças do Adventismo. Edição única. Tatuí – SP, CPB, janeiro/fevereiro 1994. p. 21.). Doutrina da TRINDADE aprovada Na Conferência Geral realizada em Dallas (Texas) em 1980 : No Manual da Igreja, pág. 10, lemos: “2. A TRINDADE “Há um só Deus. Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de Três Pessoas Co- eternas.” “O inimigo das almas tem procurado introduzir a suposição de que uma grande reforma devia efetuar-se entre os adventistas do sétimo dia, e que essa reforma consistiria em renunciar às doutrinas que se erguem como pilares de nossa fé, e empenhar-se num processo de reorganização. Se tal reforma se efetuasse, qual seria o resultado? Seriam rejeitados os princípios da verdade, que Deus em Sua sabedoria concedeu à igreja remanescente. Nossa religião seria alterada. Os princípios fundamentais que têm sustido a obra neste últimos cinqüenta anos, seriam tidos na conta de erros. Estabelecer-se-ia uma nova organização. Escrever-se-iam livros de ordem diferente. Um sistema de filosofia intelectual seria introduzido. Os fundadores desse sistema iriam pelas cidades, e fariam um trabalho incrível. O sábado, logicamente, seria levianamente observado, como também o Deus que o criou. Nada seria permitido opor-se ao novo movimento. Os líderes ensinariam que a virtude é melhor do que o vício, mas com Deus sendo removido, eles colocariam suas dependências no poder humano, que, sem Deus, não tem valor. O fundamento deles seria construído na areia e os ataques e as tormentas varreriam a estrutura.” Ellen G. White – Mensagens Escolhidas, vol.1, pág. 204 e 205..” - Ler com atenção Gálatas 1:06-12 e Deuteronômio 28:14. O testemunho acima revela que era a intenção de Satanás introduzir na mente dos adventistas que uma reforma devia ser efetuada entre os adventistas do sétimo dia, para renunciar as doutrinas já estabelecidas. Satanás conseguiu o seu objetivo na IASD? Sim, Satanás obteve sucesso em conseguir o que queria. Hoje vemos a IASD publicando na Revista Adventista artigos defendendo a doutrina da Trindade. Facilmente podemos verificar que foi escrito ”livros de ordem diferente”, para defender a doutrina da trindade; foram escritos livros como “A Vinda do Consolador”, de Leroy E. Froom, e mais recentemente, “A Trindade”, escrito por três doutores da universidade adventista – Andrews University. Estes livros são de ordem diferente se comparados aos artigos escritos pelos pioneiros e publicados durante 50 anos na Revista Adventista (Review and Herald), que afirmavam que a doutrina da trindade fazia parte do vinho de Babilônia e não tinha base bíblica. Portanto, concluímos que, obviamente, a doutrina da IASD foi mudada. O QUE DIZ O CATOLICISMO : “Qualquer pessoa para ser salva, antes de todas as coisas é necessário que ela celebre a fé católica: A menos que cada um mantenha esta fé no seu todo, completa e sem mancha, sem dúvida perecerá eternamente. Mas esta é a fé
  11. 11. [11] católica; Que nós adoramos um Deus em uma Trindade, e a Trindade em uma unidade, não devemos confundir as pessoas; nem dividir suas substâncias. ...Assim, o Pai é Deus: o Filho é Deus: e o Espírito Santo é Deus. De forma que em todas as coisas, como supracitado, a unidade da Trindade, e a trindade em sua unidade devem ser adorados. Aquele que será salvo, tem que pensar desta maneira sobre a trindade. “Nossos oponentes (protestantes) às vezes reivindicam que nenhuma crença deveria ser dogmatizada que não é explicitamente declarada na Bíblia (ignorando que é somente na autoridade da Igreja que nós conhecemos a certeza dos evangelhos, e não outros como verdadeiros). Mas as igrejas protestantes por elas mesmas têm aceitado tais dogmas como a TRINDADE pela qual não há nenhuma autoridade precisa nos evangelhos.” Revista Vida, 30 de outubro de 1950. “O MISTÉRIO DA TRINDADE é a doutrina central da fé católica. Sobre essa doutrina estão baseados todos os outros ensinos da Igreja.” Manual para o Católico de Hoje, pág. 16. De acordo com o texto acima. Qual é a fonte ou base de todas as doutrinas católicas, às quais denominamos "vinho de Babilônia"? A doutrina da TRINDADE! E a Igreja Adventista tem aceitado tal doutrina em seu credo? Teólogos protestantes declaram: “A doutrina da trindade é fundamental para a fé cristã, e não foi claramente formulada e nem aceita até o quarto século, por um concílio ecumênico. (Brown Hoj. Heresies: Heresy and orthodoxy in the history of the church Pag.127 1988) Compare por você mesmo o que diz o Catecismo da Igreja Católica Apostólica Romana com o que é declarado nas Crenças Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Catecismo do Católico de Hoje, pág. 12, lemos : “A Igreja estudou este mistério com grande solicitude e, depois de quatro séculos de investigações, decidiu expressar a doutrina deste modo: Na unidade da Divindade há três pessoas – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – realmente distintas uma da outra. Assim nas palavras do Credo de Atanásio: ‘O Pai é Deus, o Filho é Deus, e o Espírito Santo é Deus, e no entanto não são três deuses, mas um só Deus’” (Número 1248, da Editora Santuário, Edição 28, 2002.) livro Nisto Cremos IASD, pág. 42 – A TRINDADE lemos : “Embora a Divindade não seja apenas uma Pessoa, Deus é um em propósito, mente e caráter. Esta unicidade não oblitera as personalidades distintas do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Tampouco a existência destas personalidades separadas destrói o conceito monoteísta das Escrituras, de que Pai, Filho e Espírito Santo são um único Deus.” (CPB, 2000). Quais as Doutrinas em Comum exigidas Hoje pelo ECUMENISMO? (Crer em Cristo e crer na Trindade) “O Decreto sobre o Ecumenismo: Professem todos os cristãos, diante do mundo inteiro, a sua fé em Deus uno e trino, no filho de Deus encarnado, nosso Redentor e Senhor... todos os homens sem exceção são chamados a esta obra comum....” Diretório Para a Aplicação dos princípios e normas sobre o Ecumenismo – pág.128 - A Voz do Papa Este movimento de unidade é chamado ecumênico. Participam dele os que invocam o Deus Trino e confessam a Cristo como Senhor e Salvador, não só individualmente, mas também reunidos em assembléias. Carta Encíclica UT UNUM SINT – Pág. 13 - A Voz do Papa
  12. 12. [12] A Trindade e o Ecumenismo O pregador da Casa Pontifícia comenta a questão central da fé cristã e Faz da Trindade o Novo Símbolo Católico para o Ecumenismo. CIDADE DO VATICANO, 17 JUNHO DE 2003 – (ZENIT.org – Noticiário Oficial católico) A contemplação da Trindade poderá impulsionar nossas divisões aparentemente irreconciliáveis, afirmou o pregador da Casa Pontifícia comentando o mistério central e mais elevado da vida cristã... “Contemplar a Trindade, vencer a odiosa divisão no mundo...” A contemplação da Trindade, que é diversidade no amor e unidade na diversidade, deveriam impulsionar-nos a superar nossas aparências irreconciliáveis, diferenças de raça, de sexo, de cultura, porque a Trindade é perfeita unidade na diversidade. CIDADE DO VATICANO, 17 JUNHO DE 2003 – (ZENIT.org – Noticiário Oficial católico) O que diz o livro Nisto Cremos – IASD : A Igreja unificada possui uma esperança – a “bendita esperança” da salvação que será concretizada na “manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus”. Esta esperança é fonte de alegria e paz, e provê uma poderosa motivação para o testemunho unificado. É através da fé comum – fé pessoal no sacrifício expiatório de Jesus Cristo – que todos se tornam parte do corpo... Finalmente, a Escritura ensina que existe um só Espirito, um só Senhor, e um só Deus e Pai. Todos os aspectos da unidade da Igreja encontram seu fundamento na unidade da Trindade divina. Nisto Cremos – Pág. 238 (CPB – 2000) - A Voz da Igreja Nos Estados Unidos, a doutrina da trindade no mundo religioso é definida como : “Pai, Filho e o Espírito Santo, como Três pessoas, que formam um só Deus, que só é perfeito, porque se completa em três”. (Crença na Trindade nos sete impérios Mundiais) O que diz o livro Estudos Bíblicos IASD : “No credo do Papa Pio IV, uma autorizada declaração da fé Católica Romana é encontrada no seguinte asserto: ‘Reconheço a Santa Igreja Católica Apostólica como mãe e soberana de todas as igrejas.’ – Artigo 10. Quando as professas igrejas protestantes repudiam o princípio fundamental do protestantismo, pondo de parte a autoridade da Palavra de Deus, aceitando em seu lugar a tradição e especulação humanas, adotaram o princípio fundamental da moderna Babilônia e exige uma proclamação da queda da moderna Babilônia... “Ainda que muitos líderes do moderno protestantismo, conhecido como altos críticos, não tenham formalmente adotado o credo da Igreja de Roma, e não se tenham tornado parte orgânica desta corporação, mesmo assim pertencem à mesma classe ao rejeitar a autoridade da palavra de Deus, aceitando em seu lugar o produto de suas próprias argumentações. Há tanta apostasia num caso como no outro, e ambos devem ser incluídos, portanto, em Babilônia, e ambos se acharão envolvidos, afinal em sua queda”. Estudos Bíblicos, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí-SP, págs. 213 e 214, artigo A QUEDA DA MODERNA BABILÔNIA. Isso é forte. É uma afirmação contundente. Exige uma proclamação da queda da moderna Babilônia, a qual fazemos prontamente em relação ao “cisco no olho” dos outros e deixamos de fazê-lo quando o “cisco” está no nosso. Com freqüência nós adventistas dizíamos (não pregamos mais): “A igreja tal é filha de Babilônia porque aceita a doutrina da guarda do domingo em seu credo, e cairá com Babilônia e será grande a sua queda!” Assim, apontávamos o dedo para lá. Só nos esquecemos de uma coisa: "Então, disse Natã a Davi: Tu és o homem". Esquecemos que o pecado também é nosso e guardamos durante anos esta capa de Acã em nosso meio. Em que estão baseadas as doutrinas do tormento eterno, a consciência dos mortos, a guarda do domingo, a adoração dos mortos e todas as outras doutrinas da Igreja Católica? Na TRINDADE. Esta
  13. 13. [13] doutrina faz parte do vinho. Na verdade, segundo a própria Igreja Católica, é a doutrina básica, o vinho mais envelhecido, o mais antigo, ao qual todas as nações pagãs têm bebido ao longo da história. Quando e Porque a IASD introduziu oficialmente a doutrina da trindade em suas crenças : Em 1958, a trindade foi extra-oficialmente introduzida na igreja quando o livro Questions on Doctrines (Questões sobre Doutrinas), foi publicado a pedido dos evangélicos : Teólogo Batista : Walter Martin e o Teólogo Barnhouse, que influenciaram grandemente o pensamento dos teólogos adventistas do sétimo dia, durante dezoito reuniões entre adventistas e líderes evangélicos que ocorreram nos EUA, entre 1955 e 1956. Martin e Barnhouse estavam se preparando para escrever seu livro Kindow of the cults (O império das seitas), e chamar a IASD de “seita”, até que os líderes da IASD Mudaram rapidamente as doutrinas adventistas do sétimo dia. Isto evitou que fossem denunciados como seita herética pelo livro O Império das Seitas, exatamente como foram rotulados todos os anti-trinitarianos. Em 1968, a IASD uniu-se oficialmente ao Concílio Mundial de Igrejas e ao Concílio Nacional de Igrejas, os quais requeriam que cada igreja incluísse a trindade em suas declarações de crenças a fim de tornarem-se igrejas membro. Em 1981, o Presidente da Conferência Geral da IASD, Neal C. Wilson, anunciou no encontro da Conferência Geral em Dallas, Texas, que a igreja tinha adotado oficialmente a doutrina da trindade, a qual era agora a de número dois entre as “27 crenças fundamentais“. Wilson disse: “Existe outra organização universal e verdadeiramente católica, a Igreja Adventista do Sétimo dia”. (Adventist Review, March 5,1981 pg.3) Tiago White faz uma importante pergunta que deveria nortear nosso posicionamento a partir de agora: “Pode a Igreja de Cristo levar junto de si estes erros até as cenas do julgamento que há de vir sobre o mundo?” Ellen White escreveu: "Naquela noite sonhei que estava em Battle Creek olhando para fora através da janela lateral de vidro e vi um grupo marchando em direção à casa de dois em dois. Eles tinham uma aparência severa e determinada. Eu os conhecia bem e volvi-me para abrir a porta de entrada para recebê-los, mas pensei que poderia olhar novamente. A cena havia mudado. O grupo agora tinha a aparência de uma procissão católica. Um portava na mão uma cruz, e outro uma vara. E ao se aproximarem, o que trazia a vara fez um círculo em torno da casa, dizendo três vezes: 'Esta casa está proscrita. Os bens precisam ser confiscados. Eles falaram contra a nossa santa ordem'. O terror dominou-me, e corri pela casa, para fora pela porta norte, e achei-me no meio de um grupo, alguns dos quais eu conhecia, mas não ousava falar uma palavra para eles por temor de ser traída". Testimonies, vol. 1, p. 578.1 “Rejeitando a verdade, os homens rejeitam o seu Autor... É tão fácil fazer um ídolo de falsas doutrinas e teorias, como talhá-lo de madeira ou pedra... o Deus vivo, conforme é revelado em Sua Palavra, em Cristo e nas obras da Criação, é adorado apenas por poucos.” ( O Grande Conflito, pág. 583 ) “Satanás se esforça constantemente por atrair a atenção para o homem, em lugar de Deus. Induz o povo a olhar para os bispos, pastores, professores de teologia, como seus guias, em vez de examinarem as Escrituras a fim de, POR SI MESMOS, aprenderem seu dever. Então, dominando o espírito desses dirigentes, pode influenciar as multidões a seu bel-prazer. O Grande Conflito – pág. 595 Capitulo 37 - “Nossa Única Salvaguarda” “A tocha da falsa profecia, que seria erguida por 'Falsos doutores', os quais introduziriam encobertamente 'heresias de perdição, e negarão o Senhor'. Esses falsos mestres que apareceriam na igreja e seriam considerados verdadeiros por muitos de seus irmãos na fé.”Meditações Matinais 1986, pág. 213 “Triste verdade é que nós, como igreja, temos usado de complacência e tolerância dentro de nossa organização para com certas forças que têm literalmente sabotado os princípios do adventismo que temos defendido durante anos.” Testemunhos para Igreja, Vol. 5, pág:13, 14
  14. 14. [14] “Haverá, mesmo entre nós, mercenários e lobos disfarçados em ovelhas que persuadirão [alguns do] rebanho de Deus a sacrificar a outros deuses diante do Senhor. ... Jovens que não se acham estabelecidos, arraigados e firmados na verdade serão corrompidos e desencaminhados pelos condutores cegos dos cegos; e os ímpios, os desdenhadores que duvidam e perecem, que desprezam a soberania do Ancião de Dias e colocam um falso deus sobre o trono, um ser de sua própria invenção, um ser completamente tal qual eles mesmos – estes instrumentos estarão nas mãos de Satanás para corromper a fé dos incautos.” ME, vol 03 p. 398 "Estou instruída a dizer que estas palavras podemos usar como sendo apropriadas para este tempo, pois é chegado o tempo em que o pecado precisa ser chamado por seu justo nome. Somos estorvados em nosso trabalho por homens não convertidos, que buscam sua própria glória. Desejam ser considerados originadores de teorias novas, as quais apresentam pretendendo que sejam verdade. Se, porém, essas teorias forem recebidas, levarão à negação da verdade que, nos últimos cinqüenta anos, Deus tem estado a conceder a Seu povo, comprovando-a pela demonstração de Seu Santo Espírito." Carta 329, 1905. "O inimigo porá em operação tudo para desarraigar a confiança dos crentes nas colunas de nossa fé nas mensagens do passado, as quais nos colocaram sobre a elevada plataforma da verdade eterna, e firmaram e imprimiram cunho à obra....Preciosa é a verdade para este tempo; mas aqueles cujo coração não foi quebrantado mediante o cair sobre a rocha Cristo Jesus, não verão nem compreenderão o que é a verdade. Aceitarão o que lhes agrada às idéias, e começarão a manufaturar outro fundamento que não seja aquele que foi posto. Lisonjearão sua própria vaidade e estima, pensando que são capazes de remover as colunas de nossa fé, e substituindo-as por outras de sua própria invenção." Manuscrito 28, 1890 / Mensagens Escolhidas, Vol. 2, 389 “Permita os pioneiros identificarem a verdade.- Quando o poder de Deus testifica o que é a verdade, essa verdade deve permanecer para sempre como verdade. Não depois de suposições, contrárias a luz que Deus tem dado para ser recebida. Surgirão homens com interpretações das Escrituras que para eles é a verdade, mas não é a verdade. A verdade para esse tempo Deus tem dado como um fundamento para a nossa fé. Ele Mesmo nos falou a verdade. Um após outro vai aparecer com uma nova luz que contradiz a luz que Deus tem dado pelo seu Santo Espírito.”ELLEN WHITE, 1905, CONSELS TO WRITES AND EDICTORES, PAGS. 31 E 32 Sobre o que aconteceria na IASD após a morte dela, E. G. W. escreveu: “A causa de Cristo será traída. Aqueles que têm tido a luz da verdade e têm desfrutado suas bênçãos, mas se desviaram dela, lutarão contra o Espírito de Deus. Inspirados por um espírito que procede de baixo, eles porão abaixo aquilo que haviam edificado, e mostrarão a todas as almas razoáveis e tementes a Deus que não são dignos de confiança. “Eu digo a vocês, que quando eu for ao descanso, grandes mudanças ocorrerão. Eu não sei quando serei levada, e eu desejo advertir a todos contra os enganos do diabo. Eu desejo que as pessoas saibam que eu as adverti claramente antes da minha morte”. Manuscrito 1, 24 de Fevereiro de 1915. Rom. 8:38 e 39. “Satanás está resolvido a colocar o povo de Deus numa falsa luz perante o mundo... Procura manter o povo de Deus num contínuo estado de incerteza pela introdução de falsas teorias e falsa ciência... Quer levá-los a se afastarem de Deus, seu verdadeiro conselheiro, e a aceitarem seus sofismas espiritualistas. Com esses sofismas revestidos de trajes de luz, ele (Satanás) procura enganar, se possível, os próprios eleitos.”Meditações Matinais 1980, pág.323. “Foi a apostasia que levou a igreja primitiva a procurar o auxílio do governo civil, e isto preparou o caminho para o desenvolvimento do papado - a besta. Disse o apóstolo Paulo que havia de vir "a apostasia", e manifestar-se "o homem do pecado". II Tess. 2:3. Assim a apostasia na igreja preparará o caminho para a imagem à besta.” E vi a misericórdia e a bondade de Deus em enviar uma advertência ao povo da Terra, bem como repetidas mensagens para levá-los a diligente exame de coração, ao estudo das Escrituras, a fim de poderem despojar-se de erros que haviam sido recebidos de pagãos e outros religiosos. Por meio dessas mensagens Deus tem estado a conduzir o Seu povo para onde Ele possa operar por eles com maior poder, e aonde eles possam guardar todos os Seus mandamentos. Primeiros Escritos, pág. 249-250
  15. 15. [15] Enoque – “Em visão profética foi instruído com relação à morte de Cristo, e foi-lhe mostrada a Sua vinda em glória, acompanhado por todos os santos anjos, para, da sepultura, resgatar o Seu povo. Viu também o estado corrupto do mundo, no tempo em que Cristo aparecesse pela segunda vez, ou seja, que haveria uma geração jactanciosa, presumida, voluntariosa, negando o único Deus e o Senhor Jesus Cristo, pisando a lei, e desprezando a obra expiatória.” Patriarcas e Profetas, pág. 86 “Os que não receberão o sinal da besta e da sua imagem quando sair o decreto, terão que estar decididos a dizer agora: Não, não mostraremos estima pela instituição da besta.” Primeiros Escritos Pág. 67 (CPB – 1988) "Sobre aqueles que se gabam de sua luz, e contudo deixam de andar nela, Cristo declara: 'Pois Eu vos digo que haverá menos rigor para Tiro e Sidom, no dia do juízo, do que para vós. E tu, Capernaum [adventistas do sétimo dia, que têm tido grande luz]*, que te ergues até aos céus [em termos de privilégios]*, serás abatida até aos infernos. . . . Farei também a esta casa, que se chama pelo Meu nome, na qual confiais, e a este lugar, que vos dei a vós e a vossos pais, como fiz a Silo. E vos arrojarei da Minha presença. . ." (ver pp. 90- 91). *Obs.: Colchetes da Sra. White. R&H, 01.08.1893. "Aqui vemos que a igreja - o santuário do Senhor - foi a primeira a sentir o golpe da ira de Deus. Os homens mais velhos, a quem Deus havia concedido grande luz e que tinham permanecido como guardiães dos interesses espirituais do povo, haviam traído o seu depósito. . . . Esses cães mudos que não sabem ladrar são aqueles que sentem a justa vingança de um Deus ofendido"60. Testimonies, vol. 5, p. 211.3. Dois grupos recebendo Espíritos diferentes. Vi um trono, e assentados nele estavam o Pai e o Filho. Contemplei o semblante de Jesus e admirei Sua adorável pessoa.Não pude contemplar a pessoa do Pai, pois uma nuvem de gloriosa luz O cobria. Perguntei a Jesus se Seu Pai tinha a mesma aparência que Ele. Jesus disse que sim, mas eu não poderia contemplá-Lo, pois disse: "Se uma vez contemplares a glória de Sua pessoa, deixarás de existir." Perante o trono vi o povo do advento - a igreja e o mundo. Vi dois grupos, um curvado perante o trono, profundamente interessado, enquanto outro permanecia indiferente e descuidado. Os que estavam dobrados perante o trono ofereciam suas orações e olhavam para Jesus; então Jesus olhava para Seu Pai, e parecia estar pleiteando com Ele. Uma luz ia do Pai para o Filho e do Filho para o grupo em oração. Vi então uma luz excessivamente brilhante que vinha do Pai para o Filho e do Filho ela se irradiava sobre o povo perante o trono. Mas poucos recebiam esta grande luz. Muitos saíam de sob ela e imediatamente resistiam-na; outros eram descuidados e não estimavam a luz, e esta se afastava deles. Alguns apreciavam-na, e iam e se curvavam com o pequeno grupo em oração. Todo este grupo recebia a luz e se regozijava com ela, e seu semblante brilhava com glória. Vi o Pai erguer-Se do trono e num flamejante carro entrar no santo dos santos para dentro do véu, e assentar-Se. Então Jesus Se levantou do trono e a maior parte dos que estavam curvados ergueram-se com Ele. Não vi um raio de luz sequer passar de Jesus para a multidão descuidada depois que Ele Se levantou, e eles foram deixados em completas trevas. Os que se levantaram quando Jesus o fez, conservavam os olhos fixos nEle ao deixar Ele o trono e levá-los para fora a uma pequena distância. Então Ele ergueu o Seu braço direito, e ouvimo-Lo dizer com Sua amorável voz: "Esperai aqui; vou a Meu Pai para receber o reino; guardai os vossos vestidos sem mancha, e em breve voltarei das bodas e vos receberei para Mim mesmo." Então um carro de nuvens, com rodas como flama de fogo, circundado por anjos, veio para onde estava Jesus. Ele entrou no carro e foi levado para o santíssimo, onde o Pai Se assentava. Então contemplei a Jesus, o grande Sumo Sacerdote, de pé perante o Pai. Na extremidade inferior de Suas vestes havia uma campainha e uma romã. Os que se levantaram com Jesus enviavam sua fé a Ele no santíssimo, e oravam: "Meu Pai, dá-nos o Teu Espírito." Então Jesus assoprava sobre eles o Espírito Santo. Neste sopro havia luz, poder e muito amor, alegria e paz. Voltei-me para ver o grupo que estava ainda curvado perante o trono; eles não sabiam que Jesus o havia deixado. Satanás parecia estar junto ao trono, procurando conduzir a obra de Deus. Vi-os erguer os olhos para o trono e orar: "Pai, dá-nos o Teu Espírito." Satanás inspirava-lhes uma influência má; nela havia luz e muito poder, mas não suave amor, alegria e paz. O objetivo de Satanás era mantê-los enganados e atrair de novo e enganar os filhos de Deus. Primeiros Escritos Pág. 54-56 Capitulo “Fim dos 2300 Dias” NA BÍBLIA BATISMO SÓ NO NOME DE JESUS –
  16. 16. [16] (Atos 2:38) - E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; (Atos 8:12) - Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulheres. (Atos 8:16) - (Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente eram batizados em nome do Senhor Jesus). (Atos 10:48) - E mandou que fossem batizados em nome do Jesus Cristo Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias. (Atos 19:5) - E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus. (Atos 22:16) - E agora por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor. (Romanos 6:3) - Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte? (Gálatas 3:27) - Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. (Colossenses 2:12) - Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos. (Colossenses 3:17) - E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. Quando Começou a Mudança ? No ano 313 AD, a igreja começou a batizar em nome da Trindade, e aproximadamente no ano 500 AD, o batismo em nome da Trindade se tornou universal. Mas foi somente em 538, pelo decreto de Justiniano, que se tornou obrigatório as pessoas de todo o mundo a crerem na santíssima trindade católica, com pena de serem aprisionadas e até levadas a morte. A igreja Católica confirma esta mudança sobre o batismo, no catecismo : Em Cristo - A Bíblia nos diz que os Cristãos eram batizados em Cristo. (n°6) Eles pertencem a Cristo. Em Atos dos Apóstolos (2:38; 8:16; 10:48; 19:5) nos diz: "batizando em nome de Jesus". [pessoa] - uma melhor tradução seria: para o nome de Jesus." [pessoa] Somente no 4° Século a fórmula "Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" tornou-se uma prática. Bíblia de Jerusalém A Bíblia de Jerusalém, uma das traduções modernas mais fiel aos originais, impressa pela igreja Católica, no seu comentário de rodapé sobre Mateus 28:19 diz o seguinte : “É possível que, em sua forma precisa, essa fórmula reflita a influência do uso litúrgico posteriormente fixado na comunidade primitiva. Sabe-se que o livro dos Atos fala em batizar “no nome de Jesus” (Conforme Atos 1:5; 2:38). Mais tarde deve ter-se estabelecido a associação do batizado às três pessoas da Trindade”. Observe que mesmo a ICAR, que utiliza-se deste único verso na Bíblia para justificar a sua mais importante doutrina, o mistério da trindade, declara a verdade sobre a ausência deste verso nas versões mais antigas da Bíblia. O mesmo comentário de rodapé encontramos na Bíblia de Jerusalém referente a II Cor 13:13 e I Jo 5:7-8, por não serem encontrados nos manuscritos originais. Alguns Textos de Enciclopédias Enciclopédia Britânica ENCICLOPÉDIA BRITÂNICA, 11a Edição, Vol.3 Pág. 365-366, "A fórmula batismal foi mudada do nome de Jesus Cristo para as palavras Pai, Filho e Espírito Santo pela Igreja Católica no 2º Século. " Volume 3 pag.82 "Sempre nas fontes antigas menciona que o batismo era em Nome de Jesus Cristo. Enciclopédia da Religião - Canney ENCICLOPEDIA DA RELIGIÃO-CANNEY, pág. 53 - "A religião primitiva sempre batizava em Nome do Senhor Jesus até o desenvolvimento da doutrina da trindade no 2° Século. Schaff-herzog - Enciclopédia do Conhecimento Religioso Volume 1, página 435--1966 edição "O Novo Testamento só mostra batismo no nome de Jesus... que ainda acontece até mesmo no segundo e terceiro séculos" Enciclopédia de Religião e Éticas Editadas por James Hastings Volume 2, página 384--1958 edição sobre o Método de Batismo "A fórmula usada era "no nome do Senhor Jesus Cristo" ou alguma frase sinônima; não há nenhuma evidência para o uso do nome "de trindade". Enciclopédia Britânica
  17. 17. [17] A Enciclopédia Britânica Volume 3, página 365 e 368--1910 edição sobre A Fórmula Batismal, página 365 "A fórmula trinitariana e imersão de trindade não foi usada uniformemente desde o princípio, nem eles sempre ficaram juntos". Sobre Origem do Batismo Cristão, página 368 "Nós colhemos Atos 19:4, que João tinha somente batizado no nome do Messias que chegaria, sem o identificar com Jesus de Nazaré. A era apostólica proveu isto, e o uso normal durante este período parece ter sido "Cristo identificando Jesus", ou "no nome do Senhor Jesus Cristo" ou "Senhor Jesus Cristo". Um Dicionário da Bíblia Por James Hastings Volume 1, página 241--1906 edição “Além disso, não há nenhuma menção no Novo Testamento de qualquer um que foi batizado no nome da Trindade". Uma História da Igreja Cristã Por Passeador de Williston página 87--1957 edição "Com os primeiros discípulos geralmente o batismo era "no nome de Jesus Cristo". Enciclopédia Bíblica Volume 1, página 473--1899 edição "sobre a Fórmula 'No nome de Jesus Cristo ou do Senhor Jesus.' A expressão anterior é usada em Atos 2:38 e 10:48. O posterior é usado em Atos 8:16 e 19:5." A Igreja Católica Apostólica Romana no catecismo reconhece como um católico aquele ou aquela que foi batizado em nome da trindade! O Catecismo Católico, pág. 353-354. No manual que contem as regras sobre o ecumenismo, o Papa confirma que o batismo da igreja adventista e de outras igrejas protestantes que batizam em nome da trindade, são válidos ecumenicamente falando, e que não precisam ser rebatizadas as pessoas que vierem a se tornar Católicas um dia. Diretório para a Aplicação dos Princípios e Normas sobre o Ecumenismo, pág. 196, edição de 1994. “Diversas igrejas batizam, sem duvida validamente; por esta razão, um cristão batizado numa delas não pode ser rebatizado, nem sequer sob condição. Consequentemente, as certidões de batismo delas valem, para nós, com se fossem certidões da Igreja Católica. São elas: Igrejas orientais, episcopais do Brasil, Luteranas, Metodistas, Presbiterianas, Congregacionais, Batistas e Adventistas.” Há Um só Rebanho, pág. 251-252 – Edições Loyola de 1989. UM POUCO DE HISTÓRIA – A ORIGEM NA CRENÇA DA TRINDADE Tudo começou com Ninrode, A religião babilônica tem sido simbolicamente descrita no livro do Apocalipse, como uma mulher tendo na testa escrito o nome: Mistério, Babilônia a mãe das prostituições e abominações da terra, e é assim chamada em Ap 17:5, porque é dela que partem todas as “religiões” anti-Deus. Após o dilúvio, os homens começaram a migrar desde o Oriente, “e aconteceu que, partindo do oriente, acharam um vale na terra de Sinear; e ali habitaram” (Gn 11:2). Foi nesta terra que Ninrode (cujo nome vem de marad e significa “ele se rebelou”) um poderoso caçador diante (contra) do Senhor (Gn 10:8, 9) edificou seu reino. “E o princípio do seu reino foi Babel, e Ereque, e Acade, e Calné, na terra de Sinear” (Gn 10:10). A Jewish Encyclopedia diz que Ninrode foi “aquele que fez todo o povo rebelar-se contra Deus”. Segundo Josefo (historiador judeu), a religião babilônica desenvolveu-se em torno de tradições concernentes a Ninrode, que era filho e esposo de Semíramis, e seu filho Tamuz (que virou uma espécie de messias). A maior parte do culto babilônico era levado a efeito através de símbolos como o bezerro de ouro representando Tamuz. Seu sistema de idolatria, espalhou-se por todas as nações (Gn 11:6), levando consigo o culto da mãe (Semíramis) e do filho (Tamuz). O cristianismo ficou face a face com o paganismo babilônico motivando aos cristãos primitivos que se recusaram a assimilar seus costumes e crenças, a serem perseguidos, atirados aos leões, queimados em estacas, torturados e martirizados de outras maneiras. Quando Constantino, proclamou o cristianismo como religião oficial de Roma, a igreja começou a receber reconhecimento e poderes mundanos. O catolicismo romano é um dos que mais se desviou da doutrina bíblica. O PRIMEIRO USO DA PALAVRA – TRINDADE Informação contida em literatura adventista:
  18. 18. [18] “Deus existe na forma de uma unidade de três pessoas co-iguais e coeternas: Pai, Filho e Espírito Santo. Essa ‘família’, ‘pluralidade’ ou ‘comunidade’ divina é conhecida entre os teólogos como ‘Trindade’ (tri- unidade), palavra primeiro usada em grego por Teófilo de Antioquia (c. 117-181 d.C.) e depois cunhada em latim por Tertuliano (c. 160-220 d.C.).” Revista Sinais, janeiro-fevereiro de 2003, pág. 15 Tertuliano, sacerdote católico e autor de várias obras, que viveu entre os séculos 2 e 3, foi quem criou a filosofia que se denominou de Trindade: “Tres Personae, una substantia” (texto original em latim). O que mais fez Tertuliano? segundo a Enciclopédia Católica: 1. Foi quem instituiu o “Sinal da Cruz”. 2. Foi quem instituiu a absolvição. (um perdão que vale para os pecados futuros). 3. Foi quem instituiu a penitência. 4. Foi quem instituiu a transubstanciação na eucaristia, que é a crença de que o pão e vinho se transformam realmente no sangue e na carne de Jesus Cristo. (Enciclopédia Britânica 1974/1979 Volume 10 pg.126) A doutrina se desenvolveu gradualmente através de vários séculos e passando por muitas controvérsias. Inicialmente, por duas razões, a exigência do monoteísmo herdado do Velho Testamento, e a implicação pela necessidade de interpretar os ensinamentos da Bíblia para o paganismo Grego-Romano... Não foi antes do 4º Século que a distinção dos três em sua individualidade, foi juntada numa única e ortodoxa doutrina; uma essência e 3 pessoas.Buscando restaurar a unidade às Igrejas, Constantino convocou uma reunião de um Concílio geral da Igreja à ser celebrado na cidade de Nicéia, em 325 a .D. O Concílio de Nicéia em 325 declara a fórmula crucial para esta doutrina [trindade] que o Filho é da mesma essência (homo ousios) do Pai, embora tenha dito muito pouco sobre o Espírito Santo. No decorrer do seguinte meio século, Atanásio defendeu uma fórmula mais refinada de Nicéia e lá pelo final do século, sob a liderança de Basil (Basílio) de Cesaréia, Gregório de Nissa e Gregório Nazianzo (Padres da Capadócia), a doutrina da Trindade tomou substancialmente a forma que é mantida desde então. O trinitarianismo não tornou-se a dominante e “ortodoxa” doutrina da cristandade até que Teodósio tornou-se imperador (379). Teodósio foi o imperador que fez do cristianismo a religião estatal. A união da Igreja e estado pavimentaram o caminho para a ascenção da Igreja Católica Romana. Teodósio convocou um Concílio em Constantinopla, que se reuniu em 381 a .D. Foi assistido por cerca de cento e cinquenta bispos do oriente. No credo adotado, o trinitarianismo foi feito doutrina oficial da Igreja nas fronteiras do império. Todos os que discordaram foram expulsos de seus púlpitos e excomungados de suas Igrejas. Era o regime totalitário dos imperadores romanos e mais tarde da Igreja Católica Romana que possibilitaram a doutrina da trindade manter seu lugar numa teologia pervertida.
  19. 19. [19] O CÓDIGO DE NOSSO SENHOR E MAIS SAGRADO IMPERADOR – JUSTINIANO – 538 a.D. CONCERNENTE A MAIS EXALTADA TRINDADE E A FÉ CATÓLICA, E PROVANDO QUE NINGUÉM DEVERÁ SE AVENTURAR A SE OPOR PUBLICAMENTE A ELES. Os imperadores Gratian, Valentinian, e Theodosius para o povo da cidade de Constantinopla Nós desejamos que todos os povos sujeitos ao nosso benigno império vivam sob a profissão da mesma religião que o Divino Pedro, o Apóstolo, deu aos Romanos, e ao que esta dita religião declara ter sido introduzida por ele mesmo, e que, como é bem sabido, o Pontífice Damascus, e Pedro, Bispo de Alexandria, um homem de santidade apostólica, abraçaram; que está, por assim dizer, em harmonia com as regras da disciplina apostólica e a doutrina evangélica, nós deveríamos crer que o Pai, Filho e Espírito Santo constituem-se uma única Deidade, dotada com igual majestade, e unida na Santa Trindade. Nós ordenamos que todos os que seguem esta lei assumam o nome de Cristãos Católicos, e considerem os outros como dementes e insanos, Nós ordenamos que eles carreguem a infâmia da heresia; e quando a vingança Divina a qual eles merecem tiver sido apaziguada, eles serão então punidos de acordo com Nossa indignação, a qual adquirimos a partir do julgamento do Céu. Não permita que seja cedido nenhum lugar para os heréticos realizarem suas cerimônias, e não permita que seja oferecida nenhuma ocasião para mostrar a insanidade de suas mentes obstinadas. Que todas as pessoas saibam que se qualquer privilégio tem sido fraudulentamente obtido por meio de qualquer decreto, de qualquer forma, por pessoas desta natureza, não seja válido. Que todos os grupos de heréticos sejam impedidos de realizarem cerimônias ilegais, e permita que somente o grande Deus seja celebrado em todos os lugares, e façam com que a observância do credo de Nicéia, recentemente transmitido aos Nossos ancestrais, e firmemente estabelecido pelo testemunho e prática da religião Divina, seja sempre assegurada. Além do mais, aquele que é aderente à Fé de Nicéia, e verdadeiro crente na religião Católica, deve se entender ser o que crê que o Deus Todo poderoso e Cristo, e filho de Deus, são uma pessoa, Deus de Deus, Luz de luz; e que ninguém, por rejeição, desonre o Espírito Santo, o qual nós esperamos, e tem recebido do Supremo Pai de todas as coisas, no qual aflora o sentimento de uma fé pura e imaculada; bem como a crença na substância da Santa Trindade, a qual os verdadeiros crentes indicam pela palavra grega Estas coisas, de fato não requerem prova posterior, e devem ser respeitadas. Que aqueles que não aceitam estas doutrinas deixem de aplicar o nome de verdadeira religião para sua crença fraudulenta; e que sejam taxados com seus crimes abertos, e, tendo sido removidos da comunhão de todas as igrejas, serem sumariamente excluídos delas, como Nós proibimos todos os hereges fazerem assembléias ilegais dentro das cidades. Se, entretanto, qualquer for esboçada qualquer insurreição sediciosa, Nós ordenamos que eles sejam conduzidos para fora dos muros da cidade, com implacável violência, e Nós ordenamos que todas as Igrejas Católicas, através de todo o mundo, sejam colocadas sob o controle dos bispos ortodoxos que abraçaram o credo de Nicéia. Expedido em Constantinopla, no dia quarto do mês de janeiro, sob o Consulado de Flavius Eucharius e Flavius Syagrius. (Veja que o ano deste Decreto de Justiniano, é o ano 538 onde teve início à inquisição). (O Catolicismo e a maioria das igrejas protestantes afirmam hoje, abraçar o credo de Nicéia). Do Livro A Trindade da IASD página 150, em Português: “É verdade que o Concílio de Nicéia e o Concílio de Constantinopla fizeram declarações que agora nós devemos rejeitar porque elas discordam das Escrituras. (mas não rejeitam a Doutrina da Trindade) PORQUE DEVEMOS REJEITAR A DOUTRINA DA TRINDADE?  Destrói a personalidade de Deus o Pai, e de seu Filho Jesus – A DIVINDADE  Nega que Jesus É o Unigênito gerado do Pai, e que Deus É o Pai de Jesus  Nega a Soberania de Deus o Pai  Nega que Deus o Pai enviou seu Filho Unigênito ao Mundo  Nega que Deus o Pai engrandeceu e exaltou o seu Filho Jesus acima de todo nome, nos céus, e na terra.  Nega o testemunho que Deus o Pai dá acerca de seu Filho  Nega que Jesus veio em carne, com natureza humana como a nossa
  20. 20. [20]  Nega que Jesus veio ser o nosso exemplo, considerando-o apenas como nosso substituto  Nega que Jesus foi tentado como nós somos  Nega que Jesus sofreu  Nega que Jesus morreu  Nega que Jesus ressuscitou  Nega que tudo o que Jesus fez quando veio em carne; (curas, milagres, ressuscitou mortos) foi através do poder de Deus o Pai que nele operava  Nega que Deus o Pai ressuscitou seu Filho Jesus  Nega os méritos de Cristo Jesus, em sua vitória sobre o pecado, e sobre o mundo  Nega que Jesus venceu o pecado através da fé inabalável que ele teve, em Deus o Pai  Nega que podemos vencer o pecado e o mundo, assim como Ele venceu, tendo a fé de Jesus  Nega todo o plano da redenção, transformando-o em um grande plano teatral  Nega que o Filho de Deus está no céu à destra de Deus o Pai, intercedendo por nós  Nega que Jesus É o nosso Único Mediador  Nega que o Filho de Deus virá na glória de seu Pai, com os seus anjos  Nega que o Filho e o Pai são um  Nega o Pai e o Filho (II João 1:7) - Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo. (II João 1:9) - Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. (I João 2:22) - Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho. (I João 2:23) - Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai; mas aquele que confessa o Filho, tem também o Pai. (I João 2:24) - Portanto, o que desde o princípio ouvistes permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Filho e no Pai. (I João 2:26) - Estas coisas vos escrevi acerca dos que vos enganam. (I Tessalonicenses 4:8) - Portanto, quem rejeita isto não rejeita ao homem, mas sim a Deus, que nos deu também o seu Espírito Santo. (I João 4:1) - AMADOS, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. (I João 4:2) - Nisto conhecereis o Espírito de Deus: Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; (I João 4:3) - E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo. (Marcos 8:38) - Porquanto, qualquer que, entre esta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos. (I João 4:9) - Nisto se manifesta o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. (I João 4:13) - Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito. (I João 4:14) - E vimos, e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo. (I João 4:15) - Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele, e ele em Deus. (Filipenses 2:10) - Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, (Filipenses 2:11) - E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai. (João 3:18) - Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. (João 6:29) - Jesus respondeu, e disse-lhes: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou. (I João 5:5) - Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? (I João 5:9) - Se recebemos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior; porque o testemunho de Deus é este, que de seu Filho testificou. (I João 5:10) - Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu. (I João 5:11) - E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. (I João 5:12) - Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. (I João 5:13) - Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus. (I João 1:3) - O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo.
  21. 21. [21] No grande conflito entre Cristo e Satanás onde está a terceira pessoa da trindade? “O pecado originou-se com aquele que, abaixo de Cristo, fora o mais honrado por Deus, e o mais elevado em poder e glória entre os habitantes do Céu. Lúcifer, "filho da alva", era o primeiro dos querubins cobridores, santo, incontaminado. Permanecia na presença do grande Criador, e os incessantes raios de glória que cercavam o eterno Deus, repousavam sobre ele.” Patriarcas e Profetas, pág. 35 “O pecado originou-se com aquele que, abaixo de Cristo, fora o mais honrado por Deus, e o mais elevado em poder e glória entre os habitantes do Céu”. O Grande Conflito, 36ª ed. Tatuí – SP, CPB, 1988. p. 493 “... Cobiçando a honra que o infinito Pai conferira a Seu Filho, este príncipe dos anjos aspirou ao poder de que era prerrogativa de Cristo, unicamente, fazer uso”. O Grande Conflito. 33ª ed. 1987. p. 497 “... A exaltação do Filho de Deus à igualdade com o Pai, foi representada como sendo uma injustiça a Lúcifer, o qual, pretendia-se tinha também direito à reverência e à honra. ...”. “Não tinha havido mudança alguma na posição ou autoridade de Cristo. A inveja e falsa representação de Lúcifer, bem como sua pretensão à igualdade com Cristo, tornaram necessária uma declaração a respeito da verdadeira posição do Filho de Deus; mas esta havia sido a mesma desde o princípio. Muitos dos anjos, contudo, ficaram cegos pelos enganos de Lúcifer”. “... Anjos que eram fiéis e verdadeiros sustentavam a sabedoria e justiça do decreto divino, e se esforçavam por reconciliar este desafeto com a vontade de Deus. Cristo era o Filho de Deus; tinha sido um com Ele antes que os anjos fossem chamados à existência. ...”. Patriarcas e Profetas. 12ª ed. 1991. pp. 18-19 “LÚCIFER no Céu, antes de sua rebelião foi um elevado e exaltado anjo, o primeiro em honra depois do amado Filho de Deus. ...” “O grande Criador convocou as hostes celestiais, para na presença de todos os anjos conferir honra especial a Seu Filho. O Filho estava assentado no trono com o Pai, e a multidão celestial de santos anjos reunida ao redor dEles. O Pai então fez saber que por Sua própria decisão Cristo, Seu Filho, devia ser considerado igual a Ele, assim que em qualquer lugar que estivesse presente Seu Filho, isto valeria pela Sua própria presença. A palavra do Filho devia ser obedecida tão prontamente como a palavra do Pai. Seu Filho foi por Ele investido com autoridade para comandar as hostes celestiais. ...” “Muitos dos simpatizantes de Lúcifer estavam inclinados a ouvir o conselho dos anjos leais e se arrependeram de sua insatisfação, e de novo receberam a confiança do Pai e Seu amado Filho. ...”. História da Redenção. 3ª ed. 1981. pp. 13 e 16. “Lúcifer estava invejoso e enciumado de Jesus Cristo... Cristo tinha sido introduzido no especial conselho de Deus, na consideração de Seus planos, enquanto Lúcifer não participara deles. Ele não compreendia, nem lhe fora permitido conhecer, os propósitos de Deus. Mas Cristo era reconhecido como o soberano do Céu; Seu poder e autoridade eram os mesmos de Deus...Deus informou a Satanás que apenas a Seu Filho Ele revelaria Seus propósitos secretos..” ( História da Redenção, Pág. 15- 19 ) “Disputar a supremacia do Filho de Deus, desafiando assim a sabedoria e o amor do Criador, tornara- se o propósito desse príncipe dos anjos. Para tal objetivo estava ele a ponto de aplicar as energias daquela mente superior, que, abaixo da de Cristo, era a primeira dentre os exércitos de Deus.” Patriarcas e Profetas, pág. 36 “Contudo, o Filho de Deus era mais exaltado do que ele, sendo um em poder e autoridade com o Pai. Partilhava dos conselhos do Pai, enquanto Lúcifer não penetrava assim nos propósitos de Deus. "Pouco a pouco, Lúcifer veio favorecer o desejo de auto-exaltação. Por causa da exaltação de Cristo, o único igual ao Pai, ele permitiu surgir ciúmes em seu coração. (The Signs of the Times, 23 de julho de 1902).
  22. 22. [22] E.G.W. – A DIVINDADE "A Ele Deus exaltou com a sua destra para ser Príncipe e Salvador, para dar arrependimento a Israel, e perdão para os pecados. Uma oferta completa tinha sido feita; por que" Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito... Não um Filho pela criação, como eram os anjos, nem um Filho por adoção, como o pecador perdoado, mas um Filho nascido à imagem e expressão da pessoa do Pai, e em todo o brilho de sua majestade e glória, um igual a Deus em autoridade, dignidade, e divina perfeição. NEle habitava toda a completa Divindade fisicamente". (The Signs of the Times, 30 de maio de 1895). “O eterno Pai, Aquele que é imutável, deu seu único Filho, nascido dEle, retirado do seu seio, aquele que foi a expressa imagem de sua pessoa e enviado a terra para revelar o quanto Ele amou a raça humana.” (Advent Review and Sabbath Herald, 07 de setembro de 1895). "Cristo, unicamente, era capaz de representar a Divindade. Aquele que esteve na presença do Pai desde o princípio, Aquele que era a expressa imagem do Deus invisível, era o único suficiente para realizar essa obra." (Mensagens Escolhidas, vol.1, pág. 264). "Cristo era o Filho de Deus; tinha sido um com Ele antes que os anjos fossem chamados à existência”. (Patriarcas e Profetas, pág. 38). "Antes que fossem postos os fundamentos do mundo, Cristo, o Unigênito de Deus, comprometeu-Se a tornar-Se o Redentor da raça humana, caso Adão pecasse.... Em Sua encarnação obteve de uma nova forma o título de Filho de Deus. Disse o anjo a Maria: 'A virtude do Altíssimo te cobrirá com a Sua sombra; pelo que também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus. ' Luc. 1:35. Ao mesmo tempo que era Filho de um ser humano, tornou-Se o Filho de Deus num novo sentido. Assim Se achou Ele em nosso mundo - o Filho de Deus, mas ligado, pelo nascimento, à raça humana.” (Mensagens Escolhidas, págs. 226 e 227). "Houve um tempo em que Satanás andou em comunhão com Deus, Jesus Cristo e os santos anjos. Era grandemente exaltado no Céu, e radiante na luz e glória que lhe vinham do Pai e do Filho." (Manuscrito 39 - Cristo Triunfante – MM 2002, pág. 10). “Ninguém pode explicar o mistério da encarnação de Cristo. Não obstante nós sabemos que Ele veio a esta terra e viveu como um homem entre os homens. O homem Jesus Cristo não era o Senhor Deus Todo Poderoso, embora Cristo e o Pai sejam um.” (Lift Him Up, page 235 - Bible Commentary, Vol. 5, page 1129). “Antes da entrada do pecado entre os anjos: Cristo a Palavra, o unigênito de Deus era um com o eterno Pai, - um na natureza, no caráter e em propósito, - o único Ser no universo que podia participar dos conselhos e propósitos de Deus. Por Cristo, o Pai efetuou a criação de todos o seres celestiais.” (O Grande Conflito pág. 493). “Por Cristo, o Pai efetuou a criação de todos os seres celestiais. 'Nele foram criadas todas as coisas que há nos céus... sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades' (Colossenses 1:16); e tanto para com Cristo, como para com o Pai, todo o Céu mantinha lealdade.” (O Grande Conflito, pág. 493). "Deus, em deliberação com seu Filho, formou o plano de criar o homem à própria imagem deles." (Review and Herald, 24 de fevereiro de 1874). "O Pai não podia abolir ou mesmo modificar um único preceito de Sua lei para socorrer o homem em sua condição decaída. Mas o Filho de Deus, que em união com o Pai criara o homem, poderia efetuar uma expiação aceitável a Deus. (A Verdade Sobre os Anjos, pág. 61). “Não é aos homens que devemos exaltar e adorar, é a Deus, o único Deus verdadeiro e vivo, a quem são devidos nosso culto e reverência. ...Unicamente o Pai e o Filho devem ser exaltados.” (The Youth's Instructor, 7 de julho de 1898. - Filhos e Filhas de Deus, MM 1956, 21 de fevereiro, pág. 58).
  23. 23. [23] "O Pai consultou Seu Filho com respeito à imediata execução de Seu propósito de fazer o homem para habitar a Terra. Colocaria o homem sob prova a fim de testar sua lealdade, antes que ele pudesse ser posto eternamente fora de perigo. (História da Redenção, pág. 19). "O Pai operou por Seu Filho na criação de todos os seres celestiais.” (Patriarcas e Profetas, pág. 34) "A hora dos alegres e felizes cânticos de louvor a Deus e Seu amado Filho chegara. Satanás tinha dirigido o coro celestial. Tinha ferido a primeira nota; então todo o exército angelical havia-se unido a ele, e gloriosos acordes musicais haviam ressoado através do Céu em honra a Deus e Seu amado Filho." (História da Redenção, pág. 25). "O Filho de Deus partilhava do trono do Pai, e a glória de Ser eterno, existente por Si mesmo, rodeava a ambos.” (Patriarcas e Profetas, pág. 36). "Os ditosos pássaros esvoaçavam ao seu redor, sem temor; e, ao ascenderem seus alegres cantos em louvor ao Criador, Adão e Eva uniam-se a eles em ações de graças ao Pai e ao Filho." (Patriarcas e Profetas, pág. 50) Cristo é "o Cordeiro morto desde a fundação do mundo" (Apoc. 13:8); foi, contudo, uma luta, mesmo para o Rei do Universo, entregar Seu Filho para morrer pela raça culposa." (Patriarcas e Profetas, pág. 63} "A princípio, os anjos não puderam regozijar-se, pois seu Comandante nada escondeu deles, mas desvendou-lhes o plano da salvação. Jesus lhes disse que ficaria entre a ira de Seu Pai e o homem culpado, que Ele enfrentaria a iniqüidade e o escárnio, e que poucos, apenas, O receberiam como o Filho de Deus." (Primeiros Escritos, pág. 149). "Todos os seres não caídos estão agora unidos em referência à lei de Deus como invariável. Eles apóiam o governo dEle, aquele que, para resgatar o transgressor, não poupou Seu próprio Filho. Sua lei foi provada sem defeito. Seu governo está seguro para sempre. O Pai, o Filho, e Lúcifer foram revelados em suas verdadeiras relações um para com o outro. Deus deu evidência inconfundível de Sua justiça e Seu amor." (The Signs of the Times, 27 de agosto de 1902). "Sem a expiação do Filho de Deus não poderia haver comunicação de bênçãos ou salvação de Deus ao homem. Deus tinha zelo pela honra de Sua lei. A transgressão desta lei causou uma terrível separação entre Deus e o homem. A Adão em sua inocência fora assegurada comunhão, direta, livre e feliz, com seu Criador. Depois de sua transgressão, Deus Se comunicaria com o homem mediante Cristo e os anjos." (História da Redenção, pág. 50). "Satanás foi outrora um honrado anjo no Céu, o primeiro depois de Cristo. Seu semblante, como o dos outros anjos, era suave e exprimia felicidade. Sua testa era alta e larga, demonstrando grande inteligência. Sua forma era perfeita, seu porte nobre e majestoso. Mas quando Deus disse a Seu Filho:“Façamos o homem à nossa imagem” Satanás teve ciúmes de Jesus. Ele desejava ser consultado sobre a formação do homem, e porque não o foi, encheu-se de inveja, ciúmes e ódio. Ele desejou receber no Céu a mais alta honra depois de Deus " (Primeiros Escritos, pág. 145). : “O grande Criador reuniu os seres celestiais para poder, na presença de todos os anjos, conferir honra especial a Seu Filho. Este estava sentado no trono com o Pai, com a multidão celestial de santos anjos reunida à volta. Então o Pai fez saber que Ele próprio ordenara que Cristo, Seu Filho, fosse igual a Ele, de modo que, onde o Filho estivesse, estaria a Sua própria presença. A palavra do Filho deveria ser obedecida tão prontamente quanto a do Pai. O filho fora investido de autoridade para comandar o exército celestial. Deveria Ele agir especialmente em união com o Pai no projeto de criação da Terra. ... Cristo era reconhecido como Soberano do Céu com poder e autoridade iguais aos do próprio Deus.” “A glória de Deus e do Cordeiro inunda a santa cidade, com luz imperecível. Os remidos andam na glória de um dia perpétuo, independente do Sol. "Nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor." Apoc. 21:22. O povo de Deus tem o privilégio de entreter franca comunhão com o Pai e o Filho.... ali, mentes imortais contemplarão, com deleite que jamais se fatigará, as maravilhas do poder criador, os mistérios do amor que redime... Todas as faculdades se desenvolverão, ampliar-se-ão todas as capacidades... E ao transcorrerem os anos da eternidade, trarão mais e mais abundantes e gloriosas
  24. 24. [24] revelações de Deus e de Cristo. Assim como o conhecimento é progressivo, também o amor, a reverência e a felicidade aumentarão... "E ouvi a toda a criatura que está no Céu, e na Terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre." Apoc. 5:13. ( História da Redenção - A Nova Terra - Pág. 432/433 )” “Todas as questões sobre a verdade e o erro no prolongado conflito são agora esclarecidas. A justiça de Deus acha-se plenamente justificada. Perante o Universo foi apresentado claramente o grande sacrifício feito pelo Pai e o Filho em prol do homem.” História da Redenção, pág. 427 "'Nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus todo-poderoso, e o Cordeiro.' Apoc. 21:22. O povo de Deus tem o privilégio de entreter franca comunhão com o Pai e o Filho. 'Agora vemos por espelho em enigma.' I Cor. 13:12." (O Grande Conflito pág. 676). E.G.W. - A NATUREZA HUMANA DE CRISTO "Deus permitiu que o Seu Filho viesse como um indefeso bebê, sujeito às fraquezas da humanidade. Ele permitiu que defrontasse os perigos da vida em comunhão com toda alma humana, para combater a batalha como todo filho da humanidade deve combatê-la, ao risco de fracasso e perda eterna". O Desejado de Todas as Nações, p. 49.4. "Cartas me têm sido mandadas afirmando que Cristo não podia ter tido a mesma natureza do homem, pois se o tivesse, Ele teria caído sob tentações semelhantes. Se Ele não tivesse a natureza do homem, não poderia ser o nosso exemplo. Se não fosse um participante de nossa natureza, Ele não poderia ter sido tentado como o homem tem sido. Se não fosse possível que sucumbisse às tentações Ele não poderia ter sido o nosso Ajudador. É uma solene realidade que Cristo veio para lutar a batalha como o homem, no lugar do homem. Sua tentação e vitória nos diz que a humanidade precisa copiar o padrão". Mensagens Escolhidas, Livro 1, p. 408.5. "Se tivermos em qualquer sentido um conflito mais severo do que teve Cristo, então Ele não seria capaz de nos socorrer. Mas nosso Salvador tomou a humanidade, com todas as suas desvantagens. Ele assumiu a natureza do homem, com a possibilidade de sucumbir à tentação. Nada temos a suportar que Ele não tenha suportado". O Desejado de Todas as Nações, p. 117.2. "Aqueles que alegam que não era possível que Cristo pecasse, não podem crer que Ele realmente tomou sobre Si a natureza humana. Mas não foi Cristo realmente tentado, não somente por Satanás no deserto, mas durante toda a Sua vida, desde a infância até o estágio adulto? Em todos os pontos Ele foi tentado como nós, e em vista de que resistiu com êxito à tentação sob todas às formas, Ele deu ao homem o perfeito exemplo, e mediante a ampla provisão que fez, podemos tornar-nos participantes da natureza divina, tendo escapado da corrupção que está no mundo mediante a concupiscência". S.D.A. Bible Commentary, vol. 7, p. 929.3. "O Filho de Deus Se humilhou e tomou a natureza do homem após a raça ter errado quatro mil anos desde o Éden, e desde o seu estado original de pureza e retidão. O pecado havia estado deixando suas terríveis marcas sobre a raça por anos; e a degeneração moral, física, e mental prevalecia por toda a família humana. "Cristo suportou os pecados e enfermidades da raça tal como existiam quando veio à Terra para ajudar o homem. Em favor da raça, com a fraqueza do homem caído sobre Si, Ele deveria enfrentar as tentações de Satanás em todos os pontos pelos quais o homem seria acossado". Review and Herald, vol. 1, p. 143.5. "Estava na ordem de Deus que Cristo assumisse sobre Si a forma e natureza do homem caído para que pudesse ser feito perfeito mediante o sofrimento. . ." Spirit of Prophecy, vol. 2, p. 39.7. "Ao tomar sobre Si a natureza do homem em sua condição caída, Cristo não participou em nenhuma medida de seu pecado. . . . Pudesse Satanás no mínimo particular ter tentado Cristo a pecar, ele teria esmagado a cabeça do Salvador. Mas o que se deu é que somente pôde ferir-Lhe o calcanhar. Houvesse a cabeça de Cristo sido tocada, a esperança da raça humana teria perecido. A ira divina teria

×