Biblioteca Mário de AndradeIncluindo a reforma da circulante
A biblioteca Mário de Andrade
A esquerda Rua S. Luiz, à direita Rua Xavier de Toledo. Atrás   da câmera: rua da Consolação e Rua Martins Fontes.
O portal de entrada é monumental.  Seis colunas com c. 20 m fazem     a imponência do prédio.
Austero.
Bicicletário novo. Ó minha magrela aí!
Rua Martins fontes entre os dois prédios da esquerda.       Rua da Consolação atrás do arvoredo.
Entrada momumental. Repete a imponência do clássico, porém sem friso, capitéis e detalhes
Simetria num jogo quase farônico.
Reforma recente implantou a fachada de vidro e abriu o          acesso entre a circulante e a geral.
O poste símbolo da cidade de São Pauo, em sua forma                 mais aprimorada.
A pedra.Áspera ou polida, mas com sua     impávida presença.
O átrio, modelo basilical num prédio civil, quase um                      tribunal.
Mário era mais brejeiro queo prédio que leva seu nome.
A mais bela das pedras de revestimento.
O jogo duplo:escuro embaixo, luminoso no alto.
Sempre há uma moldura.Sem floreios, mas sempre há um friso.
Balcão parece ter nascido aqui!Simples, sóbrio, sem detalhes, mas com  um friso na parte baixa e o beiral no              ...
Uma janela só não faz verão. Mas três são quase um vitral laico.
Esse painel amarelo está roubando o cenário.  A área parece um banco ou uma sede de      governo, não um lugar onde se vá ...
O charme de um beleza noir, de uma atriz alemã do pós guerra, ou de um cassino              europeu...
Há um orgulho, uma   nobreza, uma formalidade que    chega a nos   desconcertar.
Um valor que os modernistasjamais compreenderam: um guarda-corpo não é só um       guarda-corpo.
O dourado mostra que o corrimão é uma jóia   sobre o corpo de uma delicada escada.
Escada delicada apenas na sua luz diáfana e                cor suave.  O mármore garante que ela se impõem    absolutament...
Que roupa deveríamos vestir para  subir a escada com o mesmo           garbo dela?
Uma música, um ritmo, uma       cadência.        Pensei em    “As time goes by”.
O palco do saguão se oferece pleno ao             subir a escada.Um jogo visual premeditado. Impossível           fugir do...
Apenas 3 degraus, mas que se  esparramam com doçura.   Cantos vivos para quê?
Mármore verde no rodapé.É como botar gravata em uma criança de 11   anos. Desnecessário, mas fascinante!
A luz – nunca óbvia, antes numjogo de esconde promovendo a volumetria das paredes e teto.
Seus caminhos já estão traçados.        E eles são retos!
Os móveis são filhos do mesmo        pensamento.
Pode o mármore repousar sobre           folhas?
A voluta encerra o jogo quadrangular, com um         arremate nítido e incontestável.De quebra, ela repousa sobre uma esfe...
Não terminar a escada comarestas, mas num diálogo suave          com o piso.
Pense num autor que combina com esse espaço de leitura.     Pensou em quem?
A sala de leitura tem vocação de       voar, pode reparar.
A gigantesca sanca luminosaretém a sala e os móveis aqui, zelando pela estabilidade do          ambiente.
A nova rampa para cadeirantes repete a elegância e curva doalpendre. Que bela alteração!   Lamentamos a cor, de um   contr...
Mas a sala, comocriança presa emcasa, olha para apraça e quer sair!
Os frisos, quase imperceptíveis, dizem:veja, cuidamos de você, querido prédio,             com carinho...
Um belo pé direitoque respira forte. Que almeja luz!
Uma dança hipnótica.      Uma mulher  completamente art-          decó!Rígida, solene, simétrica,          forte.Ela não l...
Outra intervenção feliz: o corrimão também participa deste jogo sério.Podemos contestar a cor: vermelho?Fazer o quê? A vid...
Parece prisão, claustro, mosteiro.  Mas é a sede da liberdade do          pensamento.
De costas para a praça.          Por quê?Era tão fácil abrir-se à plebe!
Um vitral monumental.Sóbrio e frio, como são estas          fachadas.
Concorda que a sala de leitura anseia por sair e passear entre as árvores?
O gradil recortado:uma gentileza para  com a árvore.  Elogiável bom   senso, não?
Quase uma igreja.Quase um presídio.
O design mobiliário da miséria humana.
A rampa resolveu a acessibilidade,  mas ignorou esufocou a escadaoriginal. Será quenão haveria outra    saída mais   harmo...
Um prédio delgado.
Um prédiomajestoso.
A circulantereformada. Olha essaparede se recolhendo  na entrada, como cortina de um palco    que convida.
Outro apoioentre piso e  guarda-   corpo.
Apoio à meia  altura.
Biblioteca Mário de Andrade                              Incluindo a reforma da circulante                                ...
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Biblioteca mário andrade_sp
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Biblioteca mário andrade_sp

377 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biblioteca mário andrade_sp

  1. 1. Biblioteca Mário de AndradeIncluindo a reforma da circulante
  2. 2. A biblioteca Mário de Andrade
  3. 3. A esquerda Rua S. Luiz, à direita Rua Xavier de Toledo. Atrás da câmera: rua da Consolação e Rua Martins Fontes.
  4. 4. O portal de entrada é monumental. Seis colunas com c. 20 m fazem a imponência do prédio.
  5. 5. Austero.
  6. 6. Bicicletário novo. Ó minha magrela aí!
  7. 7. Rua Martins fontes entre os dois prédios da esquerda. Rua da Consolação atrás do arvoredo.
  8. 8. Entrada momumental. Repete a imponência do clássico, porém sem friso, capitéis e detalhes
  9. 9. Simetria num jogo quase farônico.
  10. 10. Reforma recente implantou a fachada de vidro e abriu o acesso entre a circulante e a geral.
  11. 11. O poste símbolo da cidade de São Pauo, em sua forma mais aprimorada.
  12. 12. A pedra.Áspera ou polida, mas com sua impávida presença.
  13. 13. O átrio, modelo basilical num prédio civil, quase um tribunal.
  14. 14. Mário era mais brejeiro queo prédio que leva seu nome.
  15. 15. A mais bela das pedras de revestimento.
  16. 16. O jogo duplo:escuro embaixo, luminoso no alto.
  17. 17. Sempre há uma moldura.Sem floreios, mas sempre há um friso.
  18. 18. Balcão parece ter nascido aqui!Simples, sóbrio, sem detalhes, mas com um friso na parte baixa e o beiral no tampo. Essa curva é de um charme discreto muito senhor de si, não?
  19. 19. Uma janela só não faz verão. Mas três são quase um vitral laico.
  20. 20. Esse painel amarelo está roubando o cenário. A área parece um banco ou uma sede de governo, não um lugar onde se vá descontraído ler um livro.
  21. 21. O charme de um beleza noir, de uma atriz alemã do pós guerra, ou de um cassino europeu...
  22. 22. Há um orgulho, uma nobreza, uma formalidade que chega a nos desconcertar.
  23. 23. Um valor que os modernistasjamais compreenderam: um guarda-corpo não é só um guarda-corpo.
  24. 24. O dourado mostra que o corrimão é uma jóia sobre o corpo de uma delicada escada.
  25. 25. Escada delicada apenas na sua luz diáfana e cor suave. O mármore garante que ela se impõem absolutamente segura, mas branda.
  26. 26. Que roupa deveríamos vestir para subir a escada com o mesmo garbo dela?
  27. 27. Uma música, um ritmo, uma cadência. Pensei em “As time goes by”.
  28. 28. O palco do saguão se oferece pleno ao subir a escada.Um jogo visual premeditado. Impossível fugir do encanto.
  29. 29. Apenas 3 degraus, mas que se esparramam com doçura. Cantos vivos para quê?
  30. 30. Mármore verde no rodapé.É como botar gravata em uma criança de 11 anos. Desnecessário, mas fascinante!
  31. 31. A luz – nunca óbvia, antes numjogo de esconde promovendo a volumetria das paredes e teto.
  32. 32. Seus caminhos já estão traçados. E eles são retos!
  33. 33. Os móveis são filhos do mesmo pensamento.
  34. 34. Pode o mármore repousar sobre folhas?
  35. 35. A voluta encerra o jogo quadrangular, com um arremate nítido e incontestável.De quebra, ela repousa sobre uma esfera de bronze, como a mulher bela e segura que finge ser frágil.
  36. 36. Não terminar a escada comarestas, mas num diálogo suave com o piso.
  37. 37. Pense num autor que combina com esse espaço de leitura. Pensou em quem?
  38. 38. A sala de leitura tem vocação de voar, pode reparar.
  39. 39. A gigantesca sanca luminosaretém a sala e os móveis aqui, zelando pela estabilidade do ambiente.
  40. 40. A nova rampa para cadeirantes repete a elegância e curva doalpendre. Que bela alteração! Lamentamos a cor, de um contraste desnecessário.
  41. 41. Mas a sala, comocriança presa emcasa, olha para apraça e quer sair!
  42. 42. Os frisos, quase imperceptíveis, dizem:veja, cuidamos de você, querido prédio, com carinho...
  43. 43. Um belo pé direitoque respira forte. Que almeja luz!
  44. 44. Uma dança hipnótica. Uma mulher completamente art- decó!Rígida, solene, simétrica, forte.Ela não lê, antes oferece um livro de páginas abertas a quem passa.
  45. 45. Outra intervenção feliz: o corrimão também participa deste jogo sério.Podemos contestar a cor: vermelho?Fazer o quê? A vida não é perfeita...
  46. 46. Parece prisão, claustro, mosteiro. Mas é a sede da liberdade do pensamento.
  47. 47. De costas para a praça. Por quê?Era tão fácil abrir-se à plebe!
  48. 48. Um vitral monumental.Sóbrio e frio, como são estas fachadas.
  49. 49. Concorda que a sala de leitura anseia por sair e passear entre as árvores?
  50. 50. O gradil recortado:uma gentileza para com a árvore. Elogiável bom senso, não?
  51. 51. Quase uma igreja.Quase um presídio.
  52. 52. O design mobiliário da miséria humana.
  53. 53. A rampa resolveu a acessibilidade, mas ignorou esufocou a escadaoriginal. Será quenão haveria outra saída mais harmoniosa?
  54. 54. Um prédio delgado.
  55. 55. Um prédiomajestoso.
  56. 56. A circulantereformada. Olha essaparede se recolhendo na entrada, como cortina de um palco que convida.
  57. 57. Outro apoioentre piso e guarda- corpo.
  58. 58. Apoio à meia altura.
  59. 59. Biblioteca Mário de Andrade Incluindo a reforma da circulante Carlos Elson Cunha Todas as imagens são disponíveis para uso acadêmico, sem fins comerciais. 2011 a D.

×