SISMEDIO CADERNO II

12.459 visualizações

Publicada em

SISMEDIO

Publicada em: Educação
2 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.459
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
80
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
211
Comentários
2
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SISMEDIO CADERNO II

  1. 1. Os sentidos e significados da escola para os jovens “O jovem hoje, se vê diante de perspectivas, não só o emprego, mas também sobre um projeto de futuro dominado num clima de incerteza e a escola não está conseguindo dialogar com isso. O jovem que vem ai, tem um pensamento extremamente rápido, cognitivo, baseado na imagem, socializado com a televisão, internet, redes sociais, enquanto que a escola vem baseada na lentidão do quadro de giz. Existe ai uma diferença de ritmo, tempo e espaços muito significativos. “ Retirado doVídeo: Juventude nota 10.
  2. 2. Significado de escola: • Obrigação que os país ou sociedade impõem; • Inserção no mercado de trabalho; • Um lugar de encontro com amigos ( trocam idéias, elegem o amigo do peito, circulam entre as turmas e galera); • Um abrigo protetor; A sociabilidade juvenil não deveria ser um problema para a escola. Ao contrário, devem ser incentivadas.(Ex. Diálogo, organização autônoma e à produção coletiva fazem parte da vida escolar.)
  3. 3. Não existe processo educativo sem sujeitos concretos, com suas práticas, experiências, valores e saberes. A tarefa da escola é construir um vínculo entre a identidade juvenil e a experiência de ser aluno.
  4. 4. Se a escola é lugar de aprender, é importante compreender como os jovens aprendem e quais são os conhecimentos que demandam da escola. Para que haja uma aprendizagem significativa deve-se estabelecer um diálogo entre os conteúdos curriculares e a realidade.(espaços de conversação)
  5. 5. Como diz Teixeira(2007), “na relação professor e aluno está o coração da docência”. Devemos pensar coletivamente sobre a qualidade das relações que estabelecemos com a juventude que habita a instituição escolar? E porque não nos idignarmos sobre o clima das relações que cada um de nós estabelece com os jovens estudantes na escola?
  6. 6. Razões da permanência e do abandono escolar Os jovens: •Assumem a responsabilidade pelos fracassos ou êxitos; •Problemas internos na escola; •Falta de infraestrutura; •Má relação professor-aluno. Quem são os culpados?
  7. 7. O abandono ou permanência se constroem na combinação: Apoio familiar, relação estabelecida com os professores, estimulos originados nas redes sociais, engajamento na rotina escolar, possibilidade de dedicar-se aos estudos, situação financeira da família, necessidade de certificado, projetos pessoais, entre outros.
  8. 8. A questão da autoridade do professor, a indisciplina. • A violência escolar (agressão física); • Bullying, indisciplina, incivilidade são vistos como uma violência escolar? • Como os jovens lidam com as regras escolares . São impostas ou construídas? Todos tem conhecientodo PPP? Ou será que disciplina ou indisciplina fazem parte do jogo de estratégias de interação das expressões juvenis com a escola.
  9. 9. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa... Será? • Toda quebra de regra ou padrão de conduta é um ato de indiscíplina. Como classifica-los: A violência que é contra a lei e seu dano não é restrito ao ambiente escolar, deve ser punida. A transgressão é a indisciplina e fere o regimento escolar.
  10. 10. • Cuidado com a “Epidemia da violência”: Na maioria dos casos, se está mediante quebra de regras disciplinares ou a ausência de normas institucional e coletivamente assumidas pela comunidade escolar. •Devemos construir regras escolares com normas claras para dar o veredicto e aplicar as punições.
  11. 11. Na construção de regras, a primeira coisa para pensar uma escola justa é compreender como as regras são definidas, quem as define e como elas são aplicadas. Reclamações dos jovens (professores, direção e coordenação pedagógica as definem, sua aplicabilidade e sanções). Alunos alegam que não tem clareza. Nós professores (olhar sob a ótica de aluno e não de jovem, usamos critérios exclusivamente escolares como rendimento e comportamento). As regras não são aplicadas igualmente a todos, nos baseamos no bom desempenho ou mau desempenho e no comportamento.
  12. 12. A aprendizagem é medida pelos ritmos previstos pela escola em suas temporalidades recortadas por disciplinas, horas-aula, aula para exposição, aula para avaliação, aglomerando, deveres de classe, as provas, as atividades. Esse contexto provoca nos alunos um sentimento de mesmice, que faz com que eles, ao considerarem o cotidiano da sala de aula monótono e repetitivo, retirem sua atenção do professor e dediquem-se a uma série de interações passíveis de serem mantidas em sala de aula, gerando bagunça ou a zoação.
  13. 13. Enxergá-los pela ótica da negatividade não contribui para apreender os modos pelos quais os jovens constroem a sua efetiva e multifaceada experiência de juventude.
  14. 14. SUGESTÃO Elaborar coletivamente uma carta dos professores e professoras para os jovens estudantes da nossa escola. Atividade Professora Magrid Auler SISMEDIO CADERNO- II

×