Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76

4.676 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.676
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.610
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76

  1. 1. Mensagem Ortónimo • eu fragmentado • fingimento poético • dor de pensar • nostalgia da infância Heterónimos
  2. 2. «Autopsicografia» 1. «O poeta é um fingidor» é a tese apresentada no poema. Significa que o poeta finge uma dor que não coincide com a dor sentida na realidade. A dor escrita é uma invenção, uma transfiguração, criada pela imaginação.
  3. 3. 2. Os leitores sentem uma dor que não é a que o poeta sentiu, nem a que ele escreveu / fingiu, mas que é a sua nãodor.
  4. 4. 3. A última estrofe apresenta, metaforicamente, a relação entre a razão e o coração. O coração é um comboio de corda, regulado pelas calhas em que gira. A razão é uma realidade à parte, mas estimulada (entretida) pelo coração.
  5. 5. 4. Tendo em conta o significado de cada um dos elementos que compõem o título, «autopsicografia» remete para a reflexão do sujeito sobre a própria escrita / o autorretrato espiritual escrito.
  6. 6. O | poe|ta é| um | fin|gi|dor 1 2 3 4 5 6 7 Fin|ge | tão | com|ple|ta|men te 1 2 3 4 5 6 7
  7. 7. 5. O poema é constituído por três quadras, de versos heptassilábicos (também designados «versos de redondilha maior»), com o esquema rimático a-b-a-b (portanto, em rima cruzada).
  8. 8. redondilha menor = pentassílabo redondilha maior = heptassílabo
  9. 9. 6. De acordo com o poema, a criação poética assenta no fingimento, na medida em que um poema não diz o que o poeta sente, mas aquilo que imagina a partir do que anteriormente sentiu. O poeta é um fingidor, porque escreve uma emoção fingida, fruto da razão e da imaginação, e não a emoção sentida pelo coração, que apenas chega ao poema transfigurada,
  10. 10. na tal emoção trabalhada / elaborada poeticamente, imaginada. Quanto ao leitor, apenas sente a emoção que o poema lhe suscita, que será diferente da do próprio poema. A poesia, a arte, é a intelectualização da emoção.
  11. 11. 2.1 A frase que constitui o primeiro verso do poema («O poeta é um fingidor») apresenta um valor aspetual (c) genérico.
  12. 12. 2.2 (d) adverbial consecutiva («Finge tão completamente / Que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente») Que chega a fingir / que a dor [que deveras sente] é dor
  13. 13. 2.3 (d) intensidade
  14. 14. A, 3, b A metáfora presente na terceira estrofe destaca a simplicidade do fingimento através da sua aproximação a uma atividade lúdica.
  15. 15. Tal como o comboio de corda é conti­ nuamente guiado pelas calhas, assim o coração (fonte dos sentimentos e das emoções) deve ser, segundo a teoria enunciada nas estrofes anteriores, orien­tado pelo pensamento, que condiciona a sua expressão verbal. O coração sente e o pensamento intelectualiza o que é sen­ tido, racionalizando­o. O movimento circular dos carris, que obriga à contínua rotação do comboio e à adoção de um rumo obrigatório, sugere a constante inter­relação e a íntima depen­dência entre ambos, tal como acontece com a razão e a emoção humanas.
  16. 16. B, 1, a O poliptoto [cfr. p. 351] presente na primeira estrofe reforça a ideia de fingimento introduzida nessa quadra. O poeta é um fingidor Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente
  17. 17. C, 2, c A perífrase presente na segunda estrofe aproxima as duas entidades envolvidas no processo de comunicação poética.
  18. 18. enleio = enleamento, acto ou efeito de enlear; entrelaçamento || fig. situação confusa; embevecimento, encantamento; hesitação, dúvida
  19. 19. «Isto» 1. Ao escrever, o poeta usa a imaginação (e não o coração).
  20. 20. 2. As emoções são semelhantes a um terraço que dá para uma outra realidade mais bela, a realidade imaginada, a arte.
  21. 21. 3. «Essa coisa é que é linda».
  22. 22. 4. O poeta escreve distanciado daquilo que sentiu anteriormente («escrevo em meio / do que não está ao pé»), sem emoção («livre do meu enleio»).
  23. 23. 5. O último verso é irónico, com o sujeito poético a desafiar o leitor a que sinta qualquer coisa de diferente de si.
  24. 24. Di|zem | que | fin|jo ou | min to 1 2 3 4 5 6 Tu|do | que es|cre|vo. | Não 1 2 3 4 5 6
  25. 25. 6. O poema apresenta grande regularidade formal: são três estrofes de cinco versos (isto é, três quintilhas), de seis sílabas métricas, com o esquema rimático a-b-a-b-b (portanto, de rima cruzada e emparelhada).
  26. 26. 7 Os poemas «Autopsicografia» e «Isto» têm como tema comum o fingimento poético. Neles, o poeta expõe o seu conceito de poesia enquanto intelectualização da emoção.
  27. 27. 6. a = falsa Dizem subordinante / que finjo ou minto tudo que escrevo subordinada substantiva completiva
  28. 28. b = verdadeira c = verdadeira
  29. 29. 1. inteligência; 2. sentir; 3. fingir; 4. verdadeiramente; 5. negação;
  30. 30. 6. confessor; 7. aprendizagem; 8. racional; 9. afetivo; 10. construção;
  31. 31. 11. sentida; 12. abstração; 13. sensibilidade; 14. completa; 15. truques; 16. tragédia.
  32. 32. Na capa do livro que o grande Sousa Bastos está a autografar, a localização do género da obra, «romance» (que se inclui no modo literário narrativo), é relativamente incomum (essa indicação pode surgir na capa mas talvez não no cabeçalho). O subtítulo (Quão longe vai uma alma) também não é inusual que apareça na capa, embora só seja obrigatório no frontispício (ou rosto), que, como sabemos, é a página por onde se guia a referenciação bibliográfica. Note-se
  33. 33. o «quão», decerto para ridicularizar o estilo de Bastos (em vez de «Quão...», ficaria melhor «Como vai longe uma alma». Também é brincalhão o nome da editora, que costuma, com efeito, ficar na capa e na lombada. Não reparei em que página o autor escreve a dedicatória, mas deverá fazê-lo no frontispício (ou, eventualmente, na página também ímpar
  34. 34. que o precede, o anterrosto, onde só costuma estar o título). A referência a Arquipélago das Vontades, outra obra do mesmo autor (subtil alusão a Saramago e ao Memorial?), poderia constar numa das badanas (ou orelhas) ou na contracapa.
  35. 35. Sousa Bastos, sabe, pelo menos, que «Natália», como esdrúxula que é (aparente, porém, já que «ia» é mais ditongo crescente do que duas sílabas), leva acento na antepenúltima sílaba. Tem dúvidas sobre se o acento é grave ou agudo (para «circunflexo», diria um «chapeuzinho»). Devia saber que, atualmente, só há acentos graves como
  36. 36. resultado da contração da preposição «a» com alguns determinantes e pronomes (são poucas palavras: à, às, àquele, àquela, àqueles, àquelas, àquilo, àqueloutro, àqueloutra, àqueloutros, àqueloutras).
  37. 37. Sousa Bastos confunde «hífen» e «Hitler». Repare-se que as palavras graves terminadas em -L, -N, -R, -X, -PS, têm sempre acento gráfico (na penúltima sílaba, é claro); «Hitler» não tem acento por ser um nome próprio e estrangeiro. A retificação da fã do escritor não é perfeita. Em «lamber-te» (ou mesmo em «lemberte») o pronome «te» não é um pronome reflexo (em «lavo-me» [= ‘eu lavo eu’], «tu barbeias-te», etc., sim, porque há coincidência dos referentes de sujeito e
  38. 38. complemento direto). Já agora, qual é a função sintática deste «te» de «lamberte»? É complemento direto. (Se tiveres dúvidas, experimenta com os pronomes de 3.ª pessoa — «o»/«a» (complemento direto) versus «lhe» (indireto).)
  39. 39. Realmente, todas as formas do verbo «trazer» são com zê e a preposição ou locuções derivadas sempre com esse (e acento). Experimenta pronominalizar estas frases: «Traz a fã > Trá-la.» | «Trarei o livro > Trá-lo-ei» | «Trazia o livro a Sousa Bastos > Trazia-lho» | «Traríamos o Adolfo > Trá-lo-íamos» | «Traz o livro à Dulce > Traz-lho»
  40. 40. «Estou farto dos fãs que têm a mania» subordinada adjetiva relativa restritiva
  41. 41. «Só espero que não tenha ficado melindrado» subordinada substantiva completiva.
  42. 42. «Quando me dá o seu número do quarto do hotel, é com agá». subordinada adverbial temporal
  43. 43. TPC Escreve um comentário de um pouco mais de cem palavras que aproxime os textos A e B da p. 39 — e os enquadre no tema da «dor de pensar» e, em geral, nas características de Pessoa ortónimo. (Como estratégia prévia, podes resolver o ponto 1 da mesma página, mas sem a ele te agarrares depois muito.) (Se ainda não o fizeste, termina leitura leitura de Memorial do Convento.)

×