Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 16-17

2.849 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.849
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.181
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 16-17

  1. 1. Ter mais atenção ao enunciado das perguntas – O que era de Pennac «leitores têm o direito de amarem os protagonistas»/ o que era do cronista (João de Mancelos): «demasiado real» – O tema (leitura, gosto da leitura, livros, protagonistas dos livros)
  2. 2. Texto de Vasco Graça Moura (em vez do de Pessoa)
  3. 3. ___ --->|___ = fazer margem de parágrafo translineação __________ = não fazer parágrafo ______ § ___| = fazer parágrafo
  4. 4. Não transpor conteúdos de outras disciplinas (Psicologia, História, Filosofia, etc.)
  5. 5. Como diz Daniel, … Como diz Pennac, …
  6. 6. Mas, no entanto, E, no entanto,
  7. 7. remontam a remetem para
  8. 8. ir de encontro a ir ao encontro de
  9. 9. Faz com que Faz que
  10. 10. Autor Fernando Pessoa Sujeito poético Eu lírico Eu do poema O «eu» O poeta
  11. 11. O tema é o mesmo em ambos os poemas — a dor de pensar provocada pela intelectualização do sentir. O poeta gostaria de ser como a ceifeira, ter a sua alegre inconsciência, mas, ao mesmo tempo, saber-se possuidor dessa incons- ciência. Do mesmo modo, gostaria de ser como o gato que apenas sente («sentes só o que sentes») e, por isso, é feliz («és feliz porque és assim»), enquanto o poeta pensa («vejo-me e estou sem mim, / co- nheço-me e não sou eu»). [81 palavras]
  12. 12. v. 3 Porque é que, pr’a ser feliz, v. 4 É preciso não o saber?
  13. 13. O que faz que o pronome («o») tenha de ficar anteposto ao verbo (o infinitivo «saber») é o facto de a frase ser negativa.
  14. 14. Vejamos algumas circunstâncias que obrigam à alteração da ordem mais normal no português europeu (a da ênclise): estar a frase na negativa, ficar o pronome numa subordinada completiva, tratar-se da variante sul-americana do português. Completa a coluna da direita:
  15. 15. Próclise: – Não o disse propositamente. Mesóclise: – Vendê-lo-ão em breve. Ênclise: – Comprei-a a bom preço.
  16. 16. Mesóclise – tornar-se-ia (*tornaria-se) – vê-lo-emos (*veremo-lo)
  17. 17. Stora, por favor, dê-mo. negativa > Stora, por favor, não mo dê.
  18. 18. Comprei-o. subordinação completiva > Já te disse que o comprei.
  19. 19. Cortez revelou-se um craque. variante brasileira > Cortez se revelou um craque, né.
  20. 20. Tem que ver com outras pessoas que afetam-me. Tem que ver com outras pessoas que me afetam.
  21. 21. […] à necessidade de os sujeitos poéticos libertarem-se […] à necessidade de os sujeitos poéticos se libertarem
  22. 22. A última quadra é a que mais incorpora-se. A última quadra é a que mais se incorpora.
  23. 23. O tema de «Dístico», de Sebastião da Gama, é quase o mesmo do do poema de Pessoa «Gato que brincas na rua» — também aqui o sujeito poético se dirige a quem considera, quase com inveja, ser feliz (no caso, a criança que brinca) —,
  24. 24. mas a perspetiva é diferente: no poema de Sebastião da Gama o ser bafejado pela sorte não funciona como contraponto do sujeito poético e é apenas objeto de um aviso acerca da vida adulta.
  25. 25. O vocativo da quintilha é «Ó meu menino que brincas / o dia todo na rua / e ainda pensas que a Vida / é só a vida que é tua,». Além da vírgula que fecha o vocativo, não é preciso outra, já que a subordinada adjetiva relativa que começa com o «que» é restritiva (o sujeito poético chama um específico «meu menino», o que brinca o dia todo na rua e ainda pensa que a vida é só a que é dele).
  26. 26. Vocativo nome oração subordinada adjetiva relativa restritiva Gato que brincas na rua como se fosse na cama, Predicado invejo a sorte que é tua verbo complemento direto oração subordinada adjetiva relativa restritiva oração subordinada causal porque nem sorte se chama
  27. 27. Todo o nada que és é teu
  28. 28. No dicionário que consultei, o verbete de «dístico» regista também as aceções ‘letreiro’, ‘rótulo’, ‘divisa’. Estes três significados têm em comum a ideia de ‘aviso, informação útil’, pelo que o título «dístico» deve querer destacar o caráter didático, instrucional, do conselho a que corresponde todo o poema.
  29. 29. TPC — Escreve o comentário pedido no item 2 da p. 46 (o 2.º parágrafo serão as ll. 11-17).

×