Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152

3.778 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.778
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.163
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152

  1. 1. Senhor = Deus marinheiros Os Lusíadas
  2. 2. certas coisas fala os onde
  3. 3. [retoma da pergunta] vs. frases completas mas nossas
  4. 4. O título estabelece uma relação óbvia com o assunto do texto […] A ligação que pode ser feita entre o título e o assunto do texto é que este poema é uma oração dirigida a Deus […]
  5. 5. Prece «prece» «Prece» vv. 5 v. 5 vv. 5-7 » v. 5 », v. 5 » — v. 5
  6. 6. deus Deus O poema trata-se de Tratam-se de Trata-se de
  7. 7. 1. O poema «Prece», que integra a segunda parte de Mensagem, «Mar Português», corresponde a uma súplica do sujeito poético a uma entidade superior, um «Senhor» (v. 1), a quem pede auxílio para que se renove «a chama do esforço» (v. 10) que permitirá alterar a realidade presente e conquistar momentos gloriosos, como os que fizeram parte do passado do povo português.
  8. 8. 2. Existe claramente uma oposição entre o passado e o presente, uma vez que, naquele tempo, apesar das «tormenta(s)» (v. 2), havia «vontade» (v. 2) e «vida» (v. 5), mas, no presente, apenas restam «a noite» (v. 1), o «silêncio hostil» (v. 3) e a «saudade» (v. 4). Ainda assim, perante a dura e triste realidade, o sujeito poético ainda transmite a esperança num esforço que faça rejuvenescer a pátria e reacenda «a chama» (v. 10) da vida.
  9. 9. 3. Na última estrofe, o sujeito poético manifesta a sua esperança e a sua fé, pois acredita que ainda é possível revigorar a pátria e recuperar a grandeza perdida, conquistando a «Distância» (v. 11), ou seja, o ideal que outrora foi representado pela conquista marítima e que, agora, associa ao Quinto Império e ao orgulho de ser português.
  10. 10. 4. O sujeito poético utiliza a primeira pessoa do plural («nos”, v. 3, «nós», v. 5, «conquistemos», v. 11, e «nossa», v. 12) para se assumir como membro de uma coletividade. Falando e pedindo ajuda em nome do povo português, incita também os restantes lusitanos a realizar um esforço comum para que se torne possível conquistar a «Distância». Esta estratégia linguística reforça o tom intimista do texto.
  11. 11. Real > Réis 1$000 (= mil-réis) | 800$000 (= oitocentos mil-réis) 1.000$000 (= um milhão de réis = um conto de réis)
  12. 12. Relanceando as páginas iniciais (manual, 242-244; Felizmente, 15-21), comenta os sentimentos das personagens que intervêm relativamente a Gomes Freire.
  13. 13. O general Gomes Freire de Andrade é percecionado pelos populares presentes, à exceção de Vicente, como alguém merecedor de admiração. O grupo escuta atentamente as palavras do Antigo Soldado, para quem Gomes Freire é um «herói», e Manuel deposita nele as esperanças de resgate da situação de miséria em que vivem (l. 72). Vicente, pelo contrário, deprecia o general, não enquanto pessoa, mas como representante da classe militar, que despreza, por considerar que não pode, nem quer libertá-los da vida de pobreza em que se encontram (ll. 74-85).
  14. 14. Podemos dizer que Mensagem é uma versão moderna, espiritualizada e profética de Os Lusíadas. Porém, ao contrário das epopeias clássicas, o poema de Pessoa oscila entre o pendor épico e uma dimensão marcadamente subjetiva / instrospetiva, mais típica da poesia lírica. Com efeito, o estilo é, muitas vezes, o de quem escreve «à beira-mágoa» (como se diz no único poema do livro que não tem título) e, por isso, o melhor modo de classificar Mensagem é como poema épico-lírico.
  15. 15. As três partes de Mensagem correspondem a três momentos do Império Português: nascimento, realização e morte. No entanto, esta última parte supõe um ressurgimento / renascimento (um novo império, no fundo). A figura do Encoberto, o regressado D. Sebastião, alude ao desastre de Alcácer Quibir, mas simboliza sobretudo a esperança de um novo império. O último verso do livro, «É a hora!», exprime esse apelo à mobilização da pátria.
  16. 16. Na primeira parte, «Brasão», temos uma galeria das figuras da formação da nacionalidade. Na segunda, percorrem-se os heróis da fase da expansão; na terceira, há mais elementos simbólicos / proféticos do que verdadeiras personalidades.
  17. 17. Mensagem foi publicada em 1934, tendo Pessoa morrido em Novembro de 1935. É o único livro escrito em português que Pessoa publicou em vida. Os vários poemas que o constituem têm datas diversas: por exemplo, a segunda parte, «Mar Português», inclui textos muito anteriores aos começos do Estado Novo (dos textos desta segunda parte lemos em aula o homónimo «Mar Português», «O Infante», «Horizonte», «O Mostrengo» e «Prece»). As datas desses poemas
  18. 18. correspondem, em geral, à época do sidonismo, o que se pode relacionar com o entusiasmo nacionalista que neles se sente. Já os poemas da terceira parte foram escritos não muito antes do concurso a que o livro se destinava.
  19. 19. Trazer a folha entregue na aula passada com grelha para leitura de Felizmente
  20. 20. Prazos das tarefas, desta vez, são mesmo para cumprir.
  21. 21. Na quinta/sexta: dissertação sobre livro lido. Na segunda/terça: trabalho sobre poema de Cesário. Recitações não começarão logo no início da semana (logo a 26).

×