<ul><li>A sequência  «Deve recolher as fezes do seu cão num invólucro de plástico. Deverá segurar o papel de apoio com a m...
<ul><li>A sequência  «O texto argumentativo tem como objectivo interferir ou transformar o ponto de vista do leitor relati...
<ul><li>A sequência  «José Fernando Antunes, natural da Cornualha, numa manhã de domingo, passeava pelo campo, quando avis...
<ul><li>«És um leão!» — dito em admiração pela energia do nosso interlocutor — é  </li></ul><ul><li>a) uma metonímia. </li...
<ul><li>«Com energia luto, / Com energia me revolto, / Com energia quero» são versos (bastante maus, benza-os Deus!) em qu...
<ul><li>Em «Furei o frio e a fome e as fezes» — outro mau verso (é meu!) — há </li></ul><ul><li>a) aliteração e anáfora. <...
<ul><li>«Perfume fresco» e «vermelho estridente» são bons exemplos de </li></ul><ul><li>a) hipálage. </li></ul><ul><li>b) ...
<ul><li>«Ronaldo defendeu garbosamente o emblema do Mucifalense» contém uma </li></ul><ul><li>a) metáfora. </li></ul><ul><...
<ul><li>Se, para representar a angústia das pessoas, se disser que se «formaram rios com as suas lágrimas», estaremos pera...
<ul><li>A redacção das acepções que lemos em verbetes de dicionário socorre m -se, muitas vezes, de </li></ul><ul><li>a) p...
<ul><li>Perífrase </li></ul><ul><li>[Uso de uma expressão longa que corresponderia afinal a um simples «façam o que eu dig...
<ul><li>Em «Ó Dona Noémia, leve-nos estas cortinas que parece que cheiram a cocó» há </li></ul><ul><li>a) anástrofe e iron...
<ul><li>«Parece-me que o Félix dirige bem o Mucifalense» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) directivo. </li></ul><ul><...
<ul><li>«Está bem, vá. Apareço às três» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) directivo. </li></ul><ul><li>b) compromissi...
<ul><li>«Cada vez gosto mais dos animais e menos dos homens» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) indirecto, expressivo....
<ul><li>«Não tens frio?» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) directo, compromissivo. </li></ul><ul><li>b) directo, expr...
<ul><li>Os Lusíadas  integram-se no modo literário </li></ul><ul><li>a) dramático. </li></ul><ul><li>b) lírico. </li></ul>...
<ul><li>O modo literário dramático inclui </li></ul><ul><li>a) os trechos de cariz trágico. </li></ul><ul><li>b) as peças ...
<ul><li>São géneros do modo lírico </li></ul><ul><li>a) a epopeia, o soneto, o hai-kai. </li></ul><ul><li>b) a novela, o c...
<ul><li>Os dois verbetes intitulados «canto» no dicionário (cujos étimos são, respectivamente, lat.  canthu- , ‘ângulo, ca...
<ul><li>«1. excremento; fezes. 2. anel do cabelo. 3. raça de galos e galinhas.» (transcrevo um verbete do  Grande Dicionár...
 
<ul><li>Fado [= destino];  Lídia   [cfr.  Odes  de Horácio] ;  óbolo ;  barqueiro   [Caronte]   pagãos ;  deuses . </li></ul>
<ul><li>Também não faltam formas verbais com valor imperativo.  </li></ul><ul><li>São formas do próprio Imperativo na 2.ª ...
<ul><li>ou do Presente do Conjuntivo na 1.ª pessoa do plural («fitemos», « enlacemos », « pensemos », « desenlacemos », « ...
<ul><li>Também um Conjuntivo mas da 3.ª pessoa do singular terá valor imperativo: «que o seu perfume  suavize  o momento»....
<ul><li>«o curso do rio» = ‘passagem do  tempo ’;  </li></ul><ul><li>«se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro somb...
<ul><li>Se a vida passa e não se pode evitar a morte, é preciso, por um lado, aproveitar o  presente  (epicurismo) e, por ...
<ul><li>O sujeito poético propõe a Lídia uma relação  tranquila, sem envolvimento nem paixão, nem sequer emoção , como úni...
 
 
<ul><li>Sossegadamente  fitemos o seu curso /  V ou F </li></ul><ul><li>Mais vale saber passar  silenciosamente  /  V </li...
<ul><li>A minha alma caiu pela escada  excessivamente  abaixo /  Adv </li></ul><ul><li>Olham os cacos  absurdamente  consc...
<ul><li>Amo  infinitamente  o finito /  V </li></ul><ul><li>Desejo  impossivelmente  o possível /  V </li></ul><ul><li>Per...
<ul><li>acompanhamento  banalmente  sinistro /  Adj </li></ul><ul><li>inconscientemente  simbólico /  Adj </li></ul><ul><l...
<ul><li>que fosse  misteriosamente  minha /  Adj ou V </li></ul><ul><li>beleza disto  totalmente  desconhecida dos antigos...
<ul><li>Sorrindo  vagamente  /  V </li></ul><ul><li>As cousas sejam  realmente  o que parecem ser /  V </li></ul>
<ul><li>«sossegada» > «sossegadamente»;  </li></ul><ul><li>«silenciosa» >  «silenciosamente» ;  </li></ul><ul><li>«vaga»  ...
<ul><li>A vogal que era a tónica dos adjectivos, nos advérbios em  –mente,  ao contrário do que acontece em outras palavra...
<ul><li>Em estruturas coordenadas — do tipo «cómoda e eficazmente» ou, na canção dos Gato Fedorento, «nomeada, exacta e mo...
 
 
<ul><li>TPC </li></ul><ul><li>Ir tratando da tarefa grande (ver em  Gaveta de Nuvens  instruções; relancear e reservar poe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação para décimo segundo ano, aula 13

6.674 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.674
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.481
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano, aula 13

  1. 2. <ul><li>A sequência «Deve recolher as fezes do seu cão num invólucro de plástico. Deverá segurar o papel de apoio com a mão esquerda, enquanto deposita o cocó no referido saco. Para o efeito, procederá do seguinte modo: [...]» ilustra bem o protótipo textual </li></ul><ul><li>a) injuntivo-instrucional. </li></ul><ul><li>b) expositivo-explicativo. </li></ul><ul><li>ω) argumentativo. </li></ul><ul><li>δ) dialogal-conversacional. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>A sequência «O texto argumentativo tem como objectivo interferir ou transformar o ponto de vista do leitor relativamente ao mundo que o rodeia. Esse ponto de vista assenta num conjunto de normas ou valores» é exemplo do protótipo textual </li></ul><ul><li>a) argumentativo. </li></ul><ul><li>b) expositivo. </li></ul><ul><li>ω) descritivo. </li></ul><ul><li>δ) narrativo. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>A sequência «José Fernando Antunes, natural da Cornualha, numa manhã de domingo, passeava pelo campo, quando avistou um cocó em movimento» pertence ao tipo textual </li></ul><ul><li>a) expositivo. </li></ul><ul><li>b) descritivo. </li></ul><ul><li>ω) narrativo. </li></ul><ul><li>δ) argumentativo. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>«És um leão!» — dito em admiração pela energia do nosso interlocutor — é </li></ul><ul><li>a) uma metonímia. </li></ul><ul><li>b) uma personificação. </li></ul><ul><li>ω) animismo. </li></ul><ul><li>δ) uma metáfora. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>«Com energia luto, / Com energia me revolto, / Com energia quero» são versos (bastante maus, benza-os Deus!) em que há o recurso estilístico designado </li></ul><ul><li>a) anáfora. </li></ul><ul><li>b) metáfora. </li></ul><ul><li>ω) sinédoque. </li></ul><ul><li>δ) polissíndeto. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Em «Furei o frio e a fome e as fezes» — outro mau verso (é meu!) — há </li></ul><ul><li>a) aliteração e anáfora. </li></ul><ul><li>b) polissíndeto e anástrofe. </li></ul><ul><li>ω) aliteração e polissíndeto. </li></ul><ul><li>δ) assíndeto e aliteração. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>«Perfume fresco» e «vermelho estridente» são bons exemplos de </li></ul><ul><li>a) hipálage. </li></ul><ul><li>b) sinestesia. </li></ul><ul><li>ω) comparação. </li></ul><ul><li>δ) hipérbole. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>«Ronaldo defendeu garbosamente o emblema do Mucifalense» contém uma </li></ul><ul><li>a) metáfora. </li></ul><ul><li>b) epífora. </li></ul><ul><li>ω) elipse. </li></ul><ul><li>δ) metonímia. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Se, para representar a angústia das pessoas, se disser que se «formaram rios com as suas lágrimas», estaremos perante </li></ul><ul><li>a) uma hipérbole . </li></ul><ul><li>b) uma ironia. </li></ul><ul><li>ω) um pleonasmo. </li></ul><ul><li>δ) um hipérbato. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>A redacção das acepções que lemos em verbetes de dicionário socorre m -se, muitas vezes, de </li></ul><ul><li>a) perífrases. </li></ul><ul><li>b) metáforas. </li></ul><ul><li>ω) antíteses. </li></ul><ul><li>δ) quiasmos. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Perífrase </li></ul><ul><li>[Uso de uma expressão longa que corresponderia afinal a um simples «façam o que eu digo»] </li></ul><ul><li>Dizer por muitas palavras o que poderia ser dito mais abreviadamente. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Em «Ó Dona Noémia, leve-nos estas cortinas que parece que cheiram a cocó» há </li></ul><ul><li>a) anástrofe e ironia. </li></ul><ul><li>b) paradoxo e antítese. </li></ul><ul><li>ω) alegoria e eufemismo. </li></ul><ul><li>δ) apóstrofe e comparação. </li></ul>
  13. 14. <ul><li>«Parece-me que o Félix dirige bem o Mucifalense» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) directivo. </li></ul><ul><li>b) assertivo. </li></ul><ul><li>ω) declarativo. </li></ul><ul><li>δ) expressivo . </li></ul>
  14. 15. <ul><li>«Está bem, vá. Apareço às três» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) directivo. </li></ul><ul><li>b) compromissivo. </li></ul><ul><li>ω) expressivo. </li></ul><ul><li>δ) assertivo. </li></ul>
  15. 16. <ul><li>«Cada vez gosto mais dos animais e menos dos homens» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) indirecto, expressivo. </li></ul><ul><li>b) directo, declarativo. </li></ul><ul><li>ω) indirecto, assertivo. </li></ul><ul><li>δ) directo, compromissivo. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>«Não tens frio?» é um acto de fala </li></ul><ul><li>a) directo, compromissivo. </li></ul><ul><li>b) directo, expressivo. </li></ul><ul><li>ω) indirecto, declarativo. </li></ul><ul><li>δ) indirecto, directivo. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Os Lusíadas integram-se no modo literário </li></ul><ul><li>a) dramático. </li></ul><ul><li>b) lírico. </li></ul><ul><li>ω) poético. </li></ul><ul><li>δ) narrativo. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>O modo literário dramático inclui </li></ul><ul><li>a) os trechos de cariz trágico. </li></ul><ul><li>b) as peças de teatro. </li></ul><ul><li>ω) os textos que implicam dramatismo. </li></ul><ul><li>δ) os textos em prosa. </li></ul>
  19. 20. <ul><li>São géneros do modo lírico </li></ul><ul><li>a) a epopeia, o soneto, o hai-kai. </li></ul><ul><li>b) a novela, o conto, a farsa. </li></ul><ul><li>ω) a ode, o soneto, a écloga. </li></ul><ul><li>δ) a quadra popular, o romance passional, a ode. </li></ul>
  20. 21. <ul><li>Os dois verbetes intitulados «canto» no dicionário (cujos étimos são, respectivamente, lat. canthu- , ‘ângulo, canto’, e lat. cantu- , ‘canção’) chegam para percebermos tratar-se de </li></ul><ul><li>a) situação de polissemia. </li></ul><ul><li>b) fenómeno de homonímia. </li></ul><ul><li>ω) várias acepções de um mesmo vocábulo. </li></ul><ul><li>δ) campo lexical de ‘geometria’. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>«1. excremento; fezes. 2. anel do cabelo. 3. raça de galos e galinhas.» (transcrevo um verbete do Grande Dicionário Língua Portuguesa ) será o </li></ul><ul><li>a) campo semântico de «cocó». </li></ul><ul><li>b) campo lexical de «cocó». </li></ul><ul><li>ω) campo lexical de «excremento». </li></ul><ul><li>δ) campo semântico de «excremento». </li></ul>
  22. 24. <ul><li>Fado [= destino]; Lídia [cfr. Odes de Horácio] ; óbolo ; barqueiro [Caronte] pagãos ; deuses . </li></ul>
  23. 25. <ul><li>Também não faltam formas verbais com valor imperativo. </li></ul><ul><li>São formas do próprio Imperativo na 2.ª pessoa do singular («vem», « pega », « deixa »); </li></ul>
  24. 26. <ul><li>ou do Presente do Conjuntivo na 1.ª pessoa do plural («fitemos», « enlacemos », « pensemos », « desenlacemos », « amemo-nos », « colhamos »). </li></ul>
  25. 27. <ul><li>Também um Conjuntivo mas da 3.ª pessoa do singular terá valor imperativo: «que o seu perfume suavize o momento». </li></ul><ul><li>Certos futuros do indicativo — por sinal, conjugados pronominalmente — talvez tenham também conotação directiva: «lembrar-te-ás», « ser-me-ás [suave] ». </li></ul>
  26. 28. <ul><li>«o curso do rio» = ‘passagem do tempo ’; </li></ul><ul><li>«se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio» = ‘se morreres antes de mim’ [perífrase que aproveita a alegoria da passagem para a morte mediante a travessia de rio...] </li></ul>
  27. 29. <ul><li>Se a vida passa e não se pode evitar a morte, é preciso, por um lado, aproveitar o presente (epicurismo) e, por outro, vivê-lo com serena e altiva aceitação do destino (estoicismo). </li></ul>
  28. 30. <ul><li>O sujeito poético propõe a Lídia uma relação tranquila, sem envolvimento nem paixão, nem sequer emoção , como única forma de evitar o sofrimento provocado pela separação que a morte de um deles acarreta. Esse medo é tão grande, que a morte só é nomeada através dos eufemismos contidos nas expressões « se for sombra antes » e « se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio ». </li></ul>
  29. 33. <ul><li>Sossegadamente fitemos o seu curso / V ou F </li></ul><ul><li>Mais vale saber passar silenciosamente / V </li></ul><ul><li>Amemo-nos tranquilamente / V </li></ul><ul><li>Esse momento em que sossegadamente não cremos em nada (200) / V </li></ul>
  30. 34. <ul><li>A minha alma caiu pela escada excessivamente abaixo / Adv </li></ul><ul><li>Olham os cacos absurdamente conscientes / Adj </li></ul><ul><li>Os deuses olham-no especialmente / V </li></ul><ul><li>O que falta nelas eternamente / V </li></ul>
  31. 35. <ul><li>Amo infinitamente o finito / V </li></ul><ul><li>Desejo impossivelmente o possível / V </li></ul><ul><li>Perco-me subitamente da visão imediata / F ou V </li></ul><ul><li>recordar intransigentemente / V </li></ul>
  32. 36. <ul><li>acompanhamento banalmente sinistro / Adj </li></ul><ul><li>inconscientemente simbólico / Adj </li></ul><ul><li>terrivelmente ameaçador de significações metafísicas / Adj </li></ul>
  33. 37. <ul><li>que fosse misteriosamente minha / Adj ou V </li></ul><ul><li>beleza disto totalmente desconhecida dos antigos / Adj </li></ul><ul><li>de vos ouvir demasiadamente de perto / Prep </li></ul>
  34. 38. <ul><li>Sorrindo vagamente / V </li></ul><ul><li>As cousas sejam realmente o que parecem ser / V </li></ul>
  35. 39. <ul><li>«sossegada» > «sossegadamente»; </li></ul><ul><li>«silenciosa» > «silenciosamente» ; </li></ul><ul><li>«vaga» > «vagamente»; </li></ul><ul><li>«misteriosa» > «misteriosamente». </li></ul>
  36. 40. <ul><li>A vogal que era a tónica dos adjectivos, nos advérbios em –mente, ao contrário do que acontece em outras palavras derivadas, mantém-se aberta: [a], [ó], etc. (o acento original mantém-se como secundário, sem que a qualidade da vogal seja alterada). </li></ul>
  37. 41. <ul><li>Em estruturas coordenadas — do tipo «cómoda e eficazmente» ou, na canção dos Gato Fedorento, «nomeada, exacta e mormente» — pode colocar-se o sufixo apenas no último advérbio da série . </li></ul>
  38. 44. <ul><li>TPC </li></ul><ul><li>Ir tratando da tarefa grande (ver em Gaveta de Nuvens instruções; relancear e reservar poemas). </li></ul>

×