Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 9-10

1.093 visualizações

Publicada em

Aula 9-10

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.093
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
742
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 9-10

  1. 1. os média (ingl. mass media [ < lat. media, plural de medium, ‘meio’ ] ) os «media» os mass media | os mass media os media | os media os / a mídia (no Brasil)
  2. 2. No filme «Discurso do Rei» trata de No filme O Discurso do Rei trata de No filme O Discurso do Rei trata-se de O filme O Discurso do Rei trata de O filme O Discurso do Rei trata de
  3. 3. A influência influencia esdrúxula grave
  4. 4. Nos- -sa Nos- sa Guarda- -redes
  5. 5. No século XX, o advento de dois meios de comunicação que fizeram que o discurso e a imagem do orador chegassem a toda a população reorientou o modo de agir dos governantes. O sucesso da política passou a depender de competências de comunicação. A constatação, feita por Jorge V, de que, dado o surgimento da telefonia, a forma como os outros percecionavam o que o rei dizia se tornara decisiva («Agora, temos de entrar na casa das pessoas e ser-lhes simpáticos») tem correspondência no cartoon de Angel Boligan, onde um aparelho de televisão condiciona a mole que parece obedecer-lhe cega e submissamente.
  6. 6. Por hipérbole, na caricatura a televisão deixou de ser simples interme- diária de quem discursasse e apoderou-se das funções do orador, sem que o povo disso se apercebesse. O braço que fura o vidro simboliza o poder da forma e do meio, que já suplantaram conteúdo e agente.
  7. 7. tratamento. Que, diga-se já, não vale o de senhor tanto quanto em princípio pareceria prometer, pelo menos aqui na Conservatória Geral, onde o facto de todos se tratarem dessa maneira, desde o conservador ao mais recente dos auxiliares de escrita, não tem sempre o mesmo significado na prática das relações hierárquicas, podendo mesmo observar-se, nos modos de articular a breve palavra e segundo os diferentes escalões de autoridade ou os humores
  8. 8. do momento, modulações tão distintas como sejam as da condescendência, da irritação, da ironia, do desdém, da humildade, da lisonja, o que mostra bem a que ponto podem chegar as potencialidades expressivas de duas curtíssimas emissões de voz que, à simples vista, assim reunidas, pareciam estar a dizer uma coisa só. Com as duas sílabas de José, e as duas de senhor, quando estas precedem o nome, sucede mais ou menos o mesmo.
  9. 9. Vossa Excellencia Vocelencia (ou Vocencia) Dr. Silva / O senhor O sr. José da Silva Sr. José O José da Silva O Silva O José Vocemecê Você Tu
  10. 10. 14 (p. 17)
  11. 11. A = Derivação (afixação) por prefixação prefixo base incrível ressurgirem antepassado a. desuso d. anticorpos e. influir f. indiferente h. sobrenomes
  12. 12. B = Derivação (afixação) por sufixação base sufixo usado naturalmente bancárias b. probabilidade g. europeus
  13. 13. C = Composição radical palavra radical recém-nascidas psicóloga c. recém-chegado
  14. 14. D = Derivação por parassíntese prefixo base sufixo associadas apresentaríamos
  15. 15. Processos morfológicos de formação de palavras
  16. 16. Derivação com adição de constituintes morfológicos afixação (prefixação, sufixação, parassíntese) sem adição de constituintes conversão (ou derivação imprópria) derivação não afixal (ou derivação regressiva)
  17. 17. afixação por prefixação (invulgar; anti-rugas) por sufixação (vulgarmente) por prefixação e sufixação (invulgarmente) por parassíntese (engordar)
  18. 18. derivação não-afixal (ex-derivação regressiva) trocar > troca ténis > tene conversão (derivação imprópria) os prós e os contras [prep. > nome] o bem e o mal [adv. > nome]
  19. 19. Composição morfológica biblioteca; luso-descendente hipódromo; neurocirurgião morfossintática abre-latas; picapau
  20. 20. 15 (p. 18)
  21. 21. Estes nomes próprios vieram de nomes comuns e, num caso, de um adjetivo. Antes de serem apelidos, «Gordo», «Rato», «Sardinha» seriam alcunhas (o adjetivo «gordo»; os nomes comuns «rato» e «sardinha»). Quanto aos apelidos «Oliveira» e «Silva», é provável que viessem mais imediata- mente dos topónimos (e nomes próprios) «Oliveira» e «Silva», mas estes deriva- vam já dos nomes comuns «oliveira» e «silva».
  22. 22. 16 (p. 18)
  23. 23. A tua cabeça está a impedir-me de ver o filme. (parte do corpo) Comprei vinte cabeças de gado (unidades) És uma cabeça! (inteligência) Na cabeça do pelotão vinha o camisola amarela. (princípio)
  24. 24. No dia 25 de novembro comemora- se o Dia Internacional Contra a Violência Contra as Mulheres. A APAV alerta para a necessidade de se lutar contra a violência doméstica. A crescente intolerância à violência contra as mulheres — como testemunha o recurso à APAV (linha de apoio à vítima: 707 2000 77) — deve ser ainda aprofundada.
  25. 25. Também tem crescido o apoio da APAV aos processos contra crimes de violência doméstica, que aumentaram 9% em 2009, avultando os maus tratos, físicos e psíquicos, e os crimes sexuais. Subiram ainda os homicídios. A legislação e a justiça criminal devem ainda melhorar, acompanhando assim a intervenção de emergência prestada pelas organizações de apoio. Exige-se sobretudo a aplicação eficaz das medidas já previstas na lei.
  26. 26. A APAV lembra que cabe à sociedade e a cada cidadão combater a violência contra as mulheres e prestar apoio às suas vítimas. Nuno Catarino 2 3 7 5 nunocatarino@apav.pt
  27. 27. COMUNICADO é, muitas vezes, sinónimo de comunicação, informação ou nota informativa. Trata-se de um documento através do qual uma entidade dá a conhecer várias informa- ções, quer internamente, junto dos seus serviços, quer para o geral, por exemplo, através da comunicação social — comunicado de imprensa (press release). A finalidade do comunicado é simplesmente informar, deven- do o conteúdo veiculado ser verdadeiro, rigoroso e objetivo. Deverá ser redigido tendo em conta o público recetor e os objetivos que visa atingir.
  28. 28. Características do registo linguístico — Linguagem objetiva e clara marcada pela denotação; √ — Utilização da terceira pessoa do singular ou do plural; √ — Recurso a frases e a parágrafos curtos e de fácil compreensão. √
  29. 29. Estrutura do comunicado — Título (sucinto, atrativo e objetivo) e subtítulo; √ — Origem da informação (emissor); √ — Lead (informação essencial, presente nos primeiros parágrafos…); √ — Corpo do comunicado (não demasiado extenso e com o surgimento da informação em importância decrescente); √ — Fecho (data e entidade responsável: nome, morada, endereço de correio eletrónico, contacto telefónico...). √
  30. 30. impaciência, aborrecimento || Ui!, Bolas!, Poça!, Arre!, Apre!, Irra!, Hem!, M[...]a!, F...-se || Raios te partam!, Ora bolas!
  31. 31. reclamação, repulsa, rejeição || Hei!, Abaixo!, Safa!, Fora!, Arreda!, Cocó!, Faça-se amor!
  32. 32. TPC Resolve (estuda) as pp. 18-20 do Caderno de Atividades, sobre ‘Processos morfológicos de formação de palavras’. Reproduzi-las-ei em Gaveta de Nuvens. Também podes relancear umas páginas de gramática sobre o mesmo assunto (destacarei o link).

×