Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 41-42

878 visualizações

Publicada em

Aula 41-42

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
516
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 41-42

  1. 1. açougue talho bulir mexer(-se) legatário herdeiro a mesma mulher a própria mulher pleito questão judicial gentio pagão sevícia mau trato físico boquear abrir a boca para respirar sofregamente; agonizar pique lança varredura o que se recolhe ao varrer sacadela safanão
  2. 2. TPC — Prepara leitura em voz alta do cap. IV do «Sermão» (pp. 119-122). Os do grupo A, leem ll. 1-30; os do grupo B, ll. 31-56; os do C, ll. 57-80; os do D, ll. 81-116. Em Gaveta de Nuvens, lêas instruções para a tarefa sobre livro lido.
  3. 3. Como o Padre António Vieira já anunciara (cap. II, p. 110, l. 22), o capítulo IV vai ser de repreensão dos peixes. São dois os motivos dessa crítica (como verás já nas pp. 119-122):
  4. 4. 1. {ll. 4-5} os peixes comem-se uns aos outros.
  5. 5. 2. {ll. 81-87} os peixes investem cega- mente ao isco. Depois de apresentar estas caracte- rísticas dos peixes, o orador mostra que os homens incorrem nos mesmos erros:
  6. 6. 1. os homens são comidos por outros homens, quando morrem {ll. 17-30} e quando são julgados {ll. 34-39}.
  7. 7. 2. os homens seguem cegamente os seus engodos, quando combatem (por galardões) {ll. 88-97} e quando se deixam explorar em troca de vestuário/por pura vaidade {ll. 101-114}.
  8. 8. Traça-se uma analogia entre os peixes que se comem (os maiores comem os mais pequenos, o que aliás torna o caso mais grave) e os homens que também estão sempre a procurar «comer» o seu semelhante (entenda-se: enganar ou dominar os outros). Também se infere que são os mais poderosos a prejudicar os mais frágeis.
  9. 9. Quando se diz «peixes [...] vos comeis uns aos outros» (ll. 3-4), a aceção de «comer» que se pode considerar mais próxima é ‘devorar’; quando se pergunta «Cuidais que só os Tapuias se comem uns aos outros?» (l. 19), «comer» equi-vale a ‘devorar’; em «andarem buscando os homens [...] como se hão-de comer» (ll. 22-23), «comer» tem o sentido de ‘enganar, trair, explorar’.
  10. 10. No contexto do sermão — pregado no Maranhão, em 1654, a uma audiência de colonos brancos —, a referência ao sertão e aos índios (dizendo aos ouvin- tes que não julgassem serem os índios aqueles que o orador estava a criticar) visava culpabilizar os colonos e aludir à exploração que exerciam sobre os nativos.
  11. 11. Marlim é um pai super-protetor. Como prefere que Nemo fique confinado a um espaço doméstico (melhor: «anemonar»), tudo faz para que nem às aulas o filho vá. Não parece ser da estirpe dos seus irmãos peixes que, como se lembra no «Sermão» (cap. II, pp. 111-112, 64-88), são indomáveis e indomesticáveis (ao contrário de cão, cavalo, boi, bugio, e
  12. 12. até, leões e tigres; papagaio, rouxinol, açor, aves de rapina). E, no entanto, comunga de uma característica que o Padre louva nos peixes (p. 11l. 73), a desconfiança relativamente aos homens.
  13. 13. Menos medroso ou por reação ao feitio do pai, Nemo arrisca ir investigar um barco, o que lhe trará depois graves dissabores. Ao invés, a pequena rémora (p. 115, ll. 40-54), se procura barcos, é para se lhes agarrar e, se necessário, conduzi-los ou bloqueá-los. O Padre Vieira comparará a força da rémora com a força da língua de Santo António (ll. 55- 64).
  14. 14. Nemo é caçado por um mergulha- dor. Fosse ele um torpedo, aka raia elétrica (pp. 115-116, ll. 64-71), e nada disso acontecia: decerto aproveitaria o facto de ser capaz de gerar energia (como quando as raias fazem tremer o braço dos pescadores que seguram as canas a cujo isco se agarram).
  15. 15. Dóri e Marlim conseguem defender- se de um ataque de gaivotas. Porém, se tivessem as qualidades do quarenta e quatro-olhos (p. 116, ll. 89-107), que pode vigiar o que se passa em cima e em baixo, nem aves nem peixes os surpreenderiam.
  16. 16. Tanto o ataque inicial de uma barracuda a Coral (que torna Nemo órfão de mãe) como os tubarões que Dóri e Marlim conhecem, apesar de estarem num progra- ma de ajuda para vencerem os seus instin- tos predadores, corroboram o que nos diz o Padre Vieira como primeira repreensão aos peixes (cap. IV, p. 119): os peixes comem- se uns aos outros (e, por azar, são sempre os grandesque comem os pequenos — se fosse ao contrário, «era menos mal»).
  17. 17. TPC — Prepara leitura em voz alta do cap. IV do «Sermão» (pp. 119-122). Os do grupo A, leem ll. 1-30; os do grupo B, ll. 31-56; os do C, ll. 57-80; os do D, ll. 81-116. Em Gaveta de Nuvens, lêas instruções para a tarefa sobre livro lido.

×