Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 53-54

1.129 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.129
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
723
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 53-54

  1. 1. Peroração — Última parte dodiscurso, competindo-lhe suscitar aimpressão decisiva no auditório, que sepretende convencer e persuadir. Tem doisdesenvolvimentos típicos: recapitulaçãodos argumentos e mobilização dosafectos ou paixões.
  2. 2. 1despidodespeçoO Padre Vieira usa a forma verbal maisantiga da 1.ª pessoa do Presente doIndicativo de «despedir», mas a forma queusamos atualmente resulta de analogiacom as de outros verbos (cfr. «posso»,«meço», «peço»).
  3. 3. Despido > Despeço Peço PossoDespedes Pedes PodesDespede Pede PodesDespedimos Pedimos PodemosDespedis Pedis PodeisDespedem Pedem Podem
  4. 4. *SaboSabesSabeSabemosSabeisSabem
  5. 5. 2vadesvadesÉ esta a forma da 2.ª pessoa do plural doPresente do Conjuntivo de «ir»; noentanto, se tivermos em conta que seusaria agora a 3.ª pessoa do plural (porqueo tratamento seria «vocês» e não «vós»), aforma comum seria «vão».
  6. 6. Presente do Conjuntivo de IR(que eu) vá vás vá vamos vades vão
  7. 7. Presente do Indicativo de IR(eu) vou vais vai vamos ides vão
  8. 8. 2outrooutro sermãoLembremos que o Padre Vieira tinha iapartir para Portugal (aliás, em parte, paradefesa dos índios), pelo que aquele seria,durante tempo, o último sermão que lheouviriam os colonos.
  9. 9. 13 de junho de 1654
  10. 10. 3muimuitoO advérbio «mui» resulta de uma apócope(supressão do som final — cfr. p. 325) de«muito» (como «São» resulta de apócopede «Santo»).
  11. 11. 3ficastesficastesÉ esta a 2.ª pessoa do plural do Pretérito Perfeito,embora, como quase já não usemos esta pessoa, aforma nos pareça incorreta (se tivéssemos emconta que usaríamos hoje a 3.ª pessoa do plural —«vocês, peixes» —, teríamos a forma «ficaram»).
  12. 12. Pretérito Perfeito de FICAReu fiquei ficaste ficou ficámos ficastes ficaram
  13. 13. 8habitadoreshabitantesOs peixes são os habitantes do elementoque é matéria do primeiro sacramento(cfr. infra), a água.
  14. 14. •aqueles que habitam o elemento que é matéria do primeiro sacramento = ‘os peixes’
  15. 15. 9primeiro sacramentobatismoOs sete sacramentos são Batismo,Confirmação, Comunhão, Penitência,Extrema unção, Ordem, Matrimónio (amatéria do Batismo é a água).
  16. 16. 13pregarapregasseAté tarde o Pretérito Mais-que-perfeitoserviu em casos em que hoje temos deusar o Imperfeito do Conjuntivo.
  17. 17. Mais-que-perfeito Imperfeito do Conjuntivodo Indicativose eu pregara* se eu pregasse
  18. 18. 13OhOh,É a interjeição (não é a expressão que seapõe a um vocativo), mas, hoje,usaríamos a seguir uma vírgula ou umponto de exclamação.
  19. 19. 22alvedrioarbítrioHoje, preferiríamos a outra palavra do parde divergentes resultantes do lat.ARBITRIUM (a palavra que hoje maisusamos é a que nos chegou por viaerudita; a palavra usada por Vieira é a dachamada «via popular»).
  20. 20. 31-32de um homem que tinha as mesmasobrigaçõesde JudasEste apóstolo tinha as mesmasobrigações de Vieira e traiu-as (por issoVieira diz correr também esse risco).
  21. 21. 30do seu divino acatamentode Deus«Acatamento» é a presença ou vista depessoa divina a quem se devereverência.
  22. 22. 38tantotão grande«Tão» deve ser a forma reduzida(apocopada) de «tanto». Antes deadjetivos é essa a forma do advérbio (nãose confunda o advérbio «tão/tanto» com oquantificador «tanto(s)», «tanta(s)»).
  23. 23. 41um elemento tão largo e tão puroa águaO elemento onde vivem os peixes.
  24. 24. 42aqueles que convosco e de vós viviamos apóstolos Tiago, João, Simão e AndréEstes apóstolos eram pescadores e, porisso, mais especialmente serelacionavam com peixes.
  25. 25. A.A primeira frase refere-se ainda àadvertência com que terminou o capítuloV e introduz a conclusão do sermão.
  26. 26. B.Para consolo dos peixes, o pregadorrefere que ficaram afastados dossacrifícios a Deus pelo facto de nãopoderem chegar vivos ao altar, nãotendo sido excluídos por qualquer outromotivo.
  27. 27. C.Associando esta ideia aos homens,considera que o mesmo deveriaacontecer com eles, para as suas almasnão chegarem ao altar em pecado mortal.
  28. 28. D.O pregador considera-se inferior aospeixes, como todos os homens são, porser racional.
  29. 29. E.Na sua "bruteza" (l. 21), os peixesofendem a Deus com palavras, com amemória, com o entendimento e com avontade.Os peixes não ofendem a Deus.
  30. 30. F.Os humanos não cumprem as suasobrigações perante Deus, pelo que ofacto de os peixes cumprirem os finspara que foram criados deverá ser paraeles motivo de contentamento.
  31. 31. G.As exortações finais ao louvor a Deus,numa estrutura paralelística, reforçamaspetos negativos dos peixes.Reforçam os aspetos positivos dospeixes
  32. 32. H.Após a bênção, termina o sermão numaestrutura em quiasmo, aludindo àincapacidade de "graça" e "glória" (ll. 46-47) dos peixes e, por analogia, do seuauditório real.
  33. 33. nem de glória nem de graça em graça e glória Que vistes, meus olhos? Meus olhos, que vistes
  34. 34. Terminado o sermão, os peixes —vamos supor que eram eles a assistência(ou que também tinham ouvido o sermão)—, fazem sair um comunicado (entre pp. 36-41,estuda-se este tipo de texto, que já demos). Escreve esse comunicado. (O registo e a estrutura serão os apropria-dos a comunicados. O que se abordará faráalguma alusão ao sermão proferido pelo PadreAntónio Vieira. De resto, há imensa margem de manobra.)
  35. 35. TPC — Relanceia programas detelevisão sobre o «Sermão de SantoAntónio» e o Padre António Vieira que pusno blogue. (Não esquecer também de ir tendo àmão — e começar a ler — Os Maias.) E, se não fizeste ainda a gravação,trata disso até 14/15 de janeiro.

×