Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 119-120

377 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
175
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 119-120

  1. 1. Depois de lançadas as emendas nas análises de canções, não esquecer de me enviar a versão limpa.
  2. 2. Quem tenha meus de que já não precise traga-mos, por favor.
  3. 3. • Ir revendo gramática. • Enviar rapidamente a canção, para eu ainda a trazer e poderem emendar e voltar a enviar. • É muito grave falhar trabalho de bibliofilme (baixará muito a classificação).
  4. 4. Espalhou-se logo a notícia de que uma cara nova se passeava pela marginal: uma senhora com um cãozinho. Dmítri Dmítritch Gúrov, com duas semanas de Ialta, já se adaptara o bastante para também se interessar por quem chegava de novo. Sentado no café Vernet, viu a senhora a passar na marginal: uma loura jovem e nada alta, de boina; atrás dela corria um spitz branco. Depois voltou a cruzar-se com ela, várias vezes ao dia, no jardim municipal e no parque. Sempre sozinha, a mesma boina, o spitz branco atrás; ninguém sabia quem era, diziam simplesmente: a senhora do cãozinho.
  5. 5. «Sozinha aqui, sem marido nem amigos — congeminava Gúrov —, valia a pena conhecê-la.» Gúrov não chegara aos quarenta anos mas já tinha uma filha de doze e dois rapazes no liceu. Haviam-no casado cedo, ainda no seu segundo ano da universidade, de maneira que a esposa, agora, parecia ter o dobro da idade dele. Era uma mulher alta, de sobrancelhas escuras, muito direita, solene, ar importante e, como dizia ela de si, uma pensadora. Lia muito, nas cartas já
  6. 6. [...]
  7. 7. Achava-se com suficiente e amarga experiência para lhes chamar o que quisesse, mas nem dois dias podia passar sem a «raça inferior». Não se sentia bem na companhia dos homens, aborrecia-se, era frio, pouco loquaz; mas, entre as mulheres, ficava logo à vontade, com elas sabia como se portar, como falar, até como se calar. Na sua aparência, no seu feitio, em toda a sua natureza havia alguma coisa que atraía, lhe ganhava a simpatia das mulheres, que as seduzia; Gúrov sabia-o, e também uma força qualquer o puxava para elas.
  8. 8. [...]
  9. 9. Estava então uma vez, pelo entardecer, a almoçar no jardim e viu que a senhora da boina se aproximava sem pressas, com a intenção de ocupar a mesa perto da sua. A expressão, o andar, a roupa, o penteado, tudo lhe dizia que a mulher era da boa sociedade, casada, em Ialta pela primeira vez e que se aborrecia. Nas histórias sobre a pouca-vergonha dos hábitos locais havia muita mentira e Gúrov desprezava-as, sabia que tais histórias eram inventadas por pessoas que se soubessem pecar também
  10. 10. pecavam, mas, quando a senhora se sentou à mesa ao lado, a uns três passos dele, vieram-lhe à memória essas histórias de conquistas fáceis, de escapadelas para os montes, e a ideia sedutora de uma relação leve e passageira, a ideia de romance com a desconhecida de quem não sabia sequer o nome, dominou-o repentinamente.
  11. 11. prefixação: invulgar, sorrir, desconhecer sufixação: chatice, totalidade, igualmente chinfrineira, sintonizar.
  12. 12. prefixação e sufixação: desprevenido, desagradável. parassíntese: adormecer, transbordar.
  13. 13. conversão: [um] chato, [o] acordar, [os] Já Fumega (< já fumega) derivação não afixal: visita, gajo, transtorno, troca. «visita», «transtorno» e «troca» = deverbais.
  14. 14. composição morfológica: aeromodelismo, filatelia, psicólogo, telenovela. composição morfossintática: caixa-de- -óculos, passatempo.
  15. 15. Por retórica ou por convicção, Abel Xavier assumiu que «treinador», «lutador» e «vencedor» seriam formados por composição morfossintática («treinador» = ‘treina a dor’; «lutador» = ‘luta a dor’; «vencedor» = ‘vence a dor’).
  16. 16. Na verdade, trata-se de palavras derivadas por sufixação, constituídas pelas formas de base «treina(r)», «luta(r)» ou «vence(r)» a que se acrescentou o afixo/sufixo -dor. Este sufixo de nominalização tem o significado de ‘profissão, agente’, inscrevendo-se num grupo de sufixos que servem para formar
  17. 17. nomes agentivos: -ário («empresário», «bancário»); -ino («campino», «bailarino»); -eiro («carteiro», «porteiro»); -ista («pianista», «motorista»); -nte («estudante», «pedinte»).
  18. 18. O ex-treinador do Olhanense comete ainda um lapso, ao criar a palavra «eficacidade» (em vez de «eficácia»). Porém, foi um erro com lógica. Entre os vários sufixos de nominalização que significam ‘qualidade, estado, propriedade’ estão -idade («velocidade») e -ia («alegria»), ao lado de, por exemplo, -ice («tolice») e -ura («ternura»). Só que ao adjetivo «eficaz» cabe o sufixo -ia (e não -idade).
  19. 19. TPC — À medida que eu for devolvendo as análises-comentários de canções já corrigidas, e depois de lançadas as emendas que eu tiver feito, não te esqueças de me enviar a versão limpa.
  20. 20. Leituras para Liga dos Campeões: os do jogo M devem preparar «Perfilados de medo» (p. 204); os do jogo N, «Ars Poetica» (198). Leituras para Liga Europa: os do jogo 1 prepararão «Para atravessar contigo o deserto do mundo» (222) e «Paixão» (226); os do jogo 2, «Palavras» (p. 188) e «A vida» (212); os do jogo 3, «Se alguém parasse e respirasse uma palavra» (195) e «Paixão»; os do jogo 4, «Introito» (221) e «A vida» (212).

×