Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 60

2.219 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.302
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 60

  1. 1. Depois de lançadas as emendas nasanálises de canções, não esquecer deme enviar a versão limpa.
  2. 2. Anotar o tepecê no caderno.
  3. 3. O filme começa num espaço (EUA) enum tempo (atualidade) que serãoabandonados pouco depois. Nesse primeironível narrativo, a figura principal parece sero maestro Pierre Morhange. Ficamos asaber que é pessoa bem sucedida. Mesmoantes de ambos de terminado o concerto esair, intuímos que a sua mãe terá morrido.Por isso, quando vemos depois um enterro,percebemos que estamos agora noutroespaço, em França, mas ainda no presente,em França.
  4. 4. O funeral é o pretexto natural paraconhecermos mais uma personagem,Pépinot. Até aqui não há narrador (numconto, haveria decerto um narrador de 3.ªpessoa, heterodiegético, mas talvez comfocalização através de Pierre — isto é,que nos apresentasse os acontecimentosfiltrados sobretudo pela perspetiva domaestro). O reencontro dos dois colegaspermite datar a ação da narrativaencaixada que se vai seguir: foi há «unscinquenta anos».
  5. 5. Antes de chegarmos a esse segundonível narrativo, a personagem secundáriaPépinot funciona — brevemente — comonarrador homodiegético (narrador de açãotestemunhada mas não vivida como herói),ao explicar como lhe chegou às mãos odiário que vai constituir a narrativaencaixada. Faz uma ponte entre os doisníveis narrativos.
  6. 6. Aberto o diário, olhada a foto deconjunto (que favorece a identificaçãodas personagens e a transição entretempos e espaços), o narrador passa aser Clément Mathieu. É um narradorhomodiegético (aliás, autodiegético, jáque é a personagem principal do que vaicontar). Entramos numa analepse, quenos faz recuar até 1949, e, por bastantetempo, vamos esquecer os doissexagenários que abriram o diário doantigo professor.
  7. 7. TPC — Prepara leitura expressiva dos seguintes dois poemas (fica entre parênteses retos por quem a leitura dos poemas deve ser preparada):• «Poética» (199) [participantes nos jogos I e K da Liga dos Campeões]• «Conheço esse sentimento» (220) [participantes nos jogos I e K]• «Discurso ao Príncipe de Epaminondas, mancebo de grande futuro» (215) [participantes nos jogos J e L]• «Encontro» (223) [participantes nos jogos J e L]
  8. 8. • «Depoimento [Miguel Torga]» (206) [Liga Europa, grupos I e II]• «Cordial» (207) [Liga Europa, grupos I e II]• «O relógio [Vinicius de Moraes]» (208) [Liga Europa, grupos III e IV]• «O relógio — adereço conceptual para usar no pulso» (208) [Liga Europa, grupos III e IV]• Os infelizes que já só estão a disputar jogos particulares devem preparar dois poemas dos da Liga Europa ou um dos da Champions.

×