Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 20

3.074 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.074
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.401
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 20

  1. 2. <ul><li>Pedalei como se fugisse. E eu fugia. Dela, das sensações, das recordações, de tudo. Pensei que depois esquecia, tinha a certeza de que ia conseguir esquecer. </li></ul><ul><li>Mas, agora que estou velho e que desperdicei a vida, agora que conheci tantas mulheres que me disseram «Lembra-te de mim», tendo-as esquecido a todas, ainda hoje ela é a única que eu nunca esqueci . Malena. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Mas, agora que estou velho e </li></ul><ul><li>temporal pessoal/temporal </li></ul><ul><li>que desperdicei a vida, agora que </li></ul><ul><li>pessoal temporal </li></ul><ul><li>conheci tantas mulheres que me </li></ul><ul><li>pessoal pessoal </li></ul><ul><li>disseram «Lembra-te de mim», tendo-as </li></ul><ul><li>esquecido a todas, ainda hoje ela é a </li></ul><ul><li>temporal </li></ul><ul><li>única que eu nunca esqueci . Malena. </li></ul><ul><li>pessoal temporal pessoal </li></ul>
  3. 4. <ul><li>«E aqui está...» (p. 135) </li></ul><ul><li>1.1. O narrador refere-se aos sogros . </li></ul>
  4. 5. <ul><li>1.2. O sogro do narrador é cuidadoso (« penteadinho », «todo catita», «fez a barba com mais cuidado »), submisso («não sei como pobre aguentava», « obediente »). </li></ul>
  5. 6. <ul><li>A sogra é, quase doentiamente, minuciosa («com as minúcias habituais», «a endireitar-lhe o casaco, a limpar com a ponta do lenço o que não estava sujo na cara») e perfecionista (« a inventar um traço que ninguém notou », «por vontade dela engraxava a sola também»). </li></ul>
  6. 7. <ul><li>2. Enquanto o pintor do quadro na p. 134 parece retratar os pais com carinho, neste trecho de Lobo Antunes são destacados os traços menos agradáveis/simpáticos de cada um dos parentes. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>2.1 O recurso estilístico que mais contribui para expressar essa atitude crítica relativamente às duas figuras é a ironia, presente, por exemplo, no uso de expressões paternalistas («todo catita»), nelas se incluindo os diminutivos (« penteadinho », gorducho»). </li></ul>
  8. 9. <ul><li>[Vê o cimo da p. 336, com valores do diminutivo. No caso dos supracitados diminutivos reconheceríamos valores de ironia/sarcasmo, mas talvez também de depreciação e até de carinho/afecto .] </li></ul>
  9. 10. <ul><li>«Retrato do artista quando jovem» (pp. 141-142) </li></ul><ul><li>1./1.1 O «artista» mencionado no título e o narrador são a mesma entidade («resolvi», «meu», «cheguei», «experimentei», «fiquei», «me», entre muitas outras, são marcas desse narrador homodiegético). </li></ul>
  10. 11. <ul><li>1.2 Trata-se de crónica de cariz autobiográfico, ao longo da qual o narrador se retrata enquanto criança e adolescente. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>2. Reflectir sobre a sua infância e sobre a opção por uma carreira artística . </li></ul>
  12. 13. <ul><li>3. Desde «Estranho» (linha 39) a « admiro » (linha 47 ). </li></ul>
  13. 14. <ul><li>3.1 Comparação por exclusão. </li></ul><ul><li>3.2 Permite ao narrador apresentar-se e, ao mesmo tempo, descrever o escritor português tipo, de cuja imagem pretende afastar-se . </li></ul>
  14. 15. <ul><li>4. </li></ul><ul><li>a) «em», « a », « com », «de». </li></ul>
  15. 16. <ul><li>b) « franjinhas », «sapatos». </li></ul>
  16. 17. <ul><li>c) « resolvesse ». </li></ul><ul><li>d) «outrora». </li></ul>
  17. 19. <ul><li>boazinha / boa / adjectivo </li></ul><ul><li>espetadinhas / espetada / nome (< adjetivo) </li></ul><ul><li>franguinho / frango / nome </li></ul><ul><li>lombinhos / lombo / nome </li></ul><ul><li>campinho / campo / nome </li></ul><ul><li>guisadinhas / guisada / adjetivo </li></ul><ul><li>linguinha / língua / nome </li></ul><ul><li>coelhinho / coelho / nome </li></ul>
  18. 20. <ul><li>saborzinho / sabor / nome </li></ul><ul><li>gostosinho (gostos[oz]inho) / gosto (gostoso) / nome (adjetivo) </li></ul><ul><li>molhozinho / molho / nome </li></ul><ul><li>porquinho / porco / nome </li></ul><ul><li>gustativinhas / gustativas / adjetivo </li></ul><ul><li>peruzinho / peru / nome </li></ul><ul><li>suculentozinho / suculento / adjetivo </li></ul><ul><li>peixinho / peixe / nome </li></ul>
  19. 21. <ul><li>talhinho / talho / nome </li></ul><ul><li>poucochinho / pouco / advérbio </li></ul><ul><li>tempinho / tempo / nome </li></ul><ul><li>parvalhãozinho / parvalhão / adjetivo ou nome </li></ul><ul><li>cretinazinha / cretina / adjetivo </li></ul><ul><li>talhantezinho / talhante / nome </li></ul><ul><li>pegazinha / pega / nome ou adjetivo </li></ul><ul><li>ruinha! / rua! / interjeição </li></ul>
  20. 22. <ul><li>Os sufixos diminutivos dão à palavra primitiva valores variados (pequenez, estima, desprezo, etc.). Neste caso, a maioria dos diminutivos visava dar mostras de estima , sendo os últimos, depois de se perceber que a cliente não ia comprar carne, de ironia . </li></ul>
  21. 23. <ul><li>Vê também como a ligação do sufixo - inho à palavra primitiva pode requerer alguma ligação suplementar (com - z- ou com outra consoante) — molhozinho , poucochinho , cretinazinha — ou não — ruinha . </li></ul>
  22. 24. <ul><li>Um quil inho de kunami. </li></ul><ul><li>N N </li></ul><ul><li>É kunami do bom. </li></ul><ul><li>N A </li></ul><ul><li>É fruta tropical raríssima. </li></ul><ul><li>N A A </li></ul><ul><li>Paiz inho ! </li></ul><ul><li>N </li></ul>
  23. 25. <ul><li>Isto é bom, muito raro. </li></ul><ul><li>A A </li></ul><ul><li>Por isso o preço é upa-upa, puxad ote . </li></ul><ul><li>N (A) A </li></ul><ul><li>Olh'ò kunami fresqu inho ! </li></ul><ul><li>N A </li></ul><ul><li>Isto é só fruta podre. </li></ul><ul><li>N A </li></ul>
  24. 26. <ul><li>É preciso ter um gosto sofisticado. </li></ul><ul><li>N A </li></ul><ul><li>Doc inho ... Maravilha! </li></ul><ul><li>A N </li></ul><ul><li>Isto faz um sum inho ... </li></ul><ul><li>N </li></ul><ul><li>Alface velha, ameixas podres, ... </li></ul><ul><li>N A N A </li></ul>
  25. 27. <ul><li>Com todo o respeito, a sua mulher é uma pega. </li></ul><ul><li>A N N </li></ul><ul><li>É um bocad inho , é. </li></ul><ul><li>N </li></ul><ul><li>Ainda há gente simpática. </li></ul><ul><li>N A </li></ul>
  26. 28. <ul><li>TPC </li></ul><ul><li>Enquanto revisão, no manual lê a secção ‘Relações semânticas entre as palavras’ (pp. 314-316). Depois, no Caderno de Actividades , e talvez durante toda a semana, vai resolvendo — desportivamente, digamos — os exercícios relativos a ‘Relações entre as palavras’ (pp. 28-37), cujas correções estão na p. 90. </li></ul>

×