<ul><li>Numa autobiografia há  identidade   entre narrador e  autor .  </li></ul>
<ul><li>A narrativa autobiográfica é  retrospectiva  («retro» = ‘para trás’), porque o narrador-autor se situa num dado mo...
<ul><li>Resumindo o que se diz no parágrafo:  numa autobiografia, parte-se do princípio de que  o narrador fala de si próp...
<ul><li>  n = a | ind. | cont. </li></ul><ul><li>autobiografia |  Sim  |  Sim  |  Sim </li></ul><ul><li>memórias  |  Sim  ...
<ul><li>  | 1 | 1/3 | n=a | n≠a | </li></ul><ul><li>romance autobiográfico  X   X </li></ul><ul><li>autobiografia fictícia...
<ul><li>  | 1 | 1/3 | n=a | n≠a | </li></ul><ul><li>romance autobiográfico  X  X </li></ul><ul><li>autobiografia fictícia ...
 
<ul><li>1 / V </li></ul><ul><li>2 / V </li></ul><ul><li>3 / V </li></ul><ul><li>4 / V </li></ul><ul><li>5 / V </li></ul><u...
<ul><li>7 /  F </li></ul><ul><li>8 / V </li></ul><ul><li>9 /  F </li></ul><ul><li>10 /  F </li></ul><ul><li>11 / V </li></...
<ul><li>13 /  F </li></ul><ul><li>14 / V </li></ul><ul><li>15 /  F </li></ul><ul><li>16 / V </li></ul><ul><li>17 / V </li>...
 
<ul><li>Fazer  margem , sempre que haja novo parágrafo. E escrever  até à linha , no lado direito, a não ser que haja fim ...
<ul><li>E para quê estar sempre a fazer parágrafos?  Não é preciso que cada período seja um novo parágrafo.  Só se mudarmo...
<ul><li>Ele  chegou, depois  ele  saiu e  eu  fiquei só. Só que em português não é preciso estar sempre a usar pronomes. P...
<ul><li>2  amigos </li></ul><ul><li>dois  amigos </li></ul>
<ul><li>há  uns tempos </li></ul><ul><li>há  pouco tempo </li></ul><ul><li>há  cinco minutos  </li></ul>
<ul><li>vou apanh á -la </li></ul><ul><li>tu vais vend ê -lo </li></ul>
<ul><li>Dedicado  ao  Alexandre O’Neill </li></ul><ul><li>Dedicado a Alexandre O'Neill  </li></ul><ul><li>O  Eça de Queiró...
<ul><li>fulano  demonstra  tristeza </li></ul><ul><li>fulano mostra tristeza </li></ul>
<ul><li>é uma das  únicas  coisas </li></ul><ul><li>é uma das  poucas  coisas </li></ul><ul><li>é a única coisa </li></ul>
<ul><li>um dos objectos que mais me  marcou </li></ul><ul><li>um dos objectos que mais me  marcaram </li></ul>
<ul><li>fizemos </li></ul><ul><li>pusemos </li></ul><ul><li>dissemos </li></ul>
<ul><li>muito giro </li></ul><ul><li>muito </li></ul>
<ul><li>estalactites </li></ul><ul><li>estalagmites </li></ul>
<ul><li>sozinho </li></ul>
<ul><li>«basket» </li></ul><ul><li>básquete / basquetebol </li></ul><ul><li>futebol </li></ul>
<ul><li>ter a ver com </li></ul>
<ul><li>da </li></ul><ul><li>está na hora de a aula começar </li></ul><ul><li>  do </li></ul><ul><li>depois de o meu pai c...
 
<ul><li>2.1.  «A solidão perfumada dos montes»; «o silêncio doirado das estrelas».   </li></ul>
<ul><li>2.2.  A natureza salvou-o não uma, mas três vezes. </li></ul>
<ul><li>3.1.  Foram os pobres, essa gente ignorada, que fizeram pensar o autor.  </li></ul>
<ul><li>4.1.  O Senhor José tem oitenta anos, calmo, com o cabelo branco, vestido pobremente, calçando socos.  </li></ul>
<ul><li>5.  Sim: «Tudo desliza sobre ele como uma trave. Sabe lavrar, cavar, podar.»  </li></ul>
<ul><li>6.1.  As pessoas que trabalham a terra levam horas a comer porque sabem o que custa produzir o pão que comem, ente...
<ul><li>7.  Agricultura.  </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 31 32

496 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
496
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 31 32

  1. 2. <ul><li>Numa autobiografia há identidade entre narrador e autor . </li></ul>
  2. 3. <ul><li>A narrativa autobiográfica é retrospectiva («retro» = ‘para trás’), porque o narrador-autor se situa num dado momento (o do acto de enunciação ), que é presente, e o seu relato vai recuar até à infância , provavelmente. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Resumindo o que se diz no parágrafo: numa autobiografia, parte-se do princípio de que o narrador fala de si próprio e com verdade . </li></ul>
  4. 5. <ul><li> n = a | ind. | cont. </li></ul><ul><li>autobiografia | Sim | Sim | Sim </li></ul><ul><li>memórias | Sim | Não | Sim (?) </li></ul><ul><li>diário | Sim | Sim | Não </li></ul>
  5. 6. <ul><li> | 1 | 1/3 | n=a | n≠a | </li></ul><ul><li>romance autobiográfico X X </li></ul><ul><li>autobiografia fictícia X X </li></ul><ul><li>autobiografia verídica X X </li></ul>
  6. 7. <ul><li> | 1 | 1/3 | n=a | n≠a | </li></ul><ul><li>romance autobiográfico X X </li></ul><ul><li>autobiografia fictícia X X </li></ul><ul><li>autobiografia verídica X X </li></ul><ul><li>diário fictício X X </li></ul><ul><li>diário verídico X X </li></ul><ul><li>memórias fictícias X X </li></ul><ul><li>memórias verídicas X X </li></ul>
  7. 9. <ul><li>1 / V </li></ul><ul><li>2 / V </li></ul><ul><li>3 / V </li></ul><ul><li>4 / V </li></ul><ul><li>5 / V </li></ul><ul><li>6 / V </li></ul>
  8. 10. <ul><li>7 / F </li></ul><ul><li>8 / V </li></ul><ul><li>9 / F </li></ul><ul><li>10 / F </li></ul><ul><li>11 / V </li></ul><ul><li>12 / V </li></ul>
  9. 11. <ul><li>13 / F </li></ul><ul><li>14 / V </li></ul><ul><li>15 / F </li></ul><ul><li>16 / V </li></ul><ul><li>17 / V </li></ul><ul><li>18 / V </li></ul><ul><li>19 / V </li></ul><ul><li>20 / V </li></ul>
  10. 13. <ul><li>Fazer margem , sempre que haja novo parágrafo. E escrever até à linha , no lado direito, a não ser que haja fim de parágrafo. </li></ul><ul><li>Como agora: houve parágra-fo e só por isso deixei espaço na linha anterior (e abri uma margem). </li></ul>
  11. 14. <ul><li>E para quê estar sempre a fazer parágrafos? Não é preciso que cada período seja um novo parágrafo. Só se mudarmos de assunto, é que há lugar a mudan-ça de parágrafo. </li></ul><ul><li>O Benfica tem sempre imensa sorte. Vêem: só mudei de parágrafo, porque o assunto é agora bem diferente. </li></ul>
  12. 15. <ul><li>Ele chegou, depois ele saiu e eu fiquei só. Só que em português não é preciso estar sempre a usar pronomes. Posso dizer: « Chegou, depois saiu e fiquei só ». </li></ul>
  13. 16. <ul><li>2 amigos </li></ul><ul><li>dois amigos </li></ul>
  14. 17. <ul><li>há uns tempos </li></ul><ul><li>há pouco tempo </li></ul><ul><li>há cinco minutos </li></ul>
  15. 18. <ul><li>vou apanh á -la </li></ul><ul><li>tu vais vend ê -lo </li></ul>
  16. 19. <ul><li>Dedicado ao Alexandre O’Neill </li></ul><ul><li>Dedicado a Alexandre O'Neill </li></ul><ul><li>O Eça de Queirós </li></ul><ul><li>Eça de Queirós </li></ul><ul><li>O Cristiano Ronaldo marcou aos 23 minutos </li></ul><ul><li>Cristiano Ronaldo marcou aos 23 minutos </li></ul>
  17. 20. <ul><li>fulano demonstra tristeza </li></ul><ul><li>fulano mostra tristeza </li></ul>
  18. 21. <ul><li>é uma das únicas coisas </li></ul><ul><li>é uma das poucas coisas </li></ul><ul><li>é a única coisa </li></ul>
  19. 22. <ul><li>um dos objectos que mais me marcou </li></ul><ul><li>um dos objectos que mais me marcaram </li></ul>
  20. 23. <ul><li>fizemos </li></ul><ul><li>pusemos </li></ul><ul><li>dissemos </li></ul>
  21. 24. <ul><li>muito giro </li></ul><ul><li>muito </li></ul>
  22. 25. <ul><li>estalactites </li></ul><ul><li>estalagmites </li></ul>
  23. 26. <ul><li>sozinho </li></ul>
  24. 27. <ul><li>«basket» </li></ul><ul><li>básquete / basquetebol </li></ul><ul><li>futebol </li></ul>
  25. 28. <ul><li>ter a ver com </li></ul>
  26. 29. <ul><li>da </li></ul><ul><li>está na hora de a aula começar </li></ul><ul><li> do </li></ul><ul><li>depois de o meu pai comprar </li></ul>
  27. 31. <ul><li>2.1. «A solidão perfumada dos montes»; «o silêncio doirado das estrelas». </li></ul>
  28. 32. <ul><li>2.2. A natureza salvou-o não uma, mas três vezes. </li></ul>
  29. 33. <ul><li>3.1. Foram os pobres, essa gente ignorada, que fizeram pensar o autor. </li></ul>
  30. 34. <ul><li>4.1. O Senhor José tem oitenta anos, calmo, com o cabelo branco, vestido pobremente, calçando socos. </li></ul>
  31. 35. <ul><li>5. Sim: «Tudo desliza sobre ele como uma trave. Sabe lavrar, cavar, podar.» </li></ul>
  32. 36. <ul><li>6.1. As pessoas que trabalham a terra levam horas a comer porque sabem o que custa produzir o pão que comem, entendendo esse acto como um ritual religioso, numa atitude de respeito e veneração. </li></ul>
  33. 37. <ul><li>7. Agricultura. </li></ul>

×