Apresentação Catarse - Financiamento coletivo

3.008 visualizações

Publicada em

Material preparada para curso de 3 dias no Casa Mário Quintana ( 15/07-21/07)

Publicada em: Economia e finanças
3 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.008
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
3
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Catarse - Financiamento coletivo

  1. 1. AGENDA DO CURSO 1. O financiamento coletivo no Brasil e no mundo 2. O financiamento coletivo serve para o meu projeto? 3. Planejamento de campanha 4. Comunicação 5. Evolução do modelo e tendências
  2. 2. DIFERENTES TIPOS DE FINANCIAMENTO COLETIVO (CROWDFUNDING) • Doação • Recompensa • Empréstimo • Equity
  3. 3. DOAÇÃO
  4. 4. RECOMPENSA
  5. 5. EMPRÉSTIMO
  6. 6. EMPRÉSTIMO
  7. 7. EQUITY
  8. 8. LINHA DO TEMPO DO FINACIAMENTO COLETIVO
  9. 9. * fonte: Crowdfunding Industry Report / Maio - 2012 NÚMEROS DE PLATAFORMAS NO MUNDO
  10. 10. NÚMEROS DO MERCADO * fonte: Crowdfunding Market: Software and Solutions / 2013 Em 2012, foram 2,7 bilhões de dólares e a expectativa é que some mais do que 5 bilhões de dólares movimentados em 2013.
  11. 11. NÚMEROS DO MERCADO * fonte: Crowdfunding Market: Software and Solutions / 2013
  12. 12. NÚMEROS DO MERCADO * fonte: Crowdfunding Market: Software and Solutions / 2013
  13. 13. KICKSTARTER.COM
  14. 14. KICKSTARTER.COM
  15. 15. MAPA GEOGRÁFICO COM PROJETOS FINANCIADOS NO KICKSTARTER
  16. 16. HISTÓRICO: ÚLTIMO TRIMESTRE DE 2010 • Setembro Criação do Queremos • Início de novembro Criação do blog CrowdfundingBR • Meados novembro Início da captação do eumaior.com.br
  17. 17. PRINCIPAIS PLATAFORMAS NO BRASIL* NOME DATA DE LANÇAMENTO PROJETOS FINANCIADOS VALOR ARRECADADO MODELO DE NEGÓCIO MERCADO DE ATUAÇÃO CATARSE JAN/2011 600 R$8,9 milhões 13% dos projetos bem-sucedidos (valor já inclui tarifas de meio de pagamento) Projetos criativos Benfeitoria MAR/2011 50 R$1 milhão Não cobram comissão dos projetos (apenas as tarifas de pagamento) Projetos transformadores Embolacha MAI/2011 32 R$560 mil 15% dos projetos bem-sucedidos (valor já inclui tarifas de meio de pagamento) Música Queremos SET/2010 62 R$3 milhões (estimado) Fica com de 10% a 20% da receita dos shows confirmados Shows Juntos AGO/2012 20 R$200 mil Não cobram comissão dos projetos (apenas as tarifas de pagamento) Projetos SociaisJuntos * no Brasil, existem cerca de 35 plataformas
  18. 18. NÚMEROS DO CATARSE Janeiro / 2013
  19. 19. NÚMEROS DO CATARSE Julho / 2013
  20. 20. NÚMEROS DO CATARSE PROJETOS POR CATEGORIA
  21. 21. NÚMEROS DO CATARSE RECORRÊNCIA DE APOIOS
  22. 22. Ecossistema potencial que surge a partir do financiamento coletivo: • Produtores de projeto; • Produtoras de vídeo; • Especialistas em mídia digital; • Distribuição O ECOSSISTEMA DO FINANCIAMENTO COLETIVO
  23. 23. TUDO OU NADA X KEEP WHAT YOU GET
  24. 24. COMPARAÇÃO COM OUTRAS FORMAS DE FINANCIAMENTO • Financiamento coletivo; • Leis de incentivo; • Patrocínio; • Empréstimos; • Amigos e Família
  25. 25. PONTOS FORTES DO FINANCIAMENTO COLETIVO • Sem burocracia Se o projeto estiver bem formatado ele pode começar a captação no mesmo dia em que foi enviado • Lacuna de mercado Os projetos de até R$100 mil não tem muitas soluções para serem financiados. Muitos desses projetos ficavam engavetados. • Aproximação com o público Permite que a relação entre artista e fã se dê de forma mais direta • Abrir portas para projetos futuros
  26. 26. PONTOS FORTES DO FINANCIAMENTO COLETIVO • Mídias espontâneas Como as mídias sociais são pilar fundamental desta forma de financiamento, uma campanha bem elaborada faz com que não apenas recursos sejam captados, mas que a ideia consiga se espalhar para muito mais pessoas. • Testar o mercado / reduzir o risco Não custa nada para colocar um projeto no Catarse, além de ser uma boa maneira de testar aquela ideia para ver se o público realmente gostou. • Transparência Que dá um empurrão na hora da arrecadação, mesmo de pessoas mais próximas
  27. 27. PONTOS FRACOS DO FINANCIAMENTO COLETIVO • É trabalhoso (o gasto de tempo pode ser precioso e há o risco de você trabalhar dois meses e sair sem a grana) • Necessidade de alguma presença online (muito improvável a pessoa ser MUITO offline e conseguir fazer essa captação) • Modelo novo no BR o que pode gerar dúvidas de possíveis apoiadores sobre esta forma de financiamento • Não é todo brasileiro que tem o costume de fazer compras online
  28. 28. VÃO ROUBAR A MINHA IDEIA?
  29. 29. QUAL O OBJETIVO DO PROJETO? Dinheiro, MKT, Aumentar e aproximar a conexão com rede, Pré venda.
  30. 30. ENERGIA: VOCÊ TEM DISPONÍVEL PARA FAZER A CAPTAÇÃO?
  31. 31. • Ter 18 anos ou mais*; • Ser brasileiro ou estrangeiro com visto permanente; • Ter um endereço no Brasil; • Ter uma conta bancária (conta corrente ou poupança) no Brasil. * Menores de idade podem enviar projetos caso estes estejam sob responsabilidade de seus pais ou professores. Nesse caso, um dos pais ou um dos professores deverá cadastrar o projeto e registrar os seus dados como responsável pelo projeto. QUEM PODE ENVIAR UM PROJETO? (PESSOA FÍSICA)
  32. 32. • Razão Social; • CNPJ; • Conta bancária no Brasil; • Comprovante de endereço, CPF e RG de um dos sócios QUEM PODE ENVIAR UM PROJETO? (PESSOA JURÍDICA)
  33. 33. TAMANHO DO PROJETO (PODE VARIAR EM DOIS ASPECTOS) • Tempo para ser executado; • Valor necessário para ser realizado
  34. 34. QUAIS AS CARACTERÍSTICAS POR TRÁS DE TODOS OS PROJETOS QUE DÃO CERTO? • Pessoas apaixonadas; • Rede pré-existente (alguma coisa pelo menos, para servir como base incial); • Comunicação bem executada
  35. 35. CAMPANHA PRÓPRIA (EM MEU SITE/BLOG) X PLATAFORMA
  36. 36. COMPONENTES PRINCIPAIS DE UM PROJETO
  37. 37. COMPONENTES PRINCIPAIS DE UM PROJETO
  38. 38. COMPONENTES PRINCIPAIS DE UM PROJETO
  39. 39. COMPONENTES PRINCIPAIS DE UM PROJETO
  40. 40. COMPONENTES PRINCIPAIS DE UM PROJETO
  41. 41. O VÍDEO O vídeo talvez seja o único ponto onde todos que tiveram uma experiência com financiamento colaborativo concordam: ELE FAZ A DIFERENÇA E PODE SER O GRANDE RESPONSÁVEL PELO SEU PROJETO CONSEGUIR ARRECADAR O QUE PEDIU OU NÃO.
  42. 42. VÍDEO: ELEMENTOS-CHAVE * fonte: Kissmetrics
  43. 43. 1) Apareça! Pelo menos em algum momento do vídeo, mostre a cara. Ver que tem uma pessoa real por trás do projeto dá credibilidade e o torna mais pessoal; 2) Mas não fique só sentado falando. Mostre imagens, vídeos do seu trabalho e depoimentos de outras pessoas; VÍDEO: ELEMENTOS-CHAVE
  44. 44. 3) Explique, brevemente, como funciona o Catarse. Tem bastante gente que vai visitar seu projeto com um link direto pra página do seu projeto, sem conhecer o Catarse antes; 4) Não faça um vídeo muito longo. Algo entre 2 e 3 minutos vai aumentar as chances dele ser visto por inteiro; 5) Faça um começo chamativo. Conseguir a atenção das pessoas desde o começo do vídeo é uma ótima pedida, quase fundamental; VÍDEO: ELEMENTOS-CHAVE
  45. 45. VÍDEO: ELEMENTOS-CHAVE 6) O áudio é a chave. Não conseguir escutar o que você tá falando é um saco – e muita gente não vai ter paciência de ver o vídeo inteiro se o áudio não tiver bom. Tente gravar em um lugar silencioso ou faça uma boa edição para o áudio ficar claro. 7) Perguntas fundamentais. Por que você está fazendo esse projeto? Quem é você? Pra que você quer levantar dinheiro? Quando você planeja finalizar o projeto?
  46. 46. VÍDEO: LISTA DE VÍDEOS VÍDEOS BONS DE PROJETOS BEM-SUCEDIDOS “Leo + Ana” “Pimp my carroça” “As três velhas” “Belo Monte”
  47. 47. VÍDEO: LISTA DE VÍDEOS VÍDEOS BONS DE PROJETOS BEM-SUCEDIDOS “Diário de bordo ilustrado” “Sexy Fi” “Villa Lobos injazz” “Contágio”
  48. 48. VÍDEO: LISTA DE VÍDEOS VÍDEOS BONS DE PROJETOS MAL-SUCEDIDOS “Ascender pelo trabalho”
  49. 49. VÍDEO: LISTA DE VÍDEOS VÍDEOS RUINS DE PROJETOS BEM-SUCEDIDOS “Chama farroupilha”
  50. 50. VÍDEO: LISTA DE VÍDEOS VÍDEOS RUINS DE PROJETOS MAL-SUCEDIDOS “MHS Skate Doc” “Caravana Seara de Luz” “Tratado lobo cordeiro”
  51. 51. A DESCRIÇÃO • Linguagem Pessoa física (diferença da linguagem de editais) • O que falar? (Quem está por trás dessa iniciativa? Como será usado o dinheiro? Links para conhecer mais...) • Formato Uso de imagens (e gráficos) para orientar o texto e formatação do texto.
  52. 52. DESCRIÇÃO: O PORQUÊ!
  53. 53. DESCRIÇÃO: DETALHAMENTO DO PROJETO
  54. 54. Orçamento simples DESCRIÇÃO: ABRIR O ORÇAMENTO
  55. 55. DESCRIÇÃO: QUEM ESTÁ POR TRÁS DESSA INICIATIVA? • É legal o apoiador poder conhecer melhor você e sua equipe pra entender porque vocês são capazes de realizar o projeto em questão. Se puder disponibilize fotos, vídeos e links pra conhecer os membros da equipe e outros trabalhos realizados por vocês. • A campanha também pode gerar um interesse maior do apoiador sobre o projeto por isso é muito bacana usar a descrição para convidá-lo a entrar em contato com você.
  56. 56. RECOMPENSAS: TIPOS DE RECOMPENSA #1 • Online Agradecimentos públicos, links para streaming de vídeos, fotos, informações e acompanhamento do projeto. • Materiais/produtos personalizados CDs/DVDs, camisetas, adesivos, chaveiros, botons, prints • Itens exclusivos Artes, itens de colecionador, item simbólico utilizado no projeto (objeto de cena de uma peça de teatro)
  57. 57. RECOMPENSAS: TIPOS DE RECOMPENSA #1 Exemplo de recompensa com agradecimento público
  58. 58. RECOMPENSAS: TIPOS DE RECOMPENSA #2 • Serviços palestras, consultorias, serviço especializado (de acordo com o projeto e suas parcerias) • Participativas workshops, encontros, experiências com a equipe e, até mesmo participação no projeto em questão - cocriação e presença na realização. • Corporativas espaço para apresentar a empresa/marca como patrocinadora, kits promocionais de divulgação, pacotes de serviço para funcionários (shows/cds/palestras/workshops)
  59. 59. RECOMPENSAS: TIPOS DE RECOMPENSA #2 Exemplo de recompensa participativa
  60. 60. RECOMPENSAS: CUIDADOS COM RECOMPENSAS • Promessa Pública; • Custos de produção e entrega
  61. 61. RECOMPENSAS: POSSIBILIDADES COM RECOMPENSAS • Limite de apoiadores você pode dizer quantas pessoas podem adquirir determinada cota, pra facilitar a previsão de custos ou tornar a cota ainda mais exclusiva. Esse limite pode ser alterado durante a captação caso você perceba uma demanda específica ou queira controlar a saída de determinada cota. • Criar recompensas ao longo da campanha você pode criar novas recompensas no decorrer da captação, guardar cartas na manga pra reta final, ou mesmo movimentar a página do projeto e quem sabe convidar o pessoal que já te apoiou a apoiar novamente em vista de um novo item exclusivo.
  62. 62. RECOMPENSAS: POSSIBILIDADES COM RECOMPENSAS • Ordenar recompensas a ordem dos boxs na coluna de recompensas fica a critério do realizador que pode dar destaque as cotas que julgar mais interessantes. Basta criar os boxs clicar e arrastar pra montar a vitrine do jeito que achar melhor. • Recompensas não definem se uma pessoa vai apoiar ou não um projeto. Mas podem sim ajudar a definir o valor do apoio.
  63. 63. Não existe um limite para a meta financeira, mas pra que ela seja realista e viável você deve levar em conta: VALOR • Custo da Realização Mínimo necessário para realizar o projeto • Custos com Recompensas Produção e entrega (como já vimos anteriormente) • 13% cobrados pelo Catarse • Engajamento de Rede Na maioria dos casos pelo menos 50% da captação vêm da própria rede de contatos do realizador.
  64. 64. VALOR #DICAS • Conhecendo o real tamanho da sua base de familiares, amigos e fãs, fica muito mais fácil estimar o que é uma meta realista pra o seu projeto. • Mapeie a sua rede social de contatos e multiplique esse número por R$10 (valor mínimo para se realizar um apoio na plataforma). O resultado dessa conta representa um valor bem mais realístico para o seu projeto. • Agora, resta a você se perguntar se consegue realizar o projeto com esse valor!
  65. 65. PRAZO ATENÇÃO!!! • Mais tempo não significa mais dinheiro. • O prazo de campanha não pode ser alterado depois que o projeto for aberto para captação.
  66. 66. PRAZO Pra determinar opor quantos dias seu projeto estará em captação é importante considerar: • Qual o seu fôlego pra trabalhar na campanha e o da sua rede pra absorver a divulgação? • O trabalho de divulgação durante a captação é bastante intenso! • A média de tempo mais usada entre os realizadores é de 30 a 45 dias de campanha
  67. 67. PRAZO LANÇAMENTO DA CAMPANHA Desde que o projeto seja pré aprovado pela curadoria o realizador pode escolher que dia vai iniciar a captação. Nesse sentido é importante estar atento para: • Incidência de feriados, finais de semana e, grandes eventos. Esses fatores podem tomar a atenção da rede e devem ser considerados também nas suas estratégias de divulgação • Quando você precisa do dinheiro nas mãos? Se tem um deadline é legal saber que o repasse do valor arrecadado não é imediato, podendo levar até 10 dias após o fim do prazo pra estar disponível na sua conta bancária
  68. 68. PRÉ CAMPANHA Planejar o projeto é fundamental para entender os aspectos que vão definir como será a campanha. Algumas ações são muito importantes para uma campanha eficiente: • Entender o público alvo do projeto; • Mapeamento de redes; • Material para ilustrar seu projeto durante a campanha; • Bom vídeo;
  69. 69. PRÉ CAMPANHA • Monte seu projeto no Catarse e leia os materiais enviados pela nossa curadoria; • Divulgar o rascunho para contatos de confiança; • Criar um momento para o lançamento da campanha
  70. 70. PRIMEIROS DIAS DE CAMPANHA • Engajar a rede próxima é o primeiro passo para atingir a meta o/ • As pessoas em geral não gostam de contribuir com campanhas que estão no zero. • Contato mais pessoal • Esse primeiro momento é muito importante para o projeto ganhar tração #Dica: fique atento ao feedback desses primeiros apoiadores
  71. 71. MÍDIA TRADICIONAL E REDES AUXILIARES • A divulgação da captação em mídias sociais pode ser mais proveitoso depois que a barrinha verde já começou a subir; • Mídia impressa e TV X Mídia online
  72. 72. ABA DE NOVIDADES • Não deixe que a página do seu projeto fique estática; • Compartilhe as evoluções, curiosidades e conquistas sobre a realização; • Tudo que é postado ali fica visível para os visitantes da página e é enviado diretamente para o e-mail de quem já apoiou
  73. 73. DIVULGAÇÕES CRIATIVAS: CASE #1 “APANHADOR SÓ” “Foi uma tarde maravilhosa ontem na Redenção! Muito obrigado a todos que estiveram lá com a gente e que apoiaram as gravações do nosso próximo disco =) Entre contribuições no chapéu e compras de recompensas, no total foram arrecadados R$1655 que já foram revertidos pro projeto da Apanhador no Catarse em nome de André Zinelli (baterista da banda).”
  74. 74. DIVULGAÇÕES CRIATIVAS: CASE #2 “A BANDA MAIS BONITA”
  75. 75. DIVULGAÇÕES CRIATIVAS: CASE #3 “APANHADOR SÓ” Conteúdo no facebook (imagens das recompensas/ imagens com design sobre a campanha, criar grupos de discussão ou página de eventos da campanha no facebook)
  76. 76. DIVULGAÇÕES CRIATIVAS: CASE #4 “APANHADOR SÓ” Recompensa
  77. 77. DIVULGAÇÕES CRIATIVAS: CASE #5 “APANHADOR SÓ” Grupo Face Apanhador Só
  78. 78. DIVULGAÇÕES CRIATIVAS: CASE #6 “METAMÁQUINA” Metafinanciamento da metamáquina: mais de 100 pessoas de POA se uniram pra comprar uma Metamáquina
  79. 79. DIVULGAÇÕES CRIATIVAS: CASE #7 “MATÉRIA BRASIL” Festas de arrecadação da Matéria Brasil
  80. 80. METAS ADICIONAIS: CASE #1 “CUECAS POR CIMA DAS CALÇAS”
  81. 81. METAS ADICIONAIS: CASE #2 “PROGRAMA ALEXA”
  82. 82. SEGUNDA CHANCE 1) O projeto original precisa ter atingido pelo menos 30% da meta na primeira arrecadação; 2) O projeto deverá ser reformulado; 3) O projeto precisa lançar um novo vídeo; 4) Abrir o orçamento; 5) Mandar e-mail para todos os apoiadores; 6) Todas as alterações devem ser feitas em um prazo máximo de 10 dias.
  83. 83. PÓS PROJETO #1 O período de captação é apenas a primeira etapa 1. Comunique-se! Transpartência e regularidade da comunicação
  84. 84. PÓS PROJETO #2 2. Entrega de recompensas A entrega das recompensas é o que fecha o ciclo do financiamento coletivo, concretizando a conexão entre o apoiador e o projeto.
  85. 85. CANAIS
  86. 86. CANAIS QUAIS SERÃO OS PRÓXIMOS CANAIS?
  87. 87. GRUPOS AUTO-GESTIONADOS
  88. 88. GRUPOS AUTO-GESTIONADOS
  89. 89. QUESTÕES TRIBUTÁRIAS 1. Abatimento de Imposto de Renda para apoiador; 2. Como declarar o recebimento do dinheiro? • Pessoa Física • Pessoa Jurídica

×