Portfolio @ Mundo da Criança #04

710 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
710
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portfolio @ Mundo da Criança #04

  1. 1. 3 Lutando em prol do rigor e da excelência educativa SIPE Sindicato Independente de Professores e Educadores “O Sindicato Independente de Professo- res e Educadores defende a bandeira da independência e da liberdade, que, apesar de alguns prejuízos, traz muitos benefícios. O sindicalismo precisa de estar afastado do poder político para a sua necessária renovação, mas a existência dos sindicatos não pode ser questio- nada. Mal de nós se um dia o sindicalismo deixar de existir”, começa por a‫ۋ‬rmar a presidente, Júlia Azevedo, referindo que o SIPE abarca docentes de todos os graus de ensino, sob o princípio da defesa de uma só carreira, a de ser professor. “À luz da nossa missão reivindicativa, achamos fundamen- tal o tratamento individualizado das questões dos nossos associados, ao nível do aconselhamento ju- rídico, do apoio nos concursos de professores e da vertente formativa”, acrescenta. O SIPE possui um centro de formação próprio, protocolado com a tu- tela, que garante a realização dos cursos obrigató- rios por lei, para além de outras acções formativas, decorrentes das necessidades detectadas, em todo o país. “Disponibilizamos um conjunto alargado de benefícios, através de protocolos que estabelece- mos com entidades de todos os sectores de activi- dade. Contamos com cerca de seis mil associados, distribuídos por todo o território nacional, que po- dem contar com o nosso apoio, não só na Sede Nacional, no Porto, onde nascemos, mas também em Barcelos, Braga, Madeira, Póvoa de Varzim, Santarém e Viana do Castelo”, revela Júlia Azevedo. “Uma das mais-valias do SIPE, enquanto interlocu- tor da classe, é a faceta da responsabilidade social assumida pelo sindicato, uma área estratégica que se desdobra num projecto oportunamente criado – o SIPE Coração – que presta apoio aos professores, educadores e suas famílias, em caso de necessida- de, na base de uma rede solidária. REIVINDICAÇÕES EM CIMA DA MESA “A nossa principal preocupação é o desemprego, que afecta, actualmente, mais de 35 mil docentes. Não o podemos ver como um acto isolado, porque os seus efeitos vão alargar-se às famílias e ao país”, lamenta Júlia Azevedo. A vice-presidente, Rosa Maria Sá, atesta que “o desgaste que se tem vindo Nascido na cidade do Porto, pela vontade de oito mulheres, amostra daquela que é a grande força da docência em Portugal, o Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE), assume-se como “um sindicato diferente”, na base da autonomia, das amplas visões do sector e de uma profunda dedicação aos seus as- sociados. Júlia Azevedo, presidente, e Rosa Maria Sá, vice-presidente, no SIPE desde a primeira hora, são os rostos da nossa entrevista. Júlia Azevedo, Presidente, e Rosa Maria Sá, Vice-Presidente os professores passam mais tempo a competir – porque gera concorrência – e a discuti-lo, em vez de se dedicarem à sua missão principal que é pre- parar os alunos”, a‫ۋ‬rma a presidente. Rosa Maria Sá apresenta uma outra questão, fundamental para o SIPE, que é a alteração do modelo de gestão. Hoje em dia, é o director da escola que nomeia os coor- denadores, que, posteriormente, são avaliados por este, uma prática que desvirtua o princípio da im- parcialidade. O SIPE defende que os directores das escolas e os órgãos de gestão intermédia sejam eleitos directamente, em sede de Conselho Geral, para aportar mais transparência ao processo, que incorre num círculo vicioso. “Em termos da avaliação do desempenho docente, estamos muito decepcionados com o actual Go- verno. O processo em si está muito melhor e mais simpli‫ۋ‬cado, mas continuam outros aspectos ne- gativos que antes nos ‫ۋ‬zeram reivindicar – a ma- a acumular, nomeadamente com a carga horária dos professores, vai fazer-se sentir na qualidade do ensino. Existe uma crescente desresponsabi- lização por parte dos alunos e dos encarregados de educação, que não se coaduna com a melhoria do ensino. Em vez da desejada inclusão, estamos a caminhar no sentido inverso, baixando a exigência e prejudicando, assim, os alunos, que di‫ۋ‬cilmente conseguem entrar nas faculdades ”. As nossas entrevistadas defendem a necessidade de valorização dos professores e educadores, do- tando-os de ferramentas para superar os constan- tes desa‫ۋ‬os que se colocam ao exercício da carrei- ra docente, bem como a luta pela escola pública e de qualidade. Existem, no entanto, questões pen- dentes que não contribuem para que este objectivo seja atingido na plenitude. “O modelo de avaliação de professores que foi implementado pelo anterior Governo era de tal forma burocrático e pesado que nutenção das quotas e vagas, o modelo de gestão implícito, já referido, e a implicação da avaliação nos concursos, para além dos resultados dos alu- nos se re‫ی‬ectirem na avaliação dos professores”, assegura Júlia Azevedo, deixando uma ressalva: “Concordaríamos com este último ponto se o en- sino em Portugal fosse diferente, sob a égide da responsabilização de todos os agentes envolvidos no processo educativo, nomeadamente os encar- regados de educação”. Rosa Maria Sá defende que os parâmetros da avaliação devem ser de âmbito nacional e devidamente explicitados. Uma outra situação perversa é a que está relacionada com o facto de as quotas serem actualmente de‫ۋ‬nidas a nível de agrupamento e de o seu número depender da avaliação externa do mesmo, o que pode abrir as portas a injustiças decorrentes das disparidades veri‫ۋ‬cadas na consequente avaliação dos profes- sores. “Propusemos um modelo de avaliação mis- to, interno e externo. Ainda não sabemos como é que vai ser o modelo do Ministério da Educação e Ciência (MEC), mas defendemos que a nível exter- no deve ser constituído por uma equipa de profes- sores com formação especí‫ۋ‬ca para a área que vai avaliar e com um mínimo de 15 anos de experiên- cia. Depois do conhecimento de tantos professores e formas de ensino, no ‫ۋ‬m terá como missão fa- zer seminários, debates e trabalhos para fomen- tar as boas práticas pedagógicas”, avança a vice- presidente, Rosa Maria Sá. “Ao nível da avaliação interna, não concordamos de qualquer forma com o modelo proposto pelo MEC. Qual é a legitimidade de haver avaliação entre pares, sendo que todos possuem as mesmas habilitações pro‫ۋ‬ssionais? A única forma de legitimar a posição dos avaliado- res, era elegê-los democraticamente” na certeza de que só uma posição una, clara e inequívoca por parte de todos os docentes poderá resultar no tão desejado sucesso. “O SIPE encontra-se disponível para negociar com o Ministério da Educação. Não vamos, no entanto, abdicar dos nossos princípios e reivindicações e estamos prontos para desen- cadear acções necessárias para ver cumpridas as promessas eleitorais,” ‫ۋ‬naliza Júlia Azevedo, pre- sidente. COLHERSEMEAR
  2. 2. 21 Paixão pelas crianças Museu das Crianças | Lisboa H á dois momentos na vida de Margarida de Lancastre que foram determinantes para o sonho de construir um Museu das Crianças em Portugal. A mais antiga memó- ria faz-nos recuar muitos anos, até à primeira visita ao Museu das Crianças de Boston, nos Estados Unidos da América, onde se apaixo- nou por este conceito museológico, mas foi do lado de cá do Atlântico que o sonho plasmado se materializou, depois de uma clari‫ۋ‬cadora incursão pelo Museu das Crianças de Bruxe- las, na Bélgica. O reino belga foi, de todos os países visitados, aquele que dava a conhecer as mais cativantes exposições na óptica da formação humana das crianças, uma realidade muito apreciada por Margarida de Lancastre. Em 1994 cumpriu-se o desígnio de criar um congénere português. O Museu das Crianças tem como missão “ofe- recer às crianças uma forma de aprendiza- gem completamente diferente, onde elas se divertem, vivem o tempo que aqui estão e descobrem as suas capacidades e as suas fer- ramentas, que as ajudam mais tarde a enca- rar o futuro”, evoca a fundadora, certa de que “as crianças de hoje têm, necessariamente, de descobrir as suas ferramentas e o seu poten- cial, e nós temos que as focar para isso”. A menos de um ano de completar 18 anos de vida, o Museu das Crianças contabiliza cerca de 500 mil visitantes de todos os pontos do país e estrangeiro, através de uma estratégia É um profundo amor aquele que une Margarida de Lancastre ao Museu das Crianças, criado pela própria, em Lisboa, nos tempos idos de 1994, ano em que a cidade foi Capital Europeia da Cultura. Depois de dez anos instalado no Museu de Marinha, onde se deu a conhecer ao grande público, o Museu das Crianças está instalado no Jardim Zoológico de Lisboa desde 2005, naquele que é um espaço mágico que temos o prazer de redescobrir. à Ciência, como «A minha Pátria é Portugal», «Música no Museu», «Era uma vez… A Ciên- cia» (quatro modalidades) e «A Hora do Conto» (cinco modalidades). Além da dedicação a esta nobre causa, Margarida de Lancastre produz musicais, todos com enorme sucesso, que têm subido a palco no Centro Cultural de Belém. “É mais uma forma de as crianças encontrarem o seu caminho, já que têm proporcionado o lan- çamento de diversos músicos”, revela, confes- sando a grande paixão que nutre pela música. “Faz parte da vida e faz-nos muito bem. Os concertos e os musicais exigem uma grande coordenação, proporcionando uma excelente oportunidade de aprendizagem e um grande sentido de responsabilidade”, acrescenta. «VERMELHO: UMA VIAGEM ATRAVÉS DA COR» O próximo ano arrancará com uma nova ex- posição interactiva - «Vermelho: Uma Viagem através da Cor», a ser inaugurada no início de 2012, totalmente inspirada na cor vermelha e nos sentimentos e emoções que desper- ta. Originalmente concebida pelo Museu das Crianças de Bruxelas, a exposição propõe a descoberta desta cor em dez momentos, sob uma ideia mestra – “O Vermelho é um Sinal!” – patente na natureza que nos rodeia, no quo- tidiano em que nos envolvemos e nas relações que vivemos. Margarida de Lancastre considera que “neste Margarida de Lancastre de constante inovação. O Museu das Crianças aposta, para além das exposições temporárias de referência, num conjunto de actividades permanentes ligadas à História, a Cultura e tempo em que estamos, ir buscar a cor ver- melha para montar uma exposição é já um grande desa‫ۋ‬o. Na realidade, esse desa‫ۋ‬o não é meu, partiu do Museu das Crianças da Bél- gica, uma ligação que vem desde o primeiro momento, porque foi, de todos os museus que visitei no mundo, aquele que melhor se enquadrava na ‫ۋ‬loso‫ۋ‬a que eu procurava - a focagem nos valores humanos”. A fundado- ra revela que este posicionamento está bem patente, em qualquer exposição, no sentido de apelar à descoberta por parte das crianças visitantes. “Procuramos que sejam as crianças a descobrir as respostas. Se nos ‫ۋ‬zerem uma pergunta respondemos sempre com outra pergunta, incentivando a curiosidade e o ra- ciocínio. É importante abrir os horizontes das crianças para o mundo que vão viver, no sen- tido de as ajudar a falar, descobrir e perceber”, a‫ۋ‬rma, “procurando chegar ao maior número de crianças, oferecendo-lhes uma grande di- versidade de produtos e serviços”.
  3. 3. 22 Uma referência de futuro Externato Champagnat | Lisboa D esde que foi inaugurado, em 1950, como o primeiro colégio Marista de Lis- boa, com uma dúzia de alunos internos e dez externos, até ao presente, em que envolve uma comunidade de 500 alunos, muitas têm sido as transformações vividas no Externato Champagnat. O ano de 1969 marca a ida dos Irmãos Maristas para Carcavelos, onde haviam fundado um novo colégio e é nessa época que a escola é cedida a uma sociedade leiga que a passou a gerir de forma não confessional, mas “respeitando os ideais humanistas que esti- rimental das Ciências e a Informática no 1.º ciclo e, no que respeita ao 2.º ciclo, aprofun- damos as aprendizagens anteriores e inte- gramos uma segunda língua estrangeira, que neste momento é o Espanhol. A partir do 3.º ciclo, os alunos podem escolher outra língua estrangeira, de âmbito curricular”, de‫ۋ‬ne a di- rectora. “Consideramos de primordial impor- tância o domínio das novas tecnologias e das competências linguísticas e de comunicação, não descurando, obviamente, a importância que têm as aprendizagens da Língua Portu- guesa e da Matemática, como suporte funda- mental”, acrescenta. ENRIQUECENDO AS APRENDIZAGENS As actividades extracurriculares estão ligadas, por um lado, à vertente artística, onde se inclui a educação musical e a aprendizagem instru- mental, a dança jazz e o ballet, e, por outro, à actividade física, onde os alunos podem esco- lher ténis, taekwondo e judo. A ginástica será iniciada este ano. “Complementarmente, no Verão, fazemos sempre cursos intensivos de música e de dança”, destaca a nossa entrevis- tada, revelando que o Externato Champagnat oferece aos alunos que queiram e que revelem competências para tal, a possibilidade de inte- grarem o coro e a orquestra da escola. “Consideramo-nos como um suporte para a família e, para além de estarmos abertos todo o ano, temos um horário alargado, superior a 12 horas diárias de funcionamento. As acti- vidades pedagógicas são desenvolvidas até às 16 horas, segui- das das actividades extracurriculares e das salas de estu- do, onde existe um acompanhamen- to permanente. Durante as férias estamos abertos com iniciativas tradicionalmente Harmoniosamente enquadrado na antiga Quinta de Vila Formosa, no alto da freguesia lisboeta de Santa Maria dos Olivais, junto ao aeroporto, o Externato Champagnat abriu as suas portas em 1950, pela mão dos Irmãos Maristas, devendo o seu nome ao fundador desta congregação religiosa, São Marcelino Champagnat. Maria Odete Amaro, directora, traça-nos o passado, o presente e o futuro de uma escola histórica que norteia a sua missão nos valores do Humanismo e da Excelência. Maria Odete Amaro, Directora do Externato Champagnat veram subjacentes à sua fundação”, sublinha Maria Odete Amaro. Um novo ciclo começou, novos desa‫ۋ‬os também, e, da propriedade do Externato Champagnat ao nascimento do pro- jecto com a dinâmica que hoje tem, tudo se constituiu como um factor de mudança. A OFERTA EDUCATIVA O Externato Champagnat abarca os três ci- clos do Ensino Básico, até ao 9.º ano de es- colaridade, e abrange, igualmente, a Educação Pré-Escolar, dos 3 aos 5 anos, ministrando os programas o‫ۋ‬ciais de ensino, com as metas de aprendizagem legalmente de‫ۋ‬nidas. “Enrique- cemos os currículos com outras discipli- nas complementares, como Educação Musi- cal e Educação Física, a partir dos três anos e iniciamos a aprendiza- gem da Língua Inglesa aos quatro anos. Inse- rimos o Ensino Expe- “Enriquecemos os currículos com outras disciplinas com- plementares, como Educação Musical e Educação Física, a partir dos 3 anos”
  4. 4. 23 desenvolvidas durante o ano como actividades extracurriculares, estudadas para os diferen- tes grupos etários e que incluem idas à praia, canoagem, aventura, utilizando recursos que corporizem oportunidades de conhecimento”, destaca a directora, Maria Odete Amaro. A bi- blioteca escolar, um dos centros nevrálgicos da cultura do Externato Champagnat, conta com a colaboração de uma bibliotecária per- manente, que trabalha exclusivamente com o objectivo de dinamizar o espaço, levando as crianças e as famílias ao gosto pela leitura. Ao nível do Pré-Escolar, as actividades são de- senvolvidas em forte articulação com as edu- cadoras, através de diversas iniciativas, como as horas do conto. Nos três ciclos do Ensino Básico, os projectos seguem a lógica das ma- térias que vão sendo exploradas ao longo do ano, em articulação com os professores das várias disciplinas. “Temos um jornal escolar e trabalhamos anualmente num projecto co- mum de escola, que é desenvolvido de forma vertical e em parceria com iniciativas nacionais e internacionais”, a‫ۋ‬rma a directora, concre- tizando diversas acções realizadas: “Há dois anos versámos o Centenário da República e no ano passado explorámos a dinâmica da Biodi- versidade, recuperando o último olival da fre- guesia de Santa Maria dos Olivais, propriedade do Externato Champagnat, e implementando um sistema de hortas para ser desenvolvi- do por diversos grupos de alunos. Temos o nosso nome inscrito na Agência Espacial Eu- ropeia, uma grande referência, na sequência da realização de um projecto para a criação de uma estufa no espaço”. Este ano lectivo vai ser desenvolvido um projecto global ligado a Lisboa, na sequência da discussão pública e aprovação do novo Plano Director Municipal da cidade. “Queremos levar os nossos alunos a apaixonarem-se pela capital, descobrindo-a nas suas múltiplas vertentes, relevando a im- portância da participação cívica”, reitera Maria Odete Amaro. PARCERIAS E VISÕES ESTRATÉGIAS A aproximação do Externato Champagnat a entidades externas dos mais diversos secto- res de actividade advém do reconhecimento da qualidade do ensino ao longo de gerações. “Temos uma parceria privilegiada com a TAP e somos responsáveis pela gestão do seu in- fantário”, a‫ۋ‬rma a directora, revelando que a Universidade Lusófona tem vin- do a desenvolver um estudo sobre sedentarismo e obesidade infan- til, iniciado no ano passado e centrado no grupo-alvo de crianças do pré- escolar. Esta par- ceria formal trará para a escola ensinamentos de âmbito pedagógico, que serão alargados às famílias, no binómio alimentação / exercício físico. “Temos estabilizado as linhas de fun- cionamento da escola, procurando melhorar, em cada ano, o potencial dos recursos técnicos e humanos. Temos todas as salas equipadas com kit tecnológico, que permitem os alunos “Complementarmente, no Verão, fazemos sempre cursos intensivos de música e de dança” «aprender a aprender». É mais fácil ir buscar recursos por essa via, mas o livro ainda é o instrumento dominante. Dinamizamos, igual- mente, a partilha dos conteúdos respeitantes a todos os domínios do Externato Champag- nat por via de uma plataforma electróni- ca, acessível a toda a comunidade escolar. Quando corporizamos na nossa missão a di- visa «Humanismo e Ex- celência», valorizamos a excelência individu- al, isto é, potenciar em cada aluno o melhor de si próprios.”, a‫ۋ‬rma Maria Odete Amaro, cer- ta de que “o mais importante neste momento é que haja uma grande con‫ۋ‬ança no futuro, um grande investimento nos ‫ۋ‬lhos, em termos afectivos e de disponibilidade, e que, indepen- dentemente da escola que escolham, cami- nhem com ela na construção do percurso dos ‫ۋ‬lhos, como verdadeiros parceiros”.

×