Auto da barca em BD

313 visualizações

Publicada em

BD

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
313
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
56
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Auto da barca em BD

  1. 1. AUTO DA BARCA DO INFERNO EM BANDA DESENHADA Trabalho realizado por: Tiago Alcântara Manuel Silva
  2. 2. CENA I Vamos embora! Está na hora! Mexe-te homem, despacha- te! É para já!
  3. 3. Cena II Bom dia meu caro fidalgo! O que o traz por cá? Nada! Não fiz nada de mal!
  4. 4. Isso dizes tu! Toda a vida a passear, com uma e com outra! Sobe já, que estamos atrasados! Nem penses nisso! Vou mas é para aquela barca.
  5. 5. Aqui não entra você! Tratou mal toda a gente e ainda quer favores! Isso é que era bom Já olhou bem para mim? Quando estava vivo, todos me tiravam o chapéu!
  6. 6. Já de volta? Eu bem te disse! Vá, pega nos remos e dá cá uma ajuda Maldita hora! Ai, que pouca sorte a minha…
  7. 7. Cena III Até que enfim meu rico onzeneiro! Estava a ver que nunca mais chegavas. Onde tens andado? A trabalhar no duro. Mas tive esta infelicidade! Logo eu, que não devo nada a ninguém.
  8. 8. Tu és cá dos meus. Somos da mesma cepa, irmão! Embora Aí não vou! Aquela barca parece-me bem melhor.
  9. 9. Aqui só entram pessoas de bem! Não gente como tu, que só pensa em roubar os outros! Eu? Sou o mais pobre dos homens! Nunca tive nada na vida
  10. 10. Rema mas é! Vamos aproveitar a maré Amigo diabo, deixa- me ir buscar o meu dinheiro!
  11. 11. Cena IV Sou o Joane! Não me conheces? Posso entrar na tua linda barca? Quem aí vem?
  12. 12. O que te aconteceu? Intestinos! Uma diarreia sem fim! Não houve médico que me salvasse. Para onde vais?
  13. 13. Oh seu filho de um . . . malandro! Ladrão, bandido, velhaco, cornudo dum raio, que sejas maldito para sempre tu e toda a tua família! Inferno amigo Joane! Um sítio bem quentinho. Vais adorar!
  14. 14. Tu não tens culpa de nada! A tua cabeça é que não ajuda. Espera só um bocadinho. Pode ser que venha ainda alguém que mereça mais do que tu. Anjinho, leva-me contigo anjinho!
  15. 15. Cena V Sapateiro! Homem de bem, honesto e trabalhador. Para onde vais? Quem lá vem?
  16. 16. Para onde levo todos os vigaristas! Eu não!
  17. 17. Tu sim! Roubaste e enganaste que te fartaste! Mas tantas vezes fui à igreja, tantas prendas aos santos, missas, confissões! Isso não serviu de nada?
  18. 18. Estás carregado deles! Esta barca não é para pecadores. Aqui não cabes Valha-me deus! Só trago estas forminhas comigo! Para fazer uns sapatinhos
  19. 19. Cena VI Nem penses! Sou homem da igreja. O meu lugar é naquela barca. Anda Florença minha. Sabes dançar frade? E a tua querida também? Vamos bailar no convés! Entra.
  20. 20. Podemos entrar, meu anjo? Some-te já daqui! Seu safado!
  21. 21. Cena VII Viva! Trago aqui todos os meus bens e umas raparigas bem jeitosas que trabalharam para mim. Já cá devias estar! Estamos mesmo de saída. Não me faças perder mais tempo.
  22. 22. Podes voltar para trás. Não venhas para aqui maçar-me. Vou mas é à outra barca! Penei tanto em vida que bem mereço o céu. Ajudei tanta gente que se dizia devota. É esta a minha paga?
  23. 23. Cena VII Deixa-me embarcar com o meu bode! Pago o que for preciso Nem penses nisso! Aqui só vão crentes, gente da igreja
  24. 24. Seu ratoneiro! Grande patife me saíste! Ainda vais acabar mal! Malandro Excomungado! Agarra-te judeu, que vais a reboque! Tu e o teu animal!
  25. 25. Cena IX Suba, suba corregedor! Já que aqui estais! Entratur nesta barcati no para mi esti!
  26. 26. Esta é a sua barca sem dúvida. Burlões e corruptos, é comigo! Minha mulher recebia as prendas! Não eu! Que culpa tenho?
  27. 27. Mais um. Confessaste-te amigo? Não! Para quê? Não contava morrer tão cedo. Anda, corregedor vamos à outra barca.
  28. 28. Ladronastis tudo, roubastis o que puderam, aldrabastis toda a gente, seus miserabilis! Vamos! Não há remédio. Todos os pecadores deste mundo têm lugar naquela barca. Ide, juntai-vos aos outros!
  29. 29. Cena X Engano amigo! Isso é o que tu pensas! Entra já Quem morre da corda tem direito ao paraíso
  30. 30. Cena XI Então cavaleiros!? Onde ides? Nem perguntam nada? Nós lutámos por Jesus Cristo. Ao paraíso nos vamos que a ele sabemos ter direito!
  31. 31. FIM

×