Penf sobe 1

1.012 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.012
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Penf sobe 1

  1. 1. PENFIGÓIDE BENIGNO COM MANIFESTAÇÃO BUCAL E OCULAR RELATO DE CASO Luhana Gedoz Karen Loureiro Weigert Rubem Beraldo dos Santos Paulo Renato Bissacotti UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CAMPUS CACHOEIRA DO SUL SERVIÇO DE ESTOMATOLOGIA
  2. 2. RELATO DO CASO Anamnese <ul><li>Mulher, 68 anos, leucoderma, freira. </li></ul><ul><li>História médica atual: Osteopenia ( Carbonato de C á lcio - 600mg /dia ) </li></ul><ul><li>Queixa da doença atual: feridas na boca há 6 meses, sangramento nasal e anal, perda de 15 kg. </li></ul><ul><li>Tratamento prévio: Tratamento tópico fitoterápico. </li></ul><ul><li>Antibioticoterapia (paciente não soube relatar qual). </li></ul><ul><li>Exame físico extra-bucal: ausência de alterações. </li></ul><ul><li>- Exame físico intra-bucal </li></ul>
  3. 6. Exames Complementares <ul><li>Hemograma: leucocitose (linfócitos). </li></ul><ul><li>Biópsia – exame histopatológico HE e Imunofluorescência. </li></ul>Hipóteses de diagnóstico: Penfigóide benigno e Pênfigo vulgar
  4. 7. Aspecto microscópico - HE Presença de clivagem subepidérmica, com infiltrado inflamatório
  5. 8. Imunofluorescência direta da mucosa perilesional com depósito de C3 e IgG na zona da membrana basal. Aspecto microscópico - Imunofluorescência Diagnóstico: Penfigóide benigno
  6. 9. Exames Complementares <ul><li>Encaminhamento geriatra </li></ul><ul><li>Endoscopia digestiva alta : Lesões eros ion adas com base eritematosa, na altura do esfíncter superior do esôfago . </li></ul><ul><li>Rinoscopia : Lesões crostosas em vestíbulo nasal à direita. </li></ul>
  7. 10. CONDUTA MULTIDISCIPLINAR <ul><li>Eritromicina suspensão oral 2,5% - bochechos 2 vezes ao dia. </li></ul><ul><li>Prednisona 40 mg/dia. </li></ul>
  8. 11. ACOMPANHAMENTO <ul><li>Tratamento homeopático – suspensão do corticóide </li></ul>Exacerbação do quadro clínico
  9. 17. MANIFESTAÇÃO OCULAR
  10. 18. MANIFESTAÇÃO CUTÂNEA
  11. 19. CONDUTA <ul><li>Encaminhamento ao oftalmologista – colírio com corticóide – estágio I de Foster. </li></ul><ul><li>Eritromicina suspensão oral 2,5% - bochechos 2 vezes ao dia </li></ul><ul><li>Prednisona 40 mg/dia. </li></ul>
  12. 20. 2 meses após início da segunda fase do tratamento - 15 mg de Prednisona.
  13. 24. ACOMPANHAMENTO <ul><li>Prednisona 5 mg/dia </li></ul><ul><li>Colírio com corticóide </li></ul><ul><li>Colírio lubrificante - Oftane </li></ul>
  14. 25. CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>Importância do acompanhamento clinico </li></ul><ul><li>Curso clínico instável </li></ul><ul><li>- Importância da abordagem multidisciplinar </li></ul>
  15. 26. OBRIGADO! Luhana Gedoz Mestre em Patologia Bucal – UFRGS Professora da Ulbra – Cachoeira do Sul [email_address]

×