Ciberativismo 1ª parte

413 visualizações

Publicada em

O que é o ciberativismo, primeiras aparições, principais movimentos.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
413
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ciberativismo 1ª parte

  1. 1. “Entende-se por ciberativismo a utilização da Internet por movimentos politicamente motivados (VEGH, 2003, p.71), com o intuito de alcançar suas tradicionais metas ou lutar contra injustiças que ocorrem na própria rede (GURAK, LOGIE, 2003; MCCAUGHEY, AYERS, 2003).” Luíza Giovana, Suelen de Paula, Débora Maria e Mariane Moreira
  2. 2.  Ciberativismo é o uso dos meios de comunicação digital como principal veículo dos cidadãos para reclamar seus direitos, convocar passeatas, registrar protestos e divulgar notícias sobre as causas geradoras de suas insatisfações. O ciberativismo tem sido uma alternativa aos mass media, meios de comunicação de massa tradicionais, para organizar reuniões políticas e sociais, e disseminar determinada mensagem a um maior número de pessoas sem depender do rádio, da TV e dos jornais impressos. O objetivo é também obter maior liberdade de expressão, de troca de informações, expressar e compartilhar opiniões e realizar atos de impacto público.
  3. 3.  O Ciberativismo chega ao Brasil em meados de 1990, com a chegada da internet e a entrada de ativistas políticos, sociais e ambientalistas na rede. Para os ciberativistas o uso da internet é um meio de “driblar” os meios de comunicação tradicionais, que na maioria das vezes não oferecem espaço para que a opinião pública se manifeste. Com isso a rede se torna um espaço “público” em que os ativistas podem se manifestar, otimizando o impacto de suas ideias.
  4. 4.  Na década de 90, a internet chegou mostrando a facilidade de conectar pessoas diferentes em diversas partes do mundo e logo se tornou popular. A velocidade que as informações levam para ir de um extremo ao outro chamou atenção e despertou o interesse, incluindo a de ativistas que divulgavam suas ideias através de outros meios de comunicação. Foi então que surgiram os primeiros vestígios do Ciberativismo. Em 1995-1998, a revista estadounidense Z magazine ofereceu cursos online através da Left Online University, aceitando inscrições no curso de "Utilizar a internet e sistemas eletrônicos para o ciberativismo."
  5. 5.  As noticias da primeira aparição ativista social que se tem noticia, são do Exército Zapatista de Libertação Nacional, do México, 1994, em listas de discussão, e-mails e site FTP, mas só em 1996 criaram sua própria homepage onde podiam reivindicar os direitos indígenas ao mesmo tempo em que aproximavam seu discurso ao de novos movimentos sociais esquerdistas e ampliavam o seu campo de batalha.
  6. 6.  O Exército Zapatista de Libertação Nacional EZLN, é um ótimo exemplo de como as inovações tecnológicas remixam a cultura de quaisquer povos. Este grupo revolucionário da região montanhosa de Chiapas no México e que combate a exploração de seu povo pelos Estados Unidos, há cerca de 13 anos não dispara uma única bala. Sua arma: A mídia, principalmente a internet.
  7. 7.  O Greepeace tem seu site e pratica o Ciberativismo desde 1998, sendo que mais da metade dos seus atuais colaboradores podem ajudar e participar através da Internet. Uma das causas defendidas por ele é moratória da soja, que impede a comercialização da soja cultivada em áreas de desflorestamento da Amazônia. Causas como a proteção do oceano, diminuição da poluição, energias renováveis, animais em extinção, entre outras, também são defendidas.
  8. 8.  Outro exemplo de grande amplitude política e que tem a internet com sua principal ferramenta de articulação e movimentação política é a Associação Revolucionária de Mulheres do Afeganistão (RAWA Revolutionary Association of the Women of Afghanistan). A associação defende a liberdade, democracia e principalmente os direitos das mulheres. No site também estão disponíveis documentos, pesquisas e artigos sobre a violência contra as mulheres e são exibidos vídeos que retratam o comportamento de fundamentalistas islâmicos contra as mulheres.
  9. 9.  Foram várias manifestações populares por pelo menos 438 cidades do país, que inicialmente surgiram para reivindicar contra os aumentos nas tarifas de transporte público, principalmente em Manaus, Fortaleza, Salvador, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro. Essas manifestações ganharam grande apoio popular após a forte repressão policial contra as passeatas, levando a maioria da população a apoiar as mobilizações. Atos semelhantes começaram a se multiplicar em diversas cidades do país e até mesmo do exterior em apoio aos protestos, passando a abranger uma grande variedade de temas, como os gastos públicos na Copa de 2014, a má qualidade dos serviços públicos e a indignação com a corrupção política em geral. Foram organizadas online, através da rede social Facebook, mas principalmente via Twitter , principalmente pelo Movimento Passe Livre (MPL).
  10. 10.   Estopim O Movimento Verde nasceu no Irã em 2009, depois de acusações de que as eleições presidenciais que reelegeram o presidente Mahmoud Ahmadinejad foram fraudulentas. Papel das mídias sociais As mídias sociais foram vitais para o movimento. Na época, o twitter adiou seu programa de manutenção para que os iranianos pudessem se comunicar. As manifestações foram organizadas via twitter e Facebook, que também serviram de canal de divulgação para fotos e vídeos sobre as mobilizações.
  11. 11. Estopim O movimento no Egito começou inspirado na revolta na Tunísia, que semanas antes tinha conseguido derrubar o governo do expresidente Zine El Abidine Ben Ali. O governo do então presidente egípcio Hosni Mubarak estava com a imagem desgastada, a economia ia mal, o desemprego era grande e o custo de vida era muito alto.  Qual foi o papel das mídias sociais? As redes sociais foram a essência do movimento que acabou derrubando Mubarak. O movimento Nós somos todos Khalid Saeed deu início à mobilização por meio de uma página no Facebook, que ganhou esse nome em homenagem a Khalid Saeed, que foi torturado e morto pela polícia em junho de 2010. Os protestos foram organizados pela internet, que também serviu de canal de transmissão de vídeos e fotos sobre os protestos. 
  12. 12. Estopim O movimento 15M ou "os indignados" ganhou esse nome por causa do primeiro dia em que os manifestantes saíram às ruas, 15 de maio de 2011. Nenhum incidente concreto desencadeou os protestos, mas as manifestações ocorreram em um contexto de crescente descontentamento popular. Na época, a Espanha enfrentava uma taxa de mais de 20% de desemprego (hoje ultrapassa os 25%) e políticas de austeridade. Além disso, o uso de recursos públicos para resgatar bancos também causava insatisfação.  Papel das mídias sociais Foi essencial. A iniciativa de organização dos protestos surgiu na internet, que também serviu para propagar o movimento. Depois o movimento montou escritórios, mas nasceu e se desenvolveu na internet. 
  13. 13.   Estopim: O movimento começou pequeno, contra a demolição do Parque Gezi, uma das poucas áreas verdes de Istambul, localizado na praça Taksim, no centro da cidade. Começou pacífico, mas rapidamente se espalhou pelo país e se tornou um movimento contra o governo quando a polícia respondeu com violência, usando canhões d'água e bombas de gás lacrimogêneo. Os manifestantes se revoltaram contra o uso da força e acusaram o governo de autoritarismo. Qual foi o papel das mídias sociais? O uso extensivo das mídias sociais foi sem precedentes e desempenhou um papel crucial, servindo de canal para divulgar as manifestações. Como os principais meios de comunicação não cobriram os protestos, a internet foi a forma encontrada para divulgar informações e fotos das mobilizações. O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, criticou o uso das mídias sociais e descreveu o Twitter como "encrenqueiro" por causa de seu uso durante os protestos. Alguns usuários de twitter foram detidos.

×