Comunicacao Corporativa Glossario

2.578 visualizações

Publicada em

Apresentação short para destacar os principais conceitos de comunicação corporativa do mercado. Abordamos neste material o jornalismo institucional, a formação de pauta e os tipos de artigos que podem ser disponibilizados à midia.

Comunicacao Corporativa Glossario

  1. 1. Glossário de comunicação e procedimentos
  2. 2. Jornalismo institucional Jornalismo Institucional é uma das ramificações do jornalismo direcionada para o público intermo de uma instituição, não considerando a sua natureza, que pode ser lucrativa, política, religiosa, militar e sindical. Operando em vários suportes, principalmente em house organs, web sites, folders, panfletos (lâminas institucionais), internet (email martketing e newsletter) e jornais-murais. Geralmente é produzido por um jornalista ou relações públicas ou ainda por empresas de assessoria de comunicação. Estes tipos de materiais podem ter caracteristicas apenas informativas ou de marketing.
  3. 3. Conceitos jornalismo- afinal o que é pauta? <ul><li>A pauta é a orientação que os repórteres recebem descrevendo que tipo de reportagem será feita, com quem deverão falar, onde e como. A pauta não necessariamente é escrita e nem sempre é premeditada. Um acidente de carro, por exemplo, só vira pauta na hora em que acontece. A pauta é elaborada, nos dias de hoje, por editores e sub-editores; no passado, existia o pauteiro. </li></ul><ul><ul><li>Apesar de ser detalhada e repleta de orientações editoriais, a pauta não é rígida: o repórter pode modificar abordagens, sugerir outros entrevistados e até mudar completamente a natureza da reportagem que produzirá levando em conta os acontecimentos factuais que presenciar depois de sair da redação em busca da notícia. </li></ul></ul>
  4. 4. E como acontece a formação da pauta? Dependendo do veículo de informação, a pauta pode ser elaborada de forma diferente, mas, em sua essência, constitui de cinco pontos, vamos lá: Histórico O histórico é o que situa o repórter no cenário da reportagem a ser desenvolvida. Antes de abordar o assunto, esta parte da pauta trata do que o assunto é e o que foi. Se a pauta tratar de algum evento em uma determinada guerra, o histórico informa o repórter da guerra em si, de suas causas, como começou e quando, até o presente. Matéria Nesta seção, o encarregado de confeccionar a pauta fala exatamente do que o repórter tratará Se a pauta tratar de algum acontecimento em uma guerra, a matéria é o acontecimento. Abordagem É o que marca a individualidade da matéria. Dois jornais podem falar sobre o mesmo assunto, só que sob abordagens diferentes. Fontes Nesta seção são sugeridas pessoas com quem o repórter poderá falar para enriquecer sua reportagem. Vão desde fontes oficiais, como prefeitos e vereadores, até fontes independentes, como advogados ou executivos. Imagens Se tratar-se de uma pauta de telejornal, nesta seção o cinegrafista tem orientações do que mostrar e sob qual ângulo. Se tratar-se de uma pauta de jornal impresso, esta seção informa o fotógrafo sobre o que fotografar e como.
  5. 5. Já na assessoria de imprensa <ul><li>Objetivo: Divulgar e pulverizar a utilização do produto e seu grau de qualidade para a opinião pública. </li></ul>Press-Releases, ou apenas releases são documentos divulgados por assessorias de imprensa para informar, anunciar, contestar, esclarecer ou responder à mídia sobre algum fato que envolva o assessorado, positivamente ou não. É, na prática, uma declaração pública oficial e documentada do assessorado. Geralmente, releases são usados para anúncios e lançamentos de novidades, que a Assessoria tem interesse em que virem notícia. Um release bem estruturado pode ser o mote para uma pauta. O release deve conter informação jornalística com objetivo promocional para o assessorado — ou seja, ser ao mesmo tempo de interesse jornalístico e institucional. Pode ser definido como o material informativo distribuído aos jornalistas para servir de pauta ou ser veiculado completa ou parcialmente, de maneira gratuita. É uma proposta de assunto, um roteiro, uma sugestão de pauta, mas do ângulo de quem o emite. Os Press-Releases sobre eventos devem antecipar todos os dados relativos, além de facilitar o acesso dos profissionais de imprensa. Em todos os casos, uma boa contextualização do fato anunciado ajuda a inserir melhor o conteúdo do comunicado na pauta do veículo (em jargão jornalístico, dar “gancho” a uma matéria). Existe ainda o Press-Release direcionado, que é enviado com exclusividade para um único veículo quando se pretende negociar uma relação mais próxima entre a Assessoria e um órgão específico de imprensa.
  6. 6. Press-kits Um Press-Kit ou Pacote de Imprensa é um pacote de Press-Release com brindes promocionais, uma amostra/réplica do produto ou o próprio produto, fotos de divulgação, credenciais de imprensa e outros ítens que facilitem a cobertura jornalística sobre o que se quer divulgar e estimulem os jornalistas a publicar a intenção do assessorado. No formato de distribuição de noticiário denominado &quot;Regionalização da Notícia&quot;, informações oriundas das regiões ou cidades em que será distribuido o release são insertadas neste release, como entrevistas de personalidades locais, informações sobre serviços disponíveis para os leitores da região ou cidade, oferta de respostas a dúvidas dos leitores locais e outras formas de interatividade.
  7. 7. Mailling list A Mailing List (literalmente, &quot;lista de correio&quot;) ou Mala Direta é uma lista de endereços de destinatários aos quais a Assessoria de Imprensa envia comunicados, notas, credenciais ou brindes com o propósito de incentivar a publicação de determinada informação. O mailing geralmente é composto por endereços de jornalistas especializados no tema da atividade do assessorado (Terceiro Setor e negócios) e editores de veículos relevantes. Para não perder a utilidade e a eficiência, a mailing deve ser atualizada continuamente pelos próprios jornalistas ou por empresas especializadas, que vendem mailings
  8. 8. Clipping Resultado do material de assessoria de imprensa.
  9. 9. Tipos de matérias- overview Matéria Em jornalismo, no Brasil, matéria é sinônimo de material jornalístico como notícia, artigo ou reportagem. É uma construção social nascida de um fato novo de interesse público. Tem que ser um fato e tem que ser novo. A objetividade jornalística é um atributo do texto final. Mas, para chegar a ela, além de possuir um estilo claro e conciso, o jornalista deve procurar exaustivamente os fatos, manter com eles uma relação de honestidade e saber hierarquizá-los. A matéria jornalística deve ter algumas propriedades, como credibilidade, oportunidade, precisão, abrangência, consistência, que, em conjunto, produzem sua propriedade fundamental: a utilidade.
  10. 10. Tipos de matérias- artigos É um texto eminentemente opinativo — mais que informativo — publicado (ou veiculado) em seção destacada do conteúdo noticioso, para enfatizar que se trata de material não-jornalístico. Os autores recorrentes de artigos são chamados de articulistas. Em jornais impressos, é normal que os editores convidem personalidades da sociedade (especialistas, intelectuais, autoridades) para escrever artigos sobre temas específicos do noticiário, sem remuneração. Entre leigos, é comum confundir artigo com matéria e tratar ambos os termos como sinônimos, o que é um erro. Articulistas, em geral, não são jornalistas. Os artigos contêm comentários, análises, críticas, contrapontos. Há artigos tanto na mídia impressa (jornais, revistas) quanto em televisão. Muitas vezes, os artigos não refletem necessariamente a opinião do jornal (contrariamente aos editoriais, que são a posição oficial do veículo), e as empresas costumam não assumir responsabilidade por eles.
  11. 11. Tipos de matérias- op-ed Um Op-Ed é um texto escrito expressando uma opinião. O nome veio de uma tradição de posicionar tal material na página oposta à página de editorial; derivar isso de Op-inião e Ed-itorial é uma falsa etimologia. É primeiramente um termo americano. A página de editorial contém editoriais e a página Op-Ed contém colunas de opinião e possivelmente quadrinhos. Editoriais são artigos de opinião (normalmente curtos) escritos pelo conselho editorial do periódico. Eles refletem a posição do periódico e não são assinados. As opiniões expressas nas páginas Op-Ed refletem aquelas dos autores individuais, não as do periódico, e os artigos são assinados.
  12. 12. Tipos de matérias- entrevista Os repórteres entrevistam as suas fontes para obter destas declarações que validem as informações apuradas ou que relatem situações vividas por personagens. Antes de ir para a rua, o repórter recebe uma pauta que contém informações que o ajudarão a construir a matéria. Além das informações, a pauta sugere o enfoque a ser trabalhado assim como as fontes a serem entrevistadas. Antes da entrevista o repórter costuma reunir o máximo de informações disponíveis sobre o assunto a ser abordado e sobre a pessoa que será entrevistada. Munido deste material, ele formula perguntas que levem o entrevistado a fornecer informações novas e relevantes. Por exemplo, quando o repórter vai entrevistar o presidente de uma instituição pública sobre um problema que está a afetar o fornecimento de serviços à população, ele tende a evitar as perguntas e a querer reverter a resposta para o que considera positivo na instituição. É importante que o repórter seja insistente. O entrevistador deve conquistar a confiança do entrevistado, mas não tentar dominá-lo, nem ser por ele dominado. Caso contrário, acabará induzindo as respostas ou perdendo a objetividade.
  13. 13. Contato Luciana Cortona [email_address] www.grupolud.com.br Tel.: 55 11 5683-2681/7263-7346

×