Modulo4 ergonomia

19.419 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
13 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.419
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
891
Comentários
0
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modulo4 ergonomia

  1. 1. Higiene e Segurança do Trabalho – ENG 295Módulo IVNR 17- Ergonomia
  2. 2. Histórico• Ergonomia = A palavra “Ergonomia” vem de duas palavras Gregas: “ergon” que significa trabalho, e “nomos” que significa leis.• Ergonomia como disciplina: o Pós-II Guerra Mundial – instrumentos bélicos complexos que exigiam muita habilidade do operador. Os erros e acidentes eram freqüentes existindo a necessidade de pesquisa para adaptar estes instrumentos às características e capacidades do operador. Estabeleceram-se laboratórios de engineering psychology pela força aérea e Marinha americana.• Ergonomia a favor da Sociedade o Em 1949 criação da primeira sociedade de ergonomia a “Ergonomics Research Society”. Pesquisadores visavam a sua aplicação industrial e não apenas bélica. (Iida, 2005)
  3. 3. Conceitos “Conjunto dos conhecimentos científicos relativos ao homem e necessários para a concepção de ferramentas, máquinas e dispositivos, bem como o projeto do trabalho, que possam ser utilizados com o máximo de conforto, de segurança e eficácia” (Wisner, 1972).
  4. 4. Conceitos Design Arquitetura Engenharia Informática
  5. 5. Ergonomia• Ergonomia Física: Estuda a respostas do corpo humano à carga física e psicológica. Como carga de trabalho ou esforço repetitivo• Ergonomia Cognitiva: Também conhecida engenharia psicológica, refere-se aos processos mentais, tais como percepção, atenção, cognição e armazenamento e recuperação de memória.• Ergonomia Organizacional: Relacionada com a otimização dos sistemas socio-técnicos, incluindo sua estrutura organizacional, políticas e processos.
  6. 6. • Ergonomia física está relacionada às características da anatomia humana, com a antropometria, a fisiologia e a biomecânica.• Os tópicos relevantes incluem o estudo da postura no trabalho, manuseio de materiais, movimentos repetitivos, distúrbios músculo- esqueletais relacionados ao trabalho, projeto de posto de trabalho, etc.
  7. 7. Condições anti-ergonômicas - físicas•Exigência de postura inadequada (muito tempo em postura estática,abaixado, agachado, com a cabeça elevada, etc)•Pressão de partes moles•Esforços repetitivos de determinados grupos musculares•Levantamento e transporte manual de cargas•Ferramentas inadequadas.•Organização física do local de trabalho: Tipo e disposição do mobiliário,acessos, portas, escadas, janelas, etc.
  8. 8. Condições anti-ergonômicas - físicas• Desconforto térmico (ideal: entre 20 e 23º C)• Desconforto acústico (NPS menor que 65 dB (A)• Velocidade do ar (não superior a 0,75 m/s)• Umidade relativa do ar (não inferior a 40 %)• Iluminação – (mín: 500 Lux)
  9. 9. Condições anti-ergonômicas - físicas• Repetitividade Ciclos de até 30 seg, com um mesmo elemento de trabalho, ocupando tempo > 50% do tempo total do ciclo = alta repetitividade (Silverstein, 1985) . Segundo Kilbom (1994) , tarefas desenvolvidas durante partes do dia e não durante toda a jornada não ocasionariam lesões. Mais do que 25 a 30 movimentos por minuto ou mais do que 12.000 toques por hora no teclado = alta repetitividade. Menos do que 30 “ações técnicas” por minuto, na ausência de outros fatores biomecânicos e tempo suficiente para recuperação das estruturas não constitui alta repetitividade (Colombini e Occhipinti, 1996).
  10. 10. Condições anti-ergonômicas - físicas• Força Muscular Excessiva Silverstein (1985) descreve que a força muscular excessiva de preensão é caracterizada da seguinte forma: Baixa < 4Kgf; Alta > 6Kgf. NIOSH, citado por Couto (1995), descreve que a força de carregamento de pesos excessiva com os membros superiores será caracterizada para pesos acima de 23 quilos.
  11. 11. Condições anti-ergonômicas - físicasPostura inadequada Posturas inadequadas ocasionam desde impacto de estruturas duras contra estrutura moles (como no caso do ombro), fadiga por contração muscular estática (como no caso do pescoço) e, até mesmo, compressão de nervos (como no caso do punho).
  12. 12. Condições anti-ergonômicas - físicasPostura Inadequada Membros superiores – braços suspensos por muito tempo, abduzidos ou em elevação (ombros); antebraço em sustentação sem apoio e punho em flexão, etc. Pescoço excessivamente estendido ou fletido. Coluna lombar - flexão anterior seguida de extensão da coluna lombar, de forma repetitiva. Trabalho sentado com o corpo fletido e a postura viciosa em flexão lateral sustentada do tronco. (Couto e mendes, 2003).
  13. 13. • Ergonomia cognitiva refere-se aos processos mentais, tais como percepção, memória, raciocínio e resposta motora conforme afetem as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema.• Os tópicos relevantes incluem o estudo da carga mental de trabalho, tomada de decisão, desempenho especializado, interação homem computador, estresse e treinamento relacionados a projetos envolvendo seres humanos e sistemas.
  14. 14. Cognição(Prof.:Marlon Vinicius Da Silva - Disciplina: Interface Homem Máquina)• Processos desenvolvidos pelo cérebro no dia-a-dia o Atenção o Percepção e Reconhecimento o Memória o Aprendizagem o Leitura, Fala e Audição o Resolução de problemas, raciocínio, planejamento e tomada de decisão
  15. 15. Condições anti-ergonômicas - Cognitivas• Monotonia• Competições, exigências, conflitos (tensão)• Trabalho de alta densidade (uso memória imediata, microdecisões e carga afetiva na tarefa), complexidade elevada da tarefa, pressão do tempo, trabalho em equipe/grupo, estar sob controle, não controlar o processo de trabalho• Ritmo de trabalho intenso;• Controle de produtividade;• Relacionamento desfavorável entre as equipes – Clima Organizacional
  16. 16. Atividades com alta demanda cognitiva
  17. 17. Áreas do corpo mais afetadas por condições ergonômicas inadequadas
  18. 18. • Ergonomia organizacional concerne à otimização dos sistemas sóciotécnicos, incluindo suas estruturas organizacionais, políticas e de processos.• Os tópicos relevantes incluem comunicações, administração de recursos de trabalhadores, organização temporal do trabalho, trabalho em grupo, projeto participativo, novos paradigmas do trabalho, trabalho cooperativo, cultura organizacional, organizações em rede, tele-trabalho e gestão da qualidade.
  19. 19. Condições anti-ergonômicas - organizacionais• Jornada prolongada, hora extra frequente• Trabalho em turno e noturno• Procedimentos rígidos de trabalho;• Ausência de pausas em tarefas que exigem descanso periódico.• Hierarquia organizacional rígida• Centralização de decisões
  20. 20. Condições anti-ergonômicas Cognitivas & Organizacionais Efeitos:• SOBRECARGA MENTAL – Trabalho de alta densidade (uso memória imediata, microdecisões e carga afetiva na tarefa)• FADIGA PSÍQUICA - Diminuição reversível da capacidade de trabalho, perda de eficácia e desinteresse por trabalho.• ESTAFA – Inaptidão total para o trabalho.• SUBCARGA OU MONOTONIA – pouca exigência mental.• EMBOTAMENTO MENTAL – Dificuldade de raciocínio por falta de estímulo.
  21. 21. Postura inadequada
  22. 22. Levantamento e movimentação manual de carga
  23. 23. Organização do Trabalho
  24. 24. Ergonomia no Escritório - Postura Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço  45 cm ~ 70 cm  Manter a cabeça e pescoço em posição reta, ombros relaxados ;  Manter a r egião lombar (as costas) apoiada no encosto da cadeira ou em um suporte para as  costas;  Manter o antebraço, punhos e mãos em linha reta (posição neutra do punho) em relação ao teclado;  Manter o cotovelo junto ao corpo; Manter um e spaço entre a dobra do joelho e a extremidade final da cadeira; o Manter ângulo igual ou superior a 90 para as  dobras dos joelhos e do quadril; Manter os pés apoiados no chão ou quando recomendado, usar descanso para os pés.
  25. 25. Ergonomia no Escritório - Postura
  26. 26. Ergonomia no Escritório - Postura
  27. 27. Ergonomia no Escritório - Postura
  28. 28. Ergonomia no Escritório - Postura Torcer o pescoço Monitor muito alto Monitor muito baixo
  29. 29. Transporte manual de cargas - Técnica correta
  30. 30. Doenças relacionadas• Doenças do aparelho osteomuscular (DORT) - provocadas pelo uso inadequado e excessivo dos sistemas que agrupam vasos sanguíneos, tecidos, articulações, ossos, nervos, músculos, ligamentos e tendões.• Doenças do aparelho psíquico – ansiedade (cognitivo e organizacional)• alteração do ciclo circadiano (organizacional- trabalho noturno)• Doenças do aparelho vascular
  31. 31. Aspectos legaisNR 17 - Portaria 3214 MTE17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.17.1.1. As condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho.
  32. 32. Níveis de intervenção em Ergonomia1. Postos de Trabalho2. Ambientes de Trabalho Cognitiva Física3. Método de Trabalho4. Sistema de Trabalho Organizacional
  33. 33. Resultados esperados • Segurança de processos Homem • Organização do Trabalho • Biomecânica aplicada ao trabalho Máquina • Adequação ergonômica do posto de trabalho Sistemas • Prevenção de fadiga • Prevenção de erro humano • Aumento de produtividade e redução de custos
  34. 34. Análise Ergonômica do Trabalho (Estudo de caso)
  35. 35. Análise Ergonômica do Trabalho - AET• Visa aplicar os conhecimentos de ergonomia para analisar, diagnosticar e corrigir uma situação real de trabalho. Desenvolvida por pesquisadores franceses , se constitui em um exemplo de ergonomia de correção.• Composta de 5 etapas: o Análise da demanda (problema), o análise da tarefa (objetivo do serviço contratado), o análise da atividade (prática x procedimentos definidos), o diagnóstico e o recomendações.
  36. 36. Análise Ergonômica do Trabalho Estudo de Caso Problema: Há exposição a agentes ergonômicos na atividade de manicures?  Local do estudo: Salão de Beleza de médio porte em Salvador - Bahia Escolha da atividade:  Relato espontâneo da gerência, com base em suas percepções sobre as principais queixas das suas funcionárias.  Atende aos critérios de queixa, consequência, centralidade, modernidade e estabilidade.Equipe responsável pela análise: •Ana Reis – Engenheira de Segurança •Lucy Jesus- Especialista em Gestão de Segurança, Saúde, Meio-Ambiente & Qualidade •Marta Gorete – Engenheira de Segurança
  37. 37. Análise da Tarefa• Função avaliada: Manicure• Total de manicures: 13• Total de manicures entrevistadas: 6• Tarefa prescrita (não escrita): o Manicure e Pedicure: Limpar, cortar, lixar, remover cutículas, esfoliar e pintar unhas de pés e mãos, usando material próprio, individual e padronizado.• Definição de “serviço”: Atividade de manicure ou pedicure. Cada “serviço” compreende a execução de todas as atividades listadas duas vezes.• A atividade de remover cutículas é a que apresenta maior demanda cognitiva (atenção) e esforço repetitivo (uso do alicate)• Perfil dos profissionais: o Mulheres, entre 23 e 34 anos, com 7 a 13 anos de experiência e de 7 a 48 meses de trabalho no salão
  38. 38. Análise da AtividadeOrganização do trabalho: Manicures profissionais, com contrato de trabalho em regime Comissionado Remuneração: 40% sobre a produtividade Não há especialização – todas executam igualmente as tarefas de manicure e pedicure. Carga de trabalho entre 9 e 10 h por dia, com um dia de folga por semana, às segundas, terças ou quartas. De quinta até sábado, dias de maior movimento, toda a equipe de manicures está na casa. Trabalho em domingos e feriados, conforme escala. Horas extras eventuais não remuneradas Empresa oferece brindes para manicures de maior produtividade: No final do ano o prêmio será um forno micro-ondas.
  39. 39. Análise da atividade Recursos disponíveis:  Não existe procedimento escrito. A tarefa prescrita é subentendida por todas  Uniforme padronizado  Material de trabalho individual: kit de ferramentas, maleta padronizada e esmaltes, Luvas de látex, tipo cirúrgica.  A maleta cheia pesa 20 kg  Cadeiras padronizadas: acolchoadas, sem quinas vivas e com mesa de apoio ajustável. Altura da cadeira e do espaldar não são ajustáveis (dois tipos diferentes - A e B)  Iluminação e ruído atende a padrões aceitáveis.  Temperatura e umidade do ambiente controlados por ar condicionado central.
  40. 40. Análise da Atividade• Observações: o As profissionais trabalham a maior parte do tempo sentadas, em postura inclinada para a frente. o Movimentos repetitivos de mão o Não existem pausas formais, além da hora de almoço. o Os banheiros ficam no shopping, fora do salão. o Há disponibilidade de água potável.
  41. 41. Análise da Atividade• Queixas mais frequentes: o Ambiente: • Temperatura ambiente baixa quando há poucas clientes. Sensação térmica de frio o Tarefa: • Movimentos repetitivos, dor nas costas, na cervical e nas mãos. o Aspectos psicossociais: • Clientes são fonte de stress
  42. 42. Esboço do posto de trabalho • Postura estática sentada • Costas curvadas e fora do encosto • Pernas dobradas • Rotação de tronco • Movimentos repetitivos – mãos • Cabeça inclinada para a frente
  43. 43. Esboço do posto de trabalho Principais queixas: • Dor na lombar • Dor na cervical • Dor nas pernas • Dor na mão Cadeira tipo B – Espaldar Cadeira tipo A – mais estreito Espaldar mais largoRotação lateral de tronco Maleta de trabalho – 20kgPostura inadequada: cervical fletida para afrente; ombros baixos, cabeça baixa
  44. 44. Condições ambientais• Ar condicionado central, com temperatura e umidade controlados.• Iluminação adequada, conforme percepção dos usuários.• Ruído em níveis aceitáveis• Espaço para livre movimentação• Banheiros são externos (fora do salão)• Bebedouros, chá e café• Produtos químicos e ruído não foram relatados como problema.
  45. 45. Resultado dos Questionários• Cinco das manicures entrevistadas relataram dor em uma ou mais partes do corpo com prevalência de Cervical (3) e Lombar (2). Além disso, uma entrevistada relatou dor na mão e a outra relatou dor nas pernas.• Quatro manicures têm 1 ou 2 filhos e não fazem atividade física regularmente. Uma não tem filhos e frequenta academia todos os dias.• Duas entrevistadas relataram realizar atividades de manicure em suas folgas.• Cinco relataram desconforto com o ar condicionado (muito frio) quando há poucos clientes.• Um relato de dor e inchaço em mão direita, após jornada.
  46. 46. Diagrama de CorlettCervical e Lombar:• Desconforto: moderado• Frequência: 3-4 vezes porsemana• Evolução: AusenteMão• Desconforto severo• Frequência: 1-2 vezes porsemana• Evolução: AusentePernas• Desconforto: moderado• Frequência: 3-4 vezes por semana• Evolução: Ausente OBS. Todas relataram sentir dor após a jornada – ao fim do dia ou durante a folga
  47. 47. Dados estatísticos Tempo no Número de serviços por Idade Anos Tempo na função Anos salão meses dia média Média 31 Média 11 Média 28 Média 9Desvio padrão 4 Desvio padrão 2 Desvio padrão 19 Desvio padrão 3 Mínimo 23 Mínimo 7 Mínimo 7 Mínimo 7 Máximo 34 Máximo 13 Máximo 48 Máximo 15 Contagem 6 Contagem 6 Contagem 6 Contagem 6 CV% 14% CV% 21% CV% 69% CV% 33%
  48. 48. Diagnóstico• Com base nas entrevistas e nos resultados do questionário, conclui-se que as Manicures avaliadas estão sujeitas aos seguintes agentes ergonômicos: o Postura inadequada • Cadeira não permite ajuste de altura do assento nem da mesa de trabalho o Esforço repetitivo • Atividade de remoção de cutículas tem ciclos menores que 1 segundo e duração maior que 30 segundos. • A atividade de remover cutículas é executada de 14 a 18 vezes ao dia, considerando que cada “serviço” compreende a execução da atividade duas vezes. o Sobrecarga mental – stress • Carga cognitiva: passo da tarefa: Remover cutícula: Atividade minuciosa que requer atenção e precisão, em postura inadequada e sem iluminação complementar. • Pressão por produtividade: Remuneração é função direta do número de serviços • Conflitos: pressão das clientes – qualidade x tempo
  49. 49. Recomendações• Intervenções de Alta Prioridade: Alto impacto - Curto Prazo - Baixo Custo o Posto de trabalho - • Substituir cadeiras tipo “B” pelas do tipo “A” – 30/01/12 • Encaminhar trabalhadoras com dor e inchaço para médico especialista. – 09/12/11 o Método de trabalho: • Instituir pausas formais entre serviços – 09/12/11 o Ambiente de trabalho: • Treinamento de reeducação postural – 30/01/12 • Ginástica Laboral – 30/01/12 • Incentivo a atividade física – 30/01/12 o Sistema de trabalho: • Avaliar premiação Qualidade x Quantidade – 30/01/12• Intervenções de Média Prioridade - Alto impacto - Médio Prazo - Médio custo o Posto de trabalho: • Iluminação focalizada – 30/03/12 • Utilização de lentes de aumento – óculos de segurança – 30/03/12 • Cadeira com altura regulável – 30/03/12
  50. 50. SugestãoProposta de cadeira ergonômica
  51. 51. Verificação de eficácia • A eficácia das ações de curto prazo será realizada dois meses após a entrega do relatório, mediante implementação das ações recomendadas. • Para as ações de médio prazo, será feito acompanhamento do plano• Observações: • A empresa analisada acolheu prontamente as recomendações. • As cadeiras tipo “ A” escolhidas pelas manicures foram disponibilizadas para uso. As tipo “B” ficaram como reserva. • A funcionária que apresentou queixas de dor e inchaço na mão foi encaminhada ao médico especialista e iniciou tratamento, não tendo sido necessário afastá-la da atividade.

×