Teste de Português de 8ºano PCA- texto narrativo

23.614 visualizações

Publicada em

Teste de Português de 8ºano PCA- texto narrativo-simples porque é dirigido a alunos de Percurso Curricular Alternativo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14.394
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
494
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teste de Português de 8ºano PCA- texto narrativo

  1. 1. 6 TESTE DE AVALIAÇÃO SUMATIVA DE PORTUGUÊS 8.º Ano- Percurso Curricular Alternativo Nome: _________________________________________________Nº:________ Turma:_______ Classificação: ______________________________ O/A Professor(a):__________________________ O Encarregado de Educação: _________________________________________ Data: ___/___/2015 Observações: ________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ GRUPO I- COMPREENSÃO ORAL (10 pts) 1. Ouve com atenção o conto “O caçador que falava demais” e rodeia, em cada item, a única opção correta. 1. O conto é originário de que continente? a) África. b) Ásia. c) América. d) Oceânia. 2. O protagonista deste conto, Koumba, era a) criador de gado. b) caçador. c) pescador. d) pastor. 3. Um dia, deparou-se com algo estranho. O quê? a) Uma garça falante. b) Um sapo falante. c) Um elefante bailarino. d) Uma coruja cantora. 6. O animal com quem Koumba tinha falado chamava-se a) Tonta. b) Lontra. c) Ponta. d) Conta. 7. Mal chegou à aldeia, Koumba foi a correr a) para sua casa. b) a casa da mãe. c) falar com o Rei. d) consultar o feiticeiro. 8. Koumba propôs-se levar o Rei até onde o bicho estava, ou seja, a) à beira do rio. b) à clareira. c) à montanha. d) à selva. 1
  2. 2. 6 4. O estranho animal convidou-o a comer a) um pedaço de carne. b) peixe grelhado. c) uma espiga de milho. d) papas de farinha. 5. O animal fez um pedido a Koumba, ou seja, a) devia voltar para casa no dia seguinte. b) teria de casar com a sua irmã. c) não poderia contar o que viu. d) tinha de regressar dali a exatamente um mês, quando estivesse lua cheia. 9. Como Koumba não encontrou o sítio que procurava, julgou que a) tudo tinha sido um sonho. b) devia ter caminhado mais para sul. c) a sua imaginação o tinha enganado. d) se tinha enganado no caminho. 10. Como castigo, Koumba a) foi enforcado. b) foi chicoteado. c) tornou-se um escravo. d) foi expulso da aldeia. GRUPO II- LEITURA, COMPREENSÃO E ESCRITA (40 pts) PARTE A Lê o texto com muita atenção e responde às questões com frases completas . 1 5 10 Robinson ficou em casa mais um tempo, até completar dezanove anos de idade, sempre a pensar no mar. Mas, um dia, ao visitar Hull, uma grande cidade à beira-mar, a fim de se despedir de um dos seus amigos que ia para Londres, não pode resistir à oportunidade. Sem sequer avisar seus pais, tomou lugar no navio do seu amigo e fez-se à vela. Porém, logo que o vento começou a soprar e as ondas a crescerem, o pobre Robinson assustou-se muito e enjoou, dizendo para consigo que logo que tocassem em terra iria direto a casa e nunca mais a deixaria. Foi sincero até o vento deixar de soprar. O seu amigo e os marinheiros riram-se e chamaram-lhe medroso. Assim que o tempo se pôs bom, e o Sol brilhou, rapidamente esqueceu tudo o que decidira acerca do regresso 2
  3. 3. 6 15 20 25 30 35 40 para junto de seus pais. Daí a alguns dias, quando o navio, na sua rota para Londres, navegava ao largo da baía de Yarmouth, teve de deitar ferro e esperar por vento de feição. Nesse tempo não havia vapores e as embarcações só podiam mover-se à vela, de modo que, se havia calmaria ou o vento soprava ao contrário, tinham de esperar, justamente onde estavam, que soprasse vento favorável. Enquanto eles permaneciam em Yarmouth, o tempo piorou, desencadeando-se uma grande tempestade. O mar estava tão encapelado e o navio de Robinson corria tal perigo que acabaram por ter de cortar os mastros, a fim de o aliviar e defender dos terríveis balanços. O capitão disparou alguns tiros, pedindo socorro. Outro navio, que captou o pedido arriou um escaler; acostaram com muita dificuldade e recolheram Robinson e toda a tripulação, mesmo no momento em que o barco se afundava. Finalmente, desembarcaram todos molhados e em lastimoso estado, tendo perdido todas as suas roupas, salvo as que vestiam. Robinson trazia algum dinheiro consigo; foi para Londres, por terra, pensando que, se agora voltasse a casa, todos ririam à sua custa. Em Londres, travou relações com um capitão de navios que regressara, havia pouco, de uma viagem à costa da Guiné, como se chamava então essa parte da África; o capitão estava tão contente com o dinheiro que lá tinha ganhado que facilmente convenceu Robinson a que fosse com ele na próxima viagem. Robinson levou consigo quinquilharias, contas e outros artigos, a fim de os vender em África. Em troca, adquiriu lá tanto pó de oiro que se persuadiu que em breve faria fortuna. E, logo a seguir, partiu para uma segunda viagem. DEFOE, Daniel, Robinson Crusoe (adaptação de John Lang) 1. Seleciona o significado correto das palavras/ expressões retiradas do texto (4 pontos):  caminho. 3
  4. 4. 6 a) “rota” (l. 15)  furada.  casa.  atirar com ferro ao chão. b) “ deitar ferro” (ll. 16-17)  lançar a âncora do navio. roubar objectos em ferro.  ar quente. c) “vapores”(l. 18)  lareiras.  navio movido por máquina a vapor.  falta de ansiedade. d) “calmaria”(l. 18)  movimento tranquilo das ondas e do vento.  sensação nervosa.  tranquilo. e) “encapelado” (l.21)  calmo.  agitado.  ponte. f) “escaler” (l. 24)  pequeno barco.  caminho.  livros. g) “quinquilharias” (l. 37) roupas. miudezas; coisas sem importância.  convenceu. h) “persuadiu” (l.39)  contrariou.  afirmou. 2. Associa os nomes das localidades às informações cedidas pelo texto (3 pontos): 4
  5. 5. 6 a) Hull _____ 1. Local onde Robinson teve de esperar que o tempo melhorasse antes de seguir viagem. b) Yarmouth _____ 2. Cidade que Robinson visitou à beira- mar. c) Londres_____ 3. Capital inglesa; cidade onde Robinson conheceu um capitão de navios. 3. Responde às questões com V (verdadeiro) e F (falso), de acordo com a leitura que fizeste do texto (3 pontos): a) Robinson perdeu a mãe quando era criança.  b) Robinson tinha o sonho de viajar pelo mar.  c) Um dia, partiu sem se despedir da família.  d) A primeira viagem correu sem grandes dificuldades.  e) Passada uma semana, chegou a África.  f) Robinson tornou-se comerciante.  4. Responde às questões com frases completas: 4.1. Que oportunidade surgiu a Robinson e que lhe permitiu realizar o seu sonho, isto é, conhecer o mar (4 pontos)? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4.2. Que dificuldades sentiu durante a primeira viagem (4 pontos)? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4.3. As dificuldades sentidas não foram suficientes para que Robinson desistisse do seu sonho. 4.3.1. Retira uma expressão do texto que comprove a afirmação anterior (2 pontos). 5
  6. 6. 6 _______________________________________________________________________________________ 4.4. Por que motivo teve de aguardar na baía de Yarmouth (4 pontos)? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4.5. Que solução encontraram para tentar evitar o naufrágio (3 pontos)? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4.6. Após o naufrágio, o que fez com que Robinson não regressasse a casa (3 pontos)? _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4.7. Em África, Robinson teve êxito? Comprova a tua resposta com uma expressão do texto (2 pontos). _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ Parte B 1. Relembra a estrutura da carta informal e imagina-te no lugar de um marinheiro que decide escrever à sua mulher e contar as suas aventuras (8 pontos): 6 África do Sul, 22 de janeiro de 2015 __________________________________ _______________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________ _____________________________ ________________________________ P.S. ________________________________________________________________ _
  7. 7. 6 GRUPO III- GRAMÁTICA (20 pts) 1) Indica, de entre as palavras que se seguem, aquelas que são derivadas por sufixação, isto é, que têm o sufixo “eiro” na sua composição (4,5 pontos): dinheiro  sapateiro  saleiro  inteiro  solteiro  carteiro  2) Refere quais as palavras simples ou radicais que deram origem às palavras compostas seguintes (7,5 pontos): a) Tonturas __________________________________________________________ b) Desfeito ___________________________________________________________ c) Amanhecer ________________________________________________________ d) Autocarro _________________________________________________________ 7
  8. 8. 6 e) Couve-flor _________________________________________________________ 3) Coloca um X no local certo e assinala o processo de formação das palavras em causa (5 pontos): Palavra composta Derivação Composição Sufixaçã o Prefixaçã o Parassíntes e Morfológica Morfossintática tonturas desfeito amanhecer autocarro couve-flor 4) Substitui as expressões sublinhadas por um pronome, como no exemplo (3 pontos): Eu vi a Maria. → Eu vi-a. a) O Júlio lavou o carro. → ___________________________________________________________ b) A Marta e a Joana avisaram o professor. →____________________________________________ c) Eu contei a verdade ao Marco. →____________________________________________________ d) Elas foram comprar vestidos novos. →____________________________________________________ e) Os prisioneiros obedeceram aos guardas. → _______________________________________________ f) Ele diz a verdade? → _____________________________________________________________ GRUPO IV- PRODUÇÃO ESCRITA (30 pts) Escreve um texto de opinião, entre 80 e 140 palavras, onde fales sobre o que tu achas da vida no mar e se gostarias de ser marinheiro(a). _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ 8
  9. 9. 6 _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________ BOM TRABALHO! A DOCENTE: Lucinda Cunha PROPOSTA DE CORREÇÃO GRUPO I O caçador que falou demais Era tempo de escassez, como muitas vezes acontece em África, onde a fome e a sede visitam com frequência as aldeias. Um dia, de manhã cedo, apenas o galo cantou pela primeira vez, Koumba, o caçador, juntou as suas flechas e o seu arco e embrenhou-se pela floresta à procura de caça. Andou durante muito tempo, até o Sol nascer, mas de caça nem o rasto… 9
  10. 10. 6 Koumba não se deixou vencer e continuou a sua busca durante o dia, até ao pôr do Sol. Estava a ficar desanimado por ter de regressar à aldeia de mãos a abanar, quando de repente deparou com o sapo Ponta, que tecia algodão enquanto guardava o seu campo de milho. Uma coisa nunca vista: um sapo tecedor que cultivava um campo de milho! O caçador aproximou-se devagar, com prudência, para cumprimentar o sapo. Ponta mostrou-se muito cordial e convidou-o a sentar-se e a comer uma espiga de milho, que entretanto ele mesmo acabara de assar nas brasas. O caçador comeu com gosto. Era tempo de escassez e há muito que não comia milho tão saboroso. Quando Koumba se levantou, para regressar a sua casa, Ponta recomendou-lhe: – Do que viste, não deves contar nada a ninguém. Recorda-te: «A boca de um homem pode dar-lhe a vida ou causar-lhe a morte!» Koumba tranquilizou-o: – Não te preocupes, não sou uma pessoa que dá com a língua nos dentes! E pôs-se a caminho para regressar à aldeia. Mas o que tinha visto era de tal maneira extraordinário que, apenas chegou à aldeia, se esqueceu da promessa e foi direito à casa do rei, não descansando enquanto não lhe contou tudo: – Meu rei, disse-lhe, não imaginas o que me aconteceu: andava à caça na floresta quando descobri numa clareira um grande campo de milho onde as plantas cresciam apesar da seca. E o mais surpreendente é que o dono do campo era um sapo fiador! – Um sapo fiador a guardar o seu campo de milho?! Não pode ser verdade, disse o rei, isso é coisa que tu inventaste. – Não, insistiu Koumba, não se trata de um sonho. Vi o sapo com os meus olhos e comi as espigas do seu campo! Se não acreditas, meu rei, eu posso mostrar-te o campo, se tiveres a bondade de me seguir pela floresta. Como na aldeia reinava a fome, o rei decidiu seguir Koumba à descoberta do campo de milho. Se se trata de uma mentira, sentenciou o rei, vais arrepender-te: farei de ti meu escravo. Koumba, acompanhado pelo rei e pelos seus homens a cavalo, embrenhou-se de novo pela floresta, seguindo o caminho que tinha feito no dia anterior e chegou finalmente à clareira onde tinha descoberto o campo de milho e o seu insólito cultivador. Mas de Ponta e do seu campo de milho nem rasto! – Devo ter-me enganado no caminho – confessou Koumba. – Vamos por este outro carreiro. Caminharam até ao cair do Sol sem encontrar o campo de milho. O rei perdeu a paciência: – Koumba, como pudeste mentir ao teu rei e inventar uma história destas em tempo de escassez?! Pagarás por isso e, a partir de hoje, tu e a tua família sereis meus escravos! 10
  11. 11. 6 Só então Koumba se lembrou das palavras que Ponta lhe tinha dito ao despedir-se: «A boca de um homem pode dar-lhe a vida ou causar-lhe a morte!» Mas era tarde de mais. Conta-se que Koumba e a sua família foram os primeiros escravos daquela aldeia. Por isso, ensina-se que é bom ser-se discreto porque quem fala sem pensar bem no que diz pode causar muito dano a si e aos outros. http://www.alem-mar.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EEZpEVFlyliYvLYdrH (cons. dia 16/09/2014) 1. 1.a; 2.b; 3.b; 4.d; 5.c; 6.c; 7.c; 8.b; 9.d; 10.c Grupo II Parte A 1. a) caminho b) lançar a âncora do navio c) navio movido por máquina a vapor d) movimento tranquilo das ondas e do vento e) agitado f) pequeno barco g) miudezas; coisas sem importância h) convenceu 2. a-2; b-1; c-3 3. a) F; b) V; c) V; d) F; e) F; f) V 4. 4.1. Robinson dirigiu-se a Hull para se despedir de um amigo que ia para Londres, mas não resistiu e embarcou no mesmo navio. 4.2. Durante a primeira viagem ele assustou-se muito com o vento e a agitação do mar e enjoou. 4.3. “Foi sincero até o vento deixar de soprar.” (l. 11). 4.4. Robinson e os restantes marinheiros tiveram de aguardar na baía de Yarmouth porque o vento não estava a soprar de feição, isto é, não soprava na direção desejada. 11
  12. 12. 6 4.5. Para tentar evitar o naufrágio, tiveram de cortar os mastros do navio. 4.6. Robinson não regressou a casa por se sentir envergonhado e por ter medo que se rissem dele. 4.7. Sim, teve êxito, como se pode ver pela expressão “adquiriu lá tanto pó de oiro” (ll. 38-39). Parte B 1. Resposta livre Grupo II 1) sapateiro; saleiro; carteiro 2) a) tonto; b) feito; c) manhã; d) auto+ carro; e) couve+ flor 3) Palavra composta Derivação Composição Sufixação Prefixação Parassíntese Morfológica Morfossintática tonturas X desfeito X amanhecer X autocarro X couve-flor X 4) A) O Júlio lavou-o. B) A Marta e a Joana avisaram-no. C) Eu contei-lhe a verdade. D) Elas foram comprá-los. E) Os prisioneiros obedeceram-lhes. F) Ele di-la? Grupo III Resposta livre 12

×