Recursos expressivos -ficha para 3º ciclo

6.749 visualizações

Publicada em

Recursos expressivos

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.749
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.748
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
183
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recursos expressivos -ficha para 3º ciclo

  1. 1. 1 FICHA DE TRABALHO DE PORTUGUÊS- 3º ciclo Recursos expressivos Identifica o(s) recurso(s) presente(s) em cada enunciado (todos os excertos pertencem à obra Contos do Nascer da Terra de Mia Couto): 1. “O olho dele era faz-conta um peixe morto no aquário do seu rosto.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”) 2. “Metida a sombra, fumo, vapores.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”) 3. “A gorda Felizminha remexe a sopa, relambe a colher,acerta o sal na lágrima.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”) 4. “Eu de onde vim tenho lembrança é de coqueiros, aquele marejar das folhas faz conta a gente está sempre rente ao mar.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”) 5. “…essas que o patrão convidava existiam, verídicas e autênticas?” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”) 6. “Vens e vês o mundo.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”) 7. “…os dedos escondendo-se como sapinhos envergonhados.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”) 8. “…me traga chuva, uma porção de chuva boa, grossa e gorda.” (“A última chuva do prisioneiro”) 9. “Aqui somos roubados por polícia, roubados por ladrões.” (“A última chuva do prisioneiro”) 10. “Já nem podemos estar livres na cadeia.” (“A última chuva do prisioneiro”) 11. “A feiura deste mundo já não tem dentro nem fora.” (“A última chuva do prisioneiro”) 12. “Ela enchia o nariz de rapé, aspirava aquilo como se a narina fosse a boca da sua alma.” (“A última chuva do prisioneiro”) 13. “Depois, espirrava, soltando distraídos demónios.” (“A última chuva do prisioneiro”) 14. “Minha mãe me acorria, me sacudia, me suspendia.” (“A última chuva do prisioneiro”) 15. Dentro e fora, já eu era conhecido de todos, presos e guardas.” (“A última chuva do prisioneiro”) 16. “Tudo em volta eram securas, poeiras e remoinhos.” (“A última chuva do prisioneiro”) 17. “…enchendo de mofo e fofo estofo.” (“A gorda indiana”) 18. “De tanto viver em sombra ela chegava de criar musgos nas entrecarnes.” (“A gorda indiana”) 19. “Modari, de dia, noturna.” (“A gorda indiana”) 20. Lhe pegava, virava e desfraldava com o esforço do pescador de baleia.” (“A gorda indiana”)
  2. 2. 2 21. “Por fim, lhe ajudava a vestir uma combinação leve, transparente.” (“A gorda indiana”) 22. “O migrante lhe trouxe panos, cores e perfumes da Índia.” (“A gorda indiana”) 23. “Era preciso tudo controlar: batimentos, calores, suspiros.” ((“A menina,as aves e o sangue”) A professora: Lucinda Cunha PROPOSTA DE CORREÇÃO 1. “O olho dele era faz-conta um peixe morto no aquário do seu rosto.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”)- comparação, metáfora 2. “Metida a sombra, fumo, vapores.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”)- enumeração 3. “A gorda Felizminha remexe a sopa, relambe a colher,acerta o sal na lágrima.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”)- assíndeto 4. “Eu de onde vim tenho lembrança é de coqueiros, aquele marejar das folhas faz conta a gente está sempre rente ao mar.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”)- metáfora, comparação 5. “…essas que o patrão convidava existiam, verídicas e autênticas?” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”)- pleonasmo e dupla adjetivação 6. “Vens e vês o mundo.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”)- aliteração 7. “…os dedos escondendo-se como sapinhos envergonhados.” (“A viagem da cozinheira lagrimosa”)-comparação 8. “…me traga chuva, uma porção de chuva boa, grossa e gorda.” (“A última chuva do prisioneiro”)- tripla adjetivação 9. “Aqui somos roubados por polícia, roubados por ladrões.” (“A última chuva do prisioneiro”)- paralelismo e paradoxo 10. “Já nem podemos estar livres na cadeia.” (“A última chuva do prisioneiro”)- paradoxo e metáfora 11. “A feiura deste mundo já não tem dentro nem fora.” (“A última chuva do prisioneiro”)- antítese 12. “Ela enchia o nariz de rapé, aspirava aquilo como se a narina fosse a boca da sua alma.” (“A última chuva do prisioneiro”)- comparação 13. “Depois, espirrava, soltando distraídos demónios.” (“A última chuva do prisioneiro”)- aliteração (distraídos demónios); hipálage (distraídos) 14. “Minha mãe me acorria, me sacudia, me suspendia.” (“A última chuva do prisioneiro”)- assíndeto e paralelismo 15. Dentro e fora, já eu era conhecido de todos, presos e guardas.” (“A última chuva do prisioneiro”)- antítese 16. “Tudo em volta eram securas, poeiras e remoinhos.” (“A última chuva do prisioneiro”)- enumeração
  3. 3. 3 17. “…enchendo de mofo e fofo estofo.” (“A gorda indiana”)- aliteração e assonância 18. “De tanto viver em sombra ela chegava de criar musgos nas entrecarnes.” (“A gorda indiana”)- hipérbole 19. “Modari, de dia, noturna.” (“A gorda indiana”)- pradaoxo 20. Lhe pegava, virava e desfraldava com o esforço do pescador de baleia.” (“A gorda indiana”)- metáfora 21. “Por fim, lhe ajudava a vestir uma combinação leve, transparente.” (“A gorda indiana”)- dupla adjetivação 22. “O migrante lhe trouxe panos, cores e perfumes da Índia.” (“A gorda indiana”)- enumeração 23. “Era preciso tudo controlar: batimentos, calores, suspiros.” ((“A menina,as aves e o sangue”)- enumeração

×