Questões de gramática - o caçador (ficha 2)

17.189 visualizações

Publicada em

Ficha de gramática de Português para 3º ciclo (8º ou 9º) para rever quase toda a gramática (classes de palavras, funções sintáticas, orações, pronominalização, subclasses de verbos, processos de formação de palavras, discurso direto e indireto, frase ativa e passiva...).

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.189
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13.010
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
308
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Questões de gramática - o caçador (ficha 2)

  1. 1. ***FICHA DE TRABALHO COM QUESTÕES DE GRAMÁTICA*** (25 questões de escolha múltipla) Lê o excerto comatençãoe responde às questões, selecionandoas alíneas corretas. O caçador que falou demais 5 10 15 20 (Pela bocamorreo peixe,diz-se entrenós. Esta fábulado Benimvai um pouco maislonge:quem falasem pensarbem no que dizpodecausarmuito dano a si e aos outros.) Era tempo de escassez, como muitas vezesacontece em África,onde a fome e a sede visitam com frequência as aldeias. Um dia, de manhã cedo, apenas o galo cantou pela primeira vez,Koumba, o caçador, juntou as suas flechase o seu arcoe embrenhou-se pela floresta à procura de caça.Andou durante muito tempo, até o sol nascer, mas de caçanem o rasto… Koumba não se deixou vencere continuou a sua busca durante o dia, até ao pôr do sol. Estava a ficardesanimado por ter de regressar à aldeia de mãos a abanar quando, de repente, deparou com o sapo Ponta,que tecia algodão enquanto guardava o seu campo de milho. Uma coisa nunca vista: um sapo tecedor que cultivavaum campo de milho! O caçador aproximou-se devagar, com prudência, para cumprimentar o sapo. Ponta mostrou-se muito cordial e convidou-oa sentar-se e a comer uma espiga de milho, que entretanto ele mesmo acabara de assar nas brasas. O caçador comeu comgosto. Era tempo de escassez e há muito que não comia milho tão saboroso. Quando Koumba se levantou, para regressar a sua casa, Ponta recomendou-lhe: – Do que viste, não deves contar nada a ninguém. Recorda-te: «A boca de um homem pode dar-lhe a vida ou causar-lhe a morte!» Koumba tranquilizou-o: – Não te preocupes, não sou uma pessoa que dá coma língua nos dentes! E pôs-se a caminho para regressar à aldeia. […] Por:PAOLO VALENTE http://www.alem-mar.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EEZpEVFlyliYvLYdrH (cons. dia 16/09/2014) 1. A oração subordinada adjetiva relativa restritiva constante do título deste conto desempenha a função sintática de a) complemento direto. b) modificador do grupo verbal. c) modificador do nome. d) complemento oblíquo. 2. Indica qual a função sintática desempenhada pela oração subordinada substantiva relativa sublinhada no enunciado “quemfala sempensarbemno quediz podecausarmuito dano a si e aos outros” (linhas 1 e 2): a) sujeito. b) complemento direto. c) modificador do grupo verbal. d) modificador de frase. 3. O complexo verbal “pode causar” (linha 2) é composto por um verbo principal no Infinitivo (“causar”) antecedido por um verbo (“pode”) auxiliar a) da passiva. b) dos tempos compostos. c) aspetual. d) modal.
  2. 2. 4. Se substituíssemos o complemento direto presente no enunciado “pode causar muito dano a si e aos outros” (linha 2), reescrevê-lo-íamos como? a) “pode causar-lo a si e aos outros”. b) “pode causá-lo a si e aos outros”. c) “pode causar-lhes muito dano”. d) “pode causar o dano a si e a eles”. 5. Como classificas o sujeito da forma verbal “visitam” (linha 3)? a) Sujeito simples. b) Sujeito composto. c) Sujeito nulo indeterminado. d) Sujeito nulo subentendido. 6. O verbo “juntar” no enunciado “juntou as suas flechas e o seu arco e embrenhou-se pela floresta à procura de caça” (linha 5) pertence à subclasse dos verbos a) auxiliares. b) copulativos. c) principais transitivos diretos. d) principais transitivos indiretos. 7. O grupo nominal “o caçador” (linhas 4 e 5), que se encontra isolado por vírgulas, desempenha a função sintática de a) vocativo. b) sujeito. c) modificador de frase. d) modificador apositivo do nome. 8. A forma verbal “embrenhou-se” (linha 5) está a selecionar a) um complemento oblíquo (“pela floresta”). b) um complemento oblíquo (“pela floresta”) e um modificador do nome (“à procura de caça”). c) um complemento direto (“pela floresta”) e um modificador do grupo verbal (“à procura de caça”). d) um complemento oblíquo (“pela floresta”) e um modificador do grupo verbal (“à procura de caça”). 9. O processo de formação da palavra “caça” (linha 6) designa-se por a) truncação. b) sigla. c) derivação não afixal. d) composição morfológica. 10. Quanto ao processo de formação, a palavra “pôr do sol” (linha 7) formou-se por a) parassíntese. b) derivação não afixal. c) composição morfológica. d) composição morfossintática. 11. O par de palavras “pôr” (linha 7) e “por” (linha 8) designam-se por palavras a) homónimas. b) parónimas. c) homófonas. d) homógrafas. 12. Apesar de pertencer à classe das preposições, a palavra “por” (linha 8) está a introduzir uma oração a) coordenada explicativa. b) subordinada adverbial causal. c) subordinada adverbial concessiva. d) subordinada substantiva relativa.
  3. 3. 13. Coloca na passiva o enunciado “o sapo Ponta […] tecia algodão “ (linhas 8 e 9). a) Algodão o sapo Ponta tecia. b) O sapo Ponta tece algodão. c) Algodão foi tecido pelo sapo Ponta. d) Algodão era tecido pelo sapo Ponta. 14. No enunciado “que entretanto ele mesmo acabara de assar “ (linhas 12 e 13) a palavra “que”, quanto à classe de palavras, é a) um pronome. b) um advérbio. c) uma conjunção. d) uma preposição. 15. Quanto à flexão, a forma verbal “há” (linha 13) classifica-se como verbo a) auxiliar. b) defetivo unipessoal. c) defetivo impessoal. d) defetivo expletivo. 16. Atenta nos verbos sublinhados no excerto “acabara deassarnas brasas.O caçador comeucom gosto.Eratempo deescassezehá muito que não comiamilho tão saboroso.“ (linhas13 e 14) e assinala a única alínea correta. a) As quatro formas verbais encontram-se nos três tempos do pretérito do modo Indicativo. b) A primeira formaverbal sublinhada está conjugada no modo Condicional. c) A forma verbal “comia” está conjugada no pretérito perfeito do modo Indicativo. d) As formas verbais “acabara” e “era” encontram-se no mesmo tempo e modo. 17. Que função sintática é desempenhada pela oração subordinada adverbial final “para regressar a sua casa “ (linha 15)? a) Vocativo. b) Modificador da frase. c) Modificador do nome. d) Modificador do grupo verbal. 18. “– Do que viste, não deves contar nada a ninguém.” (linha 17). Passa este enunciado em discurso direto para o discurso indireto. a) Ponta aconselhou a Koumba a, do que viu, não contar nada a ninguém. b) Ponta alertou Koumba de que não devia contar nada a ninguém do que tinha visto. c) Ponta disse a Koumba que, do que viu, não deve contar nada a ninguém. d) O sapo proibiu Koumba de contar a alguém o que viu. 19. Atenta de novo no enunciado “–Do que viste, não deves contar nada a ninguém.” (linha 17) e assinala a única opção incorreta. a) A forma verbal “viste” encontra-se conjugada no pretérito perfeito simples do modo Indicativo. b) A palavra “que” trata-se de um pronome relativo. c) O complexo verbal “deves contar” é composto por um verbo auxiliar dos tempos compostos seguido de um verbo principal. d) A palavra “ninguém” é um pronome indefinido. 20. Em que modo se encontra a forma verbal “Recorda-te” (linha 17)? a) Indicativo. b) Conjuntivo. c) Imperativo. d) Infinitivo. 21. Que recursos expressivos distingues no enunciado «A boca de um homem pode dar-lhe a vida ou causar-lhe a morte!» (linhas 17 e 18)?
  4. 4. a) Hipérbole e personificação. b) Adjetivação e paralelismo. c) Comparação e enumeração. d) Metáfora e antítese. 22. Atenta na expressão sublinhada no enunciado “não sou uma pessoa que dá com a língua nos dentes” (linha 20). Além desta expressão, a palavra “língua” surge em contextos como “língua afiada” ou “língua morta”. Assim, podemos afirmar que estamos perante a) a família de palavras de “língua”. b) o campo semântico de língua. c) o campo lexical de “língua”. d) a denotação de “língua”. 23. Os pronomes “lhe” (linha 16) e “o” (linha 19), ao evitarem a repetição dos nomes que os antecedem, permitem assegurar a) a coesão textual. b) a coerência textual. c) a progressão temática. d) a continuidade de sentido. 24. Quanto à sua subclasse, a forma verbal “preocupes” (linha 20) no enunciado “Não te preocupes” é um verbo a) auxiliar. b) principal intransitivo. c) principal transitivo direto. d) principal transitivo direto e indireto. 25. Com o recurso à expressão “não sou uma pessoa que dá com a língua nos dentes!” (linha 20) Koumba recorreu a um registo a) popular da língua. b) corrente da língua. c) familiar da língua. d) cuidado da língua. BOM TRABALHO!!! A DOCENTE: Lucinda Cunha CORREÇÃO: 1-c 2-a 3-d 4-b 5-b 6-c 7-d 8-a 9-c 10-d 11-c 12-b 13-d 14-a 15-d 16-a 17-d 18-b 19-c 20-c 21-d 22-b 23-a 24-b 25-c

×