Pontuação ficha de trabalho 9º ano

10.868 visualizações

Publicada em

Ficha de trabalho de Português para 9º ano sobre a pontuação.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.868
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8.334
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
206
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pontuação ficha de trabalho 9º ano

  1. 1. FICHA DE TRABALHO DE PORTUGUÊS- 9º ano O USO DA PONTUAÇÃO I 1. Lê o texto com atenção e depois preenche o quadro com as devidas justificações para o uso das vírgulas: 1 5 10 Sete estrelas regressam ao firmamento Os shipibos, uma tribo de pessoas simples e comunicativas que vivem no interior da floresta amazónica, contam que, da mesma forma que o Sol viaja ao longo de um rio no firmamento, também as estrelas andam em canoas pelos rios do céu. Numa noite de tempestade, um dos barcos em que elas se deslocavam virou-se e sete estrelinhas caíram na Terra, no meio da floresta. Entretanto, os espíritos da floresta entretinham-se em amena cavaqueira, gerando trovões, relâmpagos e faíscas. As pobres estrelas estavam muito aterrorizadas e queriam regressar a suas casas, no firmamento, mas não conseguiam. Enquanto excogitavam1 o que haviam de fazer, viram os homens da tribo shipiba a usar arcos e flechas na caça. Então as estrelinhas, espertalhonas, também construíram arcos e flechas e começaram a atirá-las em direção ao céu. Quando uma das flechas conseguiu espetar-se no firmamento, as seguintes iam-se pregando umas às outras, formando como que uma escada muito longa, que unia o Céu e a Terra. (…) http://www.alem-mar.org Exemplos Justificação do uso da(s) vírgula(s) “Os shipibos, uma tribo de pessoas simples e comunicativas que vivem no interior da floresta amazónica, (…)” (ll. 1-2) “Numa noite de tempestade, um dos barcos” (l. 4) “Enquanto excogitavam o que haviam de fazer, viram os homens” (l. 8) “Quando uma das flechas conseguiu espetar-se no firmamento, as seguintes” (ll. 10-11) “Então as estrelinhas, espertalhonas, também” (l. 9) “as seguintes iam-se pregando umas às outras, formando como que uma escada muito longa” (ll. 11-12) “uma escada muito longa, que unia o Céu e a Terra” (l. 12 1 meditar; investigar; descobrir alguma coisa. 1
  2. 2. 2. Reescreve as frases que se seguem, pontuando devidamente aquelas que apresentam erros inequívocos de pontuação: a) O homem, que sofria de asma, sentiu-se mesmo muito mal… b) Maria ajuda-me, se fazes favor! c) Depois de estacionar a nossa vizinha, foi abordada por um desconhecido que lhe levou, a carteira. d) A reciclagem é importante ou seja é essencial para a preservação das árvores por exemplo. e) Depois de amanhã vou ao médico. f) Infelizmente, não consegui falar com o Miguel sobre aquele assunto tão importante… g) Depois do acidente, as vítimas desnorteadas pediram socorro aos veículos, que passavam na auto-estrada. h) Pedi um favor ao meu vizinho. Todavia ainda estou à espera. i) Sempre que o vejo o meu coração dispara; j) A Matilde levava na mochila em vez dos livros revistas vernizes, e um espelho. k) A minha tia Fernanda embora tenha uma doença grave tem sempre um sorriso no rosto. l) Sabias que o Júlio vai casar-se. m) Felizmente o meu pai ganhou, a lotaria. 3. Pontua devidamente o texto que segue, usando quer auxiliares de escrita, quer sinais de pontuação. Nota que este texto tem discurso direto: 1 5 10 Ervas curandeiras A naturopatia está na moda que tal uma chávena de chá de camomila ao deitar em vez de um comprimido o biólogo Jorge Nunes revela as propriedades medicinais e aromáticas das espécies vegetais autóctones mais usadas na medicina tradicional Os desesperados agarram-se às silvas dizia a Ti Piedade enquanto o corpo negro e cansado se curvava sobre os matos espinhosos e as mãos vetustas e calejadas iam ripando as flores da carqueja Principalmente quando já não aguentam os males da boca ou a soltura dos intestinos e não falo de chupar amoras pretinhas não senhor acrescentava com um sorriso malandreco Momentos mais tarde ao passar por um silvado florido fez questão de mostrar que não estava mesmo a referir-se às deliciosas amoras tão apreciadas como frutos silvestres mas às pontas das silvas Folhas tenrinhas e flores fechadas vê Depois de fervidas e bem filtradas  têm muitos picos é preciso ter muito cuidado advertia  servem para bochechar curam aftas dores nas gengivas e outras doenças da boca e em tisana aliviam a diarreia  soltura desarranjo ou destempero como é uso chamarem-lhe no mundo rural In http://www.superinteressante.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1167:ervas-curandeiras& catid=6:artigos&Itemid=80 (cons. dia 07/10/2014) 2
  3. 3. BOM TRABALHO!!! A DOCENTE: Lucinda Cunha PROPOSTA DE CORREÇÃO 1. Exemplos Justificação do uso da(s) vírgula(s) “Os shipibos, uma tribo de pessoas simples e comunicativas que vivem no interior da floresta amazónica, (…)” (ll. 1-2) A vírgula é usada para separar o modificador apositivo do nome que o antecede; “Numa noite de tempestade, um dos barcos” (l. 4) A vírgula está a separar um modificador do grupo verbal do resto da frase; “Enquanto excogitavam o que haviam de fazer, viram os homens” (l. 8) “Quando uma das flechas conseguiu espetar-se no firmamento, as seguintes” (ll. 10-11) Coloca-se a vírgula quando a oração subordinada antecede a subordinante (neste caso, ambas são or. subordinadas adverbiais temporais); “Então as estrelinhas, espertalhonas, também” (l. 9) “espertalhonas” desempenha a função de modificador apositivo (do nome), pelo que vem entre vírgulas; “as seguintes iam-se pregando umas às outras, formando como que uma escada muito longa” (ll. 11-12) Neste caso, a vírgula serve para marcar a coordenação assindética, que ocorre devido à ausência de conjunção a ligar as orações; “uma escada muito longa, que unia o Céu e a Terra” (l. 12 A vírgula está a separar a oração subordinada adjetiva explicativa, que complementa o nome “escada”. 2. (as frases sublinhadas não sofreram alteração) a) O homem, que sofria de asma, sentiu-se mesmo muito mal… b) Maria, ajuda-me, se fazes favor! c) Depois de estacionar, a nossa vizinha foi abordada por um desconhecido que lhe levou a carteira. d) A reciclagem é importante, ou seja, é essencial para a preservação das árvores, por exemplo. e) Depois de amanhã, vou ao médico. f) Infelizmente, não consegui falar com o Miguel sobre aquele assunto tão importante… g) Depois do acidente, as vítimas, desnorteadas, pediram socorro aos veículos que passavam na auto-estrada. h) Pedi um favor ao meu vizinho. Todavia, ainda estou à espera. i) Sempre que o vejo, o meu coração dispara; j) A Matilde levava na mochila, em vez dos livros, revistas, vernizes e um espelho. k) A minha tia Fernanda, embora tenha uma doença grave, tem sempre um sorriso no rosto. l) Sabias que o Júlio vai casar-se? m) Felizmente, o meu pai ganhou a lotaria. 3
  4. 4. 3. Ervas curandeiras A naturopatia está na moda. Que tal uma chávena de chá de camomila ao deitar em vez de um comprimido? O biólogo Jorge Nunes revela as propriedades medicinais e aromáticas das espécies vegetais autóctones mais usadas na medicina tradicional. "Os desesperados agarram-se às silvas!”, dizia a Ti Piedade enquanto o corpo negro e cansado se curvava sobre os matos espinhosos e as mãos vetustas e calejadas iam ripando as flores da carqueja. “Principalmente, quando já não aguentam os males da boca ou a soltura dos intestinos… e não falo de chupar amoras pretinhas, não senhor...”, acrescentava com um sorriso malandreco. Momentos mais tarde, ao passar por um silvado florido, fez questão de mostrar que não estava mesmo a referir-se às deliciosas amoras tão apreciadas como frutos silvestres, mas às pontas das silvas: “Folhas tenrinhas e flores fechadas, vê?” Depois de fervidas e bem filtradas – “têm muitos picos, é preciso ter muito cuidado!”, advertia –, servem para bochechar (curam aftas, dores nas gengivas e outras doenças da boca) e, em tisana, aliviam a diarreia (“soltura”, “desarranjo” ou “destempero”, como é uso chamarem-lhe no mundo rural). In http://www.superinteressante.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1167:ervas-curandeiras& catid=6:artigos&Itemid=80 (cons. dia 07/10/2014) 4

×