Ficha de Português sobre gramática

7.126 visualizações

Publicada em

Mais uma ficha de trabalho formativa (com correção).

Publicada em: Educação
2 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.126
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.942
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
205
Comentários
2
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ficha de Português sobre gramática

  1. 1. 1 FICHA DE TRABALHO DE PORTUGUÊS ***REVISÕES DE GRAMÁTICA*** Lê o texto com atenção e responde às questões, assinalando a única resposta correta para cada item: O porco fossão 5 10 15 20 25 30 35 Nesta fábula do Benim, a tartaruga engana de tal modo o porco que o transforma num autêntico fossão. O porco e a tartaruga eram grandes amigos. Passavam muito tempo juntos, davam longos passeios pela savana e pelo mercado. Eramfrequentes as visitas a casa um do outro, passando tardes inteiras em amena cavaqueira, rindo e contando histórias do passado. Um dia, o casal de tartarugas resolveu fazer uma casa nova e, como o porco, nessa altura, era rico, foi pedir-lhe um empréstimo; e o porco emprestou-lhe o dinheiro. Passaram-se bastantes meses, e eles não davam mostras de querer restituir o dinheiro. O porco começou então a perder a paciência. Sempre que se dirigia a sua casa para obter a devolução, o macho escondia-se debaixo da erva do jardim. Quando o porco batia à porta, a esposa, respondia de dentro de casa, sem sequer abrir: «Queres ver o meu marido? Ah!, que pena, acabou mesmo agora de sair. Volta amanhã ou daquia uma semana. Olha, agora tenho a panela ao lume, e não posso atender-te; até à vista, suíno!» Furioso pelo facto de ser sempre mal atendido, um dia o porco chegou repentinamente a casa do casal de tartarugas, que nem deram conta da sua presença. O macho já não tinha tempo de se esconder e arriscava-se a ser apanhado em flagrante. O marido pediu então à esposa para o virar com a carapaça para baixo, de forma que a parte do ventre se assemelhava a um malhadouro para o tabaco. Todos sabemos que o ventre da tartaruga se assemelha a uma tabaqueira. O porco entrou e viu a esposa tartaruga a moer o tabaco sobre o ventre duro do marido. Começou a grunhir e dirigiu-se ao jardim a fossar para o encontrar, mas não viu nada. «Onde está o teu marido, que não quer pagar-me a dívida?», perguntou o porco furioso. A esposa tartaruga respondeu: «Peço-te, suíno, para não insultares o meu marido por motivo nenhum! Ele há de pagar- te. Mas tu, com as tuas atitudes, aborreces-nos. O meu marido foi ao médico, porque está muito doente». «Andas a enganar-me», retorquiu o porco desconfiado. «Quando bati à porta, ouvi a voz dele. O teu marido está escondido, é um gatuno. Se o encontro, vai passar um mau bocado!» Diante de tanto insulto, a esposa tentou empurrar o porco para fora do jardim. Fê-lo com tanta força que o porco quase caía. Furioso, quis vingar-se. Com um tremendo grunhido, deu um pontapé na falsa tabaqueira ali junto das suas patas e atirou com ela para lá dos muros do jardim. Diante disto, a esposa tartaruga atirou-se ao porco e ambosse agrediam violentamente. Entretanto, a falsa tabaqueira havia-se levantado e, apoiando-se num ramo, viu o porco a bater na esposa. Reentrou apressadamente pela porta do jardim e tentou separar os litigantes. Depois, dirigiu-se ao porco com delicadeza: «Amigo, que se passa? Devo-te dinheiro, é certo; mas isso não te autoriza a bater na minha mulher!» A mulher gritou por sua vez: «Ele atirou a tabaqueira lá para longe!» «Oh!– interveio o marido–, haja paz, haja paz! Suíno, o caso resolve-se já. Encontra a tabaqueira, trá-la para cá e levas imediatamente o teu dinheiro.»
  2. 2. 2 O porco saiu a correr, foi para onde julgava que ela caíra, procurou por todo o lado, mas nada. Começou então a fossar por toda a parte, nos campos, nos bosques, nas lixeiras, em busca daquilo que até hoje ainda não conseguiu encontrar. http://www.alem-mar.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EEFlAyEVupvxulKnRm (23/02/2016) 1. Retira da primeira frase do texto a oração subordinada adverbial consecutiva. 2. Como classificas o sujeito da frase “O porco e a tartaruga eram grandes amigos.” (linha 3)? 3. Identifica a função sintática exercida pelo constituinte “pela savana e pelo mercado” (linha 4). 4. Identifica o tempo verbal em que se encontram as formas verbais “passando”, “rindo” e “contando” (linhas 4-5) e refere o seu valor aspetual. 5. A que classe e subclasse pertence a palavra “casal” (linha 6)? 6. Classifica a oração introduzida pela palavra “como” (linha 6). 7. Coloca no discurso indireto a fala reproduzida nas linhas 11 e 12. 8. A que subclasse pertence o advérbio “repentinamente” (linha 13)? 9. Que função sintática desempenha o constituinte “a casa do casal de tartarugas” (linhas 13-14)? 10. Refere a classe e subclasse da palavra sublinhada no enunciado “que nem deram conta da sua presença” (linha 14). 11. Com os nomes “macho” (linha 14) e “marido” (linha 15) que processo de coesão foi respeitado? 12. Identifica a função sintática exercida pelo pronome “o” no enunciado “O marido pediu então à esposa para o virar” (linha 15). 13. Refere a subclasse da forma verbal “pagar” (linha 20). 14. Justifica o uso da vírgula no enunciado “Quando bati à porta, ouvi a voz dele.” (linhas 23-24). 15. Qual é o antecedente do pronome “lo” (linha 25)? 16. Refere o valor do pronome pessoal “se” na forma verbal “se agrediam” (linha 28). 17. Em que tempo e modo verbais se encontra a forma do verbo levantar “havia-se levantado” (linha 29)? 18. Identifica o processo de formação da palavra “apressadamente” (linha 30). 19. Qual é a função sintática desempenhada pela palavra “Suíno” (linha 34)? 20. Refere qual o recurso expressivo presente no excerto “nos campos, nos bosques, nas lixeiras” (linha 37). BOM TRABALHO! A PROFESSORA: Lucinda Cunha
  3. 3. 3 PROPOSTA DE CORREÇÃO 1. “que o transforma num autêntico fossão”; 2. Sujeito composto; 3. Modificador do grupo verbal; 4. Gerúndio; valor aspetual durativo; 5. Nome comum coletivo contável; 6. Oração subordinada adverbial causal; 7. A tartaruga perguntou ao porco se queria ver o seu marido, mas que era uma pena, pois ele acabara mesmo de sair naquele instante. Pediu-lhe que voltasse (para voltar) no dia seguinte ou dali a uma semana. Finalizou informando que naquele momento tinha a panela ao lume e não podia atendê- lo, despedindo-se de seguida. ; 8. Advérbio de predicado; 9. Complemento oblíquo; 10. Conjunção subordinativa consecutiva; 11. Coesão lexical; 12. Complemento direto; 13. Verbo principal transitivo direto e indireto; 14. Usa-se porque a oração subordinada antecede a subordinante; 15. “empurrar o porco (para fora do jardim)”; 16. Valor recíproco; 17. Pretérito mais-que-perfeito composto do Modo Indicativo; 18. Derivação por parassíntese; 19. Vocativo; 20. Enumeração.

×