ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO       MÉDIO CARLOS BRATZ                MISSÃO:   Oferecer educação de qualidade para   desenvol...
VISÃO:Ser uma instituição de ensinorespeitada por promover umaeducação de qualidade, alicerçadano trabalho em equipe, quep...
VALORES:•   Valorização da comunidade•   Respeito às diferenças•   Solidariedade•   Honestidade•   Responsabilidade•   Con...
2002 – ENSINO MÉDIO          ALTERNATIVO“ O surgimento do novo não pode ser  previsto. Senão não seria novo. O surgimento ...
Iniciamos nosso trabalho a partirda realidade local, que foiconstatada através da pesquisana comunidade, envolvendo aparti...
O PASSAR DOS ANOS                 NA LINHA SÃO CARLOSPERÍODOS   1885 a 1900 1901 a 1933  1934 a 1964           1965 a 1980...
1885 a     1901 a 1933        1934 a 1964   1965 a 1980            1981 a 2001PERÍODOS   1900       Início do          Est...
PERÍODOS   1885 a 1900      1901 a 1933        1934 a 1964   1965 a 1980       1981 a 2001           Início da            ...
PERÍODOS   1885 a 1900   1901 a 1933      1934 a 1964     1965 a 1980        1981 a 200           Início da     Início do ...
PERÍODOS    1885 a 1900   1901 a 1933    1934 a 1964   1965 a 1980         1981 a 2001            Início da     Início do ...
PERÍODOS   1885 a 1900     1901 a 1933      1934 a 1964   1965 a 1980           1981 a 2001           Início da       Iníc...
PERÍODOS   1885 a 1900    1901 a 1933       1934 a 1964   1965 a 1980        1981 a 2001           Início da      Início d...
PERÍODOS   1885 a 1900   1901 a 1933    1934 a 1964   1965 a 1980   1981 a 2001           Início da     Início do      Est...
PERÍODOS   1885 a 1900     1901 a 1933    1934 a 1964     1965 a 1980   1981 a 2001           Início da       Início do   ...
PERÍODOS    1885 a 1900    1901 a 1933    1934 a 1964      1965 a 1980   1981 a 2001            Início da      Início do  ...
PERÍODOS   1885 a 1900    1901 a 1933       1934 a 1964         1965 a 1980     1981 a 2001           Início da      Iníci...
PESQUISA DA REALIDADECONSTRUÇÃO DE EIXOS /     FOCO DASTEMAS ARTICULADORES       ETAPAS                        SABERES DAS...
• ORGANIZAÇÃO DOS TEMPOS EDUCATIVOS:  * FORMAÇÃO  * GESTÃO  * CONHECIMENTO  * CULTURA  * AVALIAÇÃO  * LEITURA  * NOTÍCIA  ...
PRINCÍPIOS NORTEADORES# Projeto de desenvolvimento socialmente  justo.# Democracia participativa# Educação Popular        ...
TEMPO-AULA                  TEMPO-COMUNIDADE•   Tempo planejamento       •   Tempo relato do cotidiano•   Leitura         ...
FOCOS DAS ETAPASTEMAS ARTICULADORES ↔ REALIDADE CONCRETA  ETAPA 1: Compreensão da           ETAPA 4: Relação do ser humano...
• “A FUNÇAÕ DO PROFESSOR NÃO É MAIS DAR A  RESPOSTA CERTA, MAS SIM, FAZER A PERGUNTA  CERTA NO MOMENTO CERTO.”• “NA SUPERA...
• Depoimentos de alunos do Ensino        Médio Alternativo
ENSINO MÉDIO            POLITÉCNICOTema trabalhado no 1º trimestre:          EstiagemMetodologia muito semelhante com o  E...
Construindo uma Escola mais    humana, solidária, alegre e           responsável• Várias atividades lúdicas, que dialogam ...
GRÊMIO ESTUDANTIL JUVENTUDE          EM AÇÃO
Rádio escolar
Apresentações   Teatrais
Jogos Escolares
PalestrasEducativas eMotivacionais
Semana da Injeção   de Ânimo
Festival da Canção
Concurso de  Cartazes
Gincanas
Jornal Mural
Concurso de  Danças
• Outras atividades:  – * música na hora do recreio  Comunidades sociais:  msn e e-mail: gremiosaocarlos@hotmail.com  http...
• Destaque nas Olimpíadas de Matemática  com o aluno Nelson Alexandre Prill• Destaque nas Autoridades Mirins• Projeto de l...
HORA DO CONTO EOUTRAS ATIVIDADESDAS SÉRIES INICIAIS
Encerramento com     música
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz

825 visualizações

Publicada em

Prática Pedagógica apresentada no Encontro de Formação Continuada Educação do Campo das mIssões: Um debate necessário, em 13 de julho de 2012.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
825
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
116
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prática Pedagógica Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bratz

  1. 1. ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO CARLOS BRATZ MISSÃO: Oferecer educação de qualidade para desenvolver as potencialidades dos educandos, tornando-os cidadãosresponsáveis pela transformação social de sua comunidade, incentivando a participação dos pais nesse processo.
  2. 2. VISÃO:Ser uma instituição de ensinorespeitada por promover umaeducação de qualidade, alicerçadano trabalho em equipe, quepromova a formação integral doeducando.
  3. 3. VALORES:• Valorização da comunidade• Respeito às diferenças• Solidariedade• Honestidade• Responsabilidade• Consciência reflexiva, crítica e cidadã• Participação construtiva
  4. 4. 2002 – ENSINO MÉDIO ALTERNATIVO“ O surgimento do novo não pode ser previsto. Senão não seria novo. O surgimento de uma criação não pode ser conhecido por antecipação, senão não haveria criação.” Edgar Morin
  5. 5. Iniciamos nosso trabalho a partirda realidade local, que foiconstatada através da pesquisana comunidade, envolvendo aparticipação de todos os alunos
  6. 6. O PASSAR DOS ANOS NA LINHA SÃO CARLOSPERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da tecnológica Decadência comunidade -Muita -Início do -Aumento do -Destruição -Pouca mata mata desmatamento desmatamento da mata -Refloresta -Animais para organizar ( a partir de -Monocultura mento das selvagens e espaço para 1960) -Erosão costas do Rio peixes em moradia e - Veneno para -Venenos em UruguaiAMBIENTE abundância lavoura. gafanhoto grande escala -Construção de -Água limpa - Queima de -Fim da fauna -Poluição açudes para -Picadas madeiras produzir peixes.
  7. 7. 1885 a 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001PERÍODOS 1900 Início do Estruturação Modificação Início da desmatamento da comunidade tecnológica Decadência colonizaçã o - Troca de -Vendiam o que -Aumento da -Fim das -Monocultura produtos sobrava produção e pequenas da cana comércio dos -Criação de produtos. indústrias -Leite animais -Bolicho ( compra -Compra de -Milho -Produção de e venda) maquinários -Pesca cachaça, fumo, -Antes de 1950: -COTRISA rapadura e serradeiro, alambique,ECONOMIA derivados de ferraria (fábrica de cana carroças) -Fábrica de calçados -Erva mate e fumo -Salame, linguiça, rapadura e banha -Fábrica de chalanas, lanchas e barcos -Venda de madeiras para
  8. 8. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da O PASSAR DOS ANOS colonização Início do desmatamento Estruturação Modificação da comunidade tecnológica Decadência NA LINHA SÃO CARLOS -Produziam -Compravam sal, -Compravam -Dependência -De 1981 a para farinha, graxa, querosene e as de terceiros 1990 sobrevivência sabão da demais -Comprava-se comprava-se Argentina e de milho, feijão, mercadorias muito mais São Luiz Gonzaga mandioca, -Os tecidos eram compradas -Calote -Começam a abóbora, de fardos, anteriormente produzirSUSTENTA cana-de- grandes peças, -Compravam algumaBILIDADE açúcar. comprados em combustível coisa para -Caça e pesca São Luiz Gonzaga -Na Argentina consumo e Cruz Alta comprava-se o -Armazenamento Petromaks de carne de porco, gado e grãos. -Ferramentas eram compradas em Cerro Largo
  9. 9. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 200 Início da Início do Estruturação da Modificação colonização desmatamento comunidade tecnológica Decadência -Não -Bailes em casas -Clube com jogo -Grupo de -Diminuiu o opinavam de famílias, as de bolão, bailes Jovens nº de joven -Brincavam diversões não -Futebol -Grupo 4 S -Êxodo rura com coisas visavam lucro -Estudar fora -Os pais naturais, -Jogo de bocha e -Futebol perderam a (casinha, cartas ( criação do autonomia brinquedos time União -Influência feitos de São Carlos) negativa daJOVENS madeira...) TV -Visita aos -Descrédito domingos para com a agricultura -A lei prote demais -Desprepar do jovem
  10. 10. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da comunidade tecnológica Decadência -Casa pau a -Tábuas -Telhado com -Luz elétrica -Está pique serradas em telhas de barro -Casas de melhorando estaleiro -Tijolo alvenaria a qualidade -Telhado de -Casas mistas -Eletrodomés tabuinhas -Água ticos -Vigas encanada farquejadasHABITAÇÃO
  11. 11. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da comunidade tecnológica Decadência -Grande -Reuniam-se -Tinham direito -Tripla -Melhorou o número de para falar de ao voto, mas jornada espaço filhos, para religião não faziam -De 1975 em -Saúde dar a luz -Faziam título de eleitor diante -Social havia ajuda enxoval começou a -A mulher mútua -Trabalho na conquistar não confia -Ajudavam roça e em casa seu espaço na mulher nas lavoura e -Submissão -Controle daMULHER em casa natalidade - anticoncepcio nal
  12. 12. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da comunidade tecnológica Decadência -Não existia -Estudavam em -1934 -Até 1975 o -Aluno professor Porto Xavier e inauguração da jovens iam desmotivado -Quem tinha Colônia Escola – início estudar em -Muita mais Sommer, mas das aulas em Porto Xavier formação experiência apenas poucos janeiro -Em 1975 profissional ensinava os estudavam. - 1959 – iniciou a 6ª outros -Se projetava a fundação da sérieEDUCAÇÃO 1ª escola e o Escola Rural -Em 1977 início da conclusão da construção da 1ª turma de mesma por 6 8ª série sócios -Aumento do nº de matrículas
  13. 13. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da comunidade tecnológica Decadência -Enchente de -Ataque de -1965: -1983:enchen 1911 gafanhotos enchente e te -Neve -1963 – neve -1986 e 1987: enchente -Pragas Seca -Mortalidade -Secas -Consumismo de crianças -Baixo preçoCRISES da soja
  14. 14. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da comunidade tecnológica Decadência -Primeiro os -1930 tinha 24 -Êxodo para a -Aumento do -Diminuição índios famílias que Argentina nº de da - 3 primeiros tinham filhos moradores população moradores: para ir à escola *Carlos Bratz -Mas apenas 22 *Carlos alunos iam à Sommer escolaMORADO *Carlos KohlRES
  15. 15. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da comunidade tecnológica Decadência - A cavalo, -Algumas -Rádio -Televisão -Antena mula e burro estradas -Jornal -Jornal parabólica -A cavalo -1º telefone no semanal -Telefone Clube residencial e -1º veículo por celular volta dos anos 1950COMUNICA -EM 1937 viramÇÃO E passar o 1ºTRNSPORTE avião -Várias estradas
  16. 16. PERÍODOS 1885 a 1900 1901 a 1933 1934 a 1964 1965 a 1980 1981 a 2001 Início da Início do Estruturação Modificação colonização desmatamento da comunidade tecnológica Decadência -Rezavam o -Casamento -1935 a 1951 – -Grupo de -Instituição terço em casa religioso valia construção da Jovens de ministras -De tempo mais que o civil Igreja Católica e -Catequese -Participa em tempo o Evangélica -Apostolado ção diminuiu padre vinha -Maior -Maior para dar participação integração atendimento -Missa todos entre asRELIGIÃO nas famílias, os finais de duas confissão, semana religiões missa, -Professor batismo, tinha que ser casamento – católico e todos se reuniam na residência de uma família
  17. 17. PESQUISA DA REALIDADECONSTRUÇÃO DE EIXOS / FOCO DASTEMAS ARTICULADORES ETAPAS SABERES DAS ETAPAS SABERES DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO PLANO DE TRABALHO DOS EDUCADORES
  18. 18. • ORGANIZAÇÃO DOS TEMPOS EDUCATIVOS: * FORMAÇÃO * GESTÃO * CONHECIMENTO * CULTURA * AVALIAÇÃO * LEITURA * NOTÍCIA * INTERESSE DOS ALUNOS SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SISTEMATIZAÇÃO
  19. 19. PRINCÍPIOS NORTEADORES# Projeto de desenvolvimento socialmente justo.# Democracia participativa# Educação Popular * Valorização de todos os saberes * Diálogo Freiriano * Contextualizado na realidade, visando sua superação * Respeito às diferenças * Caráter humanista
  20. 20. TEMPO-AULA TEMPO-COMUNIDADE• Tempo planejamento • Tempo relato do cotidiano• Leitura • Ações comunitárias• Notícia • Pesquisa• Gestão • Oficinas• Cultura • Trabalho voluntário• Organização estudantil• Pesquisa• Oficinas• Ludicidade• Meios de comunicação
  21. 21. FOCOS DAS ETAPASTEMAS ARTICULADORES ↔ REALIDADE CONCRETA ETAPA 1: Compreensão da ETAPA 4: Relação do ser humano realidade do ponto de vista do com a natureza e processo produtivo desenvolvimento numa perspectiva ética e humanista ( pesquisa – Planos de Estudo) ETAPA 2: Espaços de gestão ETAPA 5: Políticas públicas em vista (família, escola, comunidade) e da qualidade de vida relações de poder. ETAPA 3: Formação cultural da ETAPA 6: Alternativas de população e construção da desenvolvimento identidade ETAPA 7: SISTEMATIZAÇÃO REFLEXIVA DO PROCESSO SÍNTESE GERAL DO QUE FOI CONSTRUÍDO
  22. 22. • “A FUNÇAÕ DO PROFESSOR NÃO É MAIS DAR A RESPOSTA CERTA, MAS SIM, FAZER A PERGUNTA CERTA NO MOMENTO CERTO.”• “NA SUPERAÇÃO DO PROBLEMA , FAZER COM QUE O ALUNO APRENDA ALGUMA COISA PARA A VIDA.”• “O MAIS IMPORTANTE É SABER CONVIVER, RESPEITAR O LUGAR ONDE VIVEMOS E AS PESSOAS COM AS QUAIS NOS RELACIONAMOS.”• “PRECISAMOS DE GENTE QUE PENSE, TOME INICIATIVAS, EXPRESSE PENSAMENTOS, IDEIAS, SAIBA OUVIR O OUTRO E TRABALHAR EM GRUPO.”
  23. 23. • Depoimentos de alunos do Ensino Médio Alternativo
  24. 24. ENSINO MÉDIO POLITÉCNICOTema trabalhado no 1º trimestre: EstiagemMetodologia muito semelhante com o Ensino Médio AlternativoNeste momento, estamos trabalhando a Pesquisa Sócio-antropológica
  25. 25. Construindo uma Escola mais humana, solidária, alegre e responsável• Várias atividades lúdicas, que dialogam com os saberes das áreas do conhecimento• Participação ativa do Grêmio Estudantil Juventude em Ação
  26. 26. GRÊMIO ESTUDANTIL JUVENTUDE EM AÇÃO
  27. 27. Rádio escolar
  28. 28. Apresentações Teatrais
  29. 29. Jogos Escolares
  30. 30. PalestrasEducativas eMotivacionais
  31. 31. Semana da Injeção de Ânimo
  32. 32. Festival da Canção
  33. 33. Concurso de Cartazes
  34. 34. Gincanas
  35. 35. Jornal Mural
  36. 36. Concurso de Danças
  37. 37. • Outras atividades: – * música na hora do recreio Comunidades sociais: msn e e-mail: gremiosaocarlos@hotmail.com http://gremioestudantijuventudeemacao.blogspot.com• Também contamos com uma comunidade no orkut e uma página no FacebookO Grêmio Estudantil auxilia em todas as atividades que a Escola realiza, como por exemplo, nos Encontros Esportivos
  38. 38. • Destaque nas Olimpíadas de Matemática com o aluno Nelson Alexandre Prill• Destaque nas Autoridades Mirins• Projeto de leitura: Parada Obrigatória• Projetos em andamento na Escola: – * Jardinagem ( séries iniciais) – * Horta Escolar – * Viveiro – *Composteira – * Canteiro de ervas medicinais – * Hora do Conto
  39. 39. HORA DO CONTO EOUTRAS ATIVIDADESDAS SÉRIES INICIAIS
  40. 40. Encerramento com música

×