Introdução a CNC

23.863 visualizações

Publicada em

3 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Simplesmente Fantastico
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Olá eu gostaria muito de saber trabalhar com um torno cnc , e também conhercer seus programa como cdigo g e etc .

    será que vocês pode me ajudar pois não tenho condição de estudar no Senai pois é muito caro.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Muito bom !
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.863
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
323
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
624
Comentários
3
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução a CNC

  1. 1. Escola Técnica Senai Cabo - PE Instrutor : Luciano Santos [email_address]
  2. 2. Introdução à Programação CNC <ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Compreender o sistema de coordenadas cartesianas; </li></ul><ul><li>Entender o funcionamento de máquinas com comando numérico; </li></ul><ul><li>Revisar conceitos de avanço, profundidade e velocidade de corte; </li></ul>
  3. 3. Introdução à Programação CNC <ul><li>Conhecer e verificar as funções preparatórias e auxiliares; </li></ul><ul><li>Escrever programas para peças a serem fabricadas; </li></ul><ul><li>Inserir programas na máquina CNC; </li></ul><ul><li>Preparar máquina de acordo com programa escrito para fabricação da peça; </li></ul><ul><li>Operar a máquina em modos manual e automática. </li></ul>
  4. 4. Introdução à Programação CNC O que é CNC?
  5. 5. Introdução à Programação CNC <ul><li>Comando Numérico (CN) </li></ul><ul><li>É um equipamento capaz de: </li></ul><ul><li>Receber informações por algum meio de entrada de dados; </li></ul><ul><li>Transformar e compilar informações; </li></ul><ul><li>E transmiti-las ao comando mecânico da máquina operatriz. </li></ul>
  6. 6. Introdução à Programação CNC <ul><li>Aplicação </li></ul><ul><li>O comando numérico pode ser utilizado em qualquer tipo de máquina-ferramenta. </li></ul>
  7. 7. Introdução à Programação CNC <ul><li>Vantagens </li></ul><ul><li>fabricação de peças com geometrias complexas, com menores tolerâncias dimensionais e melhor acabamento; </li></ul><ul><li>repetibilidade maior sobre as características do produto, sendo idênticas umas às outras; </li></ul>
  8. 8. Introdução à Programação CNC <ul><li>Vantagens </li></ul><ul><li>redução de tarefas repetitivas para os operadores – esses agora responsáveis pela preparação, programação e controle das máquinas; </li></ul><ul><li>flexibilidade da produção, pequenos lotes e grande variedade de produtos, tudo isso com ajustes rápidos nas máquinas. </li></ul>
  9. 10. Introdução à Programação CNC <ul><li>Programas CNC’s </li></ul><ul><li>“ É um conjunto finito de regras bem definidas, para a solução de um problema em um tempo finito”, ou seja, </li></ul>
  10. 11. Introdução à Programação CNC <ul><li>Programas CNC’s </li></ul><ul><li>é um conjunto de informações com ordens diversas para a máquina dispostas numa forma a seguir, uma seqüência normal de operações para produzir várias peças idênticas ou não, num tempo determinado. </li></ul>
  11. 12. Introdução à Programação CNC <ul><li>CN e CNC </li></ul><ul><li>- CN: Numerical Control “Controle Numérico”; </li></ul><ul><li>- CNC: Computadorized Numerical Control “Controle Numérico Computadorizado” . </li></ul>
  12. 13. Introdução à Programação CNC <ul><li>No sistema CN pode-se introduzir o programa, iniciá-lo e interrompe-lo, mas não modificá-lo. Seus movimentos são somente lineares (em linha reta), alguns movimentos angulares e nenhum movimento circular. </li></ul>
  13. 14. Introdução à Programação CNC <ul><li>No sistema CNC pode-se introduzir o programa, iniciar a execução e alterar no próprio comando os seus dados. O sistema executa movimentos lineares, em ângulo, circulares e todos estes calculados e controlados pelo comando. </li></ul>
  14. 15. Introdução à Programação CNC <ul><li>A interface homem-máquina CNC realiza-se através de meios de entrada e saída de dados. </li></ul><ul><li>Interface - circuito eletrônico capaz de fazer com que dois aparelhos de características diferentes possam ser interligados entre si. </li></ul>
  15. 16. Introdução à Programação CNC <ul><li>A entrada de dados consiste nos meios de introdução de informações ao comando pelo usuário, deles destacam-se: </li></ul><ul><li>a) fita perfurada (meio em desuso); </li></ul><ul><li>b) entrada manual (meio indispensável até o momento); </li></ul><ul><li>c) Sistema de linha de comunicação com computador (meio de entrada de dados atual em expansão). </li></ul>
  16. 17. Fita perfurada
  17. 18. Introdução à Programação CNC <ul><li>A saída de dados consiste nos meios de saída de informações pelo comando para o usuário, dando-lhe informações de status (situação) atual da máquina. </li></ul>
  18. 19. Introdução à Programação CNC <ul><li>Linguagens de Programação CNC </li></ul><ul><li>A programação nas máquinas CNC tem como base a orientação da ferramenta para usinagem de peças. A máquina executa a programação na ordem que lhe foi fornecida, por isso é importante uma seqüência correta das informações. </li></ul>
  19. 20. Introdução à Programação CNC <ul><li>Linguagens de Programação CNC </li></ul><ul><li>São diversos os meios de elaboração de programas CNC, sendo os mais usados: </li></ul><ul><li>1. Linguagem de programação automática APT: primeira linguagem de programação utilizada - APT (Automatic Programmed Tool) </li></ul>
  20. 21. Introdução à Programação CNC <ul><li>Linguagens de Programação CNC </li></ul><ul><li>2. Linguagem EIA/ISO: Linguagem de códigos, também conhecida como códigos G e M. É na atualidade a mais utilizada. </li></ul><ul><li>3. Linguagem interativa: Programação por blocos parametrizados, possui blocos prontos e não usa códigos. Ex. linguagem MAZATROL aplicado às máquinas MAZAK. </li></ul>
  21. 22. Introdução à Programação CNC <ul><li>Linguagens de Programação CNC </li></ul><ul><li>4. Produção gráfica via &quot;CAM&quot; (Computer Aided Manufacturing): Não é mais uma linguagem de programação e sim uma forma de programar em que o programador entra com o desenho da peça, que pode ser feito no próprio CAM ou em desenhos recebidos do CAD (Computer Aided Designed). </li></ul>
  22. 23. Introdução à Programação CNC <ul><li>Norma ISO 6983 </li></ul><ul><li>A Norma ISO 6983 descreve o formato das instruções do programa para máquinas de Controle Numérico. Trata-se de um formato geral de programação e não um formato para um tipo de máquina específica. A flexibilidade desta norma não garante intercambiabilidade de programas entre máquinas. </li></ul>
  23. 24. Introdução à Programação CNC <ul><li>Métodos de Programação CNC </li></ul><ul><li>Em relação ao processo de geração de programas CNC, três diferentes formas devem ser analisadas: </li></ul><ul><li>- Programação direta na máquina (MID - Material Data Input); </li></ul><ul><li>- Programação Manual (manuscrita); </li></ul><ul><li>- Programação Gráfica (que utiliza o CAM). </li></ul>
  24. 25. Introdução à Programação CNC <ul><li>Construção e formato dos elementos de um programa </li></ul><ul><li>Um programa é formado por uma seqüência ordenada de comandos (códigos ou não) padronizados que representam procedimentos (condições ou operações) normais de um ser humano, para a usinagem de uma determinada peça. </li></ul>
  25. 26. Introdução à Programação CNC <ul><li>Construção e formato dos elementos de um programa </li></ul><ul><li>Os símbolos admissíveis para a programação são os mostrados a seguir. Outros símbolos não permitidos serão caracterizados com erro. </li></ul>
  26. 27. Introdução à Programação CNC <ul><li>Construção e formato dos elementos de um programa </li></ul><ul><li>Para ISO e EIA: </li></ul><ul><li>I. Números: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9. </li></ul><ul><li>II. Letras: A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, U, V, X, Z, W, Y, Z. </li></ul><ul><li>Também, existem símbolos especiais reproduzíveis pelo comando como: %, (,), *, +, -, ., e outros. </li></ul>
  27. 28. Introdução à Programação CNC <ul><li>Construção e formato dos elementos de um programa </li></ul><ul><li>O programa CN é formado inicialmente na primeira linha pelo símbolo “O” seguido de um valor numérico, formando assim o cabeçalho. Em seguida a cada nova linha, iniciam-se estas por números de “BLOCO” (linha) “N”, seguido de um valor identificador do bloco. O passe entre blocos é livre. </li></ul>
  28. 29. Introdução à Programação CNC <ul><li>Construção e formato dos elementos de um programa </li></ul><ul><li>- O programa é formado por blocos, linhas ou sentenças; </li></ul><ul><li>- Os blocos, linhas ou sentenças são formados por palavras; </li></ul><ul><li>- as palavras são formadas por endereço, sinal, números e ponto decimal. </li></ul>
  29. 31. Introdução à Programação CNC <ul><li>Sistemas de Coordenadas Cartesianas </li></ul><ul><li>Um sistema de coordenadas garante a localização de um ponto. Utilizando a mão como ferramenta, pode-se ter idéia das coordenadas que são utilizadas em máquinas CNC. </li></ul>
  30. 32. Introdução à Programação CNC <ul><li>Sistemas de Coordenadas Cartesianas </li></ul>
  31. 33. Introdução à Programação CNC <ul><li>Sistemas de Coordenadas Cartesianas </li></ul><ul><li>Para o torno CNC são utilizados os eixos X (diâmetro) e Z (comprimento) como padrão. Já a fresadora utiliza três coordenadas, X, Y e Z, definindo assim um ponto no espaço. </li></ul>
  32. 34. Introdução à Programação CNC <ul><li>Sistemas de Coordenadas Cartesianas </li></ul><ul><li>No torno CNC, a peça é rotacionada em torno do eixo Z. </li></ul>
  33. 35. Introdução à Programação CNC <ul><li>Sistemas de Coordenadas Cartesianas </li></ul><ul><li>Já no caso da fresadora CNC, o eixo Z é utilizado por convenção para rotacionar a ferramenta. A peça é fixada no plano XY, tendo como maior eixo o X. </li></ul>

×