Quiz Revolução Francesa, Vinda da Família Real e Revolução Pernambucana 1817

1.652 visualizações

Publicada em

Quiz com diversas questões de história sobre os assuntos do título

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.652
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quiz Revolução Francesa, Vinda da Família Real e Revolução Pernambucana 1817

  1. 1. Sobre o contexto histórico da França pré-revolução, é verdadeiro afirmar que: A - O clero, a nobreza e a burguesia possuíam privilégios, entre eles a isenção tributária (não pagavam impostos). B - O clero e a nobreza possuíam privilégios, entre eles a isenção tributária (não pagavam impostos). C - Havia igualdade de direitos, sendo que não havia camadas sociais privilegiadas. D - Não havia pobreza nem miséria, pois existia uma justa distribuição de renda. E -A estrutura social da população francesa não era estratificada.
  2. 2. Sobre o contexto histórico da França pré-revolução, é verdadeiro afirmar que: A - O clero, a nobreza e a burguesia possuíam privilégios, entre eles a isenção tributária (não pagavam impostos). B - O clero e a nobreza possuíam privilégios, entre eles a isenção tributária (não pagavam impostos). C - Havia igualdade de direitos, sendo que não havia camadas sociais privilegiadas. D - Não havia pobreza nem miséria, pois existia uma justa distribuição de renda. E -A estrutura social da população francesa não era estratificada.
  3. 3. QUAL DAS CARACTERÍSTICAS ABAIXO REPRESENTA OS JACOBINOS? A – com a liderança de Robespierre, adotaram um discurso radical, defendendo os privilégios da nobreza e do clero. B - com a liderança de Robespierre, adotaram medidas progressistas e contraditórias, tais como educação para todos, violência contra os opositores, ajuda aos mais pobres e o fim da escravidão. C – Sob a liderança de Robespierre e Napoleão, implantaram o regime do Terror, acabando com as diversas revoltas na França. D – Sob o comando de Napoleão, deram o golpe de Estado chamado 18 de Brumário, favorável à burguesia.
  4. 4. QUAL DAS CARACTERÍSTICAS ABAIXO REPRESENTA OS JACOBINOS? A – com a liderança de Robespierre, adotaram um discurso radical, defendendo os privilégios da nobreza e do clero. B - com a liderança de Robespierre, adotaram medidas progressistas e contraditórias, tais como educação para todos, violência contra os opositores, ajuda aos mais pobres e o fim da escravidão. C – Sob a liderança de Robespierre e Napoleão, implantaram o regime do Terror, acabando com as diversas revoltas na França. D – Sob o comando de Napoleão, deram o golpe de Estado chamado 18 de Brumário, favorável à burguesia.
  5. 5. A Constituição da França de 1791, a partir dos ideais de Montesquieu, consagrou, como fundamento do novo regime, a) a subordinação do Judiciário ao Legislativo, que passou a exercer um poder fiscalizador sobre os tribunais. b) a identificação da figura do monarca com a do Estado, que a partir desse momento se tornou inviolável. c) a supremacia do Poder Legislativo, deixando de ser o rei investido de poder moderador. d) o poder de veto monárquico, que se restringiu a assuntos fiscais, limitando, assim, a soberania popular. e) a separação dos poderes até então concentrados na pessoa do soberano.
  6. 6. A Constituição da França de 1791, a partir dos ideais de Montesquieu, consagrou, como fundamento do novo regime, a) a subordinação do Judiciário ao Legislativo, que passou a exercer um poder fiscalizador sobre os tribunais. b) a identificação da figura do monarca com a do Estado, que a partir desse momento se tornou inviolável. c) a supremacia do Poder Legislativo, deixando de ser o rei investido de poder moderador. d) o poder de veto monárquico, que se restringiu a assuntos fiscais, limitando, assim, a soberania popular. e) a separação dos poderes até então concentrados na pessoa do soberano.
  7. 7. "De 1789 a 1791 ocorreu a transformação das Instituições do Antigo Regime, através dos debates e das decisões tomadas pela Assembleia Nacional Constituinte.". O texto se refere à(s): a) Revolução Americana, com a tomada do poder pela burguesia colonial eminentemente agrária em suas origens. b) Revolução Francesa, através do Golpe 18 de Brumário. c) Revolução Francesa, na sua etapa final, em que o "Terror" expressa os claros desejos burgueses. d) Revolução Francesa, na sua etapa inicial, com clara preponderância da burguesia na direção dos trabalhos. e) Revolução Francesa, através da Convocação dos três estados pelo rei Luís XVI.
  8. 8. "De 1789 a 1791 ocorreu a transformação das Instituições do Antigo Regime, através dos debates e das decisões tomadas pela Assembleia Nacional Constituinte.". O texto se refere à(s): a) Revolução Americana, com a tomada do poder pela burguesia colonial eminentemente agrária em suas origens. b) Revolução Francesa, através do Golpe 18 de Brumário. c) Revolução Francesa, na sua etapa final, em que o "Terror" expressa os claros desejos burgueses. d) Revolução Francesa, na sua etapa inicial, com clara preponderância da burguesia na direção dos trabalhos. e) Revolução Francesa, através da Convocação dos três estados pelo rei Luís XVI.
  9. 9. Entre as transformações promovidas pela Revolução francesa, é CORRETO afirmar que: a) Os privilégios feudais foram abolidos, destruindo a base social que sustentava o Antigo Regime. b) A Revolução aboliu o trabalho servil, fortaleceu o clero e instituiu diversas medidas de caráter humanista. c) Os revolucionários derrubaram o rei e proclamaram uma república fundamentada no igualitarismo radical, onde foi abolida a propriedade privada. d) a Revolução rompeu os laços com a Igreja, iniciando uma reforma de cunho protestante que se aproximava dos ideais da ética do capitalismo moderno. e) A revolução não acabou com antigas formas de propriedade e trabalho vigentes no antigo regime.
  10. 10. Entre as transformações promovidas pela Revolução, é CORRETO afirmar que: a) Os privilégios feudais foram abolidos, destruindo a base social que sustentava o Antigo Regime. b) A Revolução aboliu o trabalho servil, fortaleceu o clero e instituiu diversas medidas de caráter humanista. c) os revolucionários derrubaram o rei e proclamaram uma república fundamentada no igualitarismo radical, onde foi abolida a propriedade privada. d) a Revolução rompeu os laços com a Igreja, iniciando uma reforma de cunho protestante que se aproximava dos ideais da ética do capitalismo moderno. e) A revolução não acabou com antigas formas de propriedade e trabalho vigentes no antigo regime.
  11. 11. Abolição da escravidão, fim dos privilégios, tabelamento do preço de alimentos, ensino gratuito obrigatório, concessão de terras aos camponeses. Estas foram medidas tomadas por: a) Turgot, adepto da escola econômica fisiocrática. b) Napoleão Bonaparte; c) Robespierre, líder jacobino, conhecido como "o Incorruptível"; d) primeiro-ministro francês, cardeal de Richelieu, a concluídas por seu sucessor, cardeal Mazarino; e) "Rei-Sol", Luís XIV, juntamente com seu ministro Colbert.
  12. 12. Abolição da escravidão, fim dos privilégios, tabelamento do preço de alimentos, ensino gratuito obrigatório, concessão de terras aos camponeses. Estas foram medidas tomadas por: a) Turgot, adepto da escola econômica fisiocrática. b) Napoleão Bonaparte; c) Robespierre, líder jacobino, conhecido como "o Incorruptível"; d) primeiro-ministro francês, cardeal de Richelieu, a concluídas por seu sucessor, cardeal Mazarino; e) "Rei-Sol", Luís XIV, juntamente com seu ministro Colbert.
  13. 13. Sobre a Revolução Francesa, é incorreto afirmar que: a) os dois clubes mais importantes foram o Clube dos Cordeliers e o Clube dos Jacobinos; b) a convocação dos Estados Gerais foi uma demonstração da força econômica do Antigo Regime; c) ela representou uma ruptura estrutural, pois a burguesia, até então marginalizada em relação ao poder político, sublevou-se, tornando-se senhora do Estado; d) a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi a síntese da concepção burguesa da sociedade; e) a Bastilha, antiga prisão do estado, foi tomada de assalto por artesãos, operários, pequenos comerciantes, lavadeiras e costureiras.
  14. 14. Sobre a Revolução Francesa, é incorreto afirmar que: a) os dois clubes mais importantes foram o Clube dos Cordeliers e o Clube dos Jacobinos; b) a convocação dos Estados Gerais foi uma demonstração da força econômica do Antigo Regime; c) ela representou uma ruptura estrutural, pois a burguesia, até então marginalizada em relação ao poder político, sublevou-se, tornando-se senhora do Estado; d) a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi a síntese da concepção burguesa da sociedade; e) a Bastilha, antiga prisão do estado, foi tomada de assalto por artesãos, operários, pequenos comerciantes, lavadeiras e costureiras.
  15. 15. Na Revolução francesa houve o período chamado de “O GRANDE MEDO”. O que foi esse período? A – o medo que levou a família real a fugir de Paris B – a fase do Terror implantada a partir do governo Jacobino C - período no qual os camponeses passam a atacar castelos, casas, igrejas, saquear aldeias, etc. D – período no qual o campesinato conservador e monarquista passou a ser perseguido pelo Terror jacobino. E – período no qual Napoleão inspirava medo nos opositores da revolução.
  16. 16. Na Revolução francesa houve o período chamado de “O GRANDE MEDO”. O que foi esse período? A – o medo que levou a família real a fugir de Paris B – a fase do Terror implantada a partir do governo Jacobino C - período no qual os camponeses passam a atacar castelos, casas, igrejas, saquear aldeias, etc. D – período no qual o campesinato conservador e monarquista passou a ser perseguido pelo Terror jacobino. E – período no qual Napoleão inspirava medo nos opositores da revolução
  17. 17. Sobre a Revolução Francesa é correto afirmar, EXCETO: (a) Ela é um marco na História contemporânea e suas ideias não se difundiram apenas na Europa, mas também estavam presentes na luta de independência da América Espanhola e do Brasil. (b) Ela é considerada uma revolução burguesa clássica, provocada por uma gama de fatores e de contingências, num contexto em que cresciam a oposição ideológica ao regime absolutista e a disseminação dos ideais de liberdade e igualdade. (c) A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada no dia 26 de agosto de 1789, foi um documento importante no qual os norte-americanos se basearam para fazer a Declaração da sua Independência e, mais tarde, a sua Constituição. (d) Muitas das conquistas sociais e políticas da Revolução Francesa foram difundidas em outros países durante a “Era Napoleônica” (1799–1815); entre elas, a igualdade dos indivíduos perante a lei e o direito de propriedade privada.
  18. 18. Sobre a Revolução Francesa é correto afirmar, EXCETO: (a) Ela é um marco na História contemporânea e suas ideias não se difundiram apenas na Europa, mas também estavam presentes na luta de independência da América Espanhola e do Brasil. (b) Ela é considerada uma revolução burguesa clássica, provocada por uma gama de fatores e de contingências, num contexto em que cresciam a oposição ideológica ao regime absolutista e a disseminação dos ideais de liberdade e igualdade. (c) A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada no dia 26 de agosto de 1789, foi um documento importante no qual os norte-americanos se basearam para fazer a Declaração da sua Independência e, mais tarde, a sua Constituição. (d) Muitas das conquistas sociais e políticas da Revolução Francesa foram difundidas em outros países durante a “Era Napoleônica” (1799–1815); entre elas, a igualdade dos indivíduos perante a lei e o direito de propriedade privada.
  19. 19. Vários são os modelos de Revolução Burguesa, que ocorreram na Europa entre os séculos XVII e XIX, no entanto, elas têm como ponto comum: (a) a total ruptura dos padrões do Antigo Regime. (b) a intensa participação das camadas populares. (c) a instalação do regime republicano parlamentar. (d) o fim dos regimes monárquicos absolutistas. (e) o reconhecimento da igualdade social e civil.
  20. 20. Vários são os modelos de Revolução Burguesa, que ocorreram na Europa entre os séculos XVII e XIX, no entanto, elas têm como ponto comum: (a) a total ruptura dos padrões do Antigo Regime. (b) a intensa participação das camadas populares. (c) a instalação do regime republicano parlamentar. (d) o fim dos regimes monárquicos absolutistas. (e) o reconhecimento da igualdade social e civil.
  21. 21. Assinale a alternativa que NÃO faz parte das medidas culturais adotadas por D. João VI ao chegar no Brasil: A. Criação do Jardim botânico. B. Fundação da Biblioteca Real. C. Fundação da Academia de Belas Artes. D. Criação do Museu Nacional E. Fundação da Universidade Federal do Rio de Janeiro
  22. 22. Assinale a alternativa que NÃO faz parte das medidas culturais adotadas por D. João VI ao chegar no Brasil: A. Criação do Jardim botânico. B. Fundação da Biblioteca Real. C. Fundação da Academia de Belas Artes. D. Criação do Museu Nacional E. Fundação da Universidade Federal do Rio de Janeiro
  23. 23. Assinale a alternativa correta em relação às consequências no processo de autonomia do Brasil com a vinda da família real. A) Foi possível à monarquia lusitana controlar o processo de independência, que ocorreu de maneira lenta e gradual, diferente das demais colônias do continente sul-americano. b) A independência só foi possível após diversas guerras, lideradas pelo príncipe regente D. Pedro. c) Confrontada pela realidade brasileira e pelo grau de desenvolvimento político das instituições coloniais, a Coroa Portuguesa cedeu a independência de forma pacífica e generosa. d) Os brasileiros, reagindo contra as amarras metropolitanas, rebelaram-se através de movimentos semelhantes aos que ocorriam nas colônias espanholas. e) A vinda da Corte trouxe desenvolvimento econômico, político e cultural na Colônia, acabando por retardar o surgimento de um sentimento autonomista e nacionalista entre os brasileiros.
  24. 24. Assinale a alternativa correta em relação às consequências no processo de autonomia do Brasil com a vinda da família real. A) Foi possível à monarquia lusitana controlar o processo de independência, que ocorreu de maneira lenta e gradual, diferente das demais colônias do continente sul-americano. b) A independência só foi possível após diversas guerras, lideradas pelo príncipe regente D. Pedro. c) Confrontada pela realidade brasileira e pelo grau de desenvolvimento político das instituições coloniais, a Coroa Portuguesa cedeu a independência de forma pacífica e generosa. d) Os brasileiros, reagindo contra as amarras metropolitanas, rebelaram-se através de movimentos semelhantes aos que ocorriam nas colônias espanholas. e) A vinda da Corte trouxe desenvolvimento econômico, político e cultural na Colônia, acabando por retardar o surgimento de um sentimento autonomista e nacionalista entre os brasileiros.
  25. 25. Qual a finalidade do Bloqueio Continental decretado por Napoleão? A. implantar o Liberalismo Econômico nos países aliados da França B. fortalecer as economias Ibéricas tornando estes países aliados da França. C. enfraquecer o comércio externo português para fortalecer a economia francesa D. fortalecer o comércio externo francês colocando fim ao mercantilismo. E. enfraquecer a Inglaterra economicamente para depois vencê-la militarmente
  26. 26. Qual a finalidade do Bloqueio Continental decretado por Napoleão? A. implantar o Liberalismo Econômico nos países aliados da França B. fortalecer as economias Ibéricas tornando estes países aliados da França. C. enfraquecer o comércio externo português para fortalecer a economia francesa D. fortalecer o comércio externo francês colocando fim ao mercantilismo. E. enfraquecer a Inglaterra economicamente para depois vencê-la militarmente
  27. 27. O significado da vinda da família real ao Brasil pode ser resumido como: A. decorrência da loucura da mãe, que não conseguia se impor no contexto político europeu. B. fruto das derrotas militares portuguesas ante os exércitos britânicos e de Napoleão Bonaparte. C. inversão da relação entre metrópole e colônia, já que a sede política do império passava do centro para a periferia. D. alteração da relação política entre monarcas e vice-reis, pois estes passaram a controlar o mando a partir das colônias. E. inversão da relação entre metrópole e colônia, já que a Inglaterra passava a comandar indiretamente o Brasil.
  28. 28. O significado da vinda da família real ao Brasil pode ser resumido como: A. decorrência da loucura da mãe, que não conseguia se impor no contexto político europeu. B. fruto das derrotas militares portuguesas ante os exércitos britânicos e de Napoleão Bonaparte. C. inversão da relação entre metrópole e colônia, já que a sede política do império passava do centro para a periferia. D. alteração da relação política entre monarcas e vice-reis, pois estes passaram a controlar o mando a partir das colônias. E. inversão da relação entre metrópole e colônia, já que a Inglaterra passava a comandar indiretamente o Brasil.
  29. 29. O Tratado de Comércio e Navegação de 1810, entre Inglaterra e Portugal, contribuiu para: a) fortalecer a classe dos comerciantes portugueses. b) dificultar o desenvolvimento manufatureiro do Brasil. c) implantar o sistema de companhias privilegiadas. d) intensificar as relações comerciais entre Brasil e Portugal. e) estimular o desenvolvimento das manufaturas brasileiras, a partir da Abertura dos Portos, em 1808.
  30. 30. O Tratado de Comércio e Navegação de 1810, entre Inglaterra e Portugal, contribuiu para: a) fortalecer a classe dos comerciantes portugueses. b) dificultar o desenvolvimento manufatureiro do Brasil. c) implantar o sistema de companhias privilegiadas. d) intensificar as relações comerciais entre Brasil e Portugal. e) estimular o desenvolvimento das manufaturas brasileiras, a partir da Abertura dos Portos, em 1808.
  31. 31. Assinale a afirmação errada em relação à Revolução de 1817: a) O clero de Pernambuco foi influenciado por ideais iluministas. b) O governador de Pernambuco era Caetano Pinto de Miranda Montenegro. c) Um dos principais motivos da revolta foi o aumento de impostos. d) O governo revolucionário tinha entre seus objetivos a implantação de uma república e a libertação dos escravos. e) As operações militares contra os revolucionários foram comandadas pessoalmente pelo conde dos Arcos, que bloqueou o porto do Recife.
  32. 32. Assinale a afirmação errada em relação à Revolução de 1817: a) O clero de Pernambuco foi influenciado por ideais iluministas. b) O governador de Pernambuco era Caetano Pinto de Miranda Montenegro. c) Um dos principais motivos da revolta foi o aumento de impostos. d) O governo revolucionário tinha entre seus objetivos a implantação de uma república e a libertação dos escravos. e) As operações militares contra os revolucionários foram comandadas pessoalmente pelo conde dos Arcos, que bloqueou o porto do Recife.
  33. 33. O Tratado de Comércio e Navegação entre Inglaterra e Portugal (1810) costuma ser criticado entre outros motivos, porque: a) apoiou a política de expansão imperialista que D. João já realizava, ao invadir a Guiana Francesa. b) autorizou a continuação do trabalho escravo, ao mesmo tempo que ampliou o tráfico nas colônias portuguesas na África. c) permitiu que a Inglaterra estabelecesse postos livres em Recife, Salvador e Rio de Janeiro. d) Criou tarifas alfandegárias preferenciais para os produtos ingleses, inferiores às pagas por produtos portugueses. e) Acabou com os privilégios que os ingleses tinham no Brasil desde a vinda da família real, em 1808.
  34. 34. O Tratado de Comércio e Navegação entre Inglaterra e Portugal (1810) costuma ser criticado entre outros motivos, porque: a) apoiou a política de expansão imperialista que D. João já realizava, ao invadir a Guiana Francesa. b) autorizou a continuação do trabalho escravo, ao mesmo tempo que ampliou o tráfico nas colônias portuguesas na África. c) permitiu que a Inglaterra estabelecesse postos livres em Recife, Salvador e Rio de Janeiro. d) Criou tarifas alfandegárias preferenciais para os produtos ingleses, inferiores às pagas por produtos portugueses. e) Acabou com os privilégios que os ingleses tinham no Brasil desde a vinda da família real, em 1808.
  35. 35. Durante o processo revolucionário quem eram os girondinos e o que defendiam? A - Eram representantes da monarquia que queriam reestabelecer o regime monárquico na França. B – Eram representantes de grandes fazendeiros e da alta burguesia e queriam evitar uma participação maior dos trabalhadores urbanos e rurais na política. C - Eram representantes da baixa burguesia e classe média; defendiam uma maior participação popular no governo. D - Eram integrantes do clero e defendiam maior participação da Igreja na política francesa
  36. 36. Durante o processo revolucionário quem eram os girondinos e o que defendiam? A - Eram representantes da monarquia que queriam reestabelecer o regime monárquico na França. B – Eram representantes de grandes fazendeiros e da alta burguesia e queriam evitar uma participação maior dos trabalhadores urbanos e rurais na política. C - Eram representantes da baixa burguesia e classe média; defendiam uma maior participação popular no governo. D - Eram integrantes do clero e defendiam maior participação da Igreja na política francesa
  37. 37. (ETEMAC) O QUE FOI O “GOLPE 18 DE BRUMÁRIO?”? A – Golpe de Estado que levou ao poder os jacobinos B – Golpe de Estado que levou Napoleão ao poder Através do Consulado C – Golpe de Estado dos Girondinos que derrubou do poder os jacobinos D – Tentativa do rei Luís XVI de voltar ao poder através de um golpe de Estado E – Golpe de Estado que derrubou do poder o rei Luís XVI.
  38. 38. (ETEMAC) O QUE FOI O “GOLPE 18 DE BRUMÁRIO?”? A – Golpe de Estado que levou ao poder os jacobinos B – Golpe de Estado que levou Napoleão ao poder através do Consulado C – Golpe de Estado dos Girondinos que derrubou do poder os jacobinos D – Tentativa do rei Luís XVI de voltar ao poder através de um golpe de Estado E – Golpe de Estado que derrubou do poder o rei Luís XVI.
  39. 39. Assinale a alternativa correta em relação à ordem cronológica dos principais acontecimentos do processo de emancipação política brasileira: a) abertura dos portos, elevação a Reino Unido, Independência e Dia do "Fico". b) elevação a Reino Unido, abertura dos portos. Dia do "Fico" e Independência. c) abertura dos portos, Dia do "Fico", elevação a Reino Unido e Independência. d) abertura dos portos, elevação a Reino Unido, Dia do "Fico" e Independência. e) nenhuma das alternativas anteriores.
  40. 40. Assinale a alternativa correta em relação à ordem cronológica dos principais acontecimentos do processo de emancipação política brasileira: a) abertura dos portos, elevação a Reino Unido, Independência e Dia do "Fico". b) elevação a Reino Unido, abertura dos portos. Dia do "Fico" e Independência. c) abertura dos portos, Dia do "Fico", elevação a Reino Unido e Independência. d) abertura dos portos, elevação a Reino Unido, Dia do "Fico" e Independência. e) nenhuma das alternativas anteriores.
  41. 41. Sobre a Revolução Francesa é correto afirmar, EXCETO: (a) É um marco na História e suas ideias não se difundiram apenas na Europa, mas também na luta de independência da América Espanhola e do Brasil. (b) É considerada uma revolução burguesa clássica, em um contexto onde cresciam a oposição ideológica ao regime absolutista e a disseminação dos ideais de liberdade e igualdade. (c) A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada no dia 26 de agosto de 1789, foi um documento importante no qual os norte-americanos se basearam para fazer a Declaração da sua Independência e, mais tarde, a sua Constituição. (d) Algumas de suas conquistas foram difundidas em outros países durante a “Era Napoleônica” (1799–1815); entre elas, a igualdade dos indivíduos perante a lei e o direito de propriedade privada.
  42. 42. Sobre a Revolução Francesa é correto afirmar, EXCETO: (a) É um marco na História e suas ideias não se difundiram apenas na Europa, mas também na luta de independência da América Espanhola e do Brasil. (b) É considerada uma revolução burguesa clássica, em um contexto onde cresciam a oposição ideológica ao regime absolutista e a disseminação dos ideais de liberdade e igualdade. (c) A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada no dia 26 de agosto de 1789, foi um documento importante no qual os norte-americanos se basearam para fazer a Declaração da sua Independência e, mais tarde, a sua Constituição. (d) Algumas de suas conquistas foram difundidas em outros países durante a “Era Napoleônica” (1799–1815); entre elas, a igualdade dos indivíduos perante a lei e o direito de propriedade privada.
  43. 43. Chegou a hora da igualdade passar a foice por todas as cabeças. Portanto, legisladores, vamos colocar o terror na ordem do dia.” (Discurso de Robespierre na Convenção) A fala de Robespierre ocorreu num dos períodos mais intensos da Revolução. Esse período caracterizou-se: a) pela criação da monarquia constitucional. b) pela organização do Diretório, marcado pela adoção do voto censitário. c) pela reação termidoriana, d) pela convocação dos Estados Gerais, e) pela criação do Comitê de Salvação Pública.
  44. 44. Chegou a hora da igualdade passar a foice por todas as cabeças. Portanto, legisladores, vamos colocar o terror na ordem do dia.” (Discurso de Robespierre na Convenção) A fala de Robespierre ocorreu num dos períodos mais intensos da Revolução. Esse período caracterizou-se: a) pela criação da monarquia constitucional. b) pela organização do Diretório, marcado pela adoção do voto censitário. c) pela reação termidoriana, d) pela convocação dos Estados Gerais, e) pela criação do Comitê de Salvação Pública.
  45. 45. Nas Revoluções Francesa (1789), Mexicana (1910), Russa (1917) e Chinesa (1949), há um elemento comum a todas. Trata-se da a) presença imperialista.. b) ideologia socialista.. c) ideologia liberal. d) participação do campesinato e) participação do operariado
  46. 46. Nas Revoluções Francesa (1789), Mexicana (1910), Russa (1917) e Chinesa (1949), há um elemento comum a todas. Trata-se da a) presença imperialista.. b) ideologia socialista.. c) ideologia liberal. d) participação do campesinato e) participação do operariado
  47. 47. (ETEMAC) Na França pré-revolucionária, a sociedade estava dividida em três classes (ou Estados, como se chamavam na época), que eram: a) Nobreza, Clero e Servos. B) Nobreza, Clero e 3º Estado C) Nobreza, Burguesia e servos. d) 1º Estado, 2º Estado e 3º Estado e) Nobreza, Clero e Burguesia
  48. 48. (ETEMAC) Na França pré-revolucionária, a sociedade estava dividida em três classes (ou Estados, como se chamavam na época), que eram: a) Nobreza, Clero e Servos. B) Nobreza, Clero e 3º Estado C) Nobreza, Burguesia e servos. d) 1º Estado, 2º Estado e 3º Estado e) Nobreza, Clero e Burguesia
  49. 49. Em relação ao objetivo do Bloqueio Continental, assinale a alternativa correta: a) estimular a autonomia das colônias inglesas na América, que passariam a depender mais de seu comércio interno. b) debilitar economicamente a Inglaterra, então em processo de industrialização, limitando seu comércio com o restante da Europa. c) provocar a transferência da Corte portuguesa para o Brasil, por meio da ocupação militar da Península Ibérica. d) Impedir Portugal de negociar com os demais países da Europa, limitando seu comércio apenas com sua colônia brasileira. e) impedir a Inglaterra de negociar com a França uma nova legislação para o comércio na Europa e nas áreas coloniais.
  50. 50. Em relação ao objetivo do Bloqueio Continental, assinale a alternativa correta: a) estimular a autonomia das colônias inglesas na América, que passariam a depender mais de seu comércio interno. b) debilitar economicamente a Inglaterra, então em processo de industrialização, limitando seu comércio com o restante da Europa. c) provocar a transferência da Corte portuguesa para o Brasil, por meio da ocupação militar da Península Ibérica. d) Impedir Portugal de negociar com os demais países da Europa, limitando seu comércio apenas com sua colônia brasileira. e) impedir a Inglaterra de negociar com a França uma nova legislação para o comércio na Europa e nas áreas coloniais.
  51. 51. (ETEMAC) Em relação aos autores da nossa independência, assinale a alternativa correta: A – A independência foi fruto apenas da vontade e coragem de D. Pedro. B – A independência foi resultado tanto de D. Pedro como de José Bonifácio. C - A independência foi fruto também da luta armada em algumas províncias do Norte e Nordeste. D – A independência foi resultado da pressão inglesa sobre Portugal, visando mais lucros.
  52. 52. (ETEMAC) Em relação aos autores da nossa independência, assinale a alternativa correta: A – A independência foi fruto apenas da vontade e coragem de D. Pedro. B – A independência foi resultado tanto de D. Pedro como de José Bonifácio. C - A independência foi fruto também da luta armada em algumas províncias do Norte e Nordeste. D – A independência foi resultado da pressão inglesa sobre Portugal, visando mais lucros.
  53. 53. A vinda da família real e a elevação do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves contribuiu decisivamente para: a) a unidade política e territorial mantida após a proclamação da Independência do Brasil; b) o desencadear de sangrentas lutas em todo o país, que culminaram em convulsões sociais; c) o afastamento dos ingleses, face às determinações reais proibindo a instalação da manufaturas no país; d) a preservação do Pacto Colonial com o monopólio do comércio na defesa dos interesses da Metrópole; e) o fortalecimento do monopólio comercial português no Brasil, favorecido pela vinda da Corte.
  54. 54. A vinda da família real e a elevação do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves contribuiu decisivamente para: a) a unidade política e territorial mantida após a proclamação da Independência do Brasil; b) o desencadear de sangrentas lutas em todo o país, que culminaram em convulsões sociais; c) o afastamento dos ingleses, face às determinações reais proibindo a instalação da manufaturas no país; d) a preservação do Pacto Colonial com o monopólio do comércio na defesa dos interesses da Metrópole; e) o fortalecimento do monopólio comercial português no Brasil, favorecido pela vinda da Corte.
  55. 55. O translado do governo português para o Brasil (1806) decorreu, entre outros fatores: a) da ameaça de destruição da Monarquia em Portugal pela Espanha de Fernando VII; b) da fuga de D. João à Revolução Constitucionalista do Porto; c) da necessidade de manter a sobrevivência do Sistema Colonial; d) Do expansionismo napoleônico em confronto com o Reino Unido. e) do conflito entre a França e o expansionismo britânico.
  56. 56. O translado do governo português para o Brasil (1806) decorreu, entre outros fatores: a) da ameaça de destruição da Monarquia em Portugal pela Espanha de Fernando VII; b) da fuga de D. João à Revolução Constitucionalista do Porto; c) da necessidade de manter a sobrevivência do Sistema Colonial; d) Do expansionismo napoleônico em confronto com o Reino Unido. e) do conflito entre a França e o expansionismo britânico.
  57. 57. Podem ser consideradas características do governo joanino no Brasil: a) a assinatura de tratados que beneficiam a Inglaterra e o crescimento do comércio externo brasileiro devido à extinção do monopólio; b) a assinatura de tratados que beneficiam a França e a Inglaterra, devido à extinção do monopólio; c) a redução dos impostos e o controle do déficit em função da austera política econômica praticada pelo governo; d) o não envolvimento em questões externas sobretudo de caráter expansionista; e) a total independência econômica de Portugal com relação à Inglaterra em virtude de seu acelerado desenvolvimento.
  58. 58. Podem ser consideradas características do governo joanino no Brasil: a) a assinatura de tratados que beneficiam a Inglaterra e o crescimento do comércio externo brasileiro devido à extinção do monopólio; b) a assinatura de tratados que beneficiam a França e a Inglaterra, devido à extinção do monopólio; c) a redução dos impostos e o controle do déficit em função da austera política econômica praticada pelo governo; d) o não envolvimento em questões externas sobretudo de caráter expansionista; e) a total independência econômica de Portugal com relação à Inglaterra em virtude de seu acelerado desenvolvimento.
  59. 59. Em 1808, após chegar ao Brasil fugindo da invasão francesa, o regente D. João VI decidiu: a) Decretar a abertura dos portos e assinar o Tratado de Comércio e Navegação com o Reino Unido. b) anistiar todos os presos das antigas rebeliões nativistas; c) decretar a abertura dos portos brasileiros às nações amigas; d) proibir a entrada de produtos ingleses na colônia; e) iniciar a política da imigração.
  60. 60. Em 1808, após chegar ao Brasil fugindo da invasão francesa, o regente D. João VI decidiu: a) Decretar a abertura dos portos e assinar o Tratado de Comércio e Navegação com o Reino Unido. b) anistiar todos os presos das antigas rebeliões nativistas; c) decretar a abertura dos portos brasileiros às nações amigas; d) proibir a entrada de produtos ingleses na colônia; e) iniciar a política da imigração.
  61. 61. (ETEMAC) Em relação ao decreto de Abertura dos Portos brasileiros, assinale a alternativa correta: a – Prejudicou o comércio brasileiro, que até então era dominado pelo monopólio português. B – Prejudicou as exportações de açúcar e algodão do nordeste. C – Promoveu a liberdade comercial até então inexistente na colônia. D – O comércio brasileiro passou a ser dominado pelas mercadorias dos Estados Unidos. E – Dificultou as importações de produtos ingleses.
  62. 62. (ETEMAC) Em relação ao decreto de Abertura dos Portos brasileiros, assinale a alternativa correta: a – Prejudicou o comércio brasileiro, que até então era dominado pelo monopólio português. B – Prejudicou as exportações de açúcar e algodão do nordeste. C – Promoveu a liberdade comercial até então inexistente na colônia. D – O comércio brasileiro passou a ser dominado pelas mercadorias dos Estados Unidos. E – Dificultou as importações de produtos ingleses.
  63. 63. Sobre o processo de Independência do Brasil, é incorreto afirmar que: A. a primeira medida de autonomia econômica realizada por D. João VI foi a abertura dos portos às nações amigas. B. frente à pressão das Cortes, o príncipe regente D. Pedro I dirigiu-se a Portugal para prestar contas, voltando, porém, ao Brasil logo depois para poder realizar a Independência. C. a formação das Cortes obrigou D. João VI a retornar a Portugal, visto estar receoso de perder o poder na metrópole. D. as Cortes formadas em Portugal foi uma consequência da Revolução Liberal do Porto, de 1820.
  64. 64. Sobre o processo de Independência do Brasil, é incorreto afirmar que: A. a primeira medida de autonomia econômica realizada por D. João VI foi a abertura dos portos às nações amigas. B. frente à pressão das Cortes, o príncipe regente D. Pedro I dirigiu-se a Portugal para prestar contas, voltando, porém, ao Brasil logo depois para poder realizar a Independência. C. a formação das Cortes obrigou D. João VI a retornar a Portugal, visto estar receoso de perder o poder na metrópole. D. as Cortes formadas em Portugal foi uma consequência da Revolução Liberal do Porto, de 1820.
  65. 65. ASSINALE V OU F 1( ) A abertura dos portos é vista como um primeiro “grito de independência”, pois deixava de existir o monopólio comercial imposto pelo antigo pacto colonial. 2 ( ) Como reação às imposições das Cortes pelo seu retorno, D. Pedro I decretou que nenhuma ordem vinda de Portugal poderia ser adotada sem sua autorização prévia. 3 ( ) No contexto da disputa com as imposições das Cortes, d. Pedro baixou os impostos e equiparou as autoridades militares nacionais às lusitanas. 4 ( ) Dom Pedro I incorporou ao seu governo figuras políticas contrárias à independência, como o conservador José Bonifácio, defensor do modelo colonial e do poder absolutista português, pretendendo com essa manobra agradar a elite política brasileira. A-VVVV B-VVVF C-VVFF D-FFVV E-VFVF
  66. 66. ASSINALE V OU F 1(V ) A abertura dos portos é vista como um primeiro “grito de independência”, pois deixava de existir o monopólio comercial imposto pelo antigo pacto colonial. 2 (V ) Como reação às imposições das Cortes pelo seu retorno, D. Pedro I decretou que nenhuma ordem vinda de Portugal poderia ser adotada sem sua autorização prévia. 3 (V ) No contexto da disputa com as imposições das Cortes, d. Pedro baixou os impostos e equiparou as autoridades militares nacionais às lusitanas. 4 (F ) Dom Pedro I incorporou ao seu governo figuras políticas contrárias à independência, como o conservador José Bonifácio, defensor do modelo colonial e do poder absolutista português, pretendendo com essa manobra agradar a elite política brasileira. A-VVVV B-VVVF C-VVFF D-FFVV E-VFVF
  67. 67. Um evento ocorrido em Portugal foi de suma importância para a deflagração da Independência do Brasil, já que obrigou D. João VI a cruzar novamente o Atlântico, em retorno a Portugal. Qual foi esse evento? A. Revolução da Maria da Fonte B. Revolta da Patuleia. C. Revolta Liberal do Porto. D. Revolução dos Cravos. E. Libertação de Portugal do domínio francês
  68. 68. Um evento ocorrido em Portugal foi de suma importância para a deflagração da Independência do Brasil, já que obrigou D. João VI a cruzar novamente o Atlântico, em retorno a Portugal. Qual foi esse evento? A. Revolução da Maria da Fonte B. Revolta da Patuleia. C. Revolta Liberal do Porto. D. Revolução dos Cravos. E. Libertação de Portugal do domínio francês
  69. 69. Apesar do Alvará de Liberdade Industrial de 1808, o Brasil não iniciou sua industrialização, dentre outros fatores, porque: a) a elite agrária era contrária, pois defendia o tradicional modelo econômico de base agrícola. b) a falta de capital anulava as vantagens da excelente rede de transportes e comunicação da época. c) o tratado de 1810 anulava nosso esforço industrial, pois as taxas de importação de manufaturas eram baixas. d) embora com grande mercado e mão-de-obra qualificada, faltava-nos tecnologia. e) a manutenção do rígido monopólio colonial impedia o sucesso de nossa industrialização.
  70. 70. Apesar do Alvará de Liberdade Industrial de 1808, o Brasil não iniciou sua industrialização, dentre outros fatores, porque: a) a elite agrária era contrária, pois defendia o tradicional modelo econômico de base agrícola. b) a falta de capital anulava as vantagens da excelente rede de transportes e comunicação da época. c) o tratado de 1810 anulava nosso esforço industrial, pois as taxas de importação de manufaturas eram baixas. d) embora com grande mercado e mão-de-obra qualificada, faltava-nos tecnologia. e) a manutenção do rígido monopólio colonial impedia o sucesso de nossa industrialização.
  71. 71. A opção pelo regime monárquico no Brasil, após a Independência, pode ser explicada a) pela atração que os títulos nobiliárquicos exerciam sobre os grandes proprietários rurais. b) pela crescente popularidade da monarquia entre a elite colonial brasileira. c) pela pressão das oligarquias aliadas aos interesses, da Inglaterra e pela defesa da entrada de produtos manufaturados. d) pelo temor aos ideais abolicionistas defendidos pelos republicanos nas Américas. e) pelas transformações ocorridas com a vinda da Corte Portuguesa ao Brasil e pela elevação do país a Reino Unido.
  72. 72. A opção pelo regime monárquico no Brasil, após a Independência, pode ser explicada a) pela atração que os títulos nobiliárquicos exerciam sobre os grandes proprietários rurais. b) pela crescente popularidade da monarquia entre a elite colonial brasileira. c) pela pressão das oligarquias aliadas aos interesses, da Inglaterra e pela defesa da entrada de produtos manufaturados. d) pelo temor aos ideais abolicionistas defendidos pelos republicanos nas Américas. e) pelas transformações ocorridas com a vinda da Corte Portuguesa ao Brasil e pela elevação do país a Reino Unido.
  73. 73. O processo de independência do Brasil caracterizou-se por: a) ser conduzido pela classe dominante que manteve o governo monárquico como garantia de seus privilégios. b) Ser conduzido pela classe dominante que manteve o arcaico modelo republicano como garantia de seus privilégios. c) evitar a dependência dos mercados internacionais, criando uma economia autônoma. d) grande participação popular, fundamental na prolongada guerra contra as tropas metropolitanas. e) promover um governo descentralizado e liberal através da Constituição de 1824.
  74. 74. O processo de independência do Brasil caracterizou-se por: a) ser conduzido pela classe dominante que manteve o governo monárquico como garantia de seus privilégios. b) Ser conduzido pela classe dominante que manteve o arcaico modelo republicano como garantia de seus privilégios. c) evitar a dependência dos mercados internacionais, criando uma economia autônoma. d) grande participação popular, fundamental na prolongada guerra contra as tropas metropolitanas. e) promover um governo descentralizado e liberal através da Constituição de 1824.
  75. 75. A Independência do Brasil despertou interesses conflitantes tanto na área econômica quanto na área política. Qual das alternativas apresenta esses conflitos? a) Os interesses econômicos dos comerciantes portugueses se chocaram com o "liberalismo econômico" dos brasileiros, subordinado à hegemonia da Inglaterra. b) A possibilidade de uma sociedade baseada na igualdade e na liberdade levou a jovem nação a abolir a escravidão. c) As colônias espanholas tornaram-se independentes dentro do mesmo modelo brasileiro: monarquia absolutista. d) A Guerra da Independência dividiu o país, levando as Províncias do Grão-Pará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Bahia e Cisplatina a lutarem pela Independência. e) Os republicanos, os monarquistas constitucionalistas e os absolutistas lutaram lado a lado pela Independência, não deixando que as suas diferenças dificultassem o processo revolucionário.
  76. 76. A Independência do Brasil despertou interesses conflitantes tanto na área econômica quanto na área política. Qual das alternativas apresenta esses conflitos? a) Os interesses econômicos dos comerciantes portugueses se chocaram com o "liberalismo econômico" dos brasileiros, subordinado à hegemonia da Inglaterra. b) A possibilidade de uma sociedade baseada na igualdade e na liberdade levou a jovem nação a abolir a escravidão. c) As colônias espanholas tornaram-se independentes dentro do mesmo modelo brasileiro: monarquia absolutista. d) A Guerra da Independência dividiu o país, levando as Províncias do Grão-Pará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Bahia e Cisplatina a lutarem pela Independência. e) Os republicanos, os monarquistas constitucionalistas e os absolutistas lutaram lado a lado pela Independência, não deixando que as suas diferenças dificultassem o processo revolucionário.

×