ANÁLISE DO DISCURSO: <ul><ul><li>uma análise da música “Minhas prisões” PRC + um Comuna </li></ul></ul><ul><li>Equipe: Cla...
“ Cê sabe qual que é, a aflição que te domina? Cê sabe qual que é, o lado seu que predomina? Cê sabe qual que é, se analis...
Infelizente a gente bem atento ainda vacila, E dizem que o malandro não escorrega, nem cochila. Prefere ouvir, então, cd d...
Homossexuais, idosos, crianças sem futuro,  Bem assim, iguais a mim, dentro da prisão sem muro.  Qual é a tua desculpa pra...
Referências <ul><li>http://www.letras.ufscar.br/linguagem/edicao06qartigos_lima.php </li></ul><ul><li>Orlandi.Eni Pulcinel...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

“Minhas prisões” PRC + um Comuna

677 visualizações

Publicada em

Análise de letra de RAP,
Trabalho apresentado por alunos em final de disciplina.

Publicada em: Educação, Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
677
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

“Minhas prisões” PRC + um Comuna

  1. 1. ANÁLISE DO DISCURSO: <ul><ul><li>uma análise da música “Minhas prisões” PRC + um Comuna </li></ul></ul><ul><li>Equipe: Claudimar Alves Durans </li></ul><ul><li>Graça Maria Morais Santos </li></ul><ul><li>Paulitânia P. de Jesus Brito </li></ul><ul><li>Prof. Msc. Luciane Lira </li></ul>
  2. 2. “ Cê sabe qual que é, a aflição que te domina? Cê sabe qual que é, o lado seu que predomina? Cê sabe qual que é, se analisar de mente aberta? Cê sabe qual que é, no teu defeito, a coisa certa? (REFRÃO) Por que tu não me fala, ladrão? Dos pensamentos podres que acelera o coração. Dos devaneios tolos que se passam como vulto, Do surto idiota que você teve há um minuto. Acorde ou vá dormir, diz aí o que cê quer? Manera no desdobro eu quero ver quem você é. Se eu não te conheço é uma pena, que pena! Não paga de bandido, quando tem mocinho em cena. Tu tá ..... mesmo, é isso mesmo, na real, Olha pra mim bandido, sem fazer cara de mau, Me conta tua verdade, diz pra mim, desembucha, Prefere ouvir, então, cd do GOG ou ver a Xuxa? Tá cheio de aflição, o que é que cê vai fazer? Pro bar encher a cara? ou pensar bem forte em Che? Cadê o teu herói, superior pra rir de mim? O príncipe encantado vira sapo no jardim.
  3. 3. Infelizente a gente bem atento ainda vacila, E dizem que o malandro não escorrega, nem cochila. Prefere ouvir, então, cd do GOG ou ver a Xuxa? Tá cheio de aflição, o que é que cê vai fazer? Pro bar encher a cara? ou pensar bem forte em Che? Cadê o teu herói, superior pra rir de mim? O príncipe encantado vira sapo no jardim. Infelizmente a gente bem atento ainda vacila, E dizem que o malandro não escorrega, nem cochila. Cada um, cada um, quando é um, não faço parte, Tem que fazer e não brincar de fazer arte. [REFRÃO] O que me impede de trair meus companheiros, agora! Só mais um pecado triste na trajetória quilombola. Ignorar no espelho meu reflexo rubro-sangue, Pra passear de carruagem no filme de bang-bang. Na mente minhas prisões, no mundo minhas ilusões, A vida é traiçoeira e cheia de contradições.
  4. 4. Homossexuais, idosos, crianças sem futuro, Bem assim, iguais a mim, dentro da prisão sem muro. Qual é a tua desculpa pra pensar só em você? Que a sociedade é podre, eu tô cansado de saber. Do jeito que se escreve, se apaga o que não presta, O número da besta, eu já tirei de minha testa. Correr, fugir, voar, escapar, Sumir, deixar rolar, direto e reto vegetar. Gozar de outros valores, na falsa felicidade, Fazer de tudo, agora e ter o que contar mais tarde. Quem sabe um dia o mundo gira em torno de você, Quem sabe um dia eu fique sem ter mais o que dizer. Se a gente tivesse tudo que a gente quisesse, A tempestade passasse, pra que a bonança viesse. Quisera que os sonhos estivessem ao alcance, E cada um tivesse, de repente a sua chance, Tormentos queimariam na fogueira da igualdade, E as grades invisíveis sumiriam de verdade”. (MINHAS PRISÕES – PRC + UM COMUNA)
  5. 5. Referências <ul><li>http://www.letras.ufscar.br/linguagem/edicao06qartigos_lima.php </li></ul><ul><li>Orlandi.Eni Pulcinelli. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas, SP: Pontes, 1996 </li></ul><ul><li>PRC + UM COMUNA. A Guerra é pra valer. São Luís. Gravadora Periafricania.200g </li></ul>

×