Trauma raquimedular

43.145 visualizações

Publicada em

TRAUMA RAQUIMEDULAR

0 comentários
21 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
43.145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.343
Comentários
0
Gostaram
21
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trauma raquimedular

  1. 2. <ul><li> Brasil > 6 a 8 mil casos/ano. </li></ul><ul><li> Gastos de 300 milhões U$/ano. </li></ul><ul><li> Adultos jovens ( 15 aos 40 anos ) </li></ul><ul><li> Sexo Masculino 4:1 </li></ul><ul><li> Localização Anatômica </li></ul><ul><li>. 70% Col. Cervical </li></ul><ul><li>. 10-15% Col. Torácica </li></ul><ul><li>. 5-10% Col. Lombar </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  2. 3. <ul><li>CAUSAS: </li></ul><ul><li>. Acidentes Automobilísticos 30% </li></ul><ul><li>. Quedas de Altura 21% </li></ul><ul><li>. Acidentes Esportivos 2% </li></ul><ul><li>. Ferimento por arma de fogo 12% </li></ul><ul><li>. Outros 5% </li></ul><ul><li>Fonte : Ministério da Saúde </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  3. 4. ANATOMIA
  4. 5. ANATOMIA
  5. 9. <ul><li>Mecanismos de Lesão: </li></ul><ul><li>Hiperflexão </li></ul><ul><li>Hiperextensão </li></ul><ul><li>Carga axial </li></ul><ul><li>Carga lateral </li></ul><ul><li>Ferimentos penetrantes </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  6. 10. TRAUMA RAQUIMEDULAR Hiperextensão Hiperflexão
  7. 13. COMPRESSÃO MEDULAR
  8. 14. TRAUMA RAQUIMEDULAR Carga axial
  9. 16. TRAUMA RAQUIMEDULAR Carga lateral
  10. 18. TRAUMA RAQUIMEDULAR FERIMENTO PENETRANTE
  11. 19. <ul><li>RELAÇÃO ANATOMIA E FISIOPATOLOGIA </li></ul><ul><li>. Déficits neurológicos secundários à lesão esquelética ao nível ou acima de T 10 relacionam-se com lesões medulares. </li></ul><ul><li>. Entre T10 e L1 , o déficit neurológico é causado por lesão na medula e nas raízes . </li></ul><ul><li>. A medula termina em L1 e abaixo deste nível o déficit neurológico relaciona-se unicamente com lesão das raízes. </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  12. 20. <ul><li>FISIOPATOLOGIA </li></ul><ul><li>. As lesões neurológicas que acompanham as fraturas podem ser : </li></ul><ul><li>. Primárias ocorrem no momento da lesão, por 4 mecanismos básicos: contusão, compressão, estiramento e laceração. </li></ul><ul><li>. Secundárias resultam de processos reacionais, e podem ser: pela isquemia, e /ou pelo edema. </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  13. 21. <ul><li>Tanto as lesões primárias quanto as secundárias podem ter fases agudas e crônicas. A lesão primária é ocasionada da transferência da energia cinética para a substancia da medula espinal. </li></ul><ul><li>Durante as 8 primeiras horas após o trauma ocorrem hemorragia e necrose na substancia central da medula (cinzenta). Após isto temos migração de células gliais e edema no local da lesão, com a cicatrização desta. </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  14. 22. <ul><li>A lesão secundária resulta da isquemia causada pela redução do fluxo sanguíneo para o segmento danificado. Esta redução pode ser causada por uma alteração do canal vertebral, hemorragia ou edema significantes. </li></ul><ul><li>A cicatriz formada no local da lesão pelas células gliais leva a uma lesão crônica, pois esta não só inibe o crescimento axonal fisicamente como libera substancias que inibem o seu crescimento. </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  15. 23. <ul><li>FISIOPATOLOGIA </li></ul><ul><li>. As lesões espinhais podem ainda ser : </li></ul><ul><li>Completas – manifestação com perda sensitiva e motora completa abaixo do nível da lesão. </li></ul><ul><li>Incompletas – existe alguma função sensitiva ou motora preservada distalmente à lesão (bom prognóstico) </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  16. 24. <ul><li>. Choque Espinhal – disfunção do tecido nervoso da medula espinhal, baseado em uma interrupção fisiológica ao invés de estrutural, recupera-se em horas ou dias, caracteriza-se por perda dos reflexos e flacidez. </li></ul><ul><li>. Choque Neurogênico – definido por hipotensão com bradicardia, por interrupção traumática da eferência simpática T1-L2, e ao tônus vagal sem oposição. </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  17. 25. AVALIAÇÃO INICIAL <ul><li>A - airways </li></ul><ul><li>B - breathing </li></ul><ul><li>C - circulation </li></ul><ul><li>D – deficit neurologic </li></ul><ul><li>E – exposure </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  18. 26. <ul><li>AVALIAÇÃO CLÍNICA </li></ul><ul><li>Todo paciente inconsciente ou alcoolizado deve ser considerado como um lesado medular. </li></ul><ul><li>Pacientes conscientes com fraqueza, sinais de entorpecimento, paralisia dos braços, mãos ou pés, justificam um diagnóstico de lesão medular. </li></ul><ul><li>Exame neurológico criterioso sempre deve ser realizado após a fase de ressuscitação. </li></ul><ul><li>Reflexos a serem testados: bulbocavernoso, superficial anal, cremastérico, e Babinski. </li></ul><ul><li>Choque Medular e Choque Neurogênico ( hipotensão + bradicardia ) </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  19. 27. TRAUMA RAQUIMEDULAR REFLEXO BULBOCAVERNOSO
  20. 28. <ul><li>REFLEXO SUPERFICIAL ANAL </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  21. 29. <ul><li>Sinal de mau prognóstico DE MAU PROGNÓSTICO </li></ul><ul><li>Priapismo </li></ul><ul><li>Presença do Sinal de Babinski </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  22. 30. <ul><li>O QUE DEVE SER PESQUISADO </li></ul><ul><li>Deformidades anátomo-funcionais </li></ul><ul><li>Alterações sensitivas </li></ul><ul><li>Alterações motoras </li></ul><ul><li>Respiração diafragmática </li></ul><ul><li>Hipotensão e bradicardia </li></ul><ul><li>Ausência ou diminuição da sensibilidade em MMII </li></ul><ul><li>priapismo </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  23. 31. <ul><li>“ Desde que a coluna do doente esteja devidamente protegida, o exame vertebral e a exclusão de traumas à coluna podem ser postergados sem riscos, especialmente na presença de alguma instabilidade sistêmica” </li></ul><ul><li>ATLS </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  24. 32. <ul><li>O tratamento dos TRM deve ter início durante o resgate, com o objetivo de evitar lesões adicionais ou ampliação das já existentes. </li></ul><ul><li>A imobilização da coluna deve ser realizada em todos os pacientes politraumatizados e retirada após a confirmação da ausência de lesão. </li></ul><ul><li>Cuidados especiais devem ser tomados durante o transporte dos pacientes e durante a retirada de capacetes de ciclistas ou motociclistas. </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  25. 33. TRAUMA RAQUIMEDULAR ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR
  26. 34. <ul><li>O colar cervical deve ser colocado mesmo que o paciente não tenha sido admitido com ele. </li></ul>TRAUMA RAQUIMEDULAR
  27. 35. TRAUMA RAQUIMEDULAR
  28. 37. TRAUMA RAQUIMEDULAR CORTICOTERAPIA Uma vez identificada a lesão medular deverá ser iniciada, até no máximo 8 horas após o trauma. Se iniciado em até 3 horas do trauma, manter por 24 horas, se além disto, manter por 48 horas. METILPREDNISOLONA : 30 mg/Kg na 1ª hora no SG 5%, e manter 5,4 mg/Kg/hora nas próximas 23 a 48 horas.
  29. 38. TRAUMA RAQUIMEDULAR TRATAMENTO CIRÚRGICO . Redução de fraturas-luxações . Descompressão Medular . Fixação com material de síntese :  Mobilização precoce  Cuidados de enfermagem  Evita complicações respiratórias  Reabilitação
  30. 39. Muito Obrigado !

×