Planejamento de Orçamentos

501 visualizações

Publicada em

Apresentação dada aos alunos de Eng. Civil da Universidade Federal de Ouro Preto ingressados no mini-curso de BIM dado no Laboratório de Automação Predial. O intuito desse curso de Orçamento & Orçamentação foi justamente dar um insight aos alunos de como dar um valor ao projeto feito utilizado o Revit.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
501
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejamento de Orçamentos

  1. 1. Preparando Orçamentos Lucas T. Faria
  2. 2. Qualquer projeto Atividade Econômica
  3. 3. Orçamento vs. Orçamentação Qual a diferença?
  4. 4. Orçamento vs. Orçamentação Produto Processo
  5. 5. Processo Estimativa de Custos Previsão
  6. 6. Sucesso de um Projeto Orçamentação Eficiente
  7. 7. Atributos de um Bom Orçamento Aproximação Por se basear em previsões, todo orçamento é um estimativa
  8. 8. Atributos de um Bom Orçamento Mão de Obra Material Equipamento Custos Indiretos
  9. 9. Atributos de um Bom Orçamento Mão de Obra Produtividade das Equipes Encargos Sociais & Trabalhistas Material Equipamento Custos Indiretos
  10. 10. Atributos de um Bom Orçamento Mão de Obra Preços dos Insumos Impostos Perda Reaproveitamento Material Equipamento Custos Indiretos
  11. 11. Atributos de um Bom Orçamento Mão de Obra Custo Horário Produtividade Material Equipamento Custos Indiretos
  12. 12. Atributos de um Bom Orçamento Mão de Obra Pessoal Despesas Gerais Imprevistos Material Equipamento Custos Indiretos
  13. 13. Enfoques do Orçamento Ponto de vista do Proprietário Ponto de vista do Construtor
  14. 14. Etapas da Orçamentação
  15. 15. Etapas da Orçamentação Orçamentação engloba três grandes etapas de trabalho 
 
 1. Estudo das Condicionantes 2. Composição de Custos 3. Determinação do Preço
  16. 16. Etapas da Orçamentação 1. Estudo de Condicionantes Leitura e interpretação do projeto e especificações técnicas Leitura e interpretação do edital Visita técnica
  17. 17. Etapas da Orçamentação 2. Composição de Custos Identificação dos Serviços Levantamento de quantitativos Discriminação dos custos diretos
 Diretamente associados aos serviços de campo Unitários Verbas Discriminação dos custos indiretos
 Equipes Técnicas Suporte, etc.
  18. 18. Etapas da Orçamentação 2. Composição de Custos Cotação dos Preços Definição de encargos sociais e trabalhistas
  19. 19. Etapas da Orçamentação 3. Fechamento do Orçamento Definição da Lucrativadade Cálculo do BDI – Benefícios e Despesas Indiretas Desbalanceamento da Planilha*
  20. 20. Pra quê Orçar?!
  21. 21. Pra quê Orçar?! 1. Levantamento dos Materiais e Serviços 2. Obtenção de Índices para acompanhamento 3. Dimensionamento de equipes 4. Capacidade de revisão de valores e índices 5. Realização de simulações 6. Geração de cronogramas físico e financeiro 7. Análise da viabilidade econômico-financeira
  22. 22. Grau de Detalhamento do Orçamento ‣ Estimativa de Custo • Custos históricos e comparações com projetos similares ‣ Orçamento Preliminar • Mais detalhado que a estimativa • Requer levantamento de quantidades e pesquisa de preços ‣ Orçamento Analítico ou Detalhado • Extensa pesquisa de preços e insumos • Chega bem próximo do preço “real” – reduzida margem de incerteza
  23. 23. Estimativa de Custo
  24. 24. Estimativa de Custo ‣ Custo por metro linear de rede de drenagem ou esgoto; ‣ Custo por hectare de urbanização ‣ Custo por MW de energia instalado (usinas) ‣ Custo por km de estrada ‣ Custo do km de linha de transmissão de alta tensão
  25. 25. Estimativa de Custo CUB – Custo Unitário Básico mais usado Lei 4.591/64 – atribui a ABNT a tarefa de padronizar critérios e normas do custos NB – 140, atual NBR 12.721
  26. 26. Estimativa de Custo CUB – Custo Unitário Básico Custo da construção por m2 SINDUSCON de cada Estado (incluindo do DF)
  27. 27. Terminologia do CUB Padrão H 8 – 3 N Tipo H – Habitacional C – Comercial # de Pavimentos 1 4 8 12 16 # de Quartos 2 3 Padrão B – Baixo N – Normal A – Alto
  28. 28. Terminologia do CUB Número 2 Quartos 3 Quartos Pavimentos Baixo Normal Alto Baixo Normal Alto 1 952,59 1.098,19 1.180,57 813,48 923,72 1.007,54 4 712,53 828,73 1.011,50 635,64 730,09 880,85 8 690,92 807,05 983,35 606,93 704,37 856,85 12 674,43 793,92 967,02 595,98 694,30 845,26 CUB Médio Habitacional: 833,13 Padrão H 8 – 3 N Custo da construção por m2 (em R$) Padrão Habitacional – H; fonte: SINDUSCON-BA
  29. 29. Terminologia do CUB Índice CUB Variação acumulada do CUB entre o mês anterior e o atual
  30. 30. Terminologia do CUB DICA PARA O ORÇAMENTISTA CUB Custo médio do metro quadrado construído. Dado em R$. ÍNDICE CUB Indica a variação entre o CUB de dois meses consecutivos. É dado em %.
  31. 31. Outros Índices ‣ Custo de Urbanização – Avaliação de Glebas ‣ Custos Unitários PINI de Edificações
  32. 32. Orçamento Preliminar ‣ Volume de Concreto ‣ Peso de Armação ‣ Área de Fôrma ‣ …
  33. 33. Orçamento Preliminar ‣ Volume de Concreto ‣ Peso de Armação ‣ Área de Fôrma ‣ …
  34. 34. Estimativa de Custos por Etapa de Obra Decomposição da estimativa inicial Leva em consideração o percentual de cada etapa ETAPA % DO CUSTO TOTAL VALOR (R$) Serviços Preliminares 0,2 a 0,3 3.400,00 a 5.100,00 Movimento de terra 0,0 a 0,1 0,00 a 17.000,00 Infraestrutura 1,9 a 2,5 32.300,00 a 42.500,00 Pintura 3,1 a 4,0 52.700,00 a 68.000,00 … … … TOTAL 100,0 1.700.000,00
  35. 35. Orçamento Analítico ‣ A maneira mais detalhada possível ‣ Chega mais próximo ao real. ‣ Leva em conta o material, mão-de-obra, equipamento, etc.
  36. 36. Levantamento de Quantidades
  37. 37. Levantamento de Quantidades DIMENSÃO EXEMPLO Lineares Tubulação, meio-fio, cerca, sinalização horizontal Superficiais (Área) Limpeza, desmatamento, fôrma, forro, esquadria Volumétricos Concreto, escavação, aterro, dragagem Peso Armação, estrutura metálica Adimensionais Simples contagem: postes, portões, comportas
  38. 38. Composição de Custos
  39. 39. Composição de Custos ‣ Mão de Obra ‣ Material ‣ Equipamento
  40. 40. Composição de Custos Custos Unitários ‣ Custo de 1m3 de escavação manual ‣ Custo de 1m2 de de alvenaria de tijolo cerâmico ‣ Custo de 1m de pintura com tina a base de óleo ‣ Custo de 1kWh e esgotamento de vala ‣ …
  41. 41. INSUMO Cada um dos itens de material, mão-de-obra e equipamento UNIDADE unidade medida do insumo ÍNDICE incidência de cada insumo na execução de uma unidade de serviço CUSTO UNITÁRIO custo de aquisição ou emprego de unidade do insumo CUSTO TOTAL custo total do insumo na composição de custos unitários Composição de Custos
  42. 42. Insumo Unidade Índice C.U. (R$) C.T. (R$) Armador h 0,10 6,90 0,69 Ajudante h 0,10 4,20 0,42 Aço CA-50 kg 1,10 2,90 3,19 Arame Recozido #18 kg 0,03 5,00 0,15 TOTAL 4,45 Composição de Custos
  43. 43. Insumo Unidade Índice C.U. (R$) C.T. (R$) Armador h 0,10 6,90 0,69 Ajudante h 0,10 4,20 0,42 Aço CA-50 kg 1,10 2,90 3,19 Arame Recozido #18 kg 0,03 5,00 0,15 TOTAL 4,45 Composição de Custos Composição de Insumos Composição de C.U.s
  44. 44. Composição de Custos Serviço: preparo, transporte, adensamento de concreto estrutural fck=200kgf/cm2
  45. 45. Composição de Custos Serviço: preparo, transporte, adensamento de concreto estrutural fck=200kgf/cm2 Insumo Unidade Índice C.U. (R$) C.T. (R$) Cimento kg 306,00 0,36 110,16 Areia m3 0,901 35,00 31,54 Brita 1 m3 0,209 52,00 10,87 Brita 2 m3 0,627 52,00 32,60 Pedreiro h 1,000 6,90 6,90 Servente h 8,000 4,20 33,60 Betoneira h 0,35 2,00 0,70 TOTAL 226,37 Unidade: 1m3
  46. 46. Índice de Produtividade
  47. 47. Índice de Produtividade ‣ Produtividade ≠ Produção. ‣ Produção = quantidade de unidades feitas num período ‣ Produtividade = rapidez da produção
  48. 48. Índice de Produtividade ‣ Cosme: 800 tijolos em um dia de 8h ‣ Damião 800 tijolos em um dia de 12h ‣ Produção dos dois é igual ‣ Cosme foi ~50% mais eficiente no trabalho (100 tijolos/hora)
  49. 49. Índice de Produtividade ‣ Total de horas requeridas: 12ton * 150h/ton = 1.800h Montar equipe para montar 12 toneladas de estrutura metálica. Índice: 150h/ton & cada operário trabalha 10h por dia. Exemplo:
  50. 50. Índice de Produtividade Montar equipe para montar 12 toneladas de estrutura metálica. Índice: 150h/ton & cada operário trabalha 10h por dia. Exemplo: Qte. de Operários Horas/Dia Dias 10 10 1.800/(10*10) = 18 11 10 16,4 12 10 15 14 10 12,9
  51. 51. Índice de Produtividade DICA PARA O ORÇAMENTISTA MENOR ÍNDICE MAIOR PRODUTIVIDADE MAIOR ÍNDICE MENOR PRODUTIVIDADE 0,12kg/h 0,24kg/hvs.
  52. 52. Custo da Mão-de-Obra
  53. 53. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas ‣ Encargos em sentido estrito ‣ Previstos em Lei aos quais o empregador está obrigado ‣ Encargos em sentido amplo ‣ Somam-se aos encargos despesas que podem ser referenciadas ao homem-hora; e.g. transporte, EPI, alimentação, horas-extras
  54. 54. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos Sociais & Trabalhistas – Horistas A. ENCARGOS SOCIAIS BÁSICOS A.1 INSS 20,00% A.2 FGTS 8,00% A.3 Salário-Educação 2,5% A.4 SESI 1,50% A.5 SENAI 1,00% A.6 SEBRAE 0,60% A.7 INCRA 0,20% A.8 Seguro contra accidente de trabalho 3,00% TOTAL A 36,80%
  55. 55. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos Sociais & Trabalhistas – Horistas B. ENCARGOS TRABALHISTAS B.1 Férias (+1/3) 14,86% B.2 Repouso semanal remunerado 17,83% B.3 Feriados 4,09% B.4 Auxílio-Enfermidade 0,98% B.5 Acidente no Trabalho 0,74% B.6 Licença-Paternidade 0,05% B.7 Faltas Justificadas 0,74% B.8 13º Salário 11,14% TOTAL B 50,43%
  56. 56. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos Sociais & Trabalhistas – Horistas C. ENCARGOS INDENIZATÓRIOS C.1 Aviso Prévio 14,86% C.2 Multa por recisão do contrato de trabalho 17,83% C.3 Indenização adicional 
 (demissão 30 dias antes do dissídio) 0,69% TOTAL C 19,09%
  57. 57. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos Sociais & Trabalhistas – Horistas D. INCIDÊNCIAS CUMULATIVAS D.1 Incidência de A sobre B 18,56% D.2 Incidência de férias sobre o aviso prévio 2,06% D.3 Incidência do 13º salário sobre o aviso prévio 1,54% D.4 Incidência do FGTS sobre o aviso prévio 1,11% TOTAL D 23,26%
  58. 58. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos Sociais & Trabalhistas – Horistas SUBTOTAL A+B+C+D = 129,59%
  59. 59. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos Trabalhistas – Cálculo dos dias trabalhados por ano ‣ Férias ‣ Repouso Semanal Remunerado ‣ Feriados ‣ Auxílio-enfermidade ‣ Acidente de Trabalho ‣ Licença-paternidade ‣ % de Faltas Justificadas
  60. 60. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos no Sentido Amplo ‣ Encargos intersindicais (almoço, VT, cesta-básica, …) ‣ Equipamentos de Proteção Individual (EPI) ‣ Ferramentas ‣ Seguro de grupo ‣ Horas extras habituais
  61. 61. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos no Sentido Amplo E. ENCARGOS INTERSINDICAIS E.1 Alimentação 13,03% E.2 Café da Manhã 6,11% E.3 Vale-Transporte 21,72% E.4 Cesta básica 6,36% E.5 Seguro de vida e acidentes em grupo 0,82% TOTAL D 48,04%
  62. 62. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos no Sentido Amplo F. EPI & FERRAMENTAS F.1 EPI 2,45% F.2 Ferramentas - TOTAL D 3,01%
  63. 63. Custo da Mão-de-Obra Encargos Sociais & Trabalhistas Encargos no Sentido Amplo TOTAL = 193,04%
  64. 64. Custos Indiretos
  65. 65. Custos Indiretos “É todo custo que não é direto” Não entrou na planilha de orçamento como material, mão-de-obra ou equipamento
  66. 66. Custos Indiretos Fatores que influenciam as despesas indiretas ‣ Localização Geográfica ‣ Política da empresa ‣ Prazo ‣ Complexidade
  67. 67. Custos Indiretos Fatores que influenciam as despesas indiretas DICA PARA O ORÇAMENTISTA Inserir o máximo de itens possível na planilha de serviços da obra – isso reduz no custo indireto
  68. 68. Lucro & Impostos
  69. 69. Lucro & Impostos Toda empresa precisa gerar lucro.
  70. 70. Lucro & Impostos Toda empresa precisa gerar lucro. “O que entra menos o que sai”
  71. 71. Elemento Unidade Característica LUCRO R$ Lucro = Receitas – Despesas LUCRATIVIDADE % Lucro / Receita RENTABILIDADE % Lucro / Investimento Lucro & Impostos
  72. 72. Lucro & Impostos Nível de Lucratividade ‣ Normal ‣ Compensa a atividade empresarial, retornos compatíveis ‣ Alta ‣ Pouca concorrência, projeto incompleto, alto risco ‣ Baixa ‣ Muita concorrência, época de recessão (pior caso: estagflação), possibilidade de serviços extras, novo mercado, novo cliente.
  73. 73. Lucro & Impostos Nível de Lucratividade BAIXA 2%a10% NORMAL 5%a18% ALTA 10%a…
  74. 74. Lucro & Impostos Despesas Tributárias
  75. 75. Lucro & Impostos Despesas Tributárias Ainda faltam… ‣ COFINS – Contribuição para Financiamento da Seguridade Social ‣ PIS – Programa de Integração Social ‣ ISSQN – Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ‣ IRPJ – Imposto de Renda de Pessoa Jurídica ‣ CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
  76. 76. Lucro & Impostos Despesas Tributárias COMPETÊNCIA FEDERAL BASE DE CÁLCULO FATURAMENTO ALÍQUOTA 3%* FORMA de CÁLCULO 3% sobre faturamento COFINS
  77. 77. Lucro & Impostos Despesas Tributárias COMPETÊNCIA FEDERAL BASE DE CÁLCULO FATURAMENTO ALÍQUOTA 0,65%* FORMA de CÁLCULO 0,65% sobre faturamento PIS
  78. 78. Lucro & Impostos Despesas Tributárias COMPETÊNCIA MUNICIPAL BASE DE CÁLCULO Preço do Serviço Prestado ALÍQUOTA Varia muito entre municípios FORMA de CÁLCULO alíquota sobre preço do serviço ISSQN
  79. 79. Lucro & Impostos Despesas Tributárias COMPETÊNCIA FEDERAL BASE DE CÁLCULO Lucro Real ou Presumido ALÍQUOTA Variam do regime tributário FORMA de CÁLCULO alíquota sobre o lucro IRPJ & CSLL
  80. 80. Preço de Venda
  81. 81. Preço de Venda Custo + Lucro + Impostos = Preço de Venda Diretos Indiretos Acessórios
  82. 82. Agora é contigo…
  83. 83. Agora é contigo… ‣ Bonificação (ou Benefícios) e Despesas Indiretas

×