Universidade Federal do Pampa
Campus Caçapava do Sul

O desenho das temperaturas urbanas por meio
do sensoriamento remoto:...
Exemplos do Brasil e de Portugal
na questão das ilhas de calor em
ambientes urbanizados com a
utilização do infravermelho ...
Figura 1: Imagem de porto Portugal, Fonte: Google Earth.
Figura 2: Mapa de localização Presidente Prudente.
METODOLOGIAS

Foto 1:Satélite Landsat 7.
CARTAS TERMAIS
As imagens de satélite ajudaram a
compreender o desenho das temperaturas
intraurbanas.
 Resultantes da dis...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• Amorim, M. C. C. T. (2000) O clima urbano de Presidente Prudente/SP. São
Paulo. Tese de douto...
FIM
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto

222 visualizações

Publicada em

Sensoreamento remoto, SIG, cartas termais, desenho das temperaturas urbanas

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cartas termais com SIG e sensoreamento remoto

  1. 1. Universidade Federal do Pampa Campus Caçapava do Sul O desenho das temperaturas urbanas por meio do sensoriamento remoto: Acadêmicos: Sergio Maturana Wiliam Lucas Lucas Quaiatti Bolívar S. Dall’Agnes Actas do XII Colóquio Ibérico de Geografia 6 a 9 de Outubro 2010, Porto: Faculdade de Letras (Universidade do Porto) Caçapava do Sul, Janeiro de 2014
  2. 2. Exemplos do Brasil e de Portugal na questão das ilhas de calor em ambientes urbanizados com a utilização do infravermelho termal de temperatura da superfície.
  3. 3. Figura 1: Imagem de porto Portugal, Fonte: Google Earth.
  4. 4. Figura 2: Mapa de localização Presidente Prudente.
  5. 5. METODOLOGIAS Foto 1:Satélite Landsat 7.
  6. 6. CARTAS TERMAIS As imagens de satélite ajudaram a compreender o desenho das temperaturas intraurbanas.  Resultantes da distribuição das fontes de calor dentro das áreas urbanas que contribuem para a geração das ilhas de calor.  Utilização dos sistemas de sensores imagiadores e não imagiadores. 
  7. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • Amorim, M. C. C. T. (2000) O clima urbano de Presidente Prudente/SP. São Paulo. Tese de doutoramento, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo/Brasil. • Amorim, M. C. C. T. (2005) Intensidade e forma da ilha de calor urbana em Presidente Prudente/SP. Geosul, v. 20, n. 39: 65-82, UFSC – Florianópolis/Brasil. • BRASIL, (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). IBGE – Mapas IBGE – Atlas Escolares. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/mapas_ibge/atlas.php>. Acesso em 01/05/2010. • Camargo, C. E. S. (2007) Qualidade ambiental urbana em Presidente Prudente/SP. Presidente Prudente. Dissertação de mestrado, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista. • Esteves, F. F. (2010) O contributo dos SIG para compreender a relação entre os episódios extremos de temperatura e de variabilidade térmica na época de transição Primavera – Verão e a ocorrência de enfartes do miocárdio no concelho do Porto. Porto. Dissertação de mestrado, Faculdade de Letras da Universidade do Porto. • Monteiro, A. (1997). O Clima Urbano do Porto. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian.
  8. 8. FIM

×